Dva .:. www.tc58n.wordpress.com

1.615 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.615
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
233
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dva .:. www.tc58n.wordpress.com

  1. 1. História Esse demonstrativo surgiu na Europa, por influencia da GrãBretanha, da França e da Alemanha e tem sido cada vez difundido e adotado por outros países, principalmente por recomendações expressas da Organização das Nações Unidas. (ONU). Definição A DVA é um relatório contábil que evidencia o quanto de riqueza uma empresa produziu, isto é, o quanto ela adicionou de valor aos seus fatores de produção, e o quanto e de que forma essa riqueza foi distribuída (entre empregados, governo, acionistas, financiadores de capital) bem como a parcela da riqueza não distribuída. Valor Adicionado O valor adicionado que é demonstrado na DVA, corresponde a diferença entre o valor da receita de vendas e os custos dos recursos adquiridos de terceiros.
  2. 2. Quais Empresas Podem Elaborar Qualquer empresa poderá elaborara e apresentar a DVA, porém, de acordo com o artigo 176, inciso V da lei 6404/76, todas as companhias abertas estão obrigadas a elaborar esta demonstração. Leis Vigentes A Demonstração do Valor Adicionado é mais uma das importantes inovações trazidas pela lei 11.638 de 28 de dezembro de 2007, que promoveu alterações na Lei das Sociedades por Ações (Lei 6404/76). Observações significativas: CVM - Deliberação CVM nº 557/08; RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.138/08; RESOLUÇÃO CFC N.º 1.162/09. Interesse na DVA Essa demonstração proporciona o conhecimento de informações de natureza econômico e social e oferece a possibilidade de melhor avaliação das atividades dentro da sociedade a qual está inserida. Informações estas que a DRE por si só não é capaz de fornecer.
  3. 3. BALANÇO SOCIAL CONCEITO BASE: Mecanismo utilizado pelas empresas para tornarem públicas as suas intenções e compromissos, visando à transparência de suas ações no exercício da responsabilidade social corporativa, trazendo informações qualitativas e quantitativas. IMPORTÂNCIA: Demonstra publicamente que a intenção da organização não é somente a geração de lucros, mas o desempenho social; Transparência às atividades corporativas; Ferramenta de gestão da responsabilidade social; Postura das empresas em relação ao meio ambiente e à própria comunidade. A divulgação do Balanço Social mostra que a empresa não tem apenas visão de lucratividade, mas também que ela se preocupa com a satisfação de seus clientes, em proporcionar qualidade de vida aos seus profissionais, demonstrar respeitabilidade ao meio ambiente e a sociedade em geral.
  4. 4. DVA Segundo De Luca (1998, p. 28), “a Demonstração do Valor Adicionado é um conjunto de informações de natureza econômica. É um relatório contábil que visa demonstrar o valor da riqueza gerada pela empresa e a distribuição para os elementos que contribuíram para sua geração”. Constitui-se das receitas obtidas pela empresa em razão de suas atividades, deduzidas dos custos dos bens e serviços adquiridos de terceiros para a geração dessas receitas FUNÇÃO Identificar e divulgar o valor da riqueza gerada por uma entidade e a forma pela qual essa riqueza foi distribuída entre os diversos setores que contribuíram, direta ou indiretamente, para a sua geração. Fornecer informações que demonstrem a geração de riqueza pela empresa e seus efeitos sobre a sociedade em que está inserida.
  5. 5. Pontos Relevantes do CPC 09 A elaboração da DVA consolidada seve basear-se nas demonstrações consolidadas. Fundamento teórico: CPC 36 (R2): Demonstrações Consolidadas Apresentação das demonstrações contábeis consolidadas 9. A controladora, companhia aberta ou fechada ou mesmo não na forma de sociedade por ações, exceto aquela descrita no item 10, deve apresentar as demonstrações contábeis consolidadas nas quais os investimentos em controladas são consolidados de acordo com o requerido no presente Pronunciamento. Definições (página 3) Valor adicionado recebido em transferência: riqueza produzida por terceiros e não pela atividade produtiva da empresa, como por exemplo outras receitas (receitas de aluguel,equivalência patrimonial).
