Fasciculo 13 obras de alvenaria

3.319 visualizações

Publicada em

obras de alvenaria na construção civil

Publicada em: Engenharia

Fasciculo 13 obras de alvenaria

  1. 1. ·· · '----- J DA CONSTRUCAO (IV ORRAS D ALVENAR I ,I PRELIlVIINARES - ALVENARIAS, PEDRAS, TIJQLOS, BLOCOS DE CIMENTO, ADOBE~, PAREDES E MUROS j ARGAMARSAS - CAL, CIMENTO, POZOLANA, AREIA E SAIBRO j ANOTAQOES - 32 FIGURAS - CC "" EDIQAO DO AUTOR F. PEREIRA DA COSTA DISTRIBUIQAO 'DA PORTUGALL~ EDITORA LISBOA PRECO '"
  2. 2. , - , E CICLOPEDIA PRATICA DA CONSTRU~AO CIVIL RAS DE ALVENARIA " e alenaria, em qualquer das suas modali- - =5. ormam a part~ mais importante da Arte ~. A alvenaria e 0 Ilgregado das pedras na- :;;blocos artificiais com a argamassa. -:;; 'pos de alvenaria saD varios, do mesmo .,amassas SaD de diferentes qualidades. E em 'dade da argamassa que caracteriza a aIve- -:~ a:-gamassa origina uma boa alvenaria, e esta e -=~ garantia de uma hoa edifica<;uo. Tanto a areia cal ou 0 cimento, devem estar livres de mate- _ - ==--anhas. _" €.l.ementos constituitivos das argamassas devem 5~pre de superiores qualidades, como tambem a cOllstitui<;ao dos tra<;os deve sempre observar-se rigoro-samente. As boas qualidades das pedras naturais e dos blocos artificiais devem igualmente ser garantid<ls. A agua e sem duvida 0 elemento indispensavel da preparavao da argamassa e da forma<;ao da alvenaria. Nuo deve ser desprezado 0 seu estado pr6prio: deve ser doce e limpa, embora aos estranhos da Constru<;ao isso pare<;a dispensaveI. A alvenaria na sua formar,:ao, elevando as paredes, e uma boa consumidora do melhor dos liquidos. Deve acompanhar os pedreiros em todos os seus trabalhos, desde as funda<;oes ate as platibandas, passando pelas paredes e revestimentos, pelos tijolos e pelos azulejos. Fig. 1. - PAREDE DE ALVENARIA VULGAR (Al~ado e corte)
  3. 3. PRELl M o materiais que entram na composi<;ao da alvenaria san as pedras naturais, calcilreas e siliciosas, os aglomerados de barro e de cirnento, -- os tijolos e os blocos, a areia e os produtos de agrega<;ao, a cal, 0 ci-mento e a agua. A pedra e empregada desde os tempos imemoriais, e o tijolo de barro seco ao sol foi conhecido das velbas civiliza<;~es, como Do-lo atestam as ruinas clas remotas edifica<;~es da Assiria e da Caldea. A constru<;ao da casa vem de distantes epocas, tal-vez quase do inicio da humanidade. pois 11 hist6ria do seu principio perdeu-se hit muitos milenios na noite dos tempos. A argamassa, 0 elemento da agrega<;ao, esse e muito mais moderna e diz-sl~ que foram os Romanos os seus inventores. As suas construG<Jes assim 0 atestam. Enquanto se nao descobriu a argamassa, a alvenaria era formada pOl' pedl'as aparelhadas, justapostas e so-brepostas umas as outras. Os monumentos dos Gregos e dos Egfpcios eram assim construidos, e chegaram ate n6s, imponentes e belos. As obras de tijolo seco dos Assirios e dos Cal-deus san umas tristes ruinus de aspecto desolaclor. Com 0 desen volvimonto das argamassas foi desapare-cendo 0 emprego da pedm apurelhada, pois com os fragmentos il'regulares da pedra constroem-se as melho-res alvenarias. Assim, vai desaparecendo 0 sistema das pedras se segurarem pelo seu peso; uma boa argamassa segura-as optimamente por uma s6licla ligac;ao, formando urn aglo-merado homogeneo, a venladeira alvenaria. A alvenaria e feita pelo pedreiro. operario que ern tempos teve a denomina<;ao de alranel. AS alvenarias constituidas pelas pedras irnilgulares ligadas umas as outl'as pela argamassa, tem uma resistencia importante, 0 que se nao dava pelo sistema Fig. 2.- PAREDE DE APARELHO RUSTICO (Al~ado e corte) NARES da sobreposi<;ao das pedras aparelhadas, usado nas cons-truG~ es de antanho. Em algumas regioes aindam se usam as pedras apa-relhadas, mas sao assentes com argamassa, 0 que Ihe da a resisti'ncia desejada, como sucede com os perpianhos. Porem, 0 aparelho das pedras onem a constru<;ao sem vantagem nenhuma. As pedras irregulares, pouco mais ou menos como vem da pedreira, formando com a argamassa urn s61ido bloco, fazem uma alvenaria indestrutivel atraves dos tempos. 86 e caso que tenha sido bem construida e com bons materi~tis. A alvt:'naria de tijolo, quando este precioso material tenha bom fabrico, e, com uma boa argamassa, conse· gue impor-sl' a Uilla apreciavel resistencia. Da boa qualidade dos materiais depende a qualidade das alvenarias. AS alvenarias de Gparelho rustico (F(g. 2). tem 0 assentamento das pedras facetadas, it faee do para-mento, feito com nrn fio de cimento e identam interior-mente com as pedras irregulares, que constituern 0 vo-lume do rnaci<;o da parede. Derois de i:iesonado 0 tra<;o de cimento que acompa-nha as pedras aparelhadas, abre-se neJe urn sulco eom urn ponteiro aguQudo, a fim de lhes vinear ullla :,epara- <;aoque completa 0 paramento it. vista. A constru<;ao deste aparelho e recomenditvel para muros de vAda<;ao it frente das ruas e para embaza-mento de edifica<;~es. As paredes de apm'ellto poligonal (Fig. 3) conservam entre as lwdras, uma rnas"a de argamassa de eerca de 0""01 ou 0,m015 com um poucochinho de concavidade. Em algumas ohras aplica-se llesta massa para Ihe dar maior beleza um pouco de cor. Qualquer cor pode ser misturada na maRsa, que tanto pode ser de cui e areia, como de eimento e areia. Em certas constl'u<;oes faz·se para este trabalho 0 emprego de cimentos coloridos. Piy. 3. - PAREDE DE APARELHO POLIGONAL (Opus lnsertum)
