P O S S E S S Ã OP O S S E S S Ã O
(posse física do encarnado)
““Espírito desse tipo só pode serEspírito desse tipo só pode ser
expulso pela oração.”expulso pela oração.”
(Jesus, em Mar...
É preciso esclarecer os seguintes pontos:
 Existe a possibilidade de um Espírito
apoderar-se do corpo de um encarnado?
 ...
“Pergunta-se: Existe a incorporação de Espíritos?
No sentido semântico do termo não existe incorpo-
ração, pois nenhum Esp...
Filme: Ghost
Atriz:
Whoopi
Goldberg
Incorporação: Tomada do corpo do
médium por um guia ou espírito; desci-
da, transe med...
Divaldo Pereira Franco, em entrevista sobre
o tema Mediunidade, ao Programa
Transição, pela RedeTV, a certa altura,
explic...
O perispírito do desencarnado ou corpo as-
tral, como normalmente é denominado, ao
acoplar-se ao corpo astral do médium ou...
Do livro Desafios da Mediunidade, na psico-
grafia de José Raul Teixeira, transcrevemos
a resposta de Camilo (Espírito) à ...
“Jesus e os discípulos desembarca-
ram na região dos gerasenos, que
está diante da Galileia. Ao descer à
terra, um homem d...
“era possuído por demônios,
e há muito tempo não se
vestia, nem morava em casa,
mas nos túmulos. Vendo Jesus,
o homem come...
Vejamos como o tema é tratado nessas duas obras
“473. Pode um Espírito tomar temporariamen-
te o invólucro corporal de uma pessoa viva, is-
to é, introduzir-se num corpo ...
“241. Dava-se outrora o nome de possessão ao
império exercido por maus Espíritos, quando a in-
fluência deles ia até a abe...
A questão que se pode colocar é:
“Será que essa posição é mantida
até o final da revelação espírita?”
Realidade x teoria:
Uma paciente em obsessão
Data: início do ano de 2005.
Local: numa cidade do interior vizinha a
Guanhãe...
Antes de avançar no estudo é necessário que
fique bem claro que Kardec não considerava
a primeira obra espírita como se a ...
Antes de avançar no estudo é necessário que
fique bem claro que Kardec não considerava
a primeira obra espírita como se a ...
Em O Livro dos Médiuns (jan/1861), Kardec lista
as obras que deveriam ser lidas por aqueles que
se interessassem em ter no...
Revista Espírita 1863, dezembro, lemos:
“Um caso de possessão
Senhoria Julie
Dissemos que não havia possessos no sentido
v...
Várias pessoas achavam-se um dia na casa de
uma senhora médium sonâmbula. De repente
esta tomou ares todos masculinos, sua...
Ele declara que, querendo conversar com seu
antigo amigo, aproveitou de um momento em
que o Espírito da senhora A..., a so...
P. Uma vez que tomastes posse do corpo da
senhora A..., poderíeis ali ficar? - R. Não, mas
isso não é a boa vontade que me...
Kardec comenta:
“A possessão é aqui evidente e ressalta melhor
dos detalhes, que seria muito longo reportar;
mas é uma pos...
No cap. X de O Evangelho Segundo o Espiritis-
mo (abr/1864), Kardec estudando o tema per-
doar os adversários, aponta a po...
Em A Gênese (jan/1868), cap. XIV - Os Fluidos, no
tópico Obsessões e possessões, Kardec diz:
“47. - Na obsessão, o Espírit...
De posse momentânea do corpo do encarnado, o
Espírito se serve dele como se seu próprio fora: fala
pela sua boca, vê pelos...
Considerando que o
tema é tratado ao se
falar da obsessão, seria
oportuno perguntar:
A possessão é sempre
uma obsessão?
“48. - Na obsessão há sempre um Espírito mal
feitor. Na possessão pode tratar-se de um Espí
rito bom que queira falar e qu...
Quando é mau o Espírito possessor, as coisas
se passam de outro modo. Ele não toma mode
radamente o corpo do encarnado, ar...
Na Revista Espírita 1869, Kardec fala a respei-
to de um Espírito que não acreditava ter mor-
rido, mas apenas sonhando. V...
Numa outra reunião, um Espírito deu, sobre
este fenômeno, a seguinte comunicação:
Há aqui, uma substituição de pessoa, uma...
Não é raro que um Espírito atue e fale com o
corpo de um outro; deveis compreender a pos
sibilidade deste fenômeno, então ...
Essa ocupação jamais pode ser definitiva; se-
ria preciso, para isso, a desagregação absoluta
do primeiro perispírito, o q...
Vejamos a ilustração gráfica
dessa ocorrência elaborada
pelo pesquisador espírita
Hernani Guimarães Andrade
(1913-2003), c...
No capítulo XIX – Transes e
Incorporações do livro No
Invisível, Léon Denis (1846-
1927), que é considerado
um dos princip...
“O estado de transe é esse grau de sono mag-
nético que permite ao corpo fluídico exteriori-
zar-se, desprender-se do corp...
No corpo do médium, momentaneamente a-
bandonado, pode dar-se uma substituição de
Espírito. É o fenômeno das incorporações...
“Indagam certos experimentadores: o Espírito
do manifestante se incorpora efetivamente no
organismo do médium? Ou opera el...
Esses Espíritos, perturbados pela morte,
acreditam ainda, muito tempo depois, perten-
cerem à vida terrestre. Não lhes per...
Noutras circunstâncias, a teoria da transmis-
são, à distância, parece melhor explicar os fa-
tos. As impressões oriundas ...
O Espírito parece projetar o pensamento no cé
rebro do médium, onde adquire, de passagem,
formas de linguagem familiares a...
Ao despertar, o Espírito do médium perde toda
consciência das impressões recebidas no senti-
do de liberdade, do mesmo mod...
Cairbar Schutel (1868-1938),
divulgador espírita de primei-
ra linha, assim se expressou:
“Na mediunidade falante verifica...
Gustave Geley (1868-1914),
fundador do Instituto Meta-
psíquico Internacional, de
Paris, autor da obra Resumo
da Doutrina ...