  6. 6. Depreciação de itens reavaliados ou avaliados pelo valor justo (fair value) (página 7) Fundamento teórico – CPC 13: ADOÇÃO INICIAL DA LEI Nº. 11.638/07 E DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº. 449/08 Arrendamento mercantil financeiro 19. (...) Sendo assim, para os contratos vigentes na data de transição e que apresentarem as características de arrendamento mercantil financeiro, em sua forma legal ou em sua essência econômica, considerados os fatos e as circunstâncias existentes nessa data, a entidade arrendatária,para fins de elaboração de suas demonstrações contábeis, deve: (a) registrar no ativo imobilizado, em conta específica, o bem arrendado pelo valor justo ou, se inferior, pelo valor presente dos pagamentos mínimos do arrendamento mercantil, na data inicial do contrato, ajustado pela depreciação acumulada calculada desde a data do contrato até a data da transição;
  7. 7. Agentes Econômicos que participam da geração da Riqueza de uma Empresa Remuneração do Trabalho Remuneração do Governo Remuneração dos Credores Remuneração dos Acionistas
  8. 8. Modelos de DVA Modelo I: Aplicável às empresas em geral. Utilizado pelas entidades mercantis (comerciais e industriais) e prestadoras de serviços. Modelo II e III: Utilizado para atividades específicas, tais como atividades de intermediação financeira (instituições financeiras bancárias) e de seguros. A diferença entre os modelos é a formação de riqueza, porém a distribuição é igual. Os modelos são indicativos, e podem ser usados modelos mais detalhados para maior transparência.
  9. 9. Dois períodos função comparativa
  10. 10. 4. DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Obs. Imp. Itens reavaliados ou avaliados pelo valor justo (fair value), deve se incluir esse valor em outra receitas na DVA. 5. VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE (3 – 4) 6. VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA 6.1. Resultado de equivalência patrimonial 6.2. Receitas financeiras 6.3. Outras 7. VALOR ADICIONADO TORAL A DISTRIBUIR (5 + 6) DRE Comparativa RECEITA BRUTA De 30-1-x1 a 31-12-x1 800.000 (-) DEDUÇÕES E ABATIMENTOS Impostos s/ vendas (ICMS ou ISS,COFINS, PIS), Vendas anuladas e descontos incondicionais concedidos. RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA (105.000) 695.000 (-) CUSTOS OPERACIONAIS CMV (EI + C-EF) Incluindo os impostos não compensáveis (48.900) LUCRO BRUTO 646.100
  11. 11. 8. DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO ( * ) 8.1. Pessoal 8.1.1. Remuneração direta 8.1.2. Benefícios 8.1.3. FGTS 8.2. Impostos, taxas e contribuições 8.2.1. Federais 8.2.2. Estaduais 8.2.3. Municipais 8.3. Remuneração de capitais de terceiros 8.3.1. Juros 8.3.2. Aluguéis 8.3.3. Outras 8.4. Remuneração de capitais próprios 8.4.1. Juros sobre o capital próprio 8.4.2. Dividendos 8.4.3. Lucros retidos/Prejuízo do exercício ( lucros destinados a reserva ou não distribuídos) 8.4.4. Participação dos não controladores nos lucros retidos (só para consolidação) ( * ) O total do item 8 deve ser exatamente igual ao item 7 Obs. Imp. Para os impostos compensáveis, tais como ICMS, PIS, IPI E COFINS, devem ser considerados apenas os valores devidos ou recolhidos, que equivale a diferença entre os impostos e contribuições incidentes sobre as receitas e os respectivos valores incidentes sobre as receitas e os respectivos valores incidentes sobre os itens considerados com “ insumos adquiridos de terceiros”. A entidade é livre, dentro dos limites legais, para distribuir seus lucros acumulados, do exercício ou de exercícios anteriores, porém na DVA, tantos os dividendos como o JSCP, se restringem aos do próprio período. Dividendos distribuídos relativos a lucros de períodos anteriores já figuraram como lucro retidos naqueles respectivos períodos.
