Tosse e hemoptise

1.555 visualizações

Publicada em

tosse e hemoptise aula de semiologia da unilus

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.555
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
560
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
59
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tosse e hemoptise

  1. 1. TOSSE,EXPECTORAÇÃO ETOSSE,EXPECTORAÇÃO E HEMOPTISEHEMOPTISE Clínica Médica l Semiotécnica da Observação Clínica Alambert,PA
  2. 2. Introdução • TosseSintoma de uma grande variedade de patologias, pulmonares e extrapulmonares. • Uma das maiores causas de procura por atendimento médico.
  3. 3. TOSSE-CONCEITO • É um sintoma representado por um golpe brusco expiratório, com a glote semi-fechada,com ruído laríngeo característico, e dependente do reflexo tussígeno,que tem vias aferentes em qualquer parte das vias respiratórias superiores
  4. 4. TOSSE • É util referir que as zonas tussígenas do tubo respiratório apresentam seu limiar tussígeno tanto mais baixo quanto mais proximal seja da região considerada
  5. 5. TOSSE • A tosse de origem respiratória pode ser um fenômeno para-fisiológico quando por qualquer irritação episódica dessas regiões, ou patológico, quando existem inflamações com ou sem infecções,tumores,corpos estranhos em qualquer local das vias respiratórias ou das pleuras.
  6. 6. Benefícios daTosse • 1-Eliminação das secreções das vias aéreas pelo aumento da pressão positiva pleural. • 2-Proteção contra aspiração de alimentos, secreções e corpos estranhos. • 3-É o mais efetivo mecanismo quando existe lesão ou disfunção ciliar. • 4-Proteção contra arritmias potencialmente fatais (ao originar aumento de pressão intratorácica)
  7. 7. Fisiopatologia daTosse • Existem dois mecanismos de depuração para proteção das vias aéreas com Relação à entrada de partículas procedentes do meio externo: • Clearence mucociliar • Tosse
  8. 8. Fisiopatologia daTosse • 1-Controle voluntário e involuntário • 2-Fases: inspiratória, compressiva, expiratória e relaxamento. • 3-Quanto maior a fase inspiratória, maior a eficácia da tosse. • Na fase compressiva existe fechamento da glote e ativação dos músculos respiratórios. • Pressão torácica > 300 mmHg
  9. 9. Fisiopatologia daTosse • 1-Fase expiratória: abertura súbita da glote com saída do ar em alta velocidade. • 2-Fase de relaxamento: há relaxamento da musculatura e retorno das pressões aos níveis basais. • 3-Dependendo do estímulo, essas fases podem resultar em tosse de intensidade leve, moderada ou grave
  10. 10. Tosse-Classificação • Aguda: é a presença do sintoma por um período de até três semanas. • Subaguda: tosse persistente por período entre três e oito semanas. • Crônica: tosse com duração maior que oito semanas
  11. 11. TOSSE- Perguntas a serem feitas • A) Intensidade: forte ou fraca • B) Duração: acessos,contínua,tempo de aparecimento. • C)Horário:matinal,diurna,noturna,periódica,quintosa • D) Tonalidade-rouca,bitonal,afônica • E)Voz; normal, grave ou aguda , rouca,bitonal, áfona
  12. 12. TOSSE- Perguntas a serem feitas F) Fenomenos que acompanham F1-Tontura,astenia,mal-estaralcalose resp F2-Emetizante
  13. 13. Expectoração ConceitoConceito: Expectoração é a expulsão, por meio da tosse, de secreções provenientes da traqueia, brônquios e pulmões. Pode ser predominantemente purulento, mucoso ou sanguinolento.
  14. 14. EXPECTORAÇÃO CARACTERÍSTICAS CLINICO-PROPEDEUTICAS
  15. 15. QUANTIDADE • Escassa;quantidade grande e de uma só vez a “bouche pleine”,é a vômica completa,ou quando em grandes quantidades, em tosse periódica-vômica fracionada (supurações pulmonares ou pleurais,cavidades pulmonares,mediastinais ou perfurações hépato- pleurais)
  16. 16. Consistência eViscosidade • Fluída;espessa;coágulos,cilindros fibrinosos=moldes cilíndricos de bronquíolos;espirais de Curschman;tampões e Dittrich.
  17. 17. Cor e composição • Esbranquiçado (muco) • Amarelo (pus) • Amarelo esverdeado (pus) • Acinzentado ou preto (nicotina dos fumantes,antracose) • Avermelhado ou róseo homogêneo com espuma=sangue de procedência alveolar (edema agudo pulmonar)
  18. 18. Cor e composição • Avermelhado em laivos ou estrias=sangramento brônquico ou bronquiolar ou das vias superiores incluindo a boca. • Avermelhado homogêneo e compacto=“geleia de morango” no câncer brônquico e no enfarte pulmonar
  19. 19. Cor e composição • Ferrugem: escarro da pneumonia nos quatro ou mais dias de evolução. • Hemoptise; sangue puro, avermelhado, rutilante,espumoso,proveniente do aparelho respiratório • Restos de tecido: gangrena e supuração pulmonar • Corpos estranhos.
  20. 20. Hemoptise-Conceito Hemoptise é o sangramento proveniente das vias aéreas inferiores.
  21. 21. Hemoptise-Formas de apresentação A tosse com eliminação de sangue ou de secreção pulmonar com sangue é a forma mais comum de apresentação da hemoptise.
