Covisa CCZ Audiencia Publica

1.328 visualizações

Publicada em

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.328
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Enchente – temporária elevação do nível d’água normal da drenagem, devido ao acréscimo de descarga. Não há extravasamento de águas no canal.
  • Enchente – temporária elevação do nível d’água normal da drenagem, devido ao acréscimo de descarga. Não há extravasamento de águas no canal.
  • Covisa CCZ Audiencia Publica

    1. 1. 26.10.2011 “ Os animais e a atuação da Defesa Civil” Ações em situações de desastres naturais Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA Centro de Controle de Zoonoses - CCZ
    2. 2. “ ...Considera-se que os desastres ocorrem porque existem condições de risco , e que todos os desastres são únicos e com efeitos diferentes , já que cada zona afetada tem condições sociais, econômicas, políticas, climáticas, geográficas e sanitárias peculiares. Entretanto, os efeitos sobre a saúde pública são similares e o seu reconhecimento prévio pode permitir que as comunidades possam se preparar para evitar, minimizar ou enfrentar esses riscos, e ainda facilitar o uso racional de recursos do setor saúde .” Ministério da Saúde ( consultado em 28.10.2010 em h ttp://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/programa_vigidesastres.pdf)
    3. 3. COVISA e 25 Supervisões de Vigilância em Saúde
    4. 4. Enchentes Inundação Alagamento Enchente – temporária elevação do nível d’água normal da drenagem, devido ao acréscimo de descarga. Não há extravasamento de águas no canal. Inundação - tipo particular de enchente, onde a elevação do nível d’água normal atinge tal magnitude que as águas não se limitam à calha principal do rio, extravasando para áreas marginais habitualmente não ocupadas pelas águas, atingindo casas, prédios e etc. Alagamento – as águas da chuva permanecem sobre vias públicas. Alagamento
    5. 5. Solapamento Deslizamento Solapamento: Quando ocorre transporte de material sólido do “pé” da estrutura, tornando-a instável ao tombamento e, por conseguinte levando-a ao colapso. Deslizamento ou Escorregamento: O deslizamento é um fenômeno provocado pelo escorregamento de materiais sólidos, como solos, rochas, vegetação e/ou material de construção ao longo de terrenos inclinados, denominados de encostas.
    6. 6. GESTÃO DO RISCO   Compreende o conjunto de decisões administrativas de organização e de conhecimentos operacionais desenvolvidos pelos órgãos de governo em conjunto com a sociedade organizada para implementar políticas e estratégias para fortalecer suas capacidades a fim de reduzir o impacto dos desastres naturais, tecnológicos secundários e de desastres ambientais. GESTÃO DO RISCO Redução do Risco Manejo do Desastre Recuperação Prevenção Mitigação Preparação Alerta Resposta Reabilitação Reconstrução
    7. 7. Como os desastres afetam o Setor Saúde? <ul><li>Causando mortes, ferimentos e doenças </li></ul><ul><li>Causando efeitos sobre a saúde mental </li></ul><ul><li>Excedendo a capacidade de resposta </li></ul><ul><li>Afetando os recursos humanos de saúde </li></ul><ul><li>Danificando ou destruindo infraestrutura de saúde e equipamentos </li></ul><ul><li>Danificando ou destruindo sistema de saneamento </li></ul><ul><li>Interrompendo os serviços básicos (energia, telefonia, transporte…) </li></ul>VIGIDESASTRES
