Redação para vestibular método prático

1.651 visualizações

Publicada em

Não nos alongaremos em teorias impraticáveis e discussões inúteis, foram elas que levaram os estudantes brasileiros à presente situação, constrangedora no tocante a escrever e criar, seja uma simples carta ou uma redação mais complexa. Estes exercícios práticos para emprego imediato constituem uma opção mais realista.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.651
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
61
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
99
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Redação para vestibular método prático

  1. 1. REDAÇÃO PARA VESTIBULAR MÉTODO PRÁTICO Para desenvolvimento rápido de qualquer tema, indicado para nível secundário e candidatos ao ENEM pedro marangoni Copyright © 2000 pedro marangoni
  2. 2. INTRODUÇÃO Não nos alongaremos em teorias impraticáveis e discussões inúteis, foram elas que levaram os estudantes brasileiros à presente situação, constrangedora no tocante a escrever e criar, seja uma simples carta ou uma redação mais complexa. Estes exercícios práticos para emprego imediato constituem uma opção mais realista, vamos a eles: FASE PRELIMINAR-COLETA E EXPANSÃO(CE I e II) Para conhecimento dos pontos fracos e o potencial de cada um propõe-se uma fase preliminar mais simples e rápida, a coleta e expansão, sem um tema determinado. CE I Em um dicionário ir consultando as páginas aleatoriamente e coletando o primeiro verbete que visualizar em cada uma delas, entre 15 a 20 palavras no total, sejam elas simples ou complexas, sem escolher. De posse dessas raízes deverá criar um texto curto, empregando-as em qualquer ordem. Repetir até construir textos razoáveis, com rapidez. Os exemplos abaixo são elucidativos. Exemplo de CE I: Fonte: Michaelis Moderno Dicionário da Língua Portuguesa, Editora Melhoramentos,1998 Palavras coletadas aleatoriamente e empregadas em qualquer ordem: 1-acauã,pag.33 2-andantino, pag.145 3-azulego, pag.277 4-cigano, pag.497 5-conformar, pag.559 6-elapídeo, pag.767 7-falaz, pag.933 8-gurungumba, pag.1065 9-limpo, pag.1257 10-mosca, pag.1415 11-piletromboflebite, pag.1617 12-reato, pag.1779 13-rostolho, pag.1861 14-testemunho, pag.2055 15-viagem, pag.2197 Podendo usar as palavras em qualquer ordem, vamos escolher uma que nos facilite a construção do texto ao seu redor, uma que permita uma variação maior de assuntos; optarei aqui pelo verbete viagem(15): A viagem(15).Após um diagnóstico assustador de piletromboflebite(11),que afinal se revelou falso, decidi soltar a gurungumba(8)no lombo da montaria de minha imaginação e, colocando um andantino(2)no primeiro dia do resto de meus dias, acelerei minha vida,
  3. 3. sem me conformar(5) em viver imobilizado, aguardando acontecimentos, qual um reato(12)no planeta terra… Ah, vida de cigano(4)então, livre, uma mosca(10)sem rumo, revoando de lá para cá,chegando sem me fazer anunciar pelo acauã(1),levando aos amigos o testemunho(14)de um coração limpo(9),sem ser falaz(7)mas consciente que mesmo um pequeno rostolho(13)como eu é parte integrante e importante na robusta fechadura da vida, sem temer enfrentar as surpresas do destino que, qual venenoso elapídeo(6)à espreita, pode sempre estar disfarçado no lusco-fusco de um azulego(3) céu no entardecer de nossa existência... Uma vez confortável com o exercício, passar para a etapa seguinte, um novo texto mas usando os verbetes na ordem em que foram coletados, aumentando assim o grau de dificuldade.