RECLINADO NO SEIO DO AMOR                 Registro na Biblioteca Nacional                   Registro nº 389016, em 02/10/2...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOSSumárioAgradecimentos... Pág. 03Introdução... Pág. 041. O desespero do homem interior... Pág. 06...
RECLINADO NO SEIO DO AMORAgradecimentosQuero agradecer ao Eterno Rei e Senhor que inspirou e impulsionou de inicio ao fime...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS       Introdução.                Não podemos deixar de olhar o titulo deste livro e não pensar ...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR        Na lida da vida temos que enfrentar muitos problemas e por isso devemos estarpreparados p...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS   1. O desespero do homem interior.        Existiria um outro homem dentro do próprio homem? Um...
RECLINADO NO SEIO DO AMORparecidos com estes: Uauu! Olha só o modelo que o escultor usou para fazer o boneco,parece um anj...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS        O álbum da criação esta um tanto tristonho, as fotos não somente estãoregistrando o pass...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR       Momento de Reflexão:       O desespero diante da DISTÂNCIA.        Quando falamos de distâ...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS   2. O inimigo chamado MEDO. “E chamou o Senhor Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás? E ele dis...
RECLINADO NO SEIO DO AMORmelhor pessoa a tratar de um problema estrutural? Se porventura chamarmos alguémque não tenha pre...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOSVeja o medo e as referidas personificações em exposição abaixo:a) Um grande “receio” acerca da d...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR       k) A “ojeriza” é a antipatia a pessoas, ou ao próprio Deus e a tudo o que esta          li...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS    Quando estou falando em separar o homem estou fazendo uma alusão em querertratar uma doença ...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR       Momento de Reflexão:       A REALIDADE do Medo.       Quando afirmamos que o medo é real e...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS   3. O individualismo: “O verdadeiro desastre”      ―Porque, o que entre os homens é elevado (s...
RECLINADO NO SEIO DO AMORO rei da pequena ilha.    Um marinheiro experiente sofreu um naufrágio. Somente ele havia sobrevi...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS    Vemos o náufrago representando aqueles que se isolam numa ilha, ou mundinho sóseu. De tanto ...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR   pessoa solitária, pois não existe um circulo afetivo ao seu redor, visto que ele   mesmo impos...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS    Seu corpo é formado por matérias encontrados na natureza, ele é feito do pó da terraGn 2.7. ...
RECLINADO NO SEIO DO AMORA formiguinha egocêntrica.    Uma certa formiguinha estava enfadada com aquela vida de trabalhar ...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS   havia deixado o seu lar para buscar uma vida individual. O que elas podiam fazer?   A própria...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR    ficando puras todas as comidas? E dizia: O que sai do homem isso contamina o    homem. Porque...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS    O ratinho Esperto.    Havia um ratinho muito gordo e que era conhecido pelo apelido de Esper...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR    Comer, beber, sexo e etc., quando usados de uma forma unilateral e egoísta sãoprazeres que ma...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS   Momento de Reflexão.   O que REPRESENTAM para você a ilha e o formigueiro individual?   Ambas...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR   4. Enfrentando adversários fortes.                                  ―Porque a carne milita (gu...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS            A inimizade    O relacionamento entre duas pessoas em que existe um sentimento de a...
RECLINADO NO SEIO DO AMORmescla com rancor, ira, ódio, maleficência não conhecendo fronteiras. Se norelacionamento vertica...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS       O inimigo do Rei        Em uma terra remota há muitos anos atrás viveu um poderoso Rei qu...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR       O maior inimigo era procurado pelo jovem rei em toda parte e ele sabia que iriaencontra-lo...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS        Incredulidade    A questão que gira em torno da palavra crer gera preocupação na vida d...
RECLINADO NO SEIO DO AMORque imperceptivelmente a atitude que se toma é acreditar no que foi exposto semreservas ou pergun...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS    A palavra de Deus é fonte especial que rega a fé para ela se desenvolver e crescer deacordo ...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR       O piloto sem fé.       Um certo piloto estava sobrevoando uma região de manguezais, quando...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS       A incredulidade está estampada sobre as palavras do piloto que chegou aconversar com o pr...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR       Momento de Reflexão.       A inimizade é um GRANDE problema.        O problema está patent...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS   5. Reclinado no Seio do Amor.    ―Ora um de seus discípulos, aquele a quem Jesus amava, estav...
RECLINADO NO SEIO DO AMORaquele que depende do Espírito Santo. Nós podemos observar que a ruína dos nossosprimeiros pais f...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS        Versículo 10, 11 e 12. Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causada justiça, po...
RECLINADO NO SEIO DO AMORmestre e seu discípulo, porém, podemos ver nessas idéias dissolutas os ardis de Satanáspara quere...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS       Finalizando o versículo: estava reclinado no seio de Jesus.       O fato de João estar re...
RECLINADO NO SEIO DO AMOR       a. Deus pode ser nosso Amigo?        Parece que não tem lugar para um amigo nessa suposta ...
PAULO FRANCISCO DOS SANTOS        Sendo mediador deste dilema: “Ele se importa ou não, eis a questão!”Logicamente que não ...
Reclinado no seio do amor
Reclinado no seio do amor
Reclinado no seio do amor
Reclinado no seio do amor
Reclinado no seio do amor
Reclinado no seio do amor
Reclinado no seio do amor
Reclinado no seio do amor
Reclinado no seio do amor
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Reclinado no seio do amor

649 visualizações

Publicada em

A comunhão é o melhor remédio para as doenças da alma.
Medo, individualismo, inimizade, incredulidade sendo tratadas pela Palavra de Deus.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
649
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reclinado no seio do amor

  1. 1. RECLINADO NO SEIO DO AMOR Registro na Biblioteca Nacional Registro nº 389016, em 02/10/2006 1
  2. 2. PAULO FRANCISCO DOS SANTOSSumárioAgradecimentos... Pág. 03Introdução... Pág. 041. O desespero do homem interior... Pág. 06 Tirando fotos... Pág. 06 Momento de reflexão... Pág. 092. O inimigo chamado Medo... Pág. 10 O medo e suas personificações... Pág. 12 Momento de reflexão... Pág. 153. O individualismo: ―verdadeiro desastre‖... Pág. 16 O rei da pequena ilha... Pág. 17 A formiguinha egocêntrica... Pág. 21 O ratinho Esperto... Pág. 24 Momento de reflexão... Pág. 264. Enfrentando adversários fortes... Pág. 27  A inimizade... Pág. 28 O inimigo do Rei... Pág. 30  Incredulidade... Pág. 32 O piloto sem fé... Pág. 35 Momento de reflexão... Pág. 375. Reclinado no seio do amor... Pág. 38 Deus pode ser nosso amigo? ... Pág. 43 O amor de Deus é para todos? ... Pág. 45 O amor de Deus é uma experiência pessoal? ... Pág. 47 Mas o que fazer para receber este amor? ... Pág. 48 O medo pode ser vencido? ... Pág.49 Também posso vencer o individualismo? ... Pág. 51Conclusão... Pág. 53 2
  3. 3. RECLINADO NO SEIO DO AMORAgradecimentosQuero agradecer ao Eterno Rei e Senhor que inspirou e impulsionou de inicio ao fimeste livro. A Ele glória, louvor e honra sempre!Quero agradecer minha amada esposa Neide e minhas filhinhas Priscilla e Nahara porestarem ao meu lado. Vocês são um presente de Deus na minha vida!Também quero agradecer ao Mentor e Amigo Faustino por sua paciência, dedicação eamizade. Acredito que sou parte da resposta de suas orações e obra que de maneiranenhuma tem sido em vão no Senhor.Quero agradecer também o apreço e amizade que a mim foram concedidas pelos irmãosem Cristo Donizete e Armando que me ajudaram em momentos bem difíceis. Vocês sãoamigos que estão do lado direito do peito.Também quero agradecer a meu querido irmão Evaldo pelo computador e programasque contribuíram para finalização deste livro.Quero concluir agradecendo a todos que direta e indiretamente contribuíram pararealização deste sonho que se tornou realidade. Paulo Francisco dos Santos Pastor, escritor e poeta 3
  4. 4. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS Introdução. Não podemos deixar de olhar o titulo deste livro e não pensar se hácondições para estar reclinado no seio do amor. A dificuldade em si não recai sobreaqueles que já estão nesta privilegiada posição, mas a aqueles que desconhecem ou queconhecem pouco e acham isto impossível. É muito difícil para todos os homens poderem enxergar com sua própriaótica esse amor divino. Sem auxilio nenhum, sem ajuda que provem lá do alto, isto é,classificado de impossível, mas em resposta a essa impossibilidade ficamos com a frasede Jesus: “As coisas que são impossíveis aos homens são possíveis a Deus”. (grifomeu) Lc 18.27 Depois destas palavras de Jesus você pode receber uma injeção de fé quefará a tristeza da distancia se transformar em fagulhas de luz que crescerão até formarum sol que irradia felicidade e produz a alegria de um relacionamento impossível aosolhos carnais, mas possível para dimensão da fé: a amizade com Deus. A palavra de Deus é vida e desperta o homem do sono espiritual e o capacitapara ver o que pode estar encoberto aos olhos da razão. Num mundo racional a fé é vista como um objeto antiquado que não deve serretirado do baú. Vivemos em um tempo que apesar da tecnologia, os estudos e os meios decomunicação estarem tão avançados, o homem ainda tem dificuldades de entender opropósito de Deus em sua vida. Seria Deus um ser pessoal? Teria importância minha vida? São alguns aspectosque iremos abordar e por fim caminhar em rumo as respostas que nos são entregues pelaBíblia Sagrada. A amizade é nosso foco central e a continuidade deste sentimento, que nãoexiste numa perspectiva individualista, mas em uma convivência recíproca entre duasou mais pessoas. As palavras que podemos inserir em todas as duvidas e dificuldades quesurgirem em nossas vidas são as mesmas que o Apostolo Paulo usou: ―Posso todas ascoisas naquele que me fortalece‖. Fp 4.13 Falaremos apenas sobre o Medo, Individualismo, Incredulidade e Inimizade quesão classificadas como doenças de alma e afetam o bem estar de varias pessoas em todoo mundo, mas que podem ser curadas pela palavra de Deus. Consolo para o coração e remédio para alma! Esta é uma afirmação baseada namensagem de amor do evangelho, que abre a porta da esperança para a entrada numavida muito melhor. Existem muitas outras doenças de alma como: Ódio, rancor, maledicência,ignorância, mentira e etc., mas falta-nos espaço para poder aborda-las, todavia acreditoque posteriormente Deus irá preparar outros trabalhos em que possamos falar de outrostópicos sobre este assunto tão interessante. Ajude-nos em oração. Obrigado! 4
