SlideShare uma empresa Scribd logo

Violência

Patrícia Morais
Patrícia Morais
Patrícia MoraisNunca trabalhei!

Violência

1 de 53
Baixar para ler offline
Violência
 Definição de violência;
 Como se manifesta a violência;
 Violência doméstica;
 Violência urbana.
 Violência significa usar a agressividade de forma intencional
e excessiva para ameaçar ou cometer algum ato que
resulte em acidente, morte ou trauma psicológico.
 A palavra violência é derivada do Latim “violentia”, que
significa “veemência, impetuosidade”. Mas na sua origem
está relacionada com o termo “violação” (violare).
 A violência manifesta-se de diversas maneiras, em
guerras, torturas, conflitos étnico-
religiosos, preconceito, assassinato, fome, etc. Pode ser
identificada como violência contra as mulheres, as crianças
e idosos, violência sexual, violência urbana, etc. Existe
também a violência verbal, que causa danos morais, que
muitas vezes são mais difíceis de esquecer do que os danos
físicos.
 A violência doméstica é o tipo de violência que ocorre em
contexto familiar, ou seja, entre parentes. Poderá ser entre o
pai e a mãe, entre os pais e os filhos, etc. Abusos sexuais a
crianças e maus tratos a idosos também constituem
violência doméstica. Existem cinco tipos de violência
doméstica: a física, psicológica, sexual, patrimonial e moral.
Diariamente, cerca de 2 mil pessoas apresenta queixas na
polícia, alegando ter sofrido violência doméstica.
 A violência urbana também consiste num tipo de violação
da lei penal. Consiste na prática de crimes diversos contra
pessoas (assassinatos, roubos e sequestros), e contra o
património público, influenciando de forma negativa o
convívio entre as pessoas e a qualidade de vida. Esse tipo de
violência manifesta-se particularmente nas grandes cidades.
 Um dos principais fatores que gera a violência urbana é o
crescimento acelerado e desordenado das cidades. Como
consequência surgem graves problemas sociais como
fome, miséria, desemprego e marginalização, que
associados à ineficiência das políticas de segurança pública
contribuem para o aumento dos atos de violência.

Recomendados

E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2
E book trânsito escola - ética na Administração Pública 2Sérgio Henrique da Silva Pereira
 
PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC)
PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC) PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC)
PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC) Nyla Dias
 
Preconceito e intolerência
Preconceito e intolerênciaPreconceito e intolerência
Preconceito e intolerênciaVictor Claudio
 
Direito a igualdade
Direito a igualdadeDireito a igualdade
Direito a igualdadembdmm
 
Gênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreira
Gênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreiraGênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreira
Gênero violência e conjugalidade superando desafios - Dra. adélia moreiraadventocongressos
 
Universalismo e relativismo cultural - Artigo
Universalismo e relativismo cultural - ArtigoUniversalismo e relativismo cultural - Artigo
Universalismo e relativismo cultural - ArtigoDJUERN
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Preconceito com as diferenças
Preconceito com as diferençasPreconceito com as diferenças
Preconceito com as diferençasmatheulopet
 
Preconceito sexual
Preconceito sexualPreconceito sexual
Preconceito sexualios_flamengo
 
Direito ao respeito e à dignidade
Direito ao respeito e à dignidadeDireito ao respeito e à dignidade
Direito ao respeito e à dignidadeJoão Silva
 
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo   desafio do relativismo cultural - rachelsRelativismo   desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachelsLeandro Klineyder
 
Preconceito e homofobia
Preconceito e homofobia Preconceito e homofobia
Preconceito e homofobia Francisca Maria
 
Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt so...
 Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt so... Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt so...
Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt so...aa. Rubens Lima
 
Globalização e direitos humanos ppt
Globalização e direitos humanos pptGlobalização e direitos humanos ppt
Globalização e direitos humanos pptEdivonaldo Costa
 