    8. 8. <ul><li>2008 - Reuniões técnicas em conjunto COMDEC, GVISAM, Atenção Básica, SMADS e Subprefeituras. </li></ul><ul><li>2008-2009 - Participação na elaboração do Plano Preventivo da Defesa Civil – Chuvas de Verão (Portaria 1716/2008 ) e 2010-2011 (Portaria 1046, de 29/10/2010) </li></ul><ul><li>Jan/2010 - Participação na I Conferência Municipal de Defesa Civil e Assistência Humanitária: por uma Ação Integral e Contínua </li></ul><ul><li>Nov/2010 - Plano de Gestão Integrada de Vigilância em Saúde Ambiental de Populações Expostas aos Desastres Naturais no Município de São Paulo (VIGIDESASTRES) </li></ul>Histórico da Construção do Plano VIGIDESASTRES
    9. 9. Fonte primária: estimativas SEADE, 2008 Cálculos: SMS/ CEInfo / GT de Geoproc. e Info. Socioamb. Leste Habitantes 2.509.267 Pop. Cães e Gatos 601.130 Sudeste Habitantes 2.469.372 Pop. Cães e Gatos 533.208 Sul Habitantes 2.523.930 Pop. Cães e Gatos 860.274 Norte Habitantes 2.174.021 Pop. Cães e Gatos 556.044 Centro-Oeste Habitantes 1.203.029 Pop. Cães e Gatos 403.543 Comparativo entre população humana dos municípios e população animal domiciliada do município de São Paulo Município Habitantes Razão Guarulhos 1.222.357 2,41 Campinas 1.080.999 2,73 Ribeirão Preto 605.114 4,88 Sorocaba 586.311 5,03 Santos 419.757 7,03 Comparativo SP Habitantes 10.879.619 Pop. Cães e Gatos 2.954.199
    10. 10. <ul><li>Ações na Fase de Prevenção </li></ul><ul><li>Desenvolver ações com objetivo de evitar e/ou reduzir os danos à Saúde Humana e Animal , tais como: </li></ul><ul><li>Mapear áreas de risco, equipamentos e serviços disponíveis. </li></ul><ul><li>Realizar treinamentos nos serviços de vigilância em saúde e de assistência à saúde. </li></ul><ul><li>Acompanhar e analisar os indicadores dos agravos de saúde. </li></ul><ul><li>Educação da população: medidas de prevenção de doenças, guarda responsável, não abandono, esterilização, vacinação, entre outras. </li></ul><ul><li>Realizar o controle de roedores e demais animais sinantrópicos. </li></ul>AÇÕES ANTES, DURANTE E DEPOIS DOS DESASTRES
    11. 11. “ Para Viver de Bem com os Bichos” Foto: CCZ/SP Foto: CCZ/SP Foto: CCZ/SP
    12. 12. <ul><li>Ações na Fase de Resposta </li></ul><ul><li>Atuação de forma integrada com as instituições envolvidas de acordo com as diretrizes da Defesa Civil Municipal , como: </li></ul><ul><li>Notificação e Acompanhamento dos agravos relacionados aos Desastres Naturais. ( Portaria Nº 104, de 25 de Janeiro de 2011 Anexo II - Lista de Notificação Compulsória Imediata – LNCI ) </li></ul><ul><li>   Avaliar as condições sanitárias dos locais atingidos -estabelecimentos comerciais, residências e abrigos temporários – incluindo orientação técnica e intervenções necessárias (ex. inutilização de alimentos expostos, desinfecção dos ambientes, etc.) </li></ul><ul><li>Ações de controle de animais domésticos (vacinação, esterilização, remoção e destinação de animais em sofrimento, cadastro e registro/microchipagem), e sinantrópicos , bem como encaminhamento em casos de acidentes com animais peçonhentos. </li></ul><ul><li>Coleta e análise de amostras de água em área com provável contaminação do fornecimento. (Laboratório de Controle de Qualidade/COVISA /SMS) </li></ul>