  5. 5. RECLINADO NO SEIO DO AMOR Na lida da vida temos que enfrentar muitos problemas e por isso devemos estarpreparados para tudo e as dificuldades emocionais também são problemas a seremsuperados. ―As chaves lhe serão entregues em breve!‖ Isto, em si desperta a curiosidade,não? Quero dizer que a seqüência exposta neste livro lhe dará uma boa direção. Assim podemos classificar este investimento de tempo como uma aquisição bemoportuna. Não desanime no meio do caminho, ―O.K.‖!? A idéia inicial deste livro é poder ajudar, e tenho visto isto, pelo menos emalgumas vidas, e espero que a sua seja a próxima. Minhas orações tem ido nesta direçãoe sinto como ter recebido um prêmio do Senhor. ―O insondável amor de Deus guie a cada um a sua doce amizade e ao seio de seuamor!‖. 5
  6. 6. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS 1. O desespero do homem interior. Existiria um outro homem dentro do próprio homem? Um ser diferente dentrodele? Na verdade não estou querendo criar uma espécie de utopia, mas direcionar anossa atenção para o coração humano. Coração como sede dos sentimentos e não abomba que transporta sangue para todo o corpo. Não existe uma alma separada docorpo, ou um coração alheio ao todo. Podemos dizer que cada um de nós meros sereshumanos somos almas viventes e não podemos dizer que temos uma alma, como sefosse esta, separada do resto do corpo. O retrato do homem interior é o seu todo que não pode ser desconexo para seranalisado. Assim iremos olhar o ser humano numa perspectiva bíblica e desenvolver asidéias que são o motivo de escrevermos este livro. Tirando fotos. Estava pensando em retratos. As máquinas fotográficas são instrumentos quetem a capacidade de neutralizar o tempo e empacota-lo para ser guardado no bolso, numálbum, num armário, para ficar numa escrivania e etc. Você já saltou no tempo? Estou perguntado isto, mas pensando em fotos élógico. Quando minha filha Priscilla foi apresentada ao Senhor na igreja, foi algo muitoespecial para minha amada esposa e pra mim. Tiramos muitas fotos, mas uma ficou tãolinda que toda vez que a olho me sinto o pai mais coruja do mundo (risos). Dá mesmamaneira me senti quando apresentamos a Nahara, nossa segunda filha. Outra porção defotos tiradas. Mais motivos para ser papai... você(s) entende? Se você não é pai ou mãeainda, não se preocupe, pois existe tempo para tudo nesta terra. Não posso, porém negarque tenho duas filhas que são super lindas. Existem recordações que são como bombonsreceados (Ummm!), ao olha-los sentimos logo o desejo de come-los. Ao olharmoscertas fotos sentimos desejo de saltar no tempo e conseguimos ainda que por algunssegundos tocar no passado. Que coisa fenomenal seria existir maquinas fotográficas no tempo da criação epoder fotografar o Senhor em plena atividade. Imagine uma maquina dessas em açãofotografando tudo o que estava acontecendo e arquivando as fotos para as geraçõesfuturas verem que fenomenais foram os dias do gênesis de todo o universo. Umapalavra dita aqui e a luz aparecendo. Outra falada lá e a terra surgindo. Mar, céu,montanhas, arvores e tudo o mais no flesh de nossa máquina que comporá o álbum dacriação. Seria esplêndido ver Adão formado do barro como um boneco, imóvel, semvida por um instante. Quem visse a foto diria: este boneco de barro parece gente. Outropoderia dizer: foi Michelangelo ou Aleijadinho que fez este boneco? Click e click... os dedos na máquina registrando o close bem definido do soprodo Senhor indo direto as narinas do boneco. Outro click, outro flesh e o boneco comolhos abertos e pego com um sorriso celestial. Acredito que os comentários seriam 6
  7. 7. RECLINADO NO SEIO DO AMORparecidos com estes: Uauu! Olha só o modelo que o escultor usou para fazer o boneco,parece um anjo! Olha a face dele como brilha. Este homem não é da terra! Imagine ainda fotografar o Jardim do Éden. Imagine mais um pouquinho e tirecomigo um retrato de Adão e Eva quando viviam felizes naquele lindo jardim. Fotos e mais fotos... Temos tirado de tudo o que é visível aos olhos humanos.Neste momento vamos fazer algo diferente, como a imaginação recebeu impulso pararealizar algumas proezas, gostaria de fotografar com nossa maquina que salta no tempoo homem interior de Adão. As fotos que são tiradas de Adão mostram que dentro dele existe uma parte docéu. Na primeira foto veríamos o sentimento da amizade com um sorriso muito lindoacenando para câmera. A segunda foto o sentimento de comunhão de mãos dadas com afidelidade e a paz brincando de roda. Ainda que sentimentos não possam ser vistos aolho nu, eles são reais, as nossas fotos estão afirmando isto. Os dedos que empunham a máquina fotográfica que salta no tempo estão a todovapor e focalizam a santidade e a bondade sentadas na sala de estar do coração bebendoum cafezinho. A confiança e a esperança ainda são pequenos bebês que alegram aamável benignidade. Paciência e humildade estão arrumadas com roupas festivas para ira festa promovida pela gratidão. O amor toma a palavra e faz um discurso sobre viverna presença de Deus e em seguida faz uma bela pose para completar nosso belo álbum. Cenas maravilhosas que dão gosto de ver. Estas fotos são boas recordações, maseste álbum da criação não tem somente dias felizes fotografados. Adão chega adesobedecer a Deus como nos relata o capitulo três de Gênesis e as fotos que são tiradasapós sua infeliz escolha formam o que podemos caracterizar de a problemática de umavida separada do Criador. Agora, Adão tem fadiga para conseguir seu alimento diário e Erva dores de partograndemente multiplicadas. O conforto do Éden é trocado pela luta pela sobrevivênciana Mesopotâmia. Não é fácil ter uma vida independente do criador e por isso Adão vêseus descendentes irem de mal para pior. Caim mata Abel e comete o primeirohomicídio. A violência enche o mundo antidiluviano (Gn 6.11) e entristece a pessoa deDeus. E isto, veio por um só ato de desobediência (Rm 5.12). O homem ganhara adistancia, abraçara o medo, criou meios de se isolar do criador, fez-se inimigo, ficouincrédulo, passou a olhar para vida negativamente, o viver do ser humano passou ademonstrar o desespero físico, emocional e espiritual. Cada foto que nossa hipotética máquina tira trás as marcas do pecado quedelineiam o fato indiscutível que expõe a verdade sobre a grande responsabilidade que aliberdade coloca nos ombros de cada individuo. Mas a liberdade gerou o pecado e a morte? Se seguirmos este tipo de pensamento vamos falar que a invenção do avião étotalmente maligna, pois este é usado como uma terrível arma de guerra, esquecendoque ele pode ser usado para transportar pessoas e ser usado para salvar vidas. A pólvora é usada para fabricar bombas, mas ao mesmo tempo pode ser usada namineração e ajudar extrair minerais que vão fabricar produtos que auxiliarão no bemestar do homem. Assim podemos afirmar que a morte veio pelo mau uso da liberdade. 7
  8. 8. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS O álbum da criação esta um tanto tristonho, as fotos não somente estãoregistrando o passado, mas retratam um presente vivido por muitos homens. É necessário parar e pensar! Quem gosta da idéia de morrer? Será que existe alguém que quer se separar deseus entes queridos? Ou de ficar doente? Alguém gosta da tristeza como suacompanheira? Acredito que todos gostariam de viver para sempre e não ter que passar portantos momentos difíceis que neste mundo somos obrigados a passar. Acusar Adão não seria o melhor remédio para mudar nosso quadro, mas nossasescolhas contribuirão para nosso próprio bem. O desespero humano se dá por causa da distancia entre ele e seu criador. Adão errou e isso é incontestável, mas isso não é justificativa para que cada umde nós permanece longe de Deus e aumentando o álbum do desespero fotografado noÉden. É necessário parar e pensar. Ao fazermos uma auto análise de nós mesmos,podemos enxergar coisas que estão bem obvias. 8
  9. 9. RECLINADO NO SEIO DO AMOR Momento de Reflexão: O desespero diante da DISTÂNCIA. Quando falamos de distância fazemos uma ponte para entendermos o quanto nãoter comunhão plena com o Criador causou males a todos homens depois de Adão. E, porisso, refletir que a solução para todos os problemas do ser humano está em Deus e quecada um de nós é impotente para por méritos diminuir esta distância. O desespero diante da MORTE. A morte veio ceifar a vida como um agente especial que demonstra atransitoriedade do ser humano, que mesmo lutando de todas as formas para vence-la,tem que se prostrar diante dela. A morte é um inimigo implacável que não pode servencido pelos impotentes filhos de Adão, o que nos faz direcionar o olhar para aquEleque pode todas as coisas. O desespero diante do PECADO. O pecado é uma pedra que amarrada no calcanhar do ser humano o tem puxadoem direção oposta ao céu. O desespero diante do pecado é explicado quando vemos adificuldade de deixar de errar e apagar qualquer delito, mesmo mínimo que tenhamoscometido. Não existe suborno que faça o pecado retirar a rédeas de seu domínio; não sepode mata-lo; não se pode engana-lo; não se pode esquece-lo ou negociar uma possíveltrégua. É necessário ajuda para vencer este inimigo que não podemos ver ou tocarfisicamente, mas que esta dentro de cada um. 9
  10. 10. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS 2. O inimigo chamado MEDO. “E chamou o Senhor Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás? E ele disse: Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-me”. Gn 3.9,10 Estes dois versículos transmitem algo muito profundo com respeito ao serhumano. A voz do amável Deus não estava mais tão bela para Adão, seu coração nãotinha mais a confiança de outrora, agora ele estava sem a vestimenta espiritual dacomunhão e estava no buraco do medo tentando se esconder. A vida agora seria amarga, Deus não viria todos os dias dar sua costumeira aula,a viração do dia perdeu o seu brilho; o suor, a fadiga e o trabalho seriam oscompanheiros do recém distanciado homem. A separação ao passar do tempo não diminuiu, mas aumentou e o Deus—amigoveio a ser visto de outra forma entre os descendentes da distancia. Olhar aterrorizador, rosto perplexo com um ponto de interrogação é a visão queeles passaram a ter de Deus. Estes aspectos formulados no parágrafo anterior são a pura expressão encontradanos distanciados filhos de Adão quando se menciona o Deus onisciente, que para elesnão somente sabe tudo sobre nossas vidas, mas é um juiz e um carrasco que estaesperando uma falha para torturar com aquele tão incomodo sentimento de culpa quelevará ao infeliz trajeto final: ―O INFERNO!‖. O sentimento que mais permeia esta situação é o ―MEDO‖, que brota como umdos ramos de uma arvore chamada distância. Sim, o medo de não ser aceito, o medo dareprovação, o medo de não acertar, o medo de estar enganado, o medo de aproximar-se,o medo somado ao medo multiplicado ao medo. Assim vemos esta idéia de distancia como algo que incomoda toda a raçahumana. Talvez essa seja a explicação para o surgimento de diversas religiões ediversos deuses, que sendo criações humanas (ou demoníacas) podem ganhar atenção epersonificar um aproximamento com a divindade. Um refrigério temporário, um escapeprovisório, um avental de folhas de figueira (Gn 3.7) que murcham e secam numinstalar de dedos, assim são todos os meios fabricados pela mente do homem e nãopodem fazer este se achegar a Deus. O medo e a distância são vistos como companheiros inseparáveis na desgraçaem que o homem caiu. Não obstante a essa clara afirmação estão os velhos sentimentosrecebidos como herança no jardim do Éden, dispostos a não aceitar que quem pode nosajudar é somente aquele que nos criou. Não existe algo tão terrível quanto o acumulo desentimentos contrários à natureza humana antes da queda, e isso se seguiu tendo comoponto de propulsão o medo que fez Adão se esconder, não reconhecer seu fracasso,desviar seu erro em direção a sua mulher, não se humilhar, não pedir o perdão divino, seauto- justificar e por fim, deformar a imagem de seu criador em si mesmo. O medo foi o primeiro fruto do pecado, ou seja, o primeiro resultado de umareação em cadeia que gerou um ser doente de alma. Aonde se pode buscar uma solução para isto? Quem arquitetou o projeto de uma casa não seria o melhor indicado para criaroutro quarto ou realizar qualquer outra reforma possível. Quem a construiu não seria a 10
