Networking | Gestão de Redes de Negócios




         Gestão de
         Redes de Negócios
        Sua eficiência e casos ...
Gestão de Redes de Negócios | Networking



força da indústria japonesa, principalmente a bélica,        empregador em seg...
Networking | Gestão de Redes de Negócios



          entre o modelo econômico japonês e a metodologia de gestão de redes ...
Networking | Gestão de Redes de Negócios



         crédito de acordo com o respectivo contrato acertado         mercado,...
Gestão de Redes de Negócios | Networking



        O que ficará evidente é muito simples. Uma vez                     alé...
Gestao de Redes de Negocios
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gestao de Redes de Negocios

2.806 visualizações

Publicada em

Mundo PM no. 17 Out/Nov, 2007

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.806
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
41
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestao de Redes de Negocios

  1. 1. Networking | Gestão de Redes de Negócios Gestão de Redes de Negócios Sua eficiência e casos de sucesso Octavio Pitaluga Neto | CNO da Top Executives Net Na edição 15 da MundoPM, apresentei o CNO – Chief Networking Officer como o perfil da liderança a ser exercida no futuro, na medida em que esse profissional é um gestor de portfólio de projetos estratégicos em fina sintonia com sua equipe na implementação do projeto de gestão de redes de negócios. Neste artigo, focarei em apresentar evidências sobre a altamente comprovada eficiência dessa abordagem.Relatarei o modelo japonês e um caso de sucesso muito próximo ocorrido no mercado Europeu. Além disso, darei um rápido insight sobre os primeiros passos na sua implementação e na avaliação de eventuais falhas na implementação desse tipo de projeto. Modelo japonês claro, mas que por má gestão acabaram por não trazer Há vários anos, decidi estudar o idioma japonês na os benefícios esperados. tentativa de entender como um país que possui 1/25 Prefiro dar alguns passos atrás na rica história do da extensão territorial do Brasil, com apenas 25% de Japão para procurar responder a esse ponto. Até 1868, terras agricultáveis, sem qualquer reserva de petróleo e e por um período de cerca de 200 anos, o Japão esteve matérias-primas necessárias para ter uma indústria de fechado ao mundo exterior e dominado pelo sistema ponta, com uma população na ordem de 130 milhões dos senhores feudais (daimyos) com sua economia basicamente ancorada no plantio do arroz e na pesca. de habitantes, localizada sobre o círculo de fogo do Coube ao Imperador Meiji iniciar um processo de Pacífico e constantemente afetada por terremotos, modernização da economia do Japão, notoriamente conseguiu em apenas 35 anos (1945 – 1980) sair de conhecido como Era Meiji (1868-1912), que lançou as uma condição de nação derrotada na Segunda Grande bases do Japão industrial moderno. Guerra Mundial à segunda potência econômica do O principal foco foi em treinamento e educação de mundo moderno com uma renda per capita estimada toda força de trabalho. Naquela época, apenas 14% da em U$ 33.000 e um PIB de U$ 4.6 trilhões (2006). população japonesa era alfabetizada. Ao final da era Alguns poderão argumentar que devido ao Plano Meiji, o país contava com mais de 85% de literatos. Marshall, que foi o principal plano dos Estados Unidos Estima-se que hoje o Japão tenha cerca de 98% de para a reconstrução dos países aliados da Europa nos sua população com o segundo grau completo. Nesse anos seguintes à Segunda Guerra Mundial. E, por mesmo período, por um lado, os japoneses enviaram conseguinte, na tentativa de deter o avanço do bloco profissionais das mais diversas áreas ao exterior para soviético e totalitário da antiga União Soviética e tam- capacitação no que tinha de mais moderno. Por outro bém por entenderem o grande potencial da indústria lado, diversos especialistas internacionais foram convi- japonesa, os