SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
COMO ELABORAR PROJETOS
Belo Horizonte – MG
2014
1
SUMÁRIO
2
Página
Apresentação 02
O projeto sob o enfoque construtivo 03
O que é um projeto educacional 03
Plano de projeto 04
Planejamento de projeto orientado pelo escopo
Escopo do projeto 04
Plano de ação 07
Plano de monitoramento e avaliação 08
Resumo da apresentação do plano de projeto 09
Exemplos de Projetos 10
Apresentação
Este documento norteador para elaboração de projetos visa auxiliar os Coordenadores do
Programa Reinventando o Ensino Médio - REM - na construção de projetos na escola,
atendendo aos compromissos pedagógicos que o programa se propõe realizar.
É de suma importância a leitura de todo o texto, observando os componentes indispensáveis
do projeto. Para facilitar o entendimento, estamos utilizando modelo para exemplificar os
itens do projeto. O modelo sugerido é o de Skopos que será apresentado, detalhado e
explicado neste documento. Esperamos que ele possa auxiliar você, Coordenador(a) do
REM e o seu grupo de professores e alunos a elaborar um projeto, considerando a situação
geradora ou problema que fundamentará a justificativa, a escolha da área temática e da
ferramenta, para que sejam alcançados os resultados esperados.
Lembramos que um plano de projeto bem-feito é a metade do caminho para se alcançar
êxito na elaboração do projeto completo!
Desejamos sucesso a todos!
Equipe NAPEM Central
3
O Projeto sob o enfoque construtivo
Ao implantar o Reinventando o Ensino Médio, a escola deve assumir o compromisso de
modificar a sua prática educativa, tendo os jovens do ensino médio como ponto central.
Estamos denominando de mudança da prática educativa um acolhimento aos jovens por
parte dos educadoares, especialistas e direção, construindo relações melhor estruturadas,
com um novo olhar que enxerga esse aluno como sujeito na construção de sua própria
história.
Para que essa mudança efetivamente ocorra, é necessário mais que a vontade de mudar e
acertar, é necessário o investimento na formação tanto de alunos quanto de professores,
para colocá-los em sintonia e em equiparação de idéias, valores e posturas. Esse aprender
junto, entre alunos e professores, conhecendo seus limites e pontencialidades, nós estamos
chamando de processo construtivo.
O REM surge como uma política pública que visa atender às necessidades dos educandos
na construção de sua identidade como pessoa e como cidadão, visando à redução nos
índices de evasão/abandono, distorção série/idade e a continuação de seus estudos. O
Reinventando é inspirado numa visão de mundo, de pessoa e educação que propõe uma
postura ética de compromisso com a formação integral do educando.
O que é um projeto educacional?
Um projeto educacional deve pautar-se no desafio de se oferecer um ensino de mais
qualidade aos alunos. Para isso, deve ser identificado qual o problema ou situação geradora
que precisa ser melhorado.
Todo projeto, independente de ser educacional ou não, parte de uma situação geradora e
uma solução para melhorar tal situação; nesse caso, a situação é o problema e no corpo do
projeto estão descritas as ações que juntas ajudarão na sua solução.
Projeto educacional é um empreendimento de duração finita, com objetivos claramente
definidos em função de problemas, oportunidades, necessidades, desafios ou interesses de
um sistema educacional, de um educador ou grupo de educadores, com a finalidade de
planejar, coordenar e executar ações voltadas para melhoria de processos educativos e de
formação humana, em seus diferentes níveis e contextos (MOURA, D. G. e BARBOSA, E.,
2004, p. 7)”.
4
Todo projeto tem em vista a produção de algo novo, diferenciando-se das
atividades de rotina.
O modelo adotado nessa proposta é orientado pelo modelo de skopos ou escopo, que é
dividido em escopo, plano de ação e plano de monitoramento. O passo a passo será
apresentado a seguir.
Plano de Projeto
É um documento que apresenta, de forma completa e organizada, toda a concepção,
fundamentação, planejamento e meios de monitoramento e avaliação do projeto. Um
pressuposto do modelo é ter entendimento sobre o que deve ser feito e clareza sobre os
motivos e as finalidades para se fazer o que se pretende é condição indispensável para a
efetivação do projeto.
Se quisermos realizar um bom projeto, devemos elaborar um bom plano de
projeto.
Planejamento de projeto orientado pelo escopo
Para que o projeto seja considerado como modelo skopos, deve contemplar os itens
apresentados a seguir:
 Escopo
 Plano de ação
 Plano de monitoramento e avaliação
1. Escopo do Projeto:
a) Definição: expressa a essência ou identidade do projeto. É o conjunto de realizações
que se pretende efetivar para o alcance de determinados resultados.
b) Elementos que constituem o escopo do projeto: a definição do problema ou situação
geradora do projeto. A justificativa na qual deve estar expresso o porquê da existência
5
desse projeto, da área temática e as estratégias ou ferramentas que serão realizadas
para que os resultados descritos sejam alcançados.
 Definição do problema ou situação geradora do projeto: Projetos nascem a
partir de problemas, necessidades, oportunidades, aspirações e desafios de um
indivíduo, coletividade ou instituição. Um problema ou situação é relevante em si
mesma para justificar o projeto. O problema gerador ou a situação geradora do
projeto depende da visão do grupo, do que ele valoriza para a proposição de um
projeto. A definição do problema determina a maneira como ele será equacionado,
sendo fator decisivo nas etapas seguintes do desenvolvimento do projeto. Os
problemas, necessidades e aspirações geralmente representam a distância entre uma
situação ideal e a situação real desejada.
Um problema bem colocado é a metade de sua solução.
 Justificativa do projeto: A dimensão e a complexidade da justificativa depende do
tipo, contexto e complexidade do projeto. Em alguns casos, a apresentação clara da
situação geradora do projeto é suficiente para justificar sua realização. Nos projetos
em que o problema gerador é complexo e pouco conhecido, há necessidade de uma
justificativa abrangente e bem fundamentada, que seja convincente para justificar a
proposta de projeto. Elementos de fundamentação: apresentação, histórico, descrição
do contexto, diagnóstico situacional. A justificativa deve se fundamentar nos aspectos
mencionados na situação geradora. Ela deve ser redigida de forma concisa, objetiva e
clara.
 Definição dos objetivos geral e específicos do projeto: Um objetivo é a
expressão de um propósito, intenção ou fim que se deseja alcançar por meio da
realização de um projeto:
Objetivo Geral é uma declaração de caráter geral e abrangente que expressa a
intenção de resolver o problema ou a necessidade que está descrita na situação
geradora do projeto. Indica a intenção de oferecer uma solução para o problema
gerador, que é o seu inverso.
Objetivo Específico é uma declaração de caráter bem definido sobre o que se
pretende realizar para alcançar aquilo que está expresso no objetivo geral. Cada
objetivo específico representa uma proposta de solução para a realização de um
propósito mais amplo, expresso no objetivo geral. Aspectos a serem considerados na
6
formulação de objetivos: clareza e exequibilidade; viabilidade com os recursos
disponíveis; efeitos observáveis: devem permitir a avaliação dos efeitos ou resultados
a eles associados, consensualidade: deve ser compartilhada pelos envolvidos no
projeto, uso de verbos adequados.
 Resultados e impactos esperados com a realização do projeto:
• Os impactos do projeto estão relacionados com o objetivo geral.
• Os resultados do projeto estão relacionados com os objetivos específicos.
• Os impactos e resultados são conseqüências do projeto desenvolvido. Não temos
controle direto e imediato sobre eles. Os resultados informam sobre a ocorrência de
mudanças, melhoria de desempenho, solução de problemas, aumento de eficiência
que indicam progresso na realização dos objetivos do projeto. Os resultados
esperados são definidos no momento da elaboração do escopo do projeto e os
produtos e serviços juntamente com as ações, atividades e tarefas correspondentes
são detalhados no momento da elaboração do plano de ação.
• Os produtos e serviços traduzem as ações programadas e desenvolvidas no
processo de execução do projeto. Temos controle direto sobre eles. Os produtos
representam o trabalho realizado e, por si só, não garantem o alcance dos resultados
esperados.
 Abrangência do projeto: Conjunto de características que definem o tamanho ou
amplitude do projeto em termos de público-alvo, pessoas envolvidas na sua
execução, e extensão da área de atuação do projeto – área de atuação geográfica ou
7
Verbos com forte poder de expressão indicam claramente o
resultado esperado
Verbos fortes: desenvolver, verificar, analisar, aumentar, descrever, aplicar, implementar, comparar,
executar, reestruturar, dinamizar, revitalizar....
Verbos fracos: contribuir, estimular, propiciar, promover etc. Esses verbos podem ser usados no
objetivo geral do projeto.
Uma única intenção por objetivo: facilita a definição de estratégia de implementação e avaliação.
Sintaxe: verbo + objeto + contexto.
amplitude das realizações pretendidas com o projeto. As informações expressas na
abrangência do projeto são detalhadas na elaboração do plano de ação.
2. Plano de Ação
a) Definição: conjunto estruturado de procedimentos e recursos que serão mobilizados
para a execução daquilo que foi expresso no escopo do projeto. Especificação de
ações, atividades, tarefas e recursos encadeados no tempo e no espaço, de modo a
maximizar a eficiência da realização dos objetivos do projeto.
b) Elementos do plano de ação: detalhamento das grandes ações em atividades e
tarefas, estimativa de prazos, estimativa de custos e recursos, rede de tarefas,
cronograma.
A elaboração do Plano de Ação, que integra o Plano de Projeto, depende do que foi
estabelecido no Escopo do Projeto. Não é possível pensar na construção de um caminho
(plano de ação) sem saber exatamente onde se está (situação geradora), nem onde se quer
chegar (objetivos e resultados esperados do projeto). O Plano de Ação é uma espécie de
mapa do caminho a ser percorrido em todo o percurso do projeto.
Assim, o Plano de Ação é um documento que apresenta, de forma estruturada, os
procedimentos e recursos que serão mobilizados para a execução daquilo que foi expresso
no escopo do projeto, em especial a realização de seus objetivos e resultados esperados.
Especifica atividades, tarefas e recursos logicamente encadeados no tempo, tendo em vista
a realização eficiente e efetiva dos objetivos e resultados esperados.
c) Questões a que o Plano de Ação responde:
 Quais atividades serão necessárias para que sejam alcançados os objetivos e
resultados esperados?
 Quando as atividades serão desenvolvidas?
 Quem serão os responsáveis pela execução das atividades?
 Quanto custará cada atividade?
 Que produtos serão gerados com a realização das atividades?
 Que recursos serão necessários (materiais, humanos etc.)?
Planos de ação são de natureza dinâmica, podendo sofrer alterações ao
longo da execução. A ação gerencial de controle existe para isso.
8
d) Objetivo x ação x atividade x tarefa
Um objetivo expressa algo que se pretende realizar no desenvolvimento de um projeto, para
o alcance de fins mais amplos. Exemplo: Implantar a Metodologia de Projetos como recurso
pedagógico na formação de competências no ensino médio.
Uma ação indica a ocorrência de um conjunto de atividades ou uma sequência de
acontecimentos que resultam em modificação significativa no desenvolvimento do projeto,
concorrendo para a realização de seus objetivos. Exemplo: Capacitação de professores para
atividades pedagógicas envolvendo a Metodologia de Projetos no ensino médio.
Uma atividade indica a realização de trabalhos específicos, compostos por um conjunto de
tarefas. Geralmente tem uma complexidade que ainda requer mais detalhamento para ser
atribuída a uma pessoa ou grupo de pessoas. Exemplo: Realização de curso de
aperfeiçoamento em planejamento e gestão de projetos para professores da escola;
organização e implementação de grupos de estudos em metodologia de projetos.
Uma tarefa é a descrição de um trabalho específico a ser executado, sendo de menor
complexidade. Exemplo: Contratação da instituição que oferecerá o Curso sobre Projetos;
elaboração do questionário de avaliação para ser distribuído ao final do curso, etc.
3. Plano de Monitorameno e Avaliação
Definição: é um documento que apresenta, de forma estruturada, todos os procedimentos
necessários ao monitoramento e avaliação sistemática da execução do projeto e dos seus
resultados:
 Como verificar se o projeto está sendo executado conforme planejado?
 Como serão obtidos dados sobre o andamento e os resultados do projeto?
 Que medidas serão adotadas para assegurar o seu sucesso?
Elementos do plano de monitoramento e avaliação:
 Matriz de resultados e produtos
 Planilha de procedimentos de monitoramento
 Planilha de procedimentos de avaliação.
9
Resumo da apresentação do plano de projeto
São itens indispensáveis de um plano de projeto:
Dados de identificação: na identificação do projeto são inprescindíveis:
 apresentação do título do projeto
 nome do coordenador e dos participantes
 nome da escola com o código
 Superintendência Regional de Ensino que a escola é jurisdicionada
 quantitativo de alunos e professores diretamente e indiretamente envolvidos no
projeto.
Escopo - deve conter os seguintes itens:
 situação geradora e justificativa
 objetivo geral e objetivos específicos
 resultados esperados
 abrangência