“A incorporação é o fenômeno, segundo o qual
o Espírito toma posse do corpo do médium, e
não apenas de um membro ou de um ...
Encontramos no livro Nos
Domínios da Mediunidade,
psicografia de Francisco
Cândido Xavier (1910-
2002), ditado por André
L...
Das considerações do instrutor Áulus sobre o
médium Antônio Castro, um dos cinco mem-
bros da reunião mediúnica, destacamo...
Descrevendo a ação de um Espírito desencar-
nado sobre a mulher a quem este amava, o
instrutor Áulus, a certa altura, diz:...
Na sequência da narrativa, vemos o processo
de sintonia desse Espírito com a médium, pela
qual se manifestaria:
“Notamos q...
Mais à frente, nessa mesma obra – Nos domí-
nios da mediunidade –, vamos encontrar rela-
tos ocorridos com uma outra médiu...
“A médium desvencilhou-se do corpo físico,
como alguém que se entrega a sono profundo,
e conduziu a aura brilhante de que ...
- Celina – explicou, bondoso – é sonâmbula
perfeita. A psicofonia, em seu caso, se proces-
sa sem necessidade de ligação d...
Por isso mesmo, revela-se o comunicante mais
seguro de si, na exteriorização da própria per-
sonalidade. Isso, porém, não ...
Um complicador a tudo isso é o que ainda cons
ta, no mencionado livro, que, de uma certa for
ma, vem contra essa possibili...
Produzido pela mente
Telepatia
(transmissão de
mente a mente)
Encontramos esse assunto
em mais uma das obras da
série André Luiz, psicografia
de Chico Xavier. É a que
tem o título de M...
“Enquanto Alexandre ouvia em silêncio, o sim-
pático colaborador prosseguiu, depois de ligei-
ra pausa:
- Estimaríamos rec...
No entanto, você não deve desconhecer as
dificuldades de um médium para satisfazer a
particularidades técnicas de identifi...
Otávia mantinha-se a reduzida distância, mas
com poderes para retomar o corpo a qualquer
momento num impulso próprio, guar...
A planta estranha revela suas características e
oferece seus frutos particulares, mas a árvore
enxertada não perde sua per...
A casa física era seu templo, que urgia defen-
der contra qualquer expressão desequilibrante,
e nenhum de nós, os desencar...
A FEESP – Federação Espírita do Estado de
São Paulo publicou a obra Curso de Educação
Mediúnica, de aulas ministradas, na ...
“Em síntese, pode-se dizer que na obsessão o
Espírito atua exteriormente por meio de seu
Perispírito, e, na possessão, faz...
A União Espírita Mineira – UEM publicou, em
1983, o livreto Mediunidade da série “Evange-
lho e Espiritismo”, do qual tran...
Na inconsciente, afasta-se o Espírito do mé-
dium do seu próprio corpo, que mais livremen-
te é utilizado pelo comunicante...
Referências Bibliográficas:
ANDRADE, H.G. Espírito, Perispírito e Alma, São Paulo: Pensamento-Cultrix,
2002.
AUTORES DIVER...
FRANCO, D. P. Programa Transição 001 – Mediunidade. Out/2008, disponível
em: http://programatransicao.tv.br/divaldo-pereir...
Imagens:
http://www.ceuazul.org.br/siteimagensHoward-Terpning-Medicine-Man-Of-The-
Cheyenne.jpg
http://4.bp.blogspot.com/-...
O nosso texto que utilizamos para montar
este material em slides foi publicado, em
três partes, pela Mythos Editora na rev...
Site:
www.paulosnetos.net
E-mail:
paulosnetos@gmail.com
Versão 11
Possessão (posse física do encarnado)-1,5h
Possessão (posse física do encarnado)-1,5h
Possessão (posse física do encarnado)-1,5h
Possessão (posse física do encarnado)-1,5h
Possessão (posse física do encarnado)-1,5h
Possessão (posse física do encarnado)-1,5h
Possessão (posse física do encarnado)-1,5h
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Possessão (posse física do encarnado)-1,5h

3.310 visualizações

Publicada em

Estudo sobre o fenômeno possessão (incorporação). versão 11.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.310
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
114
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Possessão (posse física do encarnado)-1,5h

  1. 1. P O S S E S S Ã OP O S S E S S Ã O (posse física do encarnado)
  2. 2. ““Espírito desse tipo só pode serEspírito desse tipo só pode ser expulso pela oração.”expulso pela oração.” (Jesus, em Marcos 9,29)
  3. 3. É preciso esclarecer os seguintes pontos:  Existe a possibilidade de um Espírito apoderar-se do corpo de um encarnado?  Seria o que se chama de possessão?  Pode-se encontrar alguma coisa sobre isso nas obras da Codificação?
  4. 4. “Pergunta-se: Existe a incorporação de Espíritos? No sentido semântico do termo não existe incorpo- ração, pois nenhum Espírito conseguiria tomar o cor po de outra pessoa, assumindo o lugar da sua Al- ma. O que ocorre é que o médium e o Espírito se co municam de perispírito a perispírito, ou seja mente a mente, dando a impressão de que o médium está incorporado. Na mediunidade equilibrada, […] o fe- nômeno mediúnico acontece mais a nível mental. Nos processos obsessivos graves (doenças mórbi- das causadas por Espíritos inferiores), onde a medi- unidade está perturbada, podem ocorrer crises ner- vosas. Observadores de pouco conhecimento po- dem achar que um Espírito mau apoderou-se do cor po do enfermo. Foi esse fenômeno que deu origem às práticas de exorcismo.” (site Portal do Espírito)
  5. 5. Filme: Ghost Atriz: Whoopi Goldberg Incorporação: Tomada do corpo do médium por um guia ou espírito; desci- da, transe mediúnico. (AURÉLIO)
  6. 6. Divaldo Pereira Franco, em entrevista sobre o tema Mediunidade, ao Programa Transição, pela RedeTV, a certa altura, explicando uma ocorrência no filme Ghost, afirma: “Gostaria de fazer um pequeno adendo. É que posteriormente, nas comunicações tem-se a impressão que o desencarnado entrava no corpo da médium para poder comunicar-se. Essa informação não é verdadeira. Embo-ra o filme seja muito bem elaborado, ele fo-ge um pouco à técnica do fenômeno da me-diunidade. Os fenômenos mediúnicos ocor-rem através do perispírito do médium. ==>
  7. 7. O perispírito do desencarnado ou corpo as- tral, como normalmente é denominado, ao acoplar-se ao corpo astral do médium ou pe-rispírito, palavra cunhada por Allan Kardec, transmite as suas emoções, as suas sensa-ções e através do direcionamento psíquico comandando o chacra coronário e o chacra cerebral, a sede da consciência e a sede da superconsciência, transmite com naturalida-de as informações. Foi um dos detalhes que, no filme, me chamou a atenção. Dando a im-pressão que o Espírito entra no médium, con forme o líquido no vasilhame, não é exata-mente assim.”
