Excertos biográficos de Allan Kardec

224 visualizações

Publicada em

Excertos biográficos de Allan Kardec

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
224
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Excertos biográficos de Allan Kardec

  1. 1. Osvaldo Camargo Bräscher – Blog da Revista Espírita Roteiro de Luz Página 1 EXCERTOS BIOGRÁFICOS DE ALLAN KARDEC Allan Kardec nasceu em Lyon, e cresceu na cidade de Bour de l’Ain. Allan Kardec nasceu na cidade de Lyon, na França, a 3 de outubro de 1804, recebendo na pia batismal o nome de Hippolyte. Seu pai se chamava Jean Baptiste Antoine Rivail. Seu nome era Hippolyte Léon Denizard Rivail. (A Missão de Allan Kardec, Carlos Imbassahy) Ato original do nascimento de Rivail: Em doze vendemiário do ano treze — Ato de nascimento de Denisard, Hypolite Léon Rivail, nascido ontem às sete horas da noite, filho de Jean Baptiste Antoine Rivail, homem de lei; residente em Bourg de l’Ain, e atualmente em Paris, e de Jeanne Louise Duhamel, sua esposa, que estava presentemente em Lyon, na rua Sala, nº 74”. (Revista Reformador, da Federação Espírita Brasileira, do autor francês Charles Kempf, traduzida para o Português por Ivonne Molinaro Ghiggino, Reformador abril de 2014, FEB) Educado a partir dos 11 anos de idade na Escola de Pestalozzi (gravura ao lado), em Yverdun (Suíça), Hippolyte tornou-se um dos mais zelosos propagandistas do sistema de educação pestaloziano, que tão grande influência exerceu sobre a reforma do ensino na França e na Alemanha. (Guia do Cursista, Ministério da Educação, Brasília, 2009) Nascido sob a religião católica, mas educado num país protestante, os atos de intolerância que por isso teve de suportar, no tocante a essa circunstância, cedo o levaram a conceber a ideia de uma reforma religiosa, na qual trabalhou em silêncio durante longos anos com o intuito de alcançar a unificação das crenças. (Biografia de Allan Kardec, Revista Espírita, maio de 1869) Concluídos seus estudos, Hippolyte voltou para a França com 19 anos de idade. Conhecendo a fundo a língua alemã, traduzia para a Alemanha diferentes obras de educação e de moral. (Biografia de Allan Kardec, Obras Póstumas) Escreveu numerosas obras de educação, entre eles o Plano proposto para melhoramento da Instrução pública, em 1828 (gravura ao lado). (Biografia de Allan Kardec, Revista Espírita, maio de 1869) KARDEC FUNDOU UMA ESCOLA Em Paris fundou um Instituto Técnico à rua Sèvres, n° 35, nos moldes de Pestalozzi. Sabe-se que teve como sócio um tio materno, jogador inveterado, que levou o Instituto à liquidação. A quota do dr. Rivail (de 45.000 francos) foi colocada em comandita na firma de uns amigos que, pouco depois, declararam falência. O jovem não desanimou: passou a fazer traduções, a preparar cursos em colégios e institutos, e ainda achava tempo para dar cursos gratuitos. (Biografia de Allan Kardec, Julio de Abreu Filho, Pensamento Social Editora)
  2. 2. Osvaldo Camargo Bräscher – Blog da Revista Espírita Roteiro de Luz Página 2 KARDEC ASSISTE A UMA REUNIÃO DE MESAS GIRANTES Hippolyte assiste a uma reunião no dia 1º de maio de 1855 às oito horas da noite, na casa da Sra. Plainemaison. Foi aí que, pela primeira vez, presenciou o fenômeno das mesas que giravam, saltavam e corriam em condições tais que não deixavam lugar para qualquer dúvida. Assistiu então a alguns ensaios, muito imperfeitos, de escrita mediúnica numa ardósia, com o auxílio de uma cesta. Buscou descobrir qual seria a causa daquelas ocorrências. Entreviu a descoberta de uma nova lei, a qual resolveu estudar a fundo. (Allan Kardec, Obras Póstumas, A minha primeira iniciação no Espiritismo) KARDEC PASSA A FREQUENTAR UM SEGUNDO GRUPO Bem depressa, ocasião se me ofereceu de observar mais atentamente os fatos, como ainda o não fizera. Numa das reuniões da Sra. Plainemaison, travei conhecimento com a família Baudin, que residia então à rua