SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
POPULAÇÃO MUNDIAL
http://bibocaambiental.blogspot.com.br/
Professor Omar Fürst
“O crescimento natural da população remete continuamente a problemas
relativos à preservação do meio e os povos devem adotarnormas e medidas
apropriadas para fazerfrente a esses problemas [...]
De tudo quanto existe no mundo, o serhumano é o bemmais valioso, pois é ele que
promove o progresso social, cria riquezas, desenvolve a ciência e a tecnologia e,
com seu árduo trabalho, transforma continuamente o meio humano”.
Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente. Estocolmo, 1972.
A população corresponde ao contingente de pessoas, que ocupam um determinado
espaço geográfico. Estando relacionado diretamente, ao grupo de pessoas da região rural ou
urbana.
O número de habitantes de um determinado espaço geográfico, recebe o nome de
população absoluta.
O número de habitantes porquilômetro quadrado, recebe o nome de população relativa.
O crescimento populacional (crescimento vegetativo) ocorre em função de duas
variáveis:
PopulaçãoPopulação
saldo entre as taxas de natalidade (%0) e mortalidade (%0),
saldo entre o número de imigrantes e emigrantes.
 Em 1994, o planeta contava
com 5.600.000.000 de
habitantes.
 Do início dos anos 1970, até
hoje, o crescimento da
população mundial caiu de 2,1%
para 1,6% ao ano.
 O número de mulheres que
utilizam algum método
anticoncepcional aumentou de
10% para 50%, no mundo.
 Ocrescimento acelerado da
população mundial, passou a ser
denominado no século XXde
“explosãodemográfica”, e até
“babyboom”.
 
 
O Crescimento da População MundialO Crescimento da População Mundial
 Na Europa, a transição demográfica praticamente já se completou.
 Isso significa que, na maior parte dos países do continente europeu, o
crescimento vegetativo ou natural da população é praticamente nulo e,
em alguns casos negativos.
 Em alguns países do continente europeu, a população só está crescendo
graças à entrada de imigrantes.
 Na Itália porexemplo, a taxa de fecundidade é de 1,1.
(a menordo mundo).
 Até o final do século XVIII, e início do XIX, o crescimento vegetativo ou
natural da população mundial era lento, devido:
as altas taxas de Natalidade (%0)
as altas taxas de Mortalidade (%0 )
 
 
Crescimento Vegetativo ou Natural        
NN++
((‰) - M) - M++
((‰) = CV ou N= CV ou N--
((‰))
Fase I :
• Dos primórdios da humanidade até o final do século
XVIII, o crescimento populacional mundial era lento
devido as altas taxas de natalidade (‰) e mortalidade (
‰).
• Apresentando uma baixa expectativa ou esperança de
vida.
Fases do Crescimento Populacional MundialFases do Crescimento Populacional Mundial
NN++
((‰) - M- M++
((‰) = CV= CV (‰)
Fase II:
Do início do século XIX, até a Segunda Guerra Mundial.
 Desenvolvimento científico e tecnológico, relacionado diretamente coma
primeira revolução técnico-científica ou primeira revolução industrial.
 Melhoria das condições de vida, principalmente no continente europeu.
 Redução nas taxas de mortalidade (‰) primeiramente da população européia,
originando um maiorcrescimento populacional no continente.
 Nos outros continentes, a população continuava crescendo lentamente,
devido as altas taxas de mortalidade (‰), principalmente infantil.
NN++
((‰) - M) - M --
((‰) = CV/N) = CV/N ++
((‰))
Fase III:
Após a Segunda Guerra Mundial.
•  Ocorre a chamada “ Explosão Demográfica Mundial “.
as elevadas taxas de natalidade (‰)
as baixas taxas de mortalidade (‰)
 