Plano de ação – deve discriminar os seguintes ítens:
 ações/atividades e tarefas/responsáveis pelas atividades/ prazos/ recursos humanos
e materiais/parcerias
 cronograma geral do projeto: ações/atividades no ano/meses
 planilhas de custos: despesas correntes (material de consumo/serviços de terceiros) e
despesas de capital (material permanente)
Plano de monitoramento e avaliação – deve prever como, quando e quais pessoas
serão responsáveis pelos seguintes itens:
 planilha de procedimentos de monitoramento: ação/ atividades e tarefas / produtos e
serviços/meios de verificação/fonte de obtenção/período de obtenção/responsáveis
pela verificação.
 planilha de procedimentos de avaliação: resultados esperados/indicadores de
resultados/instrumentos de coleta de dados/fonte de obtenção dos dados/ período de
obtenção/responsáveis pela verificação.
10
Sugestões de projetos:
Exemplo 1 - Tema: Drogas, sexualidade e educação ética.
Situação geradora: Necessidade de elaborar e implementar um plano de estudos sobre a
formação ética do adolescente e do jovem, com ênfase na educação sexual e na prevenção
ao uso de drogas, tendo em vista uma atuação docente mais sintonizada com o apoio aos
jovens na construção de projetos de vida dignos e responsáveis.
Objetivo Geral: Tornar o grupo melhor preparado para a compreensão e desenvolvimento
de um programa de formação ética na escola, com enfoque especial em drogas, sexualidade
e construção de projeto de vida.
Objetivos Específicos: Elaborar e implementar um plano de estudos envolvendo reflexões
sobre a formação ética do adolescente e do jovem, na perspectiva da construção de
projetos de vida dignos e responsáveis, com foco especial na educação sexual e na
prevenção ao uso de drogas; elaborar e implementar uma proposta de educação ética para
a Escola, envolvendo alunos e professores no desenvolvimento de projetos de efetivo
protagonismo social nas questões da juventude local.
Contexto/Justificativa: A formação da identidade dos jovens no mundo atual se dá numa
realidade perpassada por valores divergentes, uma vez que estão permanentemente
expostos a informações e experiências que servem a diferentes interesses e códigos morais,
exigindo deles, cada vez mais discernimento. Convivendo diariamente com os jovens,
percebe-se o quanto são afetados pela falta de segurança contra o tráfico de drogas (que
toma conta das escolas), pela prostituição e por outros crimes que acabaram se tornando
fonte de renda certa e rápida para os nossos adolescentes. O espaço escolar reúne,
diariamente, jovens das mais diferentes famílias e regiões, dando lugar a uma significativa
troca de influências e construção/reconstrução de valores. E a escola precisa apropriar-se
intencionalmente desse tempo para criar novas condições educativas para o jovem.
O grupo sente necessidade de se preparar para trabalhar as questões da sexualidade e da
prevenção da droga na escola, por reconhecer a força da presença dessas temáticas entre
os jovens e por considerar que a escola ainda constitui um espaço de vida grupal
significativo para a sua formação. A intenção, num primeiro momento, é produzir
conhecimentos sobre as temáticas selecionadas, desenvolvendo estudos teóricos e
buscando contatos com outros grupos e organizações que desenvolvem estudos ou práticas
educativas nesse campo. Em seguida, o grupo, subsidiado pelos novos saberes adquiridos,
11
pretende elaborar e implementar uma proposta de ação em consonância com a nossa
realidade.
Esse projeto é relevante por inúmeras razões:
• Resgate da formação ética como finalidade explícita da escola;
• Resgate da autoestima de alunos e professores, pelo canal que abre para novas
formas de convivência;
• Instrumentalização dos professores envolvidos, em termos teóricos e metodológicos,
para atuar com valores no campo da educação.
Exemplo 2 - Tema: Projeto Jacaraípe: orientação, integração e amizade.
Situação geradora: Necessidade do desenvolvimento de estudos, elaboração e
implementação de um programa de ações cooperativas entre um conjunto de escolas e
outras instituições e uma região de Jacaraípe, tendo em vista o desenvolvimento social e
cultural da juventude local.
Justificativa: Crescendo numa sociedade em que as relações de convivência ficam cada
vez mais marcadas por apelos ao consumo e ao sucesso individual, os jovens, mesmo nas
cidades menores, tendem a viver em pequenos grupos, constituídos na escola ou no local
onde residem, tendo pouca experiência de relações sociais comunitárias. Esse isolamento
social (paradoxal à globalização cultural) é motivo de preocupação de muitos pais e
educadores, por suas repercussões negativas na formação da identidade dos jovens. Por
outro lado, o tempo escolar se prolonga cada vez mais na sociedade moderna, jogando o
jovem numa espécie de “moratória social”, como costuma dizer Antonio Carlos Gomes,
educador que luta pelo protagonismo juvenil como uma possível resposta a muitos
problemas educacionais da juventude atual.
Essas razões levaram o grupo a pensar na importância do desenvolvimento de um trabalho
escolar cooperativo e mais integrado à vida social. Fazer com que as escolas do bairro
Jacaraípe se integrem em um projeto social situado para além de seus muros e passem a
estabelecer uma relação mais estreita e proveitosa entre si e com outras instituições da
comunidade próxima é o que motiva o grupo a desenvolver esse projeto.
Com essa iniciativa, esperamos promover o estabelecimento de uma rede de relações e
parcerias fundamentais ao desenvolvimento de um trabalho escolar integrado à vida do
bairro, tendo em vista a inserção dos jovens em espaços de efetivo protagonismo na vida
social. Portanto, o projeto visa instituir relações de cooperação, integração e amizade na
12
região envolvida, recorrendo para isso ao desenvolvimento de atividades culturais e
produtivas capazes de agregar os jovens hoje dispersos em grupos que, muitas vezes, se
antagonizam. Acreditamos que a oportunidade de aprender uma atividade produtiva e de
participar de atividades socioculturais coletivas, independentemente da escola em que se
estuda ou da parte da região em que se vive, pode ser um espaço promissor de integração
da juventude local.
Pretendemos organizar, por meio de parcerias interinstitucionais, e com a efetiva
participação dos jovens na condução das ações, atividades culturais como gincanas,
festivais, torneios, bem como atividades socioeducativas envolvendo o trabalho e o estudo
cooperativo entre os próprios jovens. Entre essas atividades, incluímos as seguintes
possibilidades: oficinas de artes, oficinas de capacitação, oficina de corte e costura,
aprendizado básico de cabeleireiro, cursos preparatórios para vestibular em escolas técnicas
federais e em outras, aulas de reforço monitoradas pelos próprios alunos (de séries mais
adiantadas ou da mesma série, da mesma escola ou de outras escolas) etc.
A elaboração dessa proposta exigirá uma compreensão mais aprofundada do protagonismo
juvenil e das relações cooperativas entre instituições, o que demanda um período inicial de
estudos a ser incluído no corpo da proposta. Acreditamos que esse projeto é relevante por
instituir um espaço de aprendizagem da convivência democrática e cooperativa entre os
jovens e entre as diversas instituições sociais locais, o que poderá trazer reflexos positivos
para a convivência social na escola, na família e na comunidade em geral. Seus resultados
poderão expandir-se para outras regiões, redundando na busca de novas formas de
convivência.
Objetivo geral: Tornar o grupo melhor preparado para planejar e desenvolver um trabalho
escolar cooperativo e de parceria institucional, tendo em vista o protagonismo social dos
jovens na vida do bairro.
Objetivos específicos: Elaborar e desenvolver uma proposta de estudos e análise de
experiência educativas relacionadas com as temáticas envolvidas no projeto; elaborar e
implementar um programa de atividades socioculturais envolvendo parcerias com outras