(CE II) Exemplo de CE II: Fonte: Dicionário Básico da Língua Portuguesa Folha/Aurélio,1994-1995 Editora Nova Fronteira S/A Palavras coletadas aleatoriamente mas empregadas em ordem de coleta: 1-amerceamento, pag. 37 2-arrancar, pag.61 3-caiporismo, pag.115 4-celícola, pag.139 5-crisálida, pag.187 6-déspota, pag.215 7-enfestar, pag.247 8-girino, pag.323 9-jazz, pag.375 10-mexido, pag.431 11-pasquinar, pag.485 12-pró-homem, pag.531 13-sobreosso, pag.605 14-treliça, pag.647 15-valverde, pag.663 16-zwingliano, pag.687 Sem poder mudar a ordem, estamos condicionados à primeira palavra, amerceamento (conceder mercê,comutar a pena, condoer-se)e ela dá o rumo a seguir, quando observamos o significado comutar a pena. Tomemos pois esse caminho: O contínuo amerceamento(1) dos criminosos em nosso país, visando não sua recuperação, mas simplesmente arrancar(2),retirar, expulsar um inquilino de nosso sobrecarregado sistema carcerário, faz com que o cidadão comum, o homem trabalhador, sofrido, sinta-se debaixo de um constante caiporismo(3),de uma urucubaca atroz ao se ver pilhado em cada esquina por uma crescente multidão de marginais escudados na
  4. 4. impunidade, enquanto privilegiados políticos vivem tal qual um celícola(4) em seu paraíso particular, ignorando o estado latente, de verdadeira crisálida(5) humana de seus eleitores, impedidos de amealharem algum bem, esperando, encapsulados em sua insegurança, a transformação... Um déspota(6) após outro sem qualquer vergonha de seu constante enfestar(7),promete casa, comida e saúde enquanto abaixo de si, qual um girino(8),o povo vive na lama. Enquanto os poucos privilegiados escutam Jazz(9) o pobre trabalhador convive com o nada sofisticado e ensurdecedor clamor das buzinas de um trânsito infernal que só piora, nada muda, nada é mexido(10), apesar das notícias de grandes obras, em verdade um pasquinar(11) contínuo que ofende nossa inteligência. Onde encontrar a figura de um verdadeiro pró-homem(12) que surja para nos defender, que golpeie estas cavalgaduras que nos pisoteiam deixando-as marcadas perenemente com o sobreosso(13) da ignomínia, que os lance atrás da treliça(14) de ferro de uma prisão! Nossa esperança persiste, sonhando com a inversão da pirâmide social, qual um luminoso valverde(15),numa reforma liberal, racionalista, transformando cada cidadão num verdadeiro guerreiro zwingliano(16)... Verão que a repetição dos exercícios os habilitará construir um texto, uma redação, a partir de um tema que pode até ser desconhecido, mas que se prestará a ser desenvolvido, brincando com as palavras. A seguir, outro exercício mais fácil e divertido que fornecerá uma boa experiência para sair do repetitivo e ser mais original, variando a opinião e o texto resultante. Dissertativo-argumentativo(NNP) Procure nos jornais uma notícia, geralmente de difícil ataque ou defesa e a partir dela criar 3 textos, fleugmático no neutro, mas veemente, apaixonado no negativo e positivo. Os exemplos falam por si: 1.Policial espanca idosa de 102 anos em via pública. Neutro Um policial, usando seu cassetete, atingiu ontem, por volta das 13:00H, uma senhora de 102 anos, que atravessava fora da faixa de pedestres na Avenida Paulista, tendo o fato provocado um boletim de ocorrência por parte de alguns transeuntes que testemunharam a cena. Negativo Deplorável. Numa cena dantesca, impressionante pela sua brutalidade, uma anciã de 102 anos (pasmem!) foi espancada por um policial, ontem, em plena Avenida Paulista! Sim, meus senhores,é exatamente isso que leram. Inacreditável? Creio que, infelizmente não, pois o autor dessa selvageria não é outro senão o Cabo Roque, já por demais conhecido e citado nas reportagens policiais e que continua impune apesar de repetidas denúncias e protestos. Um marginal fardado que mancha toda uma Corporação! A inditosa velhinha,
  5. 5. com escoriações generalizadas foi atendida no PSM e liberada, enquanto um grupo de cidadãos que presenciaram a cena selvagem lavraram um Boletim de Ocorrência. Estamos aguardando e cobrando o andamento deste, para que se coíbam esses inomináveis abusos! Positivo Mais uma vez nossa garbosa Polícia Militar deu mostras de sua capacidade de intervenção rápida e precisa, ao impedir que o já complicado trânsito da Avenida Paulista parasse de vez em plena hora de pico, quando uma cidadã,abusando de sua avançada idade, insistia em atravessar fora da faixa de pedestres e em meio aos veículos! O policial, sem se intimidar com a pressão que alguns inconsequentes transeuntes quiseram exercer sobre sua incontestável autoridade, rapidamente resolveu o impasse, quando, refutado pela cidadã,usou de seu equipamento regulamentar e com uso de força cuidadosamente dosada, arrastou a infratora para fora da pista, liberando o fluxo de veículos. Bem hajam pois, os profissionais como esse, que cumpre seu dever sem nada temer. Parabéns ao policial! 