Museu: do real ao virtual   II Encontro de Museus Portugal – Espanha           Braga, 18 de Janeiro 2011          Suzana F...
Do real…Entidade privada sem finslucrativos tem como missão apromoção e compreensão dosignificado do papeldesempenhado pel...
Oferta cultural do Museutem subjacente as suastemáticas para a concepçãodas exposições(permanentes, temporárias eitinerant...
Exposição PermanenteComunicação do Conhecimento e da Imaginação
Exposição Permanente                “Metamorfose de um                Lugar: Museu das                Alfândegas”         ...
Constitui orientação permanente da acção doMTC a acessibilidade do seu espaço e dassuas propostas, entendida em primeiro l...
Para o virtual…Imagem retirada de: www.appapeal.com
Web 2.0 | características• Plataformas colaborativas• Interface intuitivos e fáceis de trabalhar• Sucesso depende do n.º d...
De que falamos…
Falamos de…• Mudar o paradigma de comunicação dos  Museus• Disponibilizar ferramentas que se baseiem  nesta filosofia inte...
Uso de canais decomunicação que ajudem napartilha de conhecimento |informação                             Imagem retirada ...
Difundir informação e melhorar oconhecimento dos utilizadores edo uso dos recursos disponíveis                            ...
Compreender o impacto que asdiferentes tipologias deferramentas da web 2.0 têm naactividade do Museu (interno eexterno)   ...
+ comunicação+ colaboração+ construção de comunidadeson-line                              Imagem retirada de: www.bligoo.c...
 conhecimento e promoçãodas boas práticas alerta para os desafios daconstrução do Museu 2.0                             ...
Desafios da web 2.0 | Museus…• Criação de sistemas integrados de  informação virtuais• Copyright e propriedade intelectual...
Desafios da web 2.0 | Museus…• Criação de exposições interactivas• Alargar a acção educativa e impacto dos seus  programas...
Opções…  Imagem retirada de: http://www.flickr.com/photos/25728227@N07/2419149202/lightbox/
Opções…• Redes sociais on-line (My Space, Twitter  e Facebook) e a 3D (Second live)                        Dados estatísti...
Dados estatísticos (Maio 2010)2153 contactos em rede | 43 Museus nac. | 60 bibliotecas nac.| (etc.)
Dados estatísticos52 tweets | segue 400 páginas | 46 seguidores | indexado em 2 listas (temática Museus)
Opções…• Partilha de recursos  – video (Youtube)  – Organização, partilha de fotografias (Flickr)• social-bookmarking (Del...
Dados estatísticos7119 visitas ao blog desde Nov. 2007
Comunicação…
ObrigadaSuzana Faro | Paula MouraMuseu dos Transportes e ComunicaçõesRua Nova da Alfândega | Ed. AlfândegaTel. 22 340 30 0...
Museu realvirtual.mtc.braga.jan.2011 1
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Museu realvirtual.mtc.braga.jan.2011 1

242 visualizações

Publicada em

A presença dos museus no universo da Web 2.0 obriga a uma mudança de paradigma, da conceptualização dos modelos de comunicação e disseminação de informação do museu para o exterior, na medida em que, não basta utilizar as novas ferramentas de comunicação on-line para se afirmar… que o Museu está na Web 2.0.
Definir objectivos, traçar estratégias, integrar, avaliar, reestruturar o modelo de comunicação do Museu assumem-se como missivas a ser alcançadas, de forma a melhor corresponder às novas exigências e necessidades do seu público, por um lado, e cumprir com a sua missão, por outro.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
242
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Apesar resumidamente o objectivo desta exposição e proveniência do acervo (parcerias)
  • Explicar resumidamente esta exposição / núcleos / possibilidades de renovação
  • Apresentação sucinta das colecções museológica e documental Valor associado às colecções Justificação
  • Permitir acesso Comunicar as colecções Projecto Europeana permite criar mais uma rede de comunicação das colecções do Museu e partilhá-lá via web – acesso aos conteúdos de forma integrada e contextualizada – divulgação do património português
  • A sociedade de informação associada à revolução do digital potenciou o desenvolvimentos das tecnologias de informação e comunicação, alterando de forma profunda os hábitos das sociedades, estreitando as ligações nesta “aldeia global”. Aqui, a Internet assume um relevo excepcional na medida em que, esbate as fronteiras do espaço e do tempo, levando-nos aos acontecimentos em directo, àquilo que denominamos de “realidade virtual”. A vantagem trazida pela Internet e pelo recurso às tecnologias de informação e comunicação veio acelerar todos os processos de transformação, na medida em que, evidenciou novas formas de trabalho, e outras de disseminação da informação, através do digital. O desafio é como aproveitar o digital para facilitar a forma de comunicar, produzir, distribuir e aceder à informação. Torna-se assim, cada vez mais importante que as organizações culturais marquem a sua presença no mundo digital, em REDE, uma vez que a internet revela-se muitas vezes a primeira fonte de informação a ser consultada.
