SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Mamíferos
Filogenia
Sistema cardiovascular O sistema cardiovascular movimenta o sangue para levar oxigênio as células. Sistema fechado. Coração dividido em 4 câmara, 2 átrios e 2 ventrículos. Artéria aorta voltada para o lado esquerdo.
Sistema respiratório A função do sistema respiratório é realizar a troca de gazes. Inspirar ar rico em oxigênio e espirar ar rico em gás carbônico. Os pulmões são os principais órgãos desse sistema, mas nos mamíferos há a presença do diafragma (exclusivo dos mamíferos).
Sistema digestivo É responsável pela decomposição dos alimentos para fornecer nutrientes para garar energia. O alimento é digerido pela ação de substancias químicas. Os nutrientes são absorvidos pelo sangue e os dejetos são descartados.
Reprodução Reprodução sexuada interna Pode-se dividir os mamíferos em três grupos: placentários, marsupiais e monotremados. Monotremados: Todo o desenvolvimento é feito fora da mãe dentro de um ovo. A amamentação continua presente.pertence a ess grupo os ornitorrincos e as equidnas.
Reprodução Placentários: Os filhotes se desenvolvem dentro da mãe e recebem nutrientes e oxigênio através da placenta. A maioria dos mamíferos pertence a esse grupo. Marsupiais: Os filhotes tem um desenvolvimento curto dentro da mãe depois completam seu crescimento dentro de uma bolsa chamada marsúpio presente na fêmea. Pertenceum dos animais que pertence a esse grupos são os gangurus.
Características exclusivas Glândulas mamarias: produzem leite para os filhotes. Esta presente em todos o s mamíferos e é a característica que da nome a essa classe. Pelos. Presença de nariz/focinho. Diafragma.
Aves
Filogenia
Sistema cardiovascular Sistema fechado Coração dividido em quatro câmaras, 2 átrios e 2 ventrículos.  Artéria aorta voltada para a direita. O coração é proporcionalmente maior e mais rápido em relação aos mamíferos.
Sistema respiratorio O ar se dirige primeiro ao abdômen. Não há a presença do diafragma No vôo as aves necessitam 15 vezes mais oxigênio
Sistema digestivo Os componentes desse sistema são: papo, proventrículo, moela, intestino e cloaca. No papo o alimento fica em repouso sem amolecido. Na moela os alimentos são triturados com a ajuda de pedras e areia.
Reprodução São animais ovíparos: botam ovos. Na maioria das espécies de aves machos não possuírem órgão copulador (pênis), mas a fecundação é interna. Ocorre pela justaposição das aberturas das cloacas de ambos (macho e fêmea) durante a cópula. Após a cópula as fêmeas eliminam os ovos pela cloaca no ninho, e estes ovos são protegidos por uma casca calcária.
Reprodução O vitelo nutre o embrião dentro do ovo. Os ovos não fecundados são chamados de não-galados
Características exclusivas Muitas adaptações ocorreram nas aves para possibilitar o vôo. Entre elas a transformação dos membros dianteiros em asas. A aerodinâmica. Os ossos das aves são geralmente ocos para auxiliar no vôo.
Corujas
O termo coruja é a designação comum às aves estrigiformes, das famílias dos titonídeos e estrigídeos. Tais aves possuem normalmente hábitos crepusculares e noturnos, mas há também algumas com hábitos diurnos. Alimentam-se de pequenos mamíferos (principalmente de roedores), insetos e aranhas. Engolem suas refeições por inteiro, para depois vomitarem pelotas com pêlos e fragmentos de ossos. Acreditava-se que essas aves gostavam de azeite por visitarem as igrejas durante a noite, onde existiam lamparinas de azeite acesas, mas na realidade elas procuravam os insetos atraídos pela luz das lamparinas.
Símbolos e Superstições A superstição popular diz que adivinham a morte com o seu piar e esvoaçar. Ela também é considerada o símbolo da sabedoria. O símbolo da deusa grega do saber, Atena, é a coruja.  É também considerada o símbolo da filosofia para muitos filósofos.