  11. 11. RECLINADO NO SEIO DO AMORmelhor pessoa a tratar de um problema estrutural? Se porventura chamarmos alguémque não tenha preparo o que acontecerá com esta casa? O homem em si parece não reconhecer este principio e tenta fazer a sua maneiravarias tentativas vãs para buscar a resolução deste dilema. Quem porventura é o homem? Nasce, cresce, vive alguns anos e depois morre.Um ser finito. Que pode ficar acamado por uma gripe. Nesta limitação, vemos que emsi, ele precisa de ajuda para redirecionar-se e sair do esconderijo Adâmico (ref. a Gn3.10). Precisamos do Deus Amigo! O homem ficou totalmente doente e não somente em seu corpo físico, mastambém no seu interior, ou seja, na alma. A doença da alma é um mal antigo, porémignorado entre muitos e causa de grande sofrimento na atualidade. O medo é umadoença que afeta a alma e que não é visível ao raio-X, nem ao ultra-som, nem mesmouma ressonância magnética pode identifica-lo, todavia sua existência é tão real quenenhum estudioso pode nega-la. Por que dizer que o medo é Real? Porque simplesmente ignora-lo não irá melhorar a situação, mas irá formar o quepodemos chamar de bola de neve, que se desenvolverá de tal maneira que poderá serincontrolável. O medo em si é um companheiro ancestral da humanidade que ganhou vida como primeiro homem e hoje personifica o receio, temor, covardia, terror, pusilanimidade,fraqueza, debilidade, frouxidão, desconfiança, pânico, ojeriza, asco, aversão,aborrecimento, dúvida, oscilação, hesitação, suspeita... Ufa! Que coisa terrível, não? 11
  12. 12. PAULO FRANCISCO DOS SANTOSVeja o medo e as referidas personificações em exposição abaixo:a) Um grande “receio” acerca da divindade é a marca do medo e remete a cada homem em direção contraria. Estando caminhando em direção oposta, a cada passo ficamos mais distante do ponto de partida, e isto, significa que o receio nos leva a um abismo entre nós e Deus.b) O “temor” afasta qualquer visão positiva acerca da reconciliação. À volta dos braços da distancia ao convívio pessoal com Deus se torna apenas uma ilusão que nem ao menos é pensada.c) A “covardia” é a dificuldade em enxergar a vitória, impossibilitando que o corpo obedeça à voz que indica avançar e lutar. A covardia é a marca dos perdedores e no coração cheio de medo significa não ter disposição para lutar contra tudo aquilo que gera frustrações e assim ir de mal a pior.d) O “terror” como fruto de um coração que não tem comunhão é um viver assustado, uma visão destorcida da realidade, a mente fica fértil em sentido negativo e só imagina Deus como um carrasco e não o pode vê-lo como um Pai amoroso que anela pela volta do filho perdido. O terror é o ultimo degrau que o medo possibilita o homem subir. O medo multiplicado torna o homem cego e esta falta de visão o torna vulnerável à queda, mesmo existindo varias oportunidades de escape.e) A “pusilanimidade” é a falta de ânimo, de energia. A vida sem animo, sem energia é apagada, sem a dinâmica do movimento que o existir impõe aos vivos. O medo trás a falta de um referencial que liga o homem num viver em harmonia.f) A “fraqueza” é causada pela falta de vitaminas levando o corpo sem energias desfalecer e não ter vigor para qualquer atividade. A quebra de toda a atividade gera aos membros do corpo uma atrofiação. O medo faz com que fiquemos como estatuas diante de qualquer adversidade, imóveis, atrofiados e sem disposição para lutar.g) A “debilidade” é o passo anterior a morte do corpo que esta sem recursos para poder sobreviver. Imagine isto permeando um coração cheio de medo, o resultado seguinte é a morte de toda esperança. Sem expectativas o homem é um navio a deriva, um carro sem motor, um ser sem coração (órgão que bombeia o sangue), ou seja, um ser que não tem sentido para viver.h) A “frouxidão” é um sinônimo de mãos sem firmeza. O medo é uma falta de determinação e firmeza, que ajuda a pedra da incredulidade a puxar mais para baixo, sem ter a objeção de mãos firmes que se apóiam e impedem o afundar.i) A “desconfiança” faz com que o coração medroso não possa dar credito em pessoas e muito menos em Deus. A desconfiança em ultima estância é a companheira da incredulidade conduzindo o homem ao egocentrismo.j) O “pânico” é o susto ou um pavor repentino, uma espécie de ataque epilético que vai e volta. O medo—pânico é sentido quando nos deparamos com certa situação ou lugar e transmite uma dor ou uma sensibilidade crescente em direção ao terror. 12
  13. 13. RECLINADO NO SEIO DO AMOR k) A “ojeriza” é a antipatia a pessoas, ou ao próprio Deus e a tudo o que esta ligado a Ele. Seria a total renuncia ao relacionamento que pode ser estabelecido entre a criatura e seu criador, levando ao seu seguidor a autodestruição. l) O “asco” é a repulsa física ou moral que faz o homem reprimir na prática ou mentalmente as leis divinas. Isto faz com que cada um haja conforme o desejo do seu coração e a satisfação da carne se torna o objetivo numero um da vida. m) A “aversão” é o ódio ou rancor que surge no coração que tem medo de reconhecer seu próprio erro o impultando a outrem, ou direcionando a Deus. O ódio é o inverso do amor, quando não se ama odeia e o odeiante assume a posição de inimigo. Que coisa terrível é estar distanciado de Deus! n) O “aborrecimento” age em duas perspectivas: 1º faz com que o seu dono deteste alguém. 2º faz com que o detestado tome a mesma posição, ou simplesmente se afaste. O medo que se torna em aborrecimento faz o muro da separação ficar mais alto, pois lança fundamentos ao coração que toma a decisão de contrariar a divindade em todos os aspectos. o) A “dúvida” é a incerteza ou descrença na verdade. E quem é a verdade? Jesus disse eu sou a verdade...(Jo 14:6). O medo anula a fé, pois faz a dúvida ser um oponente indestrutível ao vinculo que pode unir o homem novamente a Deus. p) A “oscilação” significa mudar de direção constantemente, ou em outras palavras ser como o ditado popular diz: ―uma barata tonta‖, que não sabe para onde ir. O medo impossibilita ter firmeza e uma direção segura, privando o homem de receber tudo o que Deus quer lhe conceder. q) A “hesitação” estabelece a indecisão como regra de vida. Quem é hesitante fica sempre no meio do muro. Não é a favor e nem contra. O medo hesitante quer dar a falsa idéia que o homem pode fazer o que desagrada a Deus sem o desagradar. Ser um colega e não um amigo, conhecer apenas um pouco a Deus, sem necessariamente ter um relacionamento com Ele. O medo é extremamente maligno, não é mesmo? r) A “suspeita” gera uma opinião em geral desfavorável a alguém, ou a Deus. O medo não deixa ver a Deus como Ele é, mas levanta uma idéia desfavorável e estabelece um emaranhado de opiniões que ajudam a manter a distancia do homem e seu Criador. O medo em si é a expressão da falta de comunhão com Deus e um forte opositor atudo aquilo que Ele deseja a cada ser humano. Quem teme se distancia, quem estádistante está separado e isto significa que não pode existir um relacionamento intimoentre ambas as partes, lançando o infortúnio como ponto final de toda a controvérsiainiciada no Éden entre o Criador e sua criatura, se não houver uma maneira deretroceder e seguir outro caminho. Nunca em toda historia da humanidade se viu tantas pessoas sofrendo de doençasligadas à alma, como em nosso século. Tudo isto é fruto talvez da discrepância dasautoridades a querer separar o homem em partes e explicar situações sem olha-lo comoum todo. 13
  14. 14. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS Quando estou falando em separar o homem estou fazendo uma alusão em querertratar uma doença física esquecendo que se o homem sofre de uma enfermidade nasmãos, por exemplo, não é somente a mão que sofre, mas o corpo todo. Sim, queroafirmar que se o homem não está bem emocionalmente ele não esta bem fisicamentetambém e vice-versa. O homem é um ser total, ou seja, indivisível no que diz respeitoao ser, quando vivendo sobre a face da terra. No relacionamento horizontal direcionado ao próximo o medo faz com que aamizade, união, cooperatividade tenham papeis nulos. Como nós vimos na lista acima, o medo não age sozinho, mas personifica variasatitudes ligadas a ele, que exercem influencias negativas na vida individual e social doser humano. 14
  15. 15. RECLINADO NO SEIO DO AMOR Momento de Reflexão: A REALIDADE do Medo. Quando afirmamos que o medo é real existe o desejo de tornar claro a alusão desua proximidade a cada um de nós. O TROPEÇO chamado Medo. O tropeço representa um impedimento no caminhar. O medo é um tropeço queimpede o continuo progresso do ser humano. A DOENÇA que o Medo representa. Ao falarmos de doença lembramos que algo não está bem em nosso corpo e porisso ele não está exercendo plenamente suas funções. Toda doença deve ser tratada paraque não venha causar males maiores e assim podermos gozar do bem estar que a saúdenos proporciona. Saúde é o bem estar físico, emocional e espiritual. O medo como uma doença de alma deve ser tratada para que não venha causardanos a saúde de uma forma gradativa que pode gerar em ultima estância a morte. 15
  16. 16. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS 3. O individualismo: “O verdadeiro desastre” ―Porque, o que entre os homens é elevado (soberbo), perante Deus éabominação‖. Lc 16.15 Individualista náufrago. Existem pessoas que por acontecimentos que sofreram durante sua vida se trancamem casulos e formam mundinhos que são muito frágeis e não percebem que mundo estáem movimento, que existem outras pessoas. Elas são vitimas da solidão de seu própriomundo vazio que a direciona para a autodestruição. Individualista construtor. Existem aqueles que se entregam a uma tentativa cega de criar um mundo separadodos outros e lutam para de unhas e dentes para conseguir seu propósito egoísta. Estessão aqueles que não estão conformados com o todo, mas estão olhando somente para si.Elas são vitimas de seus propósitos mesquinhos que semelhantemente ao naufrago osconduzem a autodestruição. Individualista Hedonista. Existem aqueles que se entregam a uma vida de procura de prazer. Seuspensamentos são mesquinhos, pensa somente em si mesmo e procura satisfazer somenteseus próprios desejos. Um individualista radical e hedonista é um ser vive para terprazer. O presente e o prazer são suas fontes vitais. 16
  17. 17. RECLINADO NO SEIO DO AMORO rei da pequena ilha. Um marinheiro experiente sofreu um naufrágio. Somente ele havia sobrevivido echegado a uma pequena ilha. Esta ilha tinha dez coqueiros e uma caverna quecabia o naufrago e mais um pequeno espaço. O tempo foi passando e ele foisobrevivendo dos cocos que ia colhendo. Comia a carne do coco e bebia sua água.Muitos dias se passaram e o marinheiro passou a perder o juízo. Imaginava-se umgrande rei, o rei da pequena ilha. Como rei solitário que era, o naufrago davaordens e mais ordens a si mesmo. Anos se foram e ele se acostumou a viver apenasconsigo e para si mesmo. Mas algo muito ruim aconteceu, os dez coqueiros ficaramenfermos e começaram a morrer. E cada um produziu o ultimo coco o que omarinheiro logo tratou de colher e guardar. Agora ia ser uma questão de tempopara o pior chegar, a sua fonte de alimento havia se esgotado. Quando tudo pareciaperdido, ao longe ele avistou um navio vindo em direção a sua ilha. O capitãoestava com uma luneta e viu uma pessoa na pequena ilha e direcionou o navio paraela. O pobre naufrago ia ser resgatado. Os anos de solidão iriam ser substituídospelo convívio entre pessoas, ele iria saborear comidas e bebidas diferentes. Eleteria a liberdade da ilha com paredes de água. Ao fitar durante algum tempo onavio vindo em sua direção o marinheiro tomou a atitude mais irônica que aquelemomento lhe proporcionava. Pegou os dez cocos e correu para dentro do buracogritando: ―Não, não! Vocês não irão roubar meus cocos e nem minha maravilhosailha‖. A cada instante o navio se aproximava mais e mais. Ao chegar perto da ilha enão avistar ninguém nela o capitão achou ter tido apenas uma ilusão, confundidoalgum dos coqueiros secos com uma pessoa e por isso virou o navio em direçãooposta e foi se embora. O naufrago ficou só com seus dez cocos e a ilha, morrendoum pouco depois de consumir o ultimo coco. 17