escolas e instituições locais.
Exemplo 3 – Tema: O jovem como agente de transformação da comunidade: inclusão
digital, educação e cidadania.
Justificativa: Com a chegada dos primeiros computadores à nossa escola, enviados pela
SEE, causou uma grande agitação e alimentou a esperança de que tudo iria mudar. Com a
instalação do laboratório de informática, acreditávamos que a qualidade do ensino seria
outra: novas práticas pedagógicas, novas experiências e novas possibilidades se abririam.
13
Finalmente pudemos sentir que estávamos no séc. XXI preparados para enfrentar os
desafios e exigências que a vida contemporânea apresenta à educação pública. Grande
engano! Todos ficaram frustrados porque, ao final, ninguém se beneficiou (ou alguns se
beneficiaram muito pouco) dos investimentos realizados na escola para instalar toda aquela
parafernália tecnológica.
A comunidade ficou frustrada porque a escola permaneceu (olimpicamente) do mesmo
modo que sempre foi, mantendo a sua prática educativa desestimulante e imune à influência
desses novos recursos e cega às possibilidades pedagógicas que as novas tecnologias
oferecem. Os alunos, talvez os mais entusiasmados com a chegada dos computadores,
foram também os que mais se desiludiram. O seu interesse e, principalmente, a facilidade
com que manipulavam esses equipamentos e dominavam a lógica do seu funcionamento
foram percebidos pelos professores mais como uma ameaça à sua posição de quem é
“senhor absoluto de todo conhecimento” do que como estímulo à vivência de novas
experiências e novas aprendizagens.
Os professores ficaram frustrados porque viveram a ilusão de que, para mudar o ensino,
bastava melhorar os meios à sua disposição. Hoje sabemos que não basta selecionar os
melhores recursos didáticos se os próprios professores não mudam. O que realmente conta
e faz a diferença é investir nas pessoas: só elas podem, se estiverem preparadas e
motivadas, fazer um uso inteligente e inovador dos meios ao seu alcance.
Hoje, de maneira mais clara que antes, sentimos que o fato de estar conectado ou não a
uma rede é, cada vez mais, um fator relevante na diferença entre “poder transformar-se” e
“manter tudo do mesmo jeito”. E, para uma escola pública mineira, ser capaz de transformar-
se é condição indispensável para que a educação possa contribuir decisivamente para a
superação do histórico quadro de desigualdade e de exclusão social que tem marcado o
nosso Estado.
Sabemos que os recursos tecnológicos, por mais sofisticados que sejam, não são capazes,
por si só, de promover mudanças substanciais na área educacional e que a mera utilização
de novas tecnologias na escola não implica o surgimento de novas concepções e práticas
pedagógicas e a transformação da cultura educacional da instituição.
Nessa perspectiva, a tecnologia educacional deve-se adequar às necessidades dessa
concepção de educação, colocando-se inteiramente a serviço de seus objetivos, nunca os
determinando. Queremos colocar sob exame o modelo atual de ensino e enfrentar o desafio
de inovar, seja pela incorporação de novos referenciais teóricos à prática pedagógica, seja
por favorecer a adoção de nova visão do processo de aprendizagem.
14
As circunstâncias que moldam a vida na nossa comunidade, nos dias de hoje, requerem
uma educação cuja essência em muito se distancia, qualitativamente, do saber
enciclopédico e memorizador que o passado consagrara. Tais circunstâncias requerem uma
educação para todos – para todas as pessoas e para cada pessoa como um todo – que não
exclua qualquer segmento social e que acompanhe cada pessoa a vida inteira, abrindo
novas perspectivas de vida e de ação na vida social e transformando-a para que possa
transformar a sua realidade.
Essa educação tem a ver, fundamentalmente, com mudanças nos alunos por meio da
aprendizagem e da participação na vida social. A partir desse entendimento, há que se
fortalecer, primeiramente, a participação dos alunos nos processos educacionais, pois eles
não podem ser considerados, como geralmente o são, como simples destinatários da ação
educacional. Sabemos que aquilo que o aluno pode aprender depende tanto do momento
quanto das características do contexto em que ele se desenvolve e aprende. Daí serem
imprescindíveis mudanças nas escolas e nas concepções, atitudes e práticas dos
educadores, de maneira a se tornarem capazes de fazer as seleções adequadas dos
conteúdos e criar contextos enriquecedores para a aprendizagem dos seus alunos.
Esse projeto investirá no desenvolvimento de espaço de convivência solidária e de
criatividade, no qual os alunos poderão exercitar a sua imaginação, o seu senso de
autorespeito e confiança em si mesmo, assim como o seu sentimento de pertencimento a
um grupo operativo por meio da implementação de projetos comuns. Mais especificamente,
o que se pretende é maximizar o uso dos recursos de informática que a escola possui,
colocando-os a serviço não apenas dos nossos alunos, mas também de toda a comunidade.
Para isso, nós mesmos, os professores, teremos que nos capacitar no uso competente
desses recursos, procurando aprender a extrair deles o máximo proveito enquanto recurso
pedagógico de preparação dos nossos jovens alunos para a vida social bem-sucedida e de
atendimento às suas necessidades formativas. Em segundo lugar, dedicaremos à formação
dos alunos em cursos de informática (como, por exemplo, introdução ao uso do computador,
navegação na internet, montagem e manutenção de computadores, organização de sites,
tratamento de imagens e sons etc.) para que eles possam atuar no desenvolvimento cultural
da sua comunidade, ensinando o que aprenderam aos jovens de outras escolas, a seus pais
e familiares e a outros interessados. Poderão, também, criar sites e grupos de discussão
sobre temas de interesse da juventude, facilitando o acesso a informações sobre questões
como sexualidade, cultura, trabalho, lazer e criando uma rede de trabalho colaborativo em
prol do desenvolvimento da sua comunidade.
Eles poderão atuar como monitores voluntários no laboratório de informática da escola,
ajudando os seus próprios colegas que ainda não dominam os fundamentos da informática,
ou desenvolver trabalho de formação da comunidade aos finais de semana ou em qualquer
15
outro horário em que o laboratório de informática esteja disponível. A finalidade é manter
acesa em cada um deles a consciência de que podem dar uma contribuição decisiva para
alterar o quadro de necessidades da sua comunidade e criar uma nova perspectiva para
todos.
A participação dos alunos nesse projeto não se fará individualmente, mas em grupo, através
da apresentação de proposta coletiva de trabalho que deverá ser examinada, avaliada e
selecionada pelos professores para integrar o elenco de ações a serem implementadas na
escola. Os alunos, após um trabalho de sensibilização e mobilização, terão toda a
autonomia para associar-se aos colegas que desejarem e formar o grupo que definirá a
proposta de trabalho que mais se identifica com os seus interesses.
Objetivo geral: Criar espaço de convivência e de oportunidades que possibilite aos alunos
desenvolver projetos de alcance social na área de informática, explorando as possibilidades
oferecidas pelos recursos tecnológicos instalados na escola.
Objetivos Específicos: Elaborar e executar plano de sensibilização e mobilização da
comunidade escolar; orientar a elaboração de projetos; inscrever e selecionar propostas de
trabalho dos alunos; elaborar e implementar plano de capacitação na área de informática;
executar os projetos dos alunos, monitorar e avaliar os projetos.
Resultados esperados: Comunidade informada, motivada e engajada com a escola;
professores dominando e lecionando conteúdos de informática e projetos; consolidação do
uso da informática e do trabalho colaborativo em rede na escola e grupos ativos de jovens
protagonistas atuando na escola em benefício da comunidade.
Monitoramento e Avaliação: Relatórios de acompanhamento das ações do projeto.
16