Crítica aos Direitos Humanos
Crítica aos Direitos HumanosCrítica aos Direitos Humanos
Crítica aos Direitos HumanosPSHON
 
A intolerancia na sociadade actual
A intolerancia na sociadade actualA intolerancia na sociadade actual
A intolerancia na sociadade actualJoana Soares
 
Racismo e preconceito
Racismo e preconceitoRacismo e preconceito
Racismo e preconceitoTatati Semedo
 
Cuidar e proteger na perspectiva do direito a memória e a verdade
Cuidar e proteger na perspectiva do direito a memória e a verdadeCuidar e proteger na perspectiva do direito a memória e a verdade
Cuidar e proteger na perspectiva do direito a memória e a verdadeCapucho Marinho
 

Mais procurados (20)

Liberdade, Igualdade e Fraternidade
Liberdade, Igualdade e FraternidadeLiberdade, Igualdade e Fraternidade
Liberdade, Igualdade e Fraternidade
 
Preconceito com as diferenças
Preconceito com as diferençasPreconceito com as diferenças
Preconceito com as diferenças
 
Preconceito sexual
Preconceito sexualPreconceito sexual
Preconceito sexual
 
Direito ao respeito e à dignidade
Direito ao respeito e à dignidadeDireito ao respeito e à dignidade
Direito ao respeito e à dignidade
 
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo   desafio do relativismo cultural - rachelsRelativismo   desafio do relativismo cultural - rachels
Relativismo desafio do relativismo cultural - rachels
 
Preconceito e homofobia
Preconceito e homofobia Preconceito e homofobia
Preconceito e homofobia
 
Relativismo e direitos humanos 1
Relativismo  e direitos humanos 1Relativismo  e direitos humanos 1
Relativismo e direitos humanos 1
 
Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt so...
 Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt so... Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt so...
Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt so...
 
Preconceito
PreconceitoPreconceito
Preconceito
 
Globalização e direitos humanos ppt
Globalização e direitos humanos pptGlobalização e direitos humanos ppt
Globalização e direitos humanos ppt
 
Ppt 1 soc-6
Ppt 1    soc-6 Ppt 1    soc-6
Ppt 1 soc-6
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Crítica aos Direitos Humanos
Crítica aos Direitos HumanosCrítica aos Direitos Humanos
Crítica aos Direitos Humanos
 
A intolerancia na sociadade actual
A intolerancia na sociadade actualA intolerancia na sociadade actual
A intolerancia na sociadade actual
 
Racismo e preconceito
Racismo e preconceitoRacismo e preconceito
Racismo e preconceito
 
Preconceito
PreconceitoPreconceito
Preconceito
 
Preconceito
Preconceito Preconceito
Preconceito
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Cuidar e proteger na perspectiva do direito a memória e a verdade
Cuidar e proteger na perspectiva do direito a memória e a verdadeCuidar e proteger na perspectiva do direito a memória e a verdade
Cuidar e proteger na perspectiva do direito a memória e a verdade
 
Preconceito racial
Preconceito racialPreconceito racial
Preconceito racial
 

Destaque

Atividade avaliativa romantismo
Atividade avaliativa   romantismoAtividade avaliativa   romantismo
Atividade avaliativa romantismoRenato Rodrigues
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
RomantismoCEF16
 
Exercicio romantismo corrigido
Exercicio romantismo corrigidoExercicio romantismo corrigido
Exercicio romantismo corrigidoCEF16
 
Prova de Artes EJA Ensino Médio
Prova de Artes EJA Ensino MédioProva de Artes EJA Ensino Médio
Prova de Artes EJA Ensino Médiodicionarista
 
Avaliação de Arte 2º Ensino Médio
Avaliação de Arte 2º Ensino MédioAvaliação de Arte 2º Ensino Médio
Avaliação de Arte 2º Ensino MédioMarcia Oliveira
 

Destaque (9)