Estados Unidos passaram a investir dados a lecionar no Japão. Esses professores (senseis) consideráveis somas que ajudaram na reconstrução do capacitaram os demais ao retornar ao país. país. De fato, não há como negar que o aporte america- Nesse momento, as famílias que detinham o poder no tenha contribuído significativamente. Entretanto, a econômico eram originárias dos shoguns. Elas come- história também nos traz inúmeros casos de inversões çaram a se organizar em forma de rede de negócios, de grandes somas de capital, com objetivo específico e zaibatsus, grandes grupos industriais japoneses. A 58 Mundo Project Management
  2. 2. Gestão de Redes de Negócios | Networking força da indústria japonesa, principalmente a bélica, empregador em segundo lugar e de si próprio por fim. começaria a ficar evidente quando eles venceram a Quando trabalhei para uma das principais tradings em Guerra Sino-Japonesa (1894-1895) e a Guerra Russo-Ja- meados dos anos 90, tive acesso a uma publicação com ponesa (1904-1905). todos os escritórios, nomes, cargos e informações de Com a derrota na Segunda Grande Guerra Mun- contato de todos os executivos japoneses que trabalha- dial e intervenção militar e econômica imposta logo vam em sogo-shoshas ao redor do mundo. em seguida, os zaibatsus foram declarados extintos. Sua composição acionária média é dividida da Entretanto, o que os americanos não conseguiram seguinte forma: 20% estão pulverizados pelos bancos e nem jamais conseguiriam fazer é destruir o conceito outros 20% pelas seguradoras que compõe o keirestu. de gestão de redes de negócios que já estava embebido Os demais 60% estão pulverizados nas mãos de todas as na cultura japonesa. Assim, aos poucos, as empresas demais empresas – fabricantes de produtos e fornecedo- foram se reorganizando ao redor de um conceito de res de serviços – que compõem o keiretsu. rede de negócios ainda mais moderno e poderoso, os Em verdade, as trading japonesas atuam como um keiretsus. posto avançado de inteligência de negócios do Japan Inc. Os keirestus mantiveram as mesmas raízes dos O fluxo de informação é contínuo. Existem profissionais shoguns e das famílias que detinham o poder econômi- altamente capacitados cujo trabalho é simplesmente co no Japão da Era Meiji. São mais facilmente conhe- manter a base de dados perfeitamente atualizada. É a cidos pelo pilar-chave de suas operações mundiais que famosa inteligência competitiva. Informação é poder. são as sogo shoshas, grandes trading companies: Mitsui, Conhecer os “decisores” e pronto, acesso a eles é poder. Mitsubishi, Itochu, Marubeni, Sumitomo e Sojitsu, Simples assim. apenas para citar algumas das principais. Apenas como Esses dados chegam até os Oyabuns. Eles são os “se- referência do gigantismo dessas organizações, o fatura- nhores do tempo” e atuam como um conselho superior mento anual do grupo Mitsui em 2007 foi da ordem de que pensa o Japan Inc por 10, 20, 50 ou 100 anos. Esse U$ 41.3 bilhões. conselho é composto por representantes das trading O keiretsu é composto por empresas de indústrias companies. São os chamados “old boys”. Possuem não distintas, como a automotiva, a naval, a de aço, a têxtel, apenas um currículo impecável como principalmente a de bebidas, a de eletroeletrônicos, etc., ou seja, toda um código de ética indestrutível. Como na sociedade uma vasta linha de produtos e serviços integrados e japonesa as decisões ocorrem através de consenso e após complementares. Assim, as empresas que compõem um amplo e detalhado debate entre todos os “decisores”, um específico keirestu possuem interesse acionário em o papel dos oyabuns é o de planejar o Japão do futuro. outras empresas do mesmo keiretsu. Dessa forma, todas Cada setor – automotivo, naval, aço, têxteis, bebidas, ele- as empresas estão organizadas em redes de negócios e troeletrônicos, etc. – possui o seu conselho de oyabuns. totalmente comprometidas com o sucesso e solidárias Obviamente que muitos deles