Todos nós somos médiuns?

2.380 visualizações

Publicada em

Pesquisa nas obras básicas para definir se todos somos médiuns.

Publicada em: Espiritual
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Juliana, quase tudo é transcrição, todas elas estão entre aspas, o que não está é meu.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.380
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Todos nós somos médiuns?

  1. 1. TTooddooss nnóóss ssoommooss mmééddiiuunnss??
  2. 2. “Nos últimos tempos, diz o Senhor, espalha-rei do meu espírito por sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão; vossos jovens terão visões e vossos velhos terão sonhos. – Nesses dias, espalharei do meu espírito sobre os meus servidores e servidoras e eles profetizarão.” (Atos 2,17-18; Joel 2,28-29).
  3. 3. Kardec, comentando esse passo, diz: “É a predição inequívoca da vulgarização da mediunidade, que presentemente se revela em indivíduos de todas as idades, de ambos os sexos e de todas as condições; a predição, por conseguinte, da manifestação universal dos Espíritos, […] Isso, conforme está dito, acon-tecerá nos últimos tempos; ora, visto que não chegamos ao fim do mundo, mas, ao contrá-rio, à época da sua regeneração, devemos entender aquelas palavras como indicativas dos últimos tempos do mundo moral que che-ga a seu termo.” (KARDEC, A Gênese. FEB, 2007, p. 451- 452).
  4. 4. Definição
  5. 5. “Que é um médium? É o ser, é o indivíduo que serve de traço de união aos Espíritos, para que estes possam comunicar-se facil-mente com os homens: Espíritos encarna-dos. Por conseguinte, sem médium, não há comunicações tangíveis, mentais, escritas, físicas, de qualquer natureza que seja.” (ERASTO, O Livro dos Médiuns. FEB, 2007, p. 311-312).
  6. 6. “MÉDIUM (do lat. Médium, meio, intermediá-rio): pessoas acessíveis à influência dos Espí-ritos, e mais ou menos dotadas da faculdade de receber e transmitir suas comunicações. Para os Espíritos, o médium é um intermedi-ário; é um agente ou um instrumento mais ou menos cômodo, segundo a natureza ou o grau da faculdade mediúnica. Esta faculdade depende de uma disposição orgânica espe-cial, suscetível de desenvolvimento. Distin-guem- se diversas variedades de médiuns, segundo sua aptidão particular para tal ou tal modo de transmissão, ou tal gênero de co-municação.” (Iniciação Espírita. Edicel, 1986, p. 196-197).
  7. 7. “Mediunidade [do lat. médium, meio, inter-mediário, -(i)dade] – 1. Faculdade que a quase totalidade das pessoas possuem, umas mais outras menos, de sentir a influência ou ensejarem a comunicação dos Espíritos. Ra-ros são os que não possuem rudimentos de mediunidade. 2. Em alguns, essa faculdade é ostensiva e necessita ser disciplinada, educa-da; em outros, permanece latente, podendo manifestar-se episódica e eventualmente.” (Instrução prática sobre manifestações espíritas. FEB, s/d, p. 25). Emprego do sufixo “-dade” (“-idade”): O sufixo “-dade” é acrescido a adjetivos para formar subs-tantivos que expressam a ideia de estado, situação ou quan-tidade. […]. (www.paulohernandes.pro.br).
  8. 8. Considerando que médium “é o indivíduo que serve de intermediário no processo de comu-nicação entre os Espíritos e os encarnados”, perguntamos: Será que podemos dizer que essa definição abrange todos fenômenos espirituais de que hoje temos conhecimento?
  9. 9. Na Revista Espírita, por exemplo, vemos nar-rativas de experiências, nas quais Espíritos de pessoas vivas evocados, manifestaram-se em reuniões mediúnicas. Com essas ocorrências, temos a comunica-ção de um Espírito de pessoa viva através de um médium, o que, segundo, julgamos, não se enquadraria nessa definição clássica.
  10. 10. Nas obras Libertação, Obreiros da vida eter-na e Nos domínios da mediunidade, ditadas pelo Espírito André Luiz, via psicografia de Chico Xavier, são relatadas notáveis reuniões mediúnicas ocorridas na dimensão espiritual, onde Espíritos de uma hierarquia mais eleva-da manifestam-se por intermédio de Espíri-tos- médiuns, fato que é confirmado pelo ora-dor e expositor espírita Divaldo P. Franco:
  11. 11. “Qualquer pessoa que leia a coleção André Luiz toma conhecimento das reuniões reali-zadas no Mundo Espiritual, onde Espíritos-médiuns funcionam no atendimento às enti-dades atrasadas ou captam o pensamento do seres superiores. […]”. (MANOEL PHILOMENO DE MI-RANDA (Projeto). Qualidade na prática mediúnica, 2000, p. 71).
