Seminario de fisiologia reflexo da micção

4.376 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.376
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
96
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminario de fisiologia reflexo da micção

  1. 1. Micção
  2. 2. O que é...  É o ato de expelir urina  Sistema Nervoso Central  Vesícula Urinaria  Esfíncteres
  3. 3. Vesícula Urinaria  Corpo  Colo  Uretra
  4. 4. Inervação daVesícula Urinaria  Nervos PélvicosMEplexo sacro  Fibras nervosas sensitivas  Fibras nervosas motoras parassimpáticas e simpáticas  Fibras nervosas somáticasesfíncter
  5. 5. Inervação daVesícula Urinaria  Inervação Simpatican. hipogastricoL2  Fibras Simpaticasvasos sanguineos  Fibras sensitivasnervos simpáticos plenitude e dor
  6. 6. Sistema Nervoso Central  Medula Espinhal  Encéfalo: ◦ Mesencéfalo ◦ Córtex ◦ Cerebelo ◦ Gânglios da base ◦ Tálamo ◦ Hipotálamo – Influência predominantemente inibitória
  7. 7. Transporte da urina pelos ureteres
  8. 8. O liquido tubular flui através dos túbulos em direção a pelve renal em função do gradiente de pressão que é menor neste último segmento
  9. 9. A urina é transportada nos ureteres pelo peristaltismo
  10. 10. A válvula ureterovesicular impede o refluxo da urina
  11. 11. O SN autônomo Parassimpático libera o neurotransmissor adrenalina, que faz com que relaxe o músculo detrusor da vesícula urinária e promove a contração do músculo esfíncter uretral interno, permitindo assim, que a urina possa ser armazenada.
  12. 12. Tônus da parede vesical
  13. 13. Quando a bexiga atinge sua capacidade máxima, os receptores do interior do músculo detrusor emitem sinais aos centros corticais do cérebro para se iniciar a fase de esvaziamento
  14. 14. Em resposta através das fibras nervosas eferentes, inicia- se o esvaziamento da vesícula urinária
  15. 15. O esvaziamento vesical acontece com a estimulação da contração da bexiga associada ao relaxamento esfincteriano
  16. 16. Isso se deve ao SN autônomo Parassimpático que libera o neurotransmissor acetilcolina, que contrai a vesícula urinária e relaxa o esfíncter uretral interno e externo (SN autônomo Simpático)
  17. 17. Controle Esfincteriano  Dois esfíncteres ou anéis de tecido muscular protegem a via que sai da bexiga. São:  Esfíncter interno(músculo liso): se contrai involuntariamente, prevenindo o esvaziamento  Esfíncter externo(músculo estriado): Controle voluntário, iniciam e interrompem a micção.
  18. 18. Localização  Esfíncter interno : distribuído por todo o comprimento da uretra  Esfíncter estriado: no terço médio da uretra feminina, e próximo à uretra membranosa masculina.
  19. 19. 1ª Fase da micção (Involuntária)  Receptores especiais detectam uma distensão do orgão;  Emição de sinal transportado pelas fibras sensitivas do nervo pélvico até ao centro nervoso da micção (centro de Budge);  Contração da bexiga e o relaxamento do esfíncter liso.
  20. 20. 2ª Fase da Micção (voluntaria) ● Feita pelo córtex cerebral quando a bexiga está cheia; ● Duas áreas específicas do cortex, sensitiva e motorora; ● Área sensitiva recebe a informação do centro de Budge; ● A área motora emite sinais que chegam no esfíncter estriado, após percorrer a medula espinal e o nervo pudendo.
  21. 21. Reflexo da Micção  Compreende duas fases distintas: ◦ A primeira é o relaxamento do esfíncter liso. ◦ A segunda é o relaxamento do esfíncter estriado.
  22. 22. Anormalidades  Falha(s) em um ou mais dos fatores:  Acomodação de urina com baixa pressão;  Mecanismo esfincteriano;  Relaxamento da musculatura detrusora no enchimento;  Contração detrusora no esvaziamento;  Ausência de obstrução uretral.

×