  12. 12. CÁLCULO: Receitas Vendas de serviços e mercadorias (NOTA 5 - DESPESAS POR NATUREZA) Descontos incondicionais e cancelamentos (NOTA 5) Provisão para crédito de liquidação duvidosa (NOTA 6 - OUTRAS REC. E DESP. OP.) Outras receitas (NOTA 7 - RESULTADO FINANCEIRO) 4.163.460 (938.337) (111.892) 90.929 3.204.160
  13. 13. CÁLCULO: Insumos adquiridos de terceiros Custos com interconexão (NOTA 6 - OUTRAS REC. E DESP OP.) Materiais e energia (estimativa de ICMS 18% sobre o valor da Nota 6) Custo de mercadorias vendidas (12% de ICMS sobre o valor da Nota 6) Serviços de terceiros (inclui 11% de INSS sobre o valor da Nota 6) Outros (NOTA 6) (441.490) (79.589) (8.550) (606.084) (59.242) (1.194.955)
  14. 14. CÁLCULO: Retenções Depreciação e amortização (NOTA 6 + AS AMORTIZAÇÕES QUE PERMANECEM NA NOTA 7) Provisão para perdas em processos judiciais (NOTA 7) Outras despesas (NOTA 7) (259.517) (299.422) (27.937) (586.876)
  15. 15. TOTAL DE RECEITAS FINANCEIRAS (NOTA 7)
  16. 16. NOTA 7 – RESULTADO FINANCEIRO NOTA 6 – OUTRAS REC. E DESP. OP. DRE
  17. 17. DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO - SOUSA CRUZ 2010 COLABORADORES 568,40 2009 COLABORADORES 543,30 ACIONISTAS 1.333,70 ACIONISTAS 1.436,10 GOVERNO 7.950,10 GOVERNO 6.781,90 REINVESTIMENTO FINANCIADORES VALOR ADICIONADO DISTRIBUIDO 116,40 57,40 10.026,00 REINVESTIMENTO 48,80 FINANCIADORES VALOR ADICIONADO DISTRIBUIDO 30,00 * Em milhões de reais 8.810,10
  18. 18. DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO - BANCO DO BRASIL 1T10 1T09 PESSOAL 3.021.545,00 PESSOAL 2.781.072,00 GOVERNO REM. CAPITAL DE TERCEIROS 2.296.584,00 GOVERNO REM. CAPITAL DE TERCEIROS 1.932.826,00 REM. CAPITAL PROPRIO VALOR ADICIONADO DISTRIBUIDO 2.932.363,00 REM. CAPITAL PROPRIO VALOR ADICIONADO DISTRIBUIDO * Em milhares de reais 2.405.792,00 133.144,00 8.383.636,00 126.012,00 7.245.702,00
  19. 19. DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO - TEC TOY 2010 2009 PESSOAL 7.249,00 PESSOAL 12.571,00 GOVERNO 3.228,00 GOVERNO 4.146,00 REM. CAP. TERCEIROS 6.000,00 REM. CAP. TERCEIROS 3.513,00 5.708,00 REM. CAP. PROPRIO REM. CAP. PROPRIO - VALOR ADICIONADO DISTRIBUIDO 10.769,00 - 18.954,00 VALOR ADICIONADO DISTRIBUIDO 1.276,00 * Em milhares de reais -18954 REM. CAP. PROPRIO -5708 REM. CAP. PROPRIO REM. CAP. TERCEIROS GOVERNO PESSOAL REM. CAP. TERCEIROS 6000 GOVERNO 3228 7249 PESSOAL 3513 4146 12571

×