MINAS INVEST

2.502 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre as áreas de atuação e projetos da Minas Invest

Publicada em: Tecnologia, Negócios
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

MINAS INVEST

  1. 1. A NETWORK OF BUSINESS AND PEOPLE
  2. 2. <ul><li>MINASINVEST is an alliance of individuals and corporations committed to the sustainable growth of Minas Gerais State, capitalizing on the extraordinary innovative capacities of its public- and private-corporate and academic organizations, forming a powerful alliance . </li></ul><ul><li>MINAS INVEST, along with its strategic partners, leverages the individual firms´initiatives into a larger, targeted program that aggressively promotes the state’s business development. . </li></ul><ul><li>By identifying, attracting, promoting, deploying managerial skills and funding companies in strategic industry sectors, MINASINVEST drives the overall success of Minas Gerais’ business development strategies. </li></ul>ALLIANCE OF EFFORTS Alliance of skills
  3. 3. <ul><li>S trengthening the Minas Gerais economy through cooperation and projects, which enhance and enrich the business climate for public and private sectors in order to create prosperity for all Minas Gerais. </li></ul><ul><li>Advocating the business perspective in the shaping of public policy. </li></ul><ul><li>Encouraging ethical business practices and ensuring the state's future as economically and socially prosperous. </li></ul><ul><li>Revitalizing and building the most dynamic economic development organization in the state, providing high caliber facilitating services and programs. </li></ul><ul><li>Promoting diversity, cognizant of the value of reflecting our society in our workplace, empowering all forms of initiatives to their full potential. </li></ul><ul><li>Promoting and encouraging the preservation, expansion, and sound development of new and existing enterprise able to promote the sustainable economic development of the state. </li></ul><ul><li>  </li></ul>MinasInvest goals
  4. 4.                                                                                                                 <ul><li>MINASINVEST is a highly professional investment promotion organization, specialized in facilitating services to public and private sector clients, particularly to international investors, in potential niches of Minas Gerais and to local firms expanding abroad. </li></ul><ul><li>MINASINVEST provides value to its clients through strategic insight, results acceleration and preferential network access. MINASINVEST is based in the most prestigious area of the capital of the State of Minas Gerais, Belo Horizonte, with easy access to government agencies, major research centers, think tanks and universities, as well as locally established diplomatic and commercial delegations. </li></ul>MINASINVEST encourages a spirit of radical innovation and a challenging environment. “ T he private sector can play an important role towards furthering development, for development cannot occur without conditions that are amenable to the conduct of business.” (United Nations) MinasInvest skills
  5. 5. MINASINVEST GLOBAL SOLUTION: locally accumulated skills and network with international outreach. MinasInvest: a cluster of capabilities <ul><li>Enhancing the capacity of local investors; </li></ul><ul><li>Developing policies and strategies to improve competitiveness; </li></ul><ul><li>Attracting investments in selected sectors; </li></ul><ul><li>Strengthening the negotiating position. </li></ul><ul><li>Providing well-researched investment; </li></ul><ul><li>Promoting global trade & investment; </li></ul><ul><li>Identifying elements of competitiveness and radical innovation </li></ul>INNOVATION SKILLS PERFORMANCE BUSINESS CLIMATE COLLABORATION REGIONAL KNOWLEDGE TAILORED APPROACH FACILITATION NETWORK STRATEGIC ADVICE INVESTMENT & GROWTH
  6. 6. TARGET: MINAS GERAIS STATE: THE IDEAL PLACE FOR INVESTMENTS IN BRAZIL <ul><li>Strategically located in the Southeast region of Brazil: concentrating 78% of Brazilian consuming market . </li></ul><ul><li>18 million people. </li></ul><ul><li>Territory greater than many European countries. </li></ul><ul><li>Third largest South American economy. </li></ul><ul><li>Adequate infra-structure </li></ul><ul><li>Abundant energy and modern communication. </li></ul><ul><li>Modern law on Public-private partnerships, respecting obligations with investors and partners. </li></ul><ul><li>Expedient and practical action from Public Administration </li></ul><ul><li>Strong competitiveness for new enterprises </li></ul><ul><li>Highly qualified labor </li></ul>MINAS GERAIS State stands at business climate in its development, introducing entrepreneurial changes, innovation, paradigm shifts, and openness for consideration of new alternatives and investments.
  7. 7. PROJETOS APRIMORAMENTO GENÉTICO DE OLEAGINOSA PARA BIODIESEL PORTAL DE GESTÃO AGRÍCOLA PORTAL DE GESTÃO ADVOCATÍCIA REDE DA INOVAÇÃO CAIXA DE FERRAMENTA DE GESTÃO PARA PME´S ESTRUTURA PARA COMERCIALIZAÇÃO DA INOVAÇÃO CENTRO DE INTELIGÊNCIA DE LOGÍSTICA APLICADA E “SUPPLY CHAIN MANAGEMENT” COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO “FAIRTRADE” CENTRO DE REFERÊNCIA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA E PÓLO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INTEGRANDO TI À GESTÃO EMPRESARIAL
  8. 8. Integrando TI à Gestão empresarial
  9. 9. <ul><li>Promover a integração entre Gestão de Negócios e Tecnologia da Informação, tanto no âmbito conceitual-teórico quanto à inteligência aplicada. </li></ul><ul><ul><li>Desenvolver e aplicar modelos integrados de gestão de processos, de desempenho, de conhecimento e de automação </li></ul></ul><ul><ul><li>Substanciar diretrizes e práticas de gestão a partir de soluções de TI intrinsecamente a elas alinhadas </li></ul></ul><ul><ul><li>Catalisar a competência corporativa em aplicação de Tecnologia da Informação </li></ul></ul><ul><ul><li>Potencializar empreendimentos e iniciativas intensivos em Tecnologia da Informação </li></ul></ul>OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS Rede de compartilhamento de competências:Invit Information Services, MinasInvest
  10. 10. <ul><li>Centro de Pesquisa em Tecnologia da Informação Aplicada </li></ul><ul><ul><li>Focado em competência na aplicação de TI ao ambiente de negócios, abordando Governança de TI, Gestão de Serviços, Alinhamento Estratégico, Terceirização, Inovação, Recursos Humanos e Negócios em TI </li></ul></ul><ul><li>Acordo operacional para Serviços ao Mercado Corporativo </li></ul><ul><ul><li>Pacote de serviços profissionais, integrando orientação estratégica e metodológica para gestão de negócios com adoção de TI. </li></ul></ul>CONTEÚDO DO PROJETO