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Pregação criança vivendo em santidade
Pregação   criança vivendo em santidadePregação   criança vivendo em santidade
Pregação criança vivendo em santidadepsico25182321
 
Parâmetros curriculares nacionais Língua Portuguesa- ensino médio
Parâmetros curriculares nacionais Língua Portuguesa- ensino médioParâmetros curriculares nacionais Língua Portuguesa- ensino médio
Parâmetros curriculares nacionais Língua Portuguesa- ensino médioPibid Letras Português Ufal
 
Serviço Social Caracterização do Estágio Unopar 2015
Serviço Social Caracterização do Estágio Unopar 2015Serviço Social Caracterização do Estágio Unopar 2015
Serviço Social Caracterização do Estágio Unopar 2015Ana Patricia Fernandes Oliveira
 
Meu amigo o espirito santo - Estudo para crianças
Meu amigo o espirito santo - Estudo para criançasMeu amigo o espirito santo - Estudo para crianças
Meu amigo o espirito santo - Estudo para criançasAlessandra Lucas Leite Rocha
 
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009Flavio Oliveira Alencar
 
Modelo relatorio estagio unopar
Modelo relatorio estagio unoparModelo relatorio estagio unopar
Modelo relatorio estagio unoparRogerio Sena
 
Projeto de Intervenção
Projeto de IntervençãoProjeto de Intervenção
Projeto de Intervençãomoniquests
 
Normas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumárioNormas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumárioMike Barria
 
Gestao de projetos_-_exercicio_1._com_gabarito_doc
Gestao de projetos_-_exercicio_1._com_gabarito_docGestao de projetos_-_exercicio_1._com_gabarito_doc
Gestao de projetos_-_exercicio_1._com_gabarito_docneyfds
 

Destaque (11)

Educacao no campo_unidade_7_miolo
Educacao no campo_unidade_7_mioloEducacao no campo_unidade_7_miolo
Educacao no campo_unidade_7_miolo
 
Cartilha educacao inclusiva
Cartilha educacao inclusivaCartilha educacao inclusiva
Cartilha educacao inclusiva
 
Pregação criança vivendo em santidade
Pregação   criança vivendo em santidadePregação   criança vivendo em santidade
Pregação criança vivendo em santidade
 
Parâmetros curriculares nacionais Língua Portuguesa- ensino médio
Parâmetros curriculares nacionais Língua Portuguesa- ensino médioParâmetros curriculares nacionais Língua Portuguesa- ensino médio
Parâmetros curriculares nacionais Língua Portuguesa- ensino médio
 
Serviço Social Caracterização do Estágio Unopar 2015
Serviço Social Caracterização do Estágio Unopar 2015Serviço Social Caracterização do Estágio Unopar 2015
Serviço Social Caracterização do Estágio Unopar 2015
 
Meu amigo o espirito santo - Estudo para crianças
Meu amigo o espirito santo - Estudo para criançasMeu amigo o espirito santo - Estudo para crianças
Meu amigo o espirito santo - Estudo para crianças
 
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009
Metodologia pesquisa cientifica 24 03 2009
 
Modelo relatorio estagio unopar
Modelo relatorio estagio unoparModelo relatorio estagio unopar
Modelo relatorio estagio unopar
 
Projeto de Intervenção
Projeto de IntervençãoProjeto de Intervenção
Projeto de Intervenção
 
Normas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumárioNormas abnt - Referências. figuras, sumário
Normas abnt - Referências. figuras, sumário
 
Gestao de projetos_-_exercicio_1._com_gabarito_doc
Gestao de projetos_-_exercicio_1._com_gabarito_docGestao de projetos_-_exercicio_1._com_gabarito_doc
Gestao de projetos_-_exercicio_1._com_gabarito_doc
 

Semelhante a Como elaborar projetos educacionais

Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientais
Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientaisManual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientais
Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientaisGAVOLUNTARIA
 
Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientais
Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientaisManual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientais
Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientaisFernanda Carneiro Leão Goncalves
 
Proinfo unidad 1_trabalhando_com_projetos
Proinfo unidad 1_trabalhando_com_projetosProinfo unidad 1_trabalhando_com_projetos
Proinfo unidad 1_trabalhando_com_projetosmercedesgsampaio
 
Guia para implementação de visão, missão e valores em um projeto
Guia para implementação de visão, missão e valores em um projetoGuia para implementação de visão, missão e valores em um projeto
Guia para implementação de visão, missão e valores em um projetoStefania Resende Pires
 
Aula ¨6 -Avaliação em Projetos de Intervenção (CEEPIS Curso de elaboração de ...
Aula ¨6 -Avaliação em Projetos de Intervenção (CEEPIS Curso de elaboração de ...Aula ¨6 -Avaliação em Projetos de Intervenção (CEEPIS Curso de elaboração de ...
Aula ¨6 -Avaliação em Projetos de Intervenção (CEEPIS Curso de elaboração de ...Cleide Magáli dos Santos
 
Elaboração de projetos sociais avaliação parte i
Elaboração de projetos sociais avaliação parte iElaboração de projetos sociais avaliação parte i
Elaboração de projetos sociais avaliação parte iJosé Adriano M C Marinho
 
Os projetos didáticos
Os projetos didáticosOs projetos didáticos
Os projetos didáticosmarisa liotti
 

Semelhante a Como elaborar projetos educacionais (17)

Trab projetos
Trab projetosTrab projetos
Trab projetos
 
Elaboração de projeto 2013 2
Elaboração de projeto 2013 2Elaboração de projeto 2013 2
Elaboração de projeto 2013 2
 
Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientais
Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientaisManual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientais
Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientais
 
Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientais
Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientaisManual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientais
Manual para elaboracao_administracao_e_avaliacao_de_projetos_socioambientais
 
Proinfo unidad 1_trabalhando_com_projetos
Proinfo unidad 1_trabalhando_com_projetosProinfo unidad 1_trabalhando_com_projetos
Proinfo unidad 1_trabalhando_com_projetos
 
Proj1
Proj1Proj1
Proj1
 
O que são projetos?
O que são projetos?O que são projetos?
O que são projetos?
 