Arte e violência
Arte e violênciaArte e violência
Arte e violência
 
Arte e violência
Arte e violênciaArte e violência
Arte e violência
 
O mundo em conflito
O mundo em conflitoO mundo em conflito
O mundo em conflito
 
Atividade avaliativa romantismo
Atividade avaliativa   romantismoAtividade avaliativa   romantismo
Atividade avaliativa romantismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Arte ensino médio
Arte ensino médioArte ensino médio
Arte ensino médio
 
Exercicio romantismo corrigido
Exercicio romantismo corrigidoExercicio romantismo corrigido
Exercicio romantismo corrigido
 
Prova de Artes EJA Ensino Médio
Prova de Artes EJA Ensino MédioProva de Artes EJA Ensino Médio
Prova de Artes EJA Ensino Médio
 
Avaliação de Arte 2º Ensino Médio
Avaliação de Arte 2º Ensino MédioAvaliação de Arte 2º Ensino Médio
Avaliação de Arte 2º Ensino Médio
 

Semelhante a Violência

UFCD - Cp4 -Manifestações de Intolerância a Diferença.pptx
UFCD - Cp4 -Manifestações de Intolerância a Diferença.pptxUFCD - Cp4 -Manifestações de Intolerância a Diferença.pptx
UFCD - Cp4 -Manifestações de Intolerância a Diferença.pptxNome Sobrenome
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos HumanosMINV
 
Ética & Temas Transdisciplinares
Ética & Temas Transdisciplinares Ética & Temas Transdisciplinares
Ética & Temas Transdisciplinares Carmem Rocha
 
COMO ELIMINAR A VIOLÊNCIA NO BRASIL.pdf
COMO ELIMINAR A VIOLÊNCIA NO BRASIL.pdfCOMO ELIMINAR A VIOLÊNCIA NO BRASIL.pdf
COMO ELIMINAR A VIOLÊNCIA NO BRASIL.pdfFaga1939
 
Exigências morais da contemporaneidade
Exigências morais da contemporaneidadeExigências morais da contemporaneidade
Exigências morais da contemporaneidadeJosinoNunes1
 
Discriminação fábio e isabel
Discriminação fábio e isabelDiscriminação fábio e isabel
Discriminação fábio e isabeliosi2012
 
Oficina sexualidade ot
Oficina sexualidade otOficina sexualidade ot
Oficina sexualidade otgeorgerlanio
 
Diversidade Étnico, Gênero e Direitos Humanos.pptx
Diversidade Étnico, Gênero e Direitos Humanos.pptxDiversidade Étnico, Gênero e Direitos Humanos.pptx
Diversidade Étnico, Gênero e Direitos Humanos.pptxRobsonAbreuProfessor
 
Políticas de saúde para a população Negra - RNP
Políticas de saúde para a população Negra - RNPPolíticas de saúde para a população Negra - RNP
Políticas de saúde para a população Negra - RNPobenjamim
 
Cidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosCidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosMaxwell de Souza
 
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...Washington Araújo
 
lei maria da penha
lei maria da penhalei maria da penha
lei maria da penhaCleide Silva
 

Semelhante a Violência (20)

UFCD - Cp4 -Manifestações de Intolerância a Diferença.pptx
UFCD - Cp4 -Manifestações de Intolerância a Diferença.pptxUFCD - Cp4 -Manifestações de Intolerância a Diferença.pptx
UFCD - Cp4 -Manifestações de Intolerância a Diferença.pptx
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
Ética & Temas Transdisciplinares
Ética & Temas Transdisciplinares Ética & Temas Transdisciplinares
Ética & Temas Transdisciplinares
 
Os direitos humanos
Os direitos humanos Os direitos humanos
Os direitos humanos
 
COMO ELIMINAR A VIOLÊNCIA NO BRASIL.pdf
COMO ELIMINAR A VIOLÊNCIA NO BRASIL.pdfCOMO ELIMINAR A VIOLÊNCIA NO BRASIL.pdf
COMO ELIMINAR A VIOLÊNCIA NO BRASIL.pdf
 
