Zaqueu recebe Jesus-1,5h

5.539 visualizações

Publicada em

Versão 16

Publicada em: Espiritual
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.539
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
177
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Zaqueu recebe Jesus-1,5h

  1. 1. Zaqueu recebe Jesus
  2. 2. "As pessoas que têm saúde não precisam de médico, mas só as que estão doentes. Eu não vim para chamar justos, e sim pecadores para o arrependimento." (Jesus, em Lucas 5,31-32)
  3. 3. E tendo entrado em Jericó, atravessava Jesus a cidade. Jesus na casa de Zaqueu (Lucas 19,1-10)
  4. 4. E vivia nela um homem chamado Zaqueu, e era ele um dos principais entre os publica- nos, e pessoa rica. E procurava ver Jesus, para saber quem era, e não o podia conse- guir, por causa da muita gente, porque era pequeno de estatura. E correndo adiante, subiu a um sicômoro para o ver, porque por ali havia de passar. Jesus na casa de Zaqueu (Lucas 19,1-10)
  5. 5. E quando Jesus chegou aquele lugar, levan- tando os olhos, ali o viu, e lhe disse: Zaqueu, desce depressa, porque importa que eu fique hoje em tua casa. Jesus na casa de Zaqueu (Lucas 19,1-10)
  6. 6. E desceu ele a toda pressa, e recebeu-o gos- toso. E vendo isto todos murmuravam, di- zendo que tinha ido hospedar-se em casa de um homem pecador. Jesus na casa de Zaqueu (Lucas 19,1-10)
  7. 7. Entretanto Zaqueu, posto na presença do Senhor, disse-lhe: Senhor, eu estou para dar aos pobres metade dos meus bens, e naquilo em que eu tiver defraudado alguém, pagar- lho-ei quadruplicado. Jesus na casa de Zaqueu (Lucas 19,1-10)
  8. 8. Sobre o que Jesus lhe disse: Hoje entrou a salvação nesta casa, porque este também é filho de Abraão. Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que tinha perecido. Jesus na casa de Zaqueu (Lucas 19,1-10)
  9. 9. Vamos refletir sobre esse episódio, cujo pano de fundo trata da salvação dos ricos:
  10. 10. E tendo entrado em Jericó,...
  11. 11. Alguns dados interessantes sobre Jericó:
  12. 12. “Jericó era uma antiquíssima cidade, construída na espaçosa planície onde o vale do Jordão alar- ga-se entre os montes de Moabe (*) e os preci- pícios ocidentais. Produzia certo número de importantes produtos, incluindo o bálsamo, e era uma próspera comu- nidade comercial ao tempo de Jesus. Distâncias: 15 km de Betel; 20 km do Mar Mor- to; 30 km de Jerusalém. Era um centro de cobrança de impostos.” (R. N. CHAMPLIN e J. M. BENTES, Enciclopédia de Bíblia, Teologia e Filosofia, p. 457-458 – passim). (*) Moabe é o nome histórico de uma faixa de terra montanhosa no que é atualmente a Jordânia, ao longo da margem oriental do Mar Morto.
  13. 13. “Na qualidade do mais importante centro co- mercial de Israel, tinha Jericó uma alfândega movimentada que, nesse tempo, se achava arrendada pelos senhores de Roma a um ju- deu abastado por nome Zaqueu, homem de pequena estatura e de grande atividade. […].” (HUBERTO ROHDEN, Jesus Nazareno, p. 315). Alfândega: repartição pública, ger. localizada nas frontei- ras de região, país etc., onde se inspecionam bagagens e mercadorias em trânsito e onde se efetua a cobrança das taxas correspondentes de entrada e saída; aduana. (HOUAISS)
  14. 14. E tendo entrado em Jericó, atravessava Jesus a cidade
  15. 15. Jesus dirigia-se para a cidade de Jerusalém, o que se comprova: Lucas 18,31: “Tomando consigo os doze, dis- se-lhes Jesus: Eis que subimos para Jerusa- lém, e vai cumprir-se ali tudo quanto está es crito por intermédio dos profetas, no tocante ao Filho do Homem.” Lucas 19,1-10: Zaqueu recebe Jesus. Lucas 19,28: “E, dito isso, prosseguia Jesus subindo para Jerusalém.”