Elaboração de projeto
Elaboração de projetoElaboração de projeto
Elaboração de projeto
 
Guia para implementação de visão, missão e valores em um projeto
Guia para implementação de visão, missão e valores em um projetoGuia para implementação de visão, missão e valores em um projeto
Guia para implementação de visão, missão e valores em um projeto
 
Aula ¨6 -Avaliação em Projetos de Intervenção (CEEPIS Curso de elaboração de ...
Aula ¨6 -Avaliação em Projetos de Intervenção (CEEPIS Curso de elaboração de ...Aula ¨6 -Avaliação em Projetos de Intervenção (CEEPIS Curso de elaboração de ...
Aula ¨6 -Avaliação em Projetos de Intervenção (CEEPIS Curso de elaboração de ...
 
Módulo 2 - Projeto Social 2012
Módulo 2 - Projeto Social 2012Módulo 2 - Projeto Social 2012
Módulo 2 - Projeto Social 2012
 
Módulo II - Projeto Social
Módulo II - Projeto SocialMódulo II - Projeto Social
Módulo II - Projeto Social
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Roteiro para escrever projetos
Roteiro para escrever projetosRoteiro para escrever projetos
Roteiro para escrever projetos
 
Elaboração de projetos sociais avaliação parte i
Elaboração de projetos sociais avaliação parte iElaboração de projetos sociais avaliação parte i
Elaboração de projetos sociais avaliação parte i
 
Os projetos didáticos
Os projetos didáticosOs projetos didáticos
Os projetos didáticos
 
Project Methodologies and Best Practices
Project Methodologies and Best PracticesProject Methodologies and Best Practices
Project Methodologies and Best Practices
 

Mais de pactoensinomedioufu

Material rem apoio para os oe[1]
Material   rem apoio para os oe[1]Material   rem apoio para os oe[1]
Material rem apoio para os oe[1]pactoensinomedioufu
 
Trabalho em grupo sobre rocas e fusos
Trabalho em grupo sobre rocas e fusosTrabalho em grupo sobre rocas e fusos
Trabalho em grupo sobre rocas e fusospactoensinomedioufu
 
Sugestão atividade em grupo apólogo branca de neve_ caderno 6
Sugestão atividade em grupo  apólogo branca de neve_ caderno 6Sugestão atividade em grupo  apólogo branca de neve_ caderno 6
Sugestão atividade em grupo apólogo branca de neve_ caderno 6pactoensinomedioufu
 
Sugestão de dinâmica caixas de presente
Sugestão de dinâmica caixas de presenteSugestão de dinâmica caixas de presente
Sugestão de dinâmica caixas de presentepactoensinomedioufu
 
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino medio
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino medioMariana fechamento teórico avaliação no ensino medio
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino mediopactoensinomedioufu
 
Atividade em grupo apólogo branca de neve módulo x
Atividade em grupo  apólogo branca de neve  módulo x Atividade em grupo  apólogo branca de neve  módulo x
Atividade em grupo apólogo branca de neve módulo x pactoensinomedioufu
 
Integração caderno 5 pacto e o rem
Integração caderno 5 pacto e o remIntegração caderno 5 pacto e o rem
Integração caderno 5 pacto e o rempactoensinomedioufu
 
Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5pactoensinomedioufu
 
Discussões dinâmica boneco_desarticulado
Discussões dinâmica boneco_desarticuladoDiscussões dinâmica boneco_desarticulado
Discussões dinâmica boneco_desarticuladopactoensinomedioufu
 
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdo
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdoDesenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdo
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdopactoensinomedioufu
 
Comandos dinâmica boneco_desarticulado
Comandos dinâmica boneco_desarticuladoComandos dinâmica boneco_desarticulado
Comandos dinâmica boneco_desarticuladopactoensinomedioufu
 
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escola
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escolaAtividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escola
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escolapactoensinomedioufu
 
Texto para estudo ou atividade a ciência da integração
Texto para estudo ou atividade a ciência da integraçãoTexto para estudo ou atividade a ciência da integração
Texto para estudo ou atividade a ciência da integraçãopactoensinomedioufu
 
Texto para estudo ou atividade a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade  a natureza da educaçãoTexto para estudo ou atividade  a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade a natureza da educaçãopactoensinomedioufu
 

Mais de pactoensinomedioufu (20)

Material rem apoio para os oe[1]
Material   rem apoio para os oe[1]Material   rem apoio para os oe[1]
Material rem apoio para os oe[1]
 
Caderno 1- otpem-final
Caderno 1- otpem-finalCaderno 1- otpem-final
Caderno 1- otpem-final
 
Trabalho em grupo sobre rocas e fusos
Trabalho em grupo sobre rocas e fusosTrabalho em grupo sobre rocas e fusos
Trabalho em grupo sobre rocas e fusos
 
Texto sobre rocas e fusos
Texto sobre rocas e fusosTexto sobre rocas e fusos
Texto sobre rocas e fusos
 
Texto apólogo branca de neve
Texto apólogo branca de neveTexto apólogo branca de neve
Texto apólogo branca de neve
 
Sugestão atividade em grupo apólogo branca de neve_ caderno 6
Sugestão atividade em grupo  apólogo branca de neve_ caderno 6Sugestão atividade em grupo  apólogo branca de neve_ caderno 6
Sugestão atividade em grupo apólogo branca de neve_ caderno 6
 
Sugestão de dinâmica caixas de presente
Sugestão de dinâmica caixas de presenteSugestão de dinâmica caixas de presente
Sugestão de dinâmica caixas de presente
 
Reflexões caderno 6
Reflexões caderno 6Reflexões caderno 6
Reflexões caderno 6
 
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino medio
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino medioMariana fechamento teórico avaliação no ensino medio
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino medio
 
Atividade em grupo apólogo branca de neve módulo x
Atividade em grupo  apólogo branca de neve  módulo x Atividade em grupo  apólogo branca de neve  módulo x
Atividade em grupo apólogo branca de neve módulo x
 
Integração caderno 5 pacto e o rem
Integração caderno 5 pacto e o remIntegração caderno 5 pacto e o rem
Integração caderno 5 pacto e o rem
 
Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5
 
Discussões dinâmica boneco_desarticulado
Discussões dinâmica boneco_desarticuladoDiscussões dinâmica boneco_desarticulado
Discussões dinâmica boneco_desarticulado
 
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdo
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdoDesenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdo
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdo
 
Comandos dinâmica boneco_desarticulado
Comandos dinâmica boneco_desarticuladoComandos dinâmica boneco_desarticulado
Comandos dinâmica boneco_desarticulado
 
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escola
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escolaAtividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escola
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escola
 
Texto para estudo ou atividade a ciência da integração
Texto para estudo ou atividade a ciência da integraçãoTexto para estudo ou atividade a ciência da integração
Texto para estudo ou atividade a ciência da integração
 
Texto para estudo ou atividade a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade  a natureza da educaçãoTexto para estudo ou atividade  a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade a natureza da educação
 
Texto 4 bullying na escola
Texto 4 bullying na escolaTexto 4 bullying na escola
Texto 4 bullying na escola
 
Texto 3 racismo é burrice
Texto 3  racismo é burriceTexto 3  racismo é burrice
Texto 3 racismo é burrice
 