    13. 13. LOCALIZAÇÃO CLÍNICAS VETERINÁRIAS 01. ESTIMAKÃO – Jaraguá 02. SOS PELUDOS – Casa Verde 03. CONDE – Tucuruvi 04. ANDREZA – Vila Medeiros 05. MASCOTE – Vila Maria 06. HOTT DOG – Vila Prudente 07. NUCVET – Sapopemba 08. 6919.8300 – São Mateus 09. VINÍCIUS ROSSI – Ponte Rasa 10. ZONA LESTE – Artur Alvim 11. SANTA QUITÉRIA – Lajeado 12. UNISA – Cidade Dutra 13. SÃO SEBASTIÃO – Parelheiros RGA E TERMO DE ENCAMINHAMENTO Centro de Controle de Zoonoses SUVIS Freguesia do Ó/Brasilândia SUVIS Ermelino Matarazzo SUVIS São Mateus SUVIS Cidade Ademar/Santo Amaro SUVIS Parelheiros DESCENTRALIZAÇÃO FUTURA SUVIS Aricanduva/Mooca SUVIS Butantã SUVIS Guaianases SUVIS Vila Prudente/Sapopemba SUVIS São Miguel
    14. 15. <ul><li>Ações previstas na fase de Recuperação e Reabilitação </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Acompanhar os órgãos responsáveis para o restabelecimento do abastecimento da água, esgotamento sanitário, energia elétrica, sistema de comunicação. </li></ul><ul><li>Colaborar com os órgãos responsáveis para reativação de equipamentos como: escolas, unidades de saúde, creches e outros. </li></ul><ul><li>Monitorar as condições de saúde da população afetada realizando encaminhamentos para serviços de saúde, serviços de assistência social, quando necessário. </li></ul>
    15. 16. Fonte: SUACRE/CCZ/COVISA/SMS, 2011. * DADOS ATÉ SETEMBRO/2011 Animais esterilizados pelos programas municipais de controle reprodutivo de cães e gatos Total: 324.956 animais De 2001 a maio/2008 esterilizações pelo Programa Saúde Animal (PSA) A partir de dez/2008 : Programa Permanente de Controle Reprodutivo de Cães e Gatos (PPCRCG) – Clínicas Veterinárias e Mutirões *
    16. 17. Alagamento - 2009 Deslizamento e solapamento 2009/2010 Mapeamento de pontos de alagamento, áreas de risco de deslizamento (encostas) e solapamento (margens de córrego) Fonte: CGE
    17. 18. Áreas de risco de deslizamento e solapamento 2009/2010 Fonte: Secretaria de Coordenação das Subprefeituras Casos de Leptospirose - 2009/2010 Fonte: SINAN (atualizado em 23/08/10) Mapa de Kernel de áreas de risco de deslizamento, solapamento e de casos confirmados de Leptospirose
    18. 19. Total de esterilizações cirúrgicas por distrito administrativo de dezembro/2008 a setembro/2011 Fonte: SUACRE/GCCZ/COVISA/SMS, 2011. 56 Distritos Administrativos 526 mutirões 83.060 cirurgias
    19. 20. OPERACIONALIZAÇÃO GEORREFERENCIAMENTO DAS ÁREAS DE RISCO DE DESLIZAMENTO / SOLAPAMENTO Dados fornecidos pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) e pela Secretaria Municipal de Coordenação das Subprefeituras GEORREFERENCIAMENTO DAS ÁREAS DE ALAGAMENTO Dados fornecidos pela CET VIGIDESASTRES
    20. 21. Mapeamento de pontos de alagamento, áreas de risco de deslizamento (encostas) e solapamento (margens de córrego) - 2009 Fonte: CGE
    21. 22. LOCAL AV RAGUEB CHOHFI REFERENCIA ALTURA DO NUMERO 5359 OBSERVACAO INTRANSITAVEL SUBPREFEIT SAO MATEUS DISTRITO IGUATEMI ALAGAMENTO 1 ANO 2009 INFO
    22. 25. “ Nem tudo que se enfrenta pode ser modificado, mas nada pode ser modificado até que seja enfrentado.” Albert Einstein
    23. 26. Coordenação de Vigilância em Saúde (COVISA) Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) Ana Claudia Furlan Mori Rua Santa Eulália, 86 – Santana/SP www.prefeitura.sp.gov.br/zoonoses [email_address] Tel.: 11 3397-8915

    ×