Pgf baldios coelhoso watermark

415 visualizações

Publicada em

PGF CCBCOELHOSO

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
415
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
126
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pgf baldios coelhoso watermark

  1. 1. Comissão de Compartes dos Baldios do Coelhoso 2015 PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso C Ó PIA
  2. 2. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 1 de 48 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................... 4 A. DOCUMENTOS DE AVALIAÇÃO.................................................................................... 5 1. ENQUADRAMENTO SOCIAL E TERRITORIAL DO PLANO .................................... 5 1.1. Caracterização do proprietário e da gestão................................................................ 5 1.1.1. Proprietário............................................................................................................ 5 1.1.2. Entidade responsável pela gestão.......................................................................... 5 1.1.3. Técnico responsável pela elaboração do PGF....................................................... 5 1.2. Caracterização geográfica ......................................................................................... 6 1.2.1. Identificação da exploração florestal..................................................................... 6 1.2.2. Inserção administrativa ......................................................................................... 6 1.2.3. Localização e acessibilidade da exploração .......................................................... 6 2. CARACTERIZAÇÃO BIOFÍSICA DA PROPRIEDADE ............................................... 8 2.1. Relevo e altimetria .................................................................................................... 8 2.2. Clima......................................................................................................................... 8 2.3. Solos.......................................................................................................................... 8 2.4. Fauna, flora e habitats ............................................................................................... 8 2.5. Pragas, doenças e infestantes..................................................................................... 9 2.6. Incêndios florestais, cheias e outros riscos naturais................................................ 10 3. REGIMES LEGAIS ESPECÍFICOS............................................................................... 11 3.1. Restrições de utilidade pública................................................................................ 11 3.2. Instrumentos de planeamento florestal.................................................................... 12 3.3. Instrumento de gestão territorial.............................................................................. 13 3.4. Outros ónus relevantes para a gestão ...................................................................... 13 4. CARACTERIZAÇÃO DE RECURSOS......................................................................... 14 4.1. Infraestruturas florestais.......................................................................................... 14 4.1.1. Rede viária florestal (RVF)................................................................................. 14 4.1.2. Armazéns e outros edifícios associados à gestão ................................................ 14 4.1.3. Infraestruturas DFCI ........................................................................................... 14 4.1.4. Infraestruturas de apoio à gestão cinegética........................................................ 15 4.1.5. Infraestruturas de apoio à silvopastorícia............................................................ 16 4.1.6. Infraestruturas de apoio ao recreio e turismo ...................................................... 16 4.2. Caracterização socioeconómica da propriedade...................................................... 16 4.2.1. Função de produção ............................................................................................ 16 4.2.2. Função de proteção.............................................................................................. 16 4.2.3. Função de conservação........................................................................................ 16 4.2.4. Função de silvopastorícia, caça e pesca .............................................................. 16 4.2.5. Função de recreio, enquadramento e estética da paisagem ................................. 16 4.2.6. Evolução histórica da gestão............................................................................... 17 B. MODELO DE EXPLORAÇÃO.......................................................................................... 18 1. CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVO DA EXPLORAÇÃO ........................................... 18 1.1. Caracterização e objetivos de exploração ............................................................... 18 1.1.1. Caraterização geral.............................................................................................. 18 1.1.2. Compartimentação da propriedade...................................................................... 18 1.1.3. Definição e delimitação das parcelas .................................................................. 19 C Ó PIA
  3. 3. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 2 de 48 1.1.4. Componente florestal .......................................................................................... 19 1.1.4.1. Caracterização das espécies florestais, habitats e povoamentos.................. 19 1.1.4.2. Caracterização dos povoamentos (descrição parcelar – dp)........................ 21 1.1.5. Componente silvopastoril.................................................................................... 23 1.1.5.1. Caraterização dos recursos forrageiros........................................................ 23 1.1.5.2. Caraterização das pastagens (descrição parcelar – dp)................................ 24 1.1.6. Componente cinegética, aquícola e apícola......................................................... 24 1.1.7. Componente de recursos geológicos e energéticos ............................................. 24 1.1.7.1. Caraterização dos recursos energéticos....................................................... 24 1.1.7.2. Caraterização dos recursos geológicos........................................................ 24 1.2. Definição dos objetivos da exploração.................................................................... 24 2. ADEQUAÇÃO AO PROF .............................................................................................. 26 3. PROGRAMAS OPERACIONAIS.................................................................................. 28 3.1. Programa de gestão da biodiversidade (obrigatório nas áreas classificadas) .......... 28 3.2. Programa de gestão da produção lenhosa................................................................ 28 3.3. Programa de gestão do aproveitamento dos recursos não lenhosos e outros serviços não associados..................................................................................................................... 38 3.4. Programa de infraestruturas..................................................................................... 38 3.5. Programa das operações silvícolas mínimas ........................................................... 39 3.6. Gestão florestal preconizada (calendarização das intervenções)............................. 40 C. ANEX0S ............................................................................................................................. 48 C Ó PIA