encontram-se no Keidan- com as dificuldades das empresas do grupo. ren, Federação das Indústrias do Japão. A sogo shoshas é o braço comercial do keiretsu. As sogo shoshas atuam em conformidade com as Tudo o que é produzido pelas empresas que compõem decisões dos oyabuns para cada um dos seus setores. o keiretsu é comercializado pela respectiva trading, tanto Nesse ponto elas são meros braços operacionais e de no mercado interno quanto no mercado externo. Apesar implementação da visão macroestratégica desenvolvida dos seus mais de 100 escritórios internacionais por cada pelos Oyabuns. As decisões dos membros do conselho trading, 70% do seu faturamento é oriundo do mercado são consideradas inquestionáveis em função da des- interno no qual elas competem entre si ferozmente. tacada e reconhecida liderança de seus membros. Em Quando estão no estrangeiro, os executivos japoneses minhas viagens ao Japão, tive o prazer e o privilégio de se reúnem pelo menos uma vez por mês, todos os conhecer dois executivos que eram oyabuns. No relacio- meses, num evento chamado de shoshakai (reunião namento com os japoneses é importante evitar um estilo das shoshas). Nesses eventos, os executivos japoneses de confronto. Recomenda-se o alinhamento com suas compartilham suas experiências com seus colegas e metas de longo prazo na medida do possível. No Brasil, identificam eventuais oportunidades de colaboração. encontramos na Usiminas e na CVRD – Compania Interessante notar que as tradings parecem trabalhar de Vale do Rio Doce – exemplos claros dessa bem-sucedida forma mais colaborativa e menos competitiva no que diz abordagem. respeito aos negócios internacionais. É o que entendo A Coréia do Sul também está organizada de forma como Japan Inc, ou seja, todos os japoneses estão prima- semelhante. Basta mudar o termo sogo shosha por cha- riamente comprometidos e responsáveis por defender ebol e aplicar basicamente o mesmo conceito de gestão os interesses do próprio país em primeiro lugar, de seu de redes de negócios. Na figura 1 fazemos um paralelo Outubro/Novembro 2007 | www.mundopm.com.br 59
  3. 3. Networking | Gestão de Redes de Negócios entre o modelo econômico japonês e a metodologia de gestão de redes de brasileiro a trabalhar num grande negócios apresentada anteriormente. Assim, veremos que conselho dos grupo de telecomunicações sue- oyabuns se posiciona como o poder de decisão centralizado que representa- co como diretor de Marketing e mos pela figura do CNO – Chief Networking Officer nas organizações. As Vendas Europa da subsidiária de trading companies representam as diversas equipes de gestores de projetos transações eletrônicas de cartões de que são responsáveis pelo trabalho do dia-a-dia e da implementação da es- crédito. Na época, a empresa tinha tratégia desenhada pelos oaybuns assim como de manter o fluxo constante e quatro unidades de negócios espa- atualizado de informações permitindo um eficiente monitoramento e ajuste lhadas por 17 países europeus. de curso sempre que necessário. Como sempre, o objetivo é fazer com que o No meu primeiro dia no em- projeto seja implementado com sucesso e dentro do prazo, escopo e orça- prego, meu CEO me confessou mento alocados. Por fim, todas as entidades que participam da composição a situação falimentar da empresa acionária das sogo shoshas, como o sistema financeiro, segurador e demais e me deu o prazo de apenas dois stakeholders que compõem os keiretsus são as redes de negócios, propria- meses para que eu apresentasse mente ditas, a serem gerenciadas (figura 1). não apenas um plano de negócios Vocês podem imaginar o quão complexa é essa metodologia se pensar- sólido como, principalmente, resul- mos no âmbito nacional. Bem, se o Japão consegue implementá-la de forma tados tangíveis da implementação eficiente e tem a força de sua economia na sua estrutura de oyabus – sogo do mesmo. Do contrário, a empresa shoshas – keiretsus – sistema financeiro e