SlideShare uma empresa Scribd logo

Aula de 17. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte I

CÉLULA DE CAPACITAÇÃO CURSO: MODULO I - LÍDER DE CÉLULA DE EVANGELISMO.

1 de 28
Baixar para ler offline
Aula de 17. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte I
Aula de 17. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte I
Aula de 17. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte I
FATOR CELULAR
1.Célula de capacitação
CÉLULA DE CAPACITAÇÃO
O quê é Célula
de
Capacitação?
CÉLULA DE CAPACITAÇÃO
Essa célula é semanal nos horários das 15h00 e as 20h00
Duração 1h30
O quê é célula de capacitação?
É reunião semanal de todos os
discípulos (as) para serem
ensinados na igreja (templo).
CÉLULA DE CAPACITAÇÃO

Recomendados

Aula de 15. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte III
Aula de 15. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte IIIAula de 15. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte III
Aula de 15. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte IIIPastor Paulo Francisco
 
Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...
Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...
Aula de 07. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo -...Pastor Paulo Francisco
 
Aula de 13. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte i
Aula de 13. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte iAula de 13. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte i
Aula de 13. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte iPastor Paulo Francisco
 
Aula de 13. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte I
Aula de 13. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte IAula de 13. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte I
Aula de 13. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte IPastor Paulo Francisco
 
Aula de 16. modulo I. A célula de evangelismo e sua estrutura. Parte IV
Aula de 16. modulo I. A célula de evangelismo e sua estrutura. Parte IVAula de 16. modulo I. A célula de evangelismo e sua estrutura. Parte IV
Aula de 16. modulo I. A célula de evangelismo e sua estrutura. Parte IVPastor Paulo Francisco
 
Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...
Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...
Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...Pastor Paulo Francisco
 
Aula de 03. modulo i. a importância da célula macro e da célula de evangelismo
Aula de 03. modulo i. a importância da célula macro e da célula de evangelismoAula de 03. modulo i. a importância da célula macro e da célula de evangelismo
Aula de 03. modulo i. a importância da célula macro e da célula de evangelismoPastor Paulo Francisco
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de 06. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo parte II
Aula de 06. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo   parte IIAula de 06. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo   parte II
Aula de 06. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo parte IIPastor Paulo Francisco
 
Aula de 04. modulo i. o perfil do líder de célula de evangelismo
Aula de 04. modulo i. o perfil do líder de célula de evangelismoAula de 04. modulo i. o perfil do líder de célula de evangelismo
Aula de 04. modulo i. o perfil do líder de célula de evangelismoPastor Paulo Francisco
 
Aula de 08. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo ...
Aula de 08. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo  ...Aula de 08. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo  ...
Aula de 08. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo ...Pastor Paulo Francisco
 
Intercessao
IntercessaoIntercessao
Intercessaoedbtr
 
Aula de 05. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo parte i
Aula de 05. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo   parte iAula de 05. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo   parte i
Aula de 05. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo parte iPastor Paulo Francisco
 
Formação sobre Grupo de Oração Jovem
Formação sobre Grupo de Oração JovemFormação sobre Grupo de Oração Jovem
Formação sobre Grupo de Oração JovemRCCPBJovem
 
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicaçãoAula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicaçãoPastor Paulo Francisco
 
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismo
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismoAula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismo
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismoPastor Paulo Francisco
 
Restaurando a visao de deus para sua igreja seminário
Restaurando a visao de deus para sua igreja seminárioRestaurando a visao de deus para sua igreja seminário
Restaurando a visao de deus para sua igreja seminárioMarcos Luiz DA Silva
 
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02Michel de Assis e Silva
 
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...Pastor Paulo Francisco
 
Pequenos grupos o que é e como fazer (apostila)
Pequenos grupos   o que é e como fazer (apostila)Pequenos grupos   o que é e como fazer (apostila)
Pequenos grupos o que é e como fazer (apostila)Sundar Andrade
 
Pequenos grupos o que são e como fazer 5
Pequenos grupos   o que são e como fazer 5Pequenos grupos   o que são e como fazer 5
Pequenos grupos o que são e como fazer 5Sundar Andrade
 

Mais procurados (18)

Aula de 06. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo parte II
Aula de 06. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo   parte IIAula de 06. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo   parte II
Aula de 06. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo parte II
 
Aula de 04. modulo i. o perfil do líder de célula de evangelismo
Aula de 04. modulo i. o perfil do líder de célula de evangelismoAula de 04. modulo i. o perfil do líder de célula de evangelismo
Aula de 04. modulo i. o perfil do líder de célula de evangelismo
 
Aula de 08. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo ...
Aula de 08. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo  ...Aula de 08. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo  ...
Aula de 08. modulo i. entendendo a função de líder de célula de evangelismo ...
 
