SlideShare uma empresa Scribd logo

Pr subs-2ºbi13

1 de 6
Baixar para ler offline
PROVA DE REUMATOLOGIA - SUBSTITUTIVA DO SEGUNDO BIMESTRE
1- Paciente do sexo masculino, 45 anos,obeso, hipertenso, diabético, e
usuário eventual de cerveja. Encaminhado ao ambulatório de
reumatologia com quadro de poliartrite intermitente de mãos, punhos,
pés, tornozelo E e joelho D evolução há 10 anos. Ao exame apresenta
tofos em cotovelos, e em segundo dedo da mão D.
1a) Cite 2 diagnósticos diferenciais.
i. Artrite reumatoide
ii. Osteoartrite
iii. Gota poliarticular
1b) Cite 4 exames que você solicitaria para confirmação do
diagnóstico
iv. Rx dos pés
v. Ácido úrico
vi. Fator reumatoide
vii. ANTI-CCP
viii. RX de mãos e punhos
ix. PCR/VHS
1c) Cite 2 causas de falência de tratamento
x. Má aderência terapêutica
xi. Alcoolismo
xii. Uso de diurético tiazidico
1d) Cite 2 complicações ao uso contínuo e abusivo de anti-
inflamatório.
xiii. Ulcera péptica/ hemorragia digestiva
xiv. Hipertensão arterial
xv. Insuficiencia renal aguda
xvi. Ulcera oral
2- Paciente do sexo feminino, 43 anos, jornalista. Há 3 semanas apresenta
dificuldade progressiva para subir escadas, levantar sozinha de uma
cadeira sem apoio, e lavar e secar seu cabelo, associado a poliartrite de
mãos, pés e joelhos. Há 2 dias apresenta engasgos, regurgitação nasal
e tosse frequentes.
2a) Cite 2 diagnósticos diferenciais
i. Dermato/polimiosite
ii. Lupus eritematoso sistêmico
iii. Toxoplasmose
iv. Mononucleose
v. HIV
2b) Cite 3 exames que você solicitaria para confirmação do diagnóstico
vi. CPK, aldolase, DHL
vii. Eletroneuromiografia dos 4 membros
viii. Biópsia muscular
ix. FAN/Anti-Jo1
2c) Cite 2 lesões cutâneas características da dermatomiosite
x. Gottron
xi. Heliótropo
xii. Lesão em colo em V
xiii. Lesão do xale
xiv. Rash eritemato descamativo em superfície extensora
2d) Cite a complicação infecciosa que pode ser evitada com a
instituição terapêutica imediata neste caso.
xv. Pneumonia por broncoaspirativa
3- Mulher jovem de 23 anos refere ataques simétricos de intensa palidez
em quirodáctilos, de curta duração é seguido de cianose e
posteriormente de hiperemia. O quadro é desencadeado por ocasião de
temperaturas ambientes baixas ou stress. Ausência de sintomas
sugestivos de Doença do Tecido Conjuntivo. Ausência de cicatriz, ulcera
ou gangrena digital.
3a) Qual é o diagnóstico deste quadro?
R:Fenômeno de Raynaud primário
3b)Neste caso qual o resultado que você espera da capilaroscopia?
R:Capilaroscopia normal
3c) Qual o resultado do FAN (fator anti-nuclear) neste caso ? Citar o
padrão.
R:FAN negativo
3d) Neste caso o que você espera do exame físico e das provas de
atividade inflamatória (PAI)?
R:PAIs normais e exame físico normal
4-Com relação ao laboratório em reumatologia citar as doenças que estão mais
relacionadas com a positividade dos seguintes exames:
4a) Anti-DNA nativo
R: Lupus Eritematoso Sistêmico
4b) Fator Reumatóide
R:Doença (Artrite reumatoide)
4c) Anti-Centrômero
R: Esclerodermia do tipo limitada
4d) Anti-RNP
R: Doença Mista do Tecido Conjuntivo
5- M.T. 62ª, branca, refere que há 2 meses vem apresentando febre
vespertina acompanhada de cefaleia, predominando na região temporal
direita ,intermitente, pulsátil. Queixa-se também de hipersensibilidade
do couro cabeludo ao toque ou ao escovar os cabelos na região direita
da cabeça. Desde então com perda ponderal não mensurada, fadiga,
sensação mal definida de doença, sudorese noturna e anorexia.
Apresenta também claudicação do masseter, que se manifesta após
alguns minutos de mastigação, e amaurose fugaz.
5a) Em 40 a 50% destes pacientes há superposição com qual
doença?
R: Em 40 a 50% dos pacientes há superposição de polimialgia
reumática
5b) Quais as características clinicas com as quais essa doença que
se superpõe se manifesta?
R: Quadro caracterizado por mialgia e rigidez dos músculos proximais
dos membros.
5c) Qual a causa da perda visual mais frequente nestes casos?
Citar outras causas menos frequentes.
R:A causa da perda visual mais frequente é a neurite óptica isquêmica
secundária ao comprometimento inflamatório e trombose das pequenas
artérias ciliares posteriores, que suprem o nervo óptico. Menos
comumente, deve-se à a) neuropatia óptica isquêmica posterior b)
oclusão da artéria central da retina c) infarto occipital bilateral.
5d) Qual exame é considerado “padrão-ouro” para o diagnóstico da
doença em questão?
R: Biópsia da artéria temporal.
R:A causa da perda visual mais frequente é a neurite óptica isquêmica
secundária ao comprometimento inflamatório e trombose das pequenas
artérias ciliares posteriores, que suprem o nervo óptico. Menos
comumente, deve-se à a) neuropatia óptica isquêmica posterior b)
oclusão da artéria central da retina c) infarto occipital bilateral.
5d) Qual exame é considerado “padrão-ouro” para o diagnóstico da
doença em questão?
R: Biópsia da artéria temporal.