Strigidae Strigidae é uma das duas famílias de aves que inclui diversas espécies de corujas, sendo a  outra a Tytonidae.
Coruja-Buraqueira A coruja-buraqueira, (Athenecunicularia) recebe esse nome, pois vive em buracos cavados no solo, e embora seja capaz de cavar seu próprio buraco, prefere os buracos abandonados de outros animais. Na chegada da primavera, a buraqueira macho escolhe ou escava um buraco, normalmente em regiões de capim baixo, onde prenda com facilidade insetos e pequenos roedores no solo.Vivem no mínimo 9 anos em habitat selvagem e 10 em cativeiro. Costumam viver em campos, pastos, restingas, desertos, planícies, praias e aeroportos.
Características A cabeça é redonda e os olhos estão dispostos lado a lado, num mesmo plano. As sobrancelhas são brancas e os olhos amarelos. Sua coloração é cor de terra, mimética, podendo apresentar plumagem em tons de ferrugem causada por solos de terra roxa. Algumas de suas características, como cor dos olhos, bico e a altura, variam de acordo com a subespécie. Seus pés são longos e cinzentos, apropriados para andar geralmente marchando. A fêmea costuma ser mais escura e menor que o macho. A ave é de pequeno porte, quando adulta chega a medir entre 23 e 27 cm e pesar entre 170 e 214 gramas.
Suas características na caça Sua visão e seus voos suaves são adaptados para caça. Enxergam cem vezes mais que o ser humano e também tem uma ótima audição, conseguindo localizar sua presa com apenas este sentido. Para observar alguma coisa ao seu lado, gira o pescoço em um ângulo de até 270 graus a partir da posição central, aumentando assim o seu campo visual. Ela tem que virar a pescoço, pois seus grandes olhos estão dispostos lado a lado num mesmo plano. Essa disposição frontal proporciona à coruja uma visão binocular (enxerga um objeto com ambos os olhos e ao mesmo tempo), isso significa que a coruja pode ver objetos em três dimensões: altura, largura e profundidade. Os olhos da coruja-buraqueira são bem grandes, em algumas subespécies  são até maiores que o próprio cérebro, a fim de melhorar sua eficiência em condições de baixa luminosidade, captando e processando melhor a luz disponível.
Relações O maior inimigo da coruja buraqueira é o homem, visto que, por ser uma ave de rapina, essa espécie quase não tem predadores naturais. Entretanto, o danoso trânsito de carros sobre a vegetação da praia é o principal fator da destruição da coruja buraqueira, juntamente com outras espécies da fauna da praia que compõem a cadeia alimentar. Pois, ao passarem sobre a boca dos ninhos, esses veículos soterram o túnel, matando mãe e filhotes asfixiados debaixo da camada de areia em que se encontram. Os filhotes de corujas podem ser vítimas de outros predadores como o gavião. Os predadores documentados dessa coruja incluem texugos, serpentes e doninhas.
Essas corujas têm o costume de coletar uma larga variedade de materiais para revestir seu ninho. O material mais comum é o estrume, que é colocado dentro da câmara do ninho e em volta da entrada. Acreditava-se que a coruja fazia isso para encobrir o cheiro dos ovos e dos filhotes, a fim de protegê-los de predadores, como os texugos-americanos. No entanto, foi descoberta uma utilização mais nutritiva e criativa. As tocas com estrume contêm dez vezes mais besouro-do-estrume do que as das corujas que não usam estrume. Isso ocorre porque os besouros, cuja própria atividade nidificadora consiste em achar estrume para depositar seus ovos, acabam sendo atraídos pelas buraqueiras. Assim, o estrume proporciona alimento fácil para as fêmeas incubadoras e, é claro, também para os próprios machos, que passam a maior parte do tempo protegendo os buracos dos ninhos e por isso não têm oportunidade de caçar. Esse esterco também serve para ajuda a controlar o micro clima dentro da cova, não o deixando quente demais.
