Livro dos Espiritos Q236 ESE cap17 item 8

507 visualizações

Publicada em

Reuniao Publica GECD - Dubai
www.livestream.com Grupo GECD

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
507
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
35
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Livro dos Espiritos Q236 ESE cap17 item 8

  1. 1. Dubai, 11/05/2014 Estudo de O Livro dos Espíritos e do Evangelho Segundo o Espiritismo L.E. – Mundos transitórios - Questão 236 Evangelho - INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS Cap. XVII - Item 8
  2. 2. Parte 2ª. – Cap. VI – MUNDOS TRANSITÓRIOS “Nada é inútil em a Natureza; tudo tem um fim, uma destinação. Em nenhum lugar há o vazio, pois TUDO É HABITADO, A VIDA SE EXPANDE POR TODA PARTE.” A.K. http://www.youtube.com/watch?v=8NX-uzh4RFU
  3. 3. Parte 2ª. - Cap. VI – MUNDOS TRANSITÓRIOS 236. Pela sua natureza especial, os mundos transitórios se conservam perpetuamente destinados aos Espíritos errantes? “Não, a condição deles é meramente temporária.” “Não; estéril é neles a superfície. Os que os habitam de nada precisam.” a) - Esses mundos são ao mesmo tempo habitados por seres corpóreos? b) - É permanente essa esterilidade e decorre da natureza especial que apresentam? “Não; são estéreis transitoriamente.” Estéril - Fig. Incapaz de produzir ou manifestar qualquer coisa original
  4. 4. Parte 2ª. - Cap. VI – MUNDOS TRANSITÓRIOS c) - Os mundos dessa categoria carecem então de belezas naturais? “A Natureza reflete as belezas da imensidade, que não são menos admiráveis do que aquilo a que dais o nome de belezas naturais.” “Já pertenceu.” d) - Sendo transitório o estado de semelhantes mundos, a Terra pertencerá algum dia ao números deles? e) - Em que época? “Durante a sua formação.”
  5. 5. Parte 2ª. - Cap. VII – MUNDOS TRANSITÓRIOS Nada é inútil em a Natureza; tudo tem um fim, uma destinação. Em lugar algum há o vazio; tudo é habitado, há vida em toda parte. Assim, durante a dilatada sucessão dos séculos que passaram antes do aparecimento do homem na Terra, durante os lentos períodos de transição que as camadas geológicas atestam, antes mesmo da formação dos primeiros seres orgânicos, naquela massa informe, naquele árido caos, onde os elementos se achavam em confusão, não havia ausência de vida. Seres isentos das nossas necessidades, das nossas sensações físicas, lá encontravam refúgio. Quis Deus que, mesmo assim, ainda imperfeita, a Terra servisse para alguma coisa.
  6. 6. Parte 2ª. - Cap. VII – MUNDOS TRANSITÓRIOS Quem ousaria afirmar que, entre os milhares de mundos que giram na imensidade, um só, um dos menores, perdido no seio da multidão infinita deles, goza do privilégio exclusivo de ser povoado? Qual então a utilidade dos demais? Tê-los-ia Deus feito unicamente para nos recrearem a vista? Suposição absurda, incompatível com a sabedoria que esplende em todas as suas obras e inadmissível desde que ponderemos na existência de todos os que não podemos perceber. Ninguém contestará que, nesta idéia da existência de mundos ainda impróprios para a vida material e, não obstante, já povoados de seres vivos apropriados a tal meio, há qualquer coisa de grande e sublime, em que talvez se encontre a solução de mais de um problema.
  7. 7. Parte 2ª. - Cap. VII – MUNDOS TRANSITÓRIOS Cap. 1 A Gênese Planetária Rezam as tradições do mundo espiritual que na direção de todos os fenômenos, do nosso sistema, existe uma comunidade de Espíritos puros e eleitos pelo Senhor Supremo do Universo, em cujas mãos se conservam as rédeas diretoras da vida de todas as coletividades planetárias. (…) pag. 19 a 26
  8. 8. Dubai, 05/02/2013 O Evangelho Segundo o Espiritismo Cap. XVII – SEDE PERFEITOS INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS Item 8 – A VIRTUDE
