XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (Enancib 2013)
GT 7: Produção e Comunicação da Informação em CT...
desse setor; e a necessidade de iniciar pesquisa na área para verificar o panorama atual da
publicação jurídica em periódi...
A partir dessas constatações, conhecer as motivações dos principais atores desse
processo é fundamental para esta pesquisa...
O Departamento de Direito Público foi o que teve maior representatividade: 9 (53%)
docentes participaram da pesquisa. Do D...
Facilidade advinda do fato de integrar Conselho
Editorial de revistas científicas
3
(17%)
0
7
(41%)
4
(23%)
2
(11%)
1
(5%)...
trabalha num regime de 40 horas com dedicação exclusiva é bem mais fácil envolver-se em
atividades de pesquisa.
Outras dif...
REFERÊNCIAS
ADAMI, Anderson; MARCHIORI, Patrícia Zeni. Autoria e leitura de artigos por docentes
pesquisadores: motivações...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Motivação dos docentes do Setor de Ciências Jurídicas da UFPR para publicar em periódicos científicos

1.889 visualizações

Publicada em

Artigo submetido ao XIV ENANCIB 2013.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.889
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.363
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Motivação dos docentes do Setor de Ciências Jurídicas da UFPR para publicar em periódicos científicos

  1. 1. XIV Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (Enancib 2013) GT 7: Produção e Comunicação da Informação em CT&I MOTIVAÇÃO DOS DOCENTES DO SETOR DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PARA PUBLICAR EM PERIÓDICOS CIENTÍFICOS Modalidade de apresentação: pôster RESUMO Verifica as motivações dos docentes do Setor de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Paraná para publicar em periódicos científicos. Descreve a importância da produção e comunicação científica no âmbito das universidades públicas. Aponta como motivação mais importante para os docentes a oportunidade de disseminar informações e conhecimentos. Outras motivações citadas com destaque são: a possibilidade de contribuir com fontes de informação para novas pesquisas, o reconhecimento acadêmico advindo da produção intelectual e/ou científica e a oportunidade de submeter a produção intelectual à revisão e avaliação dos pares. Palavras-chave: Motivação e produção científica. Produção científica e Direito. Comunicação científica. Docentes. Periódicos Científicos. 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento do conhecimento científico tem início com um problema de pesquisa que, a depender da complexidade, pode ser estudado por um único pesquisador ou por um grupo. A partir do problema, surgem inúmeros questionamentos que podem ser respondidos por pesquisas teóricas ou empíricas. Fato é que, ao realizar uma pesquisa, o pesquisador está cumprindo seu papel como produtor de ciência da sua área e, por fim, precisa comunicar a sua comunidade os resultados encontrados. A universidade tem importante papel nesse processo, pois se espera que o conhecimento de ponta, aquele recém-descoberto, seja revelado em grande parte na academia. Por isso, entre suas três principais áreas de atuação está a pesquisa (ensino, pesquisa e extensão). Nesse contexto, o docente tem papel fundamental: é ele o ator principal do processo de produção científica; ele é, ou deveria ser, o pesquisador por natureza. Tendo em vista o papel da universidade e a necessidade dos docentes se envolverem no processo de produção e comunicação científica, esta pesquisa se propõe a verificar as motivações dos docentes do Setor de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR) para publicar em periódicos científicos. O Setor de Ciências Jurídicas da UFPR foi escolhido por dois fatores: a autora trabalhar na biblioteca que é apoio para as atividades
