SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Discutindo o Sistema Único de
    Saúde em Recife – PE




           14/05/2012
               PDT
          Cristina Sette
TAREFA
“Morder o fruto amargo e não cuspir
Mas avisar aos outros o quanto é amargo
Cumprir o trato injusto e não falhar
Mas avisar aos outros o quanto é injusto
Sofrer o esquema falso e não ceder
Mas avisar aos outros o quanto é falso
Dizer também que são coisas mutáveis
E quando em muitos a noção pulsar
Do amargo, injusto e falso por mudar
Então, confiar à gente exausta o plano
De um mundo novo e muito mais humano!”
                                 Geir Campos
• FREESE; FONTEBONNE (2006)
  classificam o perfil epidemiológico dos
  continentes e países em:
• Perfil Arcaico
  É aquele determinado pela “Precariedade e
  Exclusão Social” e caracterizado
  historicamente pela elevada mortalidade
  infantil, baixa expectativa de vida e
  persistência secular das chamadas
  “doenças negligenciadas”.
  Esse abrangente perfil está constituído por
  várias doenças transmissíveis
  endêmicas/epidêmicas, que são passíveis
  de serem prevenidas, controladas,
  erradicadas/eliminadas.
Perfil Moderno
É aquele caracterizado pelo “Bem-Estar
Social”, sendo determinado
historicamente pelo adequado emprego
de políticas econômicas e sociais e,
particularmente, através de políticas
públicas, com a construção de uma rede
de proteção social.
Apresenta baixa mortalidade infantil,
elevada expectativa de vida e predomínio
absoluto das DCNT sobre as DIP.
Perfil de Desigualdades
É aquele caracterizado pela secular
heterogeneidade estrutural no interior de várias
sociedades, com diferenciação e desigualdades
acentuadas entre as diversas classes sociais.
Apresenta, por um lado, elevadas taxas para
algumas DIP passíveis de controle como
esquistossomose, malária, tuberculose etc. e, por
outro, redução acentuada de doenças evitáveis por
vacinação.
É evidente também, nesse perfil, a expansão das
DCNT. Apresenta redução lenta e gradativa da
mortalidade infantil e aumento da expectativa de
vida, explosão da violência urbana, particularmente
nas cidades de grande e médio porte.
Global Distribution of Child Deaths
   (each dot = 5000 deaths; about 30,000 deaths per day)




Source: Black et al., Lancet 2003; 361: 2226-34
1. Algumas questões sobre o SUS
2. A saúde coletiva e o SUS em Recife
3. O que é estratégico para o Recife?
•   Algumas questões sobre o SUS
•   A saúde coletiva e o SUS em Recife
•   O que é estratégico para o Recife?
Sistema Único de Saúde
     Estrutura e Funcionamento
•   É constituído pelo conjunto de ações e
    serviços de saúde sob gestão pública e
    atua em todo o território nacional,
    tendo sido instituído pela Constituição
    Federal de 1988
•   Cada esfera de governo possui
    funções e competências específicas.
•   O SUS está inserido no contexto das
    políticas públicas de seguridade social,
    com a previdência e a assistência
    social.
Constituição Federal de 1988

Estabelece que “a saúde é direito de todos e
dever do Estado, garantido mediante políticas
 sociais e econômicas que visem à redução
do risco de doença e de outros agravos e ao
acesso universal e igualitário às ações e aos
serviços para sua promoção, proteção e
recuperação”.
  O texto da saúde está no
• Título VIII – Da Ordem Social
• Capítulo II – Da Seguridade Social
• Seção II – Da Saúde, artigos 196 a 200
Estrutura Institucional e Decisória do SUS

                              Comissão       Colegiado
             Gestor         Intergestores   Participativo

            Ministério da     Comissão
                              Comissão        Conselho
                                              Conselho
Nacional
               Saúde          Tripartite      Nacional


             Secretarias                      Conselho
                                              Conselho
Estadual
              Estaduais                       Estadual
                              Comissão
                              Bipartite
             Secretarias                      Conselho
                                              Conselho
Municipal    Municipais                       Municipal
                               Comissão
                                Regional
SERRA
                                  TALHADA                                CARUARU




                                                                                        RECIFE




        PETROLINA




Município Sede da Macro

  MACRORREGIÃO 1 - Metropolitana ( Regiões de Saúde - I, II, III, XII)
  MACRORREGIÃO 2 - Agreste (Regiões de Saúde - IV, V)
  MACRORREGIÃO 3 - Sertão ( Regiões de Saúde – VI, X, XI)
  MACRORREGIÃO 4 - Vale do São Francisco e Araripe(Regiões de Saúde – VII, VIII e IX)
XII
                            X
       IX                                II
            VII   XI                IV            I

                       VI                 III
VIII
                                V
Algumas questões sobre o SUS
•   O SUS real, o SUS legal e o SUS
    democrático
•   Política econômica x políticas públicas
•   Resistência a retrocessos
•   Difusão da consciência do direito à saúde
•   Descentralização
•   Participação social
•   Desenvolvimento técnico
•   Financiamento
•   Gestão do trabalho
•   Amadorismo x profissionalização da gestão
Gestão da saúde


• A gestão da saúde trata de
  processos complexos: aqueles
  relacionados com as necessidades
  e demandas por saúde, e aqueles
  relacionados com as possibilidades
  de resposta social
Gestão