segurador, acredito que seja bem seria fechada. Foi então que, intuiti- mais fácil implementar essa metodologia no âmbito corporativo. Outra rele- vamente, apliquei a metodologia de vante vantagem desse modelo é que o Japão Inc. se mantêm blindado e isen- gestão de redes de negócios, ainda to de qualquer incidente que ocorra no meio político. Na realidade, quanto que naquela época não tivesse todo mais simples for a estrutura organizacional, mais fácil, rápido e barato será o desenho claramente definido. para que sólidos resultados de curto, médio e longo prazo apareçam. Sua Vale lembrar que comecei o aplicabilidade é válida até mesmo para o jovem empreendedor e profissional trabalho tendo como recursos ape- em transição de carreira. A única diferença está no escopo e complexidade nas uma equipe interna bastante da mesma na medida em que novos stakeholders são adicionados ao projeto. desmotivada, clientes e parceiros de Vale lembrar que tudo começa com a presença de um líder e/ou pela negócios extremamente insatisfei- coesão da liderança com visão estratégica para que o processo seja deflagrado tos e nenhum conhecimento sobre por toda organização. É preciso que exista treinamento e entendimento que o mercado, competidores e sobre certos valores e modelos operacionais terão que mudar e se ajustar aos novos todos os profissionais que compu- tempos. nham as redes de negócios ao redor da empresa. Isso para não mencio- Caso de sucesso nar que eu era um não Europeu e Nesse sentido, relato uma experiência profissional bastante próxima. enfrentava freqüentes desafios apre- Quando terminei o meu MBA internacional pela RSM Eramus University sentados pela barreira do idioma da Holanda, fui contratado num processo seletivo envolvendo mais de local na grande maioria dos países 2.500 candidatos. Todos eram MBAs oriundos das principais escolas de sob minha direção. Na maioria das negócios dos Estados Unidos e da Europa. Tornei-me o primeiro executivo vezes, o Inglês era o idioma comum Gestão de Redes de Negócios e o Modelo Econômico Japonês a todos os stakeholders. Em resumo, o serviço que a em- Virtual Agile Japan Inc. . presa prestava às grandes cadeias Networking Enterprise de hotéis, restaurantes e estaciona- Oyabuns mentos na Europa era bem sim- CNO Estratégico ples. Quando o cliente final passava Trading Companies o cartão de crédito no terminal em questão (sistemas de gerenciamen- to de hotéis/restaurantes ou caixas Equipe de Keiretsu 60% automáticos nos estacionamentos), Gestores de Redes Operacional de Negócios a transação eletrônica era capturada Seguradoras 20% e enviada ao centro de processa- Bancos 20% mento baseado em Luxemburgo e, de lá, redirecionada para os Figura 1. Gestão de redes de negócios e o modelo econômico japonês. bancos e empresas de cartões de 60 Mundo Project Management
  4. 4. Networking | Gestão de Redes de Negócios crédito de acordo com o respectivo contrato acertado mercado, os próprios clientes e parceiros comerciais entre o cliente corporativo e o sistema financeiro. Na começaram a demandar os serviços em outras regiões realidade, atuávamos como um conector eletrônico do planeta. Hoje, a empresa encontra-se “viva”, em das transações além de oferecer outros serviços, como expansão e quase que completamente globalizada com relatórios em tempo real e contínuo via web site. presença em todos os continentes, com exceção da Verifiquei que as principais redes cercando a minha América Latina e África. própria empresa eram apenas três: (1) equipe interna, A conclusão é bastante simples e prática. Gestão em que sempre se inicia a implementação do progra- de Redes de Negócios funciona em todos os níveis e ma; (2) clientes, por razões óbvias e; (3) parceiros de circunstâncias. Desde um escopo de um indivíduo até negócios. Quanto aos parceiros, dividi os mesmos em mesmo de um país. Seja uma empresa em formação, duas categorias: fabricantes de terminais (hardwares) e seja um grande conglomerado