  11. 11. <ul><li>Criação de um centro de referência em Gestão de Tecnologia da Informação, com modelos e propostas orientadas às necessidades e potencialidades nacionais </li></ul><ul><li>Aumento da maturidade de gestão do ambiente empresarial, melhorando a competitividade nacional e a efetividade dos investimentos em TI </li></ul><ul><li>Criação de massa-crítica consultiva e de massa-crítica decisória para o desenho e consumo de serviços e soluções de TI de alto valor agregado </li></ul><ul><li>Influência oxigenadora à mentalidade nacional para modelos de apoio à Tecnologia de Informação como atividade-fim e como atividade-meio </li></ul>RESULTADOS ESPERADOS
  12. 12. Centro de Referência de Produção mais Limpa e Pólo de Resíduos Industriais
  13. 13. <ul><ul><li>Na consecução de seus empreendimentos, a MinasInvest Aliança de Desenvolvimento tem demonstrado suas capacitações no sentido de alavancar negócios geradores de impacto social </li></ul></ul><ul><ul><li>“ imprimindo foco, comunicação e colaboração entre os agentes do desenvolvimento econômico e social , congregando esforços e capacitações e atuando como aglutinador e interlocutor comum dos interesses dos investidores” ONE-STOP-SHOP, através da articulação de redes para compartilhamento de competências. </li></ul></ul><ul><ul><li>O anteprojeto está dentro de seus objetivos estatutários de “ defesa e conservação do meio ambiente, da ecologia, de florestas, dos recursos hídricos e da energia necessários para o desenvolvimento sustentável.” </li></ul></ul>Meta-síntese do projeto
  14. 14. <ul><li>Empreendimento de um pólo constituído por diferentes empresas de tratamento de resíduos industriais (processadores), cuja gestão será financiada, controlada e administrada por empresas geradoras dos resíduos, sob a supervisão técnica e administrativa de um centro de referência especializado em resíduos. </li></ul><ul><li>Este pólo terá como principal objetivo a definição da melhor rota de tratamento, considerando as tecnologias mais adequadas e que representem um menor custo (econômico, financeiro e ambiental) de tratamento e destinação final. </li></ul>modelagem Rede de compartilhamento de competências : Brandt Meio Ambiente, US Commercial Services, Indústrias geradoras e processadores de resíduos, Governo
  15. 15. <ul><li>Pólo : otimização técnica e econômica ao estabelecer um compartilhamento entre os geradores para a viabilização de soluções; </li></ul><ul><li>Centro de referência tecnológica: institucionalizar uma responsabilidade compartilhada e organizada das questões técnicas; </li></ul><ul><li>Logística : otimização da cadeia de suprimento ao centralizar várias tecnologias em um pólo, reduzindo assim um dos maiores custos (transporte); </li></ul><ul><li>Triagem: otimização deste item ao estabelecer segregação e destinação técnica qualificada para o tratamento e destinação final, garantindo não só a melhor solução, mas permitindo tecnicamente o exercício da reciclagem; </li></ul><ul><li>Tecnologias: acessibilidade a tecnologias atuais, ao estabelecer um centro de referência em resíduos para o Pólo. </li></ul>modelagem
  16. 16. Comércio Justo e Solidário “ Fairtrade”
  17. 17. Potencializando o excluído “ A exclusão é uma pobreza insidiosa, pois priva os homens dos meios de ação. Depois de tê-los reduzido à impotência, ela os torna totalmente dependentes da sociedade através dos mecanismos de ajuda.” Maria Nowalk Rede de compartilhamento de competências : Fairtrade labelling Organizations – FLO, MinasInvest, Pólo, Elo, Vale da Cidadania
  18. 18. <ul><li>A MinasInvest tem dentre seus objetivos estatuários: </li></ul><ul><li>“ A promoção de empreendimentos sócio-econômicos, gerando investimentos para o desenvolvimento sustentável de Minas Gerais ...visando: </li></ul><ul><li>“ ...como resultado final, a obtenção de Índice de Desenvolvimento Humano situado entre os melhores em nível mundial.” </li></ul><ul><li>“ ... Experimentação de sistemas alternativos de produção e comércio, em ações de desenvolvimento sócio-econômico, </li></ul><ul><li>“ ... Destacadamente o comércio justo e solidário (fairtrade) </li></ul>Fairtrade: um objetivo
  19. 19. Comércio Justo (FAIRTRADE) é &quot;uma parceria entre produtores e consumidores que trabalham para ultrapassar as dificuldades enfrentadas pelos primeiros, para aumentar o seu acesso ao mercado e para promover o processo de desenvolvimento sustentado. O Comércio Justo procura criar os meios e oportunidades para melhorar as condições de vida e de trabalho dos produtores, especialmente os pequenos produtores desfavorecidos. “ (definição da NEWS! - Network of European World Shops, a rede européia de lojas de C omércio Justo . ) Fairtrade: conceito
  20. 20. <ul><li>Prestação de serviços visando a preparação e a capacitação dos pequenos e médios produtores/ proprietários rurais pobres da região semi-árida dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri em Minas Gerais, para a comercialização de sua produção em mercados alternativos nacional e internacional; </li></ul><ul><li>Prestação de serviços visando a organização do comércio de forma associativa, a otimização dos custos, bem como reduzir a participação dos intervenientes do comércio convencional, pelo desenvolvimento de canais diretos de comercialização e distribuição; </li></ul><ul><li>Assessorar os pequenos e médios produtores/proprietários rurais pobres, com o objetivo de estabelecer um mercado seguro, bem como fornecer apoio sob a forma de treinamento, pesquisa de mercado e práticas comerciais; </li></ul><ul><li>Desenvolver metodologias alternativas de comércio visando proporcionar aos produtores rurais um rendimento justo pelo seu trabalho e pela sua produção; </li></ul><ul><li>Preparar a implementação dos requisitos necessários à certificação dos produtos voltados ao Comércio Solidário e Justo, através do selo FLO (FairTrade Labelling Organization); </li></ul><ul><li>Dar suporte técnico para a formação e o fortalecimento de aglomerações produtivas locais, promovendo a sua internacionalização; </li></ul>Objetivos
  21. 21. <ul><li>Organizar, orientar e implementar o processo de exportação dos bens produzidos, incluindo a armazenagem, acondicionamento, adequações às exigências internacionais, comercialização, logística de transportes, contratações do transporte, seguro e demais processamentos relativos à exportação; </li></ul><ul><li>Desenvolver ações de apoio à erradicação do trabalho rural infantil, estimulando o acesso à educação fundamental; </li></ul><ul><li>Promover ações de apoio técnico para a produção de bens e a prática da agricultura, de forma sustentável e ecologicamente correta; </li></ul><ul><li>Introduzir metodologia de ensino de empreendedorismo a crianças e jovens de 4 aos 17 anos, desde a educação infantil até o segundo grau, para a construção do desenvolvimento econômico, mais humano, social, includente e sustentável, para desestigmatizar a idéia tradicional do empreendedorismo centrado no fazer empresarial; </li></ul><ul><li>Captar recursos financeiros alternativos adequados para a consecução destes objetivos. </li></ul>Objetivos