Intercessao
IntercessaoIntercessao
Intercessao
 
Curso de-qualificação-intercessão-2009
Curso de-qualificação-intercessão-2009Curso de-qualificação-intercessão-2009
Curso de-qualificação-intercessão-2009
 
Aula de 05. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo parte i
Aula de 05. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo   parte iAula de 05. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo   parte i
Aula de 05. modulo i. o objetivo da célula de evangelismo parte i
 
Formação sobre Grupo de Oração Jovem
Formação sobre Grupo de Oração JovemFormação sobre Grupo de Oração Jovem
Formação sobre Grupo de Oração Jovem
 
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicaçãoAula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
 
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismo
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismoAula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismo
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismo
 
Restaurando a visao de deus para sua igreja seminário
Restaurando a visao de deus para sua igreja seminárioRestaurando a visao de deus para sua igreja seminário
Restaurando a visao de deus para sua igreja seminário
 
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02
Apostila escoladepregaopararcc-131013192156-phpapp02
 
Roteirização noçoes e g o
Roteirização noçoes e g oRoteirização noçoes e g o
Roteirização noçoes e g o
 
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...
 
BEABÁ DAS CÉLULAS
BEABÁ DAS CÉLULAS BEABÁ DAS CÉLULAS
BEABÁ DAS CÉLULAS
 
Apostila edl mdulo_2
Apostila edl mdulo_2Apostila edl mdulo_2
Apostila edl mdulo_2
 
Pequenos grupos o que é e como fazer (apostila)
Pequenos grupos   o que é e como fazer (apostila)Pequenos grupos   o que é e como fazer (apostila)
Pequenos grupos o que é e como fazer (apostila)
 
Pequenos grupos o que são e como fazer 5
Pequenos grupos   o que são e como fazer 5Pequenos grupos   o que são e como fazer 5
Pequenos grupos o que são e como fazer 5
 
Manual escola de lideres
Manual escola de lideresManual escola de lideres
Manual escola de lideres
 

Semelhante a Aula de 17. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte I

Aula de 08. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo ...
Aula de 08. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo  ...Aula de 08. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo  ...
Aula de 08. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo ...Pastor Paulo Francisco
 
Aula de 18. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte II
Aula de 18. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte IIAula de 18. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte II
Aula de 18. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte IIPastor Paulo Francisco
 
Aula de 14. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte II
Aula de 14. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte IIAula de 14. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte II
Aula de 14. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte IIPastor Paulo Francisco
 
Aula de 03. modulo I. a importância da célula macro e da célula de evangelismo
Aula de 03. modulo I. a importância da célula macro e da célula de evangelismoAula de 03. modulo I. a importância da célula macro e da célula de evangelismo
Aula de 03. modulo I. a importância da célula macro e da célula de evangelismoPastor Paulo Francisco
 
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismo
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismoAula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismo
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismoPastor Paulo Francisco
 
Aula de 05. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo parte I
Aula de 05. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo   parte IAula de 05. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo   parte I
Aula de 05. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo parte IPastor Paulo Francisco
 
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicaçãoAula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicaçãoPastor Paulo Francisco
 
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...Pastor Paulo Francisco
 
Aulade10 140407145355-phpapp01
Aulade10 140407145355-phpapp01Aulade10 140407145355-phpapp01
Aulade10 140407145355-phpapp01Mariano Silva
 
Aula de 07. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo
Aula de 07. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismoAula de 07. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo
Aula de 07. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismoPastor Paulo Francisco
 
Aula de 06. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo parte II
Aula de 06. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo   parte IIAula de 06. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo   parte II
Aula de 06. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo parte IIPastor Paulo Francisco
 
Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...
Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...
Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...Pastor Paulo Francisco
 
