Evolução dos modelos atômicos e analogias empregadas no

1.829 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.829
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Evolução dos modelos atômicos e analogias empregadas no

  1. 1. EVOLUÇÃO DOS MODELOS ATÔMICOS E ANALOGIAS EMPREGADAS NO ENSINO Pablo Wagner Vasconcelos Olegário UFCG
  2. 2. • O que motiva este trabalho é a importância do uso de modelos para descrever teorias físicas, mais especificamente o uso de modelos na descrição do átomo e seu entendimento.
  3. 3. • Queremos mostrar com esse trabalho a importância de se compreender a matéria em seu intimo e o uso de analogias para complementar seu entendimento.
  4. 4. INTRODUÇÃO: UM POUCO DE HISTÓRIA Antiguidade Clássica: Leucipo de Mileto (século V a.C.) e Demócrito de Abdera juntamente a seu discípulo. Idade Média: Alquimia. Idade Moderna: Renascimento  Copérnico, Galileu, Kepler, Newton  Leis Ponderais, Reações de Ácido-Base, Pilha de Daniel, Mendeleev
  5. 5. MODELOS ATÔMICOS Principais Modelos Atômicos:  Modelo de Dalton (século XIX)  Modelo de Thomson (1904)  Modelo de Rutherford (1911)  Modelo de Rutherford-Bohr (1913)  Modelo de Sommerfeld  Modelo Atual (Probabilístico)
  6. 6. MODELOS ATÔMICOS Definição de Modelos em Ciência. Em Ciências, um modelo pode ser definidocomo uma representação parcial de uma objeto,evento, processo ou ideia que é produzida compropósitos específicos como, por exemplo, facilitara visualização, fundamentar a elaboração e testede novas ideias, possibilitar a elaboração deexplicações e previsões sobre comportamentos epropriedades do sistema modelado (Gilbert,Boulter & Elmer, 2000; Justi & Gilbert, 2002a).
  7. 7. MODELOS ATÔMICOS:O MODELO DE DALTON  Leis Ponderais:  Lei de Lavoisier (Lei da conservação das massas)  Lei de Proust (Lei das proporções fixas ou definidas)
  8. 8. MODELOS ATÔMICOS:MODELO DE THOMSON Modelo atômico de Thomson: “Pudim de Passas” Início da Física Moderna (1897): identificação da primeira partícula subatômica – o elétron
  9. 9. MODELOS ATÔMICOS: O MODELO DETHOMSON O “pudim de passas” é uma analogia que transcendeu a relação entre o objeto e o análogo, transformando-se praticamente em sinônimo [1]. “Nós temos primeiramente uma esfera positiva uniformemente eletrificada, e dentro dessa esfera um número de corpúsculos distribuídos numa série de anéis paralelos, o número de corpúsculos varia de anel para anel: cada corpúsculo está girando em alta velocidade na circunferência do anel que em está situado, e os anéis estão distribuídos de forma que os com maior número de corpúsculos estão mais próximos da superfície da esfera, enquanto aqueles com menos número de corpúsculos estão mais internos” (Thomson, 1904ª, pp. 254-255)
  10. 10. MODELOS ATÔMICOS:MODELO DE RUTHERFORD  Modelo Atômico de Rutherford: Modelo nuclear.  Experimento de Rutherford: bombardeamento de uma chapa de ouro com radiação alfa
  11. 11. MODELOS ATÔMICOS: O MODELO DE BOHR Modelo Atômico de Bohr: “Sistema Solar” Postulados de Bohr:  O elétron pode se mover em determinadas órbitas sem irradiar. Essas órbitas estáveis são denominadas estados estacionários.  As órbitas estacionárias são aquelas nas quais o momento angular do elétron em torno do núcleo é igual a um múltiplo inteiro de h/2p.  O elétron irradia quando salta de um estado estacionário para outro mais interno, sendo a energia irradiada dada por E = hf = Ei-Ef,
  12. 12. MODELOS ATÔMICOS • “Como nas demais pesquisas envolvendo analogias, elas aqui são entendidas como comparações entre dois domínios diferentes. [...] “A” “B” compartilham algumas características. Um desses domínios é familiar (geralmente chamado na literatura de domínio análogo ou analogia) e o outro é desconhecido (chamado domínio alvo).” (Cutrtis & Reigluth, 1984; Duit, 1991; Harrison & Treagust, 2006; Wilbers & Duit, 2006)
  13. 13. MODELOS ATÔMICOS:O MODELO DE BOHR Salto quântico: emissão de um fóton.
  14. 14. MODELOS ATÔMICOS:O MODELO DESOMMERFELD
  15. 15. MODELOS ATÔMICOS:MODELO ATUAL Modelo Atual ou Probabilístico
  16. 16. • Quanto maior o conhecimento do comportamento da matéria em seu estado fundamental e atômico, maiores serão os benefícios para o homem. Maior será sua capacidade de criação.• “As analogias são modelos de ensino que podem atuar como mediadoras no processo de ensino- aprendizagem. [...] Isto porque, ao favorecerem a existência de um “trânsito” entre os conceitos prévios e os conceitos desconhecidos, as analogias podem levar o individuo a reestruturar suas informações e, em certos casos, formar um novo esquema ou acrescentar novas informações àquelas já formadas.”[2]
  17. 17. REFERÊNCIAS• [1] Lopes, C. V. M. , Martins, R. de A. . J. J. Thomson e o uso de analogias para explicar os modelos atômicos: o “pudim de passas” nos livros texto• [2] Souza, V. C. de A., Justi, R. da S., Ferreira, P. F. M. . Analogias utilizadas no ensino dos modelos atômicos de Thomson e Bohr: uma análise crítica sobre o que ao alunos pensam a partir delas.• [3] Belita Koiller, Instituto de Física, UFRJ. A Arquitetura da Matéria. Texto baseado na palestra apresentada no XVI SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, realizado no RJ, de 24 a 28/Janeiro/2005.• [4] Silva, J. L. P. B. , Cunha, M. B. de M. . O Modelo Atômico Quântico em livros didáticos de Química para o ensino médio .

×