RELATÓRIO DE JOGOJOGO:                                   G.D. JOANE     VS     Maria da FonteLocal:                    JOA...
ORGANIZAÇÃO OFENSIVA EM 1-4-3-3                                          Até meio da primeira parte o Maria da Fonte foi s...
ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA                                          É uma equipa que defende por vezes no meio campo ofensivo e...
BOLAS PARADAS A FAVOR                                         No geral tanto em cantos como em livres, as bolas são coloca...
RESUMO                                     Pontos Fortes, Pontos Fracos e SugestõesResumo: O joane ainda deve estar por pe...
Caracterização individual dos jogadores do Maria da FonteGR nº24 (CLEMENTE): É um GR de estatura média/baixa, teve uma exi...
João Pedro Araújo   7
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatório de jogo Santa Maria vs Padroense

3.369 visualizações

Publicada em

2ª Eliminatória - Taça de Portugal 2011/2012

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.369
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
156
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório de jogo Santa Maria vs Padroense

  1. 1. RELATÓRIO DE JOGOJOGO: G.D. JOANE VS Maria da FonteLocal: JOANE Data: 25 / 09 /2011 Hora: 15:00hCompetição: Campeonato nacional da terceira divisão Resultado 0-0 Tarde de sol, excelente para a prática deCondições Climatéricas: Estado Relvado: Desnivelado, gasto. futebol SISTEMA DE JOGO INICIAL Equipa Inicial Nome Nº Posição CLEMENTE 24 GR RAÚL 2 DD RICARDO FERNANDES 5 DC PINTO 4 DC PICUÁ 21 DE SÉRGIO 19 MDC RUI NOVAIS 8 MC FREDY 6 MC GIL 10 ED 1 RUIZINHO 11 EE 1 DIOGO LEITE 9 AV 4 Tive a oportunidade de ver jogar esta equipa pela terceira vez, é uma equipa que mostra melhorias a cada jogo que passa e este jogo foi exemplo disso (0-0). Apesar da superioridade do Joane, enquanto equipa, capacidade técnica, velocidade e capacidade individual dos seus jogadores, o Maria da Fonte é uma equipa que vale pelo 1-4-3-3 seu conjunto, uma equipa forte fisicamente e cada vez mais mostra-se atrevida e com capacidade para discutir os jogos. Por estar no inicio de temporada na mó de NOTAS baixo, apresentam características que denotam a vontade de fazer mais e melhor, estão melhor organizados e os resultados positivos poderão começar a surgir, mas na minha opinião esta equipa vai ter muitas dificuldades pois tem falta de qualidade a nível individual e falta de soluções no plantel. Substituições: Sai nº8 (Rui Novais) entra nº7 (Rui Abreu); Sai nº11 (Ruizinho) entra o nº 25 (Miguel Ribeiro). João Pedro Araújo 1
  2. 2. ORGANIZAÇÃO OFENSIVA EM 1-4-3-3 Até meio da primeira parte o Maria da Fonte foi sufocado por um Joane bem organizado e ofensivo que se apresentou em 1-4-3-3, por esse motivo a primeira alteração surgiu aos 36min. Até este período do jogo, o Maria da Fonte foi uma equipa sem expressão no jogo, procurou sempre colocar a bola nas costas da defesa (laterais) do Joane. A mobilidade dos homens da frente foi quase nula, preocuparam-se mais em defender e a fechar espaços. Quando lhes era permitido algum espaço na zona central o médio Rui Novais (nº8) juntamente com o médio Fredy (nº6) e o trinco Sérgio (nº19) procuravam colocar alguma ordem e organização com trocas de bola (curtas e rápidas) naquela zona do campo colocando depois a bola no flanco esquerdo, para o extremo que contava com apoio do defesa esquerdo que subia muito no terreno, o objectivo era claramente tirar cruzamento para o Ponta de Lança fixo Diogo Leite. Organização Ofensiva em 1-4-2-3-1 Aos 36min de jogo abdicaram do nº8 (Rui Novais), para a entrada do nº 7 o extremo direito Rui Abreu. O nº 10 (Gil), ocupou a posição de médio ofensivo á frente dos dois trincos da equipa Fredy e Sérgio, passando de um 4-3-3 para um 4-2-3-1. Este esquema é mais frequente