  2. 2. desse setor; e a necessidade de iniciar pesquisa na área para verificar o panorama atual da publicação jurídica em periódicos, tendo em vista que até recentemente, a produção científica em livros era a mais expressiva. 2 PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM DIREITO A divulgação das pesquisas científicas e a sua validação pelos pares é necessária para que seja considerado insumo para a geração de novo conhecimento ou enriquecimento do existente. Apenas tomando conhecimento da produção científica e acadêmica em qualquer suporte é possível conhecer o que tem sido pesquisado e como essas pesquisas podem influenciar o meio científico. (FUJINO et al., 2007). Da mesma forma, Adami e Marchiori (2005, p.73) entendem “[...] que a validade de um novo conhecimento científico está atrelada a sua submissão à comunidade científica, cujos participantes (pares) julgam as contribuições apresentadas, criando uma condição consensual que atesta a sua confiabilidade”. Além disso, afirmam que a comunicação é o principal modo que os cientistas têm para reivindicar a legitimidade e credibilidade de sua produção. Muller (2007, p. 128) afirma que “a publicação, como pode ser visto, é essencial ao processo da geração e certificação do conhecimento científico. [...] Sem publicação não há certificação”. Seguindo este pensamento, pode-se afirmar que não basta produzir ciência, é necessário documentar, comunicar e divulgar o que é produzido e dessa forma alcançar a aceitação e credibilidade necessária. Granja (1995) cita as universidades e os institutos de pesquisa como organizações criadas especialmente para desenvolver, induzir e favorecer as mudanças constantes na sociedade, por meio da produção e comunicação científica. Diz que elas chegam à inovação porque procuram soluções para os desafios postos. Sob outro ponto de vista, Meadows (1999) afirma que os cientistas e pesquisadores representam os principais envolvidos com comunicação científica e, geralmente, são docentes de universidades públicas. Entretanto, eles dificilmente voltam o olhar para si mesmo enquanto atores de um complexo processo de comunicação. Adami e Marchiori (2005, p. 74) dizem que “a comunicação científica em si parece não representar objeto de interesse dos pesquisadores e docentes universitários, configurando-se mais como um exercício correspondente a uma prática aprendida à medida que avançam em suas carreiras”.
  3. 3. A partir dessas constatações, conhecer as motivações dos principais atores desse processo é fundamental para esta pesquisa, que se propõe a ser a primeira relacionada à produção científica na área das Ciências Jurídicas no Brasil. 3 TRAJETÓRIA METODOLÓGICA A pesquisa se caracteriza como exploratória, tendo em vista que pretende conhecer um campo pouco explorado nos estudos de comunicação científica em Direito. Também é descritiva e quantitativa, porque apresenta as características da população estudada a partir do levantamento de dados por meio do questionário eletrônico, utilizado como instrumento de coleta de dados. O questionário eletrônico foi constituído de dezesseis questões: seis de múltipla escolha, três abertas e sete delas nas quais foram diluídas em itens as motivações e dificuldades. Nestas, o respondente deveria indicar seu grau de concordância/importância por meio da Escala Likert de cinco pontos - onde 0 é considerado menos importante e 5, mais importante. O questionário foi formulado a partir dos 14 itens motivacionais propostos por Ferreira, Marchiori e Cristofoli (2005) quando identificaram as motivações dos pesquisadores das áreas de Ciência da Comunicação e Ciência da Informação. Os dados estão apresentados em quatro categorias motivacionais estabelecidas na pesquisa de Marchiori e Adami (2006), com destaque para as motivações consideradas mais importantes (pontuação 5 na Escala Likert) pelos respondentes para a análise dos dados. A população selecionada para este estudo foi a dos docentes do Setor de Ciências Jurídicas da UFPR, formada por 79 docentes. Os questionários foram enviados por e-mail para todos os docentes. Uma semana antes da finalização da pesquisa, o questionário foi enviado novamente para os que ainda não haviam respondido. Eles tiveram mais 4 dias para responder. Foi obtido um total de 17 respostas, o que representa 21,5% da população. 4 RESULTADOS E DISCUSSÕES Inicialmente, cabe traçar o perfil dos docentes que participaram da pesquisa. Entre os respondentes, 12 (71%) tem como nível máximo de formação o doutorado; 3 (18%) estão finalizando o doutorado; e 2 (12%) já completaram o pós-doutorado. A maioria deles, 9 docentes (53%), trabalha no regime de 20 horas semanais; 5 (29%) estão no regime de 40 horas; e 3 (18%), além do regime de 40 horas, também tem dedicação exclusiva.