  16. 16. E nós, aprendizes do Evangelho, temos dado mais valor às coisas materiais (Jericó simbo- lizando as coisas do mundo) em detrimento das espirituais: “onde nem a traça nem a ferrugem corroem” (Mateus 6,20)?
  17. 17. Há uma outra narrativa na qual as cidades de Jerusalém e Jericó são também citadas. Alguém se lembra dela?
  18. 18. Há uma outra narrativa na qual as cidades de Jerusalém e Jericó são também citadas. Alguém se lembra dela? Trata-se da Parábola do bom samaritano, re-latada em Lucas 10,25-37, que, como o epi-sódio com Zaqueu, consta apenas no Evan-gelho Segundo Lucas.
  19. 19. Indo-se de Jerusalém para Jericó, afinal so- be-se ou desce-se?
  20. 20. Indo-se de Jerusalém para Jericó, afinal so- be-se ou desce-se? Altitudes Jerusalém: 800 m Jericó: –250 m
  21. 21. Há um detalhe bem interessante nessas duas narrativas. Na do bom Samaritano, o homem descia de Jerusalém para Jericó, na relativa a Zaqueu, Jesus subia de Jericó para Jerusalém. Cada uma dessas ações (descer e subir) ge- rou consequências diferentes...
  22. 22. E nós, aprendizes do Evangelho, estamos fazendo opção por qual desses valores?
  23. 23. Essas narrativas, apresentam-nos dois pre- ciosos ensinamentos a respeito da salvação. Na da parábola do Bom Samaritano, temos a caridade com a qual se prova o amor ao pró- ximo, como sendo a base da “salvação”. Na de Zaqueu, temos a “salvação” também sendo confirmada na reparação de todo o mal que se faz ao próximo.
  24. 24. E vivia nela um homem chamado Zaqueu, e era ele um dos principais entre os publicanos,...
  25. 25. Publicano: cobrador de impostos. “Aos olhos dos judeus, passava o publicano por um traidor da pátria, pelo fato de colabo- rar com a dominação estrangeira e recordar a perda da independência nacional. O israe- lita ortodoxo evitava qualquer contato com esses 'pecadores'.” (HUBERTO ROHDEN, Jesus Naza- reno, p. 96). Há três passagens bíblicas em que os publi- canos são citados:
  26. 26. Mateus 9,10-11: “[…] estando ele em casa, à mesa, muitos publicanos e pecadores vieram e tomaram lugares com Jesus e seus discípu- los. […] os fariseus perguntaram aos discípu- los: Por que come o vosso Mestre com os pu- blicanos e pecadores?” Mateus 11,19: “Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e dizem: Eis aí um glutão e be- bedor de vinho, amigo de publicanos e peca- dores! […].” Mateus 21,31: “[…] Declarou-lhes Jesus: Em verdade vos digo que publicanos e meretri- zes vos precedem no reino de Deus.”
  27. 27. E nós, aprendizes do Evangelho, temos mani festado algum tipo de preconceito para com o nosso próximo por sua maneira de ser, de agir ou de pensar?
  28. 28. Pode-se ainda considerar: nós avaliamos as pessoas por suas qualidades morais ou, ge- ralmente, seguimos o (pre)conceito estabe- lecido pela massa popular? Em outras pala- vras: somos “maria-vai-com-as-outras” ou temos opinião própria?
  29. 29. E vivia nela um homem chamado Zaqueu, e era ele um dos principais entre os publicanos, e pessoa rica.