A qualquer sinal de perigo, a coruja buraqueira emitem um som alto, forte e estridente. Esse alarme é dado durante o dia, chamando a atenção para a coruja. Os filhotes, ao escutarem o alerta, entram no ninho, enquanto os adultos voam para pousos expostos e atacam decididamente qualquer fonte de perigo para os filhos. Eles também fazem outros sons que são descritos como pancadas e gritos, que é parecido com "piá, piar, piaaar". Quando as buraqueiras emitem esses sons, normalmente estão movimentando a cabeça, para baixo e para cima. Os filhotes também emitem sons: quando perturbados, produzem um som que lembra o de uma cascavel, espantando assim os predadores.
A dieta é altamente variável, mudando de hábito com a posição e a época do ano e a disponibilidade do habitat; incluem pequenos mamíferos como os ratos, pequenos pássaros, rãs, insetos, répteis de pequeno porte, peixes e escorpiões. Mas as corujas comem principalmente insetos grandes como o gafanhoto. Ao contrário de outras corujas, também comem frutas e sementes. Por alimentar-se de insetos e pequenos roedores como os ratos, é muito útil ao homem, beneficiando-o na agricultura e sendo importante controladora da densidade populacional de roedores. A maioria de sua caça é crepuscular. Caça insetos na luz do dia e mamíferos pequenos na noite. Caça em voo e, às vezes, persegue sua presa a pé. Mas caçará durante todo um período de vinte e quatro horas, especialmente quando tiver filhotes para alimentar. Essas corujas são muito versáteis nas maneiras que capturam a presa, usando estratégias diferentes conforme a presa. A estratégia mais comum é caçar insetos andando, pulando ou com voos curtos a partir do chão. Usa seus pés para capturar insetos grandes no ar, próximo à toca. Para caçar presas maiores, fica empoleirada em cercas ou em grandes cupinzeiros e mergulha sobre a vítima.
Reprodução A estação de reprodução começa em março ou em abril. As corujas-buraqueiras são, normalmente, monógamas, mas ocasionalmente um macho terá duas companheiras. O ninho favorito da buraqueira são aqueles que estão em locais relativamente arenosos, com vegetação baixa. Se as covas estão indisponíveis e a terra não é dura ou rochosa, as corujas escavam o próprio buraco. De 1,5m a 3m de profundidade e 30cm a 90 cm de largura sob a terra, aonde põe de seis a doze ovos brancos. Nessa época, os pais tornam-se agressivos, investindo contra qualquer animal que se aproxima da toca, seja ele um cachorro, gato ou até mesmo um homem.
A fêmea botará um ovo a cada um ou dois dias até que ela complete uma postura que pode consistir em entre seis e doze ovos (normalmente nove). Ela incubará os ovos então durante 28 a 30 dias enquanto o macho traz a comida dela. Enquanto a maioria dos ovos chocará, só dois a seis filhotes normalmente sobrevivem para deixar o ninho. Depois que os ovos chocarem ambos os pais alimentarão os filhotes, que são criados nas tocas. Quatro semanas depois de chocar, os filhotes podem ser vistos empoleirando a entrada da cova, esperando os pais que trarão a comida, aos 44 dias saem do ninho e podem também fazer voos curtos e começar a deixar a cova do ninho. Com 60 dias, estão caçando pequenos insetos que são atraídos ao redor do ninho pelo estrume acumulado. Os pais ainda ajudarão alimentando os filhotes durante um a três meses.
Em algumas áreas é considerada espécie vulnerável à extinção Distribuição Geográfica da Buraqueira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