  4. 4. O Departamento de Direito Público foi o que teve maior representatividade: 9 (53%) docentes participaram da pesquisa. Do Departamento de Direito Privado foram 4 (24%) respondentes; Direito Civil e Processual Civil, apenas 3 (18%); Núcleo de Prática Jurídica, 1 (6%); e o Departamento de Direito Penal e Processual Penal não foi representado por nenhum docente. A maioria desses professores, 16 docentes (94%), coordena ou faz parte de algum grupo de pesquisa. Tendo em vista que a pesquisa faz parte do tripé que mantém a universidade viva - ensino, pesquisa e extensão -, os docentes foram questionados quanto à participação em grupos de pesquisa. Sabe-se que, nesse contexto, o professor universitário precisa, de alguma forma, estar ligado à pesquisa para que permaneça nesse tipo de instituição, especialmente, na pós-graduação. A primeira pergunta direcionada à publicação científica referia-se ao tipo de revistas em que os docentes costumam publicar. Entre eles, 12 (71%) afirmaram publicar em revistas tradicionais e revistas de acesso livre; 2 (12%) publicam apenas em revistas tradicionais; e 3 (18%) apenas em revistas de acesso livre. Dos docentes pesquisados, 15 (88%) já publicaram em revistas de acesso livre, o que deixa claro que, mesmo nas áreas mais tradicionais, caso do Direito, o Acesso Livre vem ganhando espaço a cada dia. Nessa pesquisa o artigo científico recebeu 10 (59%) indicações na pontuação 5 da Escala Likert, consolidando-se, nesta pesquisa, como o meio de divulgação com maior grau de importância para os docentes pesquisados. O livro, por sua vez, foi indicado por 8 (47%) pessoas como o mais importante meio de divulgação científica. O capítulo de livro recebeu 7 (41%) indicações no ponto 3 e 5 (29%) no ponto 4 da escala. No Quadro 1 abaixo são indicadas as respostas dos docentes com relação às motivações para publicar em revistas científicas. Essas motivações se dividem em: científico- profissionais, financeiras/de recompensa, pessoais e tecnológicas. Quadro 1 – Motivação dos docentes do Setor de Ciências Jurídicas da UFPR para publicar em revistas científicas * CATEGORIAS DE MOTIVAÇÕES ESCALA LIKERT CIENTÍFICO-PROFISSIONAIS 0 1 2 3 4 5 Oportunidade de disseminar informações e conhecimentos 0 0 0 0 4 (24%) 13 (76%) Possibilidade de contribuir com fontes de informação para novas pesquisas. 0 0 0 2 (11%) 6 (35%) 9 (53%) Oportunidade de submeter a produção intelectual à revisão e avaliação dos pares 0 0 2 (11%) 3 (17%) 4 (23%) 8 (47%) Oportunidade de escrever e publicar artigos em colaboração com outros pesquisadores 0 0 3 (17%) 6 (35%) 2 (11%) 6 (35%) FINANCEIRAS/DE RECOMPENSAS 0 1 2 3 4 5 Influência do sistema de recompensa associado à carreira universitária 3 (17%) 0 1 (5%) 8 (47%) 2 (11%) 3 (17%)
  5. 5. Facilidade advinda do fato de integrar Conselho Editorial de revistas científicas 3 (17%) 0 7 (41%) 4 (23%) 2 (11%) 1 (5%) Participação em programas de pós-graduação stricto sensu 2 (11%) 0 0 5 (29%) 3 (17%) 7 (41%) PESSOAIS 0 1 2 3 4 5 Prestígio profissional proporcionado aos autores 1 (5%) 0 2 (11%) 3 (17%) 6 (35%) 5 (29%) Reconhecimento acadêmico advindo da produção intelectual e/ou científica. 0 0 2 (11%) 2 (11%) 4 (23%) 9 (53%) Possibilidade de ser citado pelos pares 2 (11%) 0 0 4 (23%) 4 (23%) 7 (41%) Oportunidade de assegurar a prioridade de descobertas e estabelecer a propriedade intelectual. 3 (17%) 0 5 (29%) 4 (23%) 4 (23%) 1 (5%) TECNOLÓGICAS 0 1 2 3 4 5 Facilidade associada ao ambiente da internet, o qual imprime agilidade ao processo de submissão, de publicação e de disseminação de artigos. 1 (5%) 0 1 (5%) 4 (23%) 7 (41%) 4 (23%) Revistas impressas: respeitado o tempo para a avaliação por pares. 0 0 0 6 (35%) 6 (35%) 5 (29%) Revistas eletrônicas: rapidez na publicação, respeitado o tempo para avaliação por pares. 