Aula de 04. modulo I. o perfil do líder de célula de evangelismo
Aula de 04. modulo I. o perfil do líder de célula de evangelismoAula de 04. modulo I. o perfil do líder de célula de evangelismo
Aula de 04. modulo I. o perfil do líder de célula de evangelismoPastor Paulo Francisco
 
seminario_melhorando_as_dinamicas.ppt
seminario_melhorando_as_dinamicas.pptseminario_melhorando_as_dinamicas.ppt
seminario_melhorando_as_dinamicas.pptLuiz Gomes
 
Treinamento para lideres de célula pr aber huber
Treinamento para lideres de célula   pr aber huberTreinamento para lideres de célula   pr aber huber
Treinamento para lideres de célula pr aber huberJosimar Santos
 

Semelhante a Aula de 17. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte I (20)

Aula de 08. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo ...
Aula de 08. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo  ...Aula de 08. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo  ...
Aula de 08. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo ...
 
Aula de 18. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte II
Aula de 18. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte IIAula de 18. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte II
Aula de 18. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte II
 
Aula de 14. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte II
Aula de 14. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte IIAula de 14. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte II
Aula de 14. modulo I. a célula de evangelismo e sua estrutura. parte II
 
Aula de 03. modulo I. a importância da célula macro e da célula de evangelismo
Aula de 03. modulo I. a importância da célula macro e da célula de evangelismoAula de 03. modulo I. a importância da célula macro e da célula de evangelismo
Aula de 03. modulo I. a importância da célula macro e da célula de evangelismo
 
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismo
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismoAula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismo
Aula de 09. modulo I. levantando líderes em treinamento na célula de evangelismo
 
Aula de 05. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo parte I
Aula de 05. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo   parte IAula de 05. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo   parte I
Aula de 05. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo parte I
 
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicaçãoAula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
Aula de 12. modulo I. ampliando a visão sobre a multiplicação
 
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...
Aula de 10. modulo I. a arte de discipular e desenvolver discipuladores na cé...
 
Aulade10 140407145355-phpapp01
Aulade10 140407145355-phpapp01Aulade10 140407145355-phpapp01
Aulade10 140407145355-phpapp01
 
Aula de 07. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo
Aula de 07. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismoAula de 07. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo
Aula de 07. modulo I. entendendo a função de líder de célula de evangelismo
 
Aula de 06. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo parte II
Aula de 06. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo   parte IIAula de 06. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo   parte II
Aula de 06. modulo I. o objetivo da célula de evangelismo parte II
 
Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...
Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...
Aula de 11. modulo I. o perfil do anfitrião e a cobertura espiritual exercida...
 
Celulas Apostólicas- Aula 2.pdf
Celulas Apostólicas- Aula 2.pdfCelulas Apostólicas- Aula 2.pdf
Celulas Apostólicas- Aula 2.pdf
 
Aula de 02. modulo I. o chamado
Aula de 02. modulo I. o chamadoAula de 02. modulo I. o chamado
Aula de 02. modulo I. o chamado
 
Aula de 04. modulo I. o perfil do líder de célula de evangelismo
Aula de 04. modulo I. o perfil do líder de célula de evangelismoAula de 04. modulo I. o perfil do líder de célula de evangelismo
Aula de 04. modulo I. o perfil do líder de célula de evangelismo
 
Eae 94 - estrutura da aliança
Eae   94 - estrutura da aliançaEae   94 - estrutura da aliança
Eae 94 - estrutura da aliança
 
Célula nota 10
Célula nota 10Célula nota 10
Célula nota 10
 
seminario_melhorando_as_dinamicas.ppt
seminario_melhorando_as_dinamicas.pptseminario_melhorando_as_dinamicas.ppt
seminario_melhorando_as_dinamicas.ppt
 
Células Apostólicas-Aula 8.pdf
Células Apostólicas-Aula 8.pdfCélulas Apostólicas-Aula 8.pdf
Células Apostólicas-Aula 8.pdf
 
Treinamento para lideres de célula pr aber huber
Treinamento para lideres de célula   pr aber huberTreinamento para lideres de célula   pr aber huber
Treinamento para lideres de célula pr aber huber
 

Mais de Pastor Paulo Francisco

Resultado do discipulado. altura espiritual de cristo
Resultado do discipulado. altura espiritual de cristoResultado do discipulado. altura espiritual de cristo
Resultado do discipulado. altura espiritual de cristoPastor Paulo Francisco
 
