SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
1 DIAL5 © Porto Editora
Teste de compreensão oral 2
A princesa e a ervilha
Era uma vez um príncipe que queria cas ar com uma princesa que teria de
ser uma princesa verdadeira. Assim, deu a volta ao mundo inteiro à procura de
uma; porém, qualquer cois a estava errada: encontrou imensas, mas não
conseguia ter a certeza se elas eram princesas de verdade. Havia sempre um
pormenor que não batia certo. Regressou a casa muito triste, porque des ejava
imenso casar com uma princesa verdadeira.
Uma noite, houve um temporal terrível, com trovões, relâmpagos e chuva
torrencial.Era mesmo medonho!
Alguém bateu ao imponente portão e o velho rei foi abrir.
Do lado de fora encontrava-se uma princes a, mas, coitada, em que estado
lastimável ela estava com a chuva e o terrível temporal! A água escorria do
seu cabelo e das suas roupas, entrando pela biqueira dos s apatos e saindo de
novo pelos calcanhares. Mas afirmava que era uma princesa de verdade!
“Bem”, pensou a velha rainha, “em breve saberemos isso!” – No entanto,
nada disse e dirigiu-se ao quarto. Uma vez ali, tirou todas as roupas da cama
e pôs um a ervilha em cima da armação. Em seguida, pegou em vinte colchões
e colocou-os em c ima da ervilha, e depois pôs vinte fofos edredons por cima
dos colchões. Era ali que a princesa iria passar a noite.
Na manhã seguinte, perguntou-lhe como é que ela tinha dormido.
– Oh, muito m al! – respondeu a princesa. – Pratic amente não preguei olho
em toda a noite! Deus sabe o que é que a minha cama tinha! Estive deitada
sobre alguma coisa tão dura que fiquei toda pisada. Foi horrível!
Então, s im, chegaram à c onclusão de que ela era mesmo uma princes a
verdadeira, porque tinha sentido a ervilha através dos vinte colchões e dos
vinte edredons. Só uma princesa de verdade poderia ser assim tão sensível!
O príncipe casou com ela, pois finalmente s abia que tinha encontrado uma
princesa autêntica, e a ervilha ficou exposta num museu onde ainda hoje a
poderão ver, se ninguém a tiver tirado.
Pronto, aqui têm uma história verdadeira!
Hans Christian Andersen, Contos de Andersen, trad. de Cristina Pinto, Edinter, 3.a
ed., 1998
2 DIAL5 © Porto Editora
Teste de compreensão oral
Nome _______________________________________ N.º_____ Turma_____ Data_________________
Avaliação ___________________________________________ Professor(a) ______________________
Título do texto ouvido: A princesa e a ervilha
Indica se as afirmações seguintes são verdadeiras (V) ou falsas (F).
V F
a. Era uma vez um príncipe que deu a volta ao mundo para desposar uma
princesa verdadeira.
b. Durante a sua busca, não conseguiu atingir o seu objetivo.
c. Quando voltou a casa vinha muito feliz.
d. Numa noite de temporal, apareceu uma princesa a pedir guarida, no
castelo.
e. Apesar do temporal, o seu aspeto era magnífico.
f. A princesa estava completamente encharcada.
g. A rainha duvidou de que aquela rapariga fosse uma princesa.
h. A rainha pensou numa estratégia para resolver a sua dúvida.
i. A estratégia escolhida pretendia pôr à prova a sensibilidade da princesa.
j. De manhã, a princesa disse que uma ervilha a tinha impedido de dormir.
k. O príncipe não quis casar por ela ser tão sensível.
l. A ervilha colocada debaixo dos colchões foi guardada como um tesouro.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A princesa e a ervilha teatro
A princesa e a ervilha teatroA princesa e a ervilha teatro
A princesa e a ervilha teatroConstantino Alves
 
A princesa e a ervilha
A princesa e a ervilhaA princesa e a ervilha
A princesa e a ervilhaAny Tabuada
 
3ºA- A PRINCESA E A ERVILHA
3ºA- A PRINCESA E A ERVILHA3ºA- A PRINCESA E A ERVILHA
3ºA- A PRINCESA E A ERVILHAJulioAtlas
 
A PRINCESA E A ERVILHA
A PRINCESA E A ERVILHAA PRINCESA E A ERVILHA
A PRINCESA E A ERVILHAJulioAtlas
 
Explorando o texto a princesa e a ervilha
 Explorando o texto a princesa e a ervilha Explorando o texto a princesa e a ervilha
Explorando o texto a princesa e a ervilhapipatcleopoldina
 