2.Sacerdote vende seu carro e distribui cestas básicas com o dinheiro arrecadado. Neutro Padre Pedro,36,da Paróquia do santo homônimo,Vila Maria,realizou uma distribuição de cestas básicas aos pobres da Comunidade do Pai Niquinho,situada nas imediações de sua igreja. No ato,cerca de 100 famílias de baixa renda foram beneficiadas. Negativo Ontem,na favela do Pai Niquinho assistiu-se mais uma cena de demagogia,tão fartas em nossos tempos. Como se realizasse uma penosa renúncia,o Padre Pedro,pároco na Vila Maria, vendeu seu carro e comprou cestas básicas, que distribuiu posteriormente aos favelados do Pai Niquinho. Com publicidade. Ficar sem carro é renúncia para um sacerdote? E o voto de pobreza? Nunca deveria é tê-lo comprado! E os moradores da favela? Só agora sentiram fome? A Paróquia é nova? O Padre Pedro é recém-chegado? Não. Há anos que o reverendo assiste a miséria campear ao seu lado e se restringe a rezar missas… É esperar para ver,este ato não foi em vão. Ou vai ser candidato a vereador ou lançará algum CD... Positivo Ainda há esperanças...Num gesto de caridade cristã e renúncia,o carismático Padre Pedro,da paróquia do santo que leva seu nome,como sempre dedicado aos humildes nos 36 anos de vida plena de santo vigor,após vender seu carro,ontem,transformou o dinheiro em cestas básicas num verdadeiro milagre da multiplicação dos tempos modernos,agraciando as famílias moradoras da Comunidade do Pai Niquinho,seus vizinhos e rebanho. Atos como deste apóstolo dos nossos dias nos enchem de alegria e nos estimulam a contribuir para um mundo melhor! Verão que o progresso após os exercícios de CE I, CE II e NNP é imediato,quer em termos de redação como do uso de novas palavras que,pela maneira lúdica como foram coletadas e trabalhadas, passam a fazer parte perene do vocabulário de cada um. Estarão aptos para desenvolver com mais facilidade uma redação mas se desejarem uma maior
  6. 6. sofisticação para empregar em outras áreas,sugiro a prática de um instigante CPE,que já requer mais habilidade: Criação,Pesquisa e Expansão (CPE) O método Criação,Pesquisa e Expansão visa o desenvolvimento do aluno ao transferir para ele a antiga metodologia do mestre sábio discorrendo livremente debaixo de uma frondosa árvore. A mente deve ser estimulada a correr solta,desviando do tema central sempre que um atalho se apresentar. A meta é o conhecimento e o estímulo ao cérebro para que ele trabalhe e se desenvolva liberto das peias que a educação moderna tem imposto aos estudantes de hoje,simples máquinas de escutar e memorizar. Por isso,CPE não é uma disciplina e sim um método aplicável a qualquer delas,embora com resultados mais marcantes em Português(redação e vocabulário), Direito,Filosofia, Psicologia,Jornalismo e afins. É uma rede de caminhos que levam a todas outras matérias mas de forma prazerosa,sem compromisso que não seja o da veracidade dos componentes das pesquisas,não da estrutura final,que será sempre a mais paradoxal possível,estimulando a criação,a ficção,mas ao mesmo tempo intrigante,pois se baseará em dados reais. Apenas o tema da criação deve ser dado – facilitando a comparação e indicando quais os alunos a serem mais trabalhados- e o rumo da pesquisa sugerido. A expansão,jamais,ela constitui o verdadeiro valor do CPE,o resgatar da consistência perdida da educação,com o rebaixamento acentuado do nível dos professores de ensino primário e secundário e do engajamento político e/ou religioso de uma parcela importante dos professores universitários. O mestre deve ser neutro em seu ofício,dando ao instruendo todas