  4. 4. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 3 de 48 ÍNDICE DE TABELAS TABELA 1. USO DO SOLO............................................................................................................. 18 TABELA 2. DIVISÃO DOS TALHÕES.............................................................................................. 18 TABELA 3. DESIGNAÇÃO DAS PARCELAS .................................................................................... 19 TABELA 4. CARACTERIZAÇÃO DAS PARCELAS QUE CONSTITUEM O TALHÃO I........................... 20 TABELA 5. CARACTERIZAÇÃO DA PARCELA QUE CONSTITUI O TALHÃO II................................. 21 TABELA 6. CARACTERIZAÇÃO DA PARCELA QUE CONSTITUI O TALHÃO III................................ 21 TABELA 7. MODELO DE SILVICULTURA – POVOAMENTO PURO DE EUCALIPTO, CUJO OBJETIVO É A PRODUÇÃO DE LENHO....................................................................................................... 28 TABELA 8. MODELO DE SILVICULTURA – POVOAMENTO PURO DE PINHEIRO BRAVO, CUJO OBJETIVO É A PRODUÇÃO DE LENHO. .................................................................................. 31 TABELA 9. MODELO DE SILVICULTURA – POVOAMENTO PURO DE PINHEIRO MANSO, CUJO OBJETIVO É A PRODUÇÃO DE LENHO. .................................................................................. 34 C Ó PIA
  5. 5. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 4 de 48 1. INTRODUÇÃO Os Planos de Gestão Florestal (PGF) são ferramentas imprescindíveis na gestão dos espaços florestais, constituem um dos principais desafios do setor florestal. O principal objetivo do Plano de Gestão Florestal dos baldios do Coelhoso é a salvaguarda e desenvolvimento dos recursos florestais à perpetuidade e de maximização do rendimento dos povoamentos, assegurando simultaneamente a correta aplicação dos vultuosos fundos públicos anualmente atribuídos a este setor. A elaboração e aprovação do PGF apenas adquire maior dinâmica com a aprovação dos Planos Regionais de Ordenamento Florestal (PROF), sendo estes indispensáveis na gestão dos povoamentos florestais, através das suas normas de uso, ocupação, utilização e ordenamento florestal. O Plano de Gestão Florestal é um instrumento de planeamento que se pretende dinâmico, adaptado à realidade dos baldios, este plano deve ser entendido efetivamente como orientador. C Ó PIA
  6. 6. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 5 de 48 A. DOCUMENTOS DE AVALIAÇÃO 1. ENQUADRAMENTO SOCIAL E TERRITORIAL DO PLANO 1.1. Caracterização do proprietário e da gestão 1.1.1. Proprietário Nome: Comissão de Compartes dos Baldios do Coelhoso Telemóvel: 912 110 563 (Presidente da Comissão de Compartes dos Baldios do Coelhoso) E-mail: ccbcoelhoso@gmail.com Website: ccbcoelhoso.blogspot.com 1.1.2. Entidade responsável pela gestão Nome: Comissão de Compartes dos Baldios do Coelhoso Telemóvel: 912 110 563 (Presidente da Comissão de Compartes dos Baldios do Coelhoso) E-mail: ccbcoelhoso@gmail.com Website: ccbcoelhoso.blogspot.com 1.1.3. Técnico responsável pela elaboração do PGF Nome: Andreia Carina Borges Baptista Telemóvel: 918 727 860 E-mail: andreia.baptista@arbogest.pt Formação Académica: Licenciatura em Engenharia dos Recursos Florestais C Ó PIA
  7. 7. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 6 de 48 1.2. Caracterização geográfica 1.2.1. Identificação da exploração florestal  Designação: Baldios do Coelhoso  Área: 67,25 ha Os baldios do Coelhoso são administrados pela Comissão de Compartes.  Presidente da Comissão de Compartes dos Baldios do Coelhoso: Nuno Simões  Contacto: 912 110 563 Dentro da área abrangida pelos baldios do Coelhoso, 3,58 ha é gerida pelos seus proprietários, área privada. 1.2.2. Inserção administrativa  Freguesia: Castelões  Concelho: Tondela  Distrito: Viseu 1.2.3. Localização e acessibilidade da exploração Os baldios do Coelhoso localizam-se no distrito de Viseu, concelho de Tondela e freguesia de Castelões. Quanto à Nomenclatura das Unidades Territoriais para Fins Estatísticos enquadra-se na NUTS II (Centro), sendo coincidente com o limite da NUTS III (Dão-Lafões). No que se refere ao enquadramento relativamente à zonagem do Ministério da Agricultura do Desenvolvimento Rural e das Pescas, este concelho está inserido na Região Agrária da Beira Litoral e pertence à Circunscrição Florestal da Zona Centro, regendo-se ao nível florestal, pelo Plano Regional de Ordenamento Florestal do Dão-Lafões, sub- região homogénea Floresta da Beira Alta. C Ó PIA
  8. 8. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 7 de 48 Carta Militar:  188  189 Anexo I – Mapa de Localização e Identificação C Ó PIA
  9. 9. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 8 de 48 2. CARACTERIZAÇÃO BIOFÍSICA DA PROPRIEDADE 2.1. Relevo e altimetria O andar altimétrico predominante é o basal, compreendido ente os 0 e os 400 metros, ou seja, os baldios localiza-se numa classe de baixa altitude. O declive é pouco acentuado (> 10%), e a exposição Sul é a mais representativa dos baldios. Os baldios do Coelhoso estão inseridos na bacia hidrográfica do Mondego, sendo o rio Criz o único curso de água permanente existente. 2.2. Clima Os baldios do Coelhoso apresentam uma variação da temperatura média mensal do ar entre os 12,5ºC e os 15ºC. A precipitação total varia entre os 1600 mm e 2000 mm, com ocorrência superior 100 dias/ano. A humidade relativa varia entre os 70 - 75%, e a ocorrência de geadas entre os 10 e 20 dias/ano. Os ventos dominantes correspondem aos quadrantes W e SW que dominam nos períodos mais favoráveis à ocorrência de incêndios. 2.3. Solos Do posto de vista litológico, os baldios do Coelhoso caraterizam- se pela presença de rochas ácidas duras (4,6 <pH <5,5). Estas, por sua vez, são compostas por granitos e rochas afins, xistos-grauváquicos e quartzitos. 2.4. Fauna, flora e habitats Espécies arbóreas  Pinheiro-bravo (Pinus pinaster)  Eucalipto-comum (Eucalyptus globulus)  Carvalho (Quercus spp.)  Mimosa (Acacia dealbata)  Amieiro (Alnus glutinosa) C Ó PIA