Exigências morais da contemporaneidade
Exigências morais da contemporaneidadeExigências morais da contemporaneidade
Exigências morais da contemporaneidade
 
Discriminação fábio e isabel
Discriminação fábio e isabelDiscriminação fábio e isabel
Discriminação fábio e isabel
 
Relativiso Moral
Relativiso MoralRelativiso Moral
Relativiso Moral
 
Oficina sexualidade ot
Oficina sexualidade otOficina sexualidade ot
Oficina sexualidade ot
 
A doença chamada homem
A doença chamada homemA doença chamada homem
A doença chamada homem
 
Violência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.dViolência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.d
 
Direitos humanos prova
Direitos humanos provaDireitos humanos prova
Direitos humanos prova
 
Diversidade Étnico, Gênero e Direitos Humanos.pptx
Diversidade Étnico, Gênero e Direitos Humanos.pptxDiversidade Étnico, Gênero e Direitos Humanos.pptx
Diversidade Étnico, Gênero e Direitos Humanos.pptx
 
Ebook O Papel do Homem.pdf
Ebook O Papel do Homem.pdfEbook O Papel do Homem.pdf
Ebook O Papel do Homem.pdf
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
Direitos Humanos - Deontologia
Direitos Humanos - DeontologiaDireitos Humanos - Deontologia
Direitos Humanos - Deontologia
 
Políticas de saúde para a população Negra - RNP
Políticas de saúde para a população Negra - RNPPolíticas de saúde para a população Negra - RNP
Políticas de saúde para a população Negra - RNP
 
Cidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosCidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanos
 
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...
Reflexões sobre o artigo 7 da declaração universal dos direitos humanos comen...
 
lei maria da penha
lei maria da penhalei maria da penha
lei maria da penha
 

Mais de Patrícia Morais (20)

Sistemas operativos
Sistemas operativosSistemas operativos
Sistemas operativos
 
Processadores
ProcessadoresProcessadores
Processadores
 
Matemática na natureza
Matemática na naturezaMatemática na natureza
Matemática na natureza
 
Linguagem html
Linguagem htmlLinguagem html
Linguagem html
 
Importância da internet
Importância da internetImportância da internet
Importância da internet
 
História e utilização da internet
História e utilização da internetHistória e utilização da internet
História e utilização da internet
 
Futebol
FutebolFutebol
Futebol
 
Ferramentas web 2
Ferramentas web 2Ferramentas web 2
Ferramentas web 2
 
Facebook
FacebookFacebook
Facebook
 
Evolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicosEvolução dos modelos atómicos
Evolução dos modelos atómicos
 
Equipamentos de proteção individual
Equipamentos de proteção individualEquipamentos de proteção individual
Equipamentos de proteção individual
 
Dhcp
DhcpDhcp
Dhcp
 
Criação de uma rede
Criação de uma redeCriação de uma rede
Criação de uma rede
 
Bastidores
BastidoresBastidores
Bastidores
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Animação sociocultural
Animação socioculturalAnimação sociocultural
Animação sociocultural
 
Active directory
Active directoryActive directory
Active directory
 
A importância do exercício físico para uma vida
A importância do exercício físico para uma vidaA importância do exercício físico para uma vida
A importância do exercício físico para uma vida
 
A batalha de aljubarrota
A batalha de aljubarrotaA batalha de aljubarrota
A batalha de aljubarrota
 
Protocolos comunicação
Protocolos comunicaçãoProtocolos comunicação
Protocolos comunicação
 