  • A web 2.0, comummente designada, veio possibilitar uma relação mais directa e interactiva do utilizador em relação à mesma. Aqui, não pretendemos apresentar as dicotomias em torno da conceptualização do termo web 2.0, encarando esta como uma evolução tecnológica positiva, na medida em que, potencia uma maior participação, colaboração do utilizador, uma vez que as ferramentas disponíveis permitem de forma fácil, intuitiva e, na sua maioria, gratuita que se possa criar, gerir, partilhar, organizar informação nossa ou contribuir em informação criada por outros.
  • Neste sentido, o Museus não podem ficar à margem das vantagens e das exigências que advêm destas mudanças… Quando se fala dos Museus e da Web 2.0, surgem um sem fim de conceitos, ideias, palavras… que urgem organizar e estruturar… pois não basta apenas ESTAR… e ir de encontro às novas tendências das TIC, mas A presença dos museus no universo da Web 2.0 obriga a uma mudança de paradigma, da conceptualização dos modelos de comunicação e disseminação de informação do museu para o exterior, na medida em que, não basta utilizar as novas ferramentas de comunicação on-line para se afirmar… que o Museu está na Web 2.0. Definir objectivos, traçar estratégias, integrar, avaliar, reestruturar o modelo de comunicação do Museu assumem-se como missivas a ser alcançadas, de forma a melhor corresponder às novas exigências e necessidades do seu público, por um lado, e cumprir com a sua missão, por outro.
  • O estabelecimento de procedimentos internos e o uso de normas para o tratamento, acesso e disponibilização da informação, através do recurso às tecnologias consideram-se princípios estruturantes na organização e gestão das colecções dos museus. Estes representam uma mais-valia no processo normalização e padronização a nível global, permitindo não só uma maior agilização de todo o processo de documentação em Museus, mas também a comunicação e intercâmbio de informação com instituições congéneres, facilitando acesso à informação via digital ao utilizador final.
  • As ferramentas da web. 2.0 permitem que o Museu chegue mais rápido, mais longe e a um maior número de pessoas. O uso destas ferramentas pode funcionar como um excelente meio de comunicação para divulgar toda a oferta cultural do Museu (actividades SEA | exposições | comemorações | outros), a partir do próprio sítio web, estabelecendo a ponte com outras aplicações à qual instituição esteja ligada e, lhe permita estabelecer uma “rede” dentro do leque de plataformas nas quais participa, alimentando quase que de forma automática a informação. A redundância de informação, neste caso, funcionará como motor de divulgação, na medida em que, aumenta a probabilidade de um maior n.º de pessoas pertencentes à comunidade tenham acesso à informação e, elas próprias, a partir daqui, partilhem, criem, comentem… criando nova informação em circuito digital… O MTC neste momento, ainda que de forma embrionária, após algumas opções feitas dentro das ferramentas web 2.0 disponíveis, e da respectiva análise e pertinência das mesmas, encontra-se na altura ideal de avaliar de forma mais criteriosa o impacto da nossa presença na web 2.0. Aqui teremos de avaliar que instrumentos e meios a usar para obtenção dos dados e informação que pretendemos. Não serão questões fáceis de abordar uma vez que nós, enquanto utilizadores e produtores na web 2.0 temos igualmente formas mais ou menos activas de interagir… … colocação de “desafios” on-line remetendo para as nossas colecções? Disponibilização de inquéritos on-line, via FB? Uso das ferramentas da google analytics? No entanto, sempre consciente de algumas condicionantes que têm vindo a ser colmatadas, principalmente na criação de condições essenciais para o exercício das actividades - hardware e software – outras que envolvem investimentos mais avultados, para os quais o Museu através de apoios (QREN, POC, RPM) tem apresentado projectos, como por exemplo – SITE AMTC Quer o Museu avançar com novas formas de comunicar no digital com o seu público, quer o Museu potenciar o conhecimento das suas colecções de forma inovadora e interactiva, quer o Museu estender a sua rede de contactos, quer o Museu aumentar a fruição das suas colecções em ambiente físico (presencial) mas igualmente no ambiente digital, quer o Museu ser um Museu de referência …