  10. 10. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 9 de 48  Freixo-de-folhas-estreitas (Fraxinus angustifólia)  Salgueiro (Salix spp.) Espécies arbustiva  Urzes (Erica spp.)  Carqueja (Pterospartum tridentatum)  Giesta (Cytisus spp.)  Tojo (Ulex europaeus)  Esteva e sargaço (Cistus spp.) Cogumelos Silvestres  Míscaros (Tricholoma equestre)  Boletos (Boletus edulis)  Tortulhos (Tricholoma equestre) 2.5. Pragas, doenças e infestantes  Mimosa (Acacia dealbata) Controlo físico Arranque manual: metodologia preferencial para plântulas e plantas jovens. Em substratos mais compactados, o arranque deve ser realizado na época das chuvas de forma a facilitar a remoção do sistema radicular. Deve garantir-se que não ficam raízes de maiores dimensões no solo. Corte com motorroçadora: metodologia preferencial para plântulas resultantes de germinação que tenham ainda dimensões muito pequenas. Deve aplicar-se apenas em dias quentes desde que respeitando as condições de segurança. Controlo físico + químico Corte combinado com aplicação de herbicida: aplica-se a plantas adultas. Corte do tronco tão rente ao solo quanto possível e aplicação imediata (impreterivelmente nos segundos que se seguem) de herbicida (princípio ativo: glifosato) na toiça. Se houver formação de rebentos, estes devem ser eliminados através de corte, arranque ou pulverização foliar com herbicida; até 25 a 50 cm de altura. Rebentos de maiores C Ó PIA
  11. 11. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 10 de 48 dimensões (a partir de 2-3 cm de diâmetro) podem ser descascados ou repetir a metodologia inicial (corte com aplicação de herbicida). 2.6. Incêndios florestais, cheias e outros riscos naturais De acordo com o parecer emitido pelo Departamento do Urbanismo, Planeamento e Equipamentos Públicos do Município de Tondela os baldios do Coelhoso não foram percorridos por incêndios nos últimos 10 anos. C Ó PIA
  12. 12. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 11 de 48 3. REGIMES LEGAIS ESPECÍFICOS 3.1. Restrições de utilidade pública  REN (Rede Ecológica Nacional) A REN ocupa cerca de 6,95 ha, o que corresponde a 10,33 % da área total dos baldios do Coelhoso. As áreas com risco de erosão, cabeceiras de linhas de água, cursos de água e escarpas são os sistemas abrangidos pela REN. As ações de destruição do revestimento vegetal necessárias às operações de condução e exploração de espaços florestais consideram-se compatíveis com o regime da REN, desde que não envolvam técnicas de preparação do terreno ou de instalação que contribuam para o aumento da erosão do solo. A operacionalização de intervenções em áreas definidas de REN carece de comunicação à CCDR (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional). Legislação Aplicável  Decreto-Lei n.º 166/2008 de 22 de Agosto  Linha de transporte de eletricidade A faixa de servidão das linhas de transporte de eletricidade ocupa 3,59 ha, o que corresponde a cerca de 5,34 % da área total dos baldios do Coelhoso. A REN – Rede Eléctrica Nacional, SA na qualidade de concessionária da Rede Nacional de Transporte de Electricidade (RNT), estabelece com vista a garantir a segurança de exploração das linhas a zona de proteção terá uma largura de 45 metros, limitada por duas retas paralelas distanciadas 22,5 metros do eixo do traçado, onde se pode cortar ou decotar as árvores necessárias para garantir a distância mínima de segurança. Legislação Aplicável  Decreto Regulamento n.º 1/92, de 18 de Fevereiro C Ó PIA
  13. 13. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 12 de 48  Marcos geodésicos Os marcos geodésicos têm zonas de proteção que abrangem uma área em redor do sinal, com o raio mínimo de 15 metros, estando aí condicionada a plantação de árvores. Legislação Aplicável  Decreto-Lei n.º 143/82, de 26 de Abril Anexo II – Mapa das Restrições de Utilidade Pública 3.2. Instrumentos de planeamento florestal  PROF: Plano Regional de Ordenamento Florestal de Dão- Lafões Os baldios do Coelhoso estão inseridos no PROF de Dão-Lafões, sub-região homogénea Floresta da Beira Alta. A sub-região homogénea Floresta da Beira Alta caracteriza-se por um elevado potencial produtivo lenhoso revelando igualmente potencialidade para o desenvolvimento de atividades de recreio, enquadramento e estética da paisagem, com uma crescente procura por parte das populações dos centros urbanos mais próximos. O desenvolvimento destas potencialidades deve ser realizado de forma integrada tendo em conta questões como a proteção das margens, fixação de vertentes e cabeceiras de bacias. A importância destas potencialidades e condicionantes reflete-se na hierarquização das funções desta sub-região, apresentando-se na seguinte sequência: 1ª Função: Produção 2ª Função: Recreio, enquadramento e estética da paisagem 3ª Função: Proteção Nesta sub-região não se podem descurar as manchas contínuas principalmente de pinheiro-bravo, cujo aumento ou manutenção de área devem ter em conta questões de defesa da floresta conta incêndios, nomeadamente no que diz respeito à descontinuidade de vegetação e C Ó PIA
  14. 14. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 13 de 48 carga de combustível. Todas estas questões devem ser abordadas de uma forma integrada conjugando as múltiplas funções dos espaços florestais que constituem esta sub-região e suas condicionantes.  PMDFCI: Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios do Concelho de Tondela O Plano de Gestão Florestal dos baldios do Coelhoso está de acordo com as recomendações do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios do Concelho de Tondela. O objetivo global deste PMDFCI é a maximização da contribuição do espaço florestal para o desenvolvimento económico do concelho, contribuindo significativamente para a produção florestal. 3.3. Instrumento de gestão territorial  PDM: Plano Diretor Municipal de Tondela As orientações estratégicas definidas no Plano Diretor Municipal (PDM) de Tondela são consideradas na elaboração do Plano Gestão Florestal dos baldios do Coelhoso. O PDM de Tondela é um instrumento imprescindível do Sistema de gestão territorial em que assenta a política de ordenamento do território e do urbanismo. 3.4. Outros ónus relevantes para a gestão Não aplicável. C Ó PIA
  15. 15. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 14 de 48 4. CARACTERIZAÇÃO DE RECURSOS 4.1. Infraestruturas florestais 4.1.1. Rede viária florestal (RVF) Os baldios do Coelhoso apresentam uma rede viária florestal com uma densidade elevada, a qual é constituída maioritariamente por troços circuláveis: caminhos/ estradões florestais com aproximadamente 4 metros de largura, o que corresponde a uma área de 3, 25 ha. Grande parte da extensão da rede viária florestal apresenta um estado de conservação razoável. O que pode vir a dificultar a circulação de veículos é a inexistência de valetas e sulcos de drenagem, e ainda a existência de vegetação nas bermas da plataforma de rodagem. 4.1.2. Armazéns e outros edifícios associados à gestão Não aplicável. 4.1.3. Infraestruturas DFCI Os badios do Coelhoso integram o Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI) do Concelho de Tondela. As Faixas de Gestão de Combustível (FGC) estão de acordo com o enquadramento pedido ao Município de Tondela. Estas FGC coincidem com as faixas exteriores de proteção de largura mínima não inferior a 100 metros aos aglomerados populacionais e de 50 metros à volta das edificações ou instalações medidas a partir da alvenaria exterior da edificação; com a área da Rede Ecológica Nacional e com uma faixa de proteção aos terrenos agrícolas. Durante o trabalho de elaboração do presente plano constatou-se a importância de definir as seguintes faixas de gestão de combustível:  Linha de transporte de eletricidade Faixa de gestão de combustível de 45 metros, limitada por duas retas paralelas distanciadas 22,5 metros do eixo do traçado. C Ó PIA