  18. 18. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS Vemos o náufrago representando aqueles que se isolam numa ilha, ou mundinho sóseu. De tanto viver olhando só pra si eles passam a não enxergar o mundo fora de suailha e por isso, começam a alimentar-se dos frutos de uma vida individualista. Cada umdos cocos representa um sentimento que enche a vida dos náufragos que se interessampor uma ilha individual. Qual é a ambição do náufrago ou náufragos individualistas? A ambição é ser rei deste mundinho egocêntrico para sempre. E eles fazem tudopara isso, mesmo que tenham de se enfiar nos buracos da solidão. Não vem as muralhasque se erguem ao seu redor impossibilitando sua volta à realidade. E ao comerem osúltimos frutos que restam de seu reino, vislumbram o final que é a morte. Coloquei abaixo os sentimentos que o rei da pequena ilha pode gerar em sua buscaegocêntrica com o titulo: ―Os dez frutos do individualismo‖. 1º coco: O Egoísmo é o excessivo amor por si próprio. Não devemos nos amar? Lógico que sim, mais o egoísmo faz a pessoa só se importar consigo mesmo, levando os seus interesses acima de qualquer principio. O egoísmo nada mais é do que uma manifestação de idolatria por si mesmo, onde não existe lugar para o amor direcionado ao próximo ou a Deus. 2º coco: O individualismo suscita o desejo de tirar do caminho tudo o que é ou pode ser um potencial impedimento para sua auto-realização, sem ao menos pensar em princípios ou no que Deus pode achar de suas atitudes. Isto é o mesmo que dizer ―irei matar o inimigo antes que ele apareça‖. 3º coco: A vangloria é o desejo de receber louvor a qualquer custo de si mesmo ou do semelhante. É o desejo de ocupar uma posição de destaque e ser maior do que todos. O fato do naufrago se ver como um ―rei‖ na pequena ilha lhe trouxe um prazer indescritível. Ele se gloriava de sua suposta posição de rei de si mesmo. A vangloria é o delírio individualista de se projetar alem da realidade. 4º coco: Orgulho ou soberba é o sentimento de superioridade que faz o individualista andar de nariz empinado e pisar em todos, humilhando e rebaixando as pessoas ao seu redor. O orgulho cria a antipatia como um fruto de aversão ao próximo que leva o individualista a desprezar espontaneamente. O orgulho faz o soberbo não só se impor sobre o semelhante, mas ainda o faz enfrentar ao próprio Deus declarando sua total independência, numa irônica e destrutiva arrogância. 5º coco: O individualista não consegue enxergar qualidades no próximo. Sua mente não pode pensar na promoção de qualquer outra pessoa, a não ser a si próprio. Seria o mesmo que dizer: ―não existe alguém semelhante a mim‖, ou então ―o mundo brilha melhor por que existo‖ e os ―outros são meros acidentes que se apagam (morrem) com facilidade‖. 6º coco: O individualista vê inimigos em toda parte. Ate mesmo pessoas que querem lhe ajudar são vistas como ladrões de posição. O navio que vinha resgatar o naufrago foi visto por ele como um salvador? Claro que não, foi visto como um usurpador dos cocos e da pequena ilha, e este preferiu morrer a ser ajudado. 7º coco: Todo individualista é uma pessoa que não possui amizades verdadeiras. O seu infortúnio no que diz respeito ao relacionamento faz com que ele seja uma 18
  19. 19. RECLINADO NO SEIO DO AMOR pessoa solitária, pois não existe um circulo afetivo ao seu redor, visto que ele mesmo impossibilita isto, por suas atitudes. 8º coco: O Desequilíbrio é algo que rotula o individualista, pois ele não consegue ser uma pessoa que tem temperança ou moderação no que diz respeito ao dividir, doar e participar. 9º coco: A Impaciência levou o naufrago egocêntrico a rejeitar a ajuda do navio que vinha ao seu socorro, pois ele só pensava em proteger seu mundinho. O individualista é impaciente com tudo o que diz respeito ao mar, continentes que estão fora de sua pequena ilha, ou seja, o mundo ao redor. 10º coco: A meta da vida do individualista é querer viver totalmente independente de todos os homens e de Deus levando-o a Autodestruição. O mundinho imperfeito do naufrago não poderia sustenta-lo por muito tempo, só havia um pequeno abrigo (o buraco) e dez coqueiros que morreram, e dez cocos que logo iam ser consumidos. O engraçado disto, é que mesmo que o reinado individualista possa desmoronar, ele não quer dar o braço a torcer. Prefere ir ao para o triste fim. Seus pensamentos são: ajuda nem pensar, ninguém pode fazer nada, Deus não existe. O sentimento egocêntrico que invadiu a vida do primeiro homem não deixou de sefazer presente em seus descendentes. A sede de ser independente levou Eva e Adão acomer do fruto da Arvore da ciência do bem e do mal, numa esperança irônica de serigual ao seu criador (Gn 3.5). O homem depende de alimento e água para sobreviver, de calor para viver, de sonopara recompor-se, de ser ensinado para fazer qualquer atividade e etc. A idéia deindependência apenas é uma viseira que impede enxergar o que é obvio, o que estapatente: ―Não pode existir independência em um ser dependente!‖ Pode parecer exagero, mas este estado de alma reproduz toda uma insatisfação napessoa de Deus ao incorporar os sentimentos presunçosos e soberbos de um personagemangelical que ocupa agora a posição de opositor ao Supremo. Satanás quis ser independente de Deus e roubar a sua posição. E o que ele recebeu?Ele conseguiu sua meta? Sua arrogância lhe deu que pagamento? A auto destruição foi sua recompensa. Lançado do céu, despido de sua glória eagora inimigo de Deus. O egocentrismo foi à desgraça do ex-anjo de luz e é também a de todo o homem. A independência nada mais é nesse caso que um buraco sem fundo que proporcionauma queda continua. Este estado de individualidade tem sido a ruína da humanidadeconduzindo-a um beco sem saída. O domínio exercido por este tão grande mal traça planos tais como: 1º todos osempecilhos devem ser removidos; 2º devo fazer tudo o que for necessário para chegar-se ao alvo do meu coração (soberbo). Mesmo que isto produza um rastro de dor e ruína. Tal coração não se preocupa com os que estão ao seu redor, ainda que sejam aquelesque se presume ser entes queridos, pois os sentimentos egoístas são sua única família acreditar atenção. O sentimento de independência quando chega ao topo do exagero produz umalúgubre escama que impossibilita o homem enxergar quem ele é. E quem é o homem afinal? 19
  20. 20. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS Seu corpo é formado por matérias encontrados na natureza, ele é feito do pó da terraGn 2.7. Sua vida por mais prolongada que seja, pouco passa dos cem anos. Nasce nu e quando morre não leva nada desta vida consigo. Ec 5.15. Por mais que aprenda, nunca chegará a acumular total conhecimento por causa desua finitude. O companheirismo em relevo se não for enxergado traz o distanciamento dosparentes e amigos. Sem a presença destes a vida se torna infeliz e vazia. Posição, estatus, fama são ilusões passageiras que desvanecem como flores que semurcham por falta de água. O verdadeiro desastre está em pensar que podemos viver num mundo paralelo, sema necessidade da ajuda do nosso próximo e de Deus. Tecer um casulo e abrigar-se nelenão é a resposta para vencer o sentimento satanocêntrico de viver em oposição àvontade divina. O individualismo nada mais é do que uma doença de alma, que faz o homem seseparar não somente dos propósitos de Deus, mas também o priva de uma vida socialequilibrada. É como colocar viseiras que o fazem enxergar somente as necessidadesmesquinhas que encharcam seu pobre coração. O temor que isto ocasiona é odirecionamento para autodestruição. 20
  21. 21. RECLINADO NO SEIO DO AMORA formiguinha egocêntrica. Uma certa formiguinha estava enfadada com aquela vida de trabalhar etrabalhar. As formigas vivem uma vida comunitária que visa o bem estar de todo oformigueiro. ―Uma por todas! E todas por uma!‖ É o que podemos definir comolema da sociedade formiguil. A pequena formiguinha juntamente com as outrasformigas guardavam alimento para o tempo de inverno, mas isto era muitotrabalhoso. Pensou ela: ―Se eu trabalhar somente para mim, vou ajuntar comidarápido, e irei descansar o resto do verão‖. Algo estranho para alguém que viviasempre em união trabalhando em pró de um objetivo comum. Ela não conhecia avida fora do formigueiro. Nunca teve antes uma vida independente. Mas elacomeçou a olhar só pra si, e desejar viver uma vida isolada, sem ter compromissocom o formigueiro. Ela era forte, jovem, carregava muitas folhas, sabia cavar bem,podia se virar sozinha. Pensava ela. Quando ela via passar uma formiga mais velhae com uma quantidade de alimento inferior ao que ela costumava carregar elaresmungava: - Que formiga imprestável! Eu tenho de trabalhar duro para sustentara preguiça destas outras formigas que não fazem quase nada. Quanto mais elafazia, mas ela se achava auto-suficiente. Ela esnobava suas companheiras e sentia-se muito melhor que qualquer uma delas. Ao passar o tempo os seus sentimentos deindividualidade cresceram de tal maneira que ela não pode se conter. Arrumou suastrouxinhas numa noite e saiu do formigueiro sem avisar a ninguém. No dia seguintefoi um alvoroço só no formigueiro e a pergunta comum era: - Onde esta aformiguinha egocêntrica? Ela arrumou suas coisas e foi embora. Respondeu umaformiga que havia sido a primeira a notar a falta dela e foi procura-la em seuquarto. Imediatamente foi enviada uma comitiva para traze-la de volta. Depois dealgum tempo elas a encontraram um pouco distante do formigueiro, cavando ecavando. Ela estava fazendo o seu próprio formigueiro. As formigas disseram: - Volte para sua casa formiguinha egocêntrica, o seu lugar não foi ocupado. – Não,não voltarei. Agora eu posso viver a minha vida, sem ter que trabalhar parasustentar ninguém. Vão embora. Disse ela. Tristes com a atitude de sua irmãformiguinha, a comitiva voltou para o formigueiro. O tempo foi passando e aformiguinha egocêntrica conseguiu fazer um buraco razoável e fez um formigueirosó seu. Um mundinho individual e egoísta. Começou a ajuntar comida. Como elanunca havia trabalhado somente para si, ela não sabia quanto de comida deveriaajuntar para passar a época de inverno. Ajuntou uma boa quantidade e disse: - Istodeve bastar. Ela não trabalhou nem metade do verão e já podia descansar. Estavase achando o Máximo. Quando se aproximou o inverno as formigas preocupadascom a formiguinha egocêntrica mandaram outra comitiva a chamá-la de volta, poisos dias de escassez de alimento estavam chegando. Ela simplesmente disse: - Vãoembora, vocês querem roubar o fruto do meu trabalho. Ao ouvir estas palavras acomitiva com mais tristeza novamente voltou ao seu lar. O inverno chegou com todasua força. As formigas estavam bem abrigadas no formigueiro. Havia comida emabundancia para passar não somente esta estação, mas para muitos dias depois.Existia no meio delas um clima muito especial, a união era algo muito forte no meiodelas. E a alegria só não era maior por causa da formiguinha egocêntrica que 21