  30. 30. Mateus 19,23: “Então, disse Jesus a seus discípulos: Em verdade vos digo que um rico dificilmente entrará no reino dos céus.” Ao que completou:
  31. 31. Mateus 19,24: “E ainda vos digo que é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus.”
  32. 32. Kardec, explica: “Esta arrojada figura pode parecer um pouco forçada, pois que não se percebe que relação possa existir entre um camelo e uma agulha. Acontece, no entanto, que, em hebreu, a mesma palavra serve para designar um camelo e um cabo. Na tradução, deram-lhe o primeiro desses significados; mas é provável que Jesus a tenha empregado com a outra significação. É, pelo menos, mais natural.” (KARDEC, ESE, cap. XVI, item 2). Há mais uma outra explicação:
  33. 33. “Provavelmente essa fala é uma adaptação de uma declaração da literatura judaica, que diz que 'nem em seus sonhos um homem vê uma palmeira de ouro ou um elefante a pas- sar pelo fundo de uma agulha'. […].” (R. N. CAMPLIN, O Novo Testamento interpretado versículo a ver- sículo, p. 491). Essa frase de Jesus, sobre ser impossível a um camelo passar pelo fundo da agulha, foi dita logo após o diálogo com um jovem rico:
  34. 34. Marcos 10,17-22: “E, pondo-se Jesus a cami- nho, correu um homem ao seu encontro e, ajoe lhando-se, perguntou-lhe: Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna? Respondeu-lhe Jesus: Por que me chamas bom? Ninguém é bom senão um, que é Deus. Sabes os manda- mentos: Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, não de- fraudarás ninguém, honra a teu pai e tua mãe. Então, ele respondeu: Mestre, tudo isso tenho observado desde a minha juventude. E Jesus, fitando-o, o amou e disse: Só uma coisa lhe falta: Vai, vende tudo o que tens, dá-o aos po- bres e terás um tesouro no céu; então, vem e segue-me. Ele, porém, contrariado com esta palavra, retirou-se triste, porque era dono de muitas propriedades.” (ver Mt 19,16-22 e Lc 18,18-23)
  35. 35. Marcos 8,34: “Então Jesus chamou a multi- dão e os discípulos. E disse: "Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga.” Lucas 14,33: “Do mesmo modo, portanto, qualquer de vocês, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo”. Mateus 16,26: “Pois, que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? […]”.
  36. 36. Marcos 8,34: “Então Jesus chamou a multi- dão e os discípulos. E disse: "Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga.” Lucas 14,33: “Do mesmo modo, portanto, qualquer de vocês, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo.” Mateus 16,26: “Pois, que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? […]”.
  37. 37. Marcos 8,34: “Então Jesus chamou a multi- dão e os discípulos. E disse: "Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga.” Lucas 14,33: “Do mesmo modo, portanto, qualquer de vocês, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo.” Mateus 16,26: “Pois, que aproveitará o ho- mem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? […].”
  38. 38. “A riqueza e o poder fazem nascer todas as paixões que nos prendem à matéria e nos afastam da perfeição espiritual. Por isso foi que Jesus disse: 'Em verdade vos digo que mais fácil é passar um camelo por um fundo de agulha do que entrar um rico no reino dos céus'.” (KARDEC, LE, p. 816).
  39. 39. “[…] Sem dúvida, pelos arrastamentos a que dá causa, pelas tentações que gera e pela fascinação que exerce, a riqueza constitui uma prova muito arriscada, mais perigosa do que a miséria. É o supremo excitante do or- gulho, do egoísmo e da vida sensual. É o la- ço mais forte que prende o homem à Terra e lhe desvia do céu os pensamentos. […].” (KAR-DEC, ESE, cap. XVI, item 7).