   A gestão contempla no mínimo a
definição da política de saúde e do
correspondente projeto técnico,
implementados por meio do planejamento,
financiamento, orçamento, programação,
regulação, da organização da atenção à
saúde, além do desenvolvimento de
funções como gestão do trabalho e
educação, informação e informática,
ciência e tecnologia e as funções
administrativas e financeiras.
O gestor (a)

- As pessoas, seus perfis e suas escolhas

- O tempo – recurso sempre escasso

- A demonização do gestor público

- A difícil relação com a mídia

- O exercício da gerência – a articulação
com o ambiente externo e interno, as
mediações políticas, a cultura da
organização, as equipes de trabalho
Na saúde, a produção dos serviços
ocorre na relação entre o profissional
de saúde e o usuário

QUESTÕES:
- Qualificação profissional
- Humanização do atendimento
- Condições de trabalho
- Relações de trabalho
Mudando a curva de desempenho
    No. de
trabalhadores


        Não aceitável             Aceitável       Superior




            1       2    3    4      5    6   7   8    9     10
                                                      Desempenho
•   O SUS pobre para pobres é difundido pela
    mídia e percebido e sentido na pele por
    milhões de usuários

•   O SUS democrático e o SUS formal ainda
    parecem ficções para boa parte da
    população.

•   O SUS que temos ainda precisa ser aquele
    no qual prevalece o interesse público e se
    respeitam os direitos dos cidadãos.

•   Os bons resultados precisam ser
    conhecidos e defendidos pelos gestores,
    usuários e trabalhadores
•   Algumas questões sobre o SUS
•   A saúde coletiva e o SUS em Recife
•   O que é estratégico para o Recife?
Caracterização do Recife
  Divisão Territorial
• 220 km²
• Território marcado por profundas desigualdades
• Composição territorial diversificada:
  67,43% - morros
  23,26% - planícies
   9,31% - áreas aquáticas
   5,58% - Zonas Especiais de Preservação
             Ambiental (ZEPA)
• 6 Regiões Político-Administrativas (RPA’s)
• Na saúde cada RPA corresponde a um Distrito
  Sanitário
Estrutura Populacional

• A Cidade é considerada totalmente urbana
• População estimada de 1.634.808 habitantes em
  2010, apresentando um crescimento populacional
  ascendente
• Perfil correspondente às tendências de
  crescimento do Estado de Pernambuco e do
  Brasil.
• Predominância das faixas etárias mais jovens.
Breve Análise da Situação
de Adoecimento e Morte


• Hanseníase - a situação do Recife é de
  hiperendemicidade, constituindo-se prioridade para
  intensificação das ações de intervenção e controle.
• Tuberculose - O Recife encontra-se entre os 15
  municípios do estado considerados prioritários para as
  ações de controle da tuberculose.
• Filariose - Atualmente, no Brasil, apenas a região
  metropolitana do Recife mantém a Filariose Linfática,
  havendo o compromisso internacional de eliminá-la
  até o ano de 2020.
Breve Análise da Situação
 de Adoecimento e Morte - Dengue

• No Recife, os primeiros casos de dengue, na forma
  clássica, foram registrados em Janeiro de 1995.
• Em 1996, surgiram casos na forma hemorrágica, sendo
  isolados dois sorotipos circulantes do vírus (Den1 e
  Den2). Até 1998, a doença apresentou-se com perfil
  epidêmico, e a partir de 1999, a situação epidemiológica
  da doença permanece preocupante.
• Com a introdução do Den3 no Recife, em 2002, ocorreu
  uma grande epidemia
• No ano de 2008, ocorreu uma nova epidemia que
  permaneceu por 12 semanas. Essa epidemia foi de
  menor intensidade que a do ano de 2002, e foram
  detectados os três vírus.
Breve Análise da Situação
de Adoecimento e Morte

• AIDS - Entre os anos de 2000 e 2007, foram
  registrados pelo SINAN 2.554 casos confirmados de
  AIDS.
• Sífilis congênita - No Recife, no período entre 2001 e
  2008, foram notificados 1.684 casos, dos quais 1064
  (63,2%) poderiam ter sido evitados. Torna-se
  imprescindível a qualificação da atenção pré-natal.
Breve Análise da Situação
de Adoecimento e Morte
Mortalidade infantil e materna


• No período de 1980 a 2008, o Coeficiente de
  Mortalidade Infantil (CMI), teve uma redução de
  84,4%.
• O componente pós-neonatal merece destaque com
  um decréscimo de 90,8%, enquanto os óbitos
  neonatais apresentaram uma redução de 78,2%.
• No Recife, a Razão de Mortalidade Materna
  (RMM) oscilou entre 85,5 por 100.000 nascidos
  vivos (NV) em 2003 e 36,3/100.000 NV em 2007.
Coeficiente de Mortalidade Infantil. Recife, 1980 a 2007

80,0
                77,6

                   67,5                 70,4
70,0
                          65,4 65,7            65,2
                                                      63,3
60,0                                                              56,8
                                                         52 ,7                   56,8