  12. 12. Segundo o que hoje entendemos: - mediunidade é uma faculdade do Espírito; - médium, no sentido restrito, é qualquer Es-pírito, independentemente da condição em que esteja, se encarnado ou não, que é ca-paz de captar o pensamento de um outro. Que fique bem entendido: é opinião pessoal.
  13. 13. Vejamos, por oportuno, esta importante e esclarecedora fala de Kardec: “O Livro dos Espíritos não é um tratado com-pleto do Espiritismo; não faz senão colocar-lhe as bases e os pontos fundamentais, que devem se desenvolver sucessivamente pelo estudo e pela observação.” (KARDEC, A. Revista Espírita 1866. IDE, 1993, p. 223).
  14. 14. Afinal, todos nós somos médiuns ?
  15. 15. 459. Os Espíritos influem em nossos pensa-mentos e em nossos atos? “Muito mais do que imaginais, pois frequente-mente são eles que vos dirigem.” 460. Além dos pensamentos que nos são pró-prios, haverá outros que nos sejam sugeridos? “Vossa alma é um Espírito que pensa. Não ignorais que muitos pensamentos vos ocorrem ao mesmo tempo sobre o mesmo assunto e, frequentemente, bastante contraditórios. Pois bem! Neles há sempre um pouco de vós e um pouco de nós, e é isso que vos deixa na incer-teza, porque tendes em vós duas ideias que se combatem.”
  16. 16. 489. Há Espíritos que se liguem particular-mente a um indivíduo para protegê-lo? “Sim, o irmão espiritual. É o que chamais o bom Espírito ou o bom gênio.”
  17. 17. 490. Que se deve entender por anjo de guarda? “O Espírito protetor, pertencente a uma ordem elevada.”
  18. 18. 491. Qual a missão do Espírito protetor? “A de um pai com relação aos filhos: condu-zir seu protegido pelo bom caminho, ajudá-lo com seus conselhos, consolá-lo nas aflições e sustentar sua coragem nas provas da vida.” (O Livro dos Espíritos. FEB, 2006, p. 292-293/303).
  19. 19. Os Espíritos São Luís e Santo Agostinho con-firmam a existência do anjo da guarda: “[…] Cada anjo de guarda tem o seu protegi-do, pelo qual vela, como o pai vela pelo filho. Alegra-se, quando o vê no bom caminho; so-fre, quando seus conselhos são ignorados. […] procurai sempre estar em relação conos-co, pois assim sereis mais fortes e mais feli-zes. São essas comunicações de cada um com o seu Espírito familiar que fazem sejam médiuns todos os homens, médiuns ignora-dos hoje, mas que se manifestará mais tarde e se espalhará qual oceano sem limites, para rechaçar a incredulidade e a ignorância. […].” (O Livro dos Espíritos. FEB, 2006, q. 495, p. 305-306).
  20. 20. “Todos os homens são médiuns. Todos têm um Espírito que os dirige para o bem, quando eles sabem escutá-lo. Quer alguns se comumi-quem diretamente com ele, graças a uma me-diunidade especial, quer outros só o escutem pela voz interna do coração e da mente. Isso pouco importa, […] será sempre uma voz que responde à vossa alma, dizendo-vos boas pa-lavras. […] Ouvi pois essa voz interior, esse bom gênio que vos fala sem cessar, e chega-reis progressivamente a ouvir o vosso anjo guardião e vos estende a mão do alto do céu. […] a voz íntima que fala ao coração é a dos Espíritos bons. E é desse ponto de vista que todos os homens são médiuns. (Channing).” (O Livro dos Médiuns. Lake, 2006, p. 331-332).