  40. 40. “A riqueza é um meio de o experimentar mo- ralmente. […] Cada um tem de possuí-la, pa- ra se exercitar em utilizá-la e demonstrar que uso sabe fazer dela. […] cada um a pos- sui por sua vez. Assim, um que não na tem hoje, já a teve ou terá noutra existência; ou- tro, que agora a tem, talvez não na tenha amanhã. […] A pobreza é, para os que a so- frem, a prova da paciência e da resignação; a riqueza é, para os outros, a prova da cari- dade e da abnegação.” (KARDEC, ESE, cap. XVI, item 8).
  41. 41. E procurava ver Jesus, para saber quem era, e não o podia conseguir, por causa da muita gente, porque era pequeno de estatura.
  42. 42. “[…] Os rolos brancos que conduzem são pe- quenos mapas de formas orgânicas, elabora- dos por orientadores de nosso plano, espe- cializados em conhecimentos biológicos da existência terrena. Conforme o grau de adi- antamento do futuro reencarnante e de acor- do com o serviço que lhe é designado no cor- po carnal, é necessário estabelecer planos adequados aos fins essenciais.” (XAVIER, 1986). Em Missionários da Luz, o instru- tor Alexandre fa- la a André Luiz:
  43. 43. Nessa mesma obra, um pouco mais à frente, um trecho do diálogo de Silvério, que se pre- parava para reencarnar, com o seu instrutor: “– Pode informar se o meu modelo está pron to? – Creio que poderá procurá-lo amanhã – tornou Manassés, bem disposto –; já fui observar o gráfico inicial e dou-lhe parabéns por haver aceitado a sugestão amorosa dos amigos bem orientados, sobre o defeito da perna. Certamente, lutará você com gran- des dificuldades nos princípios da nova luta, mas a resolução lhe fará grande bem. ==>
  44. 44. – Sim – disse o outro, algo confortado –, preciso defender-me contra certas tentações de minha natureza inferior e a perna doente me auxiliará, ministrando-me boas preocu- pações. Ser-me-á um antídoto à vaidade, uma sentinela contra a devastação do amor- próprio excessivo.” (XAVIER, 1986, p. 168).
  45. 45. Algo interessante tem surgido dos estudos com a regressão de memória: “[…] Os estudos de casos sugerem que os atri- butos físicos fazem parte do pacote que o es- pírito seleciona para alcançar o que precisa aprender em sua próxima existência. Escolher um corpo com alguma incapacidade, por exem plo, pode acelerar o desenvolvimento da alma pelo fato de lhe dar a oportunidade de apren- der a vencer obstáculos ou de se concentrar no desenvolvimento intelectual. Já um belo cor po pode trazer lições sobre vaidade e aparên- cia. A escolha envolve o equilíbrio específico, e a necessidade de ter determinadas caracterís- ticas físicas. […].” (CAROL BOWMAN, O amor me trou- xe de volta, p. 68).
  46. 46. E nós, aprendizes do Evangelho, sonhamos com um corpo que não temos ou estamos plenamente resignados com o que possuí- mos?
  47. 47. Quanta dor e sofrimento muitos de nós não passa por recusar a aceitar o corpo que tem, justamente aquele escolhido por julgá-lo ser o melhor para o seu progresso na presente encarnação.
  48. 48. E correndo adiante, subiu a um sicômoro para o ver, porque por ali havia de passar.
  49. 49. “Ficus sycomorus L., conhecida pelos nomes comuns de sicómoro, sicômoro ou figueira-doida, é uma espécie de figueira de raízes profundas e ramos fortes que produz figos de qualidade infe- rior, cultivada no Médio Oriente e em partes da África há milênios. […].” (WIKIPÉDIA).
  50. 50. Decidido a ver Jesus, Zaqueu busca vencer a sua natural dificuldade, que era o fato de ser de pequena estatura, para isso, sem qual- quer constrangimento, sobe numa árvore.
  51. 51. E nós, aprendizes do Evangelho, sempre pro- curamos vencer as inúmeras dificuldades que, constantemente, nos surgem ao longo de nossa caminhada evolutiva?