O morcego
O morcego O morcego
O morcego
 
Apresentação de biologia de Aves.
Apresentação de biologia de Aves.Apresentação de biologia de Aves.
Apresentação de biologia de Aves.
 
Morcegos
MorcegosMorcegos
Morcegos
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Animais
AnimaisAnimais
Animais
 
Habitos Animais
Habitos AnimaisHabitos Animais
Habitos Animais
 
Apresentação sistemática 1 finalizada
Apresentação sistemática 1 finalizada Apresentação sistemática 1 finalizada
Apresentação sistemática 1 finalizada
 
.Classe Aves.
.Classe Aves..Classe Aves.
.Classe Aves.
 
Gafanhoto
GafanhotoGafanhoto
Gafanhoto
 
7º ano cap 22 as aves
7º ano cap 22 as aves7º ano cap 22 as aves
7º ano cap 22 as aves
 
Formigas
FormigasFormigas
Formigas
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
FORMIGAS 2A
FORMIGAS 2AFORMIGAS 2A
FORMIGAS 2A
 
Morcegos carolina jaime pedro5_e
Morcegos carolina jaime pedro5_eMorcegos carolina jaime pedro5_e
Morcegos carolina jaime pedro5_e
 
Morcegos 2º D
Morcegos 2º DMorcegos 2º D
Morcegos 2º D
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Os insetos
Os insetosOs insetos
Os insetos
 
Aves - Biologia
Aves - BiologiaAves - Biologia
Aves - Biologia
 
Morcegos
MorcegosMorcegos
Morcegos
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
 

Semelhante a Sistemas e características dos mamíferos e das corujas-buraqueiras

Semelhante a Sistemas e características dos mamíferos e das corujas-buraqueiras (20)

Corujas
CorujasCorujas
Corujas
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Classe das Aves
Classe das AvesClasse das Aves
Classe das Aves
 
PPs sobre Mamíferos- 6B
PPs sobre Mamíferos- 6BPPs sobre Mamíferos- 6B
PPs sobre Mamíferos- 6B
 
Especilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptxEspecilaidade anfibios.pptx
Especilaidade anfibios.pptx
 
Mamíferos e suas demais classificações
Mamíferos e suas demais classificaçõesMamíferos e suas demais classificações
Mamíferos e suas demais classificações
 
Meu trabalho
Meu trabalhoMeu trabalho
Meu trabalho
 
2401 Insetos
2401 Insetos2401 Insetos
2401 Insetos
 
Animais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosAnimais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebrados
 
EvoluçãO Humana
EvoluçãO HumanaEvoluçãO Humana
EvoluçãO Humana
 
Artópodes
ArtópodesArtópodes
Artópodes
 
Mamíferos
MamíferosMamíferos
Mamíferos
 
Reino Mamalia
Reino MamaliaReino Mamalia
Reino Mamalia
 
Especialidade de Lazer com Pipas.ppt
Especialidade de Lazer com Pipas.pptEspecialidade de Lazer com Pipas.ppt
Especialidade de Lazer com Pipas.ppt
 
aves
avesaves
aves
 
Mamiferos
MamiferosMamiferos
Mamiferos
 
Répteis
 Répteis Répteis
Répteis
 
Mamíferos
MamíferosMamíferos
Mamíferos
 

Mais de SESI 422 - Americana (20)

Origem da vida e Evolução
Origem da vida e EvoluçãoOrigem da vida e Evolução
Origem da vida e Evolução
 
Genética de populações
Genética de populaçõesGenética de populações
Genética de populações
 
Bioquímica básica
Bioquímica básicaBioquímica básica
Bioquímica básica
 
Expressividade e penetrância
Expressividade e penetrânciaExpressividade e penetrância
Expressividade e penetrância
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Casos especiais de herança
Casos especiais de herançaCasos especiais de herança
Casos especiais de herança
 
Exercícios 2
Exercícios 2Exercícios 2
Exercícios 2
 
Probabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramasProbabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramas
 
Textos novas espécies
Textos novas espéciesTextos novas espécies
Textos novas espécies
 
Exercícios
ExercíciosExercícios
Exercícios
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Cromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelosCromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelos
 
Genética mendeliana básica
Genética mendeliana básicaGenética mendeliana básica
Genética mendeliana básica
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
 
Projeto terrário
Projeto terrárioProjeto terrário
Projeto terrário
 
Projeto paleontólogos
Projeto paleontólogosProjeto paleontólogos
Projeto paleontólogos
 
