SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
ESTUDO DOS FONEMAS
• É o ramo da Linguística que estuda o
sistema sonoro de um idioma. Ao estudar
a maneira como os fones (sons) se
organizam dentro de uma língua,
classifica-os em unidades capazes de
distinguir significados, chamadas
fonemas.
FONOLOGIA
FONEMA
Fonemas são as entidades capazes de estabelecer
distinção entre as palavras.
Exemplos: casa/capa, muro/mudo, dia/tia
A troca de um único fonema determina o surgimento de
outra palavra ou um som sem sentido. O fonema se
manifesta no som produzido, sendo registrado pela letra e
representado graficamente por ela.
Atenção:
Os fonemas são representados entre barras. Exemplos:
/m/, /o/.
FONEMA E LETRA
Às vezes, o mesmo fonema pode ser representado por
mais de uma letra do alfabeto. É o caso do fonema /z/,
que pode ser representado pelas letras z, s, x:
Exemplos:
zebra
casamento
exílio
FONEMA E LETRA
Em alguns casos, a mesma letra pode representar mais
de um fonema. A letra x, por exemplo, pode representar:
o fonema sê: texto
o fonema zê: exibir
o fonema chê: enxame
o grupo de sons ks: táxi
FONEMA E LETRA
O número de letras nem sempre coincide com o número
de fonemas.
Exemplos:
fonemas: /t/ó/k/s/i/c/o/
Tóxico 1 2 3 4 5 6 7
letras: t ó x i c o
12 34 5 6
fonemas: /g/a/l/h/o/
galho 1 2 3 4 5
letras: g a l h o
1 2 3 4 5
FONEMA E LETRA
As letras m e n, em determinadas palavras, não
representam fonemas. Observe os exemplos:
compra
conta
Nessas palavras, m e n indicam a nasalização das vogais
que as antecedem.
Veja ainda:
nave: o /n/ é um fonema;
dança: o n não é um fonema; o fonema é /ã/,
representado na escrita pelas letras a e n.
FONEMA E LETRA
A letra h, ao iniciar uma palavra, não representa fonema.
Exemplos:
fonemas: / ho / j / e /
hoje 1 2 3
letras: h o j e
1 2 3 4
CLASSIFICAÇÃO DOS FONEMAS
Os fonemas da língua portuguesa são
classificados em:
VOGAIS
São os fonemas sonoros produzidos por uma
corrente de ar que passa livremente pela boca.
Em nossa língua, desempenham o papel de
núcleo das sílabas. Isso significa que em toda
sílaba há necessariamente uma única vogal.
Na produção de vogais, a boca fica aberta ou
entreaberta.
As vogais podem ser:
Orais: quando o ar sai apenas pela boca.
Por Exemplo:
/a/, /e/, /i/, /o/, /u/.
Nasais: quando o ar sai pela boca e pelas
fossas nasais.
Por Exemplo:
/ã/:fã, canto, tampa / /: dente, tempero
/ /: lindo, mim; /õ/: bonde, tombo
/ / nunca, algum
As vogais podem ser:
Átonas: pronunciadas com menor intensidade.
Por Exemplo:
até, bola
Tônicas: pronunciadas com maior intensidade.
Por Exemplo:
até, bola
SEMIVOGAIS
Semivogais são fonemas que se apoiam em uma vogal para formar
sílaba. Em síntese: a semivogal está sempre ao lado da vogal na mesma
sílaba, formando ditongo ou tritongo.
Na escrita, as semivogais são: e, i, o e u. Na pronúncia, as semivogais
são: /y/ e /w/.
a. Letra e = mãe (/mãy/), bem (/b y/), também (/tãb y/).
b. Letra i = pai (/pay/), feito (/feytu/), peito (/peytu/).
c. Letra o = nódoa (/nodwa/), mágoa (/magwa/).
d. Letra u = pau (/paw/), mingau (/mgaw/).
CONSOANTES
As consoantes são fonemas que não podem sozinhos formar
sílabas, ou seja, eles são fonemas que não podem agir
sozinhos, diferentemente das vogais, que podem formar
sílabas.
Exemplos:
/b/, /t/, /d/, /v/, /l/, /m/, etc.
DÍGRAFOS
dígrafo
É a união de duas letras representando um só fonema.
Observe que no caso dos dígrafos não há correspondência
direta entre o número de letras e o número de fonemas.
Dígrafos que desempenham a função de consoantes: ch
(chuva), lh (molho), nh (unha), rr (carro) e outros.
Dígrafos que desempenham a função de vogais nasais:
am (campo), en (bento), om (tombo) e outros.
ENCONTROS VOCÁLICOS E
CONSONANTAIS
Encontros consonantais
Quando existe uma sequência de duas ou mais
consoantes em uma mesma palavra, denominamos
essa sequência de encontro consonantal.
O encontro pode ocorrer:
- na mesma sílaba: cla-ri-da-de, fri-tu-ra, am-plo
- em sílabas diferentes: af-ta, com-pul-só-rio
ENCONTROS VOCÁLICOS
Há três tipos de encontros vocálicos: ditongo, hiato e tritongo.
Ditongo: é a junção de uma vogal + uma semivogal (ditongo
decrescente), ou vice-versa (ditongo crescente), na mesma sílaba.
Ex.: noite (ditongo decrescente), quase (ditongo crescente).
Hiato: é a junção de duas vogais pronunciadas separadamente, formando
sílabas distintas.
Ex.: saída, coelho
Tritongo: é a junção de semivogal + vogal + semivogal, formando uma só
sílaba.
Ex.: Paraguai, arguiu.
ATENÇÃO:
Não se esqueça de que só as vogais /i/ e /u/ podem funcionar como
semivogais. Quando semivogais, serão representadas por /y/ e /w/,
respectivamente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Português Enem
Português EnemPortuguês Enem
Português Enem
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Interjeição
InterjeiçãoInterjeição
Interjeição
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Uso dos porquês
Uso dos porquêsUso dos porquês
Uso dos porquês
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
 
