Paula Pinheiro Mundim
GLR20130095
Licenciatura em Artes – Etno autografia da Educação
UFPR Litoral – Matinhos 2013

Um aca...
Mapa da cidade com principais pontos turísticos enumerados

Olhando brevemente esse mapa, pensei algo como “essa é uma cid...
Fotografias do mural na entrada do Mercado, de Emir Roth.
O Mercado e o Mural
Prosseguimos com a caminhada turística etnográfica, de repente avistamos um Dionísio como que a nos dar
boas vindas a este...
Detalhes da estátua de Dionísio

Dali, perto do deus do vinho e do teatro, deparamo-nos com uma casa imensa, do outro lado...
A última foto é um detalhe da atual entrada da “casa imensa”, que, segundo a placa de trânsito e alguns papéis
expostos no...
Entregou-nos papéis informativos sobre o local e as exposições que ali estavam e em seguida nos guiou para um
auditório, o...
Vou resumir a partir do que me recordo e do que li nos papéis entregues, fazendo um recorte específico para
“Etnografia da...
diálogos instrutivos entre mestres e pupilos, quanto um espaço para leituras com melhor aproveitamento da iluminação
natur...
E por fim, meus companheiros da aventura e o fim desse capítulo de nosso dia de aula em Paranaguá:
Paranaguá   etnografia
Paranaguá   etnografia
Paranaguá   etnografia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Paranaguá etnografia

187 visualizações

Publicada em

Etnografia em Paranaguá, no dia 28/10/2013

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
187
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Paranaguá etnografia