  9. 9. Cap. XVII – SEDE PERFEITOS Item 8 – A VIRTUDE François-Nicolas- Madeleine (Paris, 1863.) Nasceu já no final do chamado Período do Terror da Revolução Francesa . Sua ordenação presbiteral deu-se a 27 de maio de 1820, aos 24 anos, já sob o reinado de Luís XVIII Foi vigário da Catedral de Paris, vigário geral da Arquidiocese de Paris e cônego da catedral. Foi arcebispo de Paris em 1857. A virtude, no mais alto grau, é o conjunto de todas as qualidades essenciais que constituem o homem de bem. Ser bom, caritativo, laborioso, sóbrio, modesto, são qualidades do homem virtuoso. Infelizmente, quase sempre as acompanham pequenas enfermidades morais que as desornam e atenuam. Não é virtuoso aquele que faz ostentação da sua virtude, pois que lhe falta a qualidade principal: a modéstia, e tem o vício que mais se lhe opõe: o orgulho.
  10. 10. Cap. XVII – SEDE PERFEITOS A virtude, verdadeiramente digna desse nome, não gosta de estadear-se. Adivinham-na; ela, porém, se oculta na obscuridade e foge à admiração das massas. S. Vicente de Paulo era virtuoso; eram virtuosos o digno cura d'Ars e muitos outros quase desconhecidos do mundo, mas conhecidos de Deus. Todos esses homens de bem ignoravam que fossem virtuosos; deixavam-se ir ao sabor de suas santas inspirações e praticavam o bem com desinteresse completo e inteiro esquecimento de si mesmos. Jean-Marie Baptiste Vianney nasceu em 8 de maio de 1786 É considerado o padroeiro dos sacerdotes. Também é conhecido como Santo Cura de Ars. Vicente de Paulo, nascido em 24 de abril de 1581 —foi um sacerdote católico francês. Foi um dos grandes protagonistas da Reforma Católica na França do século XVII.
  11. 11. Cap. XVII – SEDE PERFEITOS A virtude assim compreendida e praticada é que vos convido, meus filhos; a essa virtude verdadeiramente cristã e verdadeiramente espírita é que vos concito a consagrar-vos. Afastai, porém, de vossos corações tudo o que seja orgulho, vaidade, amor-próprio, que sempre desadornam as mais belas qualidades. Não imiteis o homem que se apresenta como modelo e trombeteia, ele próprio, suas qualidades a todos os ouvidos complacentes. A virtude que assim se ostenta esconde muitas vezes uma imensidade de pequenas torpezas e de odiosas covardias. Em princípio, o homem que se exalça, que ergue uma estátua à sua própria virtude, anula, por esse simples fato, todo mérito real que possa ter. Entretanto, que direi daquele cujo único valor consiste em parecer o que não é? Admito de boamente que o homem que pratica o bem experimenta uma satisfação íntima em seu coração; mas, desde que tal satisfação se exteriorize, para colher elogios, degenera em amor-próprio.
  12. 12. Cap. XVII – SEDE PERFEITOS Contudo, dir-lhes-ei: Mais vale pouca virtude com modéstia, do que muita com orgulho. Pelo orgulho é que as humanidades sucessivamente se hão perdido; pela humildade é que um dia elas se hão de redimir. François-Nicolas- Madeleine. (Paris, 1863.) O vós todos a quem a fé espírita aqueceu com seus raios, e que sabeis quão longe da perfeição está o homem, jamais esbarreis em semelhante escolho. A virtude é uma graça que desejo a todos os espíritas sinceros.
  13. 13. Cap. XVII – SEDE PERFEITOS Acima de tudo, consolide no coração a certeza de que a revelação maior é aquela que nos preceitua o dever de procurar com Jesus a nossa libertação do mal e, em nosso próprio benefício compreendamos a real posição do Mestre como excelso condutor de nosso mundo, em cujo infinito amor estamos construindo o Reino de Deus em nós. ANDRÉ LUIZ Tornar-se espírita não é santificar-se automaticamente, não significa privilégio e nem expressa cárcere interior É oportunidade de libertação da alma com responsabilidades maiores ante as Leis da Criação.

×