O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
“Para fazermos amanhã o impossível de hoje,é preciso fazer hoje o possível de hoje.”
Paulo Freire
Um retrato atual da cond...
O fim do pesadelo?
Do Código de Menores (Doutrina da Situação Irregular) ao ECA que
defende novos e amplos direitos às cri...
Após 20 anos da implementação do ECA, é possível falar em
mudanças e conquistas para o cenário da infância no Brasil.
13 de Julho de 1990
Promulgação do ECA (Lei 8.069/90)
Documento de Direitos Humanos que
contempla o que há de mais avançad...
Detalha os direitos da criança e do adolescentes que
constitui cerca de um terço da população brasileira.
Desde 1990, um grande movimento de mobilização paraDesde 1990, um grande movimento de mobilização para
a implementação do ...
O processo da implementação do ECA
• Antonio Carlos Gomes da Costa, em um texto intitulado “O
Desafio da Implementação do ...
Mudanças no panorama legal: os municípios e estados precisam se
adaptar, pois muitos ainda não contam com os conselhos e f...
• A visão das crianças e adolescentes como sujeitos de direitos e
seres em processo de desenvolvimento tem contribuído par...
• Ao longo da última década houve avanços no grau de informação
e compreensão da sociedade sobre as violações dos direitos...
• O aprimoramento das políticas públicas voltadas ao
fortalecimento, inclusão produtiva e autossustentação das famílias
ma...
• O envolvimento de adolescentes em atos inflacionais vêm sendo
discutidos com maior profundidade, e se discute melhor pro...
• Em 2008, o Congresso Nacional ratifica a Convenção sobre os
Direitos das Pessoas com Deficiência;
• Em 2009 a nova lei d...
• Os Conselhos de Direitos, ConselhosTutelares e Fundos da
Criança e doAdolescente vêm se tornando progressivamente mais
c...
• Um melhor entendimento do Poder Executivo para fortalecer o
Sistema de Garantia de Direitos e as redes de atendimento;
O...
Os Conselhos dos Direitos da Criança e doAdolescente são
instâncias de gestão compartilhada de políticas públicas e podem
...
• Os governos devem alocar recursos suficientes nos orçamentos
públicos destinados às crianças e adolescentes;
•A ampliaçã...
• Qualificação do processo de diagnóstico;
• Planejamento técnico e orçamentário e monitoramento das
políticas de garantia...
FONTES E LINKS
COSTA,Antonio Carlos Gomes. É possível mudar: a criança, o adolescente e a
família na política social do mu...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Um retrato atual dos direitos da criança e do adolescente 20 anosecaritaippolito10anosic 101019121844-phpapp01

651 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Um retrato atual dos direitos da criança e do adolescente 20 anosecaritaippolito10anosic 101019121844-phpapp01