  8. 8. Do livro Desafios da Mediunidade, na psico- grafia de José Raul Teixeira, transcrevemos a resposta de Camilo (Espírito) à pergunta “É correto falar-se em 'incorporação'?”: “Não se trata bem da questão de certo ou er- rado. Trata-se de uma utilização tradicional, uma vez que nenhum estudioso do Espiritis-mo, hoje em dia, irá supor que um desencar-nado possa “penetrar” o corpo de um médi-um, como se poderia admitir num passado não muito distante. […].” (TEIXEIRA, Desafios da Mediunidade, p. 47)
  9. 9. “Jesus e os discípulos desembarca- ram na região dos gerasenos, que está diante da Galileia. Ao descer à terra, um homem da cidade foi ao encontro de Jesus. Ele era possuído por demônios, e há muito tempo não se vestia, nem morava em casa, mas nos túmulos. Vendo Jesus, o homem começou a gritar, […]: "Que há entre mim e ti, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Eu te peço, não me atormentes!" O homem falou assim, porque Jesus tinha mandado que o espírito mau saísse dele. De fato, muitas vezes o espírito tinha tomado posse dele. Para protegê-lo, o pren- diam com correntes e algemas; ele, porém, arrebentava as correntes, e o demônio o levava para lugares desertos.” (Lucas 8,26-29) Jesus exorcizando o geraseno
  10. 10. “era possuído por demônios, e há muito tempo não se vestia, nem morava em casa, mas nos túmulos. Vendo Jesus, o homem começou a gritar, […]: "Que há entre mim e ti, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? [...] porque Jesus tinha mandado que o espírito mau saísse dele. […] Para protegê- lo, o prendiam com correntes e algemas; ele, porém, arrebentava as correntes, e o demônio o levava para lugares desertos.” (Lucas 8,26-29) Espírito mau e demônio são sinônimos, pois, no relato, designam a mesma coisa. Entenda-se: o Espírito que possuía o homem começou a gritar. O homem possuído pelo Espírito adquiria uma força descomunal.
  11. 11. Vejamos como o tema é tratado nessas duas obras
  12. 12. “473. Pode um Espírito tomar temporariamen- te o invólucro corporal de uma pessoa viva, is- to é, introduzir-se num corpo animado e obrar em lugar do outro que se acha encarnado nes- te corpo? 'O Espírito não entra em um corpo como en- tras numa casa. Identifica-se com um Espírito encarnado, cujos defeitos e qualidades sejam os mesmos que os seus, a fim de obrar con- juntamente com ele. Mas, o encarnado é sem- pre quem atua, conforme quer, sobre a maté- ria de que se acha revestido. Um Espírito não pode substituir-se ao que está encarnado, por isso que este terá que permanecer ligado ao seu corpo até ao termo fixado para sua exis- tência material'.” (LE - KARDEC, p. 282)
  13. 13. “241. Dava-se outrora o nome de possessão ao império exercido por maus Espíritos, quando a in- fluência deles ia até a aberração das faculdades da vítima. A possessão seria, para nós, sinônimo da subjugação. Por dois motivos deixamos de ado tar esse termo: primeiro, porque implica a crença de seres criados para o mal e perpetuamente vo- tados ao mal, enquanto que não há senão seres mais ou menos imperfeitos, os quais todos podem melhorar-se; segundo, porque implica igualmente a ideia do assenhoreamento de um corpo por um Espírito estranho, de uma espécie de coabitação, ao passo que o que há é apenas constrangimen- to. A palavra subjugação exprime perfeitamente a ideia. Assim, para nós, não há possessos, no sen tido vulgar do termo, há somente obsidiados, sub jugados e fascinados.” (LM - KARDEC, p. 320-321)
  14. 14. A questão que se pode colocar é: “Será que essa posição é mantida até o final da revelação espírita?”
  15. 15. Realidade x teoria: Uma paciente em obsessão Data: início do ano de 2005. Local: numa cidade do interior vizinha a Guanhães, MG. Paciente: uma senhora (± 35 anos), filha de uma amiga. “Possessão e incorporação: Espíritos possuindo fisicamente os encarnados” disponível em www.paulosnetos.net, em Ebook.
  16. 16. Antes de avançar no estudo é necessário que fique bem claro que Kardec não considerava a primeira obra espírita como se a Doutrina Espírita já tivesse com um ponto final, ou seja, que foi apresentada como algo pronto e acabado:
  17. 17. Antes de avançar no estudo é necessário que fique bem claro que Kardec não considerava a primeira obra espírita como se a Doutrina Espírita já tivesse com um ponto final, ou seja, que foi apresentada como algo pronto e acabado: ““O Livro dos EspíritosO Livro dos Espíritos não é um tra-não é um tra- tado completo do Espiritismo; não faztado completo do Espiritismo; não faz senão colocar-lhe as bases e ossenão colocar-lhe as bases e os pontos fundamentais, que devem sepontos fundamentais, que devem se desenvolver sucessivamente pelodesenvolver sucessivamente pelo estudo e pela observação.”estudo e pela observação.” (KARDEC, Revista Espírita 1866, jul. p. 223)
  18. 18. Em O Livro dos Médiuns (jan/1861), Kardec lista as obras que deveriam ser lidas por aqueles que se interessassem em ter noções preliminares do Espiritismo, sugerindo esta ordem (p. 53): “1º O que é o Espiritismo: […] 2º O Livro dos Espíritos: […] 3º O Livro dos Médiuns: […] 4º A Revista Espírita: Variada coletânea de fa- tos, de explicações teóricas e de trechos isola- dos, que completam o que se encontra nas duas obras precedentes, formando-lhes, de certo mo- do, a aplicação. Sua leitura pode fazer-se simul- taneamente com a daquelas obras, porém, mais proveitosa será, e, sobretudo, mais inteligível, se for feita depois de O Livro dos Espíritos.”