  4. 4. ALVENARIAS e urn maci<;o constituido por pedras de - -e:-.:l s dimensoes, partidas ao calhar, ligadas ~ :;:;;a nmas as ontras. classinca-se em qualidades, devidas espe-a natureza dos materiais que as distinguem. :_. cipais qualidades das alvenarias sao, entre ordinaria, hidranlica, de cimento, de tyolo, de e perpeanhos, etc. aria ordinaria e constituida por fragmentos de varias dimensoes e argamassa de cal e alunar/u hidraulica e constituida por identicos ~ __ ==:05 pedregosos e argamassa de cal hidraulica e ~ lr;enaria de cimento tambem designada hidrau- E :eiia com argamassa de cimento e areia, alem • .::_en os de pedras como as anteriores alvenarias. aria de tUolo e constituida por qualquer tipo argamassa ordinaria ou hidranlica. ria de adobe ou adobo e constituida pelos argamassa ordiuc'tria. A aluenaria de pprpea-no norte do pais, e constituida por pedras de paralelepipedos e argamassa de qualquer 6s as alvenarias sao constituidas por pedra, obos e blocos de cimento, mas Iii fora diz-se _= =__:: sao constituidas por peJras naturais e artificiais. truQao das alvenarias obedece as dimensoes - des que constituem. o as fases constrlltivas, a alvenaria subdivide-se '. tipos: alvenaria em fundac;oes e em elevar;ao_ ~eira que e constituida pOl' pedra rija e por _---.-..5 a mais forte, faz 0 enchimento das fundaQoes - ~ _ a os alicerces da edificac;ao, e a segunda consti- -'" _or pedra semi-rija, forma as paredes que se ele- .:::~ algumas regioes aplica-se alvenaria de pedras ro em Ingar de argamassa, na construQao de "= -e nos campos. Algumas vezes tambem e com .0 que se faz a liga(ao dos adobos na elevac;ao de e- . a construQuo da alvenaria deve obedecer as 7- . 4..- PAREDE DE APARELHO REGUJ,Al? (No paramento) normas do born trabalbo, quer com a pureza dos ma-riais como com a boa preparaQuo da argamassa. Os maciQos de alvenaria nao devem conter espa<;os vazios ou ocos, antes devem formar urn s6 bloco bem agregado. o principal elemento da alvenaria e a pedra, 0 dize-mos que e a pedra, embora a argamassa tenba um papel primordial na sua constitui(ao, porque e ela que da 0 volume substancial da parede. 86 com pedras podem fazer-se as paredes de pedm seca ou alvellaria insossa, usada nas regioes carecidas de cal ou em muros de propriedades rurais sem importancia. A boa pedra para alvenaria e aquela que resiste as ruturas e ao esmagamento e nao esmilha com as pan-cadas do camartelo, fazendo boa ligaQao com a arga-massa. A boa pedra nao deve ser geladiQa, nem sus-ceptivel de ser atacada pelo ar e pela agua. Deve ser limpa de terra e argila e descascada das impurezas que se Ihe aderem. Para a face dos paramentos das paredes facetam-se as pedras, embora toscamente, bem como para os cunbais, que tambem se preparam com duas faces em angulo. Este aparelho e feito com pi co grosso, devendo con-tudo as pedras ficar bem esquadriadas. Na constituiQao da alvenaria intercalam-se as pedras pequenas com as grandes, sempre ligadas entre si pela argamassa. Para a boa liga~ao molham-se constante-mente as pedras com agua doce e limpa. Para 0 bom travamento das paredes, assentam-se os graudes blocos de pedra atravessados, de esraQo a espa<:o. Estes grandes pedaQos de pedra sao as Jun-toiras ou tra vadoiras. Tambem qnando se encontram grandes fragmentos pedregosos, com uma grande cabe9a mais ou meuos direita, assentam-se algumas vezes no sentido do comprimento das paredes, porqne lhe dao grande travamento. Estas pedras sao as cabI!9a1·ias. ~,..-,,-= "" ~ Ill 1" ,-~ I" /ll' -::0- "- Piy. 5. - PAREDE DE APAREU}() REGuLAR ( Perpianhos)
  5. 5. 'e,em construir tro<;os de paredes, por mais e ejam, s6 com pedras pequenas, porque nao == 0' -e as im nenhum travamento. ando a irregularidade das pedras nao permite urn , ill as entamento, 0 pedreiro prepara-as com 0 ca17W1'- a (~) desbastando-as em qualquer dos lados. OS tijolos que tern a forma de paralelepipedos sao feitos de barro e cozidos em fornol! apropriados. A-s condi<;<:lesessenciais para urn born tijolo, sao a exce-lencia do barro e a sua boa cozedura. Assim, e conve- 'ente que 0 tijolo nuo seja quebradi<;o, mal cozido e e mi1hadi<;0. Devem ser sonoros, de arestas vivas e nao ntrificados. Os tijolos saa principalmente de dois tiros : os rnacic;os e os furados. As dimensoes dos tijolos vul- <Tares sao: om,23 X om,n X om,075. Os tijolos furados destas dimensoes tern s6 Jois furos. Hi no mercado tijolos de quatro, oito e doze furos, cujas dimensoes sao proporcionais na espessura e na largura. De om.04 de espessura hit tijolos de dois furos, muito prestaveis em certos panos estreitos. Os tijolos maci<;os 10m tambem a designa<;ao de t(jo-los burros. Os tijolos de oito furos ou mais, muito ap1i-cados nas empenas, tern nos meios operarios da Cons-un<; ao a designa<;ao de marrocos. Com a e,;pessura de orn,025 ou om,03 existem tijolos corn larga aplica<;ao em certos trabalhos, como arcos e revestimentos. Quando estes tijolos tern mais largura designam-se por tijoleiras, mas de uma maneira geral quer sejam simp1esmente de om,ll de largura ou mais largos sao denominados por tijolos rebatidos. Antigamente estes tijo1os delgados designavam-se tijolos de alrenaria. Com 0 mesmo formato do tijolo maci<;o fabrica-se 0 chama do tijolo prensado, cuja aplica<;ao tern lugar nos paramentos it vista. gste tipo, como muito bem se com-preende, e urn tijolo pleno, sem furos. Fig. 6.