A atualidade da alegria eterna. parte 02
A atualidade da alegria eterna. parte 02A atualidade da alegria eterna. parte 02
A atualidade da alegria eterna. parte 02Pastor Paulo Francisco
 
A atualidade da alegria eterna. parte 01
A atualidade da alegria eterna. parte 01A atualidade da alegria eterna. parte 01
A atualidade da alegria eterna. parte 01Pastor Paulo Francisco
 
Mergulhando na benção da oração. parte 03
Mergulhando na benção da oração. parte 03Mergulhando na benção da oração. parte 03
Mergulhando na benção da oração. parte 03Pastor Paulo Francisco
 
Mergulhando na benção da oração. parte 02
Mergulhando na benção da oração. parte 02Mergulhando na benção da oração. parte 02
Mergulhando na benção da oração. parte 02Pastor Paulo Francisco
 
Mergulhando na benção da oração. parte 01
Mergulhando na benção da oração. parte 01Mergulhando na benção da oração. parte 01
Mergulhando na benção da oração. parte 01Pastor Paulo Francisco
 

Mais de Pastor Paulo Francisco (20)

Inumanos e o caso neymar
Inumanos e o caso neymarInumanos e o caso neymar
Inumanos e o caso neymar
 
A diminuição de deus
A diminuição de deusA diminuição de deus
A diminuição de deus
 
Senso de direção
Senso de direçãoSenso de direção
Senso de direção
 
Construtora celeste
Construtora celesteConstrutora celeste
Construtora celeste
 
Multiplicação da luz
Multiplicação da luzMultiplicação da luz
Multiplicação da luz
 
O futuro chegou
O futuro chegouO futuro chegou
O futuro chegou
 
Espelho, espelho seu...
Espelho, espelho seu...Espelho, espelho seu...
Espelho, espelho seu...
 
Família. modelo humano ou divino.
Família. modelo humano ou divino.Família. modelo humano ou divino.
Família. modelo humano ou divino.
 
Resultado do discipulado. altura espiritual de cristo
Resultado do discipulado. altura espiritual de cristoResultado do discipulado. altura espiritual de cristo
Resultado do discipulado. altura espiritual de cristo
 
A atualidade da alegria eterna. parte 02
A atualidade da alegria eterna. parte 02A atualidade da alegria eterna. parte 02
A atualidade da alegria eterna. parte 02
 
A atualidade da alegria eterna. parte 01
A atualidade da alegria eterna. parte 01A atualidade da alegria eterna. parte 01
A atualidade da alegria eterna. parte 01
 
Mergulhando na benção da oração. parte 03
Mergulhando na benção da oração. parte 03Mergulhando na benção da oração. parte 03
Mergulhando na benção da oração. parte 03
 
Mergulhando na benção da oração. parte 02
Mergulhando na benção da oração. parte 02Mergulhando na benção da oração. parte 02
Mergulhando na benção da oração. parte 02
 
Mergulhando na benção da oração. parte 01
Mergulhando na benção da oração. parte 01Mergulhando na benção da oração. parte 01
Mergulhando na benção da oração. parte 01
 
Superando a mim mesmo. parte 02
Superando a mim mesmo. parte 02Superando a mim mesmo. parte 02
Superando a mim mesmo. parte 02
 
Superando a mim mesmo. parte 01
Superando a mim mesmo. parte 01Superando a mim mesmo. parte 01
Superando a mim mesmo. parte 01
 
Livrai nos do mal. parte 02
Livrai nos do mal. parte 02Livrai nos do mal. parte 02
Livrai nos do mal. parte 02
 
Livrai nos do mal. parte 01
Livrai nos do mal. parte 01Livrai nos do mal. parte 01
Livrai nos do mal. parte 01
 
A fé que quero ter. parte 03
A fé que quero ter. parte 03A fé que quero ter. parte 03
A fé que quero ter. parte 03
 
Vamos orar!?
Vamos orar!?Vamos orar!?
Vamos orar!?
 