  16. 16. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 15 de 48  Marco geodésico Faixa de gestão de combustível de 15 metros em redor do marco geodésico.  Resíduos florestais Segundo o artigo 19º do decreto-lei n.º 17/2009, de 14 de janeiro o depósito de resíduos florestais é interdito nas redes de faixas e nos mosaicos de parcelas de gestão de combustíveis, com exceção dos aprovados pela comissão municipal de defesa da floresta contra incêndios. Durante o período crítico só é permitido empilhamento em carregadouro de produtos resultantes de corte ou extração (estilha, rolaria, madeira, cortiça e resina), desde que seja salvaguardada uma área sem vegetação com 10 metros em redor e garantindo que nos restantes 40 metros a carga combustível é inferior ao estipulado no anexo do presente decreto-lei e que dele faz parte integrante. Assim, procedeu-se a uma faixa de gestão de combustível de 10 metros.  Ponto de água O ponto de água (PA) existente nos baldios do Coelhoso tem estruturas fixas, estando inserido na rede de pontos de água do PMDFCI do Concelho de Tondela. O PA está em bom estado de conservação e acessível a todo o tipo de viaturas. Faixa de Gestão de Combustível ao PA de 30 metros. Anexo III – Mapa das Infraestruturas DFCI e da Rede Viária Florestal (RVF) 4.1.4. Infraestruturas de apoio à gestão cinegética Não aplicável. C Ó PIA
  17. 17. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 16 de 48 4.1.5. Infraestruturas de apoio à silvopastorícia Não aplicável. 4.1.6. Infraestruturas de apoio ao recreio e turismo Na área dos baldios do Coelhoso estão presentes infraestruturas de apoio ao recreio e ao turismo, tais como, trilhos e percursos de natureza e algumas mesas de merendas, localizadas junto ao ponto de água. 4.2. Caracterização socioeconómica da propriedade 4.2.1. Função de produção A função de produção é a predominante nos baldios do Coelhoso, representando uma área de 54,46 ha. A produção de madeira, nomeadamente de espécies resinosas, é principal fonte de receitas para a Comissão de Compartes. 4.2.2. Função de proteção A função de proteção representa uma área de 6,95 ha. Esta função tem por objetivo a proteção da área abrangida pelos solos de Reserva Ecológica Nacional. 4.2.3. Função de conservação Não aplicável. 4.2.4. Função de silvopastorícia, caça e pesca Não aplicável. 4.2.5. Função de recreio, enquadramento e estética da paisagem A função de recreio, enquadramento e estética da paisagem representa uma área de 3,84 ha. Esta função tem como objetivo C Ó PIA
  18. 18. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 17 de 48 fomentar o turismo de natureza e proporcionar bem-estar da população local e dos seus visitantes. 4.2.6. Evolução histórica da gestão A área florestal em sentido lato tem vindo a aumentar, esta alteração resultou duma diminuição complementar da rede de vales agrícolas que garantia a compartimentação da paisagem, impedindo a existência de machas florestais de grande extensão. Assim, passou-se de um concelho onde o espaço rural se caraterizava por áreas florestais bem compartimentadas com terrenos agrícolas, para um concelho com grandes áreas florestais continuas, em que os vales agrícolas abandonados constituem hoje locais que potenciam os incêndios. A expansão da área florestal resultou mais do abandono agrícola e absentismo dos proprietários, do que propriamente de ações de florestações, ou seja, o abandono agrícola libertou terras, as quais foram parcialmente ocupa das por floresta arbórea e incultos. C Ó PIA
  19. 19. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 18 de 48 B. MODELO DE EXPLORAÇÃO 1. CARACTERIZAÇÃO E OBJETIVO DA EXPLORAÇÃO 1.1. Caracterização e objetivos de exploração 1.1.1. Caraterização geral Os baldios do Coelhoso estão inseridos no PROF de Dão-Lafões, sub-região homogénea Floresta da Beira Alta.  Uso do solo Tabela 1. Uso do solo Uso do solo Área ha % Floresta 62,43 92,83 Agricultura 0,74 1,10 Águas interiores 0,83 1,23 Rede viária florestal 3,25 4,83 Total 67,25 100 1.1.2. Compartimentação da propriedade A área dos baldios do Coelhoso dividiu-se em três talhões com base na função e nos objetivos de gestão dos povoamentos existentes. Tabela 2. Divisão dos talhões Talhão Função Área (ha) Talhão I Produção 54,46 Talhão II Proteção 6,95 Talhão III Recreio, enquadramento e estética da paisagem 3,84 Anexo IV – Mapa da compartimentação da área dos baldios do Coelhoso – Talhões C Ó PIA
  20. 20. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 19 de 48 1.1.3. Definição e delimitação das parcelas A compartimentação das parcelas está de acordo com os objetivos de cada talhão. Dado que a área dos badios não demostra qualquer tipo de gestão, as parcelas foram definidas como o propósito de uma ocupação futura. Tabela 3. Designação das parcelas Talhão Parcela Área (ha) I 1 4,67 2 5,37 3 6,05 4 5,97 5 6,22 6 7,20 7 5,65 8 1,15 9 8,86 10 3,32 II 1 6,95 III 2 3,84 Anexo V – Mapa da compartimentação da área dos baldios do Coelhoso - Parcelas 1.1.4. Componente florestal 1.1.4.1. Caracterização das espécies florestais, habitats e povoamentos  Talhão I – Função de Produção Parcelas 1, 2, 4, 5 e 7 Estas parcelas têm como fundamento a reconversão de pinheiro-bravo em eucalipto, estabelecendo como objetivo principal a produção de lenho de eucalipto. C Ó PIA
  21. 21. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 20 de 48 Parcelas 3, 6, 8 e 9 A condução dos povoamentos destas parcelas tem como objetivo a produção de lenho de pinheiro-bravo. Parcelas 10 O principal objetivo desta parcela é promover a produção de pinheiro-manso. Tabela 4. Caracterização das parcelas que constituem o talhão I Talhão Parcela Área Tipo de povoamento Descrição das espécies Idade Objetivo/ subfunção I 1 4,67 Puro Pinheiro- bravo 35 Eucalipto 2 5,37 35 Eucalipto 3 6,05 25 Pinheiro-bravo 4 5,97 35 Eucalipto 5 6,22 45 Eucalipto 6 7,20 45 Pinheiro-bravo 7 5,65 45 Eucalipto 8 1,15 45 Pinheiro-bravo 9 8,86 45 Pinheiro-bravo 10 3,32 Carvalho 5 Pinheiro-manso  Talhão II – Função de Proteção Parcela 1 A parcela 1 coincide com os solos abrangidos pela Reserva Ecológica Nacional (REN), ocupa 6,95 ha da área dos badios. Esta parcela é constituída por povoamento misto de folhosas diversas e pinheiro-bravo, tendo como principal objetivo a proteção da rede hidrográfica. C Ó PIA
