Doença óssea Metabólica

4.093 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Doença óssea Metabólica

  1. 1. Osteoporose Disciplina Reumatologia 2013 Luiza Fuoco
  2. 2. Definição Osteoporose: redução da massa óssea deterioração da microarquitetura fragilidade óssea suscetibilidade a fraturas Pinto Neto et al, Rev Bras Reumatol 42:6 343-54 2002
  3. 3. Definição Normal T score > -1 DP Osteopenia -1 > T score > -2,5 DP Osteoporose T score ≤ -2,5 DP Osteoporose Estabelecida T score ≤ -2,5 DP e pelo menos uma fratura por fragilidade óssea
  4. 4. Epidemiologia • No mundo: o 200 milhões de mulheres no mundo o 1/3 das mulheres entre 60 e 70 anos o 2/3 das mulheres acima de 80 anos • No Brasil: o 22,2% - 33,2% das mulheres > 65 anos o 6,4% - 16,1% dos homens > 65 anos Postmenopausal Guidelines, 2006 Camargo MBR et al. Osteoporos Int 2005; 16: 1451-1460
  5. 5. Epidemiologia Incapaz de executar pelo menos uma atividade diária Um ano após fratura de quadril Pacientes (%) 80% Incapazes de andar sozinhos Óbito durante 1 ano Incapacidade permanente 40% 30% 20% Cooper C, Am J Med, 1997;103(2A):12S-17S
  6. 6. Classificação Osteoporose Primária • Tipo I (ou pós-menopausa) Osteoporose Primária • Tipo II (ou senil) o mulheres na pós-menopausa – homens e mulheres após 70 anos o perda óssea acelerada – perda óssea lenta e progressiva o acomete osso trabecular – osso trabecular e cortical
  7. 7. Osteoporose secundária
  8. 8. Metabolismo ósseo
  9. 9. Metabolismo ósseo
  10. 10. Vitamina D
  11. 11. Diagnóstico Clínica História Fatores de risco Exame físico Densitometria óssea Radiografia de coluna torácica e lombar
  12. 12. Diagnóstico Exame físico e história clínica • Identificar fatores de risco: o baixo peso oidade o tabagismo o etilismo o causas secundárias (uso de corticoides, histórico menstrual, etc) o história pessoal ou familiar de fraturas • Avaliar cifose acentuada, perda de estatura, peso Consenso de Reumatologia, 2002
  13. 13. Exame físico
  14. 14. Diagnóstico Laboratório • • • • • • • • • • Hemograma VHS Creatinina Cálcio, Fósforo Fosfatase alcalina Calciúria de 24 horas Urina I TSH 25(OH) vitamina D Paratormônio Radiografia de coluna torácica e lombar (PA e perfil) Consenso de Reumatologia, 2002
  15. 15. Radiografia Fratura: Diferença em 20% na altura (anterior, média, posterior) ou 2mm
  16. 16. Densitometria Óssea Diagnóstico = Densitometria Óssea – coluna lombar : L1- L4 – fêmur proximal: • colo de fêmur • fêmur total – antebraço: 1/3 distal
  17. 17. Densitometria Óssea Raisz; N Engl J Med;353:164-71, 2005.
  18. 18. Densitometria Óssea Raisz; N Engl J Med;353:164-71, 2005.
  19. 19. Interpretação da Densidade Mineral Óssea World Health Organisation (WHO) T-score -0.5 Classificação Normal -1.0 -1.5 -2.0 -2.5 Osteopenia Osteoporose Osteoporose Grave (com fratura por fragilidade) NOF guideline, 2008
  20. 20. Interpretação da Densidade Mineral Óssea Z-score -2.0 Classificação Densidade mineral óssea normal para a idade Baixa densidade mineral óssea para a idade Mulheres na pré - menopausa ou homens < 50 anos ou crianças NOF guideline, 2010
  21. 21. Indicação de densitometria óssea • Todas as mulheres acima de 65 anos • Todos os homens acima de 70 anos • Mulheres na pós menopausa <65 anos ou homens entre 50-69 anos, se fatores de risco • Adultos com doenças ou medicações associadas a baixa massa óssea • Adultos com fratura de fragilidade • Mulheres na pós-menopausa que irão descontinuar a TRH • Monitorização da terapêutica (a cada 2 anos) • Para avaliações sequenciais, utilizar sempre o mesmo aparelho Postmenopausal Guidelines, 2006 ISCD Guidelines NOF Guidelines, 2010
  22. 22. Quem deve ser tratado? • Mulheres na pós-menopausa e homens > 50 anos: o Fratura de quadril ou coluna o T <-2,5 o Osteopenia (T entre 1-2,4) • FRAX • Múltiplos fatores de risco NOF Guidelines 2010