  NN++
 ( (‰) -  M ) -  M --
 ( (‰) = CV/N ) = CV/N ++
((‰)
• Ummaiorcrescimento demográfico, principalmente nos países periféricos de
industrialização tardia ou retardatária que vão se beneficiardiretamente das novas
tecnologias desenvolvidas pelos países centrais.
• Ogrande avanço médico – científico – sanitário do mundo pós-guerra, com
redução das taxas de mortalidade (‰), principalmente infantil nos países
periféricos.
•  Difusão de novos medicamentos, a vacinação emmassa, o controle crescente
sobre as epidemias e endemias.
• Operíodo da chamada “Guerra Fria” e a bipolarização da economia mundial.
• O envelhecimento da população européia ao entrarem umestágio de transição
demográfica.
• A Inglaterra desempenhou um papel
pioneiro no processo produtivo de
transformações técnicas - científicas e
econômicas que ficou conhecida, como
Revolução Industrial.
• Ao longo da Idade Moderna, do
século XV ao XVIII, criou-se as pré-
condições para o desencadeamento da
chamada Revolução Industrial.
•A Revolução Industrial começou na
Inglaterra em fins do século XVIII e,
durante algum tempo, foi um fenômeno
exclusivamente inglês.
• Em 1750, a população do continente europeu era de aproximadamente 140 milhões de
habitantes.
• Em 1840, a população européia já alcançava 270 milhões de habitantes.
• Entre 1801 e 1851, a população européia passou de 8,9 para 17,9 milhões de pessoas.
• Esse rápido crescimento populacional europeu, ajuda a entender a Teoria de Thomas
Robert Malthus.
• A propagação dessa revolução industrial para outros países, além da Europa, como os
Estados Unidos e Japão provocou uma política de expansão imperialista, que conduziu o
mundo à Primeira Guerra Mundial.
• Os setores empresariais dispunham de mão-de-obra numerosa e dependente, proveniente
principalmente do campo.
• Essa mão-de-obra crescia em função do aumento demográfico causado pela diminuição
das taxas de mortalidade (‰), principalmente infantil e manutenção das altas taxas de
natalidade (‰).
• A migração do campo para as cidades, provocada pelos “enclosures”, conhecido como
“cercamento dos campos”, criava umcontingente de indivíduos sem emprego.
A produtividade da agricultura aumentava cada vez mais, ampliando a
disponibilidade de alimentos e liberando mão-de-obra para as atividades urbanas.
 A jornada de trabalho nas cidades tinha à duração em média de 14 à 16 horas
diárias, combaixos salários.
 O desemprego levou à formação do chamado “exército industrial de reserva”.
 O desenvolvimento da infra-estrutura e do saneamento básico nas cidades
provocou uma redução nas taxas de mortalidade (‰), conseqüentemente um
aumento populacional na Europa.
 Os novos hábitos de higiene individual e pública que passaram a fazer parte do
cotidiano das cidades contribuíram decisivamente para a melhoria das condições
sanitárias, limitando a proliferação de epidemias.
 Nos outros continentes, exceto o europeu, o crescimento populacional
manteve-se lento, devido:
as elevadas taxas de natalidade (‰)
as altas taxas de mortalidade (‰)
Explique,
resumidamente, por
que, com o advento
da Revolução
Industrial, em meados
do século XVIII na
Inglaterra, a redução
das taxas de
mortalidade foram
mais rápidas nas
cidades do que no
campo.
• Até a Segunda Guerra Mundial, a população européia continua
crescendo.
• Nas décadas de 1960, 70, 80, a população européia entra em um
estágio de equilíbrio demográfico, conseqüentemente em um
processo de envelhecimento.
• Nesse período, tem início um crescimento populacional nos países
periféricos ou menos desenvolvidos.
• A aceleração do processo retardatário ou tardio de industrialização e
urbanização emalguns desses países, como porexemplo:
 