- PAREDE DE ALVENARIA DE APARELHO REGULAR (Tillo Opus Pseudisodomum) AS adohes ou adobos sao, como que uns rectangulos de barro amassado com palhas e secos ao sol. A.s suas dimensoes sao mUlto variaveis, mas em geral me-dem om,30xom,20xom,lO ou om,08. 0 seu formato e obtido pOl' uma f6rma de madeira em forma de grade. que lhe e retirada no local destinado it secagem. e nessa ocasiao 0 operario que os fabrica passa-1he por cima, em cruzeta, com a mao aberta, a fim de lhes dei-xar relevo para me1hor aderencia da argamassa. A argamassa para esta alvenaria bem pobre, e a ordi-naria de cal e a1'eia. Geralmente a alvenaria de adobos e usada nas edifi-ca<; oes abarracadas. A alvenaria de blocos de cimento e muito usada dem certas constrlll;oes, e mormente nas empenas as predios de varios andares. A forma dos blocos e variavel, bem como as sua dimens5es. POl' vezes os blocos tem a forma de parale-lepipedos com varios furos, outras tern 0 aspecto de L com pequena espessura e que se combinam uns com os outros numa boa eleva<;ao. Alguns tern a forma de cubos com dois grandes espa- <;os ocos. Os blacos mais leves, apesar de fllrados e esvasia-dos, nrw sao os de cimento, mas os de massa de cimento com jorra. A argamassa para esta alvenaria deve ser s6 a de cimento e areia, como se compreende. (*) 0 carnartelo e urna especie de rnartelo, tendo de urn lado a pancada e do outro forma um bico grosso. Fi,g. 7.- PAREDE DE ALVENARIA DE APARELHO REGULAR (T'ipo Opus Pseud'isodomum)
  6. 6. Fig. 8.- PAREDE DE ALVENARIA APARET,IIADA (S TLH A RES - Opus Pseudisodomwn) '-.en aria construida com pedra de alvenaria em ~ amentos irregulares e com pedras aparelhadas ~.j os prismaticos, tern a vulgar designar;iio de alve- ·-·ta. prismas de pedra que tanto podem tel' 0 apa- - 0 ·osco ou urn apar(11ho mais ou menos perfeito, -.:.= 0 ,:wme generico de silhares ou e71xilhares. . haria ou enxilharia foi e e muito usada nas gran- =~ co trUr;l>esde grossas paredes. e sempre as paredes cOllstruirlas com esta alve- =---' comportam do ladc) interior 0 sistema vulgar e do e~ erior a enxilharia. ..:.:::nmuitas ohras a enxililaria apresenta-se exterior- =::=". como se fosse cantaria lisa em socos e molduruda =- .a:ses e mesmo em pila~tras. Estes casos de cons- _ -0 encontram-se em edificios solarengos e de estili- -0 pesada. bem se designa alt'enaria mista aquela que e ida interiormente corn pedra e exteriormente, na :- =::a<;ao dos paramentos. com tijolo macir;o. apresen-nos a vista uma alvenaria de tijolo, sempre mais do que a alvenaria de pedra. EE variante de alvenaria e resistente, sendo apenas :=, 'cida na sua construr;ao uma cuidadosa agregac;ao _ _ "jolos com as pedrus, havendo muito cuidado em : _- qualq uer espa<;o vazio entre esses materiais e boa argamassa de cimento e areia. .:l entam-se alguns tijolos entre as pedras pelas dife- =-",=-e- fiadas em toda a altura da obra. _-- construc;'rw de pilares grossos e muito aconselhu- _ e ipo de alveuaria, pelo lado econ6mico e rapi- =- ~o abalho. 'r aria aparelhada que e a enxilharia, tern pOl' ectos bem compostos como esses que nos vem anos os Opus, que actualizados apresentamos a.3 -1, 6, 7, 8 e 9. Pedras de aparelho rustico Fig. 9. - PAREDE DE AT- VENARfA APARELHADA (SILBARES - Variante de Opus Pseud,sodomum) a formal' 0 paramento exterior na composi<;:aode ah-e-naria de pedras irregulares. Os Perpianhos (Fig. 5) ja pertencem a uma alvenaria prbpriamente aparelhada de pedras sobrepostas. A8 ah-enarias de pedra e de tijolo SaD as unicas para as boas edificaQoes, todavia ha a considerar as alvenarias pobres, que tambem tern a sua aplicac;ao nas pequenas construQoes de certas regil>es onde uao abunda a pedra nem a caI. A taipa, que e terra mais ou menos argilosa bem amassada e lllal seca, tern 0 sell emprego nas edifica.- Qoes de ponca monta em alguns recantos das pro,incias do norte do nosso pais. Na antiguidade a taipa foi muito utilizada nas co truQoes da Assiria e das regioes vizinhas. Nos paises do norte da Europa tambem se uson e ainda usa nas edificaQoes, urn material que forma n a especie de ahel1a1'ia ("!), que e a tw:fa. A twf(t e madeira num determinado estado de decomposiQao, que ofereee 6ptima resistencia ua forlllaQao das paredes das casas. 08 muros que formam a construQao dos edificio_ s-. a denominar;ao de paredes e sao designa - -:- pm'edes mel!tra.~ quando san exteriores, portan 0 05-"':'- doras de grandes espessuras. As paredes exteriores podem ser chamadas, co~ ---;: a sua localizagao, da frente, do tardoz e later . sao a direita e a eSIJlul'da se estao no lado esquerdo, respectivamente, em relaQao ao 0 em frente da edifica<;:ao.
