http://www.diarioonline.com.br/noticia-261500-medico-denuncia-situacao-precaria-no-marajo.html?377963596

Médico denuncia ...
Segundo Paulo, os enfermeiros também estão tendo que acumular funções. “Os
enfermeiros ficam com medo. Eles tem que fazer ...
Leila disse inda que a prefeitura não recebeu verba para construir a sala de estabilização.
“O que recebemos foi para a am...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

MÉDICO DENUNCIA SITUAÇÃO PRECÁRIA NO MARAJÓ

152 visualizações

Publicada em

Eleito em 2012 com a mentirosa promessa de valorizar servidores da saúde, prefeito Valentim Lucas de Oliveira promove doença em Salvaterra, por intermédio de sua garota de recados, a secretária de saúde Leila Freitas Maia, intimida, ameaça e demite médicos, dentistas e enfermeiros, deixa postos de saúde e hospitais sem materiais e medicamentos, além disso demite profissionais que criticam seus arroubos autoritários.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
152
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MÉDICO DENUNCIA SITUAÇÃO PRECÁRIA NO MARAJÓ

  1. 1. http://www.diarioonline.com.br/noticia-261500-medico-denuncia-situacao-precaria-no-marajo.html?377963596 Médico denuncia situação precária no Marajó Segunda-Feira, 28/10/2013, 17:18:27 - Atualizado em 28/10/2013, 22:35:19 2 cometários Compartilhar:  Twitter  Facebook  Google + imprimir noticia Tamanho da fonte: A- A+ Falta de medicamento e médicos plantonistas, intimidação com os funcionários e ameaças. Essas são alguns dos problemas relatados na denúncia feita ao Diário Online (DOL) sobre a situação dos postos de saúde do município de Salvaterra, no arquipélago do Marajó. Segundo o médico do município, Paulo Marcelo Braga, a situação no local é precária. “Uma das piores situações é na vila de Condeixa. No local, uma tenda foi montada, onde a separação é uma cortina. Toda a ética profissional é quebrada, já que o que falamos para o paciente, a pessoa que está ao lado escuta”, afirma. Consultório do posto de saúde em Salvaterra (Fotos: Paulo Marcelo Braga)
  2. 2. Segundo Paulo, os enfermeiros também estão tendo que acumular funções. “Os enfermeiros ficam com medo. Eles tem que fazer ações fora do horário e se não quiserem participar são ameaçados de demissão. Eles querem que os profissionais trabalhem 12h, para receber R$ 100, o que é um absurdo e se eles não se recusarem, são ameaçados”. Ainda de acordo com o médico, dentistas estão trabalhando sem assistentes e tendo que fazer eles próprios serviços como esterilização de equipamentos. As deúncias foram protocoladas nos conselhos regionais de medicina e odontologia. A denúncia aponta ainda que o prefeito do município, Valentim Lucas de Oliveira (PSDB), recebeu verbas para reformas e ampliações dos postos de saúde e também para a construção da sala de reanimação do Hospital Municipal. “Ele já recebeu o dinheiro e até agora nada foi feito”, diz Paulo. Armário com poucos medicamentos na unidade de saúde, na Vila de Condeixa Após a denúncia, o DOL entrou em contato com a secretária municipal de Saúde, Leila Cristina Freitas Marques, que negou todas as acusações. “Todas essas acusações estão sendo feitas porque acabou o contrato com o médico Paulo e a prefeitura não quis renovar”, afirma. À reportagem, o médico informou que não foi informado oficialmente sobre o fim do contrato. “Eu desconheço essa questão de falta de medicamento. Todos os pedidos de medicamentos são enviados para os postos”, diz Leila. Quanto à denúncia das ameaças dos enfermeiros, ela diz que “os profissionais recebem R$ 3.090 líquidos. Quanto aos plantões, fica a critério de cada um escolher se quer ou não”. Porém, a secretária não confirmou o valor pago por plantão.
  3. 3. Leila disse inda que a prefeitura não recebeu verba para construir a sala de estabilização. “O que recebemos foi para a ampliação dos postos e isso está sendo feito em nove postos de saúde”, finaliza. (DOL) Faça seu comentário. Clique aqui! 2 Comentários Faça seu comentário 1 | Antonio Sergio - 29/10/2013 às 07:09:11 É simples...as prefeituras contratam profissionais que se submetem as piores condições de trabalho...para receber (quando recebem) um salário de garimpo...agora com o programa enganador do mais médicos os prefeitos estão demitindo quem bem ou mal atendia a população destes municipios remotos ! 2 | Araujo - 28/10/2013 às 21:18:42 Dá-lhe, Jatene !

×