  22. 22. Estrutura Para Comercialização da Inovação – UILO “University/Industry Liaision Office
  23. 23. MINASINVEST INNOVATION HUB: atingindo a visão da MinasInvest <ul><li>“ O ESTADO DE MINAS GERAIS POVOADO DE EMPRESAS INOVADORAS, COM BEM-ESTAR E QUALIDADE DE VIDA PARA A SOCIEDADE “ </li></ul>Apoiando o potencial do Estado de Minas Gerais numa Rede inovadora e atuando como catalizadora do desenvolvimento sócio-econômico- buscando oportunidades para criar parcerias comerciais entre o setor Público e a iniciativa privada Rede de compartilhamento de competências: Universidades, Centros de Pesquisa, Governo, Instituições Financeiras, Setor Produtivo/Mercado, MinasInvest
  24. 24.   <ul><li>META: </li></ul><ul><li>Articular a criação de parcerias (spin-offs) entre a universidade e o Mercado para comercializar os resultados da pesquisa das universidades e Centros de pesquisa do Estado de Minas Gerais, com vistas a trazer retorno econômico para os sócios do novo empreendimento. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>RESULTADO ESPERADO: </li></ul><ul><li>Gerar investimentos em novos negócios e benefícios para a universidade, seus parceiros industriais e a comunidade. </li></ul><ul><li>Gerar uma interface altamente eficaz, em que as demandas do mercado sejam atendidas pela produção da pesquisa universitária. </li></ul><ul><li>Aumentar significativamente o índice histórico (6%) de comercialização das patentes registradas pelas universidades </li></ul>Meta e resultado esperado
  25. 25. Spin-off empresarial Versus Start-Up acadêmico % <ul><li>• Características de Spin-off empresarial </li></ul><ul><li>Mais experiência negocial </li></ul><ul><li>Mais acesso ao capital </li></ul><ul><li>Mais acesso aos mercados </li></ul><ul><li>Mais capacidade para correr riscos </li></ul><ul><li>• Características de Start-up acadêmico </li></ul><ul><li>Desenvolve-se em ritmo próprio </li></ul><ul><li>Comercialização prejudicada </li></ul><ul><li>pela burocracia </li></ul><ul><li>Abordagem empresarial tímida </li></ul><ul><li>Restrições orçamentárias </li></ul>benefícios
  26. 26. Muitos agentes com objetivos diferentes, mas metas convergentes!! DESAFIOS INDÚSTRIA mercado ACADEMIA GOVERNO lucro Formação pesquisa Políticas Programas Comercialização PD&I <ul><li>Educação </li></ul><ul><li>Desenvolvimento </li></ul><ul><li>econômico sustentável </li></ul><ul><li>Melhoria de vida </li></ul>
  27. 27. CIA MINAS Preparação Investimento “ Launching” Análise <ul><li>Análise de Oportunidade do negócio. </li></ul><ul><li>Capacitação em comercialização da inovação </li></ul><ul><li>Interação academia/mercado </li></ul><ul><li>Preparação do Plano de Comercialização. </li></ul><ul><li>Preparação do Plano de Negócio. </li></ul><ul><li>Identificação do investidor/parceiro </li></ul><ul><li>Organização do “funding” </li></ul><ul><li>“ Launching” das Atividades da Companhia </li></ul>Funções da Cia de Inovação Aplicada de Minas
  28. 28. Centro de Inteligência em Logística Aplicada e “Supply Chain Management”
  29. 29. <ul><li>“ Tudo o que já se foi, é o começo do que vai vir” (G. Rosa). </li></ul><ul><li>A concepção e implementação do Centro requer foco e inovação, desocupando-se dos negócios gerais, aplicando a paridade: geração e aplicação do conhecimento. </li></ul><ul><li>Ser um Centro de Inteligência em Logística Aplicada e Supply Chain Management , para gerar conhecimento, aprendendo e sendo útil para o processo de desenvolvimento sustentável brasileiro: econômico, social e ambiental, de forma relevante. </li></ul>fundamento Rede de compartilhamento de competências : academia, empresas e executivos líderes em logística, MinasInvest
  30. 30. <ul><li>Criar a nova geração do conhecimento em logística no Brasil, aplicada às demandas reais de mercado por meio de práticas empresariais/acadêmicas. </li></ul><ul><li>Gerar indicadores de custos logísticos e de desempenho nas cadeias de suprimento. </li></ul><ul><li>Antecipar tendências </li></ul><ul><li>Para atingir seus objetivos, o Centro de Inteligência em Logística Aplicada e gestão da cadeia de suprimento se orienta em quatro programas: </li></ul><ul><li>Pesquisa aplicada em gestão da logística e da cadeia de suprimento </li></ul><ul><li>Estudos, construção de metodologias e planos de geração do conhecimento </li></ul><ul><li>Empresas Líderes em Logística </li></ul><ul><li>Executivos em Logística </li></ul>objetivos específicos
  31. 31. <ul><li>Inteligência da cadeia de suprimento : formulando análises do Mercado de logística, fluxos e parâmetros econômicos a partir da América do Sul nos diversos segmentos no que se refere a uma efetiva gestão avançada da cadeia de suprimentos. </li></ul><ul><li>Arquitetura e Planejamento da Cadeia de Suprimento: desenvolvendo tecnologias (conceitos, metodologias e algorítmos) capazes de otimizar a cadeia (modos,rotas e processos ) nas operações e horizonte de médio e longo-prazo. </li></ul><ul><li>Otimização da Cadeia de Suprimento : aprofundando as capacitações na rede global da cadeia, envolvendo os respectivos modais de transporte por meio de simulação intensiva da rede em bases regionais e internacionais: logística portuária e marítima, consolidação das plataformas (hubs) de logística , armazenagem e flexibilização dos centros regionais de distribuição etc </li></ul><ul><li>Tecnologia da Cadeia de Suprimento : envolvendo pesquisa investigativa e desenvolvimento de inovação tecnológica em parceria com outras organizações especializadas, particularmente em logística de E-commerce - desenvolvendo tecnologias capazes de apoiar os processos de infra-estrutura física relacionadas ao comércio eletrônico e Internet. </li></ul>conteúdo programático
  32. 32. <ul><li>LÍDERES EM LOGÍSTICA : parceiros corporativos altamente especializados </li></ul><ul><li>em logística que contribuem para a consecução dos objetivos do Centro de </li></ul><ul><li>conteúdo programático e funding . </li></ul><ul><li>Os membros avaliam periodicamente os conteúdos dos programas e a agenda de pesquisa e trabalham com os consultores, corpo docente e pesquisadores. </li></ul><ul><li>Participam da criação de padrões de excelência na pesquisa e no treinamento, contribuindo financeiramente para o fundo de desenvolvimento do Centro. Os recursos são destinados a: </li></ul><ul><li>Pesquisa contextual : novos conhecimentos, ferramentas e ganhos relacionados ao interesse direto do parceiro corporativo </li></ul><ul><li>Pesquisa colaborativa : motivada pela pesquisa contextual, mas orientada à criação de novos conhecimentos e ferramentas de interesse a longo-prazo do mercado. </li></ul><ul><li>Capacitação de executivos : disponibilizada aos seus profissionais </li></ul>conteúdo programático