  22. 22. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS havia deixado o seu lar para buscar uma vida individual. O que elas podiam fazer? A própria formiguinha egocêntrica havia escolhido seu destino e nisto elas não podiam interferir. Bem distante dali, estava ela, a formiguinha individualista em seu mundinho achando que tudo era mil maravilhas. Ao passar dos dias viu quanto era chato estar sem a companhia das outras formigas, mas não deu o braço a torcer, continuou dentro do seu formigueiro particular sem ao menos dar ouvido a voz da consciência que lhe dizia que ela estava errada. A neve encheu toda parte. Como a formiguinha guardou menos comida do que precisava e não havia comida em nenhum lugar resolveu ir procurar. Ao abrir a porta do formigueiro para buscar ajuda com as outras formigas ela notou que não dava para caminhar pela neve, ela não conseguiria voltar. Assim ela ficou no seu mundinho esperando o fim. Ao terminar o inverno as formigas preocupadas com a rebelde formiguinha egocêntrica enviaram outra comitiva para ver se estava tudo bem com ela. Ao chegarem no minúsculo formigueiro notaram a porta aberta e ao entrarem encontraram estirada no chão a antiga companheira morta pelo desejo de ser independente. Em estrita semelhança com a estória do rei da pequena ilha vemos esta ilustraçãosobre a formiga egocêntrica trazer a tona o coração individualista. O marinheiro criou omundinho dele depois do naufrágio, na solidão de sua ilha. Nesta outra ilustraçãoacontece o contrario a formiguinha criou o seu mundinho individualista no meio de umasociedade bem equilibrada. Por que isto aconteceu? Ela não vivia bem? Ela não tinhatudo que precisava? Podemos ver que a derrocada da formiguinha foi retirar sua visãodo todo para se importar apenas com seus sentimentos egoístas. A sociedade de hoje emdia não vive uma semelhante situação? O sentimento individualista não tem feito muitosmales a famílias, empresas e governos? Porque ter um objetivo comum se eu posso vencer sozinha, era o lema daformiguinha egocêntrica. Eu posso me virar sozinha, ser auto-suficiente e ter tudo o quequero! Isto era a força que movia seu minúsculo mundo interior. Não foram estes sentimentos que levaram Adão a ser lançado do jardim do Éden?Não foi isto que precipitou o dilúvio? Não se formou a rebelião no céu desta maneira? Como pode surgir sentimentos desta natureza em lugares como o céu e o jardim doÉden? O que dizer destes mesmos sentimentos surgirem dentro da igreja. Como istopode acontecer? O individualismo pode surgir em lugares que ao ponto de vista seriamimprováveis, porque a resposta não se encontra no espaço geográfico, mas no coraçãodaqueles personagens que proporcionaram a sua criação e desenvolvimento. A bíblia é excepcionalmente feliz ao dizer que é do coração que procede às saídasda vida. Pv 4.23. O coração é o local onde surge o que é bom ou ruim, pois o interior é uma áreapropícia ao desenvolvimento de qualquer sentimento, desde que seja cultivado. E abíblia nos ensina no livro de Marcos 7.18-23 que: ...Não compreendeis que tudo o que de fora entra no homem não o pode contaminar, porque não entra no coração, mas no ventre, e é lançado fora, 22
  23. 23. RECLINADO NO SEIO DO AMOR ficando puras todas as comidas? E dizia: O que sai do homem isso contamina o homem. Porque do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios, os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a dissolução, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Todos estes males procedem de dentro e contaminam o homem. (grifo meu) O coração é a área de batalha, onde se manifesta a tendência positiva ou negativaque irá conduzir a vida ou a morte. O texto diz que a formiguinha egocêntrica olha para si e vê sua força... juventude...habilidade... suas muitas qualidades e seu coração se envaidece. Ela mesmaimpossibilitou o ato racional de ver que um dia nasceu, que cresceu, que iria envelhecere que um dia poderia morrer. Ela só conseguia enxergar a satisfação do seu ego,alimentando um crescente desejo de ser rainha do minúsculo universo. O ponto chave seria a auto-admiração que possibilitou o surgimento em cadeia deoutros males que levaram a formiguinha (quantas formiguinhas existem por ai?) sair deseu lar feliz e construir opostamente um lugar para desfrutar o que seu ego lhe concedia. Autonomia em uma perspectiva egocêntrica é algo que limita a visão e faz o quepodemos definir de trabalho contra o próprio ser que se deixa dominar. Não podemosviver sem auxilio externo e isso não pode ser de maneira nenhuma esquecido, lógicoque não devemos deixar um sentimento de inércia tomar conta de nossa vida, pois,aquilo que esta ao nosso alcance nos devemos fazer. A premissa que estamosdesenvolvendo é que um ser como o homem, que depende de vários fatores para viver eexercer atividades, não pode querer ser auto-suficiente em um sentido individualistaradical. 23
  24. 24. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS O ratinho Esperto. Havia um ratinho muito gordo e que era conhecido pelo apelido de Esperto. Seumaior prazer era comer e comer. Ele parecia uma bola de tão gordo que estava. Certodia o ratinho Esperto estava reunido com os outros ratos num porão de uma mansão nazona nobre de uma grande metrópole. Eles conversavam alegremente acerca de suasmuitas atividades e como estavam seguros naquele porão que não visitado a muitotempo pelos donos e empregados daquela casa. Um deles falou: - Vocês não vãoacreditar no que eu vi há umas horas atrás. Todos perguntaram: - O que você viu? - Vi que todos da casa estavam com malas e saíram dizendo que iam viajar. - Serio? Temos o casarão só para nós? Perguntou o ratinho Esperto. - Eu não estou brincando e tem mais, eu vi que eles esqueceram um pedaço de queijo bem grande em cima da mesa. - Não acredito. Respondeu outro ratinho. - Casa e queijo à vontade, que legal! Todos gritaram a uma. - Parem com isso. Vocês acham que eles deixariam tudo isso para nós? Isto é uma armadilha, pois eu vi ontem eles chegarem com um grande gato para acabar conosco. Explicou o ratinho Esperto. Por causa destas palavras os ratinhos ficaram tão apavorados que resolveram semudar da grande casa naquele mesmo dia, com exceção do ratinho esperto que haviaformulado esta mentira para poder comer o queijo sozinho. Quando todos já estavamlonge ele saiu do porão e foi até a mesa e comeu todo o queijo. Como era guloso estenosso ratinho Esperto, ele não se contentou somente com este pedaço de queijo e foi àprocura de mais. Ao encontrar a dispensa ele quase caiu de costas, pois havia tantoqueijo nela que ele levaria um mês para poder comer tudo. Sem demora ele foi diretoao assunto que ele mais gostava: ―comer e comer!‖. Ele não comia para viver, masvivia para comer. O ratinho Esperto comeu tanto que não conseguia nem andar e segloriava dizendo: - Aqueles outros ratos são uns verdadeiros bobalhões, poisacreditaram naquela mentira e agora eu posso ter o prazer de comer estesmaravilhosos queijos sozinho. Enquanto ele se gloriava de sua esperteza algo estranhocomeçou acontecer. Ele começou a sentir um cheiro diferente no ar e passos vindo emsua direção. Como ele não podia correr de tanto que comeu ficou estupefado e paradodiante daquilo que pensava ser uma grande mentira. Infelizmente o ratinho Espertovirou o almoço do gato que a família realmente tinha deixado para afugentar qualquerrato que se atrevesse a andar pela grande casa. O ratinho Esperto personifica aquele que procura prazer acima de tudo. Estádisposto a enganar e se vangloriar por isso. Não está preocupado com os outros, massomente consigo mesmo. O individualista hedonista tem o prazer como o âmago de sua vida e aglomera emsua vida também outras doenças de alma, pois sua busca em satisfazer seus desejos abreas portas de entrada para agravar sua enfermidade interior. E quantos hoje em dia vivem para o prazer e não tem ou gozam momentos de prazerporque estão vivos. 24
  25. 25. RECLINADO NO SEIO DO AMOR Comer, beber, sexo e etc., quando usados de uma forma unilateral e egoísta sãoprazeres que mais trazem males do que o bem. Quantos casamentos são infelizes porque um dos conjugues se preocupa somenteem satisfazer seus próprios desejos? Quantos não podem ter um relacionamento com alguém porque vivem somente parasi? Todos aqueles que vivem de uma maneira mesquinha e buscam somente o bempróprio são pessoas que estão destinadas a serem engolidas pelos gatos do destino quepersonificam o fim da triste jornada egoísta. Doenças como a Aids, as Dst’s e outras não são frutos de uma vida dissoluta? Namaioria dos casos sim. E do que se queixa o homem então? Não são de suas própriasatitudes que o levam ao fundo do posso. O que o amor livre tem dado aos seus seguidores? O que as empresas de bebidas alcoólicas e de tabaco tem conferido aos dependentesde seus produtos? O que as drogas tem feito ao viciado, família e sociedade? Vejamos a advertência do apostolo Paulo aos gálatas 5.18-21: ―Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia,idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções,invejas, bebedices, glutonarias, e cousas semelhantes a estas, a respeito das quais euvos declaro, como já outrora vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que taiscoisas praticam‖. (grifo meu) 25
  26. 26. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS Momento de Reflexão. O que REPRESENTAM para você a ilha e o formigueiro individual? Ambas ilustrações apontam para uma realidade que está presente no cotidiano denossa sociedade e por isso nos chama a atenção. Existem momentos em queprecisamos fazer uma retrospectiva e olharmos para dentro de nós mesmos epesarmos na balança da consciência o que até aqui somos ou temos feitos. O PRAZER é o centro de nossa vida? Você vive para ter prazer ou tem prazer porque a vida pode proporcionar-lhemomentos para desfruta-lo? Acredito que sua afirmação será a segunda, masdevemos ter o cuidado para não estar nos enganando a si próprios, pois nós seremosos únicos perdedores. Ainda existe tempo para mudar! De que maneira o individualismo tem INFLUÊNCIADO o mundo? A única resposta é negativamente. Porém, queremos pensar que os erros quandoanalisados e corrigidos podem levar a um crescimento e nesse ponto de vistapodemos concordar com o adágio popular que diz: ―viver é sempre aprender‖.Assim concluímos que existe mudança para sociedade e para cada um de nós, bastaquerer! 26
  27. 27. RECLINADO NO SEIO DO AMOR 4. Enfrentando adversários fortes. ―Porque a carne milita (guerreia) contra o Espírito...‖ Gl 05.17 Podemos dizer que desde a queda de Adão, o ser humano tem adversários queirão lutar com ele durante toda a sua vida, sem trégua e sem misericórdia. Dois adversários serão abordados neste capitulo e o que mais pode nossurpreender é que muitos não conhecem o mínimo sobre seus adversários e sem duvidaesta é a principal causa da derrota.  Inimizade.  Incredulidade. Nossos vilões são apresentados neste capitulo e no ultimo isolados e derrotadospelo conhecimento da verdade. A inimizade esta presente entre o homem e Deus e entre o homem e seupróximo. A incredulidade é um grande impedimento para a distância do homem e Deusser desfeita e a comunhão perdida no Éden ser restaurada. O ser interior do homem tem sofrido com a presença destes males e podemosaprender com eles que o homem precisa de ajuda, e essa ajuda só pode vir de cima. Assim o melhor é não dormir no ponto e procurar conhecer os adversários eassim lutar com intuito de vencer. O apostolo São João escreveu em sua primeira epistola: ―Quem é que vence o mundo , senão aquele que crê que Jesus é o Filho deDeus?‖ (1 Jo 5.5) 27