50,0                                                                                     47,1
                                                                                            44,0 43,5
         39,1                                                                                             38,1
40,0                                                                                                               35,5
              33,9 35,033,4             38,8
                                               35,1
         38,6                                         32 ,5      31,1 31,1
                                                                                                                          2 7,4
30,0            33,3           32 ,3 31,6                                           2 5,9 2 6,6 2 7,2                              2 5,3 2 4,9
                       30,3                 30,1 30,8         2 7,7
                                                                                                         2 1,2                                    2 1,2 2 2 ,4 2 0,4
                                                        2 4,9 2 4,7 2 4,7                                         19,5 18,8                                          18,2 18,6
2 0,0                                                                                                                                                                                             16,5
                                                                                 2 1,5                                                                                             15,4 16,1
                                                                                                                                                                                                         14,4     13
                                                                                           17,4                                   17,4 18,5
                                                                                                  16,3 16,9 15,9                                 15,5 16                                          11,6
                                                                                                                                                             15 13,2                                             8,9
 10,0                                                                                                                                                                13,1 10,6 11
                                                                                                                                                                                                   4,9 10,3
                                                                                                                       8,6        7,9 6,4                                                                4,1      4,1
                                                                                                                                                        6,4 5,4
                                                                                                                                          5,7                       5     5,5      4,8 5,2
 0,0
        1 980 1 981 1 982 1 983 1 984 1 985 1 986 1 987 1 988 1 989 1 990 1 991 1 992 1 993 1 994 1995 1 996 1 997 1 998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007

CMI      77,6 67,5 65,4 65,7 70,4 65,2 63,3 52,7 56,8 56,8 47,1                            44,0 43,5 38,1        35,5 27,4 25,3 24,9 21 ,2             22,4 20,4 18,2 1 8,6 1 5,4         1 6,1 1 6,5    1 4,4   13

CMN      38,6 33,3 30,3 32,3 31 ,6 35,1           30,8 27,7 31 ,1        31 ,1    25,9 26,6 27,2 21 ,2           19,5 1 8,8 1 7,4 18,5        1 5,5    16    15    13,2   1 3,1   1 0,6    11    1 1 ,6 1 0,3    8,9

CMPN     39,1    33,9 35,0 33,4 38,8 30,1         32,5 24,9 24,7 24,7 21 ,5                1 7,4 16,3 1 6,9 15,9       8,6        7,9   6,4      5,7   6,4   5,4    5     5,5     4,8     5,2    4,9      4,1    4,1

      Fonte: DVS/SM Recife
Breve Análise da Situação
de Adoecimento e Morte – Mortalidade geral

• As doenças do aparelho circulatório apresentam os
  maiores coeficientes de mortalidade no período de
  2001 a 2008.
• Nos anos de 2001, 2007 e 2008, os óbitos por
  causas externas (violências) ocuparam a segunda
  posição, superando os coeficientes de mortalidade
  por neoplasias, que são a terceira causa.
• A mortalidade por óbitos provocados pelas doenças
  do aparelho respiratório ocupa a quarta colocação.
•   Algumas questões sobre o SUS
•   A saúde coletiva e o SUS em Recife
•   O que é estratégico para o Recife?
SUS Recife - Desafios e estratégias

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Esclerose múltipla apresentação
Esclerose múltipla apresentação   Esclerose múltipla apresentação
Esclerose múltipla apresentação Sú Carreiro
 
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017Virgilio Garcia Moreira
 
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOAula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOLeonardo Delgado
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicosagemais
 
Envelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem AdoecerEnvelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem AdoecerAmanda Thomé
 
Gigantismo x nanismo
Gigantismo x nanismoGigantismo x nanismo
Gigantismo x nanismoUNIME
 
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonar
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonarFisiologia do envelhecimento cárdio pulmonar
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonarwinniciuz
 
Rede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRubens Kon
 
Fragilidade
FragilidadeFragilidade
Fragilidadeuhgeri
 
Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011 aula 9
Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011 aula 9Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011 aula 9
Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011 aula 9Als Motta
 
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIAL
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIALCUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIAL
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIALMárcio Borges
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularMarília Gomes
 
A atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPSA atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPSIsabela Ferreira
 
A família do idoso dependente
A família do idoso dependenteA família do idoso dependente
A família do idoso dependenteCuidar de Idosos
 
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012Saúde do idoso -Intensivo MS 2012
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012Ismael Costa
 

Mais procurados (20)

Esclerose múltipla apresentação
Esclerose múltipla apresentação   Esclerose múltipla apresentação
Esclerose múltipla apresentação
 
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
Síndromes geriátricas na prática clínica - Introdução - 2017
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
 
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOAula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicos
 
Envelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem AdoecerEnvelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem Adoecer
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
 
Gigantismo x nanismo
Gigantismo x nanismoGigantismo x nanismo
Gigantismo x nanismo
 
Promoção do envelhecimento saudável
Promoção do envelhecimento saudávelPromoção do envelhecimento saudável
Promoção do envelhecimento saudável
 
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonar
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonarFisiologia do envelhecimento cárdio pulmonar
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonar
 
Rede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs lesteRede de urgência e emergência crs leste
Rede de urgência e emergência crs leste
 
Fragilidade
FragilidadeFragilidade
Fragilidade
 
Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011 aula 9
Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011 aula 9Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011 aula 9
Decreto nº 7.508, de 28 de junho de 2011 aula 9
 