  22. 22. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 21 de 48 Tabela 5. Caracterização da parcela que constitui o talhão II Talhão Parcela Área Tipo de povoamento Descrição das espécies Objetivo/ subfunção II 1 6,95 Misto Folhosas diversas + pinheiro-bravo Proteção da rede hidrográfica  Talhão III – Função de recreio, enquadramento e estética da paisagem. Parcela 1 A parcela 1 é constituída por povoamento misto de folhosas diversas, pinheiro-bravo e ciprestes corresponde a 3,84 ha da área dos badios. O principal objetivo desta parcela é o recreio, enquadramento e estética da paisagem. Tabela 6. Caracterização da parcela que constitui o talhão III Talhão Parcela Área Tipo de povoamento Descrição das espécies Objetivo/ subfunção III 1 3,84 Misto Folhosas diversas + pinheiro- bravo + ciprestes Recreio, enquadramento e estética da paisagem 1.1.4.2. Caracterização dos povoamentos (descrição parcelar – dp)  Talhão I – Função de Produção Parcelas 1, 2 e 4 O povoamento presente nestas parcelas é caraterizado pela espécie florestal pinheiro-bravo de estrutura irregular, com aproximadamente 35 anos. Este apresenta uma densidade média de 900 árvores/ ha, originário de regeneração natural. Outra espécie existente neste povoamento é a mimosa. Com porte arbustivo, esta espécie invasora tem vindo a alastrar, sendo cada vez mais necessário implementar medidas de erradicação desta. C Ó PIA
  23. 23. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 22 de 48 Nestas parcelas pode verificar-se também a existência de alguma perigosidade no terreno. Parcela 3 Esta parcela apresenta um povoamento puro de pinheiro-bravo de estrutura irregular, provenientes de regeneração natural, com uma média de idades aproximada de 25 anos. O povoamento encontra-se muito sobrelotado, em que a vegetação espontânea é praticamente inexistente. A densidade média do povoamento é de acerca de 2400 árvores/ ha. Parcela 5, 6, 7 e 8 Estas parcelas apresentam um povoamento puro de pinheiro- bravo de estrutura irregular, com cerca de 45 anos, proveniente de regeneração natural. O povoamento apresenta uma densidade reduzida, aproximadamente 550 árvores/ ha, uma vez que as árvores mortas têm vindo a ser abatidas. A vegetação espontânea não é muito significativa, constituída essencialmente por tojos, urzes e carqueja. Parcela 9 A parcela 9 ocupa a maior da área abrangida pela função de produção, cerca de 8,86 ha, apresenta um povoamento puro de pinheiro-bravo, com uma média de idades de 45 anos. Este povoamento apresenta uma estrutura irregular, procedente de regeneração natural, em que a vegetação espontânea é mediana. Junto aos caminhos tem vindo a propagar-se a mimosa, é imprescindível a irradicação desta espécie invasora na parcela. Parcela 10 A parcela 10 coincide com a faixa de servidão das linhas de transporte de eletricidade. C Ó PIA
  24. 24. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 23 de 48 Ao longo desta parcela encontram-se apenas alguns carvalhos, provenientes de regeneração natural, com aproximadamente 5 anos.  Talhão II – Função de Proteção Parcela 1 Povoamento misto de folhosas diversas e pinheiro-bravo de estrutura irregular, provenientes de regeneração natural, em que a vegetação espontânea é muito notória, uma vez que é de difícil acesso e com declive muito acentuado. Esta parcela é caracterizada pele presença de inúmeros exemplares de mimosas.  Talhão III – Função de recreio, enquadramento e estética da paisagem. Parcela 1 Os povoamentos presentes nesta parcela são irregulares e mistos, este foi o motivo pelo qual se optou por esta função. Não esquecendo o facto de estes estares junto aos aglomerados populacionais. A Comissão de Compartes já demostrou interesse em construi um caminho florestal nesta parcela, no sentido de melhorar a acessibilidade. O nível de impacto está dependente do nível de planeamento das infraestruturas e dos níveis de operacionalização requeridos. Se possível, deve-se manter essas infraestruturas fora de locais mais visíveis, ou então tentar minimizar o impacte visual. Deve-se considerar a plantação de espécies de longa revolução, com diferentes opções de silvicultura, nas faixas mais próximas e visíveis, e que ocultem as faixas mais afastadas. 1.1.5. Componente silvopastoril 1.1.5.1. Caraterização dos recursos forrageiros Não aplicável. C Ó PIA
  25. 25. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 24 de 48 1.1.5.2. Caraterização das pastagens (descrição parcelar – dp) Não aplicável. 1.1.6. Componente cinegética, aquícola e apícola Não aplicável. 1.1.7. Componente de recursos geológicos e energéticos 1.1.7.1. Caraterização dos recursos energéticos Não aplicável. 1.1.7.2. Caraterização dos recursos geológicos Não aplicável 1.2. Definição dos objetivos da exploração Atualmente verifica-se uma área dos baldios sem qualquer tipo de gestão, notando-se claramente um desordenamento paisagístico. Os objetivos definidos para os baldios, de acordo com a Comissão de Compartes, recai na valorização dos recursos já existentes, obtendo um rendimento contínuo da área dos baldios. Neste sentido, a gestão dos baldios vai ao encontro de obter parcelas com povoamentos mais ordenados e bem geridos. O talhão I, em que a produção de lenho é o objetivo principal, é o mais representativo, optou-se por selecionar os modelos de silvicultura que vão ao encontro de privilegiar ações de expansão e reconversão dos espaços florestais. O conjunto de intervenções que serão realizadas, de acordo com os modelos de silvicultura selecionados tem como objetivo a condução dos povoamentos com fins produtivos. No entanto, pretende-se que estes modelos abranjam mais do que silvicultura pura e que tenham um carácter mais abrangente de gestão florestal, onde se pressupõe também a existência de uma intervenção ativa e com restrições a considerar no plano de gestão florestal. C Ó PIA
  26. 26. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 25 de 48 A proteção é uma das funções presentes nos baldios, corresponde ao talhão II, as intervenções a executar vão ao encontro da proteção da rede hidrográfica. A galeria ripícola envolvente é fundamental para a proteção das margens e manutenção da qualidade da água. As intervenções previstas para esta área irão resultar numa vegetação lenhosa ribeirinha bem adaptada. A função de recreio, enquadramento e estética da paisagem, está representada no talhão III, as ações previstas tem como base salvaguardar os recursos agroflorestais, pois estes são condição fundamental para obter um sistema urbano equilibrado, confortável, acessível, económico, acolhedor e humanizado. C Ó PIA
  27. 27. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 26 de 48 2. ADEQUAÇÃO AO PROF As ações preconizadas neste PGF enquadram-se nos modelos de silvicultura previstos, no sentido de atingir os objetivos do Plano Regional de Ordenamento Florestal de Dão-Lafões, sub-região homogénea da Beira Alta, em que área dos baldios do Coelhoso se insere. Objetivos específicos da sub-região homogénea da Beira Alta:  Aumentar a área arborizada dos espaços florestais e promover a sua recuperação através da arborização com espécies de elevado potencial produtivo para a região.  Aumentar e adequar a totalidade dos espaços florestais ao uso para atividades de contemplação da paisagem, recreio e lazer ligadas à natureza.  Proteger as vertentes dos rios Vouga, Dão, Mondego, e seus afluentes.  Desenvolver a prática da pesca nas águas interiores associada ao aproveitamento para recreio nos espaços florestais.  Executar planos de gestão adequados nos espaços florestais sob gestão da administração pública tornando-os modelos a seguir pelos particulares. Com o intuito de serem alcançadas as metas definidas para a sub- região homogénea Floresta da Beira Alta, o PGF dos baldios contribui para o aumento dos espaços florestais arborizados. Privilegiando a escolha de espécies florestais e modelos de silvicultura, a fim de fomentar o elevando potencial produtivo. As potencialidades para o desenvolvimento de atividades de recreio, enquadramento e estética da paisagem também são consideradas neste PGF, uma vez que atualmente à uma procura significativa por parte das populações dos centros urbanos mais próximos por estas atividades. Outras das atividades com potencial nesta sub-região é a proteção das margens, fixação de vertentes e manutenção da qualidade da água. Deste modo, são igualmente aplicáveis as normas de suporte à C Ó PIA
