Universidade Federal de Itajubá                                                                                        Mes...
Universidade Federal de Itajubá                                                                  Mestrado Profissional em ...
Universidade Federal de Itajubá                                                                   Mestrado Profissional em...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A leitura das imagens

372 visualizações

Publicada em

Texto escrito na matéria "Tendências Contemporâneas em currículo"

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
372
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A leitura das imagens

  1. 1. Universidade Federal de Itajubá Mestrado Profissional em Ensino de Ciências As Imagens na Perspectiva do Currículo A leitura de textos escritos é um exercício ao qual já estamos familiarizados. Entretanto, quando setrata da leitura de imagens muitos aspectos devem ser analisados. Um dos aspectos mais relevantes é ocaráter polissêmico, ou seja, a multiplicidade de significados que estão inseridos nas imagens. Sejam elasfotografias, charges, obra de arte, gravura, enfim, as imagens devem ser interpretadas em função do tipo econtexto onde estão inseridas. Retomando o contexto polissêmico, que no sentido de múltiplos significados pode contribuir naexperiência da leitura de imagens, vamos analisar as duas imagens posicionadas abaixo: Imagem 01 – Gotas de Orvalho (nome definido pela autora do texto) Primeira estrofe do “As duas Flores” - Castro Alves São duas flores unidas São duas rosas nascidas Talvez do mesmo arrebol, Vivendo no mesmo galho, Da mesma gota de orvalho, Do mesmo raio de sol. O poema de Castro Alves carrega a palavra orvalho em uma de suas estrofes. Assim como, aimagem anterior, carrega gotas de orvalho em verdes folhas frescas. Transmite sensação de natureza efrescor. Dessa forma, fica bem clara a idéia de que imagens transmitem sensações e significados. Agora, vejamos uma breve definição ciêntífica da palavra orvalho:“O orvalho, sereno ou rocio é um fenômeno físico no qual a umidade do ar precipita por condensação na forma de gotaspela diminuição brusca da temperatura ou em contato com superfícies frias. É o processo contrario da evaporação.”.1 Nesta breve definição já temos uma outra significação para a palavra orvalho. Aqui, ela estárelacionada a um conceito fisico ligado ao estado da água e as condições atmosféricas. Provavelmente, oorvalho para o poeta não é o mesmo para o fisico, assim como não é o mesmo para o fotógrafo daimagem referenciada. Portanto, o sentido está bastante articulado ao contexto onde a imagem estáinserida.1 Trecho do texto “Orvalho”, retirado do site: http://pt.wikipedia.org/wiki/Orvalho
  2. 2. Universidade Federal de Itajubá Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Imagem 02 – Paisagem urbana (nome definido pela autora do texto) Nesta outra imagem vemos um prédio alto fotografado de um ângulo diferente. A impressão quepassa é de que esta imagem foi capturada de numa certa distância do prédio e abaixo da ponte. Mas quaiseram as intenções de quem capturou essa imagem? Mostrar uma paisagem urbana? Analisar um projetoarquitetônico? Capturar as imagens do céu nebuloso? È um exercicio de decodificação relativamentecomplexo. Essas duas imagens podem se entrelaçar em algum aspecto? Claro que sim. Quem garante quea primeira imagem não pode estar contida na segunda? É bastante possível. A produção da imagem é um trabalho de comunicação. Um trabalho complexo e entrelaçado entreeventos, personagens e processos de representação. É um processo intencional. Mas qual a relação desseprocesso com as teorias curriculares? O que essas imagens podem ter haver com essas teorias? Tudo! Essas imagens poderiam estar relacionadas a conteúdos escolares. Nessa perspectiva, podemospensar no modo como a escola relaciona esse conteúdo pedagógico e currículos. Assim como as imagenspodem ser lidas sob o enfoque da polissemia, podemos também perceber o desenvolvimento do currículocomo um trabalho carregado de diversos significados. Para um currículo tradicional as imagens descritas podem não ter quase nenhuma relação. Elaspodem ser tratadas como coisas isoladas e fragmentadas. As figuras podem representar fragmentos dedisciplinas e serem aplicadas de forma que os alunos compreendam o conhecimento de formafragmentada também. Quem seriam os personagens desse processo? Alunos e professores. Contudo, essesúltimos, ganham destaque no processo pedagógico. Depois dos especialistas decidirem o que ensinar, elesé que determinam como e quando será ensinado. Essa concepção é a base do currículo tecnocrático que começou a ganhar destaque com Tyler. Essemodelo tem bastante preocupação com as cobranças de formação para as exigências profissionais da vidaadulta. Nesse sentido não se pensa em uma educação que tenha preocupação com a formação integral doaluno. O que se percebe é uma dicotomia entre a teoria e a prática. Tratando o conteúdo curricular com ênfase na interdisciplinaridade podemos notar uma grandediferença no tratamento com o conteúdo curricular. As imagens apresentadas poderiam retratar aintegração de áreas disciplinares. Desse modo, conteúdos são trabalhados pensando a partir da realidadedo aluno. Conforme vimos nas imagens, a realidade humana aparece descontextualizada. É por meio de
  3. 3. Universidade Federal de Itajubá Mestrado Profissional em Ensino de Ciênciasum complexo trabalho pedagógico que a escola articula e contextualiza o saber. Discorre, orienta, constróie dá sentido à atividade escolar que leva o educando a construir seus próprios significados.

×