  1. 1. Paula Pinheiro Mundim GLR20130095 Licenciatura em Artes – Etno autografia da Educação UFPR Litoral – Matinhos 2013 Um acaso condizente em um feriado letivo Os dias passam e os detalhes que eram frescos começam a murchar, mas ainda não faz tanto tempo assim, vou enfim tentar etnografar... No fim do mês passado, dia 28 de outubro de 2013, fomos à Paranaguá, eu e mais uma galera da nossa sala de calouros de licenciatura em Artes, a professora Ana Elisa, o motorista do ônibus e o Luigi, estudante de outro curso, mas que é da cidade e aproveitou para ir fazer a visita conosco (e me apresentou a “banana recheada” do Mercado local, muito saborosa, por sinal). Desembarcamos próximo ao terminal rodoviário, com planos iniciais de fazer uma visita à um local cultural relacionado com a Elfrida Lobo, escritora nascida em Paranaguá que nos contou bons detalhes de sua infância durante uma rápida leitura em sala de aula que fizemos de um livro de sua autoria. O desembarque Porém o guia que nos proporcionaria essa entrada em pleno feriado (era dia do servidor público) não compareceu, e então a professora sugeriu que fizéssemos uma caminhada observando os aspectos históricos da cidade. Acatamos o novo plano e fomos andando em frente. Ainda no gramado próximo à rodoviária, avistei um mural que me chamou a atenção:
  2. 2. Mapa da cidade com principais pontos turísticos enumerados Olhando brevemente esse mapa, pensei algo como “essa é uma cidade realmente turística, além de histórica, e tem mesmo muita água... Paranágua...”. Então tirei a foto e fui atrás do grupo, que já se aproximava de nossa primeira parada. A primeira escala foi no Mercado Brasílio Abud, onde uma parede sanfonada toda ilustrada por Emir Roth nos chamou a atenção e os cliques fotográficos. Esses foram alguns de meus registros (eu modifiquei a maioria das fotos em programas de edição de imagens, porque a lente dificilmente capta o olhar, e mais raramente a impressão da memória, então gosto de fazer isso): Placas encontradas perto da entrada do Mercado Brasílio Abud
  3. 3. Fotografias do mural na entrada do Mercado, de Emir Roth.
  4. 4. O Mercado e o Mural
  5. 5. Prosseguimos com a caminhada turística etnográfica, de repente avistamos um Dionísio como que a nos dar boas vindas a este antigo lugar (não tanto quanto ele): Dionísio, estátua localizada na “Praça de Eventos 29 de julho Três cabeças sinistras o cercam, ainda não sei o significado delas, mas tirei fotos. Como são muito semelhantes, vou retratá-las com diferentes técnicas gráficas:
  6. 6. Detalhes da estátua de Dionísio Dali, perto do deus do vinho e do teatro, deparamo-nos com uma casa imensa, do outro lado da rua: Poste localizado na na “Praça de Eventos 29 de julho e Museu ao fundo Fomos a sua direção, à seus pés, em uma calçada estreita de paralelepípedos, farejando a entrada, dobramos a outra esquina, subimos uma leve ladeira, dobramos a esquina, e voilà!
  7. 7. A última foto é um detalhe da atual entrada da “casa imensa”, que, segundo a placa de trânsito e alguns papéis expostos no caminho já haviam informado, é atualmente um museu, o MAE/PR (Museu de Arqueologia e Etnologia UFPR). Para nossa inicial frustração, por ser uma segunda-feira (além de feriado), o recinto estava fechado, mas veja só, havia pessoas ali, que se comoveram com nosso numeroso grupo, oferecendo uma visitação monitorada ainda assim. Luiz, o senhor que nos recepcionou depois dos seguranças, começou por nos chamar a atenção à arquitetura que ali nos rodeava. Uma mistura de estruturas modernas e deveras antigas.
  8. 8. Entregou-nos papéis informativos sobre o local e as exposições que ali estavam e em seguida nos guiou para um auditório, onde decorreu por um momento dedicado de explicações históricas.
  9. 9. Vou resumir a partir do que me recordo e do que li nos papéis entregues, fazendo um recorte específico para “Etnografia da Educação”: As primeiras providências para a construção deste edifício começaram entre os anos de 1682 e 1685, quando a Câmara de Paranaguá negociou com o Conselho Ultramarino de Lisboa a instalação de uma Casa da Companhia de Jesus na cidade, local que seria residência para os jesuítas, e que também serviria um colégio de ensino primário, latinidade e religião. A autorização para a vinda e fixação de alguns padres na Vila foi concedida em 1704, e a Casa foi fundada, com a ajuda de diversas doações por parte dos paranaguaras. Porém o Colégio teve que aguardar a licença real, o que só ocorreu em 1738. As obras continuaram por mais alguns anos e enfim o Colégio foi inaugurado em 19 de março de 1755. No entanto, a permanência dos jesuítas depois da apropriação do Colégio foi curta, pois em 4 de julho de 1760 o Marquês de Pombal ordenou que a Companhia de Jesus fosse extinta e que seus membros fossem expulsos do Brasil. Antes de sairmos do então auditório (antiga capela, se não me engano) Luiz nos atentou a um aspecto arquitetônico típico de uma instituição educacional naquela época: as “conversadeiras”. Anexados à quase todas as janelas do edifício, encontram-se dois assentos, os quais nos explicou ter a finalidade tanto de ser local onde ocorriam
  10. 10. diálogos instrutivos entre mestres e pupilos, quanto um espaço para leituras com melhor aproveitamento da iluminação natural. Outra característica que denuncia seus fins estudantis é a parte central da construção, um pátio, onde pude imaginar jovens vestidos com classe em momentos de distração. A foto abaixo é de quando estávamos no início da visita, lá em cima, e as posteriores um pouco antes de partirmos, lá embaixo. No meio tempo, visitamos as exposições então vigentes, que estavam muito interessantes, e também percorremos outros locais do edifício com histórias impactantes. Esse é um local de muitos focos de observação, tenho fotografias que ilustram isso, porém deixarei para outra oportunidade, pois essa é uma tentativa de registro focando no aspecto “Colégio”.
  11. 11. E por fim, meus companheiros da aventura e o fim desse capítulo de nosso dia de aula em Paranaguá:

×