Violência

  • 2.  Definição de violência;  Como se manifesta a violência;  Violência doméstica;  Violência urbana.
  • 3.  Violência significa usar a agressividade de forma intencional e excessiva para ameaçar ou cometer algum ato que resulte em acidente, morte ou trauma psicológico.  A palavra violência é derivada do Latim “violentia”, que significa “veemência, impetuosidade”. Mas na sua origem está relacionada com o termo “violação” (violare).
  • 4.  A violência manifesta-se de diversas maneiras, em guerras, torturas, conflitos étnico- religiosos, preconceito, assassinato, fome, etc. Pode ser identificada como violência contra as mulheres, as crianças e idosos, violência sexual, violência urbana, etc. Existe também a violência verbal, que causa danos morais, que muitas vezes são mais difíceis de esquecer do que os danos físicos.
  • 5.  A violência doméstica é o tipo de violência que ocorre em contexto familiar, ou seja, entre parentes. Poderá ser entre o pai e a mãe, entre os pais e os filhos, etc. Abusos sexuais a crianças e maus tratos a idosos também constituem violência doméstica. Existem cinco tipos de violência doméstica: a física, psicológica, sexual, patrimonial e moral. Diariamente, cerca de 2 mil pessoas apresenta queixas na polícia, alegando ter sofrido violência doméstica.
  • 6.  A violência urbana também consiste num tipo de violação da lei penal. Consiste na prática de crimes diversos contra pessoas (assassinatos, roubos e sequestros), e contra o património público, influenciando de forma negativa o convívio entre as pessoas e a qualidade de vida. Esse tipo de violência manifesta-se particularmente nas grandes cidades.  Um dos principais fatores que gera a violência urbana é o crescimento acelerado e desordenado das cidades. Como consequência surgem graves problemas sociais como fome, miséria, desemprego e marginalização, que associados à ineficiência das políticas de segurança pública contribuem para o aumento dos atos de violência.
  • 8.  Definição de agressividade;  Na psicologia;  Na filosofia;  Nas religiões.
  • 9.  Sem dúvida, a agressividade é uma força. Ela traz a capacidade da auto-afirmação permitindo ao indivíduo se colocar diante do outro, proporcionando o encontro. A palavra “agressividade” vem do Latim “aggredi” que na sua etimologia está “ad-gradii” que tem por significado “caminhar em direção”, “ir ao encontro”.  Apesar da agressividade acabar muitas vezes sendo relacionada a impulso-frustração, ela é absolutamente natural, faz parte também das nossas defesas e da conservação da espécie.
  • 10.  A psicologia estuda a agressividade de duas maneiras: como reação ou como impulso.  Como reação, está sob os estudos da teoria da aprendizagem social. Quando há frustração,, alguns comportamentos podem ser compensados. Outros quando não conseguem a compensação, podem produzir comportamentos desfavoráveis. Isso só é diminuído pelo entendimento da aprendizagem cognitiva que diante da possibilidade das pessoas preverem o os seus futuros comportamentos, na medida em que conseguem representá-los mentalmente, conseguem assim alterar as suas respostas ao meio.
  • 11.  Essa teoria rejeita a ideia da agressividade como impulso, pois, a partir da aprendizagem a agressividade pode ser aprendida através da observação e imitação.  Como impulso, a partir das teorias psicanalíticas de Freud, muitas das nossas ações assim são movidas. Quando algum instinto é frustrado um impulso agressivo é produzido. Mais tarde, além do entendimento da frustração- agressão, houve o entendimento de que qualquer impedimento de realização de um impulso poderia produzir um comportamento agressivo.
  • 12.  Na tentativa de se compreender a vida pelo viés intelectual e na busca do conhecimento, todas as áreas desenvolvem teorias possíveis, prováveis e improváveis sobre tudo. E isso não seria diferente com as emoções e comportamentos.  Alguns entendimentos filosóficos compreendem a agressividade como um desequilíbrio do amor, a força infinita que rege o mundo. Outros, vinculam a agressividade aos temperamentos, uma disposição do indivíduo em agir de um determinado modo segundo os humores que compõem o seu corpo físico e portanto, possivelmente herdados geneticamente. Essa teoria foi criada por Hipócrates, o pai da medicina, que admitia quatro tipos de humores fundamentais que seriam o sanguíneos, fleumático, colérico e melancólico, sendo a agressividade mais evidente nos sanguíneos e coléricos.