Ficha a princesa e a ervilha pdf
Ficha a princesa e a ervilha pdfFicha a princesa e a ervilha pdf
Ficha a princesa e a ervilha pdflasalete marques
 
A princesa e a ervilha descritores
A princesa e a ervilha descritoresA princesa e a ervilha descritores
A princesa e a ervilha descritorespipatcleopoldina
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, característicasHelena Coutinho
 
Ficha de avaliação diagnóstica Lp - Príncipe com Orelhas de Burro
Ficha de avaliação diagnóstica Lp  - Príncipe com Orelhas de BurroFicha de avaliação diagnóstica Lp  - Príncipe com Orelhas de Burro
Ficha de avaliação diagnóstica Lp - Príncipe com Orelhas de BurroCentral Didática
 
A Lenda De Coimbra.
A Lenda De Coimbra.A Lenda De Coimbra.
A Lenda De Coimbra.turma6G
 
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano AIndicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano Aescoladavila
 
O Conto da bela e a fera
O Conto da bela e a feraO Conto da bela e a fera
O Conto da bela e a feraDiego França
 
Conto: A princesa e o sapo Leitura e interpretação
Conto: A princesa e o sapo Leitura e interpretação Conto: A princesa e o sapo Leitura e interpretação
Conto: A princesa e o sapo Leitura e interpretação Lorena Lopes
 

Mais procurados (20)

A princesa e a ervilha teatro
A princesa e a ervilha teatroA princesa e a ervilha teatro
A princesa e a ervilha teatro
 
A princesa e a ervilha
A princesa e a ervilhaA princesa e a ervilha
A princesa e a ervilha
 
3ºA- A PRINCESA E A ERVILHA
3ºA- A PRINCESA E A ERVILHA3ºA- A PRINCESA E A ERVILHA
3ºA- A PRINCESA E A ERVILHA
 
A PRINCESA E A ERVILHA
A PRINCESA E A ERVILHAA PRINCESA E A ERVILHA
A PRINCESA E A ERVILHA
 
Explorando o texto a princesa e a ervilha
 Explorando o texto a princesa e a ervilha Explorando o texto a princesa e a ervilha
Explorando o texto a princesa e a ervilha
 
Ficha a princesa e a ervilha pdf
Ficha a princesa e a ervilha pdfFicha a princesa e a ervilha pdf
Ficha a princesa e a ervilha pdf
 
A princesa e a ervilha descritores
A princesa e a ervilha descritoresA princesa e a ervilha descritores
A princesa e a ervilha descritores
 
Resumo sobre conto e lenda ...
Resumo sobre conto e lenda ...Resumo sobre conto e lenda ...
Resumo sobre conto e lenda ...
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
 
Ficha de avaliação diagnóstica Lp - Príncipe com Orelhas de Burro
Ficha de avaliação diagnóstica Lp  - Príncipe com Orelhas de BurroFicha de avaliação diagnóstica Lp  - Príncipe com Orelhas de Burro
Ficha de avaliação diagnóstica Lp - Príncipe com Orelhas de Burro
 
Livro 2 b
Livro 2 bLivro 2 b
Livro 2 b
 
Sequência didática
Sequência didáticaSequência didática
Sequência didática
 
Sequencia didatica a_princesa_e_a_ervilha
Sequencia didatica a_princesa_e_a_ervilhaSequencia didatica a_princesa_e_a_ervilha
Sequencia didatica a_princesa_e_a_ervilha
 
A Lenda De Coimbra.
A Lenda De Coimbra.A Lenda De Coimbra.
A Lenda De Coimbra.
 
Adormecida
AdormecidaAdormecida
Adormecida
 
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano AIndicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
 
O Conto da bela e a fera
O Conto da bela e a feraO Conto da bela e a fera
O Conto da bela e a fera
 
Conto: A princesa e o sapo Leitura e interpretação
Conto: A princesa e o sapo Leitura e interpretação Conto: A princesa e o sapo Leitura e interpretação
Conto: A princesa e o sapo Leitura e interpretação
 
Interpretaçao o sapo portugues
Interpretaçao o sapo portuguesInterpretaçao o sapo portugues
Interpretaçao o sapo portugues
 
O outro sapo regina
O outro sapo reginaO outro sapo regina
O outro sapo regina
 

Semelhante a Dial5cp pg14 15

Semelhante a Dial5cp pg14 15 (20)

Conto
ContoConto
Conto
 
1 trimestral 6 ano
1 trimestral  6 ano1 trimestral  6 ano
1 trimestral 6 ano
 
Bela
BelaBela
Bela
 
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano AIndicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
Indicações literárias de contos de Hans Christian Andersen - 3º ano A
 