as chances de escolha possíveis – ou não será educar e sim aliciar. Com a expansão acontece o mesmo. Se orientado a finalidade se perderá;após o empurrão inicial deve o aluno,sem alternativa,buscar em seu cérebro os caminhos a seguir,como na futura vida profissional. Treinar o pensar,o criar. Manejar, gerenciar pensamentos,informações várias e inesperadas,de qualquer fonte,tendo em mente um objetivo a ser cumprido. As bibliotecas,os livros, revistas, enciclopédias, internet, dicionários, manuais,permanecem estáticos, esperando a consulta. Procurar,mas principalmente saber usar as informações conseguidas. Ter a leveza de deter-se em algo interessante que não era o objetivo da busca e acabar por empregá-lo. Assim é o dia a dia... O futuro comportará super mestres primários,ecléticas bibliotecas secundárias e magníficos orientadores universitários. Os alunos,treinados para pensar e pesquisar desde o primário,chegarão às Universidades necessitando apenas de orientação que só a maturidade dos mestres – com boa formação – poderá fornecer. Uma radical mudança,não somente técnica mas comportamental como esta levará décadas,se conseguir sobreviver à pressão dos maus profissionais do ensino,já que só os competentes poderão produzir. Mas o caos na educação que já dá seus sinais com clareza,pesará a favor de mudanças em qualidade. Para não cair nos demagógicos discursos assemelhados tipo educação e saúde para todos,apresento aqui o CPE com uma proposta concisa e prática,para emprego imediato, procurando apenas reforçar o alicerce fraco dos que já construíram,no primário e secundário, uma parede de sua futura casa,para que ela não desmorone devido aos parcos materiais, ajudando assim a formar um grupo diferenciado de profissionais que posteriormente se empenhem em mudar a atual situação. CPE é apenas um despertar das mentes,o estímulo dos neurônios. A simples criação de
  7. 7. teses absurdas mas com feição de verdade,pois se basearão sempre em dados reais,fruto das pesquisas. Estimular a criação,destacar futuros líderes é o segredo. Pois eles terão que inovar sempre e isto é função de uma cabeça criativa,treinada,estimulada – e partir do real para criar um absurdo crível acaba por ser um pesado mas benéfico exercício para o cérebro! “Existe a tendência de tentar realizar planejamento salientando tendências do passado...deve-se partir do reconhecimento que o futuro será diferente... A única proteção contra o risco da exposição em relação à inovação é inovar.”(Peter F. Drucker,Fronteiras do amanhã) O método CPE torna-se mais claro a partir do exemplo prático em anexo,”Terezinha de Jesus – um questionamento ontológico”. O resultado foi divertido e a expansão conseguida alcançou até a literatura turca,através de uma enciclopédia em mãos e uma simples cantiga do folclore brasileiro! Exemplos,não regras. Não se cria verdadeiramente debaixo de regras. CPE se restringe a este impresso,um simples empurrão,não devemos repetir os erros de ensinamento cometidos e acumulados até agora,cujo resultado é bem visível... Digamos que em um grupo de 100 alunos sejam selecionados 10 bons trabalhos de CPE;serão então constituídas 10 equipes de 10 componentes,onde o líder será o autor do trabalho a se discutir. Ele se destacou,vamos aumentar sua confiança,será um auxiliar precioso para os demais. Competitividade sim,o mundo profissional é assim,os melhores se destacam,a Universidade não deve ser um lugar onde os menos capazes se sintam iguais aos demais,eles devem se sentir confrontados e se estimularem para progredir,só assim terão chance lá fora e é melhor que isso aconteça dentro da escola,com orientadores,outros conceitos não passam de danosa hipocrisia. Estes que não produziram bem ou não assimilaram ainda o espírito CPE, ao trabalhar com a tese escolhida ganharão subsídios para se aperfeiçoarem. A função destes alunos será a de procurar falhas,brechas que conduzam à impugnação do trabalho do colega. Uma CPE bem elaborada não pode deixar estas