  • 13.  Ainda no campo filosófico, Aristóteles desenvolveu a teoria das virtudes na moderação de emoções e valores. Dentre as virtudes e seus desequilíbrios no quadro de virtudes aristotélicas, a irascibilidade é a emoção em desequilíbrio mais próxima da agressividade.
  • 14.  Semelhante ao entendimento cristão da mansidão, uma virtude moral onde através de uma postura pacífica, não necessariamente passiva, é possível combater alguns dos pecados capitais como a cólera, que também se aproxima da agressividade. A moderação, a mansidão, o caminho do meio, são posturas que também são valorizadas em outras filosofias religiosas como o budismo e o espiritismo, visando a harmonia das emoções diante da vida e seus desafios.
  • 16.  Definição de discriminação;  Tipos de discriminação;  Discriminação na escola.
  • 17.  A discriminação designa o comportamento dirigido aos indivíduos visados pelo preconceito, ou seja “todo o comportamento que nega aos indivíduos, aos grupos a igualdade de tratamento que eles mereciam”, esta é a definição frequente de discriminação, um dos mais complexos problemas da atualidade.
  • 18.  A discriminação pode ser pelo sexo, idade, cor, estado civil ou por ser a pessoa portadora de algum tipo de deficiência.  Também pode haver discriminação quando a pessoa possui alguma doença, por a sua orientação sexual, aparência e por uma série de outros motivos.
  • 19.  Um em cada dois alunos portugueses dizem que os colegas de escola são gozados pela roupa que usam e por diferenças de aparência física, como por exemplo o peso. As diferenças físicas são o principal fator de humilhação, seguindo-se as deficiências sendo que a cor da pele e a indumentária surgem em terceiro lugar.
  • 21.  Definição de direitos humanos;  Todos nascemos livres e iguais (D.H. nº 1);  Não discriminar (D.H. nº 2);  O direito à vida (D.H. nº 3);  Nenhuma escravatura (D.H. nº 4);  Nenhuma tortura (D.H. nº 5);  Você tem direitos onde quer que vá (D.H. nº6);  Somos todos iguais perante a lei (D.H. nº 7);  Os Direitos Humanos são protegidos por lei (D.H. nº 8) ;  Nenhuma detenção injusta (D.H. nº 9);  O direito a julgamento (D.H. nº 10);  Somos sempre inocentes até prova em contrário (D.H. nº 11);  O direito à privacidade (D.H. nº 12);  Liberdade de locomover (D.H. nº 13);  O direito de procurar um lugar seguro para viver (D.H. nº 14);  O direito de uma nacionalidade (D.H. nº 15);  Casamento e família (D.H. nº 16);  O direito às suas próprias coisas (D.H. nº 17);  Liberdade de pensamento (D.H. nº 18);  Liberdade de expressão (D.H. nº 19);  O direito de se reunir publicamente (D.H. nº 20);  O direito à democracia (D.H. nº 21);  Segurança social (D.H. nº 22);  Direitos dos trabalhadores (D.H. nº 23);  O direito à diversão (D.H. nº 24);  Comida e abrigo para todos (D.H. nº 25);  O direito à educação (D.H. nº 26);  Direitos de autor (D.H. nº 27);  Um mundo justo e livre (D.H. nº 28);  Responsabilidade (D.H. nº 29);  Ninguém pode tirar-lhe os seus Direitos Humanos (D.H. nº 30).
  • 22.  Direitos humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos, e o seu conceito também está ligado com a ideia de liberdade de pensamento, de expressão, e a igualdade perante a lei. A ONU proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que é respeitada mundialmente.
  • 23.  Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para os outros em espírito de fraternidade.
  • 24.  Todos os seres humanos podem invocar os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, de cor, de sexo, de língua, de religião, de opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação. Além disso, não será feita qualquer distinção fundada no estatuto político, jurídico ou internacional do país ou do território independente, sob tutela, autónomo ou sujeito a alguma limitação de soberania.