Rochechouart. O Sr. Baudin me convidou para assistir às sessões hebdomadárias que se realizavam em sua casa e às quais me tornei desde logo muito assíduo. (Allan Kardec, Obras Póstumas, A minha primeira iniciação no Espiritismo) O RESULTADO DAS PRIMEIRAS OBSERVAÇÕES DE KARDEC Um dos primeiros resultados que colhi das minhas observações foi que os Espíritos, nada mais sendo do que as almas dos homens, não possuíam nem a plena sabedoria, nem a ciência integral; que o saber de que dispunham se circunscrevia ao grau, que haviam alcançado, de adiantamento, e que a opinião deles só tinha o valor de uma opinião pessoal. (...) Vi logo que cada Espírito, em virtude da sua posição pessoal e de seus conhecimentos, me desvendava uma face daquele mundo, do mesmo modo que se chega a conhecer o estado de um país, interrogando habitantes seus de todas as classes, não podendo um só, individualmente, informar-nos de tudo. Compete ao observador formar o conjunto, por meio dos documentos colhidos de diferentes lados, colecionados, coordenados e comparados uns com outros. Conduzi-me, pois, com os Espíritos, como houvera feito com homens. Para mim, eles foram, do menor ao maior, meios de me informar e não reveladores predestinados. (Allan Kardec, Obras Póstumas, A minha primeira iniciação no Espiritismo) O PROTETOR ZÉFIRO “Uma noite, seu Espírito protetor Zéfiro deu-lhe, por um médium, uma comunicação toda pessoal, na qual lhe dizia, entre outras coisas, tê-lo conhecido em uma precedente existência, quando, ao tempo dos Druidas, viviam juntos nas Gálias. Ele se chamava, então, Allan Kardec, e, como a amizade que lhe havia votado só fazia aumentar, prometia-lhe esse Espírito secundá-lo na tarefa muito importante a que ele era chamado, e que facilmente levaria a termo.” (Biografia de Allan Kardec, Henry Sausse)
  3. 3. Osvaldo Camargo Bräscher – Blog da Revista Espírita Roteiro de Luz Página 3 ALLAN KARDEC RETORNA ÀS SESSÕES “Levava para cada sessão uma série de questões preparadas e metodicamente dispostas. Eram sempre respondidas com precisão, profundeza e lógica. A partir de então, as sessões assumiram caráter muito diverso. Entre os assistentes contavam- se pessoas sérias, que tomaram por elas vivo interesse e, se me acontecia faltar, ficavam sem saberem o que fazer. As perguntas fúteis haviam perdido, para a maioria, todo atrativo.” (Allan Kardec, Obras Póstumas, A minha primeira iniciação no Espiritismo) “A princípio o Sr. Rivail, longe de ser um entusiasta dessas manifestações e absorvido por outras preocupações, esteve a ponto de as abandonar, o que talvez tivesse feito se não fossem as instantes solicitações dos Srs. Carlotti, René Taillandier, membro da Academia das Ciências, Tiedeman-Manthêse, Sardou, pai e filho, e Didier, editor, que acompanhavam havia cinco anos o estudo desses fenômenos e tinham reunido cinquenta cadernos de comunicações diversas, que não conseguiam pôr em ordem. Conhecendo as vastas e raras aptidões de síntese do Sr. Rivail, esses senhores lhe enviaram os cadernos, pedindo-lhe que deles tomasse conhecimento e os pusesse em termos —, os arranjasse. Este trabalho era árduo e exigia muito tempo, em virtude das lacunas e obscuridades dessas comunicações; e o sábio enciclopedista recusava-se a essa tarefa enfadonha e absorvente, em razão de outros trabalhos.” (Biografia de Allan Kardec, Henry Sausse) KARDEC ASSUME SUA MISSÃO “Eu, a princípio, cuidara apenas de instruir-me; mais tarde, quando vi que aquilo constituía um todo e ganhava as proporções de uma doutrina, tive a ideia de publicar os ensinos recebidos, para instrução de toda a gente. Foram aquelas mesmas questões que, sucessivamente desenvolvidas e completadas, constituíram a base de O Livro dos Espíritos. No ano seguinte, em 1856, frequentei ao mesmo tempo as reuniões espíritas que se celebravam à rua Tiquetone, em casa do Sr. Roustan e Srta. Japhet, sonâmbula. Eram sérias essas