  • Apresentação do perfil: Formas de organização da informação Contactos (criação de listas – museus nac.; museus estrangeiros; bibliotecas nac.; bib. Estrangeiras; arquivos, individuais, comunicação social, etc.) Informação sobre as exposições e eventos (criação de álbuns de fotografias por exposição, serviços, actividades; criação de notas com informação mais detalhada sobre exposições, serviços, actividades) Dados estatísticos
  • Opção pelo twitter Informação curta e rápida – ligação FB – actualização instantânea – redundância de informação Resulta na divulgação imediata de coisas que estão a acontecer no momento (montagem de exposição, inauguração – descrição da sua evolução, actividades SEA, comentários no decorrer da de um seminário, encontro, por exe. este (a partir do twitter do MTC podemos actualizar com informação pertinente que aqui esteja a ser dita e automaticamente ela está a ser acompanhada por outros via digital – twitter ou FB Análise dos dados Actualização pode ser automática – via blogue
  • Ligação – FB e twitter Instalação de gadgets que permitem_ RSS feeds Tradução (via google translate) Partilha para outras ferramentas da web 2.0 do blogue Partilha do post de igual forma Pesquisa no blogue por assuntos | ano | mês | dia (arquivo de informação) Actualização do twitter (qual os últimos 3 twittes) Actualização do FB e respectivo perfil Criação de uma rede via FB (networkedblogs) Seguidores via google friend connect Localização dos visitantes N.º de visitas Sites de interesse Blogues de interesse
  • Site AMTC – local de informação mais detalhada sobre o Museu e a instituição que a tutela Necessita de urgente actualização Tem visita virtual, mas necessita actualização (1999) Mancha de colocação de texto muito diminuta – definições e resolução de sites para o ecrâns da época em que foi feito 2004 sobre actualização – dando autonomia ao MTC para fazer as actualizações – Candidatura RPM (anteriormente estava em flash) 2010 apresentada candidatura à RPM para criação de um novo sítio web para o Museu com uma nova estrutura, nova forma de apresentação e comunicação, que corresponda às necessidades da Era Digital em que vivemos – aguardamos decisão da RPM | IMC Blogue – actualização sempre que existem notícias do MTC – formato newsletter, texto + imagens + filme animado de imagens de eventos decorridos no MTC (noite dos museus + dia int. dos museus, alfandega um porto de natal, etc…) A partir daqui alimentamos o FB e o Twitter Twitter – está ligado ao FB – faz novamente a actualização do conteudo Como o blog está igualmente conectado com o FB, via networked blogs, este assim que detecta a actualização ao blog publica de forma automátiva no perfil do FB do MTC A ferramenta slideshare permite partilhar comunicações como esta que aqui estamos a apresentar agora, ficando igualmente disponíveis via FB – uma vez esta plataforma consegue agregar uma série de aplicações e publicar informação actualizada que colocamos nas mesmas.
  • Museu realvirtual.mtc.braga.jan.2011 1

    1. 1. Museu: do real ao virtual II Encontro de Museus Portugal – Espanha Braga, 18 de Janeiro 2011 Suzana Faro | Paula MouraMuseu dos Transportes e Comunicações Edifício da Alfândega do Porto
    2. 2. Do real…Entidade privada sem finslucrativos tem como missão apromoção e compreensão dosignificado do papeldesempenhado pelostransportes ecomunicações na sociedadee, a valorização da memóriado lugar – Edifício daAlfândega Nova do Porto.
    3. 3. Oferta cultural do Museutem subjacente as suastemáticas para a concepçãodas exposições(permanentes, temporárias eitinerantes) e para a criaçãode actividades ludico-pedagógicas quecomplementam o processode “comunicação” doMuseu…Exposição PermanenteO Automóvel no Espaço eno Tempo
    4. 4. Exposição PermanenteComunicação do Conhecimento e da Imaginação
    5. 5. Exposição Permanente “Metamorfose de um Lugar: Museu das Alfândegas” “Esta exposição ocupa um espaço nobre do corpo central do edifício, com forte ligação visual ao Douro que corre a seus pés, invadido pelo aroma dos velhos manuscritos e pela memória dos gestos da azáfama aduaneira de outrora”.Biblioteca daAlfândegaEspaços igualmente integrados num projectode renovação e requalificação da antigabiblioteca da Alfândega.