brechas. A função do líder será defender-se,tentar convencer os demais da veracidade de sua pesquisa,baseando-se em argumentos fortes que não admitam contestações sólidas,mesmo que sejam muitas vezes irreais,porém construídos com dados verdadeiros. Não é este fascinante jogo mental os componentes da atuação da defesa e acusação em um julgamento,onde,partindo dos mesmos dados reais,as versões são conflitantes e antagônicas,duas verdades para o mesmo fato? No sentido inverso,desconstruir uma tese fantasiosa em busca dos fatos que a formam,não seria o trabalho de um psicólogo em relação ao seu paciente? É o CPE o construir de uma estrutura mental,qual o esqueleto de um prédio,onde,no futuro,de acordo com as situações apresentadas,bastará deslocarem-se as divisões internas e refazer a distribuição dos móveis. Muito distante dos inócuos simulados de julgamento,onde alunos repetem frases copiadas e decoradas dos Códigos Penal e Civil... As equipes posteriormente trocarão de trabalhos e os alunos mais fracos assimilarão as manobras de seu líder tentando impugnar o trabalho de outro líder,traduzindo-se num aumento de performance para todos os envolvidos. Criar,pesquisar e expandir por caminhos inesperados que surpreendam o inimigo,que pode ser o próprio futuro de um profissional mal preparado... O exemplo e os passos iniciais,aleatórios, de sua criação.
  8. 8. Procurou-se algo bem simples para que fosse transformado em uma tese complexa,irreal mas usando-se dados e personagens verdadeiros. O tema escolhido foi a cantiga folclórica “Terezinha de Jesus”. Sem qualquer ideia pré concebida,partiu-se do nome;em uma enciclopédia -que foi a fonte para todo o trabalho- procurou-se uma personagem com o mesmo nome ou sobrenome. Encontrou-se um parecido,Jaze,de Gaston Jaze,economista francês,nascido em Tolouse,França. Criou-se então a personagem Therèse de Jaze, já com uma época,um país,uma cidade e um rumo,economia,finanças. A pesquisa,aleatória,começou a criar vida própria,no folhear das páginas,buscando personagens contemporâneos,um assunto pedindo outro para complementá-lo e muitas vezes tropeçando em algo interessante que poderia ser usado,observando-se a letra da cantiga. Ficção empregada:(caso o trabalho seja publicado,citação obrigatória,pois envolve personagens reais em fatos fictícios). -Therèse -A autoria da cantiga Terezinha de Jesus Obviamente,sendo Therèse uma personagem fictícia,todos os relacionamentos que a envolvem também o são. Os demais personagens são reais,assim como os dados apresentados,promovendo a aquisição de conhecimento através do desenvolvimento da prática da criação e pesquisa,útil para todas as disciplinas,além do resultado primordial: o treinar do cérebro para administrar novos subsídios e acontecimentos inesperados. Expansão:literatura brasileira,francesa e turca, economia mundial,filosofia,geologia, teatro,política,história,etc,etc. Brechas para impugnação do trabalho: -a autoria da cantiga,buscando alguma publicação ou menção da mesma anterior à época em que a tese se desenvolve; Quanto à existência de Therèse ou das cartas que serão citadas,são caminhos difíceis,pois embora irreais,provar a não existência de algo é uma tarefa mais árdua que sua comprovação. TEREZINHA DE JESUS-UM QUESTIONAMENTO ONTOLÓGICO Esta tese se propõe a um novo,profundo e sem dúvida polêmico questionamento sobre a cantiga folclórica Terezinha de Jesus. Apenas uma cantiga popular? Versos de rima rica? Não. Ela existiu,ser enquanto mulher,ser enquanto ser,ontológico,metafísico,numa dicotomia assombrosa que transcende qualquer aspecto regional e justamente por isto começou a atrair a atenção de pesquisadores de literatura – principalmente estrangeiros – ocupando uma lacuna irresponsável deixada por todos nós brasileiros,distorção esta que procuro reparar com a presente tese. Terezinha de Jesus nasceu Therèse de Jaze em 1889,na cidade de Tolouse,França,filha primogênita de Gaston Jaze,famoso jurista,presidente do Instituto Internacional de Direito e pai da Ciência das Finanças como disciplina autônoma. Autor entre outras de Os
