Teoria mark up .:. www.tc58n.wordpress.com

1.380 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.380
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
394
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teoria mark up .:. www.tc58n.wordpress.com

  1. 1. FORMAÇÃO DE PREÇOS - MARK UP – TEORIA 1/3 A taxa de marcação, também conhecida como Mark-up, é um fator aplicado sobre o custo de compra de uma mercadoria (ou sobre o custo total unitário de um bem ou serviço) para a formação do preço de venda respectivo. No cálculo do Mark-up podem ser inseridos todos os fatores que se deseja cobrar no preço de venda, sob a forma de percentuais. O percentual de margem de lucro a ser incluído no Mark-up depende de inúmeros fatores e difere de empresa para empresa, mesmo se atuantes no mesmo segmento mercadológico. Devem ser considerados, entre outros, os seguintes pontos: a) a estratégia de competição a ser adotada: quando as empresas optam por competir com produtos “diferenciados” as margens de lucro são maiores; b) a existência de produtos similares: a facilidade de importações e a existência de diversos concorrentes em determinado segmento permitem que os consumidores tenham uma maior oferta de produtos, podendo escolher entre inúmeros artigos semelhantes. Com isso, as margens de lucro devem ser ajustadas à maior ou menor concorrência existente; c) o volume previsto de venda: quanto maior o volume previsto de venda para determinado produto, menor pode ser a margem de lucro a ser repassada ao preço de venda. Isso implica considerar um antigo axioma comercial que defende que “é preferível ganhar pouco por unidade vendendo grande quantidade, do que ganhar muito por peça e vender pouco”; d) os segmentos de mercado a serem atingidos: o mesmo produto pode ser comercializado em mais de um segmento de mercado e podem ser praticadas margens de lucro específicas para cada um destes, conforme a conveniência comercial ou a necessidade de expandir territórios de venda; MARK-UP DIVISOR a) listar todos os percentuais incidentes sobre o preço de venda (%PV): Tributos incidentes s/vendas = 17% Comissões sobre vendas = 3% Lucro almejado = 5% b) somar todos os percentuais incidentes sobre o preço de venda (%PV): ICMS = 17% + COMISSÕES = 3% + LUCRO = 5% = TOTAL DOS %PV 25% c) dividir a soma dos percentuais sobre o preço de venda (%PV) por “100” (para achar a forma unitária): ( 25 : 100 = 0,25 ) d) subtrair de “1” o quociente da divisão da fase anterior (c): (1 - 0,25 = 0,75) e) dividir o Custo Unitário Total (no âmbito industrial) pelo Mark-up Divisor, apurando o preço de venda orientativo. Supondo que o custo unitário seja de $ 500, o preço de venda à vista seria, então, de $ 666,67. $ 500 : 0,75 = $ 666,67 A exatidão do cálculo pode ser verificada através da demonstração a seguir: Preço de venda orientativo ($) = 666,67 Percentuais (17%+5%+3% 25%) = (166,67) Custo da mercadoria ($) = 500,00 Orientação : Carlos Seixas Pesquisa : Rodney Wernke : Análise de Custos e Preço de Venda
  2. 2. FORMAÇÃO DE PREÇOS - MARK UP – TEORIA 2/3 MARK-UP MULTIPLICADOR Para calcular o Mark-up Multiplicador, adotam-se os seguintes procedimentos: a) listar todos os percentuais incidentes sobre o preço de venda (%PV): Tributos incidentes sobre as vendas = 17% Comissões sobre vendas = 3% Lucro almejado = 5% b) somar todos os percentuais incidentes sobre o preço de venda (%PV): (17% + 3% + 5% = 25%) c) partindo de “100%”, subtrair a soma dos percentuais incidentes sobre o preço de venda (%PV): ( 100% - 25% = 75% ) d) o Mark-up multiplicador é obtido dividindo “100” pelo resultado da fase anterior ( 100 : 75 = 1,333333 ) e) o preço de venda orientativo é calculado multiplicando o custo unitário pelo Mark-up multiplicador. Custo = $ 500 x