  28. 28. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 27 de 48 intervenção nos espaços florestais com função de proteção que salvaguardem estas questões. Ao nível da sub-região homogénea Floresta da Beira Alta, as metas estabelecidas ao nível regional foram desagregadas de modo a permitir o alinhamento dos objetivos específicos com os objetivos gerais do PROF de Dão-Lafões. C Ó PIA
  29. 29. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 28 de 48 3. PROGRAMAS OPERACIONAIS 3.1. Programa de gestão da biodiversidade (obrigatório nas áreas classificadas) Não aplicável. 3.2. Programa de gestão da produção lenhosa Os modelos apresentados permitem identificar a sequência de intervenções silvícolas necessárias para a gestão dos povoamentos florestais identificados na área dos baldios. As operações sugeridas e a sua sequência temporal devem ser encardas com flexibilidade, visto um povoamento ser uma entidade dinâmica em evolução.  Talhão I – Função de Produção As parcelas 1, 2, 4, 5 e 7 cujo principal objetivo é a produção de lenho de eucalipto, a adequação das intervenções a executar têm como base a rentabilização do povoamento. O modelo de silvicultura para povoamento puro de eucalipto está descriminado na Tabela 7. Tabela 7. Modelo de Silvicultura – Povoamento puro de eucalipto, cujo objetivo é a produção de lenho. TIPO DE INTERVENÇÃO DESCRIÇÃO DA INTERVENÇÃO Instalação do Povoamento Mobilização do solo - Através de uma ripagem, a profundidade de aproximadamente 40 cm, somente nas linhas de plantação ou, em alternativa, proceder simplesmente à abertura de covas. Plantação - No início do Outono, permitindo um bom desenvolvimento radicular, mas expondo a geadas e encharcamentos. C Ó PIA
  30. 30. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 29 de 48 - Densidade inicial 1100 a 1400 árvores por hectare. Adubação de manutenção - A fazer ao longo da vida do povoamento e também consoante as carências existentes na estação em causa. Poderá ser efetuada aquando a limpeza de mato. Época: Primavera Limpeza de mato mecânica Gradagem - Com o objetivo de reduzir a concorrência pela luz, água e elementos minerais. A realizar no fim da Primavera, caso o grau de infestação justifique economicamente o seu controlo. - Mobilizar superficialmente o terreno entre as linhas de plantação. Completar com mondas à volta das pequenas árvores. Os restos da vegetação deverão ser incorporados no solo, através da gradagem. - Esta operação também cumpre objetivos de Defesa da Floresta Contra Incêndios. 1.º Corte - Corte do fuste, por cortes sucessivos. Este corte ao fim de 12 anos, contados a partir da instalação do povoamento, encerra este ciclo produtivo (rotação). NOTA: Anualmente será feito o levantamento das necessidades de limpezas de mato mecânicas e manuais e o controlo de pragas e doenças, intervindo-se através de cortes sanitários ou outros meios de luta sempre que se justifique. C Ó PIA
  31. 31. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 30 de 48 Desbaste das toiças (2.ª rotação) - Escolher, cerca de um ano e meio a dois anos após o corte, as varas (1.ª seleção de varas) que deverão ficar até ao fim da revolução. - É conveniente deixar 1 a 3 varas por toiça, escolhidas de entre as mais vigorosas, para compensar eventuais perdas. Poderá haver uma 2.ª seleção de varas ao fim de 4 anos (na 2.ª rotação). - A época de corte recomendável é o período de repouso vegetativo (Inverno), pois minimizar a mortalidade das toiças. Devem sobretudo ser evitadas as épocas húmidas e quentes, pelo risco de surgirem. Parcela 1, 2, 4, 5 e 7 Os povoamentos de pinheiro-bravo presentes nestas parcelas têm como principal objetivo a reconversão em povoamentos de eucalipto para produção de lenho. A reconversão do povoamento nestas parcelas vai ocorrer moderadamente, com o intuito de regularizar a área das parcelas e obter um maior rendimento das mesmas. Optou-se pelo eucalipto, por ser uma espécie bem adaptada aos nossos solos e ao nosso clima, apresenta uma boa produção anual e promove uma elevadíssima qualidade de madeira para pasta de papel. As intervenções a executar vão ao encontro da calendarização prevista. C Ó PIA
  32. 32. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 31 de 48 As parcelas 3, 6, 8 e 9 cujo principal objetivo é a produção de lenho de pinheiro-bravo, a adequação das intervenções a executar têm como base a rentabilização do povoamento. O modelo de silvicultura para povoamento puro de pinheiro- bravo está descriminado na Tabela 8. Tabela 8. Modelo de Silvicultura – Povoamento puro de Pinheiro bravo, cujo objetivo é a produção de lenho. INTERVENÇÃO DESCRIÇÃO DA INTERVENÇÃO Instalação Regeneração natural - É o método de instalação que se prevê menores custos. A viabilidade despende das características da estação. Condução do povoamento Limpeza - Tem como objetivo minimizar a concorrência pela luz, água e elementos minerais. - Eliminar a vegetação espontânea quando esta entra em contacto com a parte inferior da copa das árvores. - Remover as árvores mortas, doentes e em declínio (com forma deficiente, ramos muitos grossos ou sem dominância apical). Desramação - Realiza-se com o intuito de melhorar a qualidade da madeira através do aumento da produtividade do povoamento. - Desramação das árvores selecionadas previamente como árvores de futuro, feita até aos 3 - 4 metros de altura. - Desramar árvores com DAP compreendido entre os 10 e os 15 cm. - Não se devem cortar ramos com mais de 2 a 3 cm de diâmetro de base. Exploração Desbastes - Obtenção de receitas intermédias e seleção das árvores que chegarão ao corte final. C Ó PIA
  33. 33. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 32 de 48 - Realizar quando houver contacto entre as copas, removendo árvores mortas, doentes e em declínio. Corte final - Corresponde ao termo de explorabilidade e a obtenção de receita do povoamento. Densidade final, compreendida, entre 300 a 500 árvores por hectare. Parcela 3 A parcela 3 apresenta um povoamento de pinheiro-bravo com densidade excessiva, sem nunca ter sido intervencionado. Assim, propõe-se no ano 0 a limpeza, desramação e desbaste deste povoamento, com o intuito de atingir o seu principal objetivo, ou seja, a produzir madeira de boa qualidade. A limpeza de mato diminui o risco de propagação do fogo, a desramação realiza-se com o intuito de rentabilizar a produção de madeira sem nós para valorização comercial. E por fim, o desbaste para melhorar a qualidade do povoamento para que na altura do corte final se obtenham árvores de elevada qualidade. Neste desbaste deve retirar 30 a 40% das árvores deixando uma densidade próxima das 1000 árvores/ hectares. Parcela 6 e 8 O povoamento de pinheiro-bravo existente nestas parcelas, como já foi referido anteriormente, nunca teve qualquer tipo de gestão. Por conseguinte, pretende-se nesta área cortar o povoamento, uma vez que este já atingiu o termo de explorabilidade. Aproveitando a regeneração natural e conduzindo-o de acordo com as intervenções propostas, de forma a obter um povoamento produtivo. É imprescindível não descurar das condições de regeneração natural, ou seja, as árvores deverão ser abatidas deixando cerca de 5% para sementão, sendo estas as espécies de maior porte, pois no ano seguinte darão origem a cerca de 5 000 novas plantas por hectare. C Ó PIA