  21. 21. “Recebemos a inspiração dos Espíritos que nos influenciam para o bem ou para o mal. […] Aplica-se a todas as circunstâncias da vida, nas resoluções que devemos tomar. Nesse sentido pode-se dizer que todos são médiuns, pois não há quem não tenha os seus Espíritos protetores e familiares, que tudo fazem para transmitir bons pensamentos aos seus prote-gidos. Se todos estivessem compenetrados dessa verdade, com mais frequência se recor-reria à inspiração do anjo guardião, nos mo-mentos em que não se sabe o que dizer ou fazer. Que se invoque o Espírito protetor com fervor e confiança, nos casos de necessidade, e mais assiduamente se admirará das ideias que surgirão como por encanto, […].” (O Livro dos Médiuns. Lake, 2006, p. 155).
  22. 22. “Toda pessoa que sofre de alguma maneira a influência dos Espíritos é, por isso mesmo, médium. Esta faculdade é inerente ao homem e, por conseguinte, não é um privilégio exclu-sivo. Por essa razão raros são os indivíduos nos quais não se encontram ainda que simples rudimentos de mediunidade. Pode-se, pois, di-zer que todas ou quase todas as pessoas são médiuns. Todavia, no uso corrente, esta qua-lificação não se aplica senão àqueles nas quais a faculdade mediúnica é nitidamente caracte-rizada e se traduz por efeitos patentes, de cer-ta intensidade, o que depende, então, de uma organização mais ou menos sensitiva. É preci-so notar, além disto, que esta faculdade não se revela em todas as pessoas da mesma ma-neira.” (A. Iniciação Espírita. Edicel, 1986, p. 251) ≈ (O Livro dos Médiuns. Lake, 2006. p. 139).
  23. 23. “A mediunidade é uma faculdade multíplice, e que apresenta uma variedade infinita de nuan-ças em seus meios e em seus efeitos. Quem está apto para receber ou transmitir as comu-nicações dos Espíritos é, por isso mesmo, mé-dium, qualquer que seja o modo empregado ou o grau de desenvolvimento da faculdade, desde a simples influência oculta até a produ-ção dos mais insólitos fenômenos. Todavia, em seu uso ordinário, essa palavra tem uma acepção mais restrita, e se diz, geralmente, de pessoas dotadas de um poder mediúnico muito grande, seja para produzir efeitos físicos, seja para transmitir o pensamento dos Espíritos pela escrita ou pela palavra.” (Revista Espírita 1859. IDE, 1993, p. 29).
  24. 24. Então, em resumo, temos que: a) No sentido amplo: todos nós somos médiuns; b) No sentido restrito: apenas as pessoas nas quais essa faculdade se manifesta de forma ostensiva. Kardec, reafirma: “Todo o mundo, dissemos, é mais ou menos médium; mas convencionou-se dar esse no-me àqueles nos quais as manifestações são patentes, e, por assim dizer, facultativas.” (Revista Espírita 1859. IDE, 1993, p. 57).
  25. 25. “Essa faculdade, como, aliás, já o dissemos, não é um privilégio exclusivo; ela existe em estado latente, e em diversos graus, numa multidão de indivíduos, não esperando senão uma ocasião para se desenvolver; o princípio está em nós pelo próprio efeito da nossa organização; está na Natureza; todos nós temo-lo em germe, […].” (Revista Espírita 1858. IDE, 2001, p. 60-61).
  26. 26. “Todos os que recebem, no seu estado nor-mal ou de êxtase, comunicações mentais estranhas às suas ideias, sem serem, como estas, preconcebidas, podem ser considera-dos médiuns inspirados. Trata-se de uma variedade intuitiva, com a diferença de que a intervenção de uma potência oculta é bem menos sensível, sendo mais difícil de dis-tinguir no inspirado o pensamento próprio do que foi sugerido. O que caracteriza este últi-mo é sobretudo a espontaneidade.” (O Livro dos Médiuns. Lake, 2006, p. 154).
  27. 27. O tradutor J. Herculano Pires, em uma nota de rodapé, explica: “Nunca prestamos a devida atenção aos nos-sos processos mentais. Kardec nos oferece […] uma regra de ouro nesse sentido. A psi-cologia materialista vai hoje se aproximando desse princípio, graças às pesquisas no cam-po da telepatia. Embora ainda não considere o pensamento dos Espíritos, já admite que recebemos constantemente pensamentos alheios. A observação permite-nos dividir perfeitamente o pensamento que produzimos aos poucos em nossa mente dos que nos são sugeridos.” (O Livro dos Médiuns. Lake, 2006, p. 154).
