Pauta 4 euclides da cunha

157 visualizações

Publicada em

Euclides da Cunha

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
157
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pauta 4 euclides da cunha

  1. 1. ORIENTAÇÕES PARA O BOM ANDAMENTO DA AULA GRUPOS QUE FICARAM COM ALGUM AUTOR Debatam entre si sobre a biografia dele; Fale sobre as características de sua escrita; Fale de suas principais obras; Fale sobre uma obra específica; GRUPOS QUE FICARAM COM OS DEMAIS TEMAS Debatam as características do seu assunto no Brasil e no Mundo; Saibam especificar quando acontece no Brasil e quando acontece em Portugal; SOBRE A PAUTA E A GRAVAÇÃO Você recebeu uma pauta, ela vai ser base para o que será discutido no podcast; A função do podcast é que você e sua equipe discuta o tema que ficaram responsáveis; Não leia DE MANEIRA ALGUMA a pauta para o gravador, salvo quando for fazer alguma citação. Você irá debater o tema sorteado com seu grupo, e tudo que for falado deverá ser gravado com o gravador de algum eletrônico (smatphone,etc) Você pode tranquilamente usar de uma linguagem informal. Mas tenha cuidado, pois você estará produzindo um material DIDÁTICO Parnasus Cast – Seu Podcast Didático Sobre Literatura (2015)
  2. 2. EUCLIDES DA CUNHA Quem foi Euclides da Cunha nasceu no Rio de Janeiro, em 20 de janeiro de 1866 e morreu neste mesmo estado, em 1909, aos 43 anos de idade. Era engenheiro, porém seu talento literário não passava despercebido, e, logo recebeu um convite para ser correspondente do jornal “O Estado de S.Paulo”, este fato ocorreu durante o período da Guerra de Canudos. Escreveu : Peru versus Bolívia, Contrastes e Confrontos e A Margem da História, sendo sua principal obra ” Os Sertões “ Sua vida privada foi repleta de contrariedades e grandes dificuldades financeiras. No ano de 1909 ele prestou concurso para o magistério. Apesar de ter sido aprovado ele não teve tempo de assumir o cargo, pois, foi assassinado pouco tempo depois. Sua obra é reconhecida até os dias de hoje e seus livros são lidos pelos apreciadores da literatura brasileira. Pontos Mais Importantes Estilo rebuscado de escrita (barroco científico) Obras com nítidas influências deterministas OS SERTÕES Obra posta entre a literatura, o jornalismo e a sociologia, baseada na Guerra de Canudos. Marco da Independência intelectual Brasileira O autor, adepto do determinismo, teoria que afirma ser o homem influenciado (determinado) pelo meio, pela raça e pelo momento histórico, dividiu Os sertões em três partes, a saber: A terra (o meio), O homem (a raça) e A luta (o momento).
  3. 3. Este livro é dividido em três partes: A Terra é uma descrição detalhada feita pelo cientista Euclides da Cunha, mostrando todas as características do lugar, o clima, as secas, a terra, enfim. O Homem é uma descrição feita pelo sociólogo e antropólogo Euclides da Cunha, que mostra o habitante do lugar, sua relação com o meio, sua gênese etnológica, seu comportamento, crença e costume; mas depois se fixa na figura de Antônio Conselheiro, o líder de Canudos. Apresenta se caráter, seu passado e relatos de como era a vida e os costumes de Canudos, como relatados por visitantes e habitantes capturados. Estas duas partes são essencialmente descritivas, pois na verdade “armam o palco” e “introduzem os personagens” para a verdadeira história, a Guerra de Canudos, relatada na terceira parte, A Luta é uma descrição feita pelo jornalista e ser humano Euclides da Cunha, relatando as quatro expedições a Canudos, criando o retrato real só possível pela testemunha ocular da fome, da peste, da miséria, da violência e da insanidade da guerra. Retratando minuciosamente movimento de tropas, o autor constantemente se prende à individualidade das ações e mostra casos isolados marcantes que demonstram bem o absurdo de um massacre que começou por um motivo tolo – Antônio Conselheiro reclamando um estoque de madeira não entregue – escalou para um conflito onde havia paranóia nacional pois suspeitava-se que os “monarquistas” de Canudos, liderados pelo “famigerado e bárbaro Bom Jesus Conselheiro” tinham apoio externo. No final, foi apenas um massacre violento onde estavam todos errados e o lado mais fraco resistiu até o fim com seus derradeiros defensores – um velho, dois adultos e uma criança.

×