em expansão global. as instituições financeiras, a saber, bancos e empresas Aplicável em situações de emergência tanto quanto de de cartões de crédito. planejamento de longo prazo. Sempre é uma boa hora Os ganhos mútuos entre todas as partes eram claros começar com a implementação desse projeto na carreira e evidentes. Os clientes corporativos tinham seus custos ou na organização tenha os contatos necessários ao seu operacionais e financeiros tremendamente reduzidos dispor ou não. Caso não deseje implementa-lo apenas além da segurança e certeza do processamento de torça para que seus concorrentes também não o façam. transações eletrônicas que representavam 75% dos seus Essa é a tipo de vantagem competitiva e comparativa métodos de pagamentos. Os fabricantes de terminais incluíam o software de processamento de transações que, uma vez estabelecida e consolidada, torna-se eletrônicas e nossos serviços de processamento no paco- bem difícil superar o líder em questão. Nesses tempos te combo que era oferecido aos clientes. As instituições modernos, não é o forte que vence o fraco mas o mais financeiras nos viam como um agregador e reconcilia- adaptável e ágil que vence o lento e conservador. dor central e seguro de transações eletrônicas e com isso podiam oferecer taxas de cartões de crédito mais Primeiros passos atraentes e competitivas aos seus grandes clientes no Finalizo este artigo convidando o leitor a refletir âmbito Pan-europeu. Por fim, a minha equipe interna sobre algumas questões que com certeza ajudarão a ganhava aliados de peso na suas apresentações assim comprovar a eficácia do projeto de gestão de redes de como focava o seu tempo em atender às demandas e negócios. Para tanto, vejamos o seguinte cenário: oportunidades de negócios identificadas pelos nossos 1. Pense em um caso de sucesso que conheça bem; parceiros comerciais. 2. Enumere os fatores de sucesso tangíveis e intangíveis Passamos a fazer apresentações em parceria com ao redor do negócio; os fabricantes e/ou instituições financeiras num ponto 3. Pense nas principais redes além de equipe e clientes; central de contato e decisão visto que todos nossos clien- tes eram grandes cadeias com firme presença por toda 4. Liste os principais atores em cada uma dessas redes; Europa. Portanto, na realidade, gerenciávamos todas as 5. Defina os ganhos mútuos com cada um desses atores. redes de negócios envolvidas visto que nossos próprios Você está vendo? Muito rapidamente você mesmo clientes e parceiros comerciais também estavam estru- poderá justificar quão óbvio é um projeto de gestão de turados em forma de rede. Por fim, como pertencíamos redes de negócios. Podemos também fazer um raciocí- a um grupo de telecomunicações, pudemos dispor de nio totalmente inverso pensando nos casos de insuces- recursos tecnológicos para criar uma WAN – wide area so ou de sucesso relativo, mas não pleno quanto era network – interligando os terminais e direcionando as esperado. Vejamos então: transações para nosso centro de processamento em 1. Liste as falsas expectativas geradas de parte a parte; Luxemburgo. Dessa forma, usamos uma rede tecnoló- gica para criar um efeito “lock-in” envolvendo nossos 2. Liste falha de compromisso entre as partes; clientes e parceiros. 3. Identifique se houve antipatia entre os negociadores; Como conseqüência da aplicação intuitiva da me- 4. Enumere todos os fatores que levaram a uma possível todologia de gestão de redes de negócio, conseguimos desconfiança; um contrato com uma famosa rede de hotéis de alto luxo em toda a Europa dentro do prazo de dois meses, 5. Reflita sobre a possibilidade de alterar o rumo do o que garantiu a sobrevivência de todos na empresa. Na relacionamento; medida em que a empresa foi aumentando seus casos 6. Liste três pontos principais de ação corretiva e imedia- de sucesso na Europa e consolidando sua reputação no ta. 62 Mundo Project Management