  33. 33. Observatório do Desenvolvimento Sustentável
  34. 34. OBJETIVOS GERAIS <ul><li>Dotar Minas Gerais de um portal para investidores (Bolsa Eletrônica de projetos) </li></ul><ul><li>Criar um Observatório inovador para os tomadores de decisão, gerando cenários de longo prazo para a economia mineira. </li></ul><ul><li>Sistematizar e aprimorar as bases de dados sócio-econômicos de Minas Gerais </li></ul>Rede de compartilhamento de competências : Governo, Entidades de Pesquisa, Empresas de TI, Organizações de Fomento, MinasInvest
  35. 35. Os indicadores e cenários fornecem orientação crucial : <ul><li>Contribuindo para a tomada de decisões estratégicas: ajudam a avaliar opções possíveis na solução de problemas, com estimativas de custos e impactos; subsidiam mudanças de políticas setoriais. </li></ul><ul><li>Traduzindo o conhecimento físico e de ciência social em unidades de informações gerenciáveis na facilitação do processo de tomada de decisão. </li></ul><ul><li>Contribuindo para medir e calibrar o progresso em relação às metas de desenvolvimento sustentável. </li></ul><ul><li>Fazendo previsões, soando o alarme a tempo de retificar ou evitar disfunções ou danos econômicos, sociais e ambientais(fenômenos não sustentáveis). </li></ul><ul><li>Quantificando os alvos e medindo o progresso e resultados das “respostas” </li></ul><ul><li>Fornecendo informações capazes de gerar um efeito positivo no comportamento da sociedade civil. </li></ul><ul><li>Atuando como ferramentas importantes para comunicar idéias e valores: “ Nós medimos o que valoramos e valoramos o que medimos.” </li></ul>importância
  36. 36. <ul><li>DADOS : estimulam as escolhas a serem feitas e permite que dados prioritários em termos de desenvolvimento sustentável sejam identificados. Busca estimular os geradores de dados a adaptar as suas abordagens e suas coletas e sistemas de mensuração; </li></ul><ul><li>ANÁLISE : Indicadores permitem que tendências passadas sejam mensuradas, mudanças possíveis sejam planejadas e fenômenos não sustentáveis sejam melhor avaliados; </li></ul><ul><li>APURAÇÃO : Indicadores ajudam a fixar metas focadas em resultados e progresso de mensuração em relação aos alvos já fixados e a ajustar a distância para atingir as metas (Indicadores de desempenho); </li></ul><ul><li>RELATAÇÃO : Indicadores geram informações gerenciais mais objetivas e consistentes e, portanto, constituem um veículo de comunicação privilegiado. </li></ul><ul><li>BOLSA ELETRÔNICA DE PROJETOS E OPORTUNIDADES </li></ul><ul><li>Ferramenta que disponibiliza e compatibiliza , por meio eletrônico, a oferta de recursos, projetos e oportunidades com a demanda . </li></ul>Insumos e produtos
  37. 37. o observatório ideal deve: <ul><li>Agregar valor. Seu papel não é simplesmente gerar dados, mas gerar indicadores, análises e relatórios que conectam os sistemas sócio-econômicos e ecológico com uma abordagem sistêmica e investigativa capaz de subsidiar a tomada de decisão Pública e privada; </li></ul><ul><li>Produzir informações confiáveis alicercadas em dados científicos validados; </li></ul><ul><li>Ser capaz de operar ao longo do tempo- o que requer uma âncora institucional sólida que possa garantir a objetividade do trabalho. Para tanto, deve ser investido de autonomia e com papel e status bem definidos e reconhecidos, com gestão e órgãos consultivos (conselho de gestão, comitê científico, comitê do usuário) próprios; </li></ul><ul><li>Trabalhar em parceria e atender o princípio da subsidiaridade, desempenhando um papel de catalização , coordenação, processamento e distribuição das informações aos usuários. </li></ul>
  38. 38. Hierarquia dos objetivos e medidas a serem monitorados . USUÁRIOS PRODUTOS FORMULADORES DE ESTRATÉGIAS FORMULADORES DE POLÍTICAS FORMULADORES DE AÇÕES REVISÃO DE ESTRATÉGIA REVISÕES DE POLÍTICAS ANÁLISES DETALHADAS Pirâmide de níveis de indicadores I Es- tratégia de DS II Desenvolvimento de políticas III Implementação e análise
  39. 39. Caixa de Ferramenta de Gestão para PME´s
  40. 40. <ul><li>OBJETIVOS GERAIS: alavancar o crescimento e inserção internacional das pequenas e médias empresas brasileiras disponibilizando, por meio da Internet, um conjunto robusto de ferramentas de gestão . </li></ul><ul><li>OBJETIVOS ESPECÍFICOS: </li></ul><ul><li>Acesso a ferramentas de gestão; </li></ul><ul><li>Identificação de oportunidades de negócios; </li></ul><ul><li>Disseminação do conhecimento de gestão empresarial; </li></ul><ul><li>Facilitação de redes e promoção de sua ação; </li></ul><ul><li>Criação de processos de aprendizagem interativos; </li></ul><ul><li>Aumento da participação no mercado nacional e internacional </li></ul>OBJETIVOS Rede de compartilhamento de competências (Parceria): Governo, IFC/Banco Mundial, Organizações de Apoio a PME´s, Empresas de TI, Business School, MinasInvest
  41. 41. Caixa de Ferramenta de gestão para Pequenas e Médias empresas (SME Toolkit) em parceria com IFC/Banco Mundial . <ul><li>O SME Toolkit é um projeto do International Finance Corporation (IFC), um braço do Grupo Banco Mundial. Consiste de quatro partes: </li></ul><ul><li>1)      Conteúdos amplos e robustos e de relevância global para PME´s, incluindo aplicativos gratuitos, formulário de negócio, ferramentas, artigos como fazer, etc. </li></ul><ul><li>2)      A “cara” da página na Internet através da qual o usuário pode localizar ou pesquisar informações. Versão em CD-ROM do toolkit pode ser produzida; </li></ul><ul><li>3)       Ferramenta de gestão de conteúdo ( “Manager”) que permite o parceiro local acrescentar, traduzir e gerenciar o conteúdo da página na WEB e navegar em múltiplos idiomas simultaneamente, assim como inserir marcas, materiais promocionais etc e </li></ul><ul><li>4)      Um currículo de treinamento detalhado baseado no Toolkit que permite os treinadores conduzir workshops práticos via internet sobre os temas de gestão empresarial. </li></ul>CONTEÚDO DO PROJETO