  28. 28. “Nossa alma que não é, em definitivo, senão um Espírito encarnado, não é menos Espíri-to; se está momentaneamente revestida de um envoltório material, suas relações com o mundo incorpóreo, embora menos fáceis que no estado de liberdade, não são interrompi-das por isso de maneira absoluta; o pensa-mento é o laço que nos une aos Espíritos, e por esse pensamento atraímos aqueles que simpatizam com as nossas ideias e nossas tendências.” (Revista Espírita 1859. IDE, 1993, p. 30).
  29. 29. Na Revista Espírita 1865, numa mensagem intitulada Estudo sobre a mediunidade, assi-nada por Georges, lê-se: “A mediunidade é uma faculdade inerente à natureza do homem; não é nenhuma exce-ção nem um favor, ela faz parte do grande conjunto humano, e, como tal, está sujeita às variações físicas e às desigualdades mo-rais; sofre o dualismo temível do instinto e da inteligência; possui seus gênios, sua mul-tidão e seus monstros.” (Revista Espírita 1865. IDE, 2000, p. 115).
  30. 30. Kardec fez considerações positivas a um arti-go publicado no jornal la Discussion, de Bru-xelas (Bélgica), do qual transcrevemos: “Os médiuns são dotados de uma faculdade natural que os torna próprios para servirem de intermediários aos Espíritos e produzirem com eles os fenômenos que passam por mila gres ou por prestidigitação aos olhos de quem lhes ignora a explicação. Mas a facul-dade medianímica não é o privilégio exclusi-vo de certos indivíduos; ela é inerente à es-pécie humana, embora cada um a possua em graus diferentes, ou sob diferentes formas.” (Revista Espírita 1866. IDE, 1993, p. 34).
  31. 31. Em O que é o Espiritismo, Kardec responde a um cético, dizendo-lhe: “Além disso, os médiuns são muito numero-sos e é raríssimo, quando não o sejamos, não se encontrar algum em qualquer dos membros de nossa família, ou nas pessoas que nos cercam. O sexo, a idade e o tempe-ramento são indiferentes: eles aparecem entre os homens e mulheres, entre crianças, velhos, doentes e pessoas sadias.” (O que é o Espiritismo. FEB, 2007, p. 107).
  32. 32. “Estas considerações nos conduzem natu-ralmente à questão dos médiuns. Estes últimos estão, como todo o mundo, subme-tidos à influência oculta dos Espíritos bons ou maus; eles os atraem ou os repelem segun-do as simpatias de seu espírito pessoal, e os Espíritos maus se aproveitam de todo defei-to, como de uma falta de couraça para se introduzirem junto deles e se imiscuírem, com seu desconhecimento, em todos os atos de sua vida particular”. (Revista Espírita 1859. IDE, 1993, p. 31).
  33. 33. No comentário intitulado A Mediunidade e a Inspiração, Kardec analisa uma mensagem de Halévy (Espírito): “Sob suas formas variadas ao infinito, a me-diunidade abrange a Humanidade inteira, como uma rede da qual nada pode escapar. Todos estando diariamente em contato, quer o saiba ou não, quer queira ou com isso se revolte, com inteligências livres, não há um homem que possa dizer: Eu não sou, eu não fui ou não serei médium. Sob a forma intui-tiva, modo de comunicação ao qual o vulgo dá o nome de voz da consciência, cada um está em relação com várias influências ==>
  34. 34. espirituais, que aconselham num sentido ou num outro, e, frequentemente simultanea-mente, ora o bem puro, absoluto; ora os acomodamentos com o interesse; ora o mal em toda sua nudez. - O homem evoca essas vozes; elas respondem ao seu chamado, e ele escolhe; mas escolhe, entre essas dife-rentes inspirações e seu próprio sentimento. […].” (Revista Espírita 1869. IDE, 2001, p. 94-95).
  35. 35. Nas obras da série André Luiz: “E, na grande romagem, todos somos instru-mentos das forças com as quais estamos em sintonia. Todos somos médiuns, dentro do campo mental que nos é próprio, associando-nos às energias edificantes, se o nosso pen-samento flui na direção da vida superior, ou às forças perturbadoras e deprimentes, se ainda nos escravizamos às sombras da vida primitiva ou torturada.” (Nos domínios da mediunidade. FEB, 1987, p. 11). “A mediunidade é um dom inerente a todos os seres humanos, como a faculdade de respirar, e cada criatura assimila as forças superiores ou inferiores com as quais sintoniza”. (Nos domí-nios da mediunidade. FEB, 1987, p. 51).