  19. 19. Revista Espírita 1863, dezembro, lemos: “Um caso de possessão Senhoria Julie Dissemos que não havia possessos no sentido vulgar da palavra, mas subjugados; retorna- mos sobre esta afirmação muito absoluta, por- que nos está demonstrado agora que pode ali haver possessão verdadeira, quer dizer, subs- tituição, parcial no entanto, de um Espírito er- rante ao Espírito encarnado. Eis um primeiro fato que é a prova disto, e que apresenta o fe- nômeno em toda a sua simplicidade. ==>
  20. 20. Várias pessoas achavam-se um dia na casa de uma senhora médium sonâmbula. De repente esta tomou ares todos masculinos, sua voz mu dou, e, dirigindo-se a um dos assistentes, ex- clamou: 'Ah! meu caro amigo, quanto estou contente de te ver!' Surpreso, perguntou-se- lhe o que isso significava. A senhora retomou: 'Como! meu caro, tu não me reconheces? Ah! é verdade; estou todo coberto de lama! Sou Charles Z…' A este nome, os assistentes se lembraram de um senhor morto, alguns meses antes, atingido de um ataque de apoplexia, na beira de um caminho; tinha caído num fosso, de onde se tinha retirado seu corpo, coberto de lama. ==>
  21. 21. Ele declara que, querendo conversar com seu antigo amigo, aproveitou de um momento em que o Espírito da senhora A..., a sonâmbula, estava afastado de seu corpo, para se colocar em seu lugar. Com efeito, tendo se renovado esta cena vários dias seguidos, a senhora A... tomava cada vez as poses e as maneiras habi- tuais do Sr. Charles, virando-se sobre a costa da poltrona, cruzando as pernas, roçando o bi- gode, passando os dedos sobre seus cabelos, de tal sorte que, salvo o vestuário, poder-se-ia crer ter o Sr. Charles diante de si; no entanto, não havia transfiguração, como vimos em ou- tras circunstâncias. Eis algumas de suas res- postas: ==>
  22. 22. P. Uma vez que tomastes posse do corpo da senhora A..., poderíeis ali ficar? - R. Não, mas isso não é a boa vontade que me falta. P. Por que não o podeis? - R. Porque seu Espí- rito está sempre preso ao seu corpo. Ah! se eu pudesse romper esse laço, pregar-lhe-ia uma peça. P. Que fez durante esse tempo o Espírito da senhora A... ? - R. Estava lá, ao lado, me olha- va e ria de ver-me nesse vestuário.” ==>
  23. 23. Kardec comenta: “A possessão é aqui evidente e ressalta melhor dos detalhes, que seria muito longo reportar; mas é uma possessão inocente e sem inconve- niente. Não ocorre o mesmo quando ela é o fato de um Espírito mau e mal intencionado; pode então ter consequências tanto mais gra- ves quanto esses Espíritos sejam tenazes, e que se torna, frequentemente, muito difícil li- vrar deles o paciente do qual fazem sua víti- ma.” (KARDEC, RE 1863, p. 374)
  24. 24. No cap. X de O Evangelho Segundo o Espiritis- mo (abr/1864), Kardec estudando o tema per- doar os adversários, aponta a possibilidade de Espíritos desencarnados de natureza má per- seguirem os encarnados aos quais querem mal. A certa altura, conclui: “Nesse fato reside a causa da maioria dos casos de obsessão, sobretudo dos que apre- sentam certa gravidade, quais os de subjuga- ção e possessão. O obsidiado e o possesso são, pois, quase sempre vítimas de uma vin- gança, cujo motivo se encontra em existência anterior, e à qual o que a sofre deu lugar pelo seu proceder.” (KARDEC, ESE, p. 181)
  25. 25. Em A Gênese (jan/1868), cap. XIV - Os Fluidos, no tópico Obsessões e possessões, Kardec diz: “47. - Na obsessão, o Espírito atua exteriormente, com a ajuda do seu perispírito, que ele identifica com o do encarnado, ficando este afinal enlaçado por uma como que teia e constrangido a proceder contra a sua vontade. Na possessão, em vez de agir exteriormente, o Espí rito atuante se substitui, por assim dizer, ao Espíri- to encarnado; toma-lhe o corpo para domicílio, sem que este, no entanto, seja abandonado pelo seu do- no, pois que isso só se pode dar pela morte. A pos- sessão, conseguintemente, é sempre temporária e intermitente, porque um Espírito desencarnado não pode tomar definitivamente o lugar de um encarna- do, pela razão de que a união molecular do perispí- rito e do corpo só se pode operar no momento da concepção. (Cap. XI, nº. 18.) ==>
  26. 26. De posse momentânea do corpo do encarnado, o Espírito se serve dele como se seu próprio fora: fala pela sua boca, vê pelos seus olhos, opera com seus braços, conforme o faria se estivesse vivo. Não é como na mediunidade falante, em que o Espírito encarnado fala transmitindo o pensamento de um desencarnado; no caso da possessão é mesmo o último que fala e obra; quem o haja conhecido em vida, reconhece-lhe a linguagem, a voz, os gestos e até a expressão da fisionomia.” (KARDEC, GN, p. 349)
  27. 27. Considerando que o tema é tratado ao se falar da obsessão, seria oportuno perguntar: A possessão é sempre uma obsessão?