1. uma redução nas taxas de mortalidade (‰), principalmente infantil.
2. as taxas de natalidade (‰), continuavamelevadas, principalmente no
meio rural.
1. Brasil, Argentina e México,
2. parte da América Latina,
3. posteriormente parte do continente asiático.
Omodelo de substituição das importações provocou nesses
países periféricos, como o Brasil:
• Esses países deixam rapidamente o modelo agrário, passando a urbano
industrial.
• Surgempolíticas oficiais de natalidade.
• São criadas legislações sociais e trabalhistas e paternalismo populista.
• Principalmente nas décadas de 1960-70, no Brasil, as relações capitalistas no
campo, provocam o êxodo rural. É o período chamado “Milagre Econômico
Brasileiro”.
• Nesse período, durante o regime militar no Brasil, foi criado o Estatuto do
TrabalhadorRural.
• Há necessidade de mão-de-obra nos centros urbanos para a implantação da
industria, principalmente de bens de consumo e o crescimento da construção
civil.
• É a época da grande difusão dos meios de comunicação e criação do mito das
“oportunidades de empregos nas grandes cidades”.
• Permanecem as injustas estruturas sociais e a concentração fundiária.
•Crescimento desordenado das cidades, principalmente após as
modernizações do chamado “Milagre Econômico” brasileiro.
•Inchaço dos grandes centros urbanos commão-de-obra desqualificada.
•Parte dessa mão-de-obra foi utilizada nos grandes centros urbanos, pela
indústria da construção civil e bens de consumo não duráveis.
•Empregos emgeral comuma baixa remuneração.
• A perda da qualidade de vida nos centros urbanos como os do Brasil,
contribui para a favelização, periferização, urbanização e crescimento urbano
desordenado.
•A humanidade, além de conhecer um crescimento populacional acelerado,
apresenta nos dias de hoje, duas importantes características de ordem
demográfica:
crescimento populacional bastante desordenada e
distribuição bastante irregularpela superfície terrestre.
Conseqüências desse novo processo produtivo
A população mundial se encontra muito mal distribuída na superfície
terrestre.
Próximo às regiões densamente povoadas aparecemvazios demográficos.
Distribuição da População porContinentes (emmilhões)
DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO
MUNDIAL
Causas das desigualdades na distribuição populacional:
 condições naturais que favorecemou dificultama ocupação
humana,
 fatores históricos, econômicos e tecnológicos,
 o nível de investimento ememprego na capacidade
técnico,científico e mecânico.
Exemplos de Vazios Demográficos:
• regiões Polares,
• regiões desérticas,
• altas montanhas,
• florestas Equatoriais.
Exemplos de adensamento
populacional:
 nordeste dos Estados Unidos,
 sudeste Asiático,
 litoral do Brasil,
 arquipélago Japonês.
Teorias DemográficasTeorias Demográficas
1. Teoria Malthusiana
Conforme seu estudo, Ensaio sobre o princípio da população,
Malthus afirmou que a população mundial cresceria em um
ritmo rápido, comparado por ele a uma progressão geométrica
(1,2,4,8,16,32,...) e a produção de alimentos cresceria em um
ritmo lento, comparado a uma progressão aritmética
(1,2,3,4,5...)
Concluiu que, sendo assim, faltaria alimentos para todos os
habitantes da Terra.
“Controles
Preventivos”
Reduzir a taxa de
natalidade
• Restrições morais  homens na condição
superior
• Vícios e controle da natalidade  homens na
condição inferior
•Casamentos tardios
Controles
Positivos
Diminuir a
população
• Fome
• Guerras de extermínio
• Pragas
• Miséria
• Epidemias
Condenou as iniciativas paternalistas por parte do Estado e também a caridade.
Ainda hoje, muitos defendemas idéias de Malthus, insistindo que
a pobreza é culpa dos pobres porteremmuitos filhos e nada se
pode fazerporeles.
IDÉIA CENTRAL DA TEORIA DE MALTHUS
Críticas a tese central de Malthus
•não considerou os avanços técnico, científico-mecânico
aplicados à agricultura e conseqüentemente o aumento da
produção de alimentos.
•não considerou as reservas de alimentos dos mares e
oceanos.
•não levou em conta outras regiões do planeta, com áreas de
solos férteis.
2. Neomalthusianismo
a) O acelerado crescimento da população mundial após a
Segunda Guerra Mundial é:
• menor nos países mais desenvolvidos economicamente.
• maior nos países menos desenvolvidos economicamente, com a
redução da taxa de mortalidade (‰) uso de antibióticos e vacinas,
saneamento básico e desenvolvimento de infra-estrutura.
b) Um grande percentual de jovens nos países periféricos
ou menos desenvolvidos, trará sérios encargos
econômicos, comessa mão-de-obra.
c) A formação nos países periféricos de áreas de grande
concentração de miséria ou “bolsões”, gerou situações
de risco para o sistema capitalista internacional e
favoreceu a expansão do socialismo sob influência
soviética ou chinesa, nas áreas do chamado “Terceiro
Mundo”.
Preocupação
Neomalthusiana
• Excesso de gente,
• Explosão demográfica,
• Encargos econômicos,