  52. 52. E nós, aprendizes do Evangelho, sempre pro- curamos vencer as inúmeras dificuldades que, constantemente, nos surgem ao longo de nossa caminhada evolutiva? Vendo as dificuldades de um ponto mais ele- vado, elas tornar-se-iam menores ou, quem sabe, mais suportáveis?
  53. 53. Mateus 11,28: “Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei.”
  54. 54. E quando Jesus chegou aquele lugar, levan- tando os olhos, ali o viu, e lhe disse:…
  55. 55. O detalhe de ter “levantando os olhos, ali o viu” é interessante, pois bem demonstra que Jesus estava atento ao que acontecia à sua volta, razão pela qual percebeu Zaqueu na árvore.
  56. 56. E nós, aprendizes do Evangelho, estamos atentos para prestar auxílio aos necessitados que estão um pouco fora do nosso campo de visão?
  57. 57. 4 … Zaqueu, desce depressa, porque importa que eu fique hoje em tua casa. E desceu ele a toda pressa, e recebeu-o gostoso.
  58. 58. Diante de tão inusitado pedido, Zaqueu não vacila um só minuto, mais do que depressa, desce da árvore para, com o maior prazer, receber Jesus em sua casa.
  59. 59. E nós, aprendizes do Evangelho, temos rece- bido Jesus em nossa casa mental? Os senti- mentos que emanam dela são consoantes com os ensinamentos de Jesus?
  60. 60. E vendo isto todos murmuravam, dizendo que tinha ido hospedar-se em casa de um homem pecador.
  61. 61. Murmuravam, ou seja, comentavam entre si, por certo, fazendo juízo da atitude de Jesus em hospedar-se na casa de Zaqueu, um “de- testável” publicano.
  62. 62. E nós, aprendizes do Evangelho, quando ve- mos alguém fazendo uma determinada ação, temos feito algum juízo de valor?
  63. 63. Entretanto Zaqueu, posto na presença do Senhor, disse-lhe: Senhor, eu estou para dar aos pobres metade dos meus bens, e naquilo em que eu tiver defraudado alguém, pagar-lho-ei quadruplicado.
  64. 64. “[…] segundo o Êxodo (21:37) a restituição quádrupla devia ser feita em caso de roubo; mas tratando-se de simples fraude, a Lei (Lev. 5:24 e Núm. 5:6-7) mandava que se restituísse a importância mais um quinto (isto é, mais 20%). Jesus não se impôs a Zaqueu nem lhe pediu que abandonasse suas riquezas e o seguisse: apenas o homenageia com Sua presença.” (CARLOS TORRES PASTORINO, Sabedoria do Evangelho, p. 132).
  65. 65. Pelo texto, não temos como saber se Zaqueu somente tinha o interesse em ver Jesus ou se, dentro de seu coração, alimentava o de- sejo de conversar com ele para conhecer sua doutrina. O que é mais provável é que Zaqueu sabia da fama de Jesus, porquanto, numa outra oportunidade, à porta de Jericó, ele curou um cego (Marcos 10,46-52 e Lucas 18,35- 43) ou dois (Mateus 20,29-34), fato esse que deve ter se espalhado por toda a cidade.
  66. 66. Mas o que importa é que Zaqueu, após ver as coisas de um ponto de vista mais elevado (de cima da árvore), foi tocado pela presença de Jesus, por isso propõe primeiro dividir seus bens com os necessitados, depois resti- tuir quatro vezes mais aqueles que, porven- tura, tivesse prejudicado.
  67. 67. E nós, aprendizes do Evangelho, temos a coragem de dividir pelo menos um pouco dos nossos bens com os que nada têm ou que têm muito menos que nós?
  68. 68. E nós, aprendizes do Evangelho, temos a coragem de dividir pelo menos um pouco dos nossos bens com os que nada têm ou que têm muito menos que nós? Teríamos, alguma vez, pensado em reparar o prejuízo causado a alguém, ainda que o te- nhamos feito de forma inconsciente?