  42. 42. <ul><li>Após a decisão das partes, um Acordo legal de parceria é celebrado com vistas a proteger ambas as partes, assim como o direito de cópia dos parceiros de conteúdo. </li></ul><ul><li>O IFC, juntamente com a MinasInvest, desenvolve um plano de implementação baseado nos objetivos dos parceiros e recursos disponíveis. </li></ul><ul><li>O IFC disponibiliza ao parceiro uma lista de conteúdo do qual são selecionados os itens que optam ser incluídos na versão local da caixa de ferramenta de PME´s. </li></ul><ul><li>Em alguns casos, o IFC pode facilitar mudanças necessárias para a interface do usuário do aplicativo. </li></ul><ul><li>O IFC assessora no processo de tradução e outros serviços, como produção de CD-ROM. </li></ul><ul><li>O IFC instala o Portal na Internet, disponibiliza as ferramentas administrativas e treina o pessoal local. </li></ul><ul><li>O IFC pode assessorar o desenvolvimento de planos de marketing para a distribuição da Caixa de Ferramenta dentro do público alvo. </li></ul><ul><li>O parceiro de implementação passa então a ser o responsável pelo gerenciamento do conteúdo. </li></ul>ETAPAS & METODOLOGIA
  43. 43. Rede da inovação
  44. 44. <ul><li>Criar e disponibilizar ferramentas permanentes capazes de abordar a necessidade de políticas e métricas de inovação eficazes que possam traduzir o dinamismo da economia global de rede baseada no conhecimento e trazer competitividade às empresas e bem-estar à sociedade. </li></ul><ul><li>Gerar um planejamento estratégico como agenda de Governo para ser implementada tanto na demanda como na oferta de capacitações, como contribuição na melhoria dos níveis de inovação e competitividade. O planejamento tem por objetivo comprometer o governo a criar um sistema de qualificação mais responsivo e flexível. O projeto deve incluir temas de políticas Públicas como: </li></ul><ul><li>desenvolvimento de estratégias e “clusters” regionais orientados para a inovação; </li></ul><ul><li>desenvolvimento de conhecimento e capacitações e </li></ul><ul><li>internacionalização. </li></ul>Objetivos gerais Rede de compartilhamento de competências : Governo, Entidades de Pesquisa, Empresas de TI, Organizações de Fomento, MinasInvest
  45. 45. <ul><li>Criar um Painel da Inovação para avaliar o desempenho da inovação na economia global. As Métricas de qualidade e contextualizadas que reconheçam os traços inter-relacionados globais da inovação irão fomentar a compreensão Pública, ajudar os tomadores de decisão com referenciais (benchmarks) e monitorar o desempenho da inovação, melhorando a gestão Pública e as estratégias empresariais. </li></ul><ul><li>“ Para se alcançar este macro objetivo, impõe-se a adoção de metodologia baseada em indicadores de resultados, com gerenciamento intensivo, mediante clara responsabilização dos partícipes pelas metas, projetos e atividades.” (Governo de MG) </li></ul><ul><li>A iniciativa deve ser formatada e gerida holisticamente em toda a cadeia de intervenientes e coordenada pela MinasInvest em parceria com instituição com credibilidade e confiabilidade para aplicação de metodologias reconhecidas internacionalmente. </li></ul>Objetivo específico
  46. 46. <ul><li>Fomentar as ações da gestão Publica para uma agenda de inovação consistente e a longo-prazo, </li></ul><ul><li>Criar indicadores ( ‘Benchmark) de desempenho da economia com base nos padrões internacionais, </li></ul><ul><li>Chamar a atenção do tomador de decisão às questões críticas, barreiras da inovação e formas alternativas de política, </li></ul><ul><li>Servir de apoio à tomada de decisão para alavancar o crescimento da economia, do emprego e da competitividade empresarial, </li></ul><ul><li>Sinalizar oportunidades e ameaças emergentes, </li></ul><ul><li>Criar parâmetros para bancos de dados mais calibrados e confiáveis para análise de investimento, depuração de intangíveis e gestão de risco, </li></ul><ul><li>Estabelecer critérios de avaliação para programas de inovação governamentais, </li></ul><ul><li>Melhorar a compreensão da inovação, que tem sido confinada no lado empírico em função da falta de métricas apropriadas para interligar insumos, processo e produto. </li></ul>Resultados esperados do Painel da inovação
  47. 47. insumos e demanda da Inovação <ul><li>INVESTIMENTO </li></ul><ul><li>Valoração da inovação a longo prazo </li></ul><ul><li>Pesquisa multidisciplinar </li></ul><ul><li>Investimento em estágio inicial </li></ul><ul><li>Inovação em serviços </li></ul><ul><li>INFRA-ESTRUTURA </li></ul><ul><li>Infra-estrutura adequada </li></ul><ul><li>Setor Público inovador </li></ul><ul><li>Marco regulatório </li></ul><ul><li>Sistema de PI eficiente </li></ul><ul><li>TALENTO </li></ul><ul><li>Inovadores </li></ul><ul><li>Mão-de-obra adaptável </li></ul><ul><li>Capacidades em ciências e engenharia </li></ul><ul><li>Atração de talentos </li></ul><ul><li>DEMANDA DA INOVACAO </li></ul><ul><li>Macro demanda. </li></ul><ul><li>- Consumo. </li></ul><ul><li>- Empresa </li></ul><ul><li>- Governo </li></ul><ul><li>Prioridades nacionais </li></ul><ul><li>Acesso ao mercado </li></ul><ul><li>Parque industrial </li></ul><ul><li>Difusão tecnológica </li></ul><ul><li>Padrões </li></ul><ul><li>Rentabilidade </li></ul><ul><li>Valoração das ações </li></ul><ul><li>INOVACAO </li></ul><ul><ul><li>política </li></ul></ul><ul><li>estratégia </li></ul><ul><li>processo </li></ul><ul><li>visão </li></ul><ul><li>INSUMOS DA </li></ul><ul><li>INOVACAO </li></ul><ul><ul><li>criatividade </li></ul></ul><ul><li>pesquisa </li></ul><ul><li>conhecimento </li></ul><ul><li>informação </li></ul>Acelera o Nível, a Qualidade, a Eficiência e a Lucratividade Crescimento, Emprego, Padrão de vida, Riqueza, Vantagem Competitiva
  48. 48. <ul><li>Indicadores de conhecimento . Ainda contabilizamos equipamento, toneladas de aço, transações, número de PhDes, patentes: deveríamos contabilizar o conhecimento que está atrás de sua criação e os modos em que se desenvolve e se difunde. </li></ul><ul><li>Redes . As inovações contemporâneas envolvem uma gama de organizações e redes. É fundamental desenvolver indicadores compostos que contabilizem tanto os contratos comerciais como as alianças estratégicas, licenciamento da propriedade intelectual, colaboração e troca de conhecimento em todos os níveis. </li></ul><ul><li>Condições para a inovação . Demanda econômica, ambiente de políticas Públicas, infra-estrutura, atitudes sociais e fatores culturais são críticos para o êxito da inovação. Mas o que se espera é a criação de métricas sistêmicas de inovação capazes de depreender o contexto em que as organizações se formam e casar expectativas com capacitações para inovar. </li></ul>contexto O projeto visa identificar as métricas mais relevantes da 4ª Geração de inovação:
  49. 49. <ul><li>Uma nova geração de métricas da inovação abre oportunidades para aplicar novas ferramentas analíticas para avaliar políticas e escolhas estratégicas. </li></ul><ul><li>Contabilização do Crescimento : economistas serão capazes de estimar melhor o desempenho da produtividade em termos de fatores de contribuição e resultados. </li></ul><ul><li>Economia do conhecimento : indicadores compostos de conhecimento melhorarão as decisões de investimento para P&D, educação e recursos de capital. </li></ul><ul><li>Contabilização : relatórios financeiros da nova geração serão capazes de contabilizar com equilíbrio tanto os ativos físicos como os intangíveis. </li></ul><ul><li>Valoração da inovação : executivos empresariais e mercados financeiros poderão avaliar melhor o valor das atividades de P&D e intangíveis relacionados, melhorar as formas de valoração da bolsa de valores a longo-prazo e prever resultados. </li></ul><ul><li>Dinâmicas do sistema : expandir a abrangência das métricas de inovação de “tempo-real” ajudarão na construção de modelos de dinâmicas de sistema mais robustos e simulações de políticas. </li></ul><ul><li>Tecnologia de propósito geral (TPG) - análise mais acurada da contribuição estratégica da TPG que estabelece o estágio para a inovação de incremento e tem o potencial inerente para aplicação em uma ampla variedade de segmentos. </li></ul><ul><li>Desenvolvimento regional orientado para a tecnologia e formação de aglomerações produtivas (Clusters) : muda a ênfase de priorização dos insumos para as infra-estruturas de inovação com vistas à melhoria da eficiência, do ritmo e do resutado da inovação. </li></ul>visão de futuro Novas políticas e ferramentas de Análise Estratégica
  50. 50. Portal de Gestão Advocatícia
  51. 51. <ul><li>Criar um serviço completo de gestão advocatícia que integre o fluxo de negócios e de conhecimento entre empresas e escritórios especializados, maximizando o potencial de negócios e melhorando o desempenho geral do segmento (produtividade, custo, “ time-sheet”) </li></ul>OBJETIVOS GERAIS Rede de compartilhamento de competências : Invit Information Services, Investidores, MinasInvest
  52. 52. <ul><li>Criar um modelo inovador de serviços de TI ao mercado de advocacia </li></ul><ul><li>Criar um negócio com potencial de expansão internacional </li></ul><ul><li>Integrar as mais modernas tecnologias para gestão do conhecimento, colaboração e gestão de processos de negócio </li></ul><ul><li>Integrar serviços administrativos e técnicos, automação e recursos tecnológicos numa única proposta de valor </li></ul><ul><li>Criar uma comunidade digital que sirva de canal integrado aos vários serviços e produtos orientados à advocacia </li></ul><ul><li>Catalisar a maturidade administrativa e conceitual da indústria advocatícia </li></ul><ul><li>Promover a inclusão digital de pequenos e médios escritórios de advocacia </li></ul><ul><li>Apoiar as formas de Assistência Jurídica pro b ono e as escolas de Direito na formação do advogado </li></ul>OBJETIVOS ESPECÍFICOS
  53. 53. <ul><li>Serviços de automação cobrindo todo o ciclo dos serviços advocatícios, com desdobramentos em gestão da terceirização (para o segmento corporativo/departamentos jurídicos) e em funções administrativas e comerciais (para o segmento de escritórios) </li></ul><ul><li>Gestão de conteúdo (arquivologia e biblioteca) e gestão de conhecimento dentro de escritórios e departamentos e entre a comunidade </li></ul><ul><li>Mobilidade e exposição à Internet de forma a estender o escritório e maximizar a interação do profissional e do escritório com a solução de gestão, com seu cliente e com a comunidade </li></ul><ul><li>Capacitação e assessoria (técnica, administrativa e conceitual) presenciais e automatizadas, ampliando o alcance e a efetividade da solução e a maturidade dos escritórios e departamentos jurídicos </li></ul><ul><li>Agregação de conteúdo jurídico digital, serviços de apoio a atividade-fim (terceirização de processos de negócio) e serviços de conveniência ao advogado e ao escritório </li></ul><ul><li>Integração de recursos de infra-estrutura (hardware, software e telecomunicações) num único pacote comercial de gestão </li></ul>CONTEÚDO
  54. 54. <ul><li>Redefinição do mercado de soluções de gestão advocatícia </li></ul><ul><li>Criação de uma comunidade representativa, aos moldes dos recentes casos internacionais de portais verticais </li></ul><ul><li>Criação de um modelo globalizável, com substancial presença nos países de primeiro-mundo </li></ul><ul><li>Criação de serviços agregados à comunidade de advocacia, com participação econômica no volume transacional e de conhecimento gerado por ela ( broker ) </li></ul><ul><li>Aprimoramento da capacidade da indústria de serviços advocatícios </li></ul><ul><li>Melhoria da qualidade dos serviços p ro bono </li></ul>RESULTADOS ESPERADOS
  55. 55. <ul><li>Desenvolvimento de um plano de negócio e captação de investimento </li></ul><ul><li>Concepção do produto e da proposta de valor baseado no conceito de Marketing Expedicionário </li></ul><ul><li>Criação de coligações para comercialização e agregação de recursos tecnológicos e conteúdo e expertise em advocacia </li></ul><ul><li>Desenvolvimento e industrialização (automação) de serviços de consultoria em gestão advocatícia, de assessoria técnica e capacitação nas soluções </li></ul><ul><li>Estruturação das operações do portal, compreendendo operação, suporte, implantação e treinamento </li></ul><ul><li>Implementação da ações de marketing – prioridade ao mercado corporativo usando-o como pivô aos escritórios de advocacia empresarial; e utilização dos conceitos de Marketing Epidêmico para formação da comunidade </li></ul><ul><li>Extrapolação do modelo ao mercado global, através de investidor estratégico </li></ul>ETAPAS & METODOLOGIA
  56. 56. Portal de Gestão Agrícola
  57. 57. <ul><li>Criar uma plataforma de gestão agrícola que promova a cultura de planejamento e aprendizado contínuo, aumentando a competitividade das fazendas-empresas brasileiras e posicionando o país como centro de conhecimento e modelo de qualidade no setor </li></ul><ul><ul><li>Aplicar práticas de gestão agrícola e implantar certificações de qualidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Difundir conhecimento e melhores práticas agrícolas através de uma plataforma de automação alinhada e orientada a processos </li></ul></ul>OBJETIVOS Rede de compartilhamento de competências : Invit Information Services, Investidores, MinasInvest