• Países capitalistas se preocupam com a
miséria dos países periféricos, que poderiam
atrair movimentos socialistas. .
• América Latina,
• Ásia,
• África.
Solução imposta
pelos
neomalthusianos
• Controle da natalidade,
• Não reprimir abortos ilegais,
• Esterilização em massa de mulheres,
• Laqueaduras e ligaduras de trompas.
Tese central: um rápido crescimento populacional seria um obstáculo ao
desenvolvimento econômico de um país, acarretando sérios problemas
de pobreza, fome e miséria, ligadas à elevadas taxas de natalidade (‰).
IDÉIA CENTRAL DA TEORIA NEOMALTHUSIANA
 A fome, miséria e pobreza resultamda má distribuição
das riquezas, como renda e terra.
 O crescimento populacional de um determinado país não
é a causa, mas a consequência do subdesenvolvimento.
 O discurso neomalthusiano alarmista é utilizado
ideologicamente como estratégia para a manutenção do
modelo de desenvolvimento sócio-econômico dominante no
mundo atual.
Críticas ao Neomalthusianismo
 As elevadas taxas de natalidade (‰), não são causa do atraso e da
pobreza dos países periféricos, mas simuma conseqüência.
 Os miseráveis não são responsáveis por sua miséria por terem muitos
filhos.
 Nos países mais desenvolvidos economicamente onde o padrão e a
qualidade de vida da população são bastante elevados, a redução das taxas
de natalidade (‰) ocorreu naturalmente e paralelamente à qualidade de
vida dessa população.
 Oatraso e a pobreza tambémtemorigens nos processos históricos desses
países tradicionalmente periféricos e nas suas relações com as áreas
centrais do capitalismo, ou seja, a divisão internacional do trabalho ou da
produção, emseus diferentes momentos.
 O maior contraceptivo está relacionado aos investimentos públicos nas
áreas sociais, especialmentenasaúde,infra-estruturaeeducação.
Teoria Reformista
Teoria Ecomalthusiana
 A tese central dessa teoria relaciona
diretamente o crescimento populacional com
a degradação do meio ambiente.
 De acordo com esses ambientalistas um
rápido crescimento populacional, em especial
nos países periféricos, se traduziria numa
maior exploração sobre os recursos naturais,
principalmente os não renováveis.
 Um rápido crescimento populacional,
principalmente nos países periféricos,
provocará sérios desmatamentos nos
ecossistemas equatoriais e tropicais, além dos
vários tipos de degradação ao meio ambiente.
O controle do natalidade seria
uma forma de preservar o
patrimônio ambiental para as gerações futuras.
Meio
ambiente
X
Explosão
demográfica
Preservação do ecossistema
Desenvolvimento sustentável
Reservas extrativas
Ocupação racional
Desmatamento
Poluição
Desperdício de água
Caça e pesca predatória
Comercialização e extinção de
espécies da flora e da fauna
Nos países periféricos as carências sociais são tãoNos países periféricos as carências sociais são tão
grandes que as preocupações ecológicas estãograndes que as preocupações ecológicas estão
quase restritas as camadas sociais médias.quase restritas as camadas sociais médias.
Os países
centrais do
capitalismo
usam as
questões
ecológicas
para
conseguir
concessões
políticas e
comerciais
dos países
periféricos.
 A estrutura etária e sexual é uma representação gráfica quantitativa, que
expressa o número de habitantes de uma determinada região, cidade,
município, estado, país ou mundial.
 Expressa a fase de transição demográfica ou não, em que se encontra uma
determinada população.
Identifica a taxa de natalidade e mortalidade, além da expectativa ou
esperança de vida.
 A estrutura etária e sexual revela também certos eventos sofridos por uma
determinada população, que podemmodificaro seu perfil demográfico:
• guerras ou grandes conflitos
• epidemias
• crises econômicas
ESTRUTURA ETÁRIA E SEXUAL MUNDIAL
A forma da estrutura etária e sexual, de umdeterminado país está
associada ao grau de desenvolvimento ou subdesenvolvimento.
 As modificações que ocorremcomo passardos anos de uma
estrutura etária e sexual, revelama sua tendência demográfica.
 A estrutura etária e sexual temreflexos importantes na economia
de umpaís.
 A estrutura etária e sexual indica características de
desenvolvimento econômico e social.
 Os movimentos migratórios, referem-se aos deslocamentos de
populações dentro de um determinado espaço geográfico de um
mesmo país ou entre países.
 Trata-se de um importante componente da dinâmica demográfica
mundial.
 As migrações estão se constituindo no elemento mais importante da
vida de grandes contingentes populacionais, podendo ocorrer de uma
forma espontânea ou forçada.
OS MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS MUNDIAIS
* as migrações espontâneas dizem respeito aos
deslocamentos realizados voluntariamente pelos habitantes
de uma determinada região que desejam viver em outras
regiões, como o que aconteceu durante o século XIX e parte
do XX, quando mais de 60 milhões de habitantes do
continente europeu migrarampara o continente americano.
 