  7. 7. F't.q. 10.- A) PAREDE DE TIJOLO A CUTELO; B) PAREDE DE TIJOLV A 112 VEZ P/...rn'", 0',>< 6aa'ar e 7;';'0f~ CJrrer Fig. 11. - PAREDES DE TIJOLO A 1 VEZ (AparetllO de sistema ingles) Por conseguinte estas paredes formam as facbadas -- edificio com as mesmas designa~oes. Quando 0 edificio fica encostado a outro au no me;_ de outros as paredes luterais que ellcostam sao as emp_ nas e·) e tern menor espessura do que as fachadas. As paredes que formam as divisoes da casa sao a paredes interiores ou paredes divi.~6rias. As paredes interiores podem como as exteriores -£:::' diferentes espessuras. Tudo depende da grandeza Ce. obra. As paredes interiores que separam os dlferen-e~ corpos de urn edificio sao em geral relativamente gro=- sas e, portanto, construidas de alvenaria como as pILe-des mestras. De ordinario as paredes interiores sao as tabi']ue as f1·ontais. J;~stas designa~oes v€im dos tempos da construQao do-esqueletos de madeira, hoje desaparecidos e substituidos por tijolo. Assim os tabiques actuais sac paredes ou panos c tijolo a 1/2 ve" e os frontais sac paredes de tijolo 1 vez. Os panos (2) de tijolo a cutelo tamMm correspo - dem a tabiq nes estreitos. Para a construc;ao das paredes de qualquer sistem tern 0 pedreiro de se servir constantemente do nivel e do fio do prumo, para que elas se mantenham sempr bem niveladas e aprumadas, desde a sua base sobre as funda~ues ate it sua altura maxima junto da cobertura.. As paredeH mestras diminuem de espessura om,10 ere cada andar do edificio, sabendo-se que no alto nao pode-rao ter menos de om.40, quando construidas de alvenaria. As empenas tambem soh'em aperto de espessura nos ultimos andares, mas s6 de cerca de om,05. Nos ultimos andares de urn predio alto tambem 0= frontais que partem de baixo passam a tabiques. Tudo isto, e claro. conforme os Regulamentos Municipais da- Const1'UI;ijesCivis, elaborados dentro dos principios tee-nicos actuais. PAREDES DE DE PEDRA ALVENARIA IRREGULAR CHEIAS as fundac;oes marcam-se sabre elas, em ele-gimentos, as referencias para a elevaQao das pare-des, com as necessarias marcaQoes, como as espessuras a respeitar rigorosamente. As marcac;oes sao feitas com a colher sobre chapa-das de argamassa, as mestras, dispostas na parte sup rior dos enchimentos das fundac;oes. Inicia-se a constru~ao das paredes, assentando-se e-dras com a sua melhor base sabre os alicerces ou sob:~ os trechos de paredes ja construidos, acompanhadas - argamassa. Com a aplicaQ1io de pedras miudas mantem-se a eq librio dos blocos grandes, que se encostam 0 melh :" que puder ser, apenas separados por delgada cama-de argamassa. (1) Antigamente as empenas eram denominadas cu.toes. (2) Os panos de tljolo tern esta designal(ao por serem rela . mente estreitos.
  8. 8. ..:!.. melhor alvenaria e a que e construida com pedras _ "'--... es, t~nto no sentido longitudinal como no trans- 7"'~. ma alvenaria de pedras mindas e argamassa ::.,.0 -em a consistencia necessaria para a elevaC;ao e :::ao resiste ao esmagamento. ~s paredes vao crescendo pOl' fiadas e em troc;os de ::-e a i,o comprimento. Em geral trabalbam nas paredes elo menos dois pedreiros, urn de cada lado, urn pOl' -en 0 e outro pOl' fora. <'as grandes obras as paredes sao construidas pOl' ::nuitos pedreiros. A composiC;ao das pedras nas alvenarias deve ficar em maci,ada, com pequenos fragmentos de pedra nos espac;os entre os grandes blocos. ~ao e conveniente deixar nas alvenarias vazios nem andes recheios de argamassa. As liga<;oes de uma pare de com outra devem ser indentadas, devendo para ',so deixar-se na primeira que se construir dentes para avar a segunda parede a construir. Depois da suspensao do trabalho de uma parede, quando se volta a recomeGar, deve molhar-se bem a al,enaria ja executada, a fim de se obter boa ligac,;ao para a continuidade da obra. Quando as paredes sao de pouca espessura assenta-se de urn lado, encostado ao paramento, urn taipal de ma-deira onde a alvenaria se encosta a medida que se vai elevando, evitando-se assim 0 pedreiro que deveria tra-balbar desse lado. Mas esta pratica nao e, todavia, de aconselhar por-que a parede fica, como e de notal', mal construida, tanto mais que as paredes de alvenaria de pedra nao devem tel' de espessura menos de om,35. Na boa construc,;ao da alvenaria reside a seguranc,;a de uma edificac,;ao. Quando se chega as alturas das soleiras e de uma maneira geral a localizac;ao dos vaos de portas e jane-las deixam-se nas paredes uns elegimentos, oude se faz a marca<;ao que serve de mestras para a terminac;ao dos nembos (••) com os seus rasgamentos interiores. As paredes vao crescendo entre cordeis com as fol-as necessarias para os emboc;os e rebocos dos para-mentos, tanto exteriores cumo interiores, que sao geral-mt} nte de om,02. Kstas diferenc;as nas espessuras das paredes tiram-nas os pedreiros com fasquias apropria-das a essa medida e que se dispoem ao alto. As pedras, a medida que se vao empregando, vao sendo molhadas com agua doce e limpa, como se deve az..er com todas as alvenarias. Pelas alturas dos vaos, dos pavimentos, das faixas e - cimalhas passam os pedreiros 0 meiojio que e urn =.ITelamento geral da pare de a medida que vai crescendo. O."STROEM-SE paredes de alvenaria de tijolo com mais de om,35 de espessura. Estas paredes tanto ~:-"c:n ser de tijolos burros como de tijolos furados de as, ou ainda de ambos os tipos de tijolos. EH ~4 !I I I ?.bnto g'ar 1(;,,14r Fig. 12.- PAREDES DE TIJOLO A 1 (E - Aparelho de tipo Perpianho ; F - Aparelho de sistema flamengo) FL. 13.- PAREDES DE TIJOLO A 1 fEZ (G - Aparelho de sistema holandes' H - Aparelho de sistema frances)
  9. 9. I"I "'1 II n .:F':. _.=l!=.-:.. ",I , , .' '. ,I II -:b ~-'.!-~.- """ , !If"",'/" f7 • II :: II • .JI-_ •• _. lJ~--rT I :~ I " Ftg. 14.- PAIlEDES DE TIJOLO A 11/2 VEZES (I - AparelllO de sistema hvlandes; J - AparelllO de sistema ing/es) Fig. 15.- PAREDES DE TJJOL 0 A 11/z VEZE (L - Aparelho de sistema inglCs; ill - Aparclho de sistema flamen,qo) ~.J-J I Fig. 16.- PAREDE DE TUOLO A 2 VEZES (Aparelho de sistema ingles) Pig. 17.- PAREDE DE TIJOLO A 2 VEZES (Apartlho de sis lema jlamen[}o)