Histórias 4.ºa
Histórias 4.ºaHistórias 4.ºa
Histórias 4.ºa
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugal
 
Lendas de Portugal
Lendas de PortugalLendas de Portugal
Lendas de Portugal
 
Lendas de-portugal
Lendas de-portugalLendas de-portugal
Lendas de-portugal
 
Lendas de alguns distritos de Portugal
Lendas de alguns distritos de PortugalLendas de alguns distritos de Portugal
Lendas de alguns distritos de Portugal
 
Branca de Neve
Branca de NeveBranca de Neve
Branca de Neve
 
A bela adormecida
A bela adormecidaA bela adormecida
A bela adormecida
 
Contos tradicionais, fábulas, lendas e mitos
Contos tradicionais, fábulas, lendas e mitosContos tradicionais, fábulas, lendas e mitos
Contos tradicionais, fábulas, lendas e mitos
 
Contos
ContosContos
Contos
 
A Arca Voadora
A Arca VoadoraA Arca Voadora
A Arca Voadora
 
Anexo planejamento - Merces
Anexo planejamento - MercesAnexo planejamento - Merces
Anexo planejamento - Merces
 
Quando o feitiço é quebrado...
Quando o feitiço é quebrado...Quando o feitiço é quebrado...
Quando o feitiço é quebrado...
 
Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)
Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)
Lendas de-portugal-110326094657-phpapp02 (1)
 
A arca voadora
A arca voadoraA arca voadora
A arca voadora
 
Francisco 7ºd
Francisco 7ºdFrancisco 7ºd
Francisco 7ºd
 
Francisco... 7ºd
Francisco... 7ºdFrancisco... 7ºd
Francisco... 7ºd
 

Mais de Paula Rebelo

Convocatoria ee atualizada es (4)
Convocatoria ee atualizada es (4)Convocatoria ee atualizada es (4)
Convocatoria ee atualizada es (4)Paula Rebelo
 
Autorização de saída de território nacional de menor
Autorização de saída de território nacional de menorAutorização de saída de território nacional de menor
Autorização de saída de território nacional de menorPaula Rebelo
 
Convocatoria ee atualizada es
Convocatoria ee atualizada esConvocatoria ee atualizada es
Convocatoria ee atualizada esPaula Rebelo
 
Convocatoria ee atualizada es (3)
Convocatoria ee atualizada es (3)Convocatoria ee atualizada es (3)
Convocatoria ee atualizada es (3)Paula Rebelo
 
Convocatoria ee atualizada es (5)
Convocatoria ee atualizada es (5)Convocatoria ee atualizada es (5)
Convocatoria ee atualizada es (5)Paula Rebelo
 
Atividade formativa de avaliação escrita
Atividade formativa de avaliação escritaAtividade formativa de avaliação escrita
Atividade formativa de avaliação escritaPaula Rebelo
 
Apresentação port
Apresentação portApresentação port
Apresentação portPaula Rebelo
 
Correcção do teste de avaliação de frei luís de sousa
Correcção do teste de avaliação de frei luís de sousaCorrecção do teste de avaliação de frei luís de sousa
Correcção do teste de avaliação de frei luís de sousaPaula Rebelo
 
Convocatoria ee atualizada es (6)
Convocatoria ee atualizada es (6)Convocatoria ee atualizada es (6)
Convocatoria ee atualizada es (6)Paula Rebelo
 
Autoavaliação 2013 14
Autoavaliação 2013 14Autoavaliação 2013 14
Autoavaliação 2013 14Paula Rebelo
 
Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2Paula Rebelo
 

Mais de Paula Rebelo (12)

Dial5cp pg12 13
Dial5cp pg12 13Dial5cp pg12 13
Dial5cp pg12 13
 
Convocatoria ee atualizada es (4)
Convocatoria ee atualizada es (4)Convocatoria ee atualizada es (4)
Convocatoria ee atualizada es (4)
 
Autorização de saída de território nacional de menor
Autorização de saída de território nacional de menorAutorização de saída de território nacional de menor
Autorização de saída de território nacional de menor
 
Convocatoria ee atualizada es
Convocatoria ee atualizada esConvocatoria ee atualizada es
Convocatoria ee atualizada es
 
Convocatoria ee atualizada es (3)
Convocatoria ee atualizada es (3)Convocatoria ee atualizada es (3)
Convocatoria ee atualizada es (3)
 