  58. 58. <ul><li>Aumentar a eficiência e a rentabilidade das fazendas-empresas produtoras de café em 3 anos </li></ul><ul><ul><li>Aumentar o preço do produto comercializado, pela qualidade do produto e certificações de reconhecimento internacional </li></ul></ul><ul><ul><li>Estabelecer a rastreabilidade completa da produção - da preparação, plantio, tratos culturais, colheita à distribuição </li></ul></ul><ul><ul><li>Reduzir os custos de produção, pelo ganho de escala de um melhor e mais extenso planejamento da produção </li></ul></ul><ul><ul><li>Melhorar a aquisição de recursos (insumos, mão-de-obra, maquinários) pela intermediação e negociação em escala </li></ul></ul><ul><ul><li>Otimizar a integração da cadeia produtiva: demanda (maquinários, insumos e mão-de-obra) e oferta (beneficiamento, logística de armazenagem, escoamento e comercialização) </li></ul></ul><ul><li>Aumentar o volume e valor da exportação de café no Brasil em 20% em 5 anos </li></ul><ul><li>Oferecer previsibilidade e suporte gerencial à decisão do empresário agrícola, através do planejamento e acompanhamento em tempo real de todas as atividades do cultivo </li></ul><ul><li>Instituir uma cultura de planejamento nas fazendas-empresas e no meio agrícola e promover o aumento de maturidade de processos de cultivo e gestão </li></ul><ul><li>Propiciar rentabilidade crescente, pelo aprendizado contínuo obtido da maturidade dos processos e da análise das informações planejadas e realizadas, geridas pelo sistema de informação </li></ul>METAS
  59. 59. <ul><li>Estruturação e normatização dos processos de produção e de gestão agrícola, em conformidade com as exigências de certificações de qualidade de reconhecimento internacional </li></ul><ul><li>Serviços de automação cobrindo todo o processo produtivo (preparação, plantio, tratos culturais, colheita à distribuição), com desdobramentos em gestão administrativa e comercial da fazenda-empresa </li></ul><ul><li>Serviço de gestão à distância para administradores agrícolas e seus empresários, abrangendo as diretrizes, tomada de decisão e acompanhamento de resultados </li></ul><ul><li>Difusão e administração dos conhecimentos agrícolas, das próprias fazendas (aprendizado contínuo) e dos órgãos de pesquisa e desenvolvimento, fortalecendo a criação da comunidade </li></ul><ul><li>Capacitação e assessoria (técnica, administrativa e conceitual) presenciais e automatizadas, ampliando o alcance e a efetividade da solução e a maturidade das fazendas-empresas </li></ul><ul><li>Agregação de serviços de apoio a atividade-fim (terceirização de processos administrativos-financeiros) e serviços de agrônomos especialistas </li></ul><ul><li>Integração da cadeia de valor, desde a aquisição de bens e insumos de produção ao beneficiamento, logística de escoamento e comercialização </li></ul>CONTEÚDO
  60. 60. <ul><li>Impacto Econômico </li></ul><ul><li>Aumentar a rentabilidade das fazendas-empresas </li></ul><ul><li>Aumentar o valor de venda do café produzido (pela certificação de qualidade) </li></ul><ul><li>Reduzir o endividamento e falências das fazendas-empresas brasileiras produtoras de café (planejamento e gestão) </li></ul><ul><li>Aumentar o valor agregado do café brasileiro para a exportação (qualidade, beneficiamento, comercialização) </li></ul><ul><li>Aumentar a receita anual de produção de café no país (o que representa 2 bilhões de reais) em 5 anos (produtividade e valorização do café brasileiro) </li></ul><ul><li>Aumentar o superávit de exportação do café (marca, qualidade, produtividade) </li></ul>IMPACTOS
  61. 61. <ul><li>Impacto Ambiental </li></ul><ul><li>Promover a conservação, proteção e recuperação dos ecossistemas naturais das fazendas * </li></ul><ul><li>Promover a conservação da vida silvestre por meio de estratégia de proteção e integração com projetos de educação ambiental * </li></ul><ul><li>Identificar e proteger as espécies em extinção - Lista Vermelha do &quot; Internacional Union for the Conservation of Nature´s Red Book &quot; * </li></ul>IMPACTOS * Exigência da certificação de qualidade e um dos pontos de gestão do Portal
  62. 62. <ul><li>Impacto Social </li></ul><ul><li>Eliminar o trabalho infantil no campo * </li></ul><ul><li>Cumprir as normas da CLT * </li></ul><ul><li>Apoiar as escolas de administração agrícola na formação dos gestores e de mão-de-obra especializada </li></ul><ul><li>Melhorar o grau de escolaridade dos funcionários da fazenda-empresa </li></ul><ul><li>Incentivar o desenvolvimento educacional dos familiares dos trabalhadores das fazendas-empresas </li></ul><ul><li>Propiciar maior segurança no trabalho através de normas e procedimentos claros e bem difundidos entre os colaboradores das fazendas-empresas </li></ul><ul><li>Aumentar a renda dos funcionários da fazenda-empresa com melhor remuneração fixa e participação nos resultados </li></ul>IMPACTOS * Exigência da certificação de qualidade e um dos pontos de gestão do Portal
  63. 63. <ul><li>Impacto Tecnológico </li></ul><ul><li>Impulsionar a indústria nacional de TI para o modelo de software como serviço e on-demand de comercialização de software </li></ul><ul><li>Desenvolver e complementar um conjunto de competências essenciais e caracteristicamente inovadoras que efetivamente insira o país no mercado internacional de serviços profissionais </li></ul>IMPACTOS
  64. 64. Aprimoramento Genético de Oleaginosa para Biodiesel
  65. 65. <ul><li>Rede de compartilhamento de competências : BioVale Energia, Brandt Meio </li></ul><ul><li>Ambiente, Epamig, UFV, MDA, MinasInvest) </li></ul><ul><li>OBJETIVO GERAL: </li></ul><ul><li>Desenvolvimento e adensamento de processos inovadores de caráter tecnológico aplicados no cultivo do pinhão-manso micorrizado de alta produtividade e de práticas de manejo para a manutenção da biodiversidade microbiana do solo e melhoramento genético </li></ul><ul><li>Objetivos específicos: </li></ul><ul><li>• Introduzir germoplasma de pinhão-manso (jatropha curcas); </li></ul><ul><li>• Instalar um banco germoplasma; </li></ul><ul><li>• Caracterizar os acessos por meio de descritores morfo-agronômicos e marcadores moleculares; </li></ul><ul><li>• Selecionar genótipos de pinhão-manso com alto teor de óleo, visando produção de biodiesel. </li></ul><ul><li>Metas: </li></ul><ul><li>Implantar um germoplasma de pinhão-manso e caracterizar seus acessos por descritores convencionais e moleculares; </li></ul><ul><li>Lançar variedades clonais de pinhão-manso com alto teor de óleo; </li></ul><ul><li>dominar as técnicas de cultivo do pinhão-manso </li></ul><ul><li>eliminação da toxidez da planta </li></ul><ul><li>Melhoramento genético. </li></ul>Objetivos e metas
  66. 66. impacto social   Investir o desprovido produtor rural de tecnologia e capacitação para produção de oleaginosas produtivas com vistas à produção de bio-diesel para comercialização no mercado nacional e Internacional. PARA ALCANÇAR ESTE OBJETIVO, O PROJETO BIOVALE SE PROPÕE A Aumentar o seu acesso às tecnologias avançadas de sementes e mudas de alta qualidade, objeto da pesquisa ora proposta, intermediando o fortalecimento de suas capacidades e suas organizações e acesso justo aos recursos naturais produtivos.