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIAL
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIALCUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIAL
CUIDAR DE IDOSOS EM ILPIs - ASSISTÊNCIA SOCIAL
 
patologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascularpatologias do sistema cardiovascular
patologias do sistema cardiovascular
 
A atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPSA atuação do Assistente Social no CAPS
A atuação do Assistente Social no CAPS
 
Alteracoescadavericas
AlteracoescadavericasAlteracoescadavericas
Alteracoescadavericas
 
A família do idoso dependente
A família do idoso dependenteA família do idoso dependente
A família do idoso dependente
 
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012Saúde do idoso -Intensivo MS 2012
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012
 

Destaque

Anuário da Segurança Pública - 2016
Anuário da Segurança Pública - 2016Anuário da Segurança Pública - 2016
Anuário da Segurança Pública - 2016Jornal do Commercio
 
Brincando de Arqueologia em Pelotas
Brincando de Arqueologia em PelotasBrincando de Arqueologia em Pelotas
Brincando de Arqueologia em PelotasGiullia Anjos
 
Planejamento Estratégico em Comunicação
Planejamento Estratégico em ComunicaçãoPlanejamento Estratégico em Comunicação
Planejamento Estratégico em ComunicaçãoBruna Carolina
 
Seguranca da informacao - ISSA
Seguranca da informacao - ISSASeguranca da informacao - ISSA
Seguranca da informacao - ISSARoney Médice
 
Oportunidade para um Observatório da Comunicação Institucional
Oportunidade para um Observatório da Comunicação InstitucionalOportunidade para um Observatório da Comunicação Institucional
Oportunidade para um Observatório da Comunicação InstitucionalManoel Marcondes Neto
 
Sopa de letras cuencas del Amazonas
Sopa de letras cuencas del AmazonasSopa de letras cuencas del Amazonas
Sopa de letras cuencas del AmazonasNORMITAMON
 
Sistemas para Internet FMU
Sistemas para Internet FMUSistemas para Internet FMU
Sistemas para Internet FMUFMU - Oficial
 
Catálogo de Cursos UFS
Catálogo de Cursos UFSCatálogo de Cursos UFS
Catálogo de Cursos UFSMatheus Italo
 
Maceió das Alagoas
Maceió das AlagoasMaceió das Alagoas
Maceió das AlagoasAmadeu Wolff
 
Engenharia de Produção Mecânica - FMU
Engenharia de Produção Mecânica - FMUEngenharia de Produção Mecânica - FMU
Engenharia de Produção Mecânica - FMUFMU - Oficial
 
Turismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazoniaTurismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazoniaAndrea Scabello
 
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA - IFRO - PROF...
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA - IFRO - PROF...INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA - IFRO - PROF...
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA - IFRO - PROF...OS CONCURSEIROS DE RONDÔNIA
 
Laboratorio de Escrita Criativa
Laboratorio de Escrita CriativaLaboratorio de Escrita Criativa
Laboratorio de Escrita CriativaGrupo Treinar
 

Destaque (20)

Anuário da Segurança Pública - 2016
Anuário da Segurança Pública - 2016Anuário da Segurança Pública - 2016
Anuário da Segurança Pública - 2016
 
Comercio exterior
Comercio exteriorComercio exterior
Comercio exterior
 
Brincando de Arqueologia em Pelotas
Brincando de Arqueologia em PelotasBrincando de Arqueologia em Pelotas
Brincando de Arqueologia em Pelotas
 
Planejamento Estratégico em Comunicação
Planejamento Estratégico em ComunicaçãoPlanejamento Estratégico em Comunicação
Planejamento Estratégico em Comunicação
 
Seguranca da informacao - ISSA
Seguranca da informacao - ISSASeguranca da informacao - ISSA
Seguranca da informacao - ISSA
 
Apostila SENAI
Apostila SENAIApostila SENAI
Apostila SENAI
 
2011 07-14 10-45-03
2011 07-14 10-45-032011 07-14 10-45-03
2011 07-14 10-45-03
 
Oportunidade para um Observatório da Comunicação Institucional
Oportunidade para um Observatório da Comunicação InstitucionalOportunidade para um Observatório da Comunicação Institucional
Oportunidade para um Observatório da Comunicação Institucional
 
Sopa de letras cuencas del Amazonas
Sopa de letras cuencas del AmazonasSopa de letras cuencas del Amazonas
Sopa de letras cuencas del Amazonas
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Ceará Moderno
Ceará ModernoCeará Moderno
Ceará Moderno
 
Turismo in Santa Catarina
Turismo in Santa CatarinaTurismo in Santa Catarina
Turismo in Santa Catarina
 
Sistemas para Internet FMU
Sistemas para Internet FMUSistemas para Internet FMU
Sistemas para Internet FMU
 
Catálogo de Cursos UFS
Catálogo de Cursos UFSCatálogo de Cursos UFS
Catálogo de Cursos UFS
 
Maceió das Alagoas
Maceió das AlagoasMaceió das Alagoas
Maceió das Alagoas
 
Engenharia de Produção Mecânica - FMU
Engenharia de Produção Mecânica - FMUEngenharia de Produção Mecânica - FMU
Engenharia de Produção Mecânica - FMU
 
Turismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazoniaTurismo e arqueologia na amazonia
Turismo e arqueologia na amazonia
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA - IFRO - PROF...
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA - IFRO - PROF...INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA - IFRO - PROF...
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA - IFRO - PROF...
 