  69. 69. Cabe-nos também ressaltar a questão do “ser tocado”, veja-se, por exemplo, que não foi a primeira vez que Jesus entra na casa de alguém, há, pelo menos, mais três pessoas, que, por coincidência, eram do partido dos fariseus. O curioso é que a reação desses fariseus foi totalmente diferente da de Zaqueu, por isso mais enaltecida deve ser a sua atitude.
  70. 70. Lucas 7,36-39: “Certo fariseu convidou Jesus para uma refeição em casa. Jesus entrou na casa do fariseu, e se pôs à mesa. Apareceu então certa mulher, conhecida na cidade co- mo pecadora. Ela, sabendo que Jesus estava à mesa na casa do fariseu, levou um frasco de alabastro com perfume. A mulher se colo- cou por trás, chorando aos pés de Jesus; com as lágrimas começou a banhar-lhe os pés. Em seguida, os enxugava com os cabe- los, cobria-os de beijos, e os ungia com perfume. Vendo isso, o fariseu que havia convidado Jesus ficou pensando: "Se esse homem fosse mesmo um profeta, saberia que tipo de mulher está tocando nele, por- que ela é pecadora.”
  71. 71. Lucas 11,37-40: “Enquanto Jesus falava, um fariseu o convidou para jantar em casa. Jesus entrou, e se pôs à mesa. O fariseu ficou admirado ao ver que Jesus não tinha lavado as mãos antes da refeição. O Senhor disse ao fariseu: 'Vocês, fariseus, limpam o copo e o prato por fora, mas o interior de vocês está cheio de roubo e maldade. Gente sem juízo! Aquele que fez o exterior, não fez também o interior?'”
  72. 72. Lucas 14,1-6: “Num dia de sábado aconteceu que Jesus foi comer em casa de um dos che- fes dos fariseus, que o observavam. Havia um homem hidrópico diante de Jesus. Tomando a palavra, Jesus falou aos especialistas em leis e aos fariseus: 'A Lei permite ou não permite curar em dia de sábado?' Mas eles ficaram em silêncio. Então Jesus tomou o homem pela mão, o curou, e o despediu. Depois disse a eles: 'Se alguém de vocês tem um filho ou um boi que caiu num poço, não o tiraria logo, mesmo em dia de sábado?' E eles não foram capazes de responder a isso.” Hidrópico => Hidropisia: Acumulação anormal de líqui do em tecidos ou em cavidades do corpo. (AURÉLIO).
  73. 73. E nós, aprendizes do Evangelho, temos agido como algum desses fariseus: – Ficamos observando as pessoas para ver como elas agem em determinada situação?
  74. 74. E nós, aprendizes do Evangelho, temos agido como algum desses fariseus: – Ficamos observando as pessoas para ver como elas agem em determinada situação? – Exigimos que elas façam alguma coisa que depende de nós dar-lhes os instrumentos e não os oferecemos?
  75. 75. E nós, aprendizes do Evangelho, temos agido como algum desses fariseus: – Ficamos observando as pessoas para ver como elas agem em determinada situação? – Exigimos que elas façam alguma coisa que depende de nós dar-lhes os instrumentos e não os oferecemos? – Usamos do formalismo religioso ou social para criticar a ação que elas possam estar fazendo a favor do próximo?
  76. 76. Sobre o que Jesus lhe disse: Hoje entrou a salvação nesta casa,...
  77. 77. Qual teria sido o motivo que levou Jesus afir- mar: “hoje entrou a salvação nessa casa”? – Foi por que Zaqueu acreditou nele?; – Foi por que este rico publicano pertencia a alguma Igreja específica?; – Foi por que Deus o havia predestinado para a isso?; ou – Foi por que resolveu mudar suas atitudes para com o próximo, procurando tratá-lo de outra forma, incluindo a reparação de algum prejuízo que, porventura, lhe havia feito? “[…] a cada um segundo suas obras” (Mt 16,27).