Como elaborar projetos educacionais

  • 1. COMO ELABORAR PROJETOS Belo Horizonte – MG 2014 1
  • 2. SUMÁRIO 2 Página Apresentação 02 O projeto sob o enfoque construtivo 03 O que é um projeto educacional 03 Plano de projeto 04 Planejamento de projeto orientado pelo escopo Escopo do projeto 04 Plano de ação 07 Plano de monitoramento e avaliação 08 Resumo da apresentação do plano de projeto 09 Exemplos de Projetos 10
  • 3. Apresentação Este documento norteador para elaboração de projetos visa auxiliar os Coordenadores do Programa Reinventando o Ensino Médio - REM - na construção de projetos na escola, atendendo aos compromissos pedagógicos que o programa se propõe realizar. É de suma importância a leitura de todo o texto, observando os componentes indispensáveis do projeto. Para facilitar o entendimento, estamos utilizando modelo para exemplificar os itens do projeto. O modelo sugerido é o de Skopos que será apresentado, detalhado e explicado neste documento. Esperamos que ele possa auxiliar você, Coordenador(a) do REM e o seu grupo de professores e alunos a elaborar um projeto, considerando a situação geradora ou problema que fundamentará a justificativa, a escolha da área temática e da ferramenta, para que sejam alcançados os resultados esperados. Lembramos que um plano de projeto bem-feito é a metade do caminho para se alcançar êxito na elaboração do projeto completo! Desejamos sucesso a todos! Equipe NAPEM Central 3
  • 4. O Projeto sob o enfoque construtivo Ao implantar o Reinventando o Ensino Médio, a escola deve assumir o compromisso de modificar a sua prática educativa, tendo os jovens do ensino médio como ponto central. Estamos denominando de mudança da prática educativa um acolhimento aos jovens por parte dos educadoares, especialistas e direção, construindo relações melhor estruturadas, com um novo olhar que enxerga esse aluno como sujeito na construção de sua própria história. Para que essa mudança efetivamente ocorra, é necessário mais que a vontade de mudar e acertar, é necessário o investimento na formação tanto de alunos quanto de professores, para colocá-los em sintonia e em equiparação de idéias, valores e posturas. Esse aprender junto, entre alunos e professores, conhecendo seus limites e pontencialidades, nós estamos chamando de processo construtivo. O REM surge como uma política pública que visa atender às necessidades dos educandos na construção de sua identidade como pessoa e como cidadão, visando à redução nos índices de evasão/abandono, distorção série/idade e a continuação de seus estudos. O Reinventando é inspirado numa visão de mundo, de pessoa e educação que propõe uma postura ética de compromisso com a formação integral do educando. O que é um projeto educacional? Um projeto educacional deve pautar-se no desafio de se oferecer um ensino de mais qualidade aos alunos. Para isso, deve ser identificado qual o problema ou situação geradora que precisa ser melhorado. Todo projeto, independente de ser educacional ou não, parte de uma situação geradora e uma solução para melhorar tal situação; nesse caso, a situação é o problema e no corpo do projeto estão descritas as ações que juntas ajudarão na sua solução. Projeto educacional é um empreendimento de duração finita, com objetivos claramente definidos em função de problemas, oportunidades, necessidades, desafios ou interesses de um sistema educacional, de um educador ou grupo de educadores, com a finalidade de planejar, coordenar e executar ações voltadas para melhoria de processos educativos e de formação humana, em seus diferentes níveis e contextos (MOURA, D. G. e BARBOSA, E., 2004, p. 7)”. 4
  • 5. Todo projeto tem em vista a produção de algo novo, diferenciando-se das atividades de rotina. O modelo adotado nessa proposta é orientado pelo modelo de skopos ou escopo, que é dividido em escopo, plano de ação e plano de monitoramento. O passo a passo será apresentado a seguir. Plano de Projeto É um documento que apresenta, de forma completa e organizada, toda a concepção, fundamentação, planejamento e meios de monitoramento e avaliação do projeto. Um pressuposto do modelo é ter entendimento sobre o que deve ser feito e clareza sobre os motivos e as finalidades para se fazer o que se pretende é condição indispensável para a efetivação do projeto. Se quisermos realizar um bom projeto, devemos elaborar um bom plano de projeto. Planejamento de projeto orientado pelo escopo Para que o projeto seja considerado como modelo skopos, deve contemplar os itens apresentados a seguir:  Escopo  Plano de ação  Plano de monitoramento e avaliação 1. Escopo do Projeto: a) Definição: expressa a essência ou identidade do projeto. É o conjunto de realizações que se pretende efetivar para o alcance de determinados resultados. b) Elementos que constituem o escopo do projeto: a definição do problema ou situação geradora do projeto. A justificativa na qual deve estar expresso o porquê da existência 5
  • 6. desse projeto, da área temática e as estratégias ou ferramentas que serão realizadas para que os resultados descritos sejam alcançados.  Definição do problema ou situação geradora do projeto: Projetos nascem a partir de problemas, necessidades, oportunidades, aspirações e desafios de um indivíduo, coletividade ou instituição. Um problema ou situação é relevante em si mesma para justificar o projeto. O problema gerador ou a situação geradora do projeto depende da visão do grupo, do que ele valoriza para a proposição de um projeto. A definição do problema determina a maneira como ele será equacionado, sendo fator decisivo nas etapas seguintes do desenvolvimento do projeto. Os problemas, necessidades e aspirações geralmente representam a distância entre uma situação ideal e a situação real desejada. Um problema bem colocado é a metade de sua solução.  Justificativa do projeto: A dimensão e a complexidade da justificativa depende do tipo, contexto e complexidade do projeto. Em alguns casos, a apresentação clara da situação geradora do projeto é suficiente para justificar sua realização. Nos projetos em que o problema gerador é complexo e pouco conhecido, há necessidade de uma justificativa abrangente e bem fundamentada, que seja convincente para justificar a proposta de projeto. Elementos de fundamentação: apresentação, histórico, descrição do contexto, diagnóstico situacional. A justificativa deve se fundamentar nos aspectos mencionados na situação geradora. Ela deve ser redigida de forma concisa, objetiva e clara.  Definição dos objetivos geral e específicos do projeto: Um objetivo é a expressão de um propósito, intenção ou fim que se deseja alcançar por meio da realização de um projeto: Objetivo Geral é uma declaração de caráter geral e abrangente que expressa a intenção de resolver o problema ou a necessidade que está descrita na situação geradora do projeto. Indica a intenção de oferecer uma solução para o problema gerador, que é o seu inverso. Objetivo Específico é uma declaração de caráter bem definido sobre o que se pretende realizar para alcançar aquilo que está expresso no objetivo geral. Cada objetivo específico representa uma proposta de solução para a realização de um propósito mais amplo, expresso no objetivo geral. Aspectos a serem considerados na 6
  • 7. formulação de objetivos: clareza e exequibilidade; viabilidade com os recursos disponíveis; efeitos observáveis: devem permitir a avaliação dos efeitos ou resultados a eles associados, consensualidade: deve ser compartilhada pelos envolvidos no projeto, uso de verbos adequados.  Resultados e impactos esperados com a realização do projeto: • Os impactos do projeto estão relacionados com o objetivo geral. • Os resultados do projeto estão relacionados com os objetivos específicos. • Os impactos e resultados são conseqüências do projeto desenvolvido. Não temos controle direto e imediato sobre eles. Os resultados informam sobre a ocorrência de mudanças, melhoria de desempenho, solução de problemas, aumento de eficiência que indicam progresso na realização dos objetivos do projeto. Os resultados esperados são definidos no momento da elaboração do escopo do projeto e os produtos e serviços juntamente com as ações, atividades e tarefas correspondentes são detalhados no momento da elaboração do plano de ação. • Os produtos e serviços traduzem as ações programadas e desenvolvidas no processo de execução do projeto. Temos controle direto sobre eles. Os produtos representam o trabalho realizado e, por si só, não garantem o alcance dos resultados esperados.  Abrangência do projeto: Conjunto de características que definem o tamanho ou amplitude do projeto em termos de público-alvo, pessoas envolvidas na sua execução, e extensão da área de atuação do projeto – área de atuação geográfica ou 7 Verbos com forte poder de expressão indicam claramente o resultado esperado Verbos fortes: desenvolver, verificar, analisar, aumentar, descrever, aplicar, implementar, comparar, executar, reestruturar, dinamizar, revitalizar.... Verbos fracos: contribuir, estimular, propiciar, promover etc. Esses verbos podem ser usados no objetivo geral do projeto. Uma única intenção por objetivo: facilita a definição de estratégia de implementação e avaliação. Sintaxe: verbo + objeto + contexto.