  • 25.  Todas as pessoas têm direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.
  • 26.  Ninguém pode ser mantido em escravidão ou em servidão. A escravatura e o comércio de escravos, sob qualquer forma, são proibidos.
  • 27.  Ninguém será submetido a tortura nem a punição ou tratamento cruéis, desumanos ou degradantes.
  • 28.  Todos os indivíduos têm direito ao reconhecimento como pessoa perante a lei.
  • 29.  Todos são iguais perante a lei e, sem qualquer discriminação, têm direito a igual proteção da lei. Todos têm direito a proteção igual contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.
  • 30.  Todas as pessoas têm direito a um recurso efetivo dado pelos tribunais nacionais competentes contra os atos que violem os seus direitos fundamentais reconhecidos pela Constituição ou pela lei.
  • 31.  Ninguém pode ser arbitrariamente preso, detido ou exilado.
  • 32.  Todas as pessoas têm direito, em plena igualdade, a uma audiência justa e pública julgada por um tribunal independente e imparcial em determinação dos seus direitos e obrigações e de qualquer acusação criminal contra elas.
  • 33.  Qualquer pessoa acusada de uma ofensa penal tem o direito de presumir-se inocente até a sua culpabilidade ser provada legalmente no decurso de um processo público em que todas as garantias necessárias à sua defesa lhe sejam asseguradas.  Ninguém poderá ser considerado culpado por ações ou omissões que, no momento da sua prática, não constituam ofensa penal à face do direito nacional ou internacional. Do mesmo modo, não será infligida pena mais grave do que era aplicável no momento em que a ofensa penal foi cometida.
  • 34.  Ninguém deverá ser submetido a interferências arbitrárias na sua vida privada, família, domicílio ou correspondência, nem ataques à sua honra e reputação. Contra tais intromissões ou ataques todas as pessoas têm o direito à proteção da lei.
  • 35.  Todas as pessoas têm o direito à liberdade de se moverem e residirem dentro das fronteiras de cada Estado.  Todas as pessoas têm o direito de abandonar qualquer país, incluindo o seu, e o direito de regressar ao seu país.
  • 36.  Toda a pessoa sujeita a perseguição tem o direito de procurar e de beneficiar de asilo em outros países.  Este direito não pode, porém, ser invocado no caso de perseguição resultante de crimes não políticos ou por atos contrários aos fins e aos princípios das Nações Unidas.
  • 37.  Todo o indivíduo tem direito a ter uma nacionalidade.  Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua nacionalidade nem do direito de mudar de nacionalidade.
  • 38.  A partir da idade núbil, o homem e a mulher têm o direito de casar e de constituir família, sem restrição alguma de raça, nacionalidade ou religião. Durante o casamento e na altura da dissolução, ambos têm direitos iguais.  Deve-se contrair matrimónio apenas com liberdade e consentimento completo de esposos intencionados.  A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à proteção desta e do Estado.
  • 39.  Toda a pessoa, individual ou coletivamente, tem direito à propriedade.  Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua propriedade.
  • 40.  Todas as pessoas têm direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião. Este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de credo, assim como a liberdade de manifestar a sua religião ou credo, sozinho ou em comunidade com outros, quer em público ou em privado, através do ensino, prática, culto e rituais.
  • 41.  Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, este direito implica a liberdade de manter as suas próprias opiniões sem interferência e de procurar, receber e difundir informações e ideias por qualquer meio de expressão independentemente das fronteiras.
  • 42.  Todas as pessoas têm o direito à liberdade de reunião e de associação pacíficas.  Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação.
