Salão de Ensino 2010 - PEAD/UFRGS

875 visualizações

Publicada em

Apresentação utilizada no relato de experiência docente no Salão de Ensino 2010 da UFRGS.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
875
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
63
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Salão de Ensino 2010 - PEAD/UFRGS

  1. 1. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Educa ção – PEAD Aluno: Paulo Assis Costa Medeiros Orientadora: Professora Luciane Corte Real PORTO ALEGRE - 2010 Uso de Tecnologias A Postura do Professor Experiência Docente
  2. 2. Início : 1º de março de 2010 Término : 11 de junho de 2010 Experiência Docente Objetivo do relato : Estudo de caso que envolve a turma 54 e o professor Paulo Medeiros, da inserção da informática e suas diferentes ferramentas ao longo do estágio curricular.
  3. 3. Apresentação da Escola EMEF Áurea Celi Barbosa Rua Marco Pólo, 729 – Bairro São Vicente Gravataí – RS TURNOS DE FUNCIONAMENTO: Manhã : 1º e 2º ano - 5ª à 8ª séries - 19 turmas Tarde : 1º ao 5º ano - 19 turmas Noite : EJA - 9 turmas Alunos matriculados : 1250 alunos Professores e funcionários : 80 servidores
  4. 4. Apresentação da turma <ul><li>Formada por 28 alunos, sendo que dois deles estão repetindo a série e seis foram aprovados com dossiê no ano anterior. </li></ul><ul><li>A faixa etária dos alunos é ampla: dos 10 aos 15 anos. </li></ul><ul><li>O nível sócio-econômico dos alunos é extremamente diferenciado, sendo que alguns vêm de famílias financeiramente estáveis e bem estruturadas, enquanto outros são oriundos de núcleos familiares bastante carentes. </li></ul>
  5. 5. Apresentação da proposta <ul><li>Buscar soluções para questionamentos do cotidiano; </li></ul><ul><li>Ter acesso à informação como esteio da construção do conhecimento; </li></ul><ul><li>Motivar a autoria; </li></ul><ul><li>Pautar as ações educativas visando o desenvolvimento da autonomia, do esmero, da responsabilidade e da cooperação; </li></ul><ul><li>Fomentar processos de investigação; </li></ul><ul><li>Criar registros eletrônicos do trabalho, assim como registros coletivos e individuais na forma impressa. </li></ul>
  6. 6. Referencial Teórico Quando o aprendiz é desafiado a questionar, quando ele se perturba e necessita pensar para expressar suas dúvidas, quando lhe é permitido formular questões que tenham significação para ele, emergindo de sua história de vida, de seus interesses, seus valores e condições pessoais, passa a desenvolver a competência para formular e equacionar problemas. Quem consegue formular com clareza um problema, a ser resolvido, começa a aprender a definir as direções de sua atividade.&quot; (Léa Fagundes, Aprendizes do Futuro)
  7. 7. O cenário digital <ul><li>Laboratório de informática : </li></ul><ul><li>Desativado; </li></ul><ul><li>Computadores aparentemente sem condições de uso no momento; </li></ul><ul><li>Internet indisponível. </li></ul><ul><li>Observação : A Equipe Diretiva foi extremamente solícita. Buscando atender às necessidades dos alunos e do professor, providenciou o reparo do maior número possível de computadores: dez terminais. Quando os computadores foram liberados, o professor instalou uma coletânea de jogos disponibilizados no PEAD. </li></ul>
  8. 8. Alternativa O início: primeiro contato
  9. 9. Cruzando o rio Familiarizar cada educando com as novas ferramentas
  10. 10. Um notebook? Promova um trabalho cooperativo. Trabalhar com o que se tem
  11. 11. Tornar o educando um agente Envolvê-lo em todas as etapas
  12. 12. Motivá-lo a multiplicar o que aprendeu Cooperação
  13. 13. Geografia através do Google Maps Internet na sala
  14. 14. Pesquisa Descobrindo a Wikipedia
  15. 15. Coleta de dados Dúvidas e Certezas (provisórias): Projeto de Aprendizagem
  16. 16. Reações, resultados Entusiasmo, surpresa, alegria, interesse,...
  17. 17. Transição: mais computadores O data show tornou-se nosso “quadro digital”
  18. 18. Jogos educativos Alunos demonstram desenvoltura no trabalho com os softwares
  19. 19. Postura cooperativa Trabalham de forma cooperativa também com mais computadores
  20. 20. <ul><li>Notebook, data show, telão, Internet móvel, câmera digital, etc; </li></ul><ul><li>Jogos educativos; </li></ul><ul><li>Arquivos de vídeo/foto; </li></ul><ul><li>Arquivos de som/música; </li></ul><ul><li>Internet: Google, Wikipedia, Google Earth, Google Maps, PBWorks, etc; </li></ul><ul><li>Editor gráfico; </li></ul><ul><li>História infantil digital; </li></ul><ul><li>CD rom; </li></ul><ul><li>Pesquisa temática na Internet </li></ul>Ferramentas e recursos utilizados
  21. 21. <ul><li>Editor de texto; </li></ul><ul><li>Scanner; </li></ul><ul><li>Impressora; </li></ul><ul><li>Editor de apresentações. </li></ul>Ferramentas e recursos que serão utilizados
  22. 22. O que realmente se fixa na memória é o que se vive, e o que se vive precisa de emoção. (Byington, 2004)
  23. 23. Alguém que se aceita como guia na criação deste espaço de convivência. No momento em que eu digo a vocês: “Perguntem”, e aceito que vocês me guiem com suas perguntas, eu estou aceitando vocês como professores, no sentido de que vocês me estão mostrando espaços de reflexão onde eu devo ir. Maturana. Santiago, 1990. E quem é o professor?

×