Mark up multiplicador = 1,33333 = $ 666,67 Observações : Alguns empresários desejam incluir nos preços de venda uma parcela relacionada com os gastos mensais sem ligação direta com as vendas do período, quer sejam despesas fixas ou custos fixos. Entendem que dessa forma estarão “cobrando” um valor adicional a ser empregado para “pagar” os gastos fixos relacionados com as despesas da área de administração, por exemplo. Abaixo exemplo de como obter o percentual a ser incluído na taxa de marcação, considerando: Valor dos gastos fixos mensais (médios)................................... $ 8.000 Faturamento (médio) $ 120.000 Resultado da divisão = 0,666667 x 100 = Percentual de gastos fixos p/Mark-up 6,67% Com esse procedimento, os gastos fixos são rateados aos produtos de acordo com o preço de venda (faturamento), independentemente do consumo de recursos que cada um deles faz. MARK-UP A VALOR PRESENTE Consiste em apurar o custo real de todos os componentes envolvidos, ou seja, trazer todos os fatores a Valor Presente, descontados a uma taxa de custo de oportunidade ou TMA, para que representem o seu verdadeiro poder aquisitivo. Neste caso, a taxa de juros a ser considerada deve ser aquela que a empresa está pagando para captar dinheiro em suas fontes de financiamento. Para cálculo do Mark up a valor presente utilizamos conceitos de Valor Presente, Valor Futuro, Taxa de Atratividade, Taxa Equivalente e Cálculos Exponenciais de Juros Compostos. Orientação : Carlos Seixas Pesquisa : Rodney Wernke : Análise de Custos e Preço de Venda
  3. 3. FORMAÇÃO DE PREÇOS - MARK UP – TEORIA 3/3 Custo de Compra de Materiais: compõem os custos de compra os seguintes fatores: a) (+) Custo da fatura (valor constante na nota fiscal); b) (-) Descontos dados na fatura (incondicionais, mencionados no corpo da nota fiscal de compra); c) (+) Despesas acessórias da compra (fretes, seguros, despesas aduaneiras e outros itens vinculados à aquisição); d) (+) Impostos não-recuperáveis fiscalmente (conforme a legislação tributária pertinente); e) (-) Impostos recuperáveis fiscalmente (conforme a legislação tributária específica); f) (=) Custo de aquisição das mercadorias, matérias-primas ou serviços. A Tabela abaixo mostra exemplos numéricos do cálculo do custo de compra considerando os itens mencionados. Fatores/Produtos Azul (+)Custo unitário na fatura (-)Descontos na fatura (+)Fretes/seguros/outros (-)Impostos recuperáveis (+)Impostos não-recuperáveis (=)Custo de compra unit.($/kg) 300 (5) 10 ( 36 ) 22 291 Verde 200 --20 (10) --210 Branco Preto 250 (10) ---(25) 30 245 120 --30 (12) --138 Na situação de compra de uma mercadoria, o valor a ser considerado pelo lojista como custo de aquisição é o resultado final do cálculo apresentado na Tabela. Ou seja, $ 291, para o produto Azul, por exemplo. Caso sejam matérias-primas utilizadas na industrialização de determinado produto, porém, o valor a ser considerado pelo industrial como “custo total de matériasprimas” deve ser o somatório dos custos de compra de todos os materiais componentes da ficha técnica, proporcionalmente ao consumo destes pelo produto manufaturado. Se, por exemplo, o produto “Arco-íris” é formado por um quilo de cada um dos produtos “Verde”, “Branco” e “Preto” e mais dois quilos do produto “Azul” (vide Tabela) , o custo total de matérias-primas é de $ 1.175, proveniente da soma de seu consumo total por unidade fabricada [($ 210 + $ 245 + $ 138) + (2 x $ 291)]. Ainda no âmbito industrial, convém ressaltar que ao custo total de matérias-primas costuma ser adicionado o custo de produção, apurado pelos métodos de custeio estudados, para determinar o custo total unitário de cada produto. Orientação : Carlos Seixas Pesquisa : Rodney Wernke : Análise de Custos e Preço de Venda

×