<ul><li>Texto de Paulo Marcelo Braga,  </li></ul><ul><li>ilustrado pelos trechos iniciais e finais da música “ Moro onde n...
HABITAÇÃO    NATURAL Paulo Marcelo Braga
“ Moro onde não mora  ninguém(..) É lá onde moro que eu  me sinto bem...” . <ul><li>(Agepê). </li></ul>
Lá, na cabana da praia, a energia natural  está bacana e ensaia  uma poesia social, bem mais inspirada  numa paz almejada.
Há, na cabana,   água de coco,  caldo de cana,  e o som louco,
<ul><li>ecoando todo o carinho </li></ul><ul><li>do samba-canção de raiz,  sintonizando o radinho  em uma composição feliz...
<ul><li>de algum mutirão  </li></ul><ul><li>de versinho,  </li></ul><ul><li>trilhando, por opção, </li></ul><ul><li>o cami...
buscando realização total,  em companhia  da habitação natural...
<ul><li>Em paz, excitado, </li></ul><ul><li>um verso integral  </li></ul><ul><li>(bem mais engajado) </li></ul>
emprenha alguma rima urbana e lacaia,  com a energia triunfal,  que há no bom clima  da cabana da praia...
<ul><li>Paulo Marcelo Braga Belém, 12/01/2008 (19 horas e 51 minutos). </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

HABITAÇÃO NATURAL

376 visualizações

Publicada em

Apresentação de slides Power Point. Texto de Paulo Marcelo Braga, ilustrado pela música "Moro onde não mora ninguém", do saudoso sambista Agepê

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
376
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

HABITAÇÃO NATURAL

  1. 1. <ul><li>Texto de Paulo Marcelo Braga, </li></ul><ul><li>ilustrado pelos trechos iniciais e finais da música “ Moro onde não mora ninguém”, de Agepê. </li></ul>Habitação Natural
  2. 2. HABITAÇÃO NATURAL Paulo Marcelo Braga
  3. 3. “ Moro onde não mora ninguém(..) É lá onde moro que eu me sinto bem...” . <ul><li>(Agepê). </li></ul>
  4. 4. Lá, na cabana da praia, a energia natural está bacana e ensaia uma poesia social, bem mais inspirada numa paz almejada.
  5. 5. Há, na cabana, água de coco, caldo de cana, e o som louco,
  6. 6. <ul><li>ecoando todo o carinho </li></ul><ul><li>do samba-canção de raiz, sintonizando o radinho em uma composição feliz </li></ul>
  7. 7. <ul><li>de algum mutirão </li></ul><ul><li>de versinho, </li></ul><ul><li>trilhando, por opção, </li></ul><ul><li>o caminho </li></ul><ul><li>da fantasia, </li></ul>
  8. 8. buscando realização total, em companhia da habitação natural...
  9. 9. <ul><li>Em paz, excitado, </li></ul><ul><li>um verso integral </li></ul><ul><li>(bem mais engajado) </li></ul>
  10. 10. emprenha alguma rima urbana e lacaia, com a energia triunfal, que há no bom clima da cabana da praia...
  11. 11. <ul><li>Paulo Marcelo Braga Belém, 12/01/2008 (19 horas e 51 minutos). </li></ul>

×