  9. 9. princípios gerais do direito administrativo,O orçamento, e A estabilização da moeda. Esta última escrita em 1932,quando Therèse contava com 43 anos incompletos e que viria a ter primordial importância no decorrer da trágica vida tão profundamente exposta nos magníficos versos atribuídos,embora sem confirmação,ao escritor brasileiro José Godofredo de Moura Rangel,mineiro de Três Pontas(1884-1951)autor de A filha (novela,1929),onde já se denota a forte presença de Therèse,com quem trocava vasta correspondência em francês. Comparando-se estas cartas(cerca de trezentas),o livro A filha,e os versos de Terezinha de Jesus,posso afirmar agora a paternidade intelectual de Godofredo Rangel,que se torna gritante com a confrontação da enxurrada de informação técnica econômica que se entremeia nas frases quase de adolescente apaixonada de uma mulher madura,mas que vive num mundo paterno exclusivamente financeiro que a influencia. Numa época de economia conturbada,com meios de comunicação parciais,pagos para defender interesses de nações e empresas poderosas,Godofredo Rangel nunca poderia ter conseguido subsídios tão completos e verdadeiros através de fontes formais como os jornais,na confecção de sua obra aparentemente poética,mas que é um libelo angustiado contra a crescente globalização da economia mundial e a consequente penalização dos países pobres,nos quais se incluía o seu... Vem então o questionamento ontológico de Terezinha de Jesus,sua essência que se diferencia da existência sob a ótica dos filósofos pré-socráticos,partilhada pela maioria dos filósofos clássicos e pelos quais me orientei,mas deixando de lado o eleatismo grego com sua dimensão mais geral e abstrata. Esta tese busca fatos concretos,foge da voláteis hipóteses. A interpretação é clara,gritante,mas ao mesmo tempo surpreendente,principalmente entre os estudiosos que há décadas se debruçam sobre o poema Terezinha de Jesus:além de uma mulher real-Therèse de Jèze-Terezinha de Jesus é a Economia Mundial do início do século XX! Num dicroísmo fascinante,o que parece ser uma simples cantiga torna-se então um cristal birrefringente,uniaxial,cuja característica é a diversa coloração que apresenta conforme a direção da luz que lhe é dirigida pela mente de um pesquisador. Numa dicotomia quase irreal pois se bifurca em assuntos que não formam par – a luta de uma mulher num mundo exclusivamente masculino,pela sua emancipação, versus a guerra feroz da economia mundial para se manter viva – a obra de Godofredo Rangel seduz ao dar tripla vida a cada singular palavra,numa trilogia em que as tragédias são excludentes porque incompatíveis! Trilogia porque a cantiga,de mero veículo,conquistou vida própria ao ser descoberta justamente como veículo cujo conteúdo transcendia em muito sua função. Passaremos ao estudo minucioso de cada uma destas palavras chaves,isoladas em seu significado tripartido e concomitantemente,ao visualizá-las nas frases completas,o dissecar de suas mensagens,deixando de lado uma das facetas,a do veículo em si,por demais estudado por folcloristas brasileiros,concentrando-se na vida de Therèse e na Economia Mundial,facetas desconhecidas pelos literatos nacionais. Este trabalho é o resultado de pesquisas no Museu dos Agostinianos em Tolouse,arquivos do escritor Monteiro Lobato,com quem Godofredo Rangel manteve correspondência por 40 anos,arquivos particulares em Três Pontas,onde ainda estão as quase trezentas cartas anteriormente citadas,jornais de época,tanto franceses como brasileiros e contatos com a família de Pierre Laudenbach Fresnay,ator contemporâneo e