reuniões e se realizavam com ordem. As comunicações eram transmitidas por intermédio da Srta. Japhet, médium, com auxílio da cesta de bico. Estava concluído, em grande parte, o meu trabalho e tinha as proporções de um livro. Eu, porém, fazia questão de submetê-lo ao exame de outros Espíritos, com o auxílio de diferentes médiuns. Lembrei-me de fazer dele objeto de estudo nas reuniões do Sr. Roustan. Ao cabo de algumas sessões, disseram os Espíritos que preferiam revê-lo na intimidade e marcaram para tal efeito certos dias nos quais eu trabalharia em particular com a Srta. Japhet, a fim de fazê-lo com mais calma e também de evitar as indiscrições e os comentários prematuros do público. Não me contentei, entretanto, com essa verificação; os Espíritos assim me haviam recomendado. Tendo-me as circunstâncias posto em relação com outros médiuns, sempre que se apresentava ocasião eu a aproveitava para propor algumas das questões que me pareciam mais espinhosas. Foi assim que mais de dez médiuns prestaram concurso a esse trabalho. Da comparação e da fusão de todas as respostas, coordenadas, classificadas e muitas vezes retocadas no silêncio da meditação, foi que elaborei a primeira edição de O Livro dos Espíritos, entregue à publicidade em 18 de abril de 1857.” (Allan Kardec, Obras Póstumas, A minha primeira iniciação no Espiritismo)
  4. 4. Osvaldo Camargo Bräscher – Blog da Revista Espírita Roteiro de Luz Página 4 MÉDIUNS QUE COLABORARAM COM ALLAN KARDEC “Na ingente tarefa de codificação do Espiritismo, Allan Kardec contou com o valioso concurso de três meninas que se tornaram as médiuns principais no trabalho de compilação de "O Livro dos Espíritos": Caroline Baudin, Julie Baudin e Ruth Celine Japhet. As duas primeiras foram utilizadas para a concatenação da essência dos ensinos espíritas e a última para os esclarecimentos complementares. Ultimada a obra e ratificados todos os ensinamentos ali contidos, por sugestão dos Espíritos, Allan Kardec recorreu a outros médiuns, estranhos ao primeiro grupo, dentre eles Japhet e Roustan, médiuns intuitivos; a senhora Canu, sonâmbula inconsciente; Canu, médium de incorporação; a Sra. Leclerc, médium psicógrafa; a Sra. Clement, médium psicógrafa e de incorporação; a Sra. De Pleinemaison, auditiva e inspirada; Sra. Roger, clarividente; e Srta. Aline Carlotti, médium psicógrafa e de incorporação.” (Biografia de Allan Kardec, Grandes Vultos do Espiritismo, Paulo Alves Godoy) PRIMEIRA SOCIEDADE ESPÍRITA “A primeira sociedade espírita regularmente constituída foi fundada por Allan Kardec, em Paris, no dia 1º de abril de 1858. Seu nome era "Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas". A ela o codificador emprestou o seu valioso concurso, propugnando para que atingisse os nobilitantes objetivos para os quais foi criada.” (Biografia de Allan Kardec, Grandes Vultos do Espiritismo, Paulo Alves Godoy) Perguntas e respostas sobre Allan Kardec 1. Quando e onde nasceu Allan Kardec? Resposta: Em Lyon, na França, aos 03 de outubro de 1804, filho de Jean Baptiste Antoine Rivail e de Jeanne Louise Duhamel. 2. Onde completou seus estudos? Resposta: Em Iverdum, na Suiça. 3. Qual a religião da família onde nasceu Kardec? Resposta: Catolicismo. 4. Que fundou Kardec à rua Sévres, 35 ? Resposta: Um estabelecimento de ensino nos moldes da Escola de Pestalozzi. Trata-se do Instituto Técnico Rivail. 5. Com quem Kardec se associou, em seu colégio, à Rua Sévres, 35 e que lhe aconteceu? Resposta: Com um tio materno. O tio de Kardec, amante do jogo, perdeu grandes quantias, o que obrigou Kardec a liquidar o estabelecimento, cabendo a cada um 45.000 francos. Essa importância foi depositada na casa de um amigo, que faliu, perdendo Kardec todo o seu dinheiro. 6. Como passou a viver Kardec ? Resposta: Fazia contabilidade de lojas comerciais, preparava cursos em colégios e institutos, e ainda achava tempo para dar cursos gratuitos.
  5. 5. Osvaldo Camargo Bräscher – Blog da Revista Espírita Roteiro de Luz Página 5 7. Quando e onde Kardec assistiu pela primeira vez, os fenômenos das mesas girantes ? Resposta: Foi em maio de 1855, na cada da sra. Plainemaison, a convite do sr. Pâtier. 8. Depois das reuniões em casa da sra. Plainemaison, onde Kardec prosseguiu em suas observações? Resposta: Na casa da família Baudin. 9. Qual foi o resultado de suas primeiras observações? Resposta: 1 – que os espíritos, sendo as almas dos homens, não tinham nem a soberana sabedoria, nem a soberana ciência; 2 – que o seu saber era limitado ao grau de seu adiantamento, e que sua opinião não tinha senão o valor de uma opinião pessoal. Isto preservou Kardec de formular teorias prematuras, apenas com a comunicação de um só ou de alguns espíritos. 10. Por que Kardec esteve na iminência de abandonar suas observações? Resposta: A princípio Kardec não se entusiasmou pelo fenômeno, pois estava absorvido por suas ocupações como contador. 11. Quais foram as pessoas que, precursores do Espiritismo, aconselharam Allan Kardec a perseverar Resposta: Victorien Sardou Antoine Sardou Pierre-Paul Tiedeman- Manthêse Saint-René Taillandier Srta Ruth Celine Japhet 12. Que entregaram esses Srs. A Kardec, e por quê? Resposta: Entregaram a Kardec 50 cadernos de comunicações recebidas em 5 anos, pois conheciam bastante o seu poder de síntese e de ordenação. 13. Onde foi buscar o pseudônimo de Allan Kardec? Resposta: Um espírito lhe revelou que haviam vivido entre os druidas, na Gália, e então o Codificador se chamava Allan Kardec. 14. Disposto Kardec à obra de sintetizar e coordenar os 50 cadernos, que rumo tiveram as sessões do Sr. Baudin? Resposta: As sessões então passaram a ter um objetivo sério e Kardec propunha aos Espíritos uma sequência de perguntas já preparadas e metodicamente dispostas. As perguntas versavam sobre filosofia, psicologia e natureza do mundo invisível. 15. Esse trabalho de Kardec, que livro veio a formar? Resposta: O Livro dos Espíritos.
  6. 6. Osvaldo Camargo Bräscher – Blog da Revista Espírita Roteiro de Luz Página 6 16. Assinale o nome dos médiuns que colaboraram com Allan Kardec Resposta: Caroline Baudin ; Julie Baudin ; Ruth Celine Japhet Roustan ; Sra. Canu ; Sr. Canu ; Sra. Leclerc Carlotti ; Sra. De Plainemaison ; Sra. Roger ; Sra. Clement 17. Quando foi fundada a primeira sociedade espírita do mundo, e qual era o seu nome? Resposta: Foi fundada no dia 1o. de abril de 1858. Seu nome era "Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas".

×