Último

5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...apoioacademicoead
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024excellenceeducaciona
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
ATIVIDADE 1 - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51/2024
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 

Aula de 17. Modulo I. Ações de Apoio a Célula de Evangelismo. Parte I

  • 4. FATOR CELULAR 1.Célula de capacitação CÉLULA DE CAPACITAÇÃO
  • 5. O quê é Célula de Capacitação? CÉLULA DE CAPACITAÇÃO
  • 6. Essa célula é semanal nos horários das 15h00 e as 20h00 Duração 1h30 O quê é célula de capacitação? É reunião semanal de todos os discípulos (as) para serem ensinados na igreja (templo). CÉLULA DE CAPACITAÇÃO
  • 7. A CÉLULA DE CONSOLIDAÇÃO E LIDERANÇA Trás ensinamento, porém também trata de assuntos sobre projetos, metas e o que vamos realizar na igreja. A CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Trata apenas do ensino da palavra e está dividida em temas para facilitar a compreensão . CÉLULA DE CAPACITAÇÃO
  • 8. A IMPORTÂNCIA DA CAPACITAÇÃO CAPACITAÇÃO SIGNIFICA TORNAR-SE APITO PARA REALIZAÇÃO DE ALGO ATRAVÉS DO ENSINO E PRÁTICA. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO
  • 9. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Aula anterior: A Célula de Evangelismo e sua estrutura. Parte IV
  • 10. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Lemos a Palavra em Atos dos Apóstolos 2.42,46,47; 5.42 Na parte I, II e III falamos sobre Horário, Orações, Quebra-gelo, Louvor, Edificação da Palavra e o Compartilhar da Palavra que dentro da estrutura de um Célula de Evangelismo são elementos importantíssimos, porém ainda temos o vinculo participativo e a confraternização para abordarmos e concluirmos essa etapa de conhecimento sobre a Estrutura da Célula de Evangelismo e cumprir com eficiência o propósito de interação mutua, o alcançar de vidas, o amadurecimento da liderança e membros, ou seja, torna acessível a capacitação de todos a realização desta ferramenta abençoada e cumprir o Ide de Jesus (Mateus 28.19, 20). OBJETIVO; Estrutura; Vínculo participativo e a Confraternização; Entendendo o Vínculo participativo; Apresentação, Testemunho, Apelo, Oferta e a Ceia do Senhor; Confraternização; Cuidados na Confraternização; Conclusão.
  • 11. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO CONCLUÍMOS QUE: A estrutura da Célula de Evangelismo que é formada do Horário, Oração, Quebra-Gelo, Louvor, Edificação da Palavra e o Compartilhar da Palavra abordados nas aulas anteriores são complementados na última aula que tratou do Vínculo Participativo e a Confraternização que concluem a Estrutura da Célula de Evangelismo fornecendo para o desfecho de nosso tema os aspectos que tornam na aproximação a oportunidade da concretização do propósito da reunião que é de alcançar vidas, crescer na fé e se ajudar mutuamente.
  • 12. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Efésios 4.15,16. Pelo contrário, falando a verdade com espírito de amor, cresçamos em tudo até alcançarmos a altura espiritual de Cristo, que é a cabeça. É ele quem faz com que o corpo todo fique bem ajustado e todas as partes fiquem ligadas entre si por meio da união de todas elas. E, assim, cada parte funciona bem, e o corpo todo cresce e se desenvolve por meio do amor.
  • 13. TEMA DA AULA CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Ações de apoio a Célula de Evangelismo. Parte I
  • 14. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO AÇÕES DE APOIO A CÉLULA DE EVANGELISMO Objetivando a fixação do sentido da Célula de Evangelismo que é a ideia de corpo, ou seja, o fazer parte do Corpo de Cristo inserimos nesta aula a visão acertada que a Célula de Evangelismo não acontece somente no dia e horária determinados para a reunião, mas é uma construção que necessita também de fatores externos. Tais fatores envolvem orações intercessórias e jejum, evangelismo (convite aos não cristãos), contato pessoal e impessoal e reuniões organizacionais (líder e membros; Supervisor e líder; participação na Célula de Consolidação e Liderança).