Garça branca
Garça brancaGarça branca
Garça branca
 
Reportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalasReportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalas
 
Capivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundoCapivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundo
 
Lírios
LíriosLírios
Lírios
 

Sistemas e características dos mamíferos e das corujas-buraqueiras

  • 3. Sistema cardiovascular O sistema cardiovascular movimenta o sangue para levar oxigênio as células. Sistema fechado. Coração dividido em 4 câmara, 2 átrios e 2 ventrículos. Artéria aorta voltada para o lado esquerdo.
  • 4. Sistema respiratório A função do sistema respiratório é realizar a troca de gazes. Inspirar ar rico em oxigênio e espirar ar rico em gás carbônico. Os pulmões são os principais órgãos desse sistema, mas nos mamíferos há a presença do diafragma (exclusivo dos mamíferos).
  • 5. Sistema digestivo É responsável pela decomposição dos alimentos para fornecer nutrientes para garar energia. O alimento é digerido pela ação de substancias químicas. Os nutrientes são absorvidos pelo sangue e os dejetos são descartados.
  • 6. Reprodução Reprodução sexuada interna Pode-se dividir os mamíferos em três grupos: placentários, marsupiais e monotremados. Monotremados: Todo o desenvolvimento é feito fora da mãe dentro de um ovo. A amamentação continua presente.pertence a ess grupo os ornitorrincos e as equidnas.
  • 7. Reprodução Placentários: Os filhotes se desenvolvem dentro da mãe e recebem nutrientes e oxigênio através da placenta. A maioria dos mamíferos pertence a esse grupo. Marsupiais: Os filhotes tem um desenvolvimento curto dentro da mãe depois completam seu crescimento dentro de uma bolsa chamada marsúpio presente na fêmea. Pertenceum dos animais que pertence a esse grupos são os gangurus.
  • 8. Características exclusivas Glândulas mamarias: produzem leite para os filhotes. Esta presente em todos o s mamíferos e é a característica que da nome a essa classe. Pelos. Presença de nariz/focinho. Diafragma.
  • 9.
  • 10. Aves
  • 12. Sistema cardiovascular Sistema fechado Coração dividido em quatro câmaras, 2 átrios e 2 ventrículos. Artéria aorta voltada para a direita. O coração é proporcionalmente maior e mais rápido em relação aos mamíferos.
  • 13. Sistema respiratorio O ar se dirige primeiro ao abdômen. Não há a presença do diafragma No vôo as aves necessitam 15 vezes mais oxigênio
  • 14. Sistema digestivo Os componentes desse sistema são: papo, proventrículo, moela, intestino e cloaca. No papo o alimento fica em repouso sem amolecido. Na moela os alimentos são triturados com a ajuda de pedras e areia.
  • 15. Reprodução São animais ovíparos: botam ovos. Na maioria das espécies de aves machos não possuírem órgão copulador (pênis), mas a fecundação é interna. Ocorre pela justaposição das aberturas das cloacas de ambos (macho e fêmea) durante a cópula. Após a cópula as fêmeas eliminam os ovos pela cloaca no ninho, e estes ovos são protegidos por uma casca calcária.
  • 16. Reprodução O vitelo nutre o embrião dentro do ovo. Os ovos não fecundados são chamados de não-galados
  • 17. Características exclusivas Muitas adaptações ocorreram nas aves para possibilitar o vôo. Entre elas a transformação dos membros dianteiros em asas. A aerodinâmica. Os ossos das aves são geralmente ocos para auxiliar no vôo.
  • 18.
  • 20. O termo coruja é a designação comum às aves estrigiformes, das famílias dos titonídeos e estrigídeos. Tais aves possuem normalmente hábitos crepusculares e noturnos, mas há também algumas com hábitos diurnos. Alimentam-se de pequenos mamíferos (principalmente de roedores), insetos e aranhas. Engolem suas refeições por inteiro, para depois vomitarem pelotas com pêlos e fragmentos de ossos. Acreditava-se que essas aves gostavam de azeite por visitarem as igrejas durante a noite, onde existiam lamparinas de azeite acesas, mas na realidade elas procuravam os insetos atraídos pela luz das lamparinas.