  34. 34. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 33 de 48 Parcela 9 A área da parcela 9 apresenta um povoamento de pinheiro- bravo em que objetivo deste é produzir madeira de boa qualidade. Por este motivo, irão ser executadas as seguintes intervenções: limpeza e desbaste. Estas operações permitem diminuir o risco de propagação de incêndio e a densidade do povoamento, ao comtemplarem a remoção das árvores mortas, bifurcadas e dominadas. Não esquecendo a importância de vender a madeira daí retirada e obter algum rendimento intercalar, e por outro lado, para arejar o pinhal, melhorando as condições de crescimento das árvores selecionadas que vão formar o povoamento final. A condução deste povoamento também tem o intuito de extrair e colher resina do pinheiro-bravo. C Ó PIA
  35. 35. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 34 de 48 As parcelas 10 cujo principal objetivo é a produção de lenho de pinheiro-manso, a adequação das intervenções a executar têm como base a rentabilização do povoamento. O modelo de silvicultura para povoamento puro de pinheiro- manso está descriminado na Tabela 9. Tabela 9. Modelo de Silvicultura – Povoamento puro de Pinheiro manso, cujo objetivo é a produção de lenho. INTERVENÇÃO DESCRIÇÃO DA INTERVENÇÃO Instalação do povoamento Plantação - A plantação deve decorrer no início do Outono. - As plantas a introduzir devem ter altura mínima de 15 cm e idade mínima de 7 a 8 meses. Uma vez que estas característica condicionam a sua resistência à transplantação, a rapidez de crescimento no local definitivo, a facilitada de enraizamento e a capacidade de competição com a vegetação espontânea. - Densidade de 157 árvores por hectare, correspondendo a um compasso de 8 m x 8 m. Condução do povoamento Limpeza - Tem como objetivo minimizar a concorrência pela luz, água e elementos minerais. - Eliminar a vegetação espontânea quando esta entra em contacto com a parte inferior da copa das árvores. Desramação - Realiza-se com o intuito de melhorar a qualidade da madeira através do aumento da produtividade do povoamento. - Desramar árvores com DAP compreendido entre os 10 e os 15 cm. - Não se devem cortar ramos com mais de 2 a 3 cm de diâmetro de base. Exploração Desbastes - Realizar quando houver contacto entre as copas, removendo árvores mortas, doentes e em declínio. C Ó PIA
  36. 36. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 35 de 48 Corte final - Corresponde ao termo de explorabilidade e a obtenção de receita do povoamento. Parcela 10 O povoamento desta parcela, como já foi referido, coincide com a faixa de servidão das linhas de transporte de eletricidade. Neste sentido, o modelo de silvicultura foi adequado às exigências impostas pela REN – Rede Eléctrica Nacional, SA. . C Ó PIA
  37. 37. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 36 de 48  Talhão II – Função de Proteção Parcela 1 O povoamento misto de folhosas diversas e pinheiro-bravo tem como principal objetivo a proteção da rede hidrográfica. A condução deste povoamento vai ao encontro da proteção das margens e da manutenção da qualidade da água. A vegetação lenhosa ribeirinha está bem adaptada à alternância das condições hídricas do solo. Deste modo a proteção da rede hidrográfica consiste principalmente no ordenamento e planeamento da floresta da banda ripícola. Entre as ações que se podem realizar com este conjunto de técnicas podemos listar a correção de densidades excessivas, desramações e a gestão do estrato arbustivo. A correção de densidades excessivas consiste na implementação de cortes nos povoamentos, reduzindo assim a sua densidade. Os critérios de prioridade podem centrar-se no corte de árvores decrépitas ou mortas, mal adaptadas à estação e/ou com fraco desenvolvimento vegetativo, ou com visíveis problemas fitossanitários. Todo o material lenhoso resultante destas operações deverá ser estilhaçado e/ou triturado e incorporado, quando possível. As desramações são realizadas com o objetivo de promover a descontinuidade vertical do combustível, recomendando-se o recurso a técnicas manuais de gestão de combustíveis, em árvores que tenham ramos ao nível do estrato arbustivo e arbóreo, evitando-se, assim, o contacto entre os estratos herbáceos e arbustivos. Para o estrato arbustivo poderão utilizar-se motorroçadoras de disco, para cortar vegetação até 5 cm de diâmetro. A gestão moto-manual de combustíveis permite maior seletividade de espécies, indicada para locais onde não é possível o uso de mais nenhuma outra técnica, seja por condicionantes morfológicas do território ou pela presença de espécies ou comunidades vegetais protegidas ou ecologicamente sensíveis. C Ó PIA
  38. 38. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 37 de 48 Deverá ser feita uma redução da carga combustível suficiente para alcançar um baixo índice de perigo de incêndio. A Comissão de Compartes pretende elaborar uma candidatura ao Plano de Desenvolvimento Rural 2020 (PDR 2020), no sentido de obter financiamento comunitário para a execução das operações propostas.  Talhão III – Função de recreio, enquadramento e estética da paisagem. Parcela 1 Nesta parcela deve-se considerar em torno dos aglomerados urbanos, os cortes finais devem ser sequenciados de forma a começar de trás para a frente dos aglomerados, para que as faixas da frente ocultem até ao máximo de tempo possível a intervenção. Quando esta faixa finalmente é cortada, serão revelados diferentes estágios de desenvolvimento. As espécies escolhidas para rearborizar devem apresentar normalmente copas amplas e bem conformadas. Com a idade, devem tornar-se árvores de grande porte, sendo admissível a opção por variedade com folhas coloridas. É desaconselhado o uso de espécies reconhecidas como de baixa resistência ao vento em locais habitados ou de passagem de peões e viaturas, onde possam constituir risco para a segurança de pessoas e bens. Evitar espécies dotadas de órgãos venenosos e/ou espinhosas em áreas utilizadas para recreio e lazer, ou de passagem obrigatória de peões, designadamente quando seja previsível a presença de crianças. Em torno dos aglomerados urbanos devem ser acauteladas faixas de proteção contra a progressão de incêndios, respeitando nas suas dimensões e características a legislação em vigor nesta matéria. C Ó PIA