  10. 10. :-1 : I I l !,- I OJ: I -, I ' II, I I r- i[:"" -~-.! li~! I "' i , r I 'I- I~I i I I Fig. 18. - PAREDES DE TIJOLO r; ,au, /{np~ •• ,. i (A - Paredes de [) vezes - aparelho de sistema inples; B - Paredes de 3 112 vezes - aparelho de sistema ingl€s} Fi,q. 19.- PAREEES DE TIJOLO A 4 VEZE (Apl1.relho de sistema 1:ngles) - ----- B 1'i4.t'JJ/mlJ./M!" I I I i D Fig. 20.- CUNHAIS DE TIJOLO .t1 1 VEZ (A-B - Aparellw de sistewJ. inglf:s; C-D - Apm'elho de sistema jlamengo; E-F - Aparelho de sistema frances) Fig. 21. - CUNIIAL DE TIJOLO A 2 I/Z rEZ~~ (Aparelho de sistema ingtes)
  11. 11. aredes sao construidas com tijolos bur- 0_0 furados dizem-se paredes de tijolo misto. con trTIc;30faz-se par fiadas horizontais e sempre 0_1<;aOde encontrada ou de mata-juntas, tanto ho- _izoclalmen e como vertiralmente. d espessura da argamassa entre os tijolos vai de , a om,01, fazendo-se 0 possivel para que na mra da parede fique urn mimero certo de fiadas. Para efeito das fiadas de tijolos usam-se umas fas- Qnias como mestras, onde se marcam as alturas das fiu-das com 11 junta de argamassa incluida. o nivelamento das paredes e obtido com 0 fio de prumo e 0 alinbamento e conservado pOI' meio de cor-del esticado no comprimento da parede. Todos os tijolos SaGprElViamente mo]hados, a fim de os limpar de poeiras e tirar-lhe as qualidades do burro, de absor<;ao da humidade da argamassa e dar-Ihe boa aderencia. Quando a parede forma cunhal deixam-se ficar alguns tijolos das diferentes fiadas de urn lado, intercalados nas fiadas do outro. Quando par qualquer outro motivo 0 trabalho for interrompido, deixa-se ficar a parede quase que em forma de degraus, para que quando se recomece a obra a junc;ao fique perfeita e travada como e conveniente. Xa ocasiao deste recomec;o de trabalho e conveniente molhar toda a parede feita. Quando se chega it altura dos peitoris faz-se 0 elfgi-mento com argamassa, onde se marca com um riscador ou com a colher 0 local para 0 assentamento das om-breiras dos vaos. ---- --- A Flak Imfd"~ l' I. I I, :I --- -_. - - B rIP"QI' 7'aN'J 1 ~! I =4i Pig. 22.- CDNHAL DE TIJOLOS A 11/2 VEZES (Aparelho de sistema. flamengo) Nas constru<;<'les de alvenaria de tijolo e assentar os tijolos defeituosos no interior e perfeitos nos paramentos. Descritas as paredes de alvenaria de tijo]o, ,~ - de seguida descrever os frontais e tabiques elea ~ com 0 mesmo material. PAREDES DE TIJOLO A CUTELO. - Estas redes de]gadissimas, pois que ficam depois de reboca-das as duas faces apenas com om,l1, chamam-se vulg ~- mente tabiqw's de tijolo a cutelo e pano8 de tfjolo. o assentamento e feito com 0 tijolo posto a cute 0. em fiadas niveladas e desencontradas. A sua constru<;a pode ser feita com qualquer tipo de tijolo. Com as tijolos delgados, de om,04 de espessura e do~ furos, constroem-se magnificos panos de reduzidissima espessura. Para este caso, porem, e mister empre", ~ argamassas de cimento, para melhor seguranc;a d obra. PAREDES DE 1/2 VEZ DE TIJOLO. - Sao co - sideradas tabiques estas paredes cuja espessura osc· pOI' om ,1b depois de rebocadas ambas as suas faces, pois que a largura do tijolo e de 001,11, como ja vimos. Algumas vezes tambem se designam par panos de tijolo, mas a sua espessura nao permite essa designa<;ao. () assentamento e feito no sentido do comprimento da parede e dos tijolos, ao baixo. Estes tabiques podem ser construidos de qualquer tipo de tijolos, nao oferecendo, porem, nenhuma vanta-gem a constru<;ao mista. -- --.- -- c- .A l'iil"", hnl'"r<l'r t I I I I i - - -- B r;~d'qr J'orer I I I ! i fi'i!l. 23.- CUNHAL DE TIJOLOS A 2 VEZE~ (Aparelho de sistema il1gieS)
  12. 12. -t ----1~-· A II I riiulaJ pJrer I n I - --r- ---- - f B Fi:rdar Im!""",r i Fi.'l' 24.- CUNHAL DE TIJOLOS A 2 VEZES (Aparel/w de sistema flamengo) ~-----_.- -~--- - FiddarP",rer ! ~ i n I ~ _ . I . _-- ---- .- fi;',{"r /ml'QreF I! I ! I I Ii Pig. 25. - CUNHAL DE TIJOLOS A 3 VEZES (ApU1'elho de sistema ingtes) A construc;ao destes tabiques e fsita tamMm por fia-das niveladas, e as juntas dos tijolos devem ficar des en-contradas para melhor travamento. PAREDES DE 1 VEZ DE TIJOLO. -- Sao ainda consideradas frontais estas paredes cuja espessura e em osso om,23, (Fig. 12 e 13). o assentamento dos tijolos nestas paredes e feito por fiadas, sendo um tijolo ao comprido e dois atravessados e sempre alternados em todo 0 comprimento da parede e assentes ao baixo. Mantem-se 0 nivelamento das fiadas por cordel e com o fio de prumo garante-se a prumada. Em geral nao se empregam nestas paredes tijolos qUflbrados senao nas extremidades para conclusao das fiadas. as ligac;()es com outras paredes faz-se 0 indEinta-mento que ja descrevemos. As paredes de tijolo a 1 vez podem ser construidas de 'jolo furado, de tijolo macic;o e de ambos os tipos. uando se empregam dois tipos de tijolos designam-se por frontais de tijolo misto. Esta combinac;ao de " os e feita com 0 assentamento dos tijolos furados ~ ~ ntido do comprimento, e com os tijolos macic;os no :=~ 'do transversal, e sao os travadouros. Deste processo -ede tem uma certa consistencia e fica mais econ6- o que 0 frontal de tijolo burro. --.---- - B I /ii""?'dr 7'drP.' I I. I i Fig_ 26.-CUNHAL DE TIJOLO A 11/2 VEZES (Aparelho de sistema ingles) PAREDES DE 1 E 1./2 VEZES DE TIJOLO.- Sao consideradas fl'ontais estas paredes cuja espes-sura oscila por om,35, medida que corresponde a um tijolo atravessado e um ao comprido, assentes ao baixo. o assentamento dos tijolos e feito por fiadas horiz-o - tais com as juntas desencontradas, tanto na lar lIT como no seu comprimento (Fig. 14 e 15). As fiadas na altura da pare de sao marcadas num fasquia que serve de mestra, a fim de manter cons temente a sua eleva<,iao mais ou menos nivelada e vada. Esta parede e a mais grossa que se constroi de ·jo.o, sem falar-mos nas paredes de alvenaria prbpriame - dita, que atras tratamos. PAREDES DE 2 VEZES DE TIJOLO - As des de ~ vezes de tijolo, cuja espessura correspo de ~ comprimento de dois tijolos atravessados, nao 0 e e= vantagens nenhumas, pOl'que com essa espess troem-se paredes de alvenaria de pedra muito m " n6micas. Assim sucede tambem com as duas em' tijolo. Porem, com tres vezes ou mais cons boas alvenarias, de apreciavel resistencia e - :> a determinadas edificac;()es.