  67. 67. <ul><li>Enquanto pelo método convencional, o plantio de mudas por sementes, as mudas produzidas serem desuniformes e levar cerca de dois anos para início da produção, a multiplicação das mudas por cultura de tecidos, ou clonagem, garante a produção de mudas uniformes, reduz esse tempo para um ano. </li></ul><ul><li>Adicionalmente, ao se realizar a inoculação das mudas com fungos micorrízicos arbusculares, essas mudas podem florescer em até 7 meses. Além da aceleração do crescimento, essa técnica in vitro de produção de mudas de pinhão manso micorrizado resulta em uma produtividade e biomassa mais elevadas, da ordem de 30%. </li></ul><ul><li>A associação de mudas com fungos micorrízicos arbusculares (FMAs) contribui para o desenvolvimento vegetal, refletindo não apenas no aumento da biomassa vegetal e na morfogênese radicular, mas também no controle biológico à pragas e doenças, na eficácia de utilização de água e nutrientes e na redução do estresse durante o transplantio das mudas para o campo. </li></ul>impacto tecnológico
  68. 68. <ul><li>Estima-se que o mercado mundial alvo para biocombustíveis é de aproximadamente US$1.9 trilhões até o ano 2020. </li></ul><ul><li>MERCADO INTERNO : O Brasil apresenta reais condições para se tornar um dos maiores produtores de biodiesel do mundo por dispor de solo e clima adequados ao cultivo de oleaginosas. </li></ul><ul><li>A lei 11 097/2005 estabelece o uso obrigatório de mistura de biodiesel ao diesel fóssil , com demanda atual de 43 bilhões de litros ao ano!! </li></ul><ul><li>Portanto, mercado de 2007 a 2012 - 860 milhões litros/ano com Mercado Potencial de 1.3 bilhões/ano. Mercado a partir de 2013: (com base na demanda atual):2.2 bilhões litros/ano. </li></ul><ul><li>MERCADO EXTERNO : o biodiesel é utilizado comercialmente nos Estados Unidos e em países da União Européia. O total produzido na Europa já ultrapassa 1 bilhão de litros por ano, tendo crescido à taxa anual de 30% entre 1998 e 2002. A União Européia definiu meta de que até 2015, o percentual deve ser de 5,75%. Ressalta-se o fato de que o continente Europeu ter restrições quanto à área de cultivo disponível para oleaginosas afetando a sua capacidade industrial, no que abre oportunidades ao Brasil para exportar seu biocombustível. </li></ul>Mercado
  69. 69. <ul><li>O projeto pode trazer substantivo fortalecimento econômico criando renda e oportunid ad e de emprego tanto às comunidades rurais como aos empreendedores. </li></ul><ul><li>O projeto pode ser utilizado como um elemento crucial para estimular um sistema circular combinando efeitos ecológicos, econômicos e de geração de renda (HEN. 1994), principalmente ás comunidades rurais susceptíveis a seca nas regiões semi-áridas do Brasil. </li></ul>tecnologia como agente de mudanca <ul><li>O projeto promove os principais aspectos do desenvolvimento com vistas a alcancar um modo de vida sustentável para os pequenos agricultores em termos de energia renovável, controle da erosão, fortalecimento e desenvolvimento socio-econômico. </li></ul>
  70. 70. Metas produtivas <ul><ul><ul><ul><li>Implantação de 29.000 mil hectares de lavoura de pinhão- manso em 14 municípios da Bacia do Rio Araçuaí, no Jequitinhonha </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Produção de 40.000 toneladas/ao ano de óleo vegetal de pinhão-manso para a produção de biodiesel. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Instalação de parque industrial de extração de óleo vegetal e sub-produtos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Criação de associações de plantadores de pinhão-manso e de cooperativas de produção de óleo vegetal e biodiesel </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>M elhorar os níveis de segurança alimentar, promovendo a adoção de tecnologias dirigidas ao manejo sustentável dos cultivos no modelo agroflorestal </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Educação de 14.620 mil famílias sobre métodos alternativos de convivência com o semi-árido (2 hec por família) </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>produção de feijão consorciado para subsistência e comercialização do excedente </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Reforçar as organizações comunitárias para sua autogestão sobre a base do processo participativo, de autodiagnose e priorização das necessidades e potencialidades locais </li></ul></ul></ul></ul>
  71. 71. <ul><li>O principal objetivo do Projeto BioVale é congregar capacitações e interesses de vários agentes envolvidos na cadeia produtiva do bio-diesel aportando recursos e difundido conhecimento e tecnologia </li></ul><ul><li>Os benefícios das parcerias são de grande importância em função da complementariedade de capacitações entre os diversos agentes/intervenientes. </li></ul><ul><li>Parcerias com diversas organizações, inclusive internacionais, podem dinamizar e diminuir a curva de aprendizagem e aportar competitividade para acelerar o programa de bio-diesel do Estado de MG e do Brasil. </li></ul>aglomeração de competências INOVAÇÃO DESEMPENHO AMBIENTE DE NEGÓCIOS COLABORAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO COMPOSIÇÃO ECONÔMICA PRODUTIVIDADE ESTRATÉGIA AGLOMERAÇÃO PRODUTIVA (CLUSTER)
  72. 72. A NETWORK OF BUSINESS AND PEOPLE

×