0 0 2 (11%) 6 (35%) 6 (35%) 3 (17%) *Porcentagem arredondada. Observa-se no Quadro 1 que a oportunidade de disseminar informações e conhecimentos é a motivação mais importante para os docentes do Setor de Ciências Jurídicas da UFPR, com 13 (76%) indicações. A possibilidade de contribuir com fontes de informação para novas pesquisas e o reconhecimento acadêmico advindo da produção intelectual e/ou científica são as duas motivações mais indicadas em segundo lugar, com 9 indicações (53%) cada. Em terceiro lugar, com 8 (47%) indicações, está a oportunidade de submeter a produção intelectual à revisão e avaliação dos pares. Na categoria de motivação financeiras/de recompensa, a mais indicada foi a participação em programas de pós-graduação stricto sensu. Acredita-se que essas indicações tem relação direta com o método de avaliação dos programas de pós-graduação, onde boa parte da pontuação do programa é dada conforme o número de publicações dos docentes, bem como pelas revistas em que publicam (observando o Qualis1 ). Ainda com relação às motivações, foram citadas: o entendimento de que a pesquisa é a mais importante função do docente de uma instituição de ensino pública, a oportunidade de fazer valer outras teorias além das tradicionalmente conhecidas e a possibilidade de aprofundamento dos assuntos em menor tempo do que em livros. Entre as dificuldades, a mais indicada foi a baixa disponibilidade de tempo para pesquisar e escrever com 8 (47%) indicações, o que se explica pelo fato de o maior número de respondentes ter um regime de trabalho de 20 horas. Provavelmente, além das atividades como docentes e pesquisadores, eles acumulam outras funções. Para um professor que 1 http://www.capes.gov.br/avaliacao/qualis
  6. 6. trabalha num regime de 40 horas com dedicação exclusiva é bem mais fácil envolver-se em atividades de pesquisa. Outras dificuldades também foram citadas nas questões abertas, são elas: revistas temáticas que limitam a publicação, excessiva demora até a aprovação do artigo para publicação, ausência de clareza quanto aos critérios de avaliação do periódico, ausência de linha editorial forte, a forma de avaliação dos periódicos por meio do Qualis. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS As motivações dos docentes do Setor de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Paraná estão de acordo com as constatações da literatura sobre as funções da produção e comunicação científica. Esse fator é percebido ao identificar como principal motivação a oportunidade de disseminar informação e conhecimento e em segundo lugar a possibilidade de contribuir com fontes de informação para novas pesquisas, assim como foi constatado em outros estudos, como em Ferreira, Marchiori, Cristofoli (2005) e Adami e Marchiori (2005). Os pesquisadores também buscam recompensas pelo seu trabalho com a pesquisa na universidade. Essas recompensas, geralmente, vêm em reconhecimento por parte da academia, da comunidade científica e até mesmo da comunidade em geral. Por isso, a motivação “reconhecimento acadêmico advindo da produção intelectual e/ou científica” também foi a segunda mais indicada entre todas as outras. Surpreendente foi encontrar como motivação adicional o entendimento de que a pesquisa é a mais importante função do docente de uma instituição de ensino público. Percebe-se que há um entendimento, ainda que da minoria, da importância do professor atuar também como um pesquisador. Entre as dificuldades apontadas, destaca-se a forma de avaliação dos periódicos por meio do Qualis. Esse também é um ponto comum com pesquisas realizadas em outras áreas do conhecimento. Afirma-se que a forma pouco clara de avaliação dos periódicos e a falta de adequação às diferentes áreas também limitam a publicação por parte dos pesquisadores. (FERREIRA; MARCHIORI; CRISTOFOLI, 2005). A produção científica em Ciências Jurídicas é uma área muito rica para ser explorada. Há muitas questões a serem reconhecidas e entendidas. Esta pesquisa é somente o primeiro passo em busca de um entendimento do todo.