* as migrações forçadas correspondem aos deslocamentos
que são realizados involuntariamente pelos habitantes de
uma região, como as que ocorreramentre os séculos XVI e
XIXdevido ao tráfico negreiro, que transferiu, pormeio da
força, mais de 40 milhões de habitantes do continente
africano, principalmente para a América Colonial.
As migrações estão relacionadas diretamente com vários
fatores, causas ou origens, como porexemplo:
* Políticas
* Religiosas
* Fenômenos da Natureza
* Econômicas
* Sociais
* Étnicas
* Culturais
* Psicológicas
As migrações podemser
Migrações externas ou internacionais: Correspondem às
que ocorrem de um determinado país para outro, sem
retorno.
 Migrações internas ou regionais: Correspondem aos
deslocamentos humanos dentro de um mesmo país.
Qualquerdeslocamento populacional traz
conseqüências demográficas, nas regiões de atração,
como aumento do contingente populacional,
enquanto nas regiões de repulsão, ocorre uma redução
do contingente populacional.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...Ste Escola Bernardino
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilProfessor
 
Movimentos migratorios
Movimentos migratoriosMovimentos migratorios
Movimentos migratoriosdela28
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILAnderson Silva
 
Transição demográfica
Transição demográficaTransição demográfica
Transição demográficaunesp
 
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015Jaciane Anizio
 
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I Unidade
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I UnidadeA tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I Unidade
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I UnidadeNazael Araujo Pessoa
 
Formação dos continentes
Formação dos continentesFormação dos continentes
Formação dos continentesNaira Delazari
 
O Planeta Terra formas de representação
O Planeta Terra   formas de representaçãoO Planeta Terra   formas de representação
O Planeta Terra formas de representaçãobibliolines
 
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestre
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestreIECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestre
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestreprofrodrigoribeiro
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoEponina Alencar
 

Mais procurados (20)

5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...5º geo 6 ano   formação da terra e litosfera -  interior da terra e crosta te...
5º geo 6 ano formação da terra e litosfera - interior da terra e crosta te...
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Movimentos migratorios
Movimentos migratoriosMovimentos migratorios
Movimentos migratorios
 
Paisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugarPaisagem, espaço e lugar
Paisagem, espaço e lugar
 
Demografia geral
Demografia geralDemografia geral
Demografia geral
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
Transição demográfica
Transição demográficaTransição demográfica
Transição demográfica
 
Crescimento populacional
Crescimento populacionalCrescimento populacional
Crescimento populacional
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
 
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I Unidade
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I UnidadeA tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I Unidade
A tecnologia e a Transformação do Espaