Médiuns, Família Fox e Espiritualismo

140 visualizações

Publicada em

Médiuns, Família Fox e Espiritualismo

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
140
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Médiuns, Família Fox e Espiritualismo

  1. 1. Osvaldo Camargo Bräscher – Blog da Revista Espírita Roteiro de Luz Página 1 MÉDIUNS PRECURSORES DO ESPIRITUALISMO Emmanuel Swedenborg, Edward Irving e Andrew Jackson Davis são médiuns precursores das doutrinas surgidas com as manifestações espirituais coletivas. Emanuel von Swedenborg (1688-1772) nasceu na Suiça. Aos 57 anos de idade começou a ter visões espirituais. Em seus livros afirmou: “De modo algum o homem muda com a morte. Leva consigo não só as suas forças, mas os seus hábitos mentais adquiridos, as suas preocupações, os seus preconceitos.” O escocês Edward Irving (1792-1834) sempre atraiu a atenção dos humildes ao pregar para duas mil pessoas em uma grande igreja. Trabalhando como cura, buscava satisfazer as necessidades dos mais humildes dia e noite. Escreveu livros que geraram grandes controvérsias e forte oposição das autoridades de sua igreja. Andrew Jackson Davis (1826-1910) descendia de família humilde. Sua faculdade mediúnica desabrochou quando tinha apenas 17 anos. Fez inúmeras previsões (o aparecimento do automóvel, máquinas de escrever, veículos aéreos) e em 1847 declarou que iriam dar-se, em breve, manifestações de espíritos por toda a parte. E realmente, em 31 de março de 1848 a sra. Margaret Fox inicia os contatos com o mundo espiritual através de ruídos, na cidade de Hydesville, nos Estados Unidos, dando início ao advento do Espiritualismo. Exatamente no mesmo dia 31 de março de 1848, Davis registrou no seu caderno de notas o seguinte: “Esta madrugada, um sopro quente passou pela minha face e ouvi uma voz, suave e forte, que me disse: “Irmão, um bom trabalho foi começado – olha! Surgiu uma demonstração viva”. Com essa previsão, Andrew Jackson Davis ficou conhecido como “o profeta da Nova Revelação”.
  2. 2. Osvaldo Camargo Bräscher – Blog da Revista Espírita Roteiro de Luz Página 2 FAMÍLIA FOX, de Hydesville Ruídos constantes impediram a Família Fox de dormir no final do mês de março de 1848. O ruído causava uma vibração possível de ser sentida colocando-se a mão sobre uma cadeira ou também nos estrados das camas. Quando estavam de pé podiam sentir tremores no chão. A filha mais nova de 12 anos começou a estalar os dedos para repetir o som dos ruídos, e logo o ruído começou a imitá-la fazendo pancadas ritmadas na madeira. A filha de 15 anos bateu palmas e disse para o ruído: - agora faça como eu faço: bata um, dois, três, quatro! Os sons que ela produziu foram repetidos pelos ruídos. A Sra. Margaret Fox falou para o ruído: conte até dez! e ele deu dez pancadas na madeira. A mãe das meninas então fez 30 perguntas que foram respondidas e chamou os vizinhos. Durante vários dias 400 pessoas vieram fazer perguntas ao espírito que respondia por pancadas na madeira. William Duesler, da cidade vizinha de Arcadia, visitou a família Fox e ao fazer perguntas ao espírito, criou o método de telegrafia espiritual: “Falando cada uma das letras do alfabeto, procurei saber as primeiras letras do nome dele. Comecei pela letra A, na qual não houve ruído. Quando cheguei no C, ele fez o ruído. Continuei até o final do alfabeto mas não ouvimos nenhum ruído. Então fiz a mesma coisa para obter a inicial do seu sobrenome; e quando eu perguntei se era B, ocorreu um ruído. (Reportagem sobre os Ruídos Misteriosos na Casa de John Fox, E.E.Lewis, Power Press of Shepard & Reed, Canandaigua, 1848)
  3. 3. Osvaldo Camargo Bräscher – Blog da Revista Espírita Roteiro de Luz Página 3 O ESPIRITUALISMO Em uma das comunicações por meio de ruídos obtidas no círculo de Rochester, os espíritos afirmaram: “Queremos que vocês façam sessões para o grande público.” Perguntamos então aos espíritos se isso não iria levar-nos ao constrangimento perante os incrédulos. Os espíritos responderam: "Se tal ocorrer, será ainda melhor para vocês, porque seu triunfo será muito maior." A 14 de novembro de 1849 os espiritualistas realizaram a sua primeira reunião no Corinthian Hall. A assistência ouviu com atenção a exposição feita pelo sr. Capron, de Auburn, o orador principal. Foi então escolhida uma comissão de cinco cidadãos representativos para examinar o assunto e fazer um relatório na noite seguinte, em nova reunião da assembleia. O livro “Instruções Práticas sobre Mesas Moventes com Demonstrações Físicas” afirma em seu primeiro capítulo: “Em 1849, três moças: Anne Leah Fish, Margaret e Catherine Fox, irmãs, atendendo a um curioso impulso, uniram-se para formar uma seita religiosa. As senhoritas Fox deram aos correligionários o nome de Espiritualistas porque atribuem a si mesmas o poder de estabelecer contato com os espíritos dos mortos. A primeira reunião dos Espiritualistas teve lugar no dia 14 de novembro de 1849, no Corinthian Hall, na cidade de Rochester. (Título do original: Practical instructions in Table Moving, with Physical Demonstrations, by a Physician, Hippolyte Bailliere, London, 1853) No ano de 1849, o jornal Rochester Daily Democrat publica no dia 16 de novembro; “Eis a forma pela qual um espírito pode enviar telegramas do mundo espiritual para a terra: uma pessoa faz as perguntas – e essa pessoa poderá ser você, se você quiser – repetindo o alfabeto em voz alta, e ao pronunciar a primeira letra da palavra, seja ela qual for, um ruído se ouve no recinto. Em seguida, repita novamente o alfabeto, e assim por diante até que toda a frase esteja completa. Este método de conversar com espíritos foi descoberto recentemente, e parece possível de realizar maravilhosamente seu intento. Poucas pessoas conseguirão resistir a ter uma conversa com esse fantasma tão competente em Hydesville que consegue responder de uma forma que todos ouçam.”

×