  28. 28. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS  A inimizade O relacionamento entre duas pessoas em que existe um sentimento de afeto mutuo,um compartilhar de opiniões, uma união de propósitos, um elo de compreensão, podemarranhar o que significa o viver uma amizade. Podemos poetizar a amizade e coloca-la ao níveo da canção que diz ―amigo é pra seguardar do lado esquerdo do peito‖; ela, porém é mais que um simples verso de poeta,deve ser algo não somente subjetivo, mas uma realidade de vida. Tive um professor que disse uma frase significativa na faculdade de Teologia: ―Se durante toda a vida você não conseguiu formar pelo menos uma amizadeduradoura e dizes que não possui amigo nenhum, é porque você é do tamanho(semelhante) do amigo que nunca conseguiu ser‖. Em outras palavras não temos amigos porque não conseguimos ser amigos. Nãoexiste uma amizade unilateral, mas a exigência que o ato de ter uma amizade exige é umrelacionamento recíproco. Sem isto, é impossível ter um relacionamento de amizadeentre homens (ser humano) e também em relação a Deus. Entre o homem e Deus existiu no inicio uma relação de grande amizade, mas houveuma mudança radical neste relacionamento devido à desobediência do homem que édescrita como o rompimento da aliança (houve deslealdade, transgressão) por Adão. (Os6.7). Devido à transgressão de Adão ergueu-se um novo relacionamento entre o serhumano e a pessoa de seu Criador. Não podia existir o vinculo de amizade de outrorapor causa do pecado. O homem passou então a nascer, viver e se mover no pecado! O pecado causa inimizade entre Deus e o homem. De um lado está Deus oferecendoseu amor e do outro o homem pecando e querendo pecar. A pouco colocamos o seguinte pensamento: ―não existe amizade semreciprocidade‖. Assim podemos pensar e nos perguntar se existe amizade entre nós éDeus. Muitos hoje em dia afirmam ter Deus no coração, que amam a Deus e etc. Talvezseja até algo na moda falar de Deus na atualidade, mesmo porque ninguém gosta daidéia de se ver como opositor ou adversário de Deus. Mas o que a bíblia diz? Jesus afirmou as seguintes palavras sobre como manter um relacionamento deamizade: ―Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando‖. Jo 15.14. Pode alguém ser amigo de Deus sem fazer o que ele ordena? Pode alguém ter Deus no coração sem conhecer sua vontade? Mesmo que seja bonito falar a respeito de Deus, que autoridade temos para tal senão desfrutamos de um relacionamento pessoal com Ele? O apostolo Paulo em sua epistola aos Colossenses nos explica que realmente éramosinimigos de Deus por causa daquilo que nos distancia dEle: ―o Pecado‖: Vós também, que noutro tempo éreis estranhos e inimigos no entendimento pelasvossas obras más... Cl 1.21 Que coisa terrível é ser inimigo de Deus! Palavra dura, não? Mas hoje em dia podemos ver inimizade expressa também em direção de nossosemelhante. O que se pode esperar deste sentimento de inimizade é o pior e ainda ele se 28
  29. 29. RECLINADO NO SEIO DO AMORmescla com rancor, ira, ódio, maleficência não conhecendo fronteiras. Se norelacionamento vertical entre o homem e Deus é um grande problema, o que dizer norelacionamento horizontal dos homens entre si. Ele alcança povos e os distancia, ele estende suas mãos sobre países e ocasionaguerras, ele agarra cidades e as corrói, ele alcança bairros e impede seu progresso, ele seimpregna no seio da família e os separa. A inimizade destrói. A afirmação é correta e eficaz ao descrever a ação desta doençade alma que está intimamente ligado com o homem pós-Adâmico. Não é de se estranharà direção que mundo esta tomando pela influencia que ela exerce sobre os corações. Um remédio eficaz é o que podemos chamar de recíproca do Perdão. Receberperdão e doar perdão, para que uma bandeira de paz seja erguida entre Deus e oshomens e entre os homens e seus semelhantes. 29
  30. 30. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS O inimigo do Rei Em uma terra remota há muitos anos atrás viveu um poderoso Rei que reinou sobre muitos povos. A trajetória de sua historia foi marcada por inumeráveis vitórias e sua fama voou por todos os lugares. Mas como aos homens está ordenado viverem uma única vez, ele seguiu o caminho de todos, nasceu, cresceu, envelheceu e por fim iria como qualquer homem morrer. Antes de sua morte, chamou o príncipe herdeiro e disse: - Como eu, você enfrentará muitos inimigos e não deve de maneira nenhuma teme-los. - Procurarei vence-los. Respondeu o príncipe. - Sei disso meu filho. Mas quero que você saiba que de todos os inimigos que você enfrentar, um deles vai ser o mais forte de todos. - Quem é ele meu pai? Indagou o jovem príncipe. - Agora você não poderá entender o que estou falando, mas para o dia em que você estiver em grande aflição e perigo tenho preparado está caixinha para te direcionar a vitória. Neste dia, somente neste dia, me prometa que abrirá está caixinha e então você conhecerá seu maior inimigo. Falando com bastante dificuldade o rei deu está ultima ordem. - Sim meu pai, como me pediste assim farei. O príncipe em lagrimas jurou ao velho rei e viu o seu ultimo suspiro. Anos se passaram e em muitas batalhas o jovem rei lutou, mas nunca seesqueceu das palavras de seu pai. Ele sabia que cedo ou tarde teria que encontrar o talinimigo que seu pai lhe falara e por isso fortaleceu seu reino com todo tipo de armasbélicas de sua época e seu país foi considerado uma grande potencia. Um dia porem, uma grande nação se levantou contra seu reino. Era uma naçãomuito forte e valente que havia conquistado muitos povos e venceu parte do exercito dojovem rei. A angustia, a dificuldade e aflição que seu pai falará havia chegado. Mas elejá estava conhecendo seu inimigo sem precisar olhar dentro da caixinha e ele via quenão tinha jeito de mudar o que já era inevitável—a derrota era certa. Em uma manhã prevendo que o reino seria destruído e quase sem forças paralutar resolveu olhar dentro da caixinha qual era esse tal inimigo que ele tinha deconhecer para vence-lo. Abriu a caixinha e ficou olhando-a por longo tempo. Reuniu astropas que restaram e partiu para a batalha decisiva e foi vitorioso. Dias depois, em comemoração sobre a vitória que ele conquistara, relembrou aspalavras de seu pai e agradeceu pela caixinha que ele havia deixado para lhe mostrarcomo ele poderia vencer seu maior inimigo. O jovem rei falou: - Hoje tenho o prazer de comemorar está grande vitória. Não tive de vencer em primeiro lugar a espada ou a flecha, nem cavalos ou canhões, mas ao olhar para aquela caixinha dada pelo meu saudoso pai, vi uma chapa de latão polida e que mostrava minha imagem distorcida e continha um bilhete que dizia: teu maior inimigo é você mesmo. Aquele reflexo distorcido não era eu, por isso, compreendi que se quisesse ser um vencedor teria que vencer a mim mesmo, e depois, vencer outros inimigos menores. 30
  31. 31. RECLINADO NO SEIO DO AMOR O maior inimigo era procurado pelo jovem rei em toda parte e ele sabia que iriaencontra-lo algum dia, mas não sabia onde ele estava. O engraçado é que este inimigonão estava distante, ou melhor, estava mais perto do que ele imaginava. ―Ele teve de vencer ele mesmo, para depois vencer inimigos menores‖. Às vezesnossos pensamentos, palavras ou atitudes trabalham contra nós mesmos e seguindo esteraciocínio podemos nos ver como nossos próprios inimigos. Você pode até se perguntaro que isso tem haver com inimizade? Muita coisa, pois, a inimizade não é algo que estasomente do lado de fora, mas está dentro e o mal que ela provoca não fere somente apessoa que ela esta direcionada, mas o próprio ser que a deixa dominar. 31
  32. 32. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS  Incredulidade A questão que gira em torno da palavra crer gera preocupação na vida daqueles queainda não compreenderam em si a mensagem da cruz. A fé é um sentimento e como tal totalmente subjetivo, não podemos toca-la, mas elaexiste, e sua existência é tão real que ela faz parte da vida de todo o homem, mesmo emquantidades menores ou maiores. A crença faz parte do cotidiano do ser humano, isto é, sem duvida algo provável emrelação a muitas coisas que acontecem conosco no nosso cotidiano. Quando fazemosalusão ao cotidiano estamos pensando naquilo que adotamos como certo, ou como real,sem termos presenciado ou comprovado pessoalmente no nosso dia-a-dia. Não sei sevocê notou, mas cada um de certa maneira usa uma fagulha de fé em coisas simples oumais complexas. Por exemplo, quando entramos no supermercado e compramos umachocolatado, lemos em seu rotulo que ele é composto de cacau, açúcar e etc., mas nãopresenciamos sua fabricação. Você pode dizer, mas o ministério da agricultura fiscalizaa produção e coloca o seu selo afirmando a qualidade do produto. Eu te pergunto vocêviu algum fiscal nesta fabrica? Você tem que acreditar que o produto tem estasespecificações e que o governo fez a fiscalização e que até a data de fabricação é aquelamesma. E isso é feito de uma forma tão natural que nem é notada ou vista em umaperspectiva de crença mesmo que tão diminuta. A atitude de crer sem ressalva é vista também com remédios receitados por médicosque são profissionais da área da saúde que recebem nossa boa fé ao entregarmos nossasaúde aos seus cuidados. Os remédios especificam em sua bula também sua composiçãoquímica e a data de fabricação que recebe praticamente a mesma atitude doachocolatado acima—o crer sem ressalva. Outro exemplo interessante é os dados históricos, quando estamos na escolaaprendemos, que o primeiro presidente do Brasil foi Marechal Deodoro da Fonseca eque o segundo foi Floriano Peixoto, correto? Eu agora pergunto, você viu algum delesexercendo suas funções presidenciais? Talvez não exista nos dias de hoje alguém quetenha vivenciado o mandato de qualquer um dos dois primeiros presidentes do Brasil.Você não tem que empregar uma certa quantidade de fé para acreditar nos relatoshistóricos? O que dizer da mídia que veicula diariamente uma multidão de informações sobre opúblico em geral. Pressupõe-se que pela ética profissional os meios de comunicaçõestêm por obrigação transmitir sempre a verdade, entre aspas, pois, eles podem veicularmentiras quando estiver em jogo interesses, isto é, um mal enraizado no coração dohomem. Imagine uma reportagem num aparelho televisível relatando um assalto que foifilmado em sua integra, com tiroteio e fuga de bandidos. O repórter do noticiário diz:―Isto aconteceu em um bairro da periferia de uma grande metrópole e...‖. Eu perguntonovamente: Com todo o repertorio de artistas, figurinos e cenários que existe hoje emdia, quem pode afirmar que não seria uma simples montagem para subir alguns pontosno ibope e ter mais audiência no horário do noticiário? É preciso tomar uma resoluçãonesta hora apesar de não estar presente no momento em que esse fato ocorreu. Quase 32
  33. 33. RECLINADO NO SEIO DO AMORque imperceptivelmente a atitude que se toma é acreditar no que foi exposto semreservas ou perguntas? O irônico disto tudo é que muitos fazem tantas reservas sobre uma fé direcionada aDeus, mas em contra partida em varias coisas que deveriam conter questionamentos,não existe nenhuma reserva! A bíblia é um livro histórico e suas mensagens transmitem a vontade divina emrelação ao homem. Possui os testemunhos de quarenta autores que viveram em épocas elugares diferentes em torno de um período de 16 séculos. Os seus relatos enfocam asalvação e a crença no Deus verdadeiro. A mensagem bíblica em si é o que podemosdefinir como decodificação da vontade divina ao homem de uma maneira que este apossa compreender. Essa compreensão significa vida, e sua rejeição significa em ultimainstancia morte. A incredulidade é a expressão desta rejeição que mencionamos acima. Assim vemos o homem sempre lutando contra uma fé com princípios divinos, masaceitando pela fé muita coisa. O que pode fazer o homem rejeitar a fé bíblica? Na verdade esta é uma questão umtanto complexa devido ao livre arbítrio do homem, mas existem alguns fatores que sãobem visíveis:  1º Vontade de conhecer a verdade. Quando o homem ouve a mensagem do evangelho e endurece seu coração ao ponto de não querer pelo menos pesquisar e conferir se pode ou não ser verdade aquilo que a ele foi exposto, isto, se torna uma barreira.  2º Preconceito. O que é desconhecido pode tornar-se interessante ou desprezível. O preconceito seria uma barreira pré-levantada, uma idéia estabelecida sem uma analise.  3º Racionalismo. Tentar explicar o inexplicável é um erro grave dos que querem pela razão se aproximar de Deus, pois no que diz respeito a assuntos específicos da esfera espiritual e que fala sobre salvação, céu, inferno, trindade, anjos, vida pós morte e etc a fé é a ferramenta e autoridade divina colocada nas mãos do homem para poder ir além do que sua curta visão pode enxergar. Incredulidade versus crer é um dilema presente em todos os séculos e em todas asvidas. Mas que solução temos em vista para poder acreditar em Deus? Em sua palavra?Em suas supostas verdades? Em sua existência? Quando falamos de fé, crer, confiar, ter certeza e ter esperança entrelaçamos atitudesque nos colocam num ponto de vista extremamente pessoal na recíproca em torno dacriatura e seu Criador. Para crer em Deus a fé é um elemento essencial, pois, por enquanto não podemosvê-lo e nem toca-lo, mas sim, senti-lo, e esta fé é a marca desta transição, como numsalto da escuridão da razão para comunhão no raiar de um relacionamento bem pessoalcom o Divino. 33
