Seminário do sistema reprodutor feminino - Histologia

9.957 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.957
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
220
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminário do sistema reprodutor feminino - Histologia

  1. 1. Seminário de Histologia doSeminário de Histologia do Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  2. 2. IntroduçãoIntrodução Neste seminário iremos abordar histologicamente o conceito, aNeste seminário iremos abordar histologicamente o conceito, a organização e a função do sistema reprodutor feminino.organização e a função do sistema reprodutor feminino. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  3. 3. ConceitoConceito Consiste em um trato tubular com glândulas acessórias e se liga a porçãoConsiste em um trato tubular com glândulas acessórias e se liga a porção caudal do sistema urinário.caudal do sistema urinário. OrganizaçãoOrganização OvárioOvário Tuba uterinaTuba uterina ÚteroÚtero VaginaVagina PlacentaPlacenta Glândula MamáriaGlândula Mamária FunçãoFunção ProduçãoProdução NutriçãoNutrição Transporte dos óvulosTransporte dos óvulos FertilizaçãoFertilização DesenvolvimentoDesenvolvimento F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  4. 4. OváriosOvários Órgãos ovais compostos por TER simples cúbico intercalados com áreas de TER simples pavimentoso. Túnica albugínea(tecido conjuntivo frouxo): Forma a cápsula que reveste o ovário. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  5. 5. O ovário é formado por duas camadas: ▪ Zona cortical ou parenquimatosa: externa; ▪ Zona medular ou vascular: interna. Obs: Nas éguas o córtex fica no centro e é envolto pela medula, ao contrário dos outros mamíferos. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  6. 6. Folículo ovariano: ▪ Ovócito primário envolto por células foliculares ▪ O hormônio FSH estimula o desenvolvimento do ovário e dos folículos. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  7. 7. Classificação dos folículos: ▪ Folículos primordiais ▪ Folículos primários ▪ Folículos de crescimento ▪ Folículo de Graaf (maturo) F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  8. 8. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  9. 9. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  10. 10. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  11. 11. OvulaçãoOvulação ▪ Liberação do ovócito na tuba uterina. Ocorre pelo aumento da secreção do hormônio LH. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  12. 12. Corpo lúteoCorpo lúteo Formado após a ovulação. ▪ Parte central: tecido conjuntivo do estroma e restos sanguíneos. ▪ Parte periférica: células paraluteínicas, que provém da teca interna. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  13. 13. Tipos:Tipos: ▪ Corpo lúteo gravídico: quando ocorre a fecundação. ▪ Corpo Lúteo estral ou menstrual: quando não ocorre a fecundação. ▪ Corpo albicans ou cicatriz: tecido conjuntivo denso que substitui o corpo lúteo quando o mesmo regride. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  14. 14. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  15. 15. Tuba uterina Estrutura tubular ondulada aberta, que direciona o gameta feminino até o útero F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  16. 16. Infundíbulo: possui forma de funil e está mais próxima ao ovário Em sua porção mais proximal estão as fímbrias, que na base se unem às ampolas, que levam ao istmo. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  17. 17. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  18. 18. Epitélio colunar simples, em diversas espécies Tuba uterina: células ciliadas, células secretoras, lâmina própria F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  19. 19. Revestimento interno das células epiteliais que revestem as fímbrias da porção infundibular da tuba uterina de coelhos e possuem cílios e microvilos F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  20. 20. Capacitação: processo de maturação dos espermatozóides Células colunares não-ciliadas tornam-se metabolicamente mais ativas, aumentando de altura, podendo ser denominadas células intercalares. Sub-mucosa própria: tecido conjuntivo frouxo, envolta por musculatura lisa da túnica muscular, que consiste em duas camadas: - interna circular - externa longitudinal. Túnica muscular é revestida externamente por uma túnica serosa, formada por tecido conjuntivo frouxo e um epitélio escamoso simples F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  21. 21. ÚTERO Órgão muscular oco ▪ 1 corpo grande ▪ 2 cornos menores ▪ Suspenso na cav. abd. pelo ligamento largo ▪ Aas, veias, nervos (útero/ovários) Dividido em:  Cornos  Corpo  Cérvix F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  22. 22. Tipos de útero F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  23. 23. Funções do útero ▪ Nutrição do embrião ▪ Local de implantação do embrião ▪ Trocas entre a mãe e o feto  placenta ▪ Transporte do espermatozóides (musc) ▪ Expulsão do feto (musc) ▪ Controle do ciclo estral e luteólise F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  24. 24. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  25. 25. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  26. 26. Parede uterina dos cornos uterinos e corpo ▪ ENDOMÉTRIO ▪ MIOMÉTRIO ▪ PERIMÉTRIO F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  27. 27. Parede uterina dos cornos uterinos e corpo ENDOMÉTRIO (camada interna) mucosa  células epiteliais + glândulas tubulares F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  28. 28. Parede uterina dos cornos uterinos e corpo MIOMÉTRIO (camada intermediaria) ▪ 2 camadas de musc liso longitudinais ▪ 1 camada de musc. liso circular F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  29. 29. Parede uterina dos cornos uterinos e corpo PERIMÉTRIO camada ext. (prolongamento do ligamento largo) ▪ Tecido conjuntivo seroso F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  30. 