    6. 6. Constitui orientação permanente da acção doMTC a acessibilidade do seu espaço e dassuas propostas, entendida em primeiro lugar comouma atitude que promova a igual oportunidade deacesso quer no seu contexto físico , quer noprojecto de comunicação que desenvolve(ao (a nível cognitivo, mas também afectivo), querainda na qualidade do seu acolhimento .
    7. 7. Para o virtual…Imagem retirada de: www.appapeal.com
    8. 8. Web 2.0 | características• Plataformas colaborativas• Interface intuitivos e fáceis de trabalhar• Sucesso depende do n.º de utilizadores• Gratuitidade da maior parte dos sistemas• Facilidade de armazenamento• Cidadão como consumidor e produtor de informação• Promoção e desenvolvimento de comunidades virtuais (…)
    9. 9. De que falamos…
    10. 10. Falamos de…• Mudar o paradigma de comunicação dos Museus• Disponibilizar ferramentas que se baseiem nesta filosofia interactiva• Permitir que o utilizador gere, publique conteúdos nos domínios web do Museu• Avaliar o sucesso das iniciativas
    11. 11. Uso de canais decomunicação que ajudem napartilha de conhecimento |informação Imagem retirada de: http://iconexpo.com Falamos de definir estratégia…
    12. 12. Difundir informação e melhorar oconhecimento dos utilizadores edo uso dos recursos disponíveis Imagem retirada de: http://blog.adilsonbraun.com Falamos de definir estratégia…
    13. 13. Compreender o impacto que asdiferentes tipologias deferramentas da web 2.0 têm naactividade do Museu (interno eexterno) Imagem retirada de: http://members.more.net Falamos de definir estratégia…
    14. 14. + comunicação+ colaboração+ construção de comunidadeson-line Imagem retirada de: www.bligoo.com Falamos de definir estratégia…
    15. 15.  conhecimento e promoçãodas boas práticas alerta para os desafios daconstrução do Museu 2.0 Imagem retirada de: www.nbbsi.com Falamos de definir estratégia…
    16. 16. Desafios da web 2.0 | Museus…• Criação de sistemas integrados de informação virtuais• Copyright e propriedade intelectual• Facilitar a documentação e descrição das colecções museológicas• Comunicação e partilha de registos on- line com outras instituições – interoperabilidade
    17. 17. Desafios da web 2.0 | Museus…• Criação de exposições interactivas• Alargar a acção educativa e impacto dos seus programas para comunicar as colecções | exposições• Ir de encontro às necessidades dos utilizadores• Avaliar a pertinência do uso das ferramentas• Análise do comportamento dos utilizadores quer através dos recursos on-line, quer presencial
    18. 18. Opções… Imagem retirada de: http://www.flickr.com/photos/25728227@N07/2419149202/lightbox/
    19. 19. Opções…• Redes sociais on-line (My Space, Twitter e Facebook) e a 3D (Second live) Dados estatísticos web Facebook 200,000,000 – number of active users Twitter 1,111,991,000 – number of Tweets to date Fonte - http://thefuturebuzz.com/2009/01/12/social-media- web-20-internet-numbers-stats/
    20. 20. Dados estatísticos (Maio 2010)2153 contactos em rede | 43 Museus nac. | 60 bibliotecas nac.| (etc.)
    21. 21. Dados estatísticos52 tweets | segue 400 páginas | 46 seguidores | indexado em 2 listas (temática Museus)
    22. 22. Opções…• Partilha de recursos – video (Youtube) – Organização, partilha de fotografias (Flickr)• social-bookmarking (Delicious, Wikis, blogues, Podcasts, RSS feeds) Dados estatísticos web 133,000,000 – number of blogs indexed since 2002 Fonte - http://thefuturebuzz.com/2009/01/12/social- media-web-20-internet-numbers-stats/
    23. 23. Dados estatísticos7119 visitas ao blog desde Nov. 2007
    24. 24. Comunicação…
    25. 25. ObrigadaSuzana Faro | Paula MouraMuseu dos Transportes e ComunicaçõesRua Nova da Alfândega | Ed. AlfândegaTel. 22 340 30 00 | Fax. 22 340 30 98 Créditoswww.amtc.pt Fotográficos: Arquivo AMTCmuseu@amtc.pt António ChavesVisite-nos ainda – Ivo Canelashttp://museutransportescomunicacoes.blogspot.com Luís Ferreira Alves Rui Pinheiro

    ×