Preparar as festas pascais

2.156 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.156
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
64
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
296
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Preparar as festas pascais

  1. 1. DE 4ª FEIRA DE CINZAS AO PENTECOSTES 1
  2. 2.  A centralidade do mistério pascal de Cristo é o Tempo Pascal, cujo centro é a Semana Santa. Tal semana tem o seu início e o seu ponto culminante na celebração do Domingo, assim também o centro fulcral de todo o ano litúrgico se reflecte na celebração do Sagrado Tríduo Pascal, preparada pela Quaresma e prolongada na alegria dos cinquenta dias seguintes. 2
  3. 3.  Em muitos lugares do mundo, os cristãos preparam-se e participam nas celebrações com grande proveito espiritual. Mas, por outro lado, chegamos ao ponto de reduzir a “Vigília Pascal” a uma mera Missa vespertina, celebradas como as missas de domingo antecipadas para a tarde de Sábado. 3
  4. 4. O facto de em muitas regiões a Semana Santa coincidir com o tempo de férias, bem como a mentalidade da própria sociedade actual, trazem dificuldades à participação do fiéis nas celebrações pascais. 4
  5. 5.  Claramente, que acontecem estas coisas e muito mais, por uma insuficiência de formação, tanto do clero como dos fiéis, sobre o mistério pascal enquanto centro do Ano litúrgico e da vida cristã. (Vat II, Decr. Christus Dominus, 15) 5
  6. 6. 6
  7. 7.  “A caminhada anual da penitencia da Quaresma é o tempo de graça durante o qual se sobe à santa montanha da Páscoa. O tempo da Quaresma, prepara os fiéis(…) em ordem à celebração do mistério pascal.” (Cerimonial dos Bispos, 249) 7
  8. 8.  Os Domingos da Quaresma têm precedência sobre todas as festas do Senhor e sobre todas as solenidades. Nas homilias do Domingo, deve-se ministrar uma “catequese” sobre o mistério pascal e os sacramentos. 8
  9. 9.  “O tempo da Quaresma conserva o seu carácter penitencial.”. Incuta-se nos fiéis a virtude e a prática da Penitência, como elemento necessário da preparação pascal. 9
  10. 10.  “Durante a Quaresma é proibido adornar o altar com flores e os instrumentos musicais só são permitidos para sustentar o canto, como convém ao carácter penitencial deste tempo.” 10
  11. 11.  Do mesmo modo, desde do principio da Quaresma até à Vigília Pascal não se diz Aleluia em nenhuma celebração, incluídas as solenidades e as festas. 11
  12. 12.  Fomentem-se os exercícios de piedade, como a “Via Sacra” de modo a conduzirem os fiéis à celebração do mistério pascal de Cristo. 12
  13. 13.  Na Quarta-feira de Cinzas, os fiéis iniciam com a imposição das cinzas o tempo para a purificação do espírito. Este sinal vem da tradição bíblica e significa a condição do homem pecador, que confessa externamente a sua culpa perante o Senhor e exprime a sua vontade de conversão, confiando que o Senhor se mostre compassivo com ele. 13
  14. 14. A Quarta feira de Cinzas é um dia penitencial obrigatório para toda a Igreja, que comporta a abstinência e o jejum. 14
  15. 15.  O IV Domingo da Quaresma antecipa um pouco o júbilo: chama- se Domingo Lætare – porque seu Intróito começa com a palavra lætare. O texto é conforme Is 66, 10-11: alegrai-vos, Jerusalém, reuni-vos, todos que a amais; regozijai-vos com alegria, vós que estivestes na tristeza; exultai e sereis saciados com a consolação que flui de seu seio. 15
  16. 16.  Durante a Semana Santa, a Igreja celebra os mistérios da salvação a que Cristo deu cumprimento nos últimos dias da Sua vinda, a começar pela Sua entrada messiânica em Jerusalém. 16
  17. 17. Celebramos:  Domingo de Ramos  Tríduo Pascal 17
  18. 18. 18
  19. 19. A Semana Santa começa com o Domingo de Ramos.A entrada do Senhor em Jerusalém, comemora-se com uma procissão, imitando as aclamações e gestos do meninos hebreus quando saíram ao encontro de Jesus, cantando “Hossana”. 19
  20. 20. A procissão seja única e tenha lugar fora da Igreja.A bênção do ramos realiza-se em ordem à procissão. Os ramos são conservados em casa recordam a vitória de Cristo que celebraram na procissão. 20
  21. 21.  Durante a procissão cante-se cânticos apropriados em honra de Cristo Rei.A história da Paixão do Senhor goza de especial solenidade. Deve ser lida ou cantada por três pessoas que fazem as vezes de Cristo, narrador e povo. 21
  22. 22. 22
  23. 23. A missa crismal em que o Bispo, concelebrando com o seu presbitério, consagra o Santo Crisma e benze os outros óleos.É uma manifestação de comunhão do clero com o seu Bispo. 23