  36. 36. Tendo em vista o uso de O Livro dos Médiuns traduzido por J. Herculano Pires, é interes-sante colocar o seu pensamento, constante de uma nota de rodapé: “A mediunidade é uma faculdade humana como qualquer outra. Ninguém pode alegar que não a possui, pois todos têm pressenti-mentos, intuições, percepções extrassenso-riais, sonhos premonitórios e assim por dian-te. Como as demais faculdades, Deus a dis-tribui segundo as necessidades evolutivas de cada criatura. […].” (O Livro dos médiuns. Lake, 2006a, p. 183).
  37. 37. “A mediunidade, no entanto, é faculdade ine-rente à própria vida e, com todas as suas deficiências e grandezas, acertos e desacer-tos, é qual o dom da visão comum, peculiar a todas as criaturas, responsável por tantas glórias e tantos infortúnios na Terra.” (Evolução em dois mundos. FEB, 1987, p. 136). “[…] A mediunidade não é exclusiva dos cha-mados "médiuns". Todas as criaturas a pos-suem, porquanto significa percepção espiri-tual, que deve ser incentivada em nós mes-mos. […].” (Missionário da Luz. Rio de Janeiro: FEB, 1986, p. 32).
  38. 38. André Luiz ainda nos dá uma informação, pela qual fica fácil entender a possibilidade de todos nós sermos influenciados uns pelos outros, quer estejamos encarnados ou não. Leiamos: “Reconhecemos que toda criatura dispõe de oscilações mentais próprias, pelas quais en-tra em combinação espontânea com a onda de outras criaturas desencarnadas ou encar-nadas que se lhe afinem com as inclinações de desejos, atitudes e obras, no quimismo inelutável do pensamento.” (Mecanismos da medi-unidade. Rio de Janeiro: FEB, 1986, p. 88).
  39. 39. Seriam os médiuns ostensivos pessoas especiais?
  40. 40. “Os médiuns, em sua generalidade, não são missionários na acepção comum do termo; são almas que fracassaram desastradamente, que contrariaram, sobremaneira, o curso das leis divinas, e que resgatam, sob o peso de seve-ros compromissos e ilimitadas responsabili-dades, o passado obscuro e delituoso. O seu pretérito, muitas vezes, se encontra enodoado de graves deslizes e de erros clamorosos. Quase sempre, são espíritos que tombaram dos cumes sociais, pelos abusos do poder, da autoridade, da fortuna e da inteligência, e que regressam ao orbe terráqueo para se sacri-ficarem em favor do grande número de almas que desviaram das sendas luminosas da fé, da caridade e da virtude. ==>
  41. 41. São almas arrependidas, que procuram arre-banhar todas as felicidades que perderam, reorganizando, com sacrifícios, tudo quanto esfacelaram nos seus instantes de criminosas arbitrariedades e de condenável insânia”. (Emmanuel – Dissertações mediúnicas. FEB, 1987, p. 66- 67).
  42. 42. Deve-se buscar desenvolvê-la?
  43. 43. A resposta é que não seria conveniente, pois deve-se deixar seguir o curso natural das coisas. Kardec, falando especificamente a respeito da vidência, respondeu a uma per-gunta semelhante; leiamos: “a) Essa faculdade pode desenvolver-se pelo exercício? - Pode, como todas as outras faculdades. Mas é daquelas cujo desenvolvimento natu-ral é melhor do que o provocado, quando corremos o risco de sobre-excitar a imagina-ção. A visão geral e permanente dos Espíri-tos é excepcional e não pertence às condi-ções normais do homem”. (O Livro dos Médiuns. Lake, 2006, p. 93).