Laboratorio de Escrita Criativa
Laboratorio de Escrita CriativaLaboratorio de Escrita Criativa
Laboratorio de Escrita Criativa
 

Semelhante a SUS Recife - Desafios e estratégias

Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]Fisioterapeuta
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptDboraCatarina3
 
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptxAula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptxprofwilberthlincoln1
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOJorge Samuel Lima
 
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBASISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBAFILIPE NERI
 
A saúde como política social
A saúde como política socialA saúde como política social
A saúde como política socialComunidadenegrafm
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeJesiele Spindler
 
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdf
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdfidoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdf
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdfLuziannyDias
 
Slides sus aspectos historicos
Slides sus aspectos historicos Slides sus aspectos historicos
Slides sus aspectos historicos Chico Douglas
 
Relatório VII conferência municipal de saúde PARACATU - MG
Relatório VII conferência municipal de saúde PARACATU - MGRelatório VII conferência municipal de saúde PARACATU - MG
Relatório VII conferência municipal de saúde PARACATU - MGCínthia Lima
 
Política municipal de pics aprovada pelo cms em 04 04 2017
Política municipal de pics   aprovada pelo cms em 04 04 2017Política municipal de pics   aprovada pelo cms em 04 04 2017
Política municipal de pics aprovada pelo cms em 04 04 2017Luiz Edmundo Silva
 
SUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à RrealidadeSUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à RrealidadePLATAFORMA1CURSOS
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeLeticia Passos
 
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptxRELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptxJessiellyGuimares
 

Semelhante a SUS Recife - Desafios e estratégias (20)

Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]
 
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.pptApresentação resumida  PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
Apresentação resumida PARA CONFERÊNCIAS ESTADUAIS.ppt
 
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptxAula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
 
Slides sus
Slides sus   Slides sus
Slides sus
 
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAOSISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
SISTEMA UNICO DE SAUDE - RESUMAO
 
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBASISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
SISTEMA NACIONAL DE SAUDE EM CUBA
 
A saúde como política social
A saúde como política socialA saúde como política social
A saúde como política social
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Politicas de saude
Politicas de saudePoliticas de saude
Politicas de saude
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdf
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdfidoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdf
idoc.pub_constituiao-federal-art-196-a-200-sus-principios-e-diretrizes.pdf
 
Slides sus aspectos historicos
Slides sus aspectos historicos Slides sus aspectos historicos
Slides sus aspectos historicos
 
SUS
SUSSUS
SUS
 
Relatório VII conferência municipal de saúde PARACATU - MG
Relatório VII conferência municipal de saúde PARACATU - MGRelatório VII conferência municipal de saúde PARACATU - MG
Relatório VII conferência municipal de saúde PARACATU - MG
 
Política municipal de pics aprovada pelo cms em 04 04 2017
Política municipal de pics   aprovada pelo cms em 04 04 2017Política municipal de pics   aprovada pelo cms em 04 04 2017
Política municipal de pics aprovada pelo cms em 04 04 2017
 
SUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à RrealidadeSUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
SUS - Dos Aspectos Históricos à Rrealidade
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
 
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptxRELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
RELAÇÕES étnicos raciais e saúde coletiva.pptx
 

Mais de Deputado Paulo Rubem - PDT

SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicas
SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicasSUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicas
SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicasDeputado Paulo Rubem - PDT
 
Estado economia e o financiamento do pne 24 04 2018
Estado economia e o financiamento do pne 24 04 2018Estado economia e o financiamento do pne 24 04 2018
Estado economia e o financiamento do pne 24 04 2018Deputado Paulo Rubem - PDT
 
Terapia Ocupacional, saúde financiamento e participação social 1 09 2017
Terapia Ocupacional, saúde financiamento e participação social 1 09 2017Terapia Ocupacional, saúde financiamento e participação social 1 09 2017
Terapia Ocupacional, saúde financiamento e participação social 1 09 2017Deputado Paulo Rubem - PDT
 
"Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para...
"Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para..."Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para...
"Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para...Deputado Paulo Rubem - PDT
 
Crise fiscal causas e alternativas uag 28 11 2016
Crise fiscal  causas e alternativas uag 28 11 2016Crise fiscal  causas e alternativas uag 28 11 2016
Crise fiscal causas e alternativas uag 28 11 2016Deputado Paulo Rubem - PDT
 
Exposição do seminário de educação no campo 9 de maio de 2014
Exposição do seminário de educação no campo 9 de maio de 2014Exposição do seminário de educação no campo 9 de maio de 2014
Exposição do seminário de educação no campo 9 de maio de 2014Deputado Paulo Rubem - PDT
 
Os desafios do país e das nações sintepe gravatá 19 12 2014
Os desafios do país e das nações  sintepe gravatá 19 12 2014Os desafios do país e das nações  sintepe gravatá 19 12 2014
Os desafios do país e das nações sintepe gravatá 19 12 2014Deputado Paulo Rubem - PDT
 
Saneamento Básico para um Recife Sustentável
Saneamento Básico para um Recife SustentávelSaneamento Básico para um Recife Sustentável
Saneamento Básico para um Recife SustentávelDeputado Paulo Rubem - PDT
 