  28. 28. “48. - Na obsessão há sempre um Espírito mal feitor. Na possessão pode tratar-se de um Espí rito bom que queira falar e que, para causar maior impressão nos ouvintes, toma do corpo de um encarnado, que voluntariamente lho empresta, como emprestaria seu fato a outro encarnado. Isso se verifica sem qualquer per- turbação ou incômodo, durante o tempo em que o Espírito encarnado se acha em liberda- de, como no estado de emancipação, conser- vando-se este último ao lado do seu substituto para ouvi-lo. ==> Fato: 1. roupa ou conjunto de roupas; indumentária. (Houaiss)
  29. 29. Quando é mau o Espírito possessor, as coisas se passam de outro modo. Ele não toma mode radamente o corpo do encarnado, arrebata-o, se este não possui bastante força moral para lhe resistir. Fá-lo por maldade para com este, a quem tortura e martiriza de todas as formas, indo ao extremo de tentar exterminá-lo, já por estrangulação, já atirando-o ao fogo ou a ou- tros lugares perigosos.” (KARDEC, GN, p. 349-351)
  30. 30. Na Revista Espírita 1869, Kardec fala a respei- to de um Espírito que não acreditava ter mor- rido, mas apenas sonhando. Vejamos o seguin te trecho: “Na sessão da Sociedade de Paris, de 8 de ja- neiro, o mesmo Espírito veio se manifestar de novo, não pela escrita, mas pela palavra, em se servindo do corpo do Sr. Morin, em sonam- bulismo espontâneo. Ele falou durante uma hora, e isso foi uma cena das mais curiosas, porque o médium tomou a sua pose, seus gestos, sua voz, sua linguagem ao ponto que aqueles que o tinham visto o reconheceram sem dificuldade. […] ==>
  31. 31. Numa outra reunião, um Espírito deu, sobre este fenômeno, a seguinte comunicação: Há aqui, uma substituição de pessoa, uma si- mulação. O Espírito encarnado recebe a liber- dade ou cai na inação. Digo inércia, quer dizer, a contemplação daquilo que se passa. Ele está na posição de um homem que empresta mo- mentaneamente a sua habitação, e que assiste às diferentes cenas que se realizam com a aju- da de seus móveis. Se gosta mais de gozar da sua liberdade, ele o pode, a menos que não ha ja para ele utilidade em permanecer especta- dor. ==>
  32. 32. Não é raro que um Espírito atue e fale com o corpo de um outro; deveis compreender a pos sibilidade deste fenômeno, então que sabeis que o Espírito pode se retirar com o seu peris- pírito mais ou menos longe de seu envoltório corpóreo. Quando esse fato ocorre sem que nenhum Espírito disto se aproveite para ocu- par o lugar, há a catalepsia. Quando um Espíri to deseja para ali se colocar para agir, toma um instante a sua parte na encarnação, une o seu perispírito ao corpo adormecido, desperta- o por esse contato e restitui o movimento à máquina; mas os movimentos, a voz não são mais os mesmos, porque os fluidos perispiri- tuais não afetam mais o sistema nervoso do mesmo modo que o verdadeiro ocupante. ==>
  33. 33. Essa ocupação jamais pode ser definitiva; se- ria preciso, para isso, a desagregação absoluta do primeiro perispírito, o que levaria forçosa- mente à morte. Ela não pode mesmo ser de longa duração, pela razão de que o novo peris pírito, não tendo sido unido a esse corpo des- de a sua formação, não tem nele raízes, não estando modelado sobre esse corpo, não está apropriado ao desempenho dos órgãos; o Es- pírito intruso não está numa posição normal; ele é embaraçado em seus movimentos e é porque deixa essa veste emprestada desde que dela não tenha mais necessidade.” (KARDEC, RE 1869, p. 48-49)
  34. 34. Vejamos a ilustração gráfica dessa ocorrência elaborada pelo pesquisador espírita Hernani Guimarães Andrade (1913-2003), constante de sua obra Espírito, Perispírito e Alma, com a qual explica o fenômeno das “incorporações mediúnicas”.
  35. 35. No capítulo XIX – Transes e Incorporações do livro No Invisível, Léon Denis (1846- 1927), que é considerado um dos principais continua- dores do Espiritismo após a morte de Kardec, fala justa- mente desse assunto:
  36. 36. “O estado de transe é esse grau de sono mag- nético que permite ao corpo fluídico exteriori- zar-se, desprender-se do corpo carnal, e à al- ma tornar a viver por um instante sua vida li- vre e independente. A separação, todavia, nun ca é completa; a separação absoluta seria a morte... No transe, o médium fala, move-se, escreve automaticamente; desses atos, po- rém, nenhuma lembrança conserva ao desper- tar. […] ==>
  37. 37. No corpo do médium, momentaneamente a- bandonado, pode dar-se uma substituição de Espírito. É o fenômeno das incorporações. A alma de um desencarnado, mesmo a alma de um vivo adormecido, pode tomar o lugar do médium e servir-se de seu organismo materi- al, para se comunicar pela palavra e pelo ges- to com as pessoas presentes.” (DENIS, No Invisí- vel, p. 249)
  38. 38. “Indagam certos experimentadores: o Espírito do manifestante se incorpora efetivamente no organismo do médium? Ou opera ele antes, à distância, pela sugestão mental e pela trans- missão de pensamento, como o pode fazer o Espírito exteriorizado do sensitivo? Um exame atento dos fatos nos leva a crer que essas duas explicações são igualmente admissíveis, conforme os casos. As citações que acabamos de fazer provam que a incorpo- ração pode ser real e completa. É mesmo algumas vezes inconsciente, quando, por exemplo, certos Espíritos pouco adiantados são conduzidos por uma vontade superior ao corpo do médium e postos em comunicação conosco, a fim de serem esclarecidos sobre sua verdadeira situação. ==>