  • 8. amplitude das realizações pretendidas com o projeto. As informações expressas na abrangência do projeto são detalhadas na elaboração do plano de ação. 2. Plano de Ação a) Definição: conjunto estruturado de procedimentos e recursos que serão mobilizados para a execução daquilo que foi expresso no escopo do projeto. Especificação de ações, atividades, tarefas e recursos encadeados no tempo e no espaço, de modo a maximizar a eficiência da realização dos objetivos do projeto. b) Elementos do plano de ação: detalhamento das grandes ações em atividades e tarefas, estimativa de prazos, estimativa de custos e recursos, rede de tarefas, cronograma. A elaboração do Plano de Ação, que integra o Plano de Projeto, depende do que foi estabelecido no Escopo do Projeto. Não é possível pensar na construção de um caminho (plano de ação) sem saber exatamente onde se está (situação geradora), nem onde se quer chegar (objetivos e resultados esperados do projeto). O Plano de Ação é uma espécie de mapa do caminho a ser percorrido em todo o percurso do projeto. Assim, o Plano de Ação é um documento que apresenta, de forma estruturada, os procedimentos e recursos que serão mobilizados para a execução daquilo que foi expresso no escopo do projeto, em especial a realização de seus objetivos e resultados esperados. Especifica atividades, tarefas e recursos logicamente encadeados no tempo, tendo em vista a realização eficiente e efetiva dos objetivos e resultados esperados. c) Questões a que o Plano de Ação responde:  Quais atividades serão necessárias para que sejam alcançados os objetivos e resultados esperados?  Quando as atividades serão desenvolvidas?  Quem serão os responsáveis pela execução das atividades?  Quanto custará cada atividade?  Que produtos serão gerados com a realização das atividades?  Que recursos serão necessários (materiais, humanos etc.)? Planos de ação são de natureza dinâmica, podendo sofrer alterações ao longo da execução. A ação gerencial de controle existe para isso. 8
  • 9. d) Objetivo x ação x atividade x tarefa Um objetivo expressa algo que se pretende realizar no desenvolvimento de um projeto, para o alcance de fins mais amplos. Exemplo: Implantar a Metodologia de Projetos como recurso pedagógico na formação de competências no ensino médio. Uma ação indica a ocorrência de um conjunto de atividades ou uma sequência de acontecimentos que resultam em modificação significativa no desenvolvimento do projeto, concorrendo para a realização de seus objetivos. Exemplo: Capacitação de professores para atividades pedagógicas envolvendo a Metodologia de Projetos no ensino médio. Uma atividade indica a realização de trabalhos específicos, compostos por um conjunto de tarefas. Geralmente tem uma complexidade que ainda requer mais detalhamento para ser atribuída a uma pessoa ou grupo de pessoas. Exemplo: Realização de curso de aperfeiçoamento em planejamento e gestão de projetos para professores da escola; organização e implementação de grupos de estudos em metodologia de projetos. Uma tarefa é a descrição de um trabalho específico a ser executado, sendo de menor complexidade. Exemplo: Contratação da instituição que oferecerá o Curso sobre Projetos; elaboração do questionário de avaliação para ser distribuído ao final do curso, etc. 3. Plano de Monitorameno e Avaliação Definição: é um documento que apresenta, de forma estruturada, todos os procedimentos necessários ao monitoramento e avaliação sistemática da execução do projeto e dos seus resultados:  Como verificar se o projeto está sendo executado conforme planejado?  Como serão obtidos dados sobre o andamento e os resultados do projeto?  Que medidas serão adotadas para assegurar o seu sucesso? Elementos do plano de monitoramento e avaliação:  Matriz de resultados e produtos  Planilha de procedimentos de monitoramento  Planilha de procedimentos de avaliação. 9
  • 10. Resumo da apresentação do plano de projeto São itens indispensáveis de um plano de projeto: Dados de identificação: na identificação do projeto são inprescindíveis:  apresentação do título do projeto  nome do coordenador e dos participantes  nome da escola com o código  Superintendência Regional de Ensino que a escola é jurisdicionada  quantitativo de alunos e professores diretamente e indiretamente envolvidos no projeto. Escopo - deve conter os seguintes itens:  situação geradora e justificativa  objetivo geral e objetivos específicos  resultados esperados  abrangência  Plano de ação – deve discriminar os seguintes ítens:  ações/atividades e tarefas/responsáveis pelas atividades/ prazos/ recursos humanos e materiais/parcerias  cronograma geral do projeto: ações/atividades no ano/meses  planilhas de custos: despesas correntes (material de consumo/serviços de terceiros) e despesas de capital (material permanente) Plano de monitoramento e avaliação – deve prever como, quando e quais pessoas serão responsáveis pelos seguintes itens:  planilha de procedimentos de monitoramento: ação/ atividades e tarefas / produtos e serviços/meios de verificação/fonte de obtenção/período de obtenção/responsáveis pela verificação.  planilha de procedimentos de avaliação: resultados esperados/indicadores de resultados/instrumentos de coleta de dados/fonte de obtenção dos dados/ período de obtenção/responsáveis pela verificação. 10
  • 11. Sugestões de projetos: Exemplo 1 - Tema: Drogas, sexualidade e educação ética. Situação geradora: Necessidade de elaborar e implementar um plano de estudos sobre a formação ética do adolescente e do jovem, com ênfase na educação sexual e na prevenção ao uso de drogas, tendo em vista uma atuação docente mais sintonizada com o apoio aos jovens na construção de projetos de vida dignos e responsáveis. Objetivo Geral: Tornar o grupo melhor preparado para a compreensão e desenvolvimento de um programa de formação ética na escola, com enfoque especial em drogas, sexualidade e construção de projeto de vida. Objetivos Específicos: Elaborar e implementar um plano de estudos envolvendo reflexões sobre a formação ética do adolescente e do jovem, na perspectiva da construção de projetos de vida dignos e responsáveis, com foco especial na educação sexual e na prevenção ao uso de drogas; elaborar e implementar uma proposta de educação ética para a Escola, envolvendo alunos e professores no desenvolvimento de projetos de efetivo protagonismo social nas questões da juventude local. Contexto/Justificativa: A formação da identidade dos jovens no mundo atual se dá numa realidade perpassada por valores divergentes, uma vez que estão permanentemente expostos a informações e experiências que servem a diferentes interesses e códigos morais, exigindo deles, cada vez mais discernimento. Convivendo diariamente com os jovens, percebe-se o quanto são afetados pela falta de segurança contra o tráfico de drogas (que toma conta das escolas), pela prostituição e por outros crimes que acabaram se tornando fonte de renda certa e rápida para os nossos adolescentes. O espaço escolar reúne, diariamente, jovens das mais diferentes famílias e regiões, dando lugar a uma significativa troca de influências e construção/reconstrução de valores. E a escola precisa apropriar-se intencionalmente desse tempo para criar novas condições educativas para o jovem. O grupo sente necessidade de se preparar para trabalhar as questões da sexualidade e da prevenção da droga na escola, por reconhecer a força da presença dessas temáticas entre os jovens e por considerar que a escola ainda constitui um espaço de vida grupal significativo para a sua formação. A intenção, num primeiro momento, é produzir conhecimentos sobre as temáticas selecionadas, desenvolvendo estudos teóricos e buscando contatos com outros grupos e organizações que desenvolvem estudos ou práticas educativas nesse campo. Em seguida, o grupo, subsidiado pelos novos saberes adquiridos, 11
  • 12. pretende elaborar e implementar uma proposta de ação em consonância com a nossa realidade. Esse projeto é relevante por inúmeras razões: • Resgate da formação ética como finalidade explícita da escola; • Resgate da autoestima de alunos e professores, pelo canal que abre para novas formas de convivência; • Instrumentalização dos professores envolvidos, em termos teóricos e metodológicos, para atuar com valores no campo da educação. Exemplo 2 - Tema: Projeto Jacaraípe: orientação, integração e amizade. Situação geradora: Necessidade do desenvolvimento de estudos, elaboração e implementação de um programa de ações cooperativas entre um conjunto de escolas e outras instituições e uma região de Jacaraípe, tendo em vista o desenvolvimento social e cultural da juventude local. Justificativa: Crescendo numa sociedade em que as relações de convivência ficam cada vez mais marcadas por apelos ao consumo e ao sucesso individual, os jovens, mesmo nas cidades menores, tendem a viver em pequenos grupos, constituídos na escola ou no local onde residem, tendo pouca experiência de relações sociais comunitárias. Esse isolamento social (paradoxal à globalização cultural) é motivo de preocupação de muitos pais e educadores, por suas repercussões negativas na formação da identidade dos jovens. Por outro lado, o tempo escolar se prolonga cada vez mais na sociedade moderna, jogando o jovem numa espécie de “moratória social”, como costuma dizer Antonio Carlos Gomes, educador que luta pelo protagonismo juvenil como uma possível resposta a muitos problemas educacionais da juventude atual. Essas razões levaram o grupo a pensar na importância do desenvolvimento de um trabalho escolar cooperativo e mais integrado à vida social. Fazer com que as escolas do bairro Jacaraípe se integrem em um projeto social situado para além de seus muros e passem a estabelecer uma relação mais estreita e proveitosa entre si e com outras instituições da comunidade próxima é o que motiva o grupo a desenvolver esse projeto. Com essa iniciativa, esperamos promover o estabelecimento de uma rede de relações e parcerias fundamentais ao desenvolvimento de um trabalho escolar integrado à vida do bairro, tendo em vista a inserção dos jovens em espaços de efetivo protagonismo na vida social. Portanto, o projeto visa instituir relações de cooperação, integração e amizade na 12