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dermatomiosite polimiosite
Dermatomiosite polimiositeDermatomiosite polimiosite
Dermatomiosite polimiositePaulo Alambert
 
Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - Ortopedia
Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - OrtopediaAula Trombose Venosa Profunda (TVP) - Ortopedia
Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - OrtopediaDavid Sadigursky
 
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea   hmbAnálise crítica do tratamento da doença carotídea   hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmbKate Antunes
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 8
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 8Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 8
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 8Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 7
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 7Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 7
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 7Professor Robson
 
Granulomatose de wegener
Granulomatose de wegenerGranulomatose de wegener
Granulomatose de wegenerFlávia Salame
 
Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aortadapab
 
Cistectomia Radical Laparoscópica - Neobexiga
Cistectomia Radical Laparoscópica - NeobexigaCistectomia Radical Laparoscópica - Neobexiga
Cistectomia Radical Laparoscópica - NeobexigaUrovideo.org
 
Pneumo PUCPRLON - Aula 13 tromboembolismo pulmonar v2
Pneumo PUCPRLON - Aula 13   tromboembolismo pulmonar v2Pneumo PUCPRLON - Aula 13   tromboembolismo pulmonar v2
Pneumo PUCPRLON - Aula 13 tromboembolismo pulmonar v2alcindoneto
 
Embolia não trombótica
Embolia não trombóticaEmbolia não trombótica
Embolia não trombóticaupload718
 
Mapeamento de varizes
Mapeamento de varizesMapeamento de varizes
Mapeamento de varizesIared
 
Suspeição e diagnostico das vasculites pulmonares
Suspeição e diagnostico das vasculites pulmonaresSuspeição e diagnostico das vasculites pulmonares
Suspeição e diagnostico das vasculites pulmonaresFlávia Salame
 
Tromboembolismo venoso
Tromboembolismo venosoTromboembolismo venoso
Tromboembolismo venosoAnestesiador
 
Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aortaPaulo Prates
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 10
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 10Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 10
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 10Professor Robson
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 15
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 15Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 15
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 15Professor Robson
 
Doencas da aorta toracica
Doencas da aorta toracicaDoencas da aorta toracica
Doencas da aorta toracicagisa_legal
 

Mais procurados (20)

Dermatomiosite polimiosite
Dermatomiosite polimiositeDermatomiosite polimiosite
Dermatomiosite polimiosite
 
Caso clinico
Caso clinicoCaso clinico
Caso clinico
 
Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - Ortopedia
Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - OrtopediaAula Trombose Venosa Profunda (TVP) - Ortopedia
Aula Trombose Venosa Profunda (TVP) - Ortopedia
 
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea   hmbAnálise crítica do tratamento da doença carotídea   hmb
Análise crítica do tratamento da doença carotídea hmb
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 8
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 8Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 8
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 8
 