  1. 1. “Para fazermos amanhã o impossível de hoje,é preciso fazer hoje o possível de hoje.” Paulo Freire Um retrato atual da condição dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes
  2. 2. O fim do pesadelo? Do Código de Menores (Doutrina da Situação Irregular) ao ECA que defende novos e amplos direitos às crianças e aos adolescentes, que passariam a ser sujeito de direitos e a contar com uma Política de Proteção Integral.
  3. 3. Após 20 anos da implementação do ECA, é possível falar em mudanças e conquistas para o cenário da infância no Brasil.
  4. 4. 13 de Julho de 1990 Promulgação do ECA (Lei 8.069/90) Documento de Direitos Humanos que contempla o que há de mais avançado na normativa internacional em respeito aos direitos da população infanto-juvenil.direitos da população infanto-juvenil.
  5. 5. Detalha os direitos da criança e do adolescentes que constitui cerca de um terço da população brasileira.
  6. 6. Desde 1990, um grande movimento de mobilização paraDesde 1990, um grande movimento de mobilização para a implementação do ECA vem acontecendo nos âmbitos governamental e não–governamental; A crescente participação do terceiro setor nas políticas sociais, fato que ocorre com evidência a partir de 1990, é particularmente forte na área da infância e da juventude.
  7. 7. O processo da implementação do ECA • Antonio Carlos Gomes da Costa, em um texto intitulado “O Desafio da Implementação do Estatuto da Criança e doAdolescente”, denomina de salto triplo os três pulos necessários à efetiva implementação da lei.
  8. 8. Mudanças no panorama legal: os municípios e estados precisam se adaptar, pois muitos ainda não contam com os conselhos e fundos para a infância; Ordenamento e reordenamento institucional: colocar em prática as novas institucionalidades dos conselhos dos direitos, conselhos tutelares, fundos e a articulação das redes locais de proteção integral; Mudar a maneira de “ ver, entender e agir” dos profissionais que trabalham diretamente com as crianças e adolescentes - historicamente marcados pelas práticas assistencialistas, corretivas e muitas vezes repressoras.
  9. 9. • A visão das crianças e adolescentes como sujeitos de direitos e seres em processo de desenvolvimento tem contribuído para o aprimoramento da atuação de inúmeras instituições e programas de atendimento. Os avanços na promoção dos direitos
  10. 10. • Ao longo da última década houve avanços no grau de informação e compreensão da sociedade sobre as violações dos direitos das crianças e adolescentes - trabalho ilegal, violência doméstica, evasão escolar, violência sexual, entre outros - e sobre as causas desses problemas.
  11. 11. • O aprimoramento das políticas públicas voltadas ao fortalecimento, inclusão produtiva e autossustentação das famílias mais vulneráveis; •A paulatina compreensão da sociedade sobre a atenção à saúde materno-infantil, educação infantil de qualidade e do valor e impacto positivo de ações como essas para construção de uma sociedade mais equilibrada.
  12. 12. • O envolvimento de adolescentes em atos inflacionais vêm sendo discutidos com maior profundidade, e se discute melhor programas baseados na plena observância dos direitos humanos e para a sua reintegração saudável na comunidade.
  13. 13. • Em 2008, o Congresso Nacional ratifica a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência; • Em 2009 a nova lei de adoção trouxe aprimoramentos para a garantia do direito à convivência familiar previsto no ECA, ao determinar que crianças e adolescentes não podem permanecer mais de dois anos nas instituições de acolhimento.
  14. 14. • Os Conselhos de Direitos, ConselhosTutelares e Fundos da Criança e doAdolescente vêm se tornando progressivamente mais conhecidos pelo público em geral; • Mais cidadãos e empresas têm procurado apoiar projetos de defesa e promoção dos direitos das crianças e jovens, por meio da participação direita em organizações ou programas de atendimento ou da destinação de recursos financeiros aos Fundos da Criança e do Adolescente.Adolescente.
  15. 15. • Um melhor entendimento do Poder Executivo para fortalecer o Sistema de Garantia de Direitos e as redes de atendimento; Os desafios • Dotar os Conselhos de Direitos e ConselhosTutelares com condições adequadas ao seu pleno funcionamento.
  16. 16. Os Conselhos dos Direitos da Criança e doAdolescente são instâncias de gestão compartilhada de políticas públicas e podem contribuir para melhorar a qualidade da aplicação dos recursos e a eficácia dos programas de atendimento. No plano do desenvolvimento político da sociedade, esses conselhos podem contribuir para o aprimoramento da democracia porque propiciam a ampliação da participação da sociedade na vida pública.
  17. 17. • Os governos devem alocar recursos suficientes nos orçamentos públicos destinados às crianças e adolescentes; •A ampliação da divulgação da existência dos Fundos e a mobilização da sociedade para doações e destinações é parte importante desse esforço. •A maioria dos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente ainda conta com poucos recursos para implantar programas de atendimento; importante desse esforço.
  18. 18. • Qualificação do processo de diagnóstico; • Planejamento técnico e orçamentário e monitoramento das políticas de garantia de direitos em cada município; • Práticas de gestão pública, ação e participação social que garantam a efetivação desses direitos na vida cotidiana de cada Prioridades garantam a efetivação desses direitos na vida cotidiana de cada cidade.
  19. 19. FONTES E LINKS COSTA,Antonio Carlos Gomes. É possível mudar: a criança, o adolescente e a família na política social do município. Editora Malheiros, 1993. COSTA,Antonio Carlos Gomes. De menor a cidadão: Notas para uma história do novo direito da infância e juventude no Brasil. Editora do Senado, 1993. DEL PRIORE, Mary. História das Crianças no Brasil. Editora Contexto, 1999. www.promenino.org.brwww.promenino.org.br www.observatoriodacriancaedoadolescente.org.br www.childhood.org.br/programa-na-mao-certa-conquistas-e-desafios-no- combate-a-exploracao-sexual-infantojuvenil-nas-estradas www.portaldatransparencia.gov.br rita.ippolito@gmail.com

×