  10. 10. amigo de Therèse,falecido em Neuilly em 1975,deixando um extenso e revelador diário. Segue-se: 1.Terezinha de Jesus,de uma queda foi ao chão... Palavra chave:queda. Para Therèse,mais particularmente uma queda,um hoje considerado normal envolvimento com um homem comprometido,apenas um envolvimento mas que foi considerado queda incontestável pelo seu pai e irmãos,narrada de maneira dolente e dramática numa carta a Godofredo Rangel,onde cita também sua confissão entre lágrimas,anteriormente,a Pierre Fresnay,seu amigo,que confirma em seu diário,num esplêndido laudo de honestidade e sinceridade de nossa heroína. A princípio,o que nos parecia uma redundância do autor,pois todas as quedas levam ao chão,não é nem mais nem menos que uma feroz crítica à família de Therèse e o apoio – magnífico se considerarmos a época em que se transcorre o drama – de Godofredo Rangel à causa de sua correspondente,a luta para simplesmente ser livre,emancipar-se da tutela paterna,castradora,e num sentido mais amplo,da própria Sociedade. Therèse ousava,tentava enfrentar suas vicissitudes,mas necessitava também o apoio mais forte que vinha do longínquo Brasil,daí as trezentas cartas. Apoio que,visto a influência de Gaston,poderia custar caro,gerando a forma velada,através de uma aparente cantiga popular,que previamente avisada,aqueceu o coração sofrido de uma mulher lutadora que não perdera a feminilidade. A ousadia quase masculina de Therèse se alimentava do romantismo quase feminino de Godofredo Rangel... Sobrepondo-se ao machismo reinante,havia outrossim o laivo preconceituoso no envolvimento de Therèse,na época um escândalo para os sempre arrogantes franceses: além de 13 anos mais velho,seu suposto amante era o poeta turco Mehemed Ziya Gokalp,que acendeu celeuma quando em 1924 lhe dedicou o poema Qizil Elma,que foi proibido em França por pressão de Gaston Jaze. Mais tarde,analisando de maneira parcial e superficial,Sartre diria que a necessidade de Therèse de Jaze em se vingar dos homens franceses a levou ao envolvimento emocional com indivíduos de países exóticos como Turquia e Brasil! Ao contrário da Turquia,nenhum intelectual do nosso país se manifestou,curvando-se como sempre aos nomes e não aos conteúdos... Vamos agora retroceder em nosso caminho,até a bifurcação: deixando a estrada de espinhos e flores de Therèse,entraremos pela seca e árida avenida da Economia Mundial,estudando a mesma frase,a mesma palavra! Queda. Quebra...29 de Outubro de 1929. A bolsa de New York e o desastre financeiro que arrastou o mundo. Terezinha de Jesus,de uma queda foi ao chão -a economia mundial,entrelaçada que estava,foi ao chão junto com a Bolsa de New York. Já temia Godofredo Rangel,alertado pelas informações privilegiadas que lhe eram transmitidas desde França...Terezinha/Therèse/ Economia Mundial. Fascinante e incompatível trilogia! Isto encantava a desencantada francesa,que considerava o brasileiro seu pupilo em economia. Com o decréscimo da produção industrial americana,países como o nosso,cujo comércio internacional se apoiava em poucos produtos primários sofreram de imediato. Sentia-se o peso da economia global. 2.Acudiram três cavalheiros,todos três chapéu na mão... Não há palava chave,a própria frase é uma magistral construção,que se ajusta perfeitamente aos dois assuntos. A ironia que fez Therèse sorrir: os cavalheiros são respectivamente -embora pela clareza
  11. 11. se esperasse que não – justamente seu pai,seu irmão e Godofredo Rangel. Neste ramo da dicotomia,existe apenas a descrição,a constatação de um evento,embora o verbo acudir tenha sentido diverso quando aplicado aos dois primeiros cavalheiros. Aí,o acudir é o cercear,tolher,esconder, aprisionar. Ao terceiro,o acudir é a mão estendida,o coração aberto como só o pode fazer um poeta platônico ou um cavalheiro desinteressado – porque fisicamente afastado – é bom que se lhe diga. Não pretendo romantizar,esta tese procura separar,peneirando o escolho e os boatos,da verdade,para que ela apareça límpida,sem a pátina que a encobriu até nossos dias. Giramos então nosso cristal e deparamos agora com a fria luz da situação financeira... Terezinha/Economia Mundial está caída,está no chão. Depressão,as marchas da fome,as filas de sopa. Alguém terá de acudir. Os três cavalheiros são as