  39. 39. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 38 de 48 3.3. Programa de gestão do aproveitamento dos recursos não lenhosos e outros serviços não associados Não aplicável 3.4. Programa de infraestruturas Das infraestruturas presentes na área dos baldios do Coelhoso são de realçar a extrema importância da rede viária florestal e dos pontos de água, umas vez que estas infraestruturas são imprescindíveis para o ordenamento, gestão e proteção da floresta. Algumas normas a considerar no planeamento, construção e manutenção da rede viária florestal:  A largura mínima da faixa de rodagem deverá ser de 4 metros, tendo em consideração o tipo de veículos que utilizam estes caminhos, quer sejam afetos à exploração quer aos corpos de bombeiros;  Junto a cada ponto de água, é indispensável prever sempre uma zona de manobra;  Deve proceder-se à remoção periódica de material inflamável (por exemplo, folhas ou outros combustíveis finos ou mortos) de forma a evitar a ignição e a propagação do fogo de um para o outro lado da estrada;  Os locais de carregamento de material lenhoso deverão também manter-se limpos, mesmo fora dos períodos de utilização. O planeamento, construção e manutenção da rede viária florestal obedece a um vasto conjunto de especificações e normas, pelo fortíssimo impacto que tem no meio ambiente, na produtividade e na proteção dos espaços florestais. O rigor na sua definição impõe-se ainda pelos elevados custos de construção e, sobretudo, de manutenção que a ela estão normalmente associados. Por estes motivos, a Comissão de Compartes pretende elaborar uma candidatura, no sentido de obter financiamento comunitário para execução destas operações. C Ó PIA
  40. 40. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 39 de 48 No que se refere, ao ponto de água presente nos baldios do Coelhoso devesse considerar os seguintes aspetos:  O ponto de água deve estar devidamente assinalado na cartografia e disponível para os meios de combate ou estruturas de comando das operações;  A capacidade das massas de água disponíveis não deverá, em média, ser inferior a 600 m3 para uma área florestal de 1000 hectares. O ponto de água construído está de acordo com o Decreto-Lei n.º 17/2009 de 14 de Janeiro que regula a construção de pontos de água em termos de Defesa da Floresta Contra Incêndios. 3.5. Programa das operações silvícolas mínimas As faixas de gestão de combustível estão previstas neste plano, de modo a cumprir com o estipulado no decreto-lei n.º 17/2009, de 14 de Janeiro, segundo a alteração (e republicação) ao Decreto-Lei n.º 124/ 2006, de 28 de Junho. No programa das operações silvícolas mínimas agrupa-se um conjunto de medidas aplicadas aos povoamentos florestais que visam dificultar a progressão do fogo e diminuir a sua intensidade, limitando os danos causados no arvoredo. O principal objetivo é garantir que os povoamentos possuam a máxima resistência à passagem do fogo e reduzir a dependência das forças de combate para a sua proteção. As operações silvícolas mínimas que se devem considerar são as seguintes: O controlo da vegetação espontânea, enquanto material combustível de elevada carga, diminuindo assim o grau de risco de incêndio na área florestal; A correção de densidades excessivas permite a eliminação de exemplares dominados, doentes, mal conformados e secos. Assim, admite a descontinuidade no povoamento florestal, onde não existe continuidade horizontal e retirando os piores indivíduos, no sentido de dificultar a transmissão do fogo entre árvores contiguas; C Ó PIA
  41. 41. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 40 de 48 A desramação e/ou poda de formação é uma operação que consiste em retirar os andares inferiores das copas das árvores. É realizada no terço inferior da árvore, permitindo criar uma descontinuidade vertical. O principal objetivo desta operação é produzir madeira sem nós e de melhorar as condições que diminuem o adelgaçamento do tronco. No entanto, também será executada com a finalidade de reduzir a possibilidade de desenvolvimento vertical do fogo. Contudo, os resultados da gestão de combustíveis dependem fortemente do tipo de vegetação e das condições locais de solo e clima, o que dificulta um planeamento adequado a medio e longo prazo, incluindo o tipo e periodicidade das intervenções a aplicar. 3.6. Gestão florestal preconizada (calendarização das intervenções)  Talhão I – Função de Produção C Ó PIA
  42. 42. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 41 de 48 Parcela 1 e 2 I INTERVENÇÕES ANO 0 2015 ANO 2 2017 ANO 4 2019 ANO 8 2023 ANO 12 2027 ANO 14 2029 ANO 16 2031 ANO 20 2035 ANO 24 2039 ANO 26 2041 ANO 28 2043 ANO 32 2047 ANO 36 2051 ANO 38 2053 ANO 40 2055 Instalação do Povoamento Mobilização do solo x Plantação x Condução do Povoamento Adubação de manutenção x x x x x Limpeza de mato mecânica x x x x x x x x x x Desbaste das toiças x x x x x x Exploração Corte x x x C Ó PIA
  43. 43. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 42 de 48 Parcela 3 INTERVENÇÕES ANO 0 2015 ANO 5 2020 ANO 10 2025 ANO 15 2030 ANO 20 2035 ANO 25 2040 ANO 30 2045 ANO 35 2050 ANO 40 2055 Instalação de Povoamento Aproveitamento de regeneração natural x Condução de Povoamento Limpeza x x x Desramação x x x Exploração Desbaste x x x x Corte final x C Ó PIA
  44. 44. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 43 de 48 Parcel 4 e 7 INTERVENÇÕES ANO 0 2023 ANO 2 2025 ANO 4 2027 ANO 8 2031 ANO 12 2035 ANO 14 2037 ANO 16 2039 ANO 20 2043 ANO 24 2047 ANO 26 2049 ANO 28 2051 ANO 32 2055 Instalação do Povoamento Mobilização do solo x Plantação x Condução do Povoamento Adubação de manutenção x x x x Limpeza de mato mecânica x x x x x x x x Desbaste das toiças x x x x Exploração Corte x x C Ó PIA
  45. 45. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 44 de 48 Parcela 5 INTERVENÇÕES ANO 0 2019 ANO 2 2021 ANO 4 2023 ANO 8 2027 ANO 12 2031 ANO 14 2033 ANO 16 2035 ANO 20 2039 ANO 24 2043 ANO 26 2045 ANO 28 2047 ANO 32 2051 ANO 36 2055 Instalação do Povoamento Mobilização do solo x Plantação x Condução do Povoamento Adubação de manutenção x x x x Limpeza de mato mecânica x x x x x x x x Desbaste das toiças x x x x Exploração Corte x x x C Ó PIA
  46. 46. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 45 de 48 Parcela 6 e 8 INTERVENÇÕES ANO 0 2015 ANO 5 2020 ANO 10 2025 ANO 15 2030 ANO 20 2035 ANO 25 2040 ANO 30 2045 ANO 35 2050 ANO 40 2055 Instalação de Povoamento Aproveitamento de regeneração natural x x Condução de Povoamento Limpeza x x Desramação x x Exploração Desbaste x x x Corte final x x C Ó PIA
  47. 47. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 46 de 48 Parcela 9 INTERVENÇÕES ANO 0 2015 ANO 5 2020 ANO 10 2025 ANO 15 2030 ANO 20 2035 ANO 25 2040 ANO 30 2045 ANO 35 2050 ANO 40 2055 Instalação de Povoamento Aproveitamento de regeneração natural x Condução de Povoamento Limpeza x x x x Desramação x x Exploração Desbaste x x x x Corte final x C Ó PIA
  48. 48. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 47 de 48 Parcela 10 INTERVENÇÕES ANO 0 2015 ANO 5 2020 ANO 10 2025 ANO 15 2030 ANO 20 2035 ANO 25 2040 ANO 30 2045 ANO 35 2050 ANO 40 2055 Instalação de Povoamento Plantação x Condução de Povoamento Limpeza x x Desramação x x Exploração Desbaste x Corte final x C Ó PIA
  49. 49. PLANO DE GESTÃO FLORESTAL Baldios do Coelhoso Página 48 de 48 C. ANEX0S C Ó PIA

×