20 anos do estatuto da crianca e do adolescente
20 anos do estatuto da crianca e do adolescente20 anos do estatuto da crianca e do adolescente
20 anos do estatuto da crianca e do adolescenteDeputado Paulo Rubem - PDT
 
20 anos do estatuto da criança e do adolescente
20 anos do estatuto da criança e do adolescente20 anos do estatuto da criança e do adolescente
20 anos do estatuto da criança e do adolescenteDeputado Paulo Rubem - PDT
 

Mais de Deputado Paulo Rubem - PDT (20)

SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicas
SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicasSUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicas
SUS e Seguridade: Retomar a cidadania e construir novas políticas econômicas
 
Estado economia e o financiamento do pne 24 04 2018
Estado economia e o financiamento do pne 24 04 2018Estado economia e o financiamento do pne 24 04 2018
Estado economia e o financiamento do pne 24 04 2018
 
Terapia Ocupacional, saúde financiamento e participação social 1 09 2017
Terapia Ocupacional, saúde financiamento e participação social 1 09 2017Terapia Ocupacional, saúde financiamento e participação social 1 09 2017
Terapia Ocupacional, saúde financiamento e participação social 1 09 2017
 
"Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para...
"Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para..."Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para...
"Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para...
 
Dqf ufpe pec 241 23 11 2016
Dqf ufpe pec 241 23 11 2016Dqf ufpe pec 241 23 11 2016
Dqf ufpe pec 241 23 11 2016
 
Crise fiscal causas e alternativas uag 28 11 2016
Crise fiscal  causas e alternativas uag 28 11 2016Crise fiscal  causas e alternativas uag 28 11 2016
Crise fiscal causas e alternativas uag 28 11 2016
 
Exposição do seminário de educação no campo 9 de maio de 2014
Exposição do seminário de educação no campo 9 de maio de 2014Exposição do seminário de educação no campo 9 de maio de 2014
Exposição do seminário de educação no campo 9 de maio de 2014
 
Os desafios do país e das nações sintepe gravatá 19 12 2014
Os desafios do país e das nações  sintepe gravatá 19 12 2014Os desafios do país e das nações  sintepe gravatá 19 12 2014
Os desafios do país e das nações sintepe gravatá 19 12 2014
 
Pec 162
Pec 162Pec 162
Pec 162
 
Saneamento Básico para um Recife Sustentável
Saneamento Básico para um Recife SustentávelSaneamento Básico para um Recife Sustentável
Saneamento Básico para um Recife Sustentável
 
Agenda Recife do Futuro
Agenda Recife do FuturoAgenda Recife do Futuro
Agenda Recife do Futuro
 
Exposicao seguridade e SUS
Exposicao seguridade e SUSExposicao seguridade e SUS
Exposicao seguridade e SUS
 
Plano Nacional de Educação
Plano Nacional de EducaçãoPlano Nacional de Educação
Plano Nacional de Educação
 
Prestação de contas ultima semana
Prestação de contas ultima semanaPrestação de contas ultima semana
Prestação de contas ultima semana
 
Transparência
TransparênciaTransparência
Transparência
 
Declarações
DeclaraçõesDeclarações
Declarações
 
Transparência
TransparênciaTransparência
Transparência
 
Cartaz emendas
Cartaz emendasCartaz emendas
Cartaz emendas
 
20 anos do estatuto da crianca e do adolescente
20 anos do estatuto da crianca e do adolescente20 anos do estatuto da crianca e do adolescente
20 anos do estatuto da crianca e do adolescente
 
20 anos do estatuto da criança e do adolescente
20 anos do estatuto da criança e do adolescente20 anos do estatuto da criança e do adolescente
20 anos do estatuto da criança e do adolescente
 

