Cruz e Souza                                           Flor do Mar                           És da origem do mar, vens do ...
Pedro kilkerryRitmo EternoAbro as asas da Vida à Vida que há lá fora.Olha... Um sorriso da alma! — Um sorriso da aurora!E ...
ruge em meio ao silêncioalheio à aula e aos seus discípulos:"stá errado!stá errado!"E em torno a saparia adulta vaia os sa...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Poemas

435 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Poemas

  1. 1. Cruz e Souza Flor do Mar És da origem do mar, vens do secreto, do estranho mar espumaroso e frio que põe rede de sonhos ao navio e o deixa balouçar, na vaga, inquieto. Possuis do mar o deslumbrante afeto, as dormências nervosas e o sombrio e torvo aspecto aterrador, bravio das ondas no atro e proceloso aspecto. Num fundo ideal de púrpuras e rosas surges das águas mucilaginosas como a lua entre a névoa dos espaços... Trazes na carne o eflorescer das vinhas, auroras, virgens músicas marinhas, acres aromas de algas e sargaços...Alphonshus GuimarãesÁrias e CançõesIIA suave castelã das horas mortasAssoma à torre do castelo. As portas,Que o rubro ocaso em onda ensangüentara,Brilham do luar à luz celeste e clara.Como em órbitas de fatias caveirasOlhos que fossem de defuntas freiras,Os astros morrem pelo céu pressago...São como círios a tombar num lago.E o céu, diante de mim, todo escurece...E eu que nem sei de cor uma só prece!Pobre alma, que me queres, que me queres?São assim todas, todas as mulheres.
  2. 2. Pedro kilkerryRitmo EternoAbro as asas da Vida à Vida que há lá fora.Olha... Um sorriso da alma! — Um sorriso da aurora!E Deus — ou Bem! ou Mal — é Deus cantando em mim,Que Deus és tu, sou eu — a Natureza assim.Árvore! boa ou má, os frutos que darásSinto-os sabendo em nós, em mim, árvore, estás.E o Sol, de cujo olhar meu pensamento inundo,Casa multiplicando as asas deste mundo...Oh, braços para a Vida! Oh, vida para amar!Sendo uma onda do mar, dou-me ilusões de um mar...Alvor, turquesa, ondula a matéria... É veludo,É minhalma, é teu seio, e um firmamento mudo.Mas, aos ritmos da Terra, és um ritmo do Amor?Homem! ouve a teus pés a Natureza em flor!Bruno de MenezesEscola dos SaposDo charco à beira fica o colégio dos sapos.As aulas são noturnas e o período letivoé quando o inverno facilita aos alunos sair.Ah! que alegria quando chove e a escola aquática funciona!Aos grulhos que são ralhos as mães batráquias vendo a[chuvacorrem com a saparia infantil para a escola.O método é à moda e ao tempo do "Estudante alsaciano":— lições bem decoradas ditas em rasgos de regougos.Um velho sapo idealista professor de matemática,que vive amando a Lua entre as ninféias pelo charco,pergunta em rouca sabatinaa tabuada aos estudantes.E eles respondem como em coro:"8 + 8 = 188 + 8 = 18"...enquanto o mestre sonhador,de olhos perdidos nas estrelas
  3. 3. ruge em meio ao silêncioalheio à aula e aos seus discípulos:"stá errado!stá errado!"E em torno a saparia adulta vaia os sapinhos madraços."Deu rata...DEU RATA..."

×