  5. 5. Gestão de Redes de Negócios | Networking O que ficará evidente é muito simples. Uma vez além de criar as interfaces corretas caso a caso, inde- definidos os valores e as metas, além das diversas sub- pendentemente da hierarquia em vigor. metas também, tudo o mais é uma questão de ter os Bem, alguém pode dizer que é bem mais sim- recursos necessários para a implementação do plano ples falar e escrever do que realmente implementar de ação e do seu monitoramento e ajuste através do esse projeto. Por certo que compromisso e diligência tempo. Em 100% dos casos, os recursos necessários são características imprescindíveis ao CNO – Chief encontram-se nas pessoas. Os recursos podem ser Networking Officer e demais membros de sua equipe. conhecimento, experiência, financeiro, operacionais, Entretanto, com mais de 6.5 bilhões de pessoas no pla- talentos humanos, entre os principais. As pessoas neta, acredito que a maior habilidade que um profis- podem estar alocadas em diversas redes. Algumas pes- sional moderno possa desenvolver é a sua capacidade soas estarão posicionadas de forma única e específica. Outras estarão posicionadas de forma multidisciplinar de gerenciar sua rede de negócios de forma eficiente. podendo aparecer em diversas redes ao mesmo tempo. Ela poderá mantê-lo vivo e alimentado por muito A questão aqui é saber conversar com cada uma delas. tempo. Além disso, uma rede bem montada pode ser Para tanto, é mister identificar previamente o código de o seu maior legado para as gerações futuras. Pense valores, as necessidades e interesses de cada indivíduo nisso. Octavio Pitaluga Neto, CNO. Chief Networking Officer da Top Executives Net (http://www.topexecutivesnet.com) e da Net-bridges (http://www.net-bridges.com.br). Gestor de redes de negócios, coach de negócios certificado, pa- lestrante e facilitador. No mundo corporativo teve passagens pelo Grupo Tele2 Europe como diretor de Marketing e Vendas Europa da subsidiária de processamento de transação eletrônica, 3C Communications. Trabalhou também na Seara Alimentos (Grupo Cargill) e Kanematsu do Brasil. Possui MBA/MBI pela RSM Erasmus University, Holan- da e especialização em Comércio Exterior pela UFRJ/ECEX. Possui formação acadêmica e experiência profissional em comércio exterior e em marketing de tecnologia. Tem relevante presença nas plataformas de networking on-line com um número muito amplo de contatos no Brasil e no exterior. Palestra Gestão de Redes de Negócios AudiênciA PrOgrAmA HOráriO • Presidência e Diretoria • Gestão de redes de Negócios Check-in: 18h • executivos de todos os níveis, • Modelo econômico Japonês Welcome-coffee: 18h15 - 19h • Chief Networking Officer (CNO) Palestra: 19 - 20h30 departamentos e indústrias • líder x Chefe Debate: 20h30 - 21h • Foco inicial nos decisores das • Perfil do CNO Fim: 21h áreas Gerência de Projetos, • responsabilidades Comercial, Marketing, tecno- • Princípios Básicos de Gestão de PreçO logia e rH redes de Negócios Promocional: r$ 90/pessoa • Profissionais liberais • Caso de sucesso até 31 de outubro de 2007 ou • Processo de Gestão de redes de r$ 100/pessoa após 1° de novembro ObjetivOs Negócios 2007 Octávio Pitaluga • exemplo de Gestão da rede • apresentar o conceito de “Funcionários” Cortesia: 90 dias de experiência no Gestão de redes de Negócios • Benefícios portal teN – top executives Net Realização (GrN) • Palavra Final • Conhecer a importância do LOcAis e dAtAs cOntAtO CNO – Chief Networking São Paulo: Hotel NH tel: 21. 3563-7259 / 2235-8721 Officer e sua equipe 21 de novembro e-mail: cno@topexecutivesnet.com rua Frei Caneca, 1.199, ou cno@net-bridges.com • entender a metodologia de GrN, caso de sucesso e bene- Consolação, são Paulo – sP fícios para organização Vitória: FINDes – Federação das Indústrias do espírito santo 28 de novembro av. N.s. da Penha, 2053 Apoio auditório no 9º andar, santa luiza – Vitória – es Rio de Janeiro: Fecomércio-rJ 5 de dezembro rua Marquês de abrantes, 99 Flamengo – rio de Janeiro – rJ

×