SUS Recife - Desafios e estratégias

  • 1. Discutindo o Sistema Único de Saúde em Recife – PE 14/05/2012 PDT Cristina Sette
  • 2. TAREFA “Morder o fruto amargo e não cuspir Mas avisar aos outros o quanto é amargo Cumprir o trato injusto e não falhar Mas avisar aos outros o quanto é injusto Sofrer o esquema falso e não ceder Mas avisar aos outros o quanto é falso Dizer também que são coisas mutáveis E quando em muitos a noção pulsar Do amargo, injusto e falso por mudar Então, confiar à gente exausta o plano De um mundo novo e muito mais humano!” Geir Campos
  • 3. • FREESE; FONTEBONNE (2006) classificam o perfil epidemiológico dos continentes e países em: • Perfil Arcaico É aquele determinado pela “Precariedade e Exclusão Social” e caracterizado historicamente pela elevada mortalidade infantil, baixa expectativa de vida e persistência secular das chamadas “doenças negligenciadas”. Esse abrangente perfil está constituído por várias doenças transmissíveis endêmicas/epidêmicas, que são passíveis de serem prevenidas, controladas, erradicadas/eliminadas.
  • 4. Perfil Moderno É aquele caracterizado pelo “Bem-Estar Social”, sendo determinado historicamente pelo adequado emprego de políticas econômicas e sociais e, particularmente, através de políticas públicas, com a construção de uma rede de proteção social. Apresenta baixa mortalidade infantil, elevada expectativa de vida e predomínio absoluto das DCNT sobre as DIP.
  • 5. Perfil de Desigualdades É aquele caracterizado pela secular heterogeneidade estrutural no interior de várias sociedades, com diferenciação e desigualdades acentuadas entre as diversas classes sociais. Apresenta, por um lado, elevadas taxas para algumas DIP passíveis de controle como esquistossomose, malária, tuberculose etc. e, por outro, redução acentuada de doenças evitáveis por vacinação. É evidente também, nesse perfil, a expansão das DCNT. Apresenta redução lenta e gradativa da mortalidade infantil e aumento da expectativa de vida, explosão da violência urbana, particularmente nas cidades de grande e médio porte.
  • 6. Global Distribution of Child Deaths (each dot = 5000 deaths; about 30,000 deaths per day) Source: Black et al., Lancet 2003; 361: 2226-34
  • 7. 1. Algumas questões sobre o SUS 2. A saúde coletiva e o SUS em Recife 3. O que é estratégico para o Recife?
  • 8. Algumas questões sobre o SUS • A saúde coletiva e o SUS em Recife • O que é estratégico para o Recife?
  • 9. Sistema Único de Saúde Estrutura e Funcionamento • É constituído pelo conjunto de ações e serviços de saúde sob gestão pública e atua em todo o território nacional, tendo sido instituído pela Constituição Federal de 1988 • Cada esfera de governo possui funções e competências específicas. • O SUS está inserido no contexto das políticas públicas de seguridade social, com a previdência e a assistência social.
  • 10. Constituição Federal de 1988 Estabelece que “a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e aos serviços para sua promoção, proteção e recuperação”. O texto da saúde está no • Título VIII – Da Ordem Social • Capítulo II – Da Seguridade Social • Seção II – Da Saúde, artigos 196 a 200
  • 11. Estrutura Institucional e Decisória do SUS Comissão Colegiado Gestor Intergestores Participativo Ministério da Comissão Comissão Conselho Conselho Nacional Saúde Tripartite Nacional Secretarias Conselho Conselho Estadual Estaduais Estadual Comissão Bipartite Secretarias Conselho Conselho Municipal Municipais Municipal Comissão Regional
  • 12. SERRA TALHADA CARUARU RECIFE PETROLINA Município Sede da Macro MACRORREGIÃO 1 - Metropolitana ( Regiões de Saúde - I, II, III, XII) MACRORREGIÃO 2 - Agreste (Regiões de Saúde - IV, V) MACRORREGIÃO 3 - Sertão ( Regiões de Saúde – VI, X, XI) MACRORREGIÃO 4 - Vale do São Francisco e Araripe(Regiões de Saúde – VII, VIII e IX)
  • 13. XII X IX II VII XI IV I VI III VIII V
  • 14. Algumas questões sobre o SUS • O SUS real, o SUS legal e o SUS democrático • Política econômica x políticas públicas • Resistência a retrocessos • Difusão da consciência do direito à saúde • Descentralização • Participação social • Desenvolvimento técnico • Financiamento • Gestão do trabalho • Amadorismo x profissionalização da gestão
  • 15. Gestão da saúde • A gestão da saúde trata de processos complexos: aqueles relacionados com as necessidades e demandas por saúde, e aqueles relacionados com as possibilidades de resposta social
  • 16. Gestão A gestão contempla no mínimo a definição da política de saúde e do correspondente projeto técnico, implementados por meio do planejamento, financiamento, orçamento, programação, regulação, da organização da atenção à saúde, além do desenvolvimento de funções como gestão do trabalho e educação, informação e informática, ciência e tecnologia e as funções administrativas e financeiras.
  • 17. O gestor (a) - As pessoas, seus perfis e suas escolhas - O tempo – recurso sempre escasso - A demonização do gestor público - A difícil relação com a mídia - O exercício da gerência – a articulação com o ambiente externo e interno, as mediações políticas, a cultura da organização, as equipes de trabalho
  • 18. Na saúde, a produção dos serviços ocorre na relação entre o profissional de saúde e o usuário QUESTÕES: - Qualificação profissional - Humanização do atendimento - Condições de trabalho - Relações de trabalho