  13. 13. E ALYE~ ARIA Q"CA._;-no se construia pelo sistema de esqueleto, as paredes interiores tinham as designaQoes de .(ron- : . e alJique.~, consoante a sua espessura. Os tabtques _e am de om,06 a 0"',10 e os frontais andavam de 0.- [) a om,20 e om,25 depois de rebocados. • Os ITontais eram construidos pOl' varios sistemas, redominando na sua estrutura os prumos apoiados so-e as funda<;oos e pregados de orell1a para 0 vigamento 0.0 andar superior ou da esteira dos tectos. o paramentos eram farmados com ripas pregadas sobre os prumos, em equidistancia de cerea de om,40 de 1lID e outro lado. Depois enclliam-se de argamassa com edra milida e fragmentos de tijolo. Os tabiques eram const.ruidos corn tabuas a prumo ~ em diagonal, sobre as quaIs se pregavam fasqUias eqUl-distantes de om,04 umas das outras. obre 0 fasquiado dos tabiques fazia-se simplesmente o enchimento do pardo corn argaruassa. .dctualmente nao se usa este genera de trabalhos, senao em s6taos au construGoes ligeiras no campo. _"outro Caderno faremos 0 estudo detalhado dos fl'ontais e tabiques. ENCHIMENTO DE FUNDAQ0ES DEPOIS da abertura das funda<;oes e de verifi.cada a estabilidade do terreno, procede-se ao enchlruento com alvenaria de pedra eargaruassa de cal hidniulica e areia ou de cimento e areia. Em muitas obras 0 en-chimento das funda<;;oes e feito com betao. e 0 enehimento das fundaGoes e normal, isto e, se lerTeno oferece resistencia, nao temos mais que bater a 6rra. molha-Ia e despejar sobre ela a pedra e a arga- ~SIl. que 0 pedreiro vai compondo convenientemonte, ajustando todo 0 material de maneira a formal' um ma-ci<;;. olimco. A pedra para a alvenaria das funda<;;oes deve ser rija de preferencia em grandes blocos. Quando 0 enehimento das fundaQoes e feito com betao, a mtlO-de 0ura e quase nula, a nao ser a do amas-sadouro, que do mesmo modo tambem conta para a a1- venaria. A massa do betao pode ser transportada do amassa· douro ou da betonpira Ct.), para 0 local da funda<;rw, em padiolas, que despejam 0 eonteudo onde elo e preeiso. o enchimento e feito sucessivaruente pOI' camadas, des-pejando- se as padiolas umas ap6s outras, ate completo enchimento da fundaGao. o terreno do fundo destas funda'oes deve ser batido a masso, e espalhando-se depois uma camada de areia de cerca de om,02 de espessura, s6 entao se fazendo 0 enchimento. Se 0 terreno nao for absolutamente garantido, con-quanto nao seja de molde a necessitar citlculos de re-sisteneia, constroi-se no enchimento das funtJagoes uma sa]Jata de betao sobre a terra e deIJois sobre ela, que pod.e tel' de altura om,30, cresce-s~ a parede co~ al;e: nana de pedra e argamassa de Clmento e are1.a ate a linha do ensoleiramentu (2). Depois de feitos os eligimen-t08 necessarios crescem as paredes de toda a edifica<;ao. No caso de pretendermos maior estabilidade, esten-demos nos fundos das fundaGoes tres ou quatro varoes de ferro de 6 ou 9 milimetros de diametro, e sobre eles fazemos 0 enchimento de betao, nao esql1ecendo a leve camada de areia no fundo, antes ua colocaGao dos ferras. A designa<;;ao generica de muros da-se entre n6s as paredes construidas fora dOBediftcios, para veda- Qoes, !.'uportes de terras, divis6rias de propriedades, etc. Quando os muros de vedagao medem pouca altura designam-so pOl' muretes e cortinas. (1) Aparelho manual ou movido a electricidade para misturar e amassar 0 betao. (2) Ensoteiramento e a localiza~ao das soleiras das. portas) CEO acordo com 0 nivelamento <fa rua; estahelece-se de al uma lmh de ondc parte 0 escantilhao com as diversas alturas da obra q= se constroi. Fig. 27. - CUNHAL DE TIJOLOS A .'5 VEZES (Aparelho df sistema ingles)
  14. 14. :II se da 0 nome de cortina ao muro que su-terreno, que serve de caminho sobranceiro :::~ em que assenta. forma de constru<;ao e identica as das restan- - =--=-edes. Empregam-se alvenarias das mesmas espe- __ " tTatam-se das funda(,{fJes pelos mesmos pro- ? a 0 amparo de terrenos escarpados e que amea-desprendimento, constroem-se empedrados inclina- :.-: e em'ocamento8, com as juntas das pedras tomadas argamassa de cimento e areia. s vezes os empedrados san construidos pOI' pedra ~ ca ou alvenaria insos8a. muros nas divis6rias de tern'nos san muitas vezes on truidos de pedra seca, sendo a sua seguran(,{a bem brida pelo reboco aplicado em ambos os seus para- ~entos. OS cunhais das paredes que devem sempre ficar bem construidos, tanto podem ser de alvenaria de pe-a como de tijolo. No primeiro caso devem previa-mente aparelhar-se as pedras a picao grosso, como ja dissemos, a fim de bem condizerem com os paramentos das eleva<;:oes. e formarem os angulos de acordo com a orma da planta da edifica(,{ao. Quando construidos de 'jolo, 0 aparelho deve ser cuidado de maneira a fazer- -se uma boa trava(,{ao, combinando·se bem 0 desencon- :TO das juntas. Geralmente adoptam-se sistemas ja muito conhecidos e usados, nos paises onde se constroi quase :;omente com tijolo. Sao os aparelhos denominados in-gleses e jlamengo.