Aula miocardite tatiana caus
Aula miocardite   tatiana causAula miocardite   tatiana caus
Aula miocardite tatiana caus
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 7
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 7Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 7
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 7
 
Granulomatose de wegener
Granulomatose de wegenerGranulomatose de wegener
Granulomatose de wegener
 
Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aorta
 
Cistectomia Radical Laparoscópica - Neobexiga
Cistectomia Radical Laparoscópica - NeobexigaCistectomia Radical Laparoscópica - Neobexiga
Cistectomia Radical Laparoscópica - Neobexiga
 
Pneumo PUCPRLON - Aula 13 tromboembolismo pulmonar v2
Pneumo PUCPRLON - Aula 13   tromboembolismo pulmonar v2Pneumo PUCPRLON - Aula 13   tromboembolismo pulmonar v2
Pneumo PUCPRLON - Aula 13 tromboembolismo pulmonar v2
 
Embolia não trombótica
Embolia não trombóticaEmbolia não trombótica
Embolia não trombótica
 
Mapeamento de varizes
Mapeamento de varizesMapeamento de varizes
Mapeamento de varizes
 
Tep
TepTep
Tep
 
Suspeição e diagnostico das vasculites pulmonares
Suspeição e diagnostico das vasculites pulmonaresSuspeição e diagnostico das vasculites pulmonares
Suspeição e diagnostico das vasculites pulmonares
 
Tromboembolismo venoso
Tromboembolismo venosoTromboembolismo venoso
Tromboembolismo venoso
 
Doenças da aorta
Doenças da aortaDoenças da aorta
Doenças da aorta
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 10
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 10Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 10
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 10
 
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 15
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 15Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 15
Serviço de infectologia pediátrica caso clínico 15
 
Doencas da aorta toracica
Doencas da aorta toracicaDoencas da aorta toracica
Doencas da aorta toracica
 

Destaque

Q5: How did you attract/address your audience?
Q5: How did you attract/address your audience?Q5: How did you attract/address your audience?
Q5: How did you attract/address your audience?Matilda Dawson
 
Interaction Design Style (Part 5 of 5)
Interaction Design Style (Part 5 of 5)Interaction Design Style (Part 5 of 5)
Interaction Design Style (Part 5 of 5)Christopher Fahey
 
Le Malin Petit Canard
Le Malin Petit CanardLe Malin Petit Canard
Le Malin Petit Canardranska
 
bar refaeli
bar refaelibar refaeli
bar refaeliomsh
 
Motor Boats Monthly Crane & Sunseeker
Motor Boats Monthly Crane & SunseekerMotor Boats Monthly Crane & Sunseeker
Motor Boats Monthly Crane & Sunseekerkeith_walker
 
Tablas Hash (Yaiza Rodríguez Vazquez)
Tablas Hash (Yaiza Rodríguez Vazquez)Tablas Hash (Yaiza Rodríguez Vazquez)
Tablas Hash (Yaiza Rodríguez Vazquez)edi.euitio
 
Computer History Museum slideshare 101910
Computer History Museum slideshare 101910Computer History Museum slideshare 101910
Computer History Museum slideshare 101910Tormod Askildsen
 
Betty the Curious Cow
Betty the Curious CowBetty the Curious Cow
Betty the Curious Cowcoolstuff
 
calendario 2007
calendario 2007calendario 2007
calendario 2007k_lero
 
Ubicomp+Sustainability October 2015, Keynote at euc2015
Ubicomp+Sustainability October 2015, Keynote at euc2015Ubicomp+Sustainability October 2015, Keynote at euc2015
Ubicomp+Sustainability October 2015, Keynote at euc2015Adrian Friday
 
Tabla Hash (Guillermo Cueva Fernández)
Tabla Hash (Guillermo Cueva Fernández)Tabla Hash (Guillermo Cueva Fernández)
Tabla Hash (Guillermo Cueva Fernández)edi.euitio
 
MENINJAU KEMBALI DEFINISI LOYALITAS PELANGGAN
MENINJAU KEMBALI DEFINISI LOYALITAS PELANGGANMENINJAU KEMBALI DEFINISI LOYALITAS PELANGGAN
MENINJAU KEMBALI DEFINISI LOYALITAS PELANGGANMuhammad Trieha
 
Cybernetic Serendipity, reloaded
Cybernetic Serendipity, reloadedCybernetic Serendipity, reloaded
Cybernetic Serendipity, reloadedChen Dominique
 

Destaque (20)

nadimresume
nadimresumenadimresume
nadimresume
 
Q5: How did you attract/address your audience?
Q5: How did you attract/address your audience?Q5: How did you attract/address your audience?
Q5: How did you attract/address your audience?
 