  78. 78. Qual teria sido o motivo que levou Jesus afir- mar: “hoje entrou a salvação nessa casa”? – Foi por que Zaqueu acreditou nele?; – Foi por que este rico publicano pertencia a alguma Igreja específica?; – Foi por que Deus o havia predestinado para a isso?; ou – Foi por que resolveu mudar suas atitudes para com o próximo, procurando tratá-lo de outra forma, incluindo a reparação de algum prejuízo que, porventura, lhe havia feito? “[…] a cada um segundo suas obras” (Mt 16,27).
  79. 79. Qual teria sido o motivo que levou Jesus afir- mar: “hoje entrou a salvação nessa casa”? – Foi por que Zaqueu acreditou nele?; – Foi por que este rico publicano pertencia a alguma Igreja específica?; – Foi por que Deus o havia predestinado para a isso?; ou – Foi por que resolveu mudar suas atitudes para com o próximo, procurando tratá-lo de outra forma, incluindo a reparação de algum prejuízo que, porventura, lhe havia feito? “[…] a cada um segundo suas obras” (Mt 16,27).
  80. 80. Qual teria sido o motivo que levou Jesus afir- mar: “hoje entrou a salvação nessa casa”? – Foi por que Zaqueu acreditou nele?; – Foi por que este rico publicano pertencia a alguma Igreja específica?; – Foi por que Deus o havia predestinado para a isso?; ou – Foi por que resolveu mudar suas atitudes para com o próximo, procurando tratá-lo de outra forma, incluindo a reparação de algum prejuízo que, porventura, lhe havia feito? “[…] a cada um segundo suas obras” (Mt 16,27).
  81. 81. Qual teria sido o motivo que levou Jesus afir- mar: “hoje entrou a salvação nessa casa”? – Foi por que Zaqueu acreditou nele?; – Foi por que este rico publicano pertencia a alguma Igreja específica?; – Foi por que Deus o havia predestinado para a isso?; ou – Foi por que resolveu mudar suas atitudes para com o próximo, procurando tratá-lo de outra forma, incluindo a reparação de algum prejuízo que, porventura, lhe havia feito? “[…] a cada um segundo suas obras” (Mt 16,27).
  82. 82. Qual teria sido o motivo que levou Jesus afir- mar: “hoje entrou a salvação nessa casa”? – Foi por que Zaqueu acreditou nele?; – Foi por que este rico publicano pertencia a alguma Igreja específica?; – Foi por que Deus o havia predestinado para a isso?; ou – Foi por que resolveu mudar suas atitudes para com o próximo, procurando tratá-lo de outra forma, incluindo a reparação de algum prejuízo que, porventura, lhe havia feito? “[…] a cada um segundo suas obras” (Mt 16,27).
  83. 83. Na parábola do Juízo Final temos, com uma clareza incontestável, a definição de qual se- rá o critério de nosso julgamento:
  84. 84. Mateus 25,31-46: “E quando o Filho do ho- mem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória; e todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas; e porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda. Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está pre- parado desde a fundação do mundo; porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospe- dastes-me; estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver- me. Então os justos lhe responderão, dizendo:
  85. 85. Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos? E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver- te? E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos; porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes. Então eles também
  86. 86. lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos? Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim. E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna.”
  87. 87. Mateus 16,27: “Porque o Filho do homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos, e então retribuirá a cada um conforme suas obras.”
  88. 88. Sobre o que Jesus lhe disse: Hoje entrou a salvação nesta casa, porque este também é filho de Abraão...
  89. 89. Os judeus consideravam-se descendentes de Abraão, daí a expressão “filho de Abraão”, a ideia por detrás era a de que somente eles poderiam ser considerados como filhos de Deus. Ao dizer que esse é também filho de Abraão, Jesus estabelece a igualdade entre todos os seres humanos. E numa visão mais ampliada, todos nós sen- do filhos do mesmo Pai, que é Deus, também somos iguais e, portanto, nenhum tipo de privilégio há entre cada um de nós e os outros, sejam eles quem forem.