Convocatoria ee atualizada es (5)
Convocatoria ee atualizada es (5)Convocatoria ee atualizada es (5)
Convocatoria ee atualizada es (5)
 
Atividade formativa de avaliação escrita
Atividade formativa de avaliação escritaAtividade formativa de avaliação escrita
Atividade formativa de avaliação escrita
 
Apresentação port
Apresentação portApresentação port
Apresentação port
 
Correcção do teste de avaliação de frei luís de sousa
Correcção do teste de avaliação de frei luís de sousaCorrecção do teste de avaliação de frei luís de sousa
Correcção do teste de avaliação de frei luís de sousa
 
Convocatoria ee atualizada es (6)
Convocatoria ee atualizada es (6)Convocatoria ee atualizada es (6)
Convocatoria ee atualizada es (6)
 
Autoavaliação 2013 14
Autoavaliação 2013 14Autoavaliação 2013 14
Autoavaliação 2013 14
 
Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2Corrida de cavalos2
Corrida de cavalos2
 

Dial5cp pg14 15

  • 1. 1 DIAL5 © Porto Editora Teste de compreensão oral 2 A princesa e a ervilha Era uma vez um príncipe que queria cas ar com uma princesa que teria de ser uma princesa verdadeira. Assim, deu a volta ao mundo inteiro à procura de uma; porém, qualquer cois a estava errada: encontrou imensas, mas não conseguia ter a certeza se elas eram princesas de verdade. Havia sempre um pormenor que não batia certo. Regressou a casa muito triste, porque des ejava imenso casar com uma princesa verdadeira. Uma noite, houve um temporal terrível, com trovões, relâmpagos e chuva torrencial.Era mesmo medonho! Alguém bateu ao imponente portão e o velho rei foi abrir. Do lado de fora encontrava-se uma princes a, mas, coitada, em que estado lastimável ela estava com a chuva e o terrível temporal! A água escorria do seu cabelo e das suas roupas, entrando pela biqueira dos s apatos e saindo de novo pelos calcanhares. Mas afirmava que era uma princesa de verdade! “Bem”, pensou a velha rainha, “em breve saberemos isso!” – No entanto, nada disse e dirigiu-se ao quarto. Uma vez ali, tirou todas as roupas da cama e pôs um a ervilha em cima da armação. Em seguida, pegou em vinte colchões e colocou-os em c ima da ervilha, e depois pôs vinte fofos edredons por cima dos colchões. Era ali que a princesa iria passar a noite. Na manhã seguinte, perguntou-lhe como é que ela tinha dormido. – Oh, muito m al! – respondeu a princesa. – Pratic amente não preguei olho em toda a noite! Deus sabe o que é que a minha cama tinha! Estive deitada sobre alguma coisa tão dura que fiquei toda pisada. Foi horrível! Então, s im, chegaram à c onclusão de que ela era mesmo uma princes a verdadeira, porque tinha sentido a ervilha através dos vinte colchões e dos vinte edredons. Só uma princesa de verdade poderia ser assim tão sensível! O príncipe casou com ela, pois finalmente s abia que tinha encontrado uma princesa autêntica, e a ervilha ficou exposta num museu onde ainda hoje a poderão ver, se ninguém a tiver tirado. Pronto, aqui têm uma história verdadeira! Hans Christian Andersen, Contos de Andersen, trad. de Cristina Pinto, Edinter, 3.a ed., 1998
  • 2. 2 DIAL5 © Porto Editora Teste de compreensão oral Nome _______________________________________ N.º_____ Turma_____ Data_________________ Avaliação ___________________________________________ Professor(a) ______________________ Título do texto ouvido: A princesa e a ervilha Indica se as afirmações seguintes são verdadeiras (V) ou falsas (F). V F a. Era uma vez um príncipe que deu a volta ao mundo para desposar uma princesa verdadeira. b. Durante a sua busca, não conseguiu atingir o seu objetivo. c. Quando voltou a casa vinha muito feliz. d. Numa noite de temporal, apareceu uma princesa a pedir guarida, no castelo. e. Apesar do temporal, o seu aspeto era magnífico. f. A princesa estava completamente encharcada. g. A rainha duvidou de que aquela rapariga fosse uma princesa. h. A rainha pensou numa estratégia para resolver a sua dúvida. i. A estratégia escolhida pretendia pôr à prova a sensibilidade da princesa. j. De manhã, a princesa disse que uma ervilha a tinha impedido de dormir. k. O príncipe não quis casar por ela ser tão sensível. l. A ervilha colocada debaixo dos colchões foi guardada como um tesouro.