  22. 22. Pseudo-hemoptise É o sangramento proveniente da via aérea superior ou o sangramento das vias digestivas que podem ser confundidos, algumas vezes, com a hemoptise .
  23. 23. Hemoptise Pseudo-hemoptise • relato de tosse com sensação de sufocação • sensação de "coceira" no tórax • sensação de angústia • história de doença pulmonar • relato de "limpar a garganta" • sensação de náusea • história de rinossinusite • história de doença do trato gastrointestinal
  24. 24. Hemoptise Pseudo-hemoptise • sangramento vivo – vermelho brilhante • secreção envolvida por sangue vivo • estertores localizados na ausculta torácica • sangramento vermelho escuro • raias de sangue entre a secreção • orofaringe com sinais inflamatórios • rinofaringe com descarga purulenta
  25. 25. Origem do sangramento na hemoptise • O pulmão possui duas circulações: •Circulação arterial sistêmica: de alta pressão, proveniente das artérias brônquicas, que são tipicamente originárias da aorta e mais raramente das intercostais; •Circulação arterial pulmonar: de baixa pressão, proveniente das artérias pulmonares.
  26. 26. Origem do sangramento na hemoptise A circulação pulmonar recebe virtualmente todo o débito cardíaco, enquanto a brônquica apenas uma porção deste. Apesar do menor volume de sangue circulante, a circulação brônquica é a fonte mais comum de hemoptise, sobretudo das hemoptises maciças, em parte pelo regime de maior pressão a que está submetida, em parte por ser responsável pela circulação nas vias aéreas, ponto comum de sangramento.
  27. 27. Causas de Hemoptise • INFECÇÕES • NEOPLASIAS • DOENÇAS CARDIOVASCULARES • VASCULITES • OUTRAS
  28. 28. HEMOPTISE-Infecções • bronquite crônica exacerbada • bronquite aguda • bronquiectasias • tuberculose • micobacteriose • Pneumonia • abscesso pulmonar • micetoma • leptospirose • fibrose cística
  29. 29. Hemoptise-Doenças cardio- vasculares • insuficiência ventricular esquerda grave • estenose mitral • tromboembolia pulmonar • endocardite em câmaras direitas • aneurisma da aorta • malformação artério-venosa • fístula entre vaso e árvore brônquica
  30. 30. Hemoptise- Neoplasias • câncer de pulmão • adenoma brônquico • tumor carcinóide
  31. 31. Hemoptise-Vasculites • granulomatose de Wegener • lúpus eritematoso sistêmico • síndrome de Goodpasture • poliangeíte microscópica
  32. 32. Hemoptise- Outras causas • hemossiderose pulmonar • coagulopatia • corpo estranho • contusão pulmonar • iatrogenia • uso de cocaína • criptogênica • catamenial • trauma de vias aéreas
  33. 33. Causas mais comuns de Hemoptise • As causas variam de acordo com a população estudada. No Brasil, por exemplo, a maior responsável é a tuberculosetuberculose pulmonar, seguida por bronquiectasiasbronquiectasias, bronquite agudabronquite aguda ou exacerbação de bronquite crônicabronquite crônica, pneumoniapneumonia e câncercâncer de pulmão . Em alguns casos, mesmo após investigação, a hemoptise permanece sem causa aparente. São as hemoptises ditas criptogênicas.criptogênicas.
  34. 34. Hemoptises de repetição • A bronquiectasia é a principal causa de hemoptise de repetição. • Bola fúngica (micetoma) no interior de cavidade • Colonização fúngica na forma de espessamento da parede da cavidade. O Aspergillus é o principal responsável por esta colonização. • A hemoptise catamenial deve ser lembrada em mulheres, relacionando-a com o período menstrual.
  35. 35. Hemoptise-Classificação • Embora a hemoptise possa ser classificada quanto ao fator responsável pelo sangramento, sua classificação quanto ao volume eliminado, portanto quanto à gravidade, é mais útil, sobretudo em relação ao tratamento a ser instituído.
  36. 36. Classificação Classificação da hemoptise segundo o volume eliminado Hemoptise leve: menos de 100 ml em 24 horas Hemoptise moderada: entre 100 e 600 ml em 24 horas Hemoptise maciça: 600 ml em 24 horas ou 30 ml/hora
  37. 37. Obviamente, a mortalidade aumenta com o aumento da intensidade da hemoptise. A principal causa de morte é a asfixia produzida pelo sangramento e não a perda sangüínea, que, geralmente, não produz alteração circulatória.
  38. 38. HEMOPTISEHEMOPTISE DIAGNÓSTICO
  39. 39. HEMOPTISE-diagnósticos • Como em toda situação clínica, a investigação inicia-se com anamnese e exame físico completos, detalhados. Para que a investigação se dê de forma racional, o médico deve ter conhecimento das causas possíveis de hemoptise, buscando- as com dados específicos na história e no exame clínico.
  40. 40. AnamneseAnamnese • Episódios prévios de infecção respiratória – bronquiectasias • Pneumonias recorrentes – bronquiectasias • Febre, sudorese, perda de peso – tuberculose • Dispnéia e dor pleurítica – tromboembolia pulmonar • Fatores de risco para trombose venosa – tromboembolia
  41. 41. AnamneseAnamnese • tabagismo – câncer de pulmão • secreção purulenta associada ao sangramento – abscesso pulmonar • doença cardiovascular – estenose mitral, tromboembolia pulmonar • uso de anticoagulante oral • uso de drogas ilícitas – cocaína, crack

×