Interaction Design Style (Part 5 of 5)
Interaction Design Style (Part 5 of 5)Interaction Design Style (Part 5 of 5)
Interaction Design Style (Part 5 of 5)
 
CONTENT RULES
CONTENT RULESCONTENT RULES
CONTENT RULES
 
Le Malin Petit Canard
Le Malin Petit CanardLe Malin Petit Canard
Le Malin Petit Canard
 
bar refaeli
bar refaelibar refaeli
bar refaeli
 
Actor release
Actor releaseActor release
Actor release
 
Motor Boats Monthly Crane & Sunseeker
Motor Boats Monthly Crane & SunseekerMotor Boats Monthly Crane & Sunseeker
Motor Boats Monthly Crane & Sunseeker
 
Tablas Hash (Yaiza Rodríguez Vazquez)
Tablas Hash (Yaiza Rodríguez Vazquez)Tablas Hash (Yaiza Rodríguez Vazquez)
Tablas Hash (Yaiza Rodríguez Vazquez)
 
Computer History Museum slideshare 101910
Computer History Museum slideshare 101910Computer History Museum slideshare 101910
Computer History Museum slideshare 101910
 
Betty the Curious Cow
Betty the Curious CowBetty the Curious Cow
Betty the Curious Cow
 
calendario 2007
calendario 2007calendario 2007
calendario 2007
 
Rushes Log 2
Rushes Log 2Rushes Log 2
Rushes Log 2
 
Panel examples
Panel examplesPanel examples
Panel examples
 
Ubicomp+Sustainability October 2015, Keynote at euc2015
Ubicomp+Sustainability October 2015, Keynote at euc2015Ubicomp+Sustainability October 2015, Keynote at euc2015
Ubicomp+Sustainability October 2015, Keynote at euc2015
 
357
357357
357
 
Portafolis cfp
Portafolis cfpPortafolis cfp
Portafolis cfp
 
Tabla Hash (Guillermo Cueva Fernández)
Tabla Hash (Guillermo Cueva Fernández)Tabla Hash (Guillermo Cueva Fernández)
Tabla Hash (Guillermo Cueva Fernández)
 
MENINJAU KEMBALI DEFINISI LOYALITAS PELANGGAN
MENINJAU KEMBALI DEFINISI LOYALITAS PELANGGANMENINJAU KEMBALI DEFINISI LOYALITAS PELANGGAN
MENINJAU KEMBALI DEFINISI LOYALITAS PELANGGAN
 
Cybernetic Serendipity, reloaded
Cybernetic Serendipity, reloadedCybernetic Serendipity, reloaded
Cybernetic Serendipity, reloaded
 

Semelhante a Pr subs-2ºbi13

UFMT 2021 2022.pdf
UFMT 2021 2022.pdfUFMT 2021 2022.pdf
UFMT 2021 2022.pdfBrian Tc
 
AULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdf
AULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdfAULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdf
AULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdfmauromaumau
 
Lesões vasculares dos membros inferiores elcos cova beira 2010
Lesões vasculares dos membros inferiores elcos cova beira 2010Lesões vasculares dos membros inferiores elcos cova beira 2010
Lesões vasculares dos membros inferiores elcos cova beira 2010Elcos&Ulcus - Sociedade Feridas
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESdouglas870578
 
QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdf
QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdfQUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdf
QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdflohanaVidaurres
 
pseudoaneurisma radial
pseudoaneurisma radial pseudoaneurisma radial
pseudoaneurisma radial BrbaraNunes49
 
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológA importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológDr. Rafael Higashi
 
Sessão clinica 16 julho
Sessão clinica   16 julhoSessão clinica   16 julho
Sessão clinica 16 julhojaninemagalhaes
 
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdf
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdfQUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdf
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdfLohana Vidaurre
 