  24. 24. 24
  25. 25. A Igreja celebra os grandes mistérios da redenção humana desde a Missa vespertina de Quinta feira Santa até às vésperas do Domingo da Ressurreição. 25
  26. 26. Chama-se Tríduo Pascal porque a sua celebração se torna presente e se realiza o mistério da Páscoa, ou seja, a passagem do Senhor neste mundo para o Pai. 26
  27. 27.  Na Sexta-feira Santa deve observar-se jejum e abstinência e recomenda-se que se prolongue durante o Sábado para a Igreja possa chegar com um espírito leve e aberto ao Domingo da Ressurreição. 27
  28. 28. É sagrado o jejum pascal nos dois primeiros dias do Tríduo, “porque o Esposo lhe foi arrebatado”. 28
  29. 29.  Requer-se para estas celebrações um número conveniente de ministros e colaboradores, que hão-de ser cuidadosamente instruídos acerca do que hão-de fazer. 29
  30. 30. 30
  31. 31.  A Igreja dá inicio ao Sagrado Tríduo Pascal e propõe-se comemorar aquela última ceia na qual o Senhor Jesus, na noite em que ia ser entregue, tendo amado até ao fim os seus que estavam no mundo, ofereceu a Deus Pai o Seu Corpo e Sangue sob as espécies do pão e vinho, os entregou aos Apóstolos em alimento, ordenando-lhes, a eles e aos seus sucessores no sacerdócio, que também os oferecessem. (CE 297) 31
  32. 32.  O Sacrário deve estar completamente vazio. A reserva do SS. Sacramento deve ser colocada num lugar devidamente preparado. Esse lugar deve convidar os fieis à oração e à meditação. Quando se canta o Hino do “Glória a Deus”, tocam-se os sinos que não voltarão a tocar até à Vigília Pascal. 32
  33. 33.  O lava-pés significa o serviço e o amor de Cristo, que veio “não para ser servido, mas par servir” (Mt 20, 28). Os donativos para os pobres, especialmente que pôde reunir durante a Quaresma, podem ser oferecidos no Ofertório. 33
  34. 34.  Terminada a oração pós-comunhão inicia-se a Trasladação para o lugar previamente preparado. Convidem-se os fieis a fazer um momento de adoração Eucarística. Deve-se cobrir as cruzes da Igreja com um véu roxo ou vermelho. Não se acendam luzes diante das imagens dos santos. 34
  35. 35. 35
  36. 36.  Não se celebra Missa neste dia. É dia de penitência, com jejum e abstinência. A hora ideal de celebrar a Paixão deve ser depois do meio dia, por volta da 15H. (hora de noa) 36
  37. 37.  Neste dia em que “Cristo nossa Páscoa foi imolado”, a Igreja , meditando na Paixão do seu Senhor e Esposo e adorando a Cruz, intercede pela salvação do mundo. 37
  38. 38.  A celebração começa com a prostração do sacerdote que significa tanto a humilhação “do homem terreno” como a tristeza e a dor da Igreja. A leitura da Paixão é realizada como no domingo de ramos e após a homilia somos convidados a um largo momento de oração silenciosa. 38
  39. 39.  A Oração Universal exprime o valor universal da Paixão de Cristo, elevado na Cruz para a salvação do mundo. Na ostensão da Cruz somos convidados a adorar a Cruz enquanto se canta os impropérios e se evoca com lirismo a história da salvação. 39
  40. 40.  Depois do Pai-nosso, não se dá o sinal da paz. Terminada a celebração despoja-se o altar deixando a Cruz com candelabros. 40
  41. 41. 41
  42. 42.  Durante o Sábado a Igreja permanece junto ao túmulo do Senhor, meditando na Sua Paixão e Morte , na Sua descida à mansão do mortos, e esperando na oração e no jejum a sua Ressurreição. 42
  43. 43. 43
  44. 44.  Porque celebramos à noite?  Porque celebramos a verdadeira libertação em que Cristo, rebentando as cadeias da morte, ressuscitou vitorioso do sepulcro. 44
  45. 45. A Bênção do Lume novo  A sua chama ilumina a noite e dissipa as trevas.O Círio Pascal  É feito de cera que evoca realmente que Cristo é a Luz do mundo. 45
  46. 46.  Precónio Pascal  Magnifico poema lírico que apresenta o mistério pascal no conjunto da economia da salvação. As leituras da Sagrada  Elas descrevem os acontecimentos culminantes da história da salvação. 46
  47. 47. A Liturgia Baptismal  Celebra-se no Páscoa de Cristo e a nossa.  Faz-se a bênção da água baptismal que será levada para o baptistério. 47
  48. 48. A Liturgia Baptismal  Faz-se a renovação das promessas baptismais, lembrando o Baptismo de cada um. 48
  49. 49. A Liturgia Eucarística  É o ponto culminante, sendo de modo pleno o Sacramento da Páscoa.  O memorial do sacrifício da Cruz e a presença de Cristo Ressuscitado, consumação da iniciação cristã e pregustação da Páscoa eterna. 49
  50. 50. A celebração da Pascoa, continua durante 50 dias até ao Pentecostes. Celebrem-se na alegria como um único dia de festa. 50

×