  • 43.  Todas as pessoas têm o direito de tomar parte do governo do seu país, quer diretamente, quer por intermédio de representantes livremente escolhidos.  Todas as pessoas têm o direito de igual acesso aos serviços públicos do seu país.  A vontade do povo é a base da autoridade do governo. E isto deve exprimir-se através de eleições honestas realizadas periodicamente por sufrágio universal e igual, com voto secreto ou segundo processo equivalente que salvaguarde a liberdade de voto.
  • 44.  Todas as pessoas, como membros da sociedade, têm direito à segurança social, e podem legitimamente exigir a satisfação dos seus direitos económicos, sociais e culturais indispensáveis para a sua dignidade e livre desenvolvimento da sua personalidade, através do esforço nacional e da cooperação internacional, de harmonia com a organização e os recursos de cada país.
  • 45.  Toda a pessoa tem o direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a condições equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção contra o desemprego.  Todos têm o direito, sem discriminação alguma, a salário igual por trabalho igual.  Quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, que lhe permita a si e à sua família uma existência conforme com a dignidade humana, e complementada, se necessário, por outros meios de proteção social.  Todas as pessoas têm o direito de fundar com outras pessoas sindicatos e de se filiar em sindicatos para a defesa dos seus interesses.
  • 46.  Toda a pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres incluindo uma limitação razoável da duração das horas de trabalho e a férias periódicas pagas.
  • 47.  Toda a pessoa tem direito a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem- estar, principalmente quento à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e aos serviços sociais necessários, e o direito à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência por circunstâncias independentes da sua vontade.  A maternidade e a infância têm direito a ajuda e assistência especiais. Todas as crianças, nascidas dentro ou fora do matrimónio, devem gozar da mesma proteção social.
  • 48.  Todas as pessoas têm direito à educação. A educação deve ser gratuita, pelo menos a correspondente ao ensino elementar fundamental. O ensino elementar é obrigatório. O ensino técnico e profissional deve ser generalizado, o acesso aos estudos superiores deve estar aberto a todos em plena igualdade, em função do seu mérito.  A educação deve ser dirigida ao pleno desenvolvimento da personalidade humana e ao fortalecimento do respeito pelos direitos do homem e das liberdades fundamentais. Deve promover a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e todos os grupos raciais ou religiosos, bem como o desenvolvimento das atividades das Nações Unidas para manutenção da paz.  Os pais têm o direito primário de escolher o tipo de educação que deve ser dada aos filhos.
  • 49.  Toda a pessoa tem o direito de participar livremente na vida cultural da comunidade, de desfrutar das artes e de participar no progresso científico e nos benefícios que deste resultam.  Todos têm direito à proteção dos interesses morais e materiais ligados a qualquer produção científica, literária ou artística da sua autoria.
  • 50.  Todas as pessoas têm o direito a nível social e a nível internacional, a uma ordem em que os direitos e as liberdades enunciadas na presente Declaração possam ser plenamente realizados.
  • 51.  O indivíduo tem deveres para com a comunidade, fora da qual não é possível o livre e pleno desenvolvimento da sua personalidade.  No exercício dos seus direitos e liberdades, cada um está apenas às limitações estabelecidas pela lei com vista exclusivamente a promover o reconhecimento e o respeito dos direitos e liberdades dos outros e a fim de satisfazer as justas exigências da moral, da ordem pública e do bem- estar numa sociedade democrática.  Em caso algum estes direitos e liberdades poderão ser exercidos contrariamente aos propósitos e princípios das Nações Unidas.
  • 52.  Nada na presente Declaração pode ser interpretado de maneira a conceder a qualquer Estado, grupo ou indivíduo o direito de se entregar a alguma atividade ou de praticar algum ato destinado a destruir os direitos e liberdades aqui enunciados.