8. Sepse - Cardec.ppt
8. Sepse - Cardec.ppt8. Sepse - Cardec.ppt
8. Sepse - Cardec.pptMEDUFPI90
 
Varicocele e Infertilidade
Varicocele e InfertilidadeVaricocele e Infertilidade
Varicocele e InfertilidadeSandro Esteves
 
tcc-e-learn
tcc-e-learntcc-e-learn
tcc-e-learnmaurohs
 
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009Urovideo.org
 

Semelhante a Pr subs-2ºbi13 (20)

Ulcera de perna covilha nov 2010
Ulcera de perna covilha nov 2010Ulcera de perna covilha nov 2010
Ulcera de perna covilha nov 2010
 
UFMT 2021 2022.pdf
UFMT 2021 2022.pdfUFMT 2021 2022.pdf
UFMT 2021 2022.pdf
 
AULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdf
AULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdfAULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdf
AULA - INDICADORES ASSISTENCIAIS.pdf
 
Lesões vasculares dos membros inferiores elcos cova beira 2010
Lesões vasculares dos membros inferiores elcos cova beira 2010Lesões vasculares dos membros inferiores elcos cova beira 2010
Lesões vasculares dos membros inferiores elcos cova beira 2010
 
Sle 2014
Sle 2014Sle 2014
Sle 2014
 
Pr subs-2ºbi13 gab
Pr subs-2ºbi13 gabPr subs-2ºbi13 gab
Pr subs-2ºbi13 gab
 
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORESTRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
TRATAMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES EM MEMBROS INFERIORES
 
QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdf
QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdfQUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdf
QUADRIX_001_IAMSPE-RM-2022_Prova_Pratica_ACESSO DIRETO E AREAS BASICAS.pdf
 
pseudoaneurisma radial
pseudoaneurisma radial pseudoaneurisma radial
pseudoaneurisma radial
 
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológA importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
 
Sessão clinica 16 julho
Sessão clinica   16 julhoSessão clinica   16 julho
Sessão clinica 16 julho
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Emergencias cardiologicas
Emergencias cardiologicasEmergencias cardiologicas
Emergencias cardiologicas
 
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdf
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdfQUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdf
QUADRIX_011_IAMSPE-RM-2022_Prova_Objetiva_MEDICINA PALIATIVA.pdf
 
8. Sepse - Cardec.ppt
8. Sepse - Cardec.ppt8. Sepse - Cardec.ppt
8. Sepse - Cardec.ppt
 
Aula endocardite
Aula endocarditeAula endocardite
Aula endocardite
 
Varicocele e Infertilidade
Varicocele e InfertilidadeVaricocele e Infertilidade
Varicocele e Infertilidade
 
Apendicitis aguda.pdf
Apendicitis aguda.pdfApendicitis aguda.pdf
Apendicitis aguda.pdf
 
tcc-e-learn
tcc-e-learntcc-e-learn
tcc-e-learn
 
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
Linfadenectomia Retroperitoneal Laparoscópica - 2009
 

Mais de pauloalambert (20)