alternativas que se apresentam: o capitalismo liberal ocidental,estagnado com seus fracos planos,o comunismo,que parecendo imune – por falta de informações confiáveis – alardeia seus planos quinquenais mas ainda assusta e o fascismo em ascensão,que atrai os países pobres que se julgam prejudicados pelos Estados Unidos. No Brasil estamos no início da Era Vargas,adepto de governos fortes. E a preocupação transparece nas palavras de Therèse,vizinha da Alemanha e Godofredo Rangel,sob as botas de Getúlio. Quão cruel deveriam aparecer as sombrias perspectivas aos olhos de almas tão sensíveis como os dois missivistas... 3. O primeiro foi seu pai,o segundo seu irmão;o terceiro foi aquele que Tereza deu a mão. No universo de Therèse,a mensagem é clara. Ela recusa os grilhões amorais de um secular preconceito,de uma hipócrita postura da Sociedade e Godofredo Rangel se arvora em seu defensor;o compromisso entre ambos,o elo emotivo aqui finalmente transparece. É Therèse, a emancipada que dá sua mão,ela não é cedida pela família. E não é um simples pedido de ajuda,que já existe mas sim um casamento de almas. O lugar de um poeta pranteado – Ziya Gokalp falecera do parto de seu poema Qizil Elma – foi ocupado por outra alma irmã... Retornemos à paradoxal bifurcação. Onde ocorreu a mais gritante recuperação,qual nação ressurgiu das cinzas onde se encontrava,esmagada por nações que agora se achavam de chapéu na mão? A Alemanha de Hitler desponta e indica a mão que Terezinha/Economia Mundial deve aceitar. A mão é o novo rumo e desesperado,Godofredo Rangel vê a ditadura Vargas se solidificar. Acredita então que tudo se encaminha para o fascismo,o terceiro-a Alemanha – foi aquele que a economia deu a mão,o prêmio. Termina a trilogia pois conseguiu a mão de Therèse e na dicotomia folclore-economia encerra com amargor e ironia sua memorável obra: 4. Da laranja quero um gomo,do limão quero um pedaço... O sarcasmo em relação à política protecionista americana é patente. A sobretaxa aos produtos agrícolas sul-americanos para preservar e estimular o trabalho no campo nos Estados Unidos traduz-se no ônus que tira um gomo de cada laranja estrangeira,um pedaço de cada limão...No afã de proteger seus empregos e a agricultura,as medidas tomadas pelos Estados Unidos e potências coloniais esmagaram os países e colônias que com eles trocavam produtos. Política que provocou ódios e estimulou a subida de governos
  12. 12. radicais... 5. Da menina mais bonita eu quero um beijo e um abraço. Em 1930/1931 cerca de dez golpes militares de sucesso mudaram para a direita os governos na América Latina;na Europa,os ventos da revolta não se limitaram à Alemanha e Itália...No oriente,desponta o Japão... A menina mais bonita era a Alemanha,a grande potência que após 1933 surgia sem desemprego,grande importadora para sua indústria que se desenvolvia a passos largos. Admirada por todos os países no visualizar de Godofredo Rangel,o beijo significava o alimento,a ajuda,os germânicos substituíam os norteamericanos e impotente o poeta vislumbrava um futuro próximo mais fascista ainda,contemplando os camisas verdes que brotavam de um solo fértil adubado pelas próprias democracias egoístas. O abraço,que Godofredo Rangel propositadamente colocou depois do beijo,da ajuda,é a anexação,a subordinação à Alemanha nazista,que ele temia ser a meta de Getúlio e de muitos outros países,alguns à força pela proximidade,como a terra de sua – creio que podemos dizer – amada... Notam os folcloristas que a cantiga que ia num rumo,subitamente muda de tema,abandona-se Terezinha – em verdade a preserva – e termina com a expressão de desejos – quero – o lado inverso na dicotomia em que demanda o direito a coisas simples – o viver deveria ser simples -com a mesma frase que foi usada para traduzir um espoliar das nações. Fecha-se então a página de uma cantiga popular,que traz no seu cerne o testemunho de uma profunda crise mundial e em sua alma,o doce sabor de um puro amor separado pelo oceano. ***

×