  39. 39. Esses Espíritos, perturbados pela morte, acreditam ainda, muito tempo depois, perten- cerem à vida terrestre. Não lhes permitindo seus fluidos grosseiros o entrarem em relação com os Espíritos mais adiantados, são levados aos grupos de estudo, para serem instruídos acerca de sua nova condição. É difícil às vezes fazer-lhes compreender que abandonaram a vida carnal, e sua estupefação atinge o cômi- co, quando, convidados a comparar o organis- mo que momentaneamente animam com o que possuíam na Terra, são obrigados a reco- nhecer o seu engano. Não se poderia duvidar, em tal caso, na incorporação completa do Es- pírito. ==>
  40. 40. Noutras circunstâncias, a teoria da transmis- são, à distância, parece melhor explicar os fa- tos. As impressões oriundas de fora são mais ou menos fielmente percebidas e transmitidas pelos órgãos. Ao lado de provas de identidade, que nenhuma hesitação permitem sobre a au- tenticidade do fenômeno e intervenção dos Es- píritos, verificam-se, na linguagem do sensiti- vo em transe, expressões, construções de fra- ses, um modo de pronunciar que lhe são habi- tuais. ==>
  41. 41. O Espírito parece projetar o pensamento no cé rebro do médium, onde adquire, de passagem, formas de linguagem familiares a este. A trans missão se efetua em tal caso no limite dos co- nhecimentos e aptidões do sensitivo, em ter- mos vulgares ou escolhidos, conforme o seu grau de instrução. Daí também certas incoe- rências que se devem atribuir à imperfeição do instrumento. ==>
  42. 42. Ao despertar, o Espírito do médium perde toda consciência das impressões recebidas no senti- do de liberdade, do mesmo modo que não guardará o menor conhecimento do papel que seu corpo tenha desempenhado durante o tran se. Os sentidos psíquicos, de que por um mo- mento haviam readquirido a posse, se extin- guem de novo; a matéria estende o seu man- to; a noite se produz; toda recordação de des- vanece. O médium desperta num estado de perturbação, que lentamente se dissipa.” (DENIS, No Invisível, p. 252-254)
  43. 43. Cairbar Schutel (1868-1938), divulgador espírita de primei- ra linha, assim se expressou: “Na mediunidade falante verificam-se tam- bém casos de incorporação: o Espírito do médium se afasta um tanto do seu organis- mo para dar lugar a outro Espírito, que se utiliza do corpo. Neste caso, há sempre inconsciência do médium, porque ele cai em estado de transe.” (SCHUTEL, Médiuns e Mediunida- de, p. 37)
  44. 44. Gustave Geley (1868-1914), fundador do Instituto Meta- psíquico Internacional, de Paris, autor da obra Resumo da Doutrina Espírita, da qual transcrevemos:
  45. 45. “A incorporação é o fenômeno, segundo o qual o Espírito toma posse do corpo do médium, e não apenas de um membro ou de um órgão. Nestes casos, não é só a palavra e a voz que fazem lembrar as do morto: reconhecem-se também os gestos característicos que acompa- nham o discurso, as atitudes e a expressão geral da fisionomia. No seu grau superior o fenômeno é também acompanhado de transfi- guração. O corpo e o rosto do médium sofrem modificações momentâneas, reais e não ilusó- rias, que os fazem parecer-se muitíssimo aos do defunto incorporado naquele momento. Este fenômeno, embora pouco frequente, parece ser dos mais impressionantes.” (GELEY, Resumo da Doutrina Espírita, p. 54-55)
  46. 46. Encontramos no livro Nos Domínios da Mediunidade, psicografia de Francisco Cândido Xavier (1910- 2002), ditado por André Luiz, trechos em que se pode corroborar o fenô- meno da incorporação:
  47. 47. Das considerações do instrutor Áulus sobre o médium Antônio Castro, um dos cinco mem- bros da reunião mediúnica, destacamos o se- guinte trecho: “Quando empresta o veículo a entidades de- mentes ou sofredoras, reclama-nos cautela, porquanto quase sempre deixa o corpo à mer- cê dos comunicantes, quando lhe compete o dever de ajudar-nos na contenção deles, a fim de que o nosso tentame de fraternidade não lhe traga prejuízo à organização física.” (XAVIER, Nos domínios da mediunidade, p. 30)
  48. 48. Descrevendo a ação de um Espírito desencar- nado sobre a mulher a quem este amava, o instrutor Áulus, a certa altura, diz: “[…] Entretanto, adaptando-se ao organismo da mulher amada que passou a obsidiar, nela encontrou novo instrumento de sensação, vendo por seus olhos, ouvindo por seus ouvi- dos, muitas vezes falando por sua boca e vita- lizando-se com os alimentos comuns por ela utilizados. Nessa simbiose vivem ambos, há quase cinco anos sucessivos, contudo, agora, a moça subnutrida e perturbada acusa dese- quilíbrios orgânicos de vulto. […].” (XAVIER, Nos domínios da mediunidade, p. 54)
  49. 49. Na sequência da narrativa, vemos o processo de sintonia desse Espírito com a médium, pela qual se manifestaria: “Notamos que Eugênia-alma afastou-se do cor po, mantendo-se junto dele, a distância de al- guns centímetros, enquanto que, amparado pelos amigos que o assistiam, o visitante sen- tava-se rente, inclinado-se sobre o equipa- mento mediúnico ao qual se justapunha, à ma neira de alguém a debruçar-se numa janela.” (XAVIER, Nos domínios da mediunidade, p. 54-55) “[…] nesses trabalhos, o médium nunca se mantém a longa distância do corpo...”. (XAVIER, Nos domínios da mediunidade, p. 56)
  50. 50. Mais à frente, nessa mesma obra – Nos domí- nios da mediunidade –, vamos encontrar rela- tos ocorridos com uma outra médium, a Dona Celina, dos quais reproduzimos:
  51. 51. “A médium desvencilhou-se do corpo físico, como alguém que se entrega a sono profundo, e conduziu a aura brilhante de que coroava. […] A nobre senhora fitou o desesperado visitante com manifesta simpatia e abriu-lhe os braços, auxiliando-o a senhorear o veículo físico, então em sombra. Qual se fora atraído por vigoroso ímã, o sofre- dor arrojou-se sobre a organização física da médium, colando-se a ela, instintivamente. […] A mediunidade falante em Celina era diversa? […] ==>
  52. 52. - Celina – explicou, bondoso – é sonâmbula perfeita. A psicofonia, em seu caso, se proces- sa sem necessidade de ligação da corrente nervosa do cérebro mediúnico à mente do hóspede que o ocupa. A espontaneidade dela é tamanha na cessão de seus recursos às entidades necessitadas de socorro e carinho, que não tem qualquer dificuldade para desli- gar-se de maneira automática do campo sensório, perdendo provisoriamente o contacto com os centros motores da vida cerebral. Sua posição medianímica é de extrema passivi- dade. ==>
  53. 53. Por isso mesmo, revela-se o comunicante mais seguro de si, na exteriorização da própria per- sonalidade. Isso, porém, não indica que a nos- sa irmã deva estar ausente ou irresponsável. Junto do corpo que lhe pertence, age na condi ção de mãe generosa, auxiliando o sofredor que por ela se exprime qual se fora frágil pro- tegido de sua bondade. […] É por essa razão que o hóspede experimenta com rigor o domí- nio afetuoso da missionária que lhe dispensa amparo assistencial. […].” (XAVIER, Nos domínios da mediunidade, p. 72-74 – passim)
  54. 54. Um complicador a tudo isso é o que ainda cons ta, no mencionado livro, que, de uma certa for ma, vem contra essa possibilidade, conforme se vê nessas duas frases: “[…] precisamos considerar que a mente per- manece na base de todos os fenômenos me- diúnicos.” “Achando-se a mente na base de todas as ma- nifestações mediúnicas, quaisquer que sejam os característicos em que se expressem, […].” (XAVIER, Nos domínios da mediunidade, p. 15 e 18, respec- tivamente)
  55. 55. Produzido pela mente
  56. 56. Telepatia (transmissão de mente a mente)
  57. 57. Encontramos esse assunto em mais uma das obras da série André Luiz, psicografia de Chico Xavier. É a que tem o título de Missionários da Luz, na qual o capítulo 16 – Incorporação, há comen- tários sobre este fenômeno. Vamos transcrever alguns trechos:
  58. 58. “Enquanto Alexandre ouvia em silêncio, o sim- pático colaborador prosseguiu, depois de ligei- ra pausa: - Estimaríamos receber a devida autorização para trazê-lo... Poderia incorporar-se na orga- nização mediúnica de nossa irmã Otávia e fa- zer-se ouvir, de algum modo, diante dos ami- gos e familiares... [...] - Ouça, porém, meu amigo! - tornou Alexan- dre, sereno e enérgico - é indispensável que você medite sobre o acontecimento. Lembre- se de que você vai utilizar um aparelho neuro- muscular que lhe não pertence. Nossa amiga Otávia servirá de intermediária. ==>
  59. 59. No entanto, você não deve desconhecer as dificuldades de um médium para satisfazer a particularidades técnicas de identificação dos comunicantes, diante das exigências de nossos irmãos encarnados. Compreende bem? […] Terminada a oração e levado a efeito o equilíbrio vibratório do ambiente, com a cooperação de numerosos servidores de nosso plano, Otávia foi cuidadosamente afastada do veículo físico, em sentido parcial, aproximan- do-se Dionísio, que também parcialmente começou a utilizar-se das possibilidades dela. ==>
  60. 60. Otávia mantinha-se a reduzida distância, mas com poderes para retomar o corpo a qualquer momento num impulso próprio, guardando re- lativa consciência do que estava ocorrendo, en quanto que Dionísio conseguia falar, de si mes mo, mobilizando, no entanto, potências que lhe não pertenciam e que deveria usar, cuida- dosamente, sob o controle direto da proprietá- ria legítima e com a vigilância afetuosa de ami gos e benfeitores, que lhe fiscalizavam a ex- pressão com o olhar, de modo a mantê-lo em boa posição de equilíbrio emotivo. Reconheci que o processo de incorporação comum era mais ou menos idêntico ao da enxertia da ár- vore frutífera. ==>
  61. 61. A planta estranha revela suas características e oferece seus frutos particulares, mas a árvore enxertada não perde sua personalidade e pros segue operando em sua vitalidade própria. Ali também, Dionísio era um elemento que aderia às faculdades de Otávia, utilizando-as na pro- dução de valores espirituais que lhe eram ca- racterísticos, mas naturalmente subordinado à médium, sem cujo crescimento mental, forta- leza e receptividade, não poderia o comuni- cante revelar os caracteres de si mesmo, pe- rante os assistentes. Por isso mesmo, logica- mente, não era possível isolar, por completo, a influenciação de Otávia, vigilante. ==>
  62. 62. A casa física era seu templo, que urgia defen- der contra qualquer expressão desequilibrante, e nenhum de nós, os desencarnados presen- tes, tinha o direito de exigir-lhe maior afasta- mento, porquanto lhe competia guardar as suas potências fisiológicas e preservá-las con- tra o mal, perto de nós outros, ou à distância de nossa assistência afetiva”. (XAVIER, Missionários da luz, p. 260-277 – passim)