Fonologia aula 01
Fonologia aula 01Fonologia aula 01
Fonologia aula 01
 

Semelhante a Estudo dos fonemas: unidades sonoras da língua

Semelhante a Estudo dos fonemas: unidades sonoras da língua (20)

fonetica e fonologia da LP.pptx
fonetica e fonologia da LP.pptxfonetica e fonologia da LP.pptx
fonetica e fonologia da LP.pptx
 
Fonologia
FonologiaFonologia
Fonologia
 
Fonética e Fonologia
Fonética e FonologiaFonética e Fonologia
Fonética e Fonologia
 
1 fonética
1 fonética1 fonética
1 fonética
 
Fonologia
FonologiaFonologia
Fonologia
 
MODULO-01-FONOLOGIA-FONEMAS-VOGAIS-E-CONSOANTES-SLIDES-DA-AULA.pdf
MODULO-01-FONOLOGIA-FONEMAS-VOGAIS-E-CONSOANTES-SLIDES-DA-AULA.pdfMODULO-01-FONOLOGIA-FONEMAS-VOGAIS-E-CONSOANTES-SLIDES-DA-AULA.pdf
MODULO-01-FONOLOGIA-FONEMAS-VOGAIS-E-CONSOANTES-SLIDES-DA-AULA.pdf
 
Os fonemas são os sons produzidos pelos falantes e representam as unidades so...
Os fonemas são os sons produzidos pelos falantes e representam as unidades so...Os fonemas são os sons produzidos pelos falantes e representam as unidades so...
Os fonemas são os sons produzidos pelos falantes e representam as unidades so...
 