  • 13. região envolvida, recorrendo para isso ao desenvolvimento de atividades culturais e produtivas capazes de agregar os jovens hoje dispersos em grupos que, muitas vezes, se antagonizam. Acreditamos que a oportunidade de aprender uma atividade produtiva e de participar de atividades socioculturais coletivas, independentemente da escola em que se estuda ou da parte da região em que se vive, pode ser um espaço promissor de integração da juventude local. Pretendemos organizar, por meio de parcerias interinstitucionais, e com a efetiva participação dos jovens na condução das ações, atividades culturais como gincanas, festivais, torneios, bem como atividades socioeducativas envolvendo o trabalho e o estudo cooperativo entre os próprios jovens. Entre essas atividades, incluímos as seguintes possibilidades: oficinas de artes, oficinas de capacitação, oficina de corte e costura, aprendizado básico de cabeleireiro, cursos preparatórios para vestibular em escolas técnicas federais e em outras, aulas de reforço monitoradas pelos próprios alunos (de séries mais adiantadas ou da mesma série, da mesma escola ou de outras escolas) etc. A elaboração dessa proposta exigirá uma compreensão mais aprofundada do protagonismo juvenil e das relações cooperativas entre instituições, o que demanda um período inicial de estudos a ser incluído no corpo da proposta. Acreditamos que esse projeto é relevante por instituir um espaço de aprendizagem da convivência democrática e cooperativa entre os jovens e entre as diversas instituições sociais locais, o que poderá trazer reflexos positivos para a convivência social na escola, na família e na comunidade em geral. Seus resultados poderão expandir-se para outras regiões, redundando na busca de novas formas de convivência. Objetivo geral: Tornar o grupo melhor preparado para planejar e desenvolver um trabalho escolar cooperativo e de parceria institucional, tendo em vista o protagonismo social dos jovens na vida do bairro. Objetivos específicos: Elaborar e desenvolver uma proposta de estudos e análise de experiência educativas relacionadas com as temáticas envolvidas no projeto; elaborar e implementar um programa de atividades socioculturais envolvendo parcerias com outras escolas e instituições locais. Exemplo 3 – Tema: O jovem como agente de transformação da comunidade: inclusão digital, educação e cidadania. Justificativa: Com a chegada dos primeiros computadores à nossa escola, enviados pela SEE, causou uma grande agitação e alimentou a esperança de que tudo iria mudar. Com a instalação do laboratório de informática, acreditávamos que a qualidade do ensino seria outra: novas práticas pedagógicas, novas experiências e novas possibilidades se abririam. 13
  • 14. Finalmente pudemos sentir que estávamos no séc. XXI preparados para enfrentar os desafios e exigências que a vida contemporânea apresenta à educação pública. Grande engano! Todos ficaram frustrados porque, ao final, ninguém se beneficiou (ou alguns se beneficiaram muito pouco) dos investimentos realizados na escola para instalar toda aquela parafernália tecnológica. A comunidade ficou frustrada porque a escola permaneceu (olimpicamente) do mesmo modo que sempre foi, mantendo a sua prática educativa desestimulante e imune à influência desses novos recursos e cega às possibilidades pedagógicas que as novas tecnologias oferecem. Os alunos, talvez os mais entusiasmados com a chegada dos computadores, foram também os que mais se desiludiram. O seu interesse e, principalmente, a facilidade com que manipulavam esses equipamentos e dominavam a lógica do seu funcionamento foram percebidos pelos professores mais como uma ameaça à sua posição de quem é “senhor absoluto de todo conhecimento” do que como estímulo à vivência de novas experiências e novas aprendizagens. Os professores ficaram frustrados porque viveram a ilusão de que, para mudar o ensino, bastava melhorar os meios à sua disposição. Hoje sabemos que não basta selecionar os melhores recursos didáticos se os próprios professores não mudam. O que realmente conta e faz a diferença é investir nas pessoas: só elas podem, se estiverem preparadas e motivadas, fazer um uso inteligente e inovador dos meios ao seu alcance. Hoje, de maneira mais clara que antes, sentimos que o fato de estar conectado ou não a uma rede é, cada vez mais, um fator relevante na diferença entre “poder transformar-se” e “manter tudo do mesmo jeito”. E, para uma escola pública mineira, ser capaz de transformar- se é condição indispensável para que a educação possa contribuir decisivamente para a superação do histórico quadro de desigualdade e de exclusão social que tem marcado o nosso Estado. Sabemos que os recursos tecnológicos, por mais sofisticados que sejam, não são capazes, por si só, de promover mudanças substanciais na área educacional e que a mera utilização de novas tecnologias na escola não implica o surgimento de novas concepções e práticas pedagógicas e a transformação da cultura educacional da instituição. Nessa perspectiva, a tecnologia educacional deve-se adequar às necessidades dessa concepção de educação, colocando-se inteiramente a serviço de seus objetivos, nunca os determinando. Queremos colocar sob exame o modelo atual de ensino e enfrentar o desafio de inovar, seja pela incorporação de novos referenciais teóricos à prática pedagógica, seja por favorecer a adoção de nova visão do processo de aprendizagem. 14
  • 15. As circunstâncias que moldam a vida na nossa comunidade, nos dias de hoje, requerem uma educação cuja essência em muito se distancia, qualitativamente, do saber enciclopédico e memorizador que o passado consagrara. Tais circunstâncias requerem uma educação para todos – para todas as pessoas e para cada pessoa como um todo – que não exclua qualquer segmento social e que acompanhe cada pessoa a vida inteira, abrindo novas perspectivas de vida e de ação na vida social e transformando-a para que possa transformar a sua realidade. Essa educação tem a ver, fundamentalmente, com mudanças nos alunos por meio da aprendizagem e da participação na vida social. A partir desse entendimento, há que se fortalecer, primeiramente, a participação dos alunos nos processos educacionais, pois eles não podem ser considerados, como geralmente o são, como simples destinatários da ação educacional. Sabemos que aquilo que o aluno pode aprender depende tanto do momento quanto das características do contexto em que ele se desenvolve e aprende. Daí serem imprescindíveis mudanças nas escolas e nas concepções, atitudes e práticas dos educadores, de maneira a se tornarem capazes de fazer as seleções adequadas dos conteúdos e criar contextos enriquecedores para a aprendizagem dos seus alunos. Esse projeto investirá no desenvolvimento de espaço de convivência solidária e de criatividade, no qual os alunos poderão exercitar a sua imaginação, o seu senso de autorespeito e confiança em si mesmo, assim como o seu sentimento de pertencimento a um grupo operativo por meio da implementação de projetos comuns. Mais especificamente, o que se pretende é maximizar o uso dos recursos de informática que a escola possui, colocando-os a serviço não apenas dos nossos alunos, mas também de toda a comunidade. Para isso, nós mesmos, os professores, teremos que nos capacitar no uso competente desses recursos, procurando aprender a extrair deles o máximo proveito enquanto recurso pedagógico de preparação dos nossos jovens alunos para a vida social bem-sucedida e de atendimento às suas necessidades formativas. Em segundo lugar, dedicaremos à formação dos alunos em cursos de informática (como, por exemplo, introdução ao uso do computador, navegação na internet, montagem e manutenção de computadores, organização de sites, tratamento de imagens e sons etc.) para que eles possam atuar no desenvolvimento cultural da sua comunidade, ensinando o que aprenderam aos jovens de outras escolas, a seus pais e familiares e a outros interessados. Poderão, também, criar sites e grupos de discussão sobre temas de interesse da juventude, facilitando o acesso a informações sobre questões como sexualidade, cultura, trabalho, lazer e criando uma rede de trabalho colaborativo em prol do desenvolvimento da sua comunidade. Eles poderão atuar como monitores voluntários no laboratório de informática da escola, ajudando os seus próprios colegas que ainda não dominam os fundamentos da informática, ou desenvolver trabalho de formação da comunidade aos finais de semana ou em qualquer 15
  • 16. outro horário em que o laboratório de informática esteja disponível. A finalidade é manter acesa em cada um deles a consciência de que podem dar uma contribuição decisiva para alterar o quadro de necessidades da sua comunidade e criar uma nova perspectiva para todos. A participação dos alunos nesse projeto não se fará individualmente, mas em grupo, através da apresentação de proposta coletiva de trabalho que deverá ser examinada, avaliada e selecionada pelos professores para integrar o elenco de ações a serem implementadas na escola. Os alunos, após um trabalho de sensibilização e mobilização, terão toda a autonomia para associar-se aos colegas que desejarem e formar o grupo que definirá a proposta de trabalho que mais se identifica com os seus interesses. Objetivo geral: Criar espaço de convivência e de oportunidades que possibilite aos alunos desenvolver projetos de alcance social na área de informática, explorando as possibilidades oferecidas pelos recursos tecnológicos instalados na escola. Objetivos Específicos: Elaborar e executar plano de sensibilização e mobilização da comunidade escolar; orientar a elaboração de projetos; inscrever e selecionar propostas de trabalho dos alunos; elaborar e implementar plano de capacitação na área de informática; executar os projetos dos alunos, monitorar e avaliar os projetos. Resultados esperados: Comunidade informada, motivada e engajada com a escola; professores dominando e lecionando conteúdos de informática e projetos; consolidação do uso da informática e do trabalho colaborativo em rede na escola e grupos ativos de jovens protagonistas atuando na escola em benefício da comunidade. Monitoramento e Avaliação: Relatórios de acompanhamento das ações do projeto. 16