  63. 63. A FEESP – Federação Espírita do Estado de São Paulo publicou a obra Curso de Educação Mediúnica, de aulas ministradas, na institui- ção, por diversos autores sob a Coordenação da Área de Ensino. No programa do 2º ano, a 18ª aula tem o títu- lo “Obsessão - Obsessão Simples – Fascinação – Subjugação – Possessão”, em que se men- ciona a mudança de opinião de Kardec sobre a possessão, citando o livro A Gênese, cap. XIV, itens 45 a 49 como o local onde isso ocorreu. Transcrevemos da conclusão a que chegaram:
  64. 64. “Em síntese, pode-se dizer que na obsessão o Espírito atua exteriormente por meio de seu Perispírito, e, na possessão, faz domicílio no corpo do encarnado, que cede seu corpo volun tariamente, como no caso da senhorita Julie, ou, involuntariamente, quando o possessor é um Espírito mau, ao qual o possesso não tem força moral para resistir.” (FEESP, Curso de Educa- ção Mediúnica, p. 140)
  65. 65. A União Espírita Mineira – UEM publicou, em 1983, o livreto Mediunidade da série “Evange- lho e Espiritismo”, do qual transcrevemos: “08 - Qual a condição do médium na psicofo- nia consciente, na semiconsciente e na incons- ciente? R. - Na psicofonia consciente o Espírito comu- nicante transmite, telepaticamente, às vezes, à distância, as suas ideias ao médium que as retrata com as suas próprias palavras. Na se- miconsciente, o Espírito comunicante, através do perispírito do médium, entra em contato com este, atuando sobre o campo da fala e outros centros motores. ==>
  66. 66. Na inconsciente, afasta-se o Espírito do mé- dium do seu próprio corpo, que mais livremen- te é utilizado pelo comunicante. Quando há in- teira confiança entre ambos, é como se o mé- dium entregasse um instrumento valioso nas mãos de um artista emérito que o valoriza. Se o comunicante é rebelde ou perverso, o mé- dium, embora afastado, age na condição de um enfermeiro vigilante a controlar o doente.” (UEM, Mediunidade, p. 52)
  67. 67. Referências Bibliográficas: ANDRADE, H.G. Espírito, Perispírito e Alma, São Paulo: Pensamento-Cultrix, 2002. AUTORES DIVERSOS. Curso de Educação Mediúnica – 2º ano. São Paulo: FEESP, 1991. DELANNE, G. O fenômeno espírita. Rio de Janeiro: FEB, 1977. DENIS, L. No invisível. Rio de Janeiro: FEB, 1987. GELEY, G. Resumo da Doutrina Espírita. São Paulo: Lake, 2009. KARDEC, A. A Gênese. Rio de Janeiro: FEB, 2007e. KARDEC, A. Obras Póstumas, Rio de Janeiro: FEB, 2006b. KARDEC, A. O Livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: FEB, 2007a. KARDEC, A. O Livro dos Espíritos – primeira edição de 1857. São Paulo: IPECE, 2004. KARDEC, A. O Livro dos Médiuns. Rio de Janeiro: FEB, 2007b. KARDEC, A. Revista Espírita 1863, Araras – SP: IDE, 2000b. KARDEC, A. Revista Espírita 1866. Araras, SP: IDE, 1993i. KARDEC, A. Revista Espírita 1867, Araras – SP: IDE, 1999. KARDEC, A. Revista Espírita 1869, Araras – SP: IDE, 2001b. LOMBROSO, C. Hipnotismo e Mediunidade. Rio de Janeiro: FEB, 1999. SCHUTEL, C. Médiuns e Mediunidades. Matão, SP: O Clarim, 1984. TEIXEIRA, J. R. Desafios da Mediunidade. Niterói, RJ: Fráter, 2012. UEM – União Espírita Mineira. Mediunidade. Belo Horizonte: UEM, 1983 XAVIER, F. C. Missionários da Luz. Rio de Janeiro: FEB, 1986. XAVIER, F. C. Nos Domínios da Mediunidade, Rio de Janeiro: FEB, 1987.
  68. 68. FRANCO, D. P. Programa Transição 001 – Mediunidade. Out/2008, disponível em: http://programatransicao.tv.br/divaldo-pereira-franco/programa-transicao- 001-mediunidade-video_5955d7952.html, acesso em 11.01.2013, às 07:22hs. Estudo Perspicaz das Escrituras. Vol. 2 – Brasil. STVBT, 1991, p.652 http://www.portalespirito.com/doutrina/letra-p.htm http://www.espirito.org.br/portal/perguntas/prg-004.html. http://www.paulosnetos.net/index.php/viewdownload/5-artigos-e-estudos/74- possessao-ha-a-posse-fisica-do-encarnado
  69. 69. Imagens: http://www.ceuazul.org.br/siteimagensHoward-Terpning-Medicine-Man-Of-The- Cheyenne.jpg http://4.bp.blogspot.com/- aL6GKschJs4/TeEdIWGsX8I/AAAAAAAAQI4/vYoe7yy9rgI/s1600/endemoniado.jpg http://www.aeradoespirito.net/IMGart1/CC002a.jpg http://ec.i.uol.com.br/economia/2012/12/11/duvida-interrogacao-pessoas- perguntando-questao-1355237126006_956x500.jpg http://www.febnet.org.br/wp-content/uploads/2012/07/livroespiritos-157x240.jpg http://www.febnet.org.br/wp-content/uploads/2012/07/mediuns-157x240.jpg http://www.terceiromileniolivraria.com.br/admin/fotos3/imagem3_9_18_24.jpg http://cpaevirtual.blogspot.com.br/2009/05/biografia-de-hernani-guimaraes- andrade.html http://www.espiritnet.com.br/Biografias/biogdeni.htm http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/1/1c/Lombroso.JPG/250px- Lombroso.JPG http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Gabriel_Delanne.jpg http://2.bp.blogspot.com/-JMHHTJtPJms/T6c_R7- wxVI/AAAAAAAAOCE/hERArIBF7Bk/s1600/geley.png http://www.feblivraria.com.br/febnet/fotos/Nos-dominios-da-mediunidade-frances- __g79681.jpg http://www.feblivraria.com.br/febnet/fotos/Missionarios-da-luz__g59742.jpg http://www.cetj.org.br/cetj/wp-content/uploads/2015/10/cairbar3.jpg http://files.gmads-com-br.webnode.com/200000097-b4fe9b5f9c/duvudas.gif https://cdn-images-1.medium.com/max/605/1*8Lyb-mBBDeewjV51T2ANbA.png http://diasmind.com.br/wp-content/uploads/2016/01/telepatia.jpg
  70. 70. O nosso texto que utilizamos para montar este material em slides foi publicado, em três partes, pela Mythos Editora na revista Espiritismo & Ciência, nas seguintes edições: nº 70 de maio/2009, p. 6-10; nº 71 de junho/2009, p. 14-18 e nº 72 de julho/2009, p. 6-9.
  71. 71. Site: www.paulosnetos.net E-mail: paulosnetos@gmail.com Versão 11

×