Encontro vocálico letras silabas e fonemas.pdf
Encontro vocálico letras silabas e fonemas.pdfEncontro vocálico letras silabas e fonemas.pdf
Encontro vocálico letras silabas e fonemas.pdf
 
Fonologia
FonologiaFonologia
Fonologia
 
Fonologia
FonologiaFonologia
Fonologia
 
FONÉTICA E FONOLOGIA
FONÉTICA E FONOLOGIAFONÉTICA E FONOLOGIA
FONÉTICA E FONOLOGIA
 
Fonologia 10 28 2008
Fonologia 10 28 2008Fonologia 10 28 2008
Fonologia 10 28 2008
 
Metodo Fonico
Metodo FonicoMetodo Fonico
Metodo Fonico
 
Fonologia
FonologiaFonologia
Fonologia
 
Apostila de-portugues-
Apostila de-portugues- Apostila de-portugues-
Apostila de-portugues-
 
Sons e letras
Sons e letrasSons e letras
Sons e letras
 
Sons e letras
Sons e letrasSons e letras
Sons e letras
 
Sons e letras
Sons e letrasSons e letras
Sons e letras
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
 
Da fonética até à sintaxe1
Da fonética até à sintaxe1Da fonética até à sintaxe1
Da fonética até à sintaxe1
 

Mais de Prof Palmito Rocha (20)

Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias
Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias
Quadro Comparativo - Vanguardas Europeias
 
Exercício verbo
Exercício verboExercício verbo
Exercício verbo
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Verbo
VerboVerbo
Verbo
 
Romance romântico
Romance românticoRomance romântico
Romance romântico
 
Roteiro
Roteiro Roteiro
Roteiro
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 
Lista de exercício - Numeral
Lista de exercício - NumeralLista de exercício - Numeral
Lista de exercício - Numeral
 
Uso do numeral
Uso do numeralUso do numeral
Uso do numeral
 
Lista romantismo
Lista romantismoLista romantismo
Lista romantismo
 
Exercícios colocação pronominal
Exercícios colocação pronominalExercícios colocação pronominal
Exercícios colocação pronominal
 
Exercicio colocação pronominal
Exercicio colocação pronominalExercicio colocação pronominal
Exercicio colocação pronominal
 
Exercicio Coesão
Exercicio CoesãoExercicio Coesão
Exercicio Coesão
 
Exercicio acentuação
Exercicio acentuaçãoExercicio acentuação
Exercicio acentuação
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Exercicio coesão textual
Exercicio coesão textualExercicio coesão textual
Exercicio coesão textual
 
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-ClassicismoEstudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
Estudo dirigido Trovadorismo-Classicismo
 
Exercício sobre colocação pronominal
Exercício sobre colocação pronominalExercício sobre colocação pronominal
Exercício sobre colocação pronominal
 
Texto e tipologia 2º ano
Texto e tipologia 2º anoTexto e tipologia 2º ano
Texto e tipologia 2º ano
 

Último

Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 

Último (20)

Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 

Estudo dos fonemas: unidades sonoras da língua

  • 2. • É o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Ao estudar a maneira como os fones (sons) se organizam dentro de uma língua, classifica-os em unidades capazes de distinguir significados, chamadas fonemas. FONOLOGIA
  • 3. FONEMA Fonemas são as entidades capazes de estabelecer distinção entre as palavras. Exemplos: casa/capa, muro/mudo, dia/tia A troca de um único fonema determina o surgimento de outra palavra ou um som sem sentido. O fonema se manifesta no som produzido, sendo registrado pela letra e representado graficamente por ela. Atenção: Os fonemas são representados entre barras. Exemplos: /m/, /o/.
  • 4. FONEMA E LETRA Às vezes, o mesmo fonema pode ser representado por mais de uma letra do alfabeto. É o caso do fonema /z/, que pode ser representado pelas letras z, s, x: Exemplos: zebra casamento exílio
  • 5. FONEMA E LETRA Em alguns casos, a mesma letra pode representar mais de um fonema. A letra x, por exemplo, pode representar: o fonema sê: texto o fonema zê: exibir o fonema chê: enxame o grupo de sons ks: táxi
  • 6. FONEMA E LETRA O número de letras nem sempre coincide com o número de fonemas. Exemplos: fonemas: /t/ó/k/s/i/c/o/ Tóxico 1 2 3 4 5 6 7 letras: t ó x i c o 12 34 5 6 fonemas: /g/a/l/h/o/ galho 1 2 3 4 5 letras: g a l h o 1 2 3 4 5
  • 7. FONEMA E LETRA As letras m e n, em determinadas palavras, não representam fonemas. Observe os exemplos: compra conta Nessas palavras, m e n indicam a nasalização das vogais que as antecedem. Veja ainda: nave: o /n/ é um fonema; dança: o n não é um fonema; o fonema é /ã/, representado na escrita pelas letras a e n.
  • 8. FONEMA E LETRA A letra h, ao iniciar uma palavra, não representa fonema. Exemplos: fonemas: / ho / j / e / hoje 1 2 3 letras: h o j e 1 2 3 4
  • 9. CLASSIFICAÇÃO DOS FONEMAS Os fonemas da língua portuguesa são classificados em:
  • 10. VOGAIS São os fonemas sonoros produzidos por uma corrente de ar que passa livremente pela boca. Em nossa língua, desempenham o papel de núcleo das sílabas. Isso significa que em toda sílaba há necessariamente uma única vogal. Na produção de vogais, a boca fica aberta ou entreaberta.
  • 11. As vogais podem ser: Orais: quando o ar sai apenas pela boca. Por Exemplo: /a/, /e/, /i/, /o/, /u/. Nasais: quando o ar sai pela boca e pelas fossas nasais. Por Exemplo: /ã/:fã, canto, tampa / /: dente, tempero / /: lindo, mim; /õ/: bonde, tombo / / nunca, algum
  • 12. As vogais podem ser: Átonas: pronunciadas com menor intensidade. Por Exemplo: até, bola Tônicas: pronunciadas com maior intensidade. Por Exemplo: até, bola
  • 13. SEMIVOGAIS Semivogais são fonemas que se apoiam em uma vogal para formar sílaba. Em síntese: a semivogal está sempre ao lado da vogal na mesma sílaba, formando ditongo ou tritongo. Na escrita, as semivogais são: e, i, o e u. Na pronúncia, as semivogais são: /y/ e /w/. a. Letra e = mãe (/mãy/), bem (/b y/), também (/tãb y/). b. Letra i = pai (/pay/), feito (/feytu/), peito (/peytu/). c. Letra o = nódoa (/nodwa/), mágoa (/magwa/). d. Letra u = pau (/paw/), mingau (/mgaw/).
  • 14. CONSOANTES As consoantes são fonemas que não podem sozinhos formar sílabas, ou seja, eles são fonemas que não podem agir sozinhos, diferentemente das vogais, que podem formar sílabas. Exemplos: /b/, /t/, /d/, /v/, /l/, /m/, etc.
  • 16. dígrafo É a união de duas letras representando um só fonema. Observe que no caso dos dígrafos não há correspondência direta entre o número de letras e o número de fonemas. Dígrafos que desempenham a função de consoantes: ch (chuva), lh (molho), nh (unha), rr (carro) e outros. Dígrafos que desempenham a função de vogais nasais: am (campo), en (bento), om (tombo) e outros.
  • 18. Encontros consonantais Quando existe uma sequência de duas ou mais consoantes em uma mesma palavra, denominamos essa sequência de encontro consonantal. O encontro pode ocorrer: - na mesma sílaba: cla-ri-da-de, fri-tu-ra, am-plo - em sílabas diferentes: af-ta, com-pul-só-rio
  • 19. ENCONTROS VOCÁLICOS Há três tipos de encontros vocálicos: ditongo, hiato e tritongo. Ditongo: é a junção de uma vogal + uma semivogal (ditongo decrescente), ou vice-versa (ditongo crescente), na mesma sílaba. Ex.: noite (ditongo decrescente), quase (ditongo crescente). Hiato: é a junção de duas vogais pronunciadas separadamente, formando sílabas distintas. Ex.: saída, coelho Tritongo: é a junção de semivogal + vogal + semivogal, formando uma só sílaba. Ex.: Paraguai, arguiu. ATENÇÃO: Não se esqueça de que só as vogais /i/ e /u/ podem funcionar como semivogais. Quando semivogais, serão representadas por /y/ e /w/, respectivamente.