  23. 23. Tratamento Não Farmacológico NOF Guidelines 2010 Consenso Osteoporose, 2002
  24. 24. Tratamento Não Farmacológico NOF Guidelines 2010 Consenso Osteoporose, 2002
  25. 25. Tratamento Farmacológico Cálcio • Pré-menopausa: o 1.000 mg/dia • Pós-menopausa: o 1.200 – 1.500 mg/dia • Cálcio Sandoz o 500mg 2x/dia o Ingerir nas refeiçoes (meio ácido) o Dispepsia, constipação intestinal NOF Guidelines 2010
  26. 26. Tratamento Farmacológico Vitamina D • Concentração Sérica de 25-hidroxivitamina D (25OHD): – Ideal > 30 ng/ml • Complementação – Vitamina D3 (Colecalciferol) – 800-1200 UI/ dia – 200UI/gota – 4 a 6 gotas/dia • Suplementação • Vitamina D2 50000 UI/sem • 1000UI/gota – 50 gotas/sem por 3 meses NOF Guidelines 2010 Consenso Osteoporose, 2002
  27. 27. Tratamento Farmacológico • Bisfosfonatos o o Durante 5-10 anos Alendronato • • • o • • • Risedronato, Ibandronato, Ácido Zoledrônico Reposição Hormonal Raloxifeno Análogos do PTH o • 10mg/dia ou 70mg/sem Não se alimentar ou deitar por 40 minutos Esofagite, úlcera péptica, osteonecrose de mandíbula Teriparatida Ranelato de Estrôncio NOF Guidelines 2010 Consenso Osteoporose, 2002
  28. 28. Considerações sobre o diagnóstico e tratamento Após fratura de quadril decorrente de osteoporose: • 13,9% receberam diagnóstico • 11,6% iniciaram algum tratamento – – cálcio tratamento específico Dados após 6 meses decorrentes da fratura Erika M. Fortes, tese mestrado- resultados No momento da 2a. fratura decorrente de osteoporose: • Apenas 26% dos pacientes tinham diagnóstico de osteoporose • Apenas 19% recebiam tratamento específico Löonroos E et al. Osteoporos Int 2007; 18: 1279-1285
  29. 29. Caso Clínico Mulher, 73 anos, com história de lombalgia aguda. Menopausa aos 44 anos, nunca recebeu TRH. Relata fratura no rádio aos 70 anos. Mãe com fratura fêmur aos 75 anos. Radiografia de coluna lombar revela fratura vertebral em T10. Densitometria óssea de fêmur mostra escore T=1,6. Qual o manejo adequado para este caso?
  30. 30. Caso Clínico Mulher, 73 anos, com história de lombalgia aguda. Menopausa aos 44 anos, nunca recebeu TRH. Relata fratura no rádio aos 70 anos. Mãe com fratura fêmur aos 75 anos. Radiografia de coluna lombar revela fratura vertebral em T10. Densitometria óssea de fêmur mostra escore T=1,6. Qual o manejo adequado para este caso?
  31. 31. Avaliação Laboratorial Exame Diagnóstico ou exclusão da patologia Calcio elevado Hiperparatireoidismo, metastase óssea Fosforo baixo Hiperparatireoidismo, osteomalácia 25- OH- vitamina D baixa Def. vit. D, osteomalácia Fosfatase alcalina elevada Osteomalácia, Doença de Paget Calciuria de 24h elevada Hipercalciúria Calciuria de 24h baixa Deficiência de vitamina D Eletroforese de proteína com pico monoclonal Mieloma Múltiplo TSH elevado Hipertireoidismo FSH elevado Menopausa Testosterona livre diminuída Hipogonadismo masculino Anti-gliadina, anti-endomísio + Doença Celíaca PTH intacto elevado Hiperpartireoidismo Creatinina sérica elevada Insuficiencia renal Enzimas hepáticas alteradas Insuficiencia hepática Cortisol livre urina 24h/ Teste de supressão com dexametasona positivo Síndrome de Cushing
  32. 32. Fatores de Risco para Osteoporose e Fraturas • Maiores: o História pessoal de fratura na vida adulta o História de fratura em parentes de primeiro grau o História atual de tabagismo o Baixo peso (<57kg) o Uso de glicocorticoide o Idade avançada
  33. 33. Fatores de Risco para Osteoporose e Fraturas • Menores: o Deficiência de estrógeno (menopausa <45a) o Baixa ingestão de cálcio durante a vida o Sedentarismo o Alcoolismo o Quedas frequentes o Demência o Déficit de visão o Doenças crônicas associadas
  34. 34. Osteoporose induzida por corticoide • Aumento da reabsorção óssea • Diminuição da formação óssea

×