~. Nos nossos desenhos apresentamos os cunhais nao s6 de alvenaria propriamente dita, como tambem dos fron- Fig. 28.- LIGAQOES DE PAREDES DE TIJOLO = - Paredes de 11/2 e 1vez; B - Paredes de 2 e 11/2 vezes (Aparelho de sistema in,qles) tais e tabiques, de usa corren '0 . .ds aI"'amassas para este trabalho san as mesmas que se a licam na restante obra. Os pilares san corpos de constru<;iio des cados da obra principal, quase sempre de sec<;iio quadrada e destinados a suportarem partes superiores e balan-ceadas. Os pHares podem ser construidos em ah-enaria de pedra e de tijolo, nas edifica<;fJesvulgares, e de cauta-ria nas obras de pre(,{omais elevado. Na constru(,{ao de alvenaria de pedra irregular, pre-param- se previamente os blocos que formam os cunhai aparelhando-os em duas faces formando 0 angulo. Como as pedras san fl'agmentos irregulares na forma e nas dimensfJfs, a alvenaria vai·se elevando, tendo sempre em vista 0 assentamento dos blocos, que man-tern a esquadria nos cunhais dos pHares. Construidos com tijolos os pHares podem possuir sec- (,{fJesmenores, do que aqueles que se constroem de a1- venaria de pedra. Os aparelhos obedecem a sistemas de encadeamento curiosos, usados em todas as boas cons-tru<; oes de tijolo. Os pilares podem ser construidos, a 1 vez, 1 vez e meia, 2 vezes, etc. Se estes corpos sao apenas destina-dos a aparencia, podem construir-se com tUolos furados, mas em geral como tem de suportar cargas a sua cons-tru(,{ ao e feita com tijolos burros. i.os nossos desenhos damos 0 desenvolvimento que estas constru(,{oes exigem. Os pi/ares podem ser de sec<;fJesquadrada, rectangu-lar, sextavada ou oitavada. Estas constru(,{fJes assentam, como e natural, sobre funda(,{fJes ou sobre qualquer troc;o de constru(,{ao. A -- -~-~- -- - fi;'J:!<:u P41r~r NAd4r Itnp4rt't.f ~~ I ~ I i I I I I ! ._-- .- '---- ---- - .- --_.- ._-~ - I i J=r1 ~ Ji I I FtA4'U ;>tIII"" Ft4dzr~ - ,-.-._. B ~-.----- Fig. 29.-LIGAQOES DE PAREDES DE T1JOLO A - .Paredes de 2 vezes; B - Paredes de 2 e 1 l1z ~ (Aparelho de ,istema flamengo)
  15. 15. .A pozolana que e uma terra vulcanica e que por isso ~' :e encontra nas montanhas onde existem ou tenham 2 0: 'do ulcoes, deve 0 sen nome a Pouzzoles, locali-e dos arredores de l'apoles, na vizinhanc;a do Vesu- :0. de onde se extraem grandes quantidades . .A pozolana e geralmente constituida por silica, alu- . io e pir6xido de ferro. Kunca e utilizada em natural. _ 3ra ser empregada adiciona-se-lhe, conforme 0 volume -0 nabalho, quantidades calculadas de magnesia, cal e :6dio ou potassa. Como as necessidades industriais deste produto eram erandes, fabricavam-se tambem pozolanas artificiais constituidas por varias substancias, tendo como base a _ilica. e 0 aluruinio. Com 0 desenvolvimento da industria dos cimentos, 0 emprego da pozolana quase que desapareceu pOI' com-pI to nalguns paiflso Obtem-se uma pozolana artificial, de n'gular quali-dade, muito propria para grandes maciGos, calcinando calciJ.reos que contenham de 57 a 84 partes de argila or 43 a 10 de carbonato de cal, a que se junta, depois de perfeita pulverizac;ao, urn pouco de cal gorda. Esta pozolana assim obtida, e muito econ6mica e 0 seu endurecimellto muito rapido. I I ~=r~ ~l -' ~ .30.- PILARES QUADRADOS DE TIJOLO -".- Pila?" de 2 vezes j B-G - Pilares de 1 11z vezes; D - Pilar de 1vez cimentos artificiais sao obtidos da calcinac;ao e pul,eriza~ao de pedras calcareas a grandes tem-as. cimento natural e 0 de Portland, na Inglaterra, - r bricam-se em quase todos os paises bons cimen- ~ _ --a alvenarias e betao armado. =- = i..:nentos classificam-se pelas suas qualidades, que _ presa rapida, de presa lenta e de presa media. ~ _po 0 endurece em alguns minutos e 0 segundo a 18 horas em imersao. o de presa lenta de certas proveniencias, ,ezes com alguma rapidez. = Fig. 8t. - PILARES REGTANGULARES DE TIJOLO A - Pilar de 2 vezes; B - Pilar de 2 vezes por 2 1/: ve:u' G - Pilm' de 1vez por 111z vezes; D - Pila?' de 1ve= Para 0 betao 0 cimento mais apropriado e 0 de presa media, porque durante a sua ceSrLOha 0 tempo neces.a-rio, para se .iuntarem as camadas que formam 0 todo da obra. em perfeita Jiga<;ao. Para trabalhos hidraulicos 0 cimento indicado e 0 de presa rapida. As cores pr6prias dos cimpntos vao do amarelado ao cinzento e ao escuro, quase negro. 0 rnelhor cimento e aquele que depois de 120 horas de imers~w, resiste a uma pressao de 20 quilos porI centimetro cubico. Os cimentos de fabrica<;ao nacional silo classificado de hOIl qualidade para todos os generos de trabalhos: quer de alvenaria, de betao ou de betao armado. Os cimentos brancos san em geral destinados a para-mentos que fieam it vista, como guarnecimento pr6prio. Fig. 32.- PILARES DE ALVElVABU Em baixo: Plantas; Em cima: A~