  90. 90. Sobre o que Jesus lhe disse: Hoje entrou a salvação nesta casa, porque este também é filho de Abraão. Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que tinha perecido.
  91. 91. E quem, na humanidade, pode dizer que não está perdido? Então, podemos ter certeza que Jesus ainda continua “buscando para salvar” a cada um de nós, só que através de seus mensageiros, os Espíritos Superiores, que amparam a to- dos nós, sem discriminação, seja ela por fa- tor cultural, social ou físico.
  92. 92. “Quem é mais escravo do mundo? O rico que possui e é possuído por aquilo que possui ou o pobre que não possui, mas é possuído pelo desejo de possuir?” (MÁRCIO ROGÉRIO HORII). (http://www.facebook.com/marciorogerio.horii)
  93. 93. Referências bibliográficas: BOWMAN, C. O amor me trouxe de volta. Rio de Janeiro: Sextante, 2010. CHAMPLIN, R. N. e BENTES, J. M. Enciclopédia de Bíblia, teologia e filosofia. Vol. 3. São Paulo: Candeia, 1995c. CHAMPLIN, R. N. O Novo Testamento interpretado versículo a versículo. Vol.1. São Paulo: Hagnos, 2005. KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 1982 PASTORINO, C. T. Sabedoria do Evangelho. Vol. 6. Rio de Janeiro: Sabedoria, 1969. ROHDEN, H. Jesus Nazareno. São Paulo: Martin Claret, 2007. XAVIER, F. C. Missionários da Luz. Rio de Janeiro: FEB, 1986. Jordão: http://www.suapesquisa.com/pesquisa/rio_jordao.htm Moabe: http://pt.wikipedia.org/wiki/Moabe
  94. 94. Imagens: Capa: 1ª: http://2.bp.blogspot.com/_5bpwaFTmfCE/TG3DGr- kt_I/AAAAAAAAC5A/ZYSOQQgeJjU/s320/1zaqueooz01.jpg Narrativa: 2ª a 7ª: http://www.adotaciliocosta.com.br/infantil/historia_zaqueu.php Jesus vê Zaqueu na árvore: http://goppa.blog.terra.com.br/files/2009/11/zaqueu8.jpg Oriente Médio: http://www.gods-word-first.org/Images/ancient-near-east.jpg Palestina relevo: http://www.flickr.com/photos/aronmacedo/5419893518/ Jesus em Jerusalém: http://portalsementinhakids.com/wp- content/uploads/2009/10/A+ENTRADA+TRIUNFAL+EM+JERUSALEM_VISUAL2.jp g Samaritano: http://blogs.21rs.es/kamiano/files/2010/04/buensamaritano1.jpg Palestina no tempo de Jesus: http://www.ibcu.org.br/_IBCU- Conteudo/_EscolaBiblica/1503-2harmonia@2-1.pdf Reencarnação corpo: http://3.bp.blogspot.com/- IZhCCyHJv4M/UU32sfnA1KI/AAAAAAAAGRo/uvJ0ttNobXs/s320/reencarnacao.jpg Sicômoro: http://www.orientamenti.it/foto/citta/640/128_eritrea- segheneiti.jpg Corpo malhado: http://saudesporte.com.br/wp- content/uploads/2013/11/Como-manter-os-resultados-da-muscula %C3%A7%C3%A3o.png e http://ego.globo.com/Gente/foto/0,,36525025- EXH,00.jpg camelo: http://img.iacp.org.br//2012/09/FUNDO-DE-AGULHA-medio.jpg Fundo agulha: http://www.iasdemfoco.net/achadosEperdidos/introducao.htm
  95. 95. Site: www.paulosnetos.net E-mail: paulosnetos@gmail.com Versão 16

×