nos jogos fora de casa como aconteceu contra o Vianense, já em casa utilizam com mais frequência o 4-3-3, mas sempre que se sentem desconfortáveis alteram o sistema. Este novo sistema traz mais força ao meio campo defensivo, contando agora com dois trincos fortes na marcação sobretudo no jogo aéreo, tornaram-se mais ofensivos pois contam com mais um homem na frente que muitas vezes se juntou ao Ponta de lança Diogo Leite. Apesar desta alteração táctica o estilo de jogo mantém-se directo com bolas longas, há no entanto uma nova variante que colocou a defesa do Joane em apuros, o nº9 (Diogo Leite) recuou várias 1-4-2-3-1 vezes no terreno para ganhar a bola arrastando um central consigo, nas suas costas apareciam os extremos (nº 7 Rui Abreu e nº 11 Ruizinho. É uma equipa pouco rematadora e na verdade poucas situações de golo criou, as que surgiram foram bolas colocadas nos extremos em movimentos.Pontapé de baliza ( A bola é colocada constantemente nos homens da frente pois parece que os centrais não têmuma relação amistosa com a bola, neste caso o médio ofensivo Gil (nº10) junta-se ao PL Diogo Leite, sobe tambémpara aquela zona do terreno o trinco Sérgio (nº19), os dois extremos mantêm-se bem abertos.) João Pedro Araújo 2
  3. 3. ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA É uma equipa que defende por vezes no meio campo ofensivo e de forma agressiva na procura da bola, na maior parte das vezes o pontapé de baliza do Joane é efectuado de forma curta para os defesas. Em 4-3-3 (Até aos 36min): O médio Fredy junta-se ao Ponta de lança e aos extremos na frente fazendo uma linha de 4, o médio centro Rui (nº8), junta-se na zona central ao trinco Sérgio (nº19). Transforma-se em 4-2-4. Em 4-2-3-1 (Resto do jogo): Saiem á pressão o Ponta de lança Diogo juntamente com os extremos ficando mais na expectativa os dois trincos Fredy e Sérgio mais o médio Gil. Transforma-se em 4-3-3. COMPORTAMENTOS DEFENSIVOSNa transição defensiva, no momento em que perde a bola esta equipa mantèm-se em 4-2-3-1, defendem comobloco recuando linhas e fechando espaços, todos os jogadores participam neste processo, é uma equipa solidária adefender. É uma equipa muito faltosa, mas mais com faltas cirurgicas do que faltas agressivas. João Pedro Araújo 3
  4. 4. BOLAS PARADAS A FAVOR No geral tanto em cantos como em livres, as bolas são colocadas no centro da área e de forma aleatória, foi um jogo pobre em bolas paradas para ambas as equipas.Não há grandes movimentações entre os jogadores, servem-se maioritariamente dos jogadores altos com tentativas de lhes colocar as bolas.Canto lado esquerdo (Cobrado pelonº10 Gil, esta equipa coloca 5homensna área, o nº4 Pinto coloca-se juntoao GR do Joane, ficando um poucomais atrás na grande área o nº 9,19,8,5. Mais atrás, a defender ficam onº2, 6,11 e 21. BOLAS PARADAS CONTRAQuer em livres, quer em cantos esta equipa marca á zona, é uma equipa competente nas bolas paradas adefender, tem jogadores altos e fortes no jogo aéreo. João Pedro Araújo 4
  5. 5. RESUMO Pontos Fortes, Pontos Fracos e SugestõesResumo: O joane ainda deve estar por perceber como empatou este jogo em casa, é um equipa claramentesuperior em todos os dominios do jogo, a verdade é que empatou mais por demérito na finalização do que pormérito do Maria da Fonte, que apesar de tudo, criou algumas oportunidades e está melhor organizado.Pontes fortes:Jogo aéreo.Equipa forte fisicamente.Procura explorar o adiantamento dos defesas.Equipa lutadora.Pontes fracos:Qualidade de jogo muito longe do exigido.Defesa não troca a bola, ou porque não gosta da bola ou porque não sabem mais.Têm muitas dificuldades com equipas técnicas, que joguem pelo chão e de forma rápida.O facto de ter jogadores altos e possantes contrasta com a falta de criatividade, velocidade.Sugestões:Defesa a 4, um dos centrais faz marcação ao homem (ao PL).Procurar jogar pelo chão, com velocidade e técnica.Bom jogo para o médio Abel, a sua criatividade poderá fazer moça.Evitar jogo aéreo e físico.Passar de uma equipa mais forte fisicamente para uma equipa mais técnica, mais qualidade de jogo e posse debola. João Pedro Araújo 5