  • 15. TEXTO REFLEXIVO CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Um belo prédio em sua inauguração é admirado, porém muitos de seus admiradores não participaram passo a passo de sua fundação até a conclusão e desconhecem que para chegar ao ponto de ser admirado foi necessário o empenho da equipe de profissionais, a busca de materiais externos, o investimento de tempo, força humana e de administração financeira. A Célula de Evangelismo é maravilhosa e ao ser realizada dentro de sua estrutura organizacional também provoca admiração, mas para que ela aconteça é necessário um trabalho construtivo que envolve os fatores relacionados no tópico anterior e que serão estudados na aula de hoje.
  • 16. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Objetivo: A aula de hoje trás uma abordagem relacionada as ações de apoio a Célula de Evangelismo que fornecem a possibilidade de sua realização e ampliação visando o alvo da multiplicação.
  • 17. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO ORAÇÕES INTERCESSÓRIAS E JEJUM A realização da Célula de Evangelismo não é algo de ordem puramente física, ou seja, não é apenas uma reunião de pessoas, mas a reunião de membros do Reino dos Céus, de membros do Corpo de Cristo com a intenção de fortalecer e ajudar mutuamente uns aos outros e ainda alcançar vidas que não conhecem o Evangelho e por isso, temos uma reunião de ordem também espiritual que provocará o contra ataque das forças de oposição a Salvação. Para vencer as oposições malignas é necessário entrar pelo caminho da oração e o Líder de Célula é figura elementar para tal realização e ainda, para incentivar os demais membros de sua Célula a também buscarem a Deus intercessoriamente a favor da Célula de Evangelismo, dos novos convertidos, para que visitantes possam vir e também retornar.
  • 18. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO ORAÇÕES INTERCESSÓRIAS E JEJUM Além do ensino da Célula TSD o líder deve estar presenta na Célula de Intercessão e de preferência juntamente com os membros de sua Célula para que em equipe possam interceder a favor dos projetos e a favor da vidas. O ditado popular cristão que fala “A oração é a chave da vitória” apesar de não estar escrito na Bíblia tem um embasamento fundado na visão bíblica de que todo cristão deve perseverar e buscar a Deus em oração. Também se faz necessário lembrar que a Prática do Jejum (Lembre-se que é uma das lições do Manual de Acompanhamento Pessoal e formação de discípulos) é uma ferramenta importantíssima para o avanço do Evangelho que foi praticado desde tempos antigos (pelo povo israelita) e adotado pelos cristãos. O Jejum ajuda a orar melhor e cada líder com seus liderados devem ter o hábito de buscar a Deus também em jejum. Estas duas ferramentas (Oração intercessória e Jejum) colaboram eficazmente para derrotar as forças das Trevas e proporcionam a cada cristão a oportunidade de aproximar-se mais ainda de Deus.
  • 19. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO CUIDADOS NAS ORAÇÕES INTERCESSÓRIAS E JEJUM 1. Lutamos contra forças que não vemos fisicamente, mas Deus as conhece e através das orações e jejum serão derrotadas; 2. Todo cristão deve orar diariamente na presença de Deus e o líder da Célula de Evangelismo deve incentivar tal hábito a todos membros e aqueles que iniciarem na fé; 3. O líder deve ser o primeiro a participar dos propósitos de oração e incentivar os demais; 4. O líder deve incentivar a todos a apresentarem nomes de pessoas para orar e jejuar a favor delas; 5. Todos na Célula devem orar e jejuar pelos projetos realizados na propria Célula que participam e também pelos projetos do ministério em geral; 6. A Célula de Intercessão tem o proposito de apresentar 01 (uma) hora de oração (Pense nisso: Este período de oração proporcionará a oportunidade de aprendizado para os novos membros da Célula de Evangelismo); 7. O jejum pode ser total ou parcial conforme é ensinado a todos em nosso ministério; 8. Sempre ensine que o jejum deve ser acompanhado da oração;