  16. 16. : areia para a construc;ao de alvenaria deve ser pura, .•. de grao seeo, anguloso e 3.spero, eisenta de terra e ou ras materias. ..1 areia para a argamassa de alvenaria vulgar deve se de grao medio, e para a argamassa de tijolo e de edra aparelhada de grao fino. A areia quartzoza e siliciosa e a melhor para as boas gamassas. .dS areias salgadas e argilosas nao devem ser empre-adas na confec<;;aode qualquer argamassa. ..1 classifica<;;ao das areias a feita do seguinte modo: areia dR grao fino a que passa no crivo de 1/2 milimetro; a de grao medio a que passa no crivo de 2 milimetros e fica no de 1/2, e a de grao grosso a que passa no crivo de 5 milimetros e fica no de 2. EM algumas regi5es onde a boa areia escasseia, em-prega- se na confel'<;;aoda argamassa 0 saibro, espa-cie de terra mais ou menos engranitada. Para a argamassa destinada a alvenaria ordinaria, aceita-se urn saibro de grao medio e limpo de materias e tranbas, quaisquer que sejam. .a construc;ao de formig<ies emprega-se, de preferen-cia, urn saibro argiloso quando a brita e siliciosa, e utilisa-se um saibro silicioso e aspero se a brita a cal-carea. pARA a confec<;;ao de argamassas os melhores tra<;;os SaD aqueles que vamos indicar: Para funda~oes: 1 volume de cal hidrimlica para 3 de areia; 1 de cal gorda em p6 para 2 de areia; 1 de cimento para 4, 5 ou 6 de areia. Para eleva~ao: 1 volume de cal gorda em p6 para 2 de areia; 1 de cimento para 5, 6 ou 7 de areia. Para betao: 1 volume de cimento, 3 de areia e 6 de bri a; 1 de cimento, 2 de areia e 4 de brita; 2 de ci-ento, 5 de areia e 10 de brita. Para betao armaqo: Temos 0 tra<;;o normal de 300 onilos de eimento, 400 litros de areia, bOO litros de - "a e 200 litros de agua. Outros tra~os de argamassa: Argamassas de cal em po areia : Tra~o de 1 : 1 em volume - 0,75U m5 de caI. 0,750 m3 a areia, 4501 de lIgua. I. cu;o de 1 : 2 - 0,500 m3 de cal, 1,000 m3 de areia, de lIgua. Trat;o de 1 : 3 - 0,330 m3 de cal, 1,000 m5 de areia, de agua. Tr ~o de 1 : 4 - 0,250 m5 de cal, 1,000 m3 de areia, 1 de ligna. Tra~o de 2 : 3 - 0,600 m3 de cal, 0,900 m3 de areia, 360 I de agua. Trar;o de 2 : 5 - 0,400 m3 de cal, 1,000 m3 de areia, 240 1 de lIgua. Argamassas de cimento e areia: Trar;o de 1: 1 em volume - 814 kg de cimento, 0,740 m5 de areia, 3201 de ligua. (Presa rapida). Trar;o 1 : 2 - 604 kg de cimento, 0,840 m5 de areia, 320 1 de agua. Trar;o de 1 : 3 - 400 kg de cimento, 1,000 m5 de areia. 260 1 de agua . Trar;o de 1: 4 - 318 kg de cimento, 1,060 m3 de areia, 253 1 de agua . Argamassas de pozolana e cal comum: Trar;o de 4: 1 - 1,280 m3 de pozolana, 0,320 m5 de cal em po e agua a que baste. (Al'gamassa pl'6pria para obras imersas em agua doce). Trar;u de 3 : 1 - 1.200 m5 de pozolana, 0,400 m5 de cal em p6 e agua a que baste. Trar;o de 2: 1 : 1 - O,~OOm3 de pozolana, 0,400 m5 de areia, 0,400 m5 de cal em p6 e ligua a que baste. (Esta argamassa e mUl~to boa pa1'a ?'ebocos impermeCtVeis). Alem destes tra<;;os aqui indicados muitos outros se podem empregar, quer seJa.m de acordo com as calculos de resistfincia, quer sejam os que a pratica aconselha. No entanto cremos que para eonstruc;<ies vulgares bastam os que citamos. Para obrss de grande categoria os calculos indispensaveis, indicarao os tra<;os a que devem obedecer as constitui<;;<iesdas argamassas. A amassadura das argamassas deve ser muito bem feita, para que a liga<;ao dos seus elementos seja per-feita. Em todas as argamassas e nociva a introdu<;;ao de matarias estranhas. 0 amassadouro e as suas proximi-dades devem conservar-se permanentemente limpos. Com 0 cimento e a agua deve ter-se urn grande cui-dado; 0 cimento deve conservar-se abrigado, par'a nao sofrer alterac;oes que the preJ udicam as qualidades e podeni estragar-se. ANOTA90ES AS paredes de alvenaria de pedra e argamassa tern a espessura que os projectos estabeleC'em, qualque que ela seja, a partir, pelo menos de om,35. Na boa alvenaria de tijolo nao devem aplicar-se boca, dos desse material, nem nas paredes de pedras $e de,em aplicar em grande quantidade pequenos fragmentos. Numa alvenaria mista, de pedras irregulares e tijolo::. tt)m cabimento todos os bocados ou fragmentos de pe-dras e de tijolos. As boas ahenarias vulgm'es (Fig. 1) constituidas pedras e argamassa, necessitam de pedras grandes p - o seu macic;o. Para 0 sen travamento e convenie _ dispor alguns blocos de dimens5es apropriadas, ao vez da parede. Nestas alvenarias e tambem comum facetarem-~2 toscamente, a claro, as pedras que ficam na face :! paramentos (*).

×