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 

Pr subs-2ºbi13

  • 1. PROVA DE REUMATOLOGIA - SUBSTITUTIVA DO SEGUNDO BIMESTRE 1- Paciente do sexo masculino, 45 anos,obeso, hipertenso, diabético, e usuário eventual de cerveja. Encaminhado ao ambulatório de reumatologia com quadro de poliartrite intermitente de mãos, punhos, pés, tornozelo E e joelho D evolução há 10 anos. Ao exame apresenta tofos em cotovelos, e em segundo dedo da mão D. 1a) Cite 2 diagnósticos diferenciais. i. Artrite reumatoide ii. Osteoartrite iii. Gota poliarticular 1b) Cite 4 exames que você solicitaria para confirmação do diagnóstico iv. Rx dos pés v. Ácido úrico vi. Fator reumatoide vii. ANTI-CCP viii. RX de mãos e punhos ix. PCR/VHS 1c) Cite 2 causas de falência de tratamento x. Má aderência terapêutica xi. Alcoolismo xii. Uso de diurético tiazidico 1d) Cite 2 complicações ao uso contínuo e abusivo de anti- inflamatório. xiii. Ulcera péptica/ hemorragia digestiva
  • 2. xiv. Hipertensão arterial xv. Insuficiencia renal aguda xvi. Ulcera oral 2- Paciente do sexo feminino, 43 anos, jornalista. Há 3 semanas apresenta dificuldade progressiva para subir escadas, levantar sozinha de uma cadeira sem apoio, e lavar e secar seu cabelo, associado a poliartrite de mãos, pés e joelhos. Há 2 dias apresenta engasgos, regurgitação nasal e tosse frequentes. 2a) Cite 2 diagnósticos diferenciais i. Dermato/polimiosite ii. Lupus eritematoso sistêmico iii. Toxoplasmose iv. Mononucleose v. HIV 2b) Cite 3 exames que você solicitaria para confirmação do diagnóstico vi. CPK, aldolase, DHL vii. Eletroneuromiografia dos 4 membros viii. Biópsia muscular ix. FAN/Anti-Jo1 2c) Cite 2 lesões cutâneas características da dermatomiosite x. Gottron xi. Heliótropo xii. Lesão em colo em V
  • 3. xiii. Lesão do xale xiv. Rash eritemato descamativo em superfície extensora 2d) Cite a complicação infecciosa que pode ser evitada com a instituição terapêutica imediata neste caso. xv. Pneumonia por broncoaspirativa 3- Mulher jovem de 23 anos refere ataques simétricos de intensa palidez em quirodáctilos, de curta duração é seguido de cianose e posteriormente de hiperemia. O quadro é desencadeado por ocasião de temperaturas ambientes baixas ou stress. Ausência de sintomas sugestivos de Doença do Tecido Conjuntivo. Ausência de cicatriz, ulcera ou gangrena digital. 3a) Qual é o diagnóstico deste quadro? R:Fenômeno de Raynaud primário 3b)Neste caso qual o resultado que você espera da capilaroscopia? R:Capilaroscopia normal 3c) Qual o resultado do FAN (fator anti-nuclear) neste caso ? Citar o padrão. R:FAN negativo 3d) Neste caso o que você espera do exame físico e das provas de atividade inflamatória (PAI)? R:PAIs normais e exame físico normal 4-Com relação ao laboratório em reumatologia citar as doenças que estão mais relacionadas com a positividade dos seguintes exames: 4a) Anti-DNA nativo
  • 4. R: Lupus Eritematoso Sistêmico 4b) Fator Reumatóide R:Doença (Artrite reumatoide) 4c) Anti-Centrômero R: Esclerodermia do tipo limitada 4d) Anti-RNP R: Doença Mista do Tecido Conjuntivo 5- M.T. 62ª, branca, refere que há 2 meses vem apresentando febre vespertina acompanhada de cefaleia, predominando na região temporal direita ,intermitente, pulsátil. Queixa-se também de hipersensibilidade do couro cabeludo ao toque ou ao escovar os cabelos na região direita da cabeça. Desde então com perda ponderal não mensurada, fadiga, sensação mal definida de doença, sudorese noturna e anorexia. Apresenta também claudicação do masseter, que se manifesta após alguns minutos de mastigação, e amaurose fugaz. 5a) Em 40 a 50% destes pacientes há superposição com qual doença? R: Em 40 a 50% dos pacientes há superposição de polimialgia reumática 5b) Quais as características clinicas com as quais essa doença que se superpõe se manifesta? R: Quadro caracterizado por mialgia e rigidez dos músculos proximais dos membros. 5c) Qual a causa da perda visual mais frequente nestes casos? Citar outras causas menos frequentes.
  • 5. R:A causa da perda visual mais frequente é a neurite óptica isquêmica secundária ao comprometimento inflamatório e trombose das pequenas artérias ciliares posteriores, que suprem o nervo óptico. Menos comumente, deve-se à a) neuropatia óptica isquêmica posterior b) oclusão da artéria central da retina c) infarto occipital bilateral. 5d) Qual exame é considerado “padrão-ouro” para o diagnóstico da doença em questão? R: Biópsia da artéria temporal.
  • 6. R:A causa da perda visual mais frequente é a neurite óptica isquêmica secundária ao comprometimento inflamatório e trombose das pequenas artérias ciliares posteriores, que suprem o nervo óptico. Menos comumente, deve-se à a) neuropatia óptica isquêmica posterior b) oclusão da artéria central da retina c) infarto occipital bilateral. 5d) Qual exame é considerado “padrão-ouro” para o diagnóstico da doença em questão? R: Biópsia da artéria temporal.