  • 21. Símbolos e Superstições A superstição popular diz que adivinham a morte com o seu piar e esvoaçar. Ela também é considerada o símbolo da sabedoria. O símbolo da deusa grega do saber, Atena, é a coruja. É também considerada o símbolo da filosofia para muitos filósofos.
  • 22. Strigidae Strigidae é uma das duas famílias de aves que inclui diversas espécies de corujas, sendo a outra a Tytonidae.
  • 23. Coruja-Buraqueira A coruja-buraqueira, (Athenecunicularia) recebe esse nome, pois vive em buracos cavados no solo, e embora seja capaz de cavar seu próprio buraco, prefere os buracos abandonados de outros animais. Na chegada da primavera, a buraqueira macho escolhe ou escava um buraco, normalmente em regiões de capim baixo, onde prenda com facilidade insetos e pequenos roedores no solo.Vivem no mínimo 9 anos em habitat selvagem e 10 em cativeiro. Costumam viver em campos, pastos, restingas, desertos, planícies, praias e aeroportos.
  • 24. Características A cabeça é redonda e os olhos estão dispostos lado a lado, num mesmo plano. As sobrancelhas são brancas e os olhos amarelos. Sua coloração é cor de terra, mimética, podendo apresentar plumagem em tons de ferrugem causada por solos de terra roxa. Algumas de suas características, como cor dos olhos, bico e a altura, variam de acordo com a subespécie. Seus pés são longos e cinzentos, apropriados para andar geralmente marchando. A fêmea costuma ser mais escura e menor que o macho. A ave é de pequeno porte, quando adulta chega a medir entre 23 e 27 cm e pesar entre 170 e 214 gramas.
  • 25. Suas características na caça Sua visão e seus voos suaves são adaptados para caça. Enxergam cem vezes mais que o ser humano e também tem uma ótima audição, conseguindo localizar sua presa com apenas este sentido. Para observar alguma coisa ao seu lado, gira o pescoço em um ângulo de até 270 graus a partir da posição central, aumentando assim o seu campo visual. Ela tem que virar a pescoço, pois seus grandes olhos estão dispostos lado a lado num mesmo plano. Essa disposição frontal proporciona à coruja uma visão binocular (enxerga um objeto com ambos os olhos e ao mesmo tempo), isso significa que a coruja pode ver objetos em três dimensões: altura, largura e profundidade. Os olhos da coruja-buraqueira são bem grandes, em algumas subespécies são até maiores que o próprio cérebro, a fim de melhorar sua eficiência em condições de baixa luminosidade, captando e processando melhor a luz disponível.
  • 26. Relações O maior inimigo da coruja buraqueira é o homem, visto que, por ser uma ave de rapina, essa espécie quase não tem predadores naturais. Entretanto, o danoso trânsito de carros sobre a vegetação da praia é o principal fator da destruição da coruja buraqueira, juntamente com outras espécies da fauna da praia que compõem a cadeia alimentar. Pois, ao passarem sobre a boca dos ninhos, esses veículos soterram o túnel, matando mãe e filhotes asfixiados debaixo da camada de areia em que se encontram. Os filhotes de corujas podem ser vítimas de outros predadores como o gavião. Os predadores documentados dessa coruja incluem texugos, serpentes e doninhas.
  • 27. Essas corujas têm o costume de coletar uma larga variedade de materiais para revestir seu ninho. O material mais comum é o estrume, que é colocado dentro da câmara do ninho e em volta da entrada. Acreditava-se que a coruja fazia isso para encobrir o cheiro dos ovos e dos filhotes, a fim de protegê-los de predadores, como os texugos-americanos. No entanto, foi descoberta uma utilização mais nutritiva e criativa. As tocas com estrume contêm dez vezes mais besouro-do-estrume do que as das corujas que não usam estrume. Isso ocorre porque os besouros, cuja própria atividade nidificadora consiste em achar estrume para depositar seus ovos, acabam sendo atraídos pelas buraqueiras. Assim, o estrume proporciona alimento fácil para as fêmeas incubadoras e, é claro, também para os próprios machos, que passam a maior parte do tempo protegendo os buracos dos ninhos e por isso não têm oportunidade de caçar. Esse esterco também serve para ajuda a controlar o micro clima dentro da cova, não o deixando quente demais.