  44. 44. Vejamos a opinião de Bezerra de Menezes, constante do livro Recordações da Mediuni-dade, de Yvonne A. Pereira: “Os ensinamentos contidos nos códigos espí-ritas, a advertência dos elevados Espíritos que os organizaram e a prática do Espiritis-mo demonstram que nenhum indivíduo de-verá provocar, forçando-o, o desenvolvimen-to das suas faculdades mediúnicas, porque tal princípio será contraproducente, ocasio-nando novos fenômenos psíquicos e não propriamente espíritas, tais como a autossu-gestão ou a sugestão exercida por pessoas presentes no recinto das experimentações, ==>
  45. 45. a hipnose, o animismo, ou personismo, tal como o sábio dr. Alexandre Aksakof classifica o fenômeno, distinguindo-o daqueles deno-minados 'efeitos físicos'. A mediunidade de-verá ser espontânea por excelência, a fim de frutescer com segurança e brilhantismo, e será em vão que o pretendente se esforçará por atraí-la antes da ocasião propícia. Tal insofridez redundará inapelavelmente, repe-timos, em fenômenos de autossugestão ou o chamado 'animismo' ou 'personismo', isto é, a mente do próprio médium criando aquilo que se faz passar por uma comunicação de Espíritos desencarnados. ==>
  46. 46. Existem mediunidades que do berço se reve-lam no seu portador, e estas são as mais seguras, porque as mais positivas, frutos de longas etapas reencarnatórias, durante as quais os seus possuidores exerceram ativi-dades marcantes, assim desenvolvendo for-ças do Perispírito, sede da mediunidade, vi-brando intensamente num e noutro setor da existência e assim adquirindo vibratilidades acomodatícias do fenômeno. Outras existem ainda em formação (forças vibratórias frá-geis, incompletas, os chamados “agentes ne-gativos”), que jamais chegarão a se adestrar satisfatoriamente numa só existência, e que ==>
  47. 47. se mesclarão de enxertos mentais do próprio médium em qualquer operosidade tentada, dando-se também possibilidade até mesmo da pseudoperturbação mental, ocorrendo então a necessidade dos estágios em casas de saúde e hospitais psiquiátricos se se tra-tar de indivíduos desconhecedores das ciên-cias psíquicas. Por outro lado, esse trata-mento será balsamizante e até necessário, na maioria dos casos, visto que tais impasses comumente sobrecarregam as células nervo-sas do paciente, consumindo ainda grande percentagem de fluidos vitais, etc., etc. […]. (a) Adolfo Bezerra de Menezes.” (Recordações da Mediunidade. FEB, 1989, p. 19-20).
  48. 48. Referências bibliográficas: KARDEC, A.; A Gênese. Rio de Janeiro: FEB, 2007. KARDEC, A. Iniciação Espírita. São Paulo: Edicel, 1986. KARDEC, A. Instrução prática sobre manifestações espíritas. Rio de Janeiro: FEB, s/d. KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: FEB, 2006. KARDEC, A. O Livro dos Médiuns. Rio de Janeiro: FEB, 2007. KARDEC, A. O Livro dos Médiuns. São Paulo: Lake, 2006. KARDEC, A. O que é o Espiritismo. Rio de Janeiro: FEB, 2007. KARDEC, A. Obras Póstumas. Rio de Janeiro: FEB, 2006. KARDEC, A. Revista Espírita 1858. Araras, SP: IDE, 2001. KARDEC, A. Revista Espírita 1859. Araras, SP: IDE, 1993. KARDEC, A. Revista Espírita 1859. Araras, SP: IDE, 1993. KARDEC, A. Revista Espírita 1865. Araras, SP: IDE, 2000. KARDEC, A. Revista Espírita 1866. Araras, SP: IDE, 1993. MIRANDA, M. P (Projeto) Qualidade na prática mediúnica. Salvador: LEAL, 2000. PEREIRA, Y. A. Recordações da Mediunidade. Rio de Janeiro: FEB, 1989. XAVIER, F. C. Emmanuel – Dissertações mediúnicas. Rio de Janeiro: FEB, 1987.
  49. 49. Referências bibliográficas: XAVIER, F. C. Evolução em dois mundos. Rio de Janeiro: FEB, 1987. XAVIER, F. C. Mecanismos da mediunidade. Rio de Janeiro: FEB, 1986. XAVIER, F. C. Missionário da Luz. Rio de Janeiro: FEB, 1986. XAVIER, F. C. Nos domínios da mediunidade. Rio de Janeiro: FEB, 1987. http://www.paulohernandes.pro.br/dicas/001/dica165.html Capa: http://www.inspirationalwords.org/wp-content/ uploads/2011/02/8259686.jpg Imagem médium: http://4.bp.blogspot.com/_ckq- 1OateCA/TOq_4FqQa5I/AAAAAAAAACw/sRF5M3-cP54/s1600/medium-e- mediunidade.jpg Anjo da guarda: http://files.myopera.com/leushino/blog/HybridGuardianAngel2.jpg
  50. 50. Site: www.paulosnetos.net E-mail: paulosnetos@gmail.com Versão 4

×