  6. 6. Caracterização individual dos jogadores do Maria da FonteGR nº24 (CLEMENTE): É um GR de estatura média/baixa, teve uma exibição discreta e sem muito trabalho, não é ohabitual titular da baliza, mas sim o GR Salgueiro.DD Nº2 (RAÚL): Estatura média/baixa, é um jovem jogador bem constituido fisicamente, é melhor a defender doque a atacar, não é um jogador que dê profundidade ao jogo da sua equipa.DC nº5 (RICARDO FERNANDES): É um jogador alto e forte fisicamente, o seu ponto forte é o jogo aéreo, é umjogador lento (Parece-me com o Gomes do Vianense), não se dá bem com avançados rápidos e móveis, tem umjogo fraco de pés, opta sempre por bater na frente abdicando do passe curto.DC nº4 (PINTO): É o jogador mais alto da equipa, tem cerca de 1.90m e é forte no jogo aéreo, é parecido na formade jogar como o seu colega de posição mas um pouco superior.DE nº21 (PICUÁ): Estatura média, é um jovem jogador que gosta de subir no terreno para utilizar o seu péesquerdo nos cruzamentos, dá muitos apoios aos colegas da frente sendo muitas vezes socilicitado pela equipa.Vai muito á linha de fundo para cruzar.A nível defensivo teve uma tarde complicada, pois enfrentou um bom extremo, com muita técnica.TRINCO nº19 (SÉRGIO): É um jogador alto e surpreendeu-me pela positiva, no inicio pareceu-me apenas um trincode carácter defensivo e limitado, mas foi-se revelando um jogador rápido, com capacidade de subir no terreno,muito lutador, acrescentando aos seus pontos mais fortes a marcação e o jogo aéreo.MC/TRINCO nº6 (FREDY): Este Fredy pareceu-me um dos líderes da equipa, é um jogador batalhador que trabalhaem prole da equipa, é muito faltoso mas não foi agressivo e não me parece que seja violento como outros médioscom as suas caracteristicas. É alto e possante, forte também no jogo aéreo. Quando teve espaço, trocou boasbolas com o seu colega de posição, assumindo por vezes o último passe (Corredor esquerdo).MC Nº8 (RUI NOVAIS): Jogador bastante apagado, acabando por ser substituido da equipa, talvez por ser umjogador mais de caracteristicas ofensivas não esteve bem no plano defensivo, é um jogador que gosta de trocar abola e o que mais reparei no seu perfil foi a capacidade de pressionar a defesa contrária, de facto quando saíu aequipa ganhou uma maior coesão no miolo do terreno.ED/MO nº10 (GIL): Jogador de estatura média/alta, não me impressiou nada nas duas posições que ocupou, é umjogador mediano, na função desempenhada como MO não conseguiu pegar no jogo, não tem perfil de criativo,exibição muito discreta.EE Nº11 (RUIZINHO): É um jogador rápido, gosta de flanquear o jogo para tirar cruzamentos, pouco mais há a dizersobre este jogador que trabalhou mais no plano defensivo, tendo espaço pode ser perigoso, deve ser marcado emcima.PL nº9 (DIOGO LEITE): Quando o vi jogar pela primeira vez pensei que era um jogador de futebol de fim de semanacom os amigos, atenção a este homem, pois tem jogo aéreo, é alto e possante é muito lutador, por vezes querlevar a equipa nas costas e consegue mesmo, recua no terreno para vir buscar jogo, é dificil tirar-lhe a bola é umautêntico panzer.SUPLENTES:ED nº7 (RUI ABREU): Ainda não percebi como este jogador foi suplente, é um extremo que nunca está parado, ébastante rápido e foi muito solicitado nas costas do lateral, tanto aparece á direita como á esquerda, deu algumador de cabeça á defesa do Joane mas a verdade é que juntamente com os colegas e o adversário, ninguémfacturou.EE nº 25 (MIGUEL RIBEIRO): Pouco tempo de jogo teve e nada acrescentou. João Pedro Araújo 6
  7. 7. João Pedro Araújo 7

×