  • 28. A qualquer sinal de perigo, a coruja buraqueira emitem um som alto, forte e estridente. Esse alarme é dado durante o dia, chamando a atenção para a coruja. Os filhotes, ao escutarem o alerta, entram no ninho, enquanto os adultos voam para pousos expostos e atacam decididamente qualquer fonte de perigo para os filhos. Eles também fazem outros sons que são descritos como pancadas e gritos, que é parecido com "piá, piar, piaaar". Quando as buraqueiras emitem esses sons, normalmente estão movimentando a cabeça, para baixo e para cima. Os filhotes também emitem sons: quando perturbados, produzem um som que lembra o de uma cascavel, espantando assim os predadores.
  • 29. A dieta é altamente variável, mudando de hábito com a posição e a época do ano e a disponibilidade do habitat; incluem pequenos mamíferos como os ratos, pequenos pássaros, rãs, insetos, répteis de pequeno porte, peixes e escorpiões. Mas as corujas comem principalmente insetos grandes como o gafanhoto. Ao contrário de outras corujas, também comem frutas e sementes. Por alimentar-se de insetos e pequenos roedores como os ratos, é muito útil ao homem, beneficiando-o na agricultura e sendo importante controladora da densidade populacional de roedores. A maioria de sua caça é crepuscular. Caça insetos na luz do dia e mamíferos pequenos na noite. Caça em voo e, às vezes, persegue sua presa a pé. Mas caçará durante todo um período de vinte e quatro horas, especialmente quando tiver filhotes para alimentar. Essas corujas são muito versáteis nas maneiras que capturam a presa, usando estratégias diferentes conforme a presa. A estratégia mais comum é caçar insetos andando, pulando ou com voos curtos a partir do chão. Usa seus pés para capturar insetos grandes no ar, próximo à toca. Para caçar presas maiores, fica empoleirada em cercas ou em grandes cupinzeiros e mergulha sobre a vítima.
  • 30. Reprodução A estação de reprodução começa em março ou em abril. As corujas-buraqueiras são, normalmente, monógamas, mas ocasionalmente um macho terá duas companheiras. O ninho favorito da buraqueira são aqueles que estão em locais relativamente arenosos, com vegetação baixa. Se as covas estão indisponíveis e a terra não é dura ou rochosa, as corujas escavam o próprio buraco. De 1,5m a 3m de profundidade e 30cm a 90 cm de largura sob a terra, aonde põe de seis a doze ovos brancos. Nessa época, os pais tornam-se agressivos, investindo contra qualquer animal que se aproxima da toca, seja ele um cachorro, gato ou até mesmo um homem.
  • 31. A fêmea botará um ovo a cada um ou dois dias até que ela complete uma postura que pode consistir em entre seis e doze ovos (normalmente nove). Ela incubará os ovos então durante 28 a 30 dias enquanto o macho traz a comida dela. Enquanto a maioria dos ovos chocará, só dois a seis filhotes normalmente sobrevivem para deixar o ninho. Depois que os ovos chocarem ambos os pais alimentarão os filhotes, que são criados nas tocas. Quatro semanas depois de chocar, os filhotes podem ser vistos empoleirando a entrada da cova, esperando os pais que trarão a comida, aos 44 dias saem do ninho e podem também fazer voos curtos e começar a deixar a cova do ninho. Com 60 dias, estão caçando pequenos insetos que são atraídos ao redor do ninho pelo estrume acumulado. Os pais ainda ajudarão alimentando os filhotes durante um a três meses.
  • 32.
  • 33. Em algumas áreas é considerada espécie vulnerável à extinção Distribuição Geográfica da Buraqueira