  • 20. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Evangelismo (convite aos não cristãos), Contato pessoal e impessoal É importantíssimo o líder compreender que a Salvação é para todos e que sua contribuição para atrair pessoas para o Reino do Céu é necessária e o retransmitir aos membros da Célula tal visão é uma tarefa que não deve ser negligenciada. A atitude de evangelizar é a resposta do sentimento de compaixão por aqueles que ainda não tiveram seus pecados perdoados pelo sacrifício de Cristo no Calvário. Geralmente começa-se tal trabalho entre os familiares e amigos de cada membro da Célula e estende-se a colegas e conhecidos. É necessário também entender que dificilmente pessoas irão a Célula de Evangelismo se não forem convidadas. Assim, todos (inclusive o líder) devem ter o propósito de convidar e insistir para trazer na Célula de Evangelismo pessoas que irão conhecer a Palavra de Deus.
  • 21. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Cuidados no Evangelismo 1. A evangelização é um trabalho de todos (líder e membros); 2. Incentive a escolha de pelo menos três pessoas para iniciar o propósito de oração e jejum a favor de sua vinda na Célula; 3. Existem pessoas mais dispostas a ouvir a mensagem do Evangelho; 4. Pessoas mais resistentes devem ser trabalhadas num período maior de oração e jejum; 5. Evite convidar pessoas em cima da hora; 6. Nunca fale com uma pessoa somente para pregar o Evangelho; 7. Atenção: “Isso não significa nunca falar”; 8. Eventos fora da Célula de Evangelismo são ocasiões boas para evangelizar.
  • 22. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO O contato pessoal significa que uma pessoa deve se aproximar de outra pessoa, e esta proximidade será uma arma eficaz para atrair aqueles que receberão a salvação pelo poder do Evangelho, ou seja, é necessário ir até onde está essa pessoa (casa, escola, trabalho) e conversar, criar vinculo. Convidar a pessoa para um lanche ou café... Aos apaixonados por jogos talvez também jogar (futebol, vôlei, videogame etc)... Os contatos impessoais (telefone, celular, e-mail, whatsApp, facebook etc) devem ser um complemento, pois a impessoalidade em demasia tem impedido muitos de crescer na fé e de se aproximar de Cristo. Na visão celular o contato pessoa e impessoal andam juntos e não separados. Contato pessoal e impessoal
  • 23. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Cuidados e Objetivos no Contato pessoal e impessoal 1. Estabelecer vínculo; 2. Criar amizade; 3. Apresentar Cristo; 4. Convidar para Célula de Evangelismo; 5. Os contatos impessoais são um complemento do pessoal; 6. Usar os meios de comunicação ajudam neste propósito; 7. Equilíbrio na conversa; 8. Equilíbrio ao estar na casa de alguém; 9. Saber quando e como falar.
  • 24. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Reflexão sobre a virtude de visitar (contato pessoal e impessoal) É importante entender que o contato pessoal manifestado pela atitude de visitar membros da Célula de Evangelismo e pessoas com o objetivo de leva-las a Cristo é fundamental para o progresso da reunião e um dos passos fundamentais para alcançar a multiplicação, pois sem contato com aqueles que não conhecem a o Evangelho não haverá conversões e consequentemente não haverá a multiplicação da Célula e sua tendência será a estagnação.
  • 25. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO CONCLUSÃO Pensar que a Célula se resume apenas no horário semanal de reunião é perder o foco e estar fadado a não atingir a multiplicação. Entender e praticar as ações de apoio na Célula de Evangelismo colaboram para que a reunião proposta seja realizada com eficácia.
  • 26. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO Atividade interativa na sala de aula Em grupo de até 04 (quatro) pessoas: Juntos reflitam e respondam: 1)Descreva a importância do Evangelismo e o Contato pessoal e impessoal.
  • 27. CÉLULA DE CAPACITAÇÃO NÃO SE ESQUEÇAM QUE VOCÊS TEM OS SEGUINTES TRABALHOS INTERDISCIPLINARES: 1.LER O CAPITULO 03 DE 1 TIMOTEO e FAZER RESUMO DIZENDO O QUE ENTENDEU. 2.LER O CAPITULO 18 DE ÊXODO DO VERSÍCULO 1 AO 17 (ÊX. 18.1-17) e FAZER RESUMO e ESCREVER EM SEGUIDA O QUE ENTENDEU. 3.FAZER RESUMO DAS AULAS DE 05 À 08 e AO FINAL ESCREVER O QUE ENTENDEU. 4.FAZER UMA REDAÇÃO SOBRE “A IMPORTÂNCIA DO DISCIPULADO E COMO DISCIPULAR BENEFICIA O CRESCIMENTO E FORTALECIMENTO DA IGREJA DE CRISTO.” 5.FAZER UMA REDAÇÃO SOBRE “A CÉLULA DE EVANGELISMO E A IMPORTÂNCIA DA MULTIPLICAÇÃO PARA CONCRETIZAÇÃO DO PROPÓSITO DO REINO.” 6.ATIVIDADE EM SALA DE AULA (REALIZAR CÉLULA DE EVANGELISMO) OBS: “ESSES TRABALHOS EQUIVALEM A 5 (CINCO) HORAS CADA, SOMANDO 30 HORAS”