  34. 34. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS A palavra de Deus é fonte especial que rega a fé para ela se desenvolver e crescer deacordo com o que o apóstolo escreveu: ―De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pelapalavra de Deus‖. Rom 10.17 A resposta para o clamor interior do homem é uma atitude de fé que o leva diretopara os braços de Deus. 34
  35. 35. RECLINADO NO SEIO DO AMOR O piloto sem fé. Um certo piloto estava sobrevoando uma região de manguezais, quando seuavião sofreu uma falha mecânica e se precipitou em rumo a destruição, colidindo comuma montanha. Ele porem, saltou de pára-quedas caindo no topo de uma arvore nomeio do manguezal. Estava ele numa pequena área de terra rodeada de águas. Paraser mais exato ele estava em uns cinco metros quadrados de terra seca. A água eramuito barrenta e escura de tal forma que não era possível ver o fundo. Isto não seriaum grande problema se pelo menos ele soubesse nadar. Para complicar ainda mais asituação ele havia se lembrado que naquela região existiam jacarés e piranhas, fatoque o deixou espavorido. Alem disso, ele estava ferido em seu ombro esquerdo e haviaperdido muito sangue, precisava urgente de primeiros socorros e de ir ao hospital maispróximo. Ao passar o tempo a angustia começou a tomar conta de seu ser, sua situaçãoficou cada vez pior devido ao ferimento. À vontade de sair era grande, tão grandequanto o medo de se afogar. Foi ai que ele se lembrou de Deus e disse: - Senhor Deus,se o Senhor existe, por favor, me tire daqui. Então ele ouviu a voz do Senhor a falar aoseu coração: - Você quer mesmo sair daí? - Sim, como quero! Disse ele. - Você se lembra que Moises passou pelo mar vermelho? Perguntou Deus. - Sim lembro Senhor. Respondeu Ele. Deus continuou falando: - E que meu filho Jesus andou por cima das águas? - Sim me lembro de tudo isto Senhor. Respondeu novamente. - Muito bem! Saia andando por cima destas águas. Ordenou-lhe Deus. - Não posso Senhor, não sei nadar e ainda estou com o ombro bem machucado. Replicou tristemente. A tristeza virou um medo crescente, que o impulsionou a subir na arvore em queestava preso seu pára-quedas querendo achar alguma segurança e ali ficou até que omachucado virou uma grande gangrena e ele acabou morrendo. Pouco tempo depois desua morte, alguns homens que caçavam crustáceos e estavam andando pela águabarrenta do mangue que não era superior a trinta centímetros de altura, viram o corpomorto entre os galhos da arvore e disseram: - Pobre homem, não deve ter dado tempodele descer desta arvore e vir andando para nossa vila que fica a uns quinze minutosdaqui. A ilustração acima mostra uma pessoa que já ouvira falar de Deus e já lera aBíblia, porem nunca tinha se importado com a vontade divina até o momento de passarpor uma grande provação. O desastre pode ilustrar as dificuldades da vida que impulsionam o homem abuscar uma solução na pessoa Deus. Vemos que Deus não se incomoda pelo fato de ser procurado somente nestahora de dificuldade, mas seu grande amor é estendido ao piloto ferido que não recebesua vitória sobre a dificuldade porque não pode acreditar naquilo que estava patente aosseus olhos. 35
  36. 36. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS A incredulidade está estampada sobre as palavras do piloto que chegou aconversar com o próprio Deus que tem falado não somente com este, mas com todos oshomens e mesmo assim não tem recebido credito. A bíblia diz que sem fé (acreditar) é impossível agradar a Deus! (Hb 11.6) A incredulidade pode ser comparada há um cisco no olho que impede a perfeitavisão. A realidade ultima desta ilustração é transmitida na lição que o homem deve crercom os lábios numa resposta que vem do fundo do coração. Se para ter comunhão é preciso fé, a incredulidade é uma barreira a sertransposta. Não é algo impossível, pois o homem já nasce com um instinto de crer. Sim,embora muitos acreditem em si mesmo, ou dizem não crer em nada, apesar de comessas palavras afirmar que crê pelo menos no ―nada‖, o homem é um ser que tem acapacidade de crer. 36
  37. 37. RECLINADO NO SEIO DO AMOR Momento de Reflexão. A inimizade é um GRANDE problema. O problema está patente ao compreendermos que a distancia entre Deus ounosso semelhante é um sentimento que provoca feridas. Feridas ao que fere e aquele queé ferido. A incredulidade está EM que lugar. O coração que está vazio da palavra de Deus está propício a ser uma terra fértilpara abrigar as raízes da incredulidade. O lugar da incredulidade é formado por aquele que assim o quiser preparar. 37
  38. 38. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS 5. Reclinado no Seio do Amor. ―Ora um de seus discípulos, aquele a quem Jesus amava, estava reclinado no seio de Jesus‖. Jo 13.23 Ao ler este versículo no evangelho de João e ver como este desfrutada de umrelacionamento de intima amizade com o Senhor surgiu a idéia de fazer este livro. A amizade que João desfrutava com Nosso Senhor deve ser um objetivo tambémpara cada um de nós. Não quero dizer que não exista nenhum vinculo de amizade entrevocês leitores (as) com Deus, mas que devemos espelhar, progredir e ser constantes nadireção de uma amizade mais intima com o Supremo. O versículo diz: Ora um de seus discípulos... João era um discípulo de Jesus. Discípulo significa seguidor e João era umseguidor que aprendia e praticava tudo o que a cada dia ele recebia da parte do divinomestre. Existe uma disposição no coração daquele que quer seguir os passos de Jesus. Ser discípulo é viver para, em e por Jesus. Assim tudo o que João almejava como discípulo sendo um exemplo para nós seresume nas palavras do Senhor em Lc 6.40: ―O discípulo não é superior a seu mestre,mas todo o que for perfeito será como o seu mestre‖. Ser como seu mestre significa o quê? Será que é se onipotente, onisciente ou onipresente? Claro que não. Estes atributos só pertencem ao Deus Eterno, mas quando Cristofalou isso, ele quis dizer que devemos nos assemelhar a ele, tornar tão comum o queaprendemos que sejamos como ele foi. A bíblia nos ensina este caminho e o que devemos fazer para obter as condiçõespara sermos discípulos de Jesus. João escreveu que: Jesus, pois operou também empresença de seus discípulos muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro.Estes, porem, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, epara que, crendo, tenhais vida em seu nome. Jo 20.30, 31. A vida eterna esta em crer em Jesus, ou seja, torna-se seu discípulo! Assimvemos João descrevendo quais os passos que devemos tomar: conhecer, crer e emseguida ser. Conhecer o que Jesus ensinou e fez, em seguida crer em tudo isto e por fimtornar-se discípulo (ser discípulo). Muito temos que aprender com o Senhor Jesus e algo que me chama muitaatenção é o convite feito no sermão do monte para todos os que querem ser discípulos: São Mateus capitulo 05 e versículos 03 a 12. Versículo: 03. Bem aventurados são os pobres de Espírito, porque deles é oreino dos céus; Quando pensamos em pobres de Espírito parece que a palavra pobre trás umpensamento negativo de desanimo ou algo parecido, todavia Jesus expressou que feliz é 38
  39. 39. RECLINADO NO SEIO DO AMORaquele que depende do Espírito Santo. Nós podemos observar que a ruína dos nossosprimeiros pais foi o ato de querer ser independente de Deus. Agora Jesus nos ensina queo segredo para uma vida feliz é depender totalmente de Deus e Ser direcionado peloEspírito. Versículo 04. Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados; Jesus não está declarando que a felicidade provêm do ato de simplesmentechorar por qualquer motivo, mas que a bem-aventurança vem sobre aqueles que chorampela causa de Deus, pelo estabelecimento do reino do céus que em breve acontecerá etransmitira consolo para os seguidores de Cristo. Versículo 05. Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra; Serão felizes aqueles que não usam de violência, mas tem sua inteira confiançano Senhor. Quem segue a Jesus pode ter uma vida tranqüila e serena, pois sabe queherdarão as promessas divinas, assim como Israel foi levado a terra da promessa osdiscípulos herdarão o reino dos céus. Versículo 06. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque elesserão fartos; A fome e a sede ilustram o desejo do seguidor de Cristo de fazer a vontadedivina e em resposta a esse desejo Deus dará condições para ele se fartar, ou seja, defaze-la. Aquele que realmente segue a Jesus procura imita-lo, obedecendo a seusensinamentos querendo chegar a perfeição, esta busca pode ser comparada a sede efome interior de ter comunhão plena com Deus. Versículo 07. Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarãomisericórdia; A misericórdia triunfa sobre o juízo. A misericórdia que Deus manifestou pelosacrifício de Cristo nos fez triunfar sobre o duro juízo que o pecado nos impunha—amorte conforme Romanos 3:23. Agora podemos ser felizes, pois recebemos o dom davida eterna e nenhuma condenação há para quem esta em Jesus (Rom. 8:1); temosmisericórdia sobre e em nossa vida e por isso temos qualificação celestial não somentepara receber, mas também de doar aquilo que nos carecemos numa recíproca de amor. Versículo 08. Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão aDeus; Os limpos ou puros de coração são aqueles que deixaram suas vidas seremtransformadas por Deus mediante o sacrifício de Cristo Jesus nosso Senhor e a ação doEspírito Santo, recebendo a condição de um dia terem a bem-aventurança de ver a Deuspessoalmente. Quem tem o coração purificado deve ser mesmo feliz, pois o pecado nãodomina mais a sua vida, talvez o apostolo Paulo estive com isto em mente quandoescreveu: Pensai nas coisas do cima... Cl. 3:1. Versículo 09. Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamadosfilhos de Deus; Os que buscam e anunciam a paz que o reino dos céus oferece a todos oshomens serão chamados de filhos de Deus. Os filhos de Deus têm o dever de anunciaras boas novas aos que ainda não desfrutam da comunhão e da paz recebida pela cruz.Seria o ato de dividir a felicidade que recebemos por Jesus, e isto é manifesto desde otempo da igreja primitiva que recebeu a ordenança da grande comissão: Ide: pregai eensinai; em outras palavras ide e compartilhai a paz e o amor, a graça e a verdade, amisericórdia e a consolação, a comunhão e a vida eterna. 39
