Conceito de família

4.006 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.006
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conceito de família

  1. 1. Materiais didáticos digitais na perspectiva da diversidade Aluna: Patrícia Padial Kley Professora: Rosária Ilgenfritz Sperotto
  2. 2. http://youtu.be/LrSJRCny1H8 http://youtu.be/U_7czWrHc1I www.ded.ufla.br/generoesexualidade-ei/imagens/fasciculo_a _​crianca.pdf http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722010000100016&lang=pt http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722003000300003&lang=pt http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982007000200008&lang=pt http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2001000200010&lang=pt
  3. 3. Adesivos encontrados em carros e/ou motocicletas. Não são apenas “bonequinhos”, mas simbolizam os seres (pessoas e animais) que residem na mesma casa, ou ainda, que constituem a tua família. <ul><li>Para iniciarmos a reflexão dessa palestra que irei apresentar, questiono qual a concepção que vem a tua mente quando me refiro a “família”?
  4. 4. Quantas pessoas fazem parte dessa família?
  5. 5. Quem são essas pessoas?
  6. 6. Existe um “padrão” para a família” perfeita”?
  7. 7. O conceito de família é compreendido por você como a família, no singular, ou as famílias no plural?
  8. 8. Após apontar as respostas em uma folha, desenhe o conceito de família que vem na tua cabeça, como se fosse uma foto mesmo. O que você vê? </li></ul>
  9. 9. “ Ao produzir um discurso do que considera conceito de família, qualquer pessoa estará atribuindo a este objeto um sistema de significação. Este significado é cultural e socialmente atribuído. O conceito de representação aqui adotado não se refere a uma representação mental ou a alguma interioridade psicológica. Concebe-se representação como sistema de significados, atribuição de sentidos, que também pode ser pensada como inscrição, marca, traço, significação, face material, visível, palpável do conhecimento (SILVA, 2003b)”. Aprofundando conceitos: A família compreendida como objeto, produz representações, que são reproduzidas por discursos. Giroux e MacLaren (2004) sugerem que devamos questionar quais as relações de poder que constituem a produção de representações. A que interesses servem as representações? Dentro de um dado conjunto de representações, quem fala, para quem, e sob que condições? Pensando em nosso objeto de análise, a família, podemos indagar: que elementos constituem nossas representações como conceitos de verdade sobre família?
  10. 10. Como estas representações definem determinado modelo que permitirá a categorização dos indivíduos? Como os discursos sobre família a colocaram como “objeto” ou “sujeito” da representação? A representação de família ideal composta por (pai, mãe e um casal de filhos é e foi uma construção social e são vistos frequentemente em propagandas. Medina (2002) enfatiza que os meios de comunicação social, mediante os anúncios publicitários, não vendem somente produtos, mas, sobretudo, representações. Este modelo aflora também em outros artefatos culturais, como brinquedos infantis e livros para o público Infanto-juvenil. Ultimamente aflora também nos adesivos dos carros.
  11. 11. A família que não segue tais modelos é considerada “desestruturada”, por se afastar do que se convencionou histórica e culturalmente como a “correta” ou a “normal”. Ao classificar os tipos de família e os sujeitos que a compõem, a sociedade rotula, distingue, discrimina e estabelece divisões. As relações de poder fixam determinada configuração familiar como a norma; a partir daí classifica, elege arbitrariamente como parâmetro uma determinada formação familiar. Os outros sujeitos e composições familiares terão de seguir as normas descritas como modelo . Tomaz Tadeu da Silva (2003a) analisa as várias estratégias com as quais as pessoas “lidam” com a diferença. Preconceito O que se processa nestas ações, na maioria das vezes, é que a diferença aparece como algo a ser tolerado . O reconhecimento do outro, daquela ou daquele que não partilha dos atributos que possuímos, é feito com base no lugar que o sujeito ocupa.
  12. 12. Silva diz que todos os discursos considerados como “verdade” precisam ser questionados. “Antes de tolerar, respeitar e admitir a diferença, é preciso explicar como ela é ativamente produzida” (2003a, p. 100). Os discursos não têm elementos naturais ou de essência, mas são produzidos pela sociedade; por isso podem e devem ser questionados. CONCLUINDO... Como educadoras e educadores de crianças, devemos repensar as representações que temos de família, as formas com que as construímos. O exercício de pensar e refletir sobre esses discursos nos impulsionará a pensar tais conceitos como plurais, múltiplos,como verdades contestáveis. As reflexões nos devem propiciar um olhar, mais atento, em nossas práticas cotidianas com crianças e suas famílias, devem levar-nos a ver a diferença não como a falta ou como algo a ser mudado, mas como algo que também nos constitui. .
  13. 13. REFERÊNCIAS: PEREIRA, VILLELA Marcos. O desafio da tolerância na cidade contemporânea. 2002. XAVIER FILHA, Constantina. A Criança, a Família e a Instituição de Educação Infantil. Cuiabá: EdUFMT, 2007. Acesso em: 22 jun. 2011. Disponível em: www.ded.ufla.br/generoesexualidade-ei/imagens/fasciculo_a _​crianca.pdf

×