30. CÉRVIX ou COLO UTERINO F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  31. 31. Funções: ▪ Isolar o útero do ambiente externo ▪ Produz muco cervical ▪ Passagem dos espermatozóides ▪ Local da deposição do ejaculado ▪ Reservatório do ejaculado ▪ Isolamento do embrião do ambiente externo ▪ Tampão cervical (muco) F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  32. 32. VaginaVagina É um tubo muscular que se estende ao longo da cavidade pélvica ▪ Epitélio Escamoso Estratificado Não Queratinizado F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  33. 33. ▪ Submucosa própria: tecido conjuntivo irregular frouxo ou denso F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  34. 34. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  35. 35. Túnica muscular: - Camada circular interna. - Camada longitudinal externa. ▪ É envolta externamente pela camada adventícia. ▪ Cranialmente é revestida pela Túnica Serosa Muscular. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  36. 36. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  37. 37. Vulva É a extremidade caudal do trato reprodutor feminino, composta por: ▪ Lábios ▪ Clitóris ▪ Vestíbulo F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  38. 38. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  39. 39. ▪ Lábios: tecido conjuntivo frouxo a denso, com extensa rede de fibras elásticas ▪ Vestíbulo: epitélio escamoso estratificado não-queratinizado ▪ Clitóris: - corpo cavernoso clitoriano envolvido por tecido conjuntivo denso - externamente revestido pelo invólucro prepucial (epitélio escamoso estratificado não-queratinizado) F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  40. 40. Glândulas de Bartholin F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  41. 41. PLACENTA F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  42. 42. PLACENTA - Órgão transitório. - Responsável por fazer trocas metabólicas, trocas respiratórias e formar a união entre o feto e a mãe. Aspecto: estrutura arrendondada, untuosa, apresenta duas faces (materna e fetal) - Função: protege, aloja, produz hormônios, faz a nutrição, respiração, defesa excreção do feto. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  43. 43. PLACENTAÇÃO - Fixação do embrião ao endométrio.  - Integração dos tecidos fetais e maternos. - Produção de progesterona e relaxina. - Expansão do trofoblasto as células embrionárias formam três camadas geminais básicas: Ectoderma Endoderma Mesoderma F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  44. 44. FORMAÇÃO DA PLACENTA é uma modificação na parede uterina. A face fetal produz as membranas fetais, e antes da implantação e da formação dos envoltórios, o leite uterino (produzido por glândulas do endométrio) sustentará o embrião até a formação completa da placenta. Saco vitelínico Alantóide Córion F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  45. 45. VILOSIDADES CORIÔNICAS - Penetração (mucosa uterina e membranas) - É uma conexão entre a parte fetal e materna - Função: aproximação
  46. 46. FORMATO DA PLACENTA - Difusa: vilosidades por toda região coriônica. Ex.: égua e suína. - Cotiledonar: forma cotilédones (agrupamento das vilosidades) Cotilédones + carúnculas = placentoma Ex.: ruminantes - Zonária: Cinto ao redor do saco corionico. Ex: cadela e gata. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  47. 47. FORMATO DO CÓRION Variações morfológicas: -Placenta pregueada: Pregas primárias ou dobras do endométrio. Ex Suínos -Placenta lamelar: Pregas secundárias, formam lamelas. Ex Carnivoros -Placentas Vilosas: tecidos vitais formam vilos corionicôs arborecentes. Ex Ruminantes. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  48. 48. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  49. 49. GLÂNDULA MAMÁRIA • Glândula tubuloalveolar : atua na secreção do leite, composta por nutrientes. • Revestida por uma cápsula fibroelástica. • Unidades secretoras consistem em células epiteliais cúbicas. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  50. 50. Parênquima • Os alvéolos são formados por uma camada única de células epiteliais secretoras. • Os alvéolos mamários drenam para ductos pequenos que vão se unindo a ductos maiores até abrir em uma cisterna ou diretamente na teta. • Os alvéolos são recobertos por células contráteis de natureza mioepitelial e que respondem ao reflexo de ejeção do leite. • As células mioepiteliais também se localizam ao longo dos ductos. • Os alvéolos se organizam em unidade conhecidas como lóbulos, cada um deles envolvido por tecido conjuntivo. Estes se agrupam em unidades maiores chamadas lobos. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  51. 51. Estroma • Consiste de tecido conjuntivo, gordura, vasos e nervos. • A proporção parênquima/estroma é controlada por mecanismo hormonal. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  52. 52. TETA • Com exceção dos monotremados, os mamíferos apresentam tetas, normalmente pares, ligadas às glândulas mamárias
  53. 53. LACTOGÊNESE Produção de leite. Corresponde à diferenciação e multiplicação das células alveolares mamárias. Num primeiro estágio ocorrerá a adaptação da célula alveolar para o processo posterior de síntese de leite (adaptação enzimática e morfológica). Neste período ocorre pequena secreção de leite. O segundo estágio começa com a secreção copiosa de todos os componentes do leite na proximidade com o parto e permanece por diversos dias após o parto em muitas espécies. F a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n áF a c u l d a d e E v a n g é l i c a d o P a r a n á
  54. 54. Referência Bibliográfica: - SAMUELSON, D.A. Tratado de Histologia Veterinária. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. - JUNQUEIRA, L.C.; CARNEIRO, J. Histologia Básica. 10.a ed Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007
  55. 55. Não importa qual é a espécie. Fêmeas, verdadeiras tradutoras da perfeição de Deus. Só através delas o milagre da vida pode perpetuar!

×