  • 19. Mudando a curva de desempenho No. de trabalhadores Não aceitável Aceitável Superior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Desempenho
  • 20. O SUS pobre para pobres é difundido pela mídia e percebido e sentido na pele por milhões de usuários • O SUS democrático e o SUS formal ainda parecem ficções para boa parte da população. • O SUS que temos ainda precisa ser aquele no qual prevalece o interesse público e se respeitam os direitos dos cidadãos. • Os bons resultados precisam ser conhecidos e defendidos pelos gestores, usuários e trabalhadores
  • 21. Algumas questões sobre o SUS • A saúde coletiva e o SUS em Recife • O que é estratégico para o Recife?
  • 22. Caracterização do Recife Divisão Territorial • 220 km² • Território marcado por profundas desigualdades • Composição territorial diversificada: 67,43% - morros 23,26% - planícies 9,31% - áreas aquáticas 5,58% - Zonas Especiais de Preservação Ambiental (ZEPA) • 6 Regiões Político-Administrativas (RPA’s) • Na saúde cada RPA corresponde a um Distrito Sanitário
  • 23.
  • 24. Estrutura Populacional • A Cidade é considerada totalmente urbana • População estimada de 1.634.808 habitantes em 2010, apresentando um crescimento populacional ascendente • Perfil correspondente às tendências de crescimento do Estado de Pernambuco e do Brasil. • Predominância das faixas etárias mais jovens.
  • 25.
  • 26. Breve Análise da Situação de Adoecimento e Morte • Hanseníase - a situação do Recife é de hiperendemicidade, constituindo-se prioridade para intensificação das ações de intervenção e controle. • Tuberculose - O Recife encontra-se entre os 15 municípios do estado considerados prioritários para as ações de controle da tuberculose. • Filariose - Atualmente, no Brasil, apenas a região metropolitana do Recife mantém a Filariose Linfática, havendo o compromisso internacional de eliminá-la até o ano de 2020.
  • 27. Breve Análise da Situação de Adoecimento e Morte - Dengue • No Recife, os primeiros casos de dengue, na forma clássica, foram registrados em Janeiro de 1995. • Em 1996, surgiram casos na forma hemorrágica, sendo isolados dois sorotipos circulantes do vírus (Den1 e Den2). Até 1998, a doença apresentou-se com perfil epidêmico, e a partir de 1999, a situação epidemiológica da doença permanece preocupante. • Com a introdução do Den3 no Recife, em 2002, ocorreu uma grande epidemia • No ano de 2008, ocorreu uma nova epidemia que permaneceu por 12 semanas. Essa epidemia foi de menor intensidade que a do ano de 2002, e foram detectados os três vírus.
  • 28.
  • 29. Breve Análise da Situação de Adoecimento e Morte • AIDS - Entre os anos de 2000 e 2007, foram registrados pelo SINAN 2.554 casos confirmados de AIDS. • Sífilis congênita - No Recife, no período entre 2001 e 2008, foram notificados 1.684 casos, dos quais 1064 (63,2%) poderiam ter sido evitados. Torna-se imprescindível a qualificação da atenção pré-natal.
  • 30. Breve Análise da Situação de Adoecimento e Morte Mortalidade infantil e materna • No período de 1980 a 2008, o Coeficiente de Mortalidade Infantil (CMI), teve uma redução de 84,4%. • O componente pós-neonatal merece destaque com um decréscimo de 90,8%, enquanto os óbitos neonatais apresentaram uma redução de 78,2%. • No Recife, a Razão de Mortalidade Materna (RMM) oscilou entre 85,5 por 100.000 nascidos vivos (NV) em 2003 e 36,3/100.000 NV em 2007.
  • 31. Coeficiente de Mortalidade Infantil. Recife, 1980 a 2007 80,0 77,6 67,5 70,4 70,0 65,4 65,7 65,2 63,3 60,0 56,8 52 ,7 56,8 50,0 47,1 44,0 43,5 39,1 38,1 40,0 35,5 33,9 35,033,4 38,8 35,1 38,6 32 ,5 31,1 31,1 2 7,4 30,0 33,3 32 ,3 31,6 2 5,9 2 6,6 2 7,2 2 5,3 2 4,9 30,3 30,1 30,8 2 7,7 2 1,2 2 1,2 2 2 ,4 2 0,4 2 4,9 2 4,7 2 4,7 19,5 18,8 18,2 18,6 2 0,0 16,5 2 1,5 15,4 16,1 14,4 13 17,4 17,4 18,5 16,3 16,9 15,9 15,5 16 11,6 15 13,2 8,9 10,0 13,1 10,6 11 4,9 10,3 8,6 7,9 6,4 4,1 4,1 6,4 5,4 5,7 5 5,5 4,8 5,2 0,0 1 980 1 981 1 982 1 983 1 984 1 985 1 986 1 987 1 988 1 989 1 990 1 991 1 992 1 993 1 994 1995 1 996 1 997 1 998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 CMI 77,6 67,5 65,4 65,7 70,4 65,2 63,3 52,7 56,8 56,8 47,1 44,0 43,5 38,1 35,5 27,4 25,3 24,9 21 ,2 22,4 20,4 18,2 1 8,6 1 5,4 1 6,1 1 6,5 1 4,4 13 CMN 38,6 33,3 30,3 32,3 31 ,6 35,1 30,8 27,7 31 ,1 31 ,1 25,9 26,6 27,2 21 ,2 19,5 1 8,8 1 7,4 18,5 1 5,5 16 15 13,2 1 3,1 1 0,6 11 1 1 ,6 1 0,3 8,9 CMPN 39,1 33,9 35,0 33,4 38,8 30,1 32,5 24,9 24,7 24,7 21 ,5 1 7,4 16,3 1 6,9 15,9 8,6 7,9 6,4 5,7 6,4 5,4 5 5,5 4,8 5,2 4,9 4,1 4,1 Fonte: DVS/SM Recife
  • 32. Breve Análise da Situação de Adoecimento e Morte – Mortalidade geral • As doenças do aparelho circulatório apresentam os maiores coeficientes de mortalidade no período de 2001 a 2008. • Nos anos de 2001, 2007 e 2008, os óbitos por causas externas (violências) ocuparam a segunda posição, superando os coeficientes de mortalidade por neoplasias, que são a terceira causa. • A mortalidade por óbitos provocados pelas doenças do aparelho respiratório ocupa a quarta colocação.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36. Algumas questões sobre o SUS • A saúde coletiva e o SUS em Recife • O que é estratégico para o Recife?