  40. 40. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS Versículo 10, 11 e 12. Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causada justiça, porque deles é o reino dos céus; Bem-aventurados sois vós, quando vosinjuriarem e perseguirem, e mentindo, disserem todo o mal contra vos por minha causa.Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assimperseguiram os profetas que foram antes de vós. Aqueles que seguem a Jesus se opõem as forças (demoníacas) que governameste presente mundo e por isso sofreram perseguições, calunias e muitas outras coisas.Tudo porque Satanás tentará impedir o progresso do evangelho, mas isto, não é paraentristecer os discípulos, mas para alegra-los, porque os profetas do passado tambémforam perseguidos por anunciar a verdade. Alem do mais é honroso sofrer perseguiçãopor amor do nome de Jesus, pois se Ele doou sua vida por nós, nossa atitude tem que sersemelhante, visto que ele destinou o reino dos céus para cada discípulo seu; os apóstoloscompreenderam a honra que era sofrer por amor de Cristo e se alegraram. Atos 5.40, 41. Na continuação do sermão do monte em Mateus 5.13 – 7.29, vemos osdiscípulos sendo comparados ao sal e a luz numa clara referencia sobre sua posição arespeito do ambiente em que eles vivem, ou seja, os discípulos são um espelho para omundo. A lei é claramente exposta de um ângulo que não é visto por nenhum outrorabino, ela é reinterpretada numa visão divina e condiciona os discípulos a agirem tendoreferencia a Deus e ao seu amor. Esmolas, oração e jejum são atitudes puramente lindas, mas a maneira que sãorealizadas determinam sua aceitação perante Deus. O coração é colocado como sede das ações que devem estar sobre o domínio dapalavra, afinal de contas não se pode servir dois senhores, afirmou nosso amado Cristo.Existe diferença entre quem serve e quem não serve, suas atitudes demonstram isto.Quem ouve e pratica não voltará atrás, mas os que fazem o contrario, não perseverarãoem seguir a verdade. Devemos andar com o Cristo do sermão do monte e aprender a ser umverdadeiro discípulo desfrutando da nova vida. Ser discípulo é tornar a vida um espelho que reflete a vontade divina, é tornarcomum o que aprendeu, é compartilhar o que a palavra lhe vivencia, é confiar e dizer, édizer e viver, é pensar e agir, é dormir e acordar, é ler e praticar, é ouvir e guardar, é tere doar, é dar e receber, é ser e estar, é morrer e eternizar. Continuando o versículo: aquele a quem Jesus amava... O amor de Jesus é singular? Por que este discípulo era amado de Jesus? Muitostêm explorado este versículo e outros para atribuírem atitudes homossexuais ao divino 40
  41. 41. RECLINADO NO SEIO DO AMORmestre e seu discípulo, porém, podemos ver nessas idéias dissolutas os ardis de Satanáspara querer distorcer e distanciar as vidas da verdade. O limite que marca a entrada para esfera do amor divino é a comunhão. Joãorepresenta o ser humano que pode ter a alegria de um relacionamento de fé, amizade ecomunhão com o autor de nossa redenção. A fé é uma luneta que faz enxergar pelas paredes da razão. A amizade é o elo que nos leva aos braços do pai. A comunhão deve ser uma realidade que é ampliada pela progressiva renovaçãoque a verdade da palavra de Deus nos trás, na caminhada em rumo ao lar prometido. Mas isto é um privilegio apenas de João? Na verdade, não é um privilegioreservado a apenas um discípulo, mas em conformidade com as Escrituras sagradas quedizem: ―Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas‖ (Rm 2.11), a afirmaçãomais coerente é que o amor de Deus está reservado para todo aquele que tiver umcoração bem disposto. Em meio uma sociedade corrompida como era o mundo antidiluviano Deusencontrou Noé com seu coração disposto a ter comunhão. Em meio à idolatria de UrDeus achou Abraão. Entre os filhos de Israel Deus levantou Moises como príncipe elibertador dos oprimidos. Entre muitos homens de guerra que viviam em Israel Deusachou graça em escolher um simples e jovem pastor para ser rei. Entre muitos homensde posição e cultura elevada na Judéia do tempo de Herodes, Deus escolheu pescadorespara serem representantes da Nova Aliança que trouxe libertação para todos os homens.Em meio um mundo que cambaleia como um bêbado embriagado pelo pecado Deuspode escolher alguém para continuar sua obra e compartilhar seu imenso amor ecomunhão também em nossos dias. E nada pode impedir que esse alguém seja você oueu, basta estarmos dispostos para tal. O que você acha? Deus tem nos dado à oportunidade e nós temos de aproveita-la. Ele nos temamado e nos tem entregado seu Filho Unigênito para nos salvar (Jo 3.16). Nada é comparável ao amor que nos libertou. ...Sabendo Jesus que era chegada sua hora de passar deste mundo para o Pai,tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim. (Jo 13.1) O amor de Jesus é inexplicável, não existe conceito humano para descreve-lo nasua integra, mas o que nos dá tamanha alegria é o fato dele poder ser vivo e sentido emnosso ser. O apóstolo Paulo falou desse amor em Fp 2.5-11, e esses versículos nos ensinamque Jesus deixou a esfera celestial para encarnar transmitindo esse amor, por isso elesofreu humilhação, mas conseguiu salvar o homem e seu amor triunfante o restabeleceuao seu primeiro estado de gloria. Deus é amor. Jesus-Deus é amor. O amor que se doa e dá vida; amor que liberta e concede perdão; amor quemorre e transforma; amor que ressuscita e produz imortalidade; amor que procura econduz o perdido; amor que consola e traz comunhão; amor que enfraquece e cura asferidas; amor que se explica sendo inexplicável. 41
  42. 42. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS Finalizando o versículo: estava reclinado no seio de Jesus. O fato de João estar reclinado no seio de Jesus mostra a posição que eleocupava, ele era de fato um grande amigo de Jesus. O que chama nossa atenção é o âmago de um relacionamento de amizade queconsiste em: ―ter e ser amigo‖, e isto, é algo tão profundo no relacionamento entre ohomem e Deus que esta parte do versículo demonstra o quanto podemos nos aproximarde Jesus se nos dispusermos para isso. João estava... O verbo está conjugado no passado, transmitindo uma ação que jáhavia acontecido e que agora nos está direcionando a escrever que sua comunhão erauma realidade que era viva naquele momento, ela era um premio que o fazia ser umapessoa especial. Especial porque ele era amado e amava, tinha comunhão e ofereciagratidão, tinha paz e demonstrava sua serenidade, era cheio de fé e tinha confiança. Uma comunhão que não sumiu com provas, dificuldades ou perseguições. João estava reclinado... Acredito que o discípulo estava naquele momentodepositando sua vida em uma entrega total ao Salvador bendito. Depositar a vida é dedica-la de uma forma plena e espontânea. João continuava sendo João. Tinha problemas, mas estava reclinado no seio deJesus. Poderia ficar triste e chorar, mas possuía um ombro amigo; poderia sermaltratado, mas existia um que o amparava, poderia estar fraco, mas ele tinha umajudador; a morte poderia vir sobre ele, mas agora a vida eterna lhe pertencia. Ter, ser e estar com Deus é algo maravilhoso. João um homem comum, feito de carne e osso, porém especial. Ser especialconsiste em não somente receber o amor divino, mas também em retribui-lo. Nós somos meros homens. Homens comuns e que também precisam de Jesus. ...Reclinado no seio de Jesus. Estar reclinado é se identificar com o mestre; é estar perto dEle; é estar aoalcance de suas mãos; é estar atento a sua voz; é poder crer, viver, sentir e estar naesfera da comunhão da fé desfrutando do amor concedido pelo vinculo da amizadeproposta pela cruz. Ao falar de amizade entre o homem e Deus creio que se desperta umacuriosidade acerca de como realizar isto. Como conseguir se chegar perto de Deus e etc.Assim formulei algumas perguntas com respostas que estão relacionadas abaixo: 42
  43. 43. RECLINADO NO SEIO DO AMOR a. Deus pode ser nosso Amigo? Parece que não tem lugar para um amigo nessa suposta idéia medieval do Deusque sempre esta zangando e esperando a oportunidade certa para castigar! Mais em meio a essa visão distorcida e cheia de misticismo será que podemosolhar para Ele sem as deformidades que foram produzidas em nosso ser por toda umavida? Se a resposta for ―NÃO‖, e isto, parte de um coração sincero, que porem possuium pouco de curiosidade para verificar o contrario da afirmação anterior, esta seqüênciaque iremos expor será uma benção em sua vida. Seria ironia prometer uma solução mágica e mirabolante que conduzisse daindiferença ao seio do mais profundo amor num abracadabra. Porém o resumo do“quero dizer é que à distância do homem para com Deus está no tanto que ele Opode conhecer”. Ainda que o ceticismo seja seu companheiro de quarto, digo, é claro noacomodamento do seu coração, não lhe pareça estranho tais palavras. Não existenenhuma amizade verdadeira sem conhecimento pessoal, sólido e verdadeiro. Se estivererrado pode me corrigir. Claro que alguém distante não pode ser considerado seu amigo. Talvez você diga é esse o caso entre mim e Deus! Neste momento quero que saiba que não estou contestando isto. Entendo queDeus esta distante no seu ponto de vista e que pra você, se por acaso Ele existir não estádando a mínima para a tua vida. Temos o direito de pensar muitas coisas, mas se elassão verdadeiras, isto pertence à outra historia. A outra historia seria neste caso a analise dos prós e dos contra. Quando falei deamizade disse que ela é fundamentada em conhecimento mutuo, porem é obvio queexiste um principio para ela e depende de uma reciprocidade entre ambas as partes quese inicia por um dos lados. Correto? Quando era estudante secundarista, ou melhor, estudante do ensino médio tiveuma experiência bem interessante. Ao iniciar o ano letivo, tive a oportunidade deconhecer pessoas novas e formar novas amizades, mas para um aluno da classe em queestudava tive a principio o erro de adotar uma frase bem significativa entre muitaspessoas: ―acho que não fui com a cara daquele aluno‖, sem ao menos ter trocado umaúnica palavra com aquele aluno e ao meu ver tínhamos isto em comum. E essaimpressão perdurou por pelo menos um bimestre até ser destruída num dia em que estemesmo aluno se aproximou de mim e começou conversar numa espontaneidade quedeixou meus antigos temores encurralados e o rosto envergonhado. Sim, ele nunca tinhatido algo contra mim como antes pensava e o interessante disso tudo é que nos tornamosbons amigos. Posso lhes garantir que nossa amizade perdura até os dias de hoje, apesarde termos concluído o ensino médio a mais ou menos dez anos. Com Deus também pode estar acontecendo à mesma historia. Você acha que elenão se importa com sua vida e arma-se para se afastar dEle vivendo num mundo quenão dá espaço para ser receptivo ao seu amor. Imagine isto: ―o achismo (do verboachar) impede que Deus prove o contrario do que penso dEle no que diz respeito ao seuamor, amizade, compromisso, verdade, interesse e responsabilidade direcionadas a mimmesmo‖. 43
  44. 44. PAULO FRANCISCO DOS SANTOS Sendo mediador deste dilema: “Ele se importa ou não, eis a questão!”Logicamente que não com palavras que vem somente do meu intelecto, mas escudado edirecionado pela Bíblia sagrada exporei o que permeia este assunto. O amor de Deus é dirigido a todos sem exclusividade, de uma maneira geral emaravilhosa pelo fato de sermos todos criados por Ele e ser sua imagem. O ser humanoé uma criação divina, pois tem em si o reflexo do caráter de Deus (excluindo é lógico, atendência ao erro que é herdada na natureza pecaminosa, ou Adâmica). E também ésingular a cada individuo no que tange respeito a ser uma experiência pessoal, pois, oamor que é expresso num relacionamento de amizade só será visto onde houvercumplicidade e recebido se cada um estiver disposto a isso, não esquecendo que pode aver a contra resposta a seu pedido – ou seja, a rejeição. O que está claro nas Escrituras Sagradas é que por intermédio do caminho queCristo Jesus é o ser humano pode restabelecer a comunhão novamente com Deus eassim obtemos uma resposta afirmativa a nossa pergunta inicial: ―Sim, nós podemos seramigos de Deus!‖. Quero analisar o amor de Deus quanto a sua generalização a humanidade e suaindividualização a respeito de cada um. 44

×