  7. 7. REFERÊNCIAS ADAMI, Anderson; MARCHIORI, Patrícia Zeni. Autoria e leitura de artigos por docentes pesquisadores: motivações e barreiras. In: FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto; TARGINO, Maria das Graças (Org.). Preparação de revistas científicas: teoria e prática. São Paulo: Reichmann & Autores, 2005. FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto; MARCHIORI, Patrícia Zeni; CRISTOFOLI, Fulvio. Motivação para publicar em revistas científicas: estudo nas áreas de ciências da comunicação e ciência da informação. In: FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto; TARGINO, Maria das Graças (Org.). Acessibilidade e visibilidade de revistas científicas eletrônicas. São Paulo: Ed. Senac São Paulo; Cengage Learning, 2005. p. 79-118. FUJINO, Asa et al. Comunicação e produção científica: avaliação e perspectivas. In: LARA, Marilda Lopez Ginez; FUJINO, Asa; NORONHA, Daisy Pires. Informação e contemporaneidade: perspectivas. Recife: NECTAR, 2007. 198-222. GRANJA, Elza Corrêa. Análise da produção científica do curso de pós-graduação do Instituto de Psicologia da USP: no período de 1980-1989. 153 f. Tese (Doutorado em Ciências), Instituto de Psicologia de São Paulo. Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47131/tde-21012009-153405/pt- br.php Acesso em: 07 jun. 2013. MARCHIORI, P.Z; ADAMI, A. Motivação e produção científico-acadêmica: o impacto das novas tecnologias da informação e da comunicação sob o ponto de vista dos autores". In: INTERCOM SUL. SIMPÓSIO DE PESQUISA EM COMUNICAÇÃO, 7., 2006. Livro de programas e resumos, v.1, Curitiba: UFPR, 2006. MEADOWS, Arthur Jack. A comunicação científica. Tradução de: Antonio Agenor Briquet de Lemos. Brasília: Briquet de Lemos, 1999. MULLER, Suzana Pinheiro Machado. Literatura científica, comunicação científica e ciência da informação. In: TOUTAIN, Lídia Maria Batista Brandão (Org.). Para entender a ciência da informação. Salvador: EDUFBA, 2007. p. 125-144. Disponível em: http://www.repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ufba/145/1/Para%20entender%20a%20ciencia%2 0da%20informacao.pdf Acesso em: 8 jun. 2013. ABSTRACT Verify the motivation of professors from Setor de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Paraná to publish in scientific journals. Describes the importance of scientific production and communication at public universities. Indicate as the main motivation indicated by the professors the opportunity to disseminate information and knowledge. Other motivations cited were: the possibility to contribute as an information source for further researches, academic recognition arising from intellectual e/or scientific production and the opportunity to submit the intellectual production to peer review and evaluation. Considers the motivations indicated in this study are consistent with that found in the literature and other researches. Keywords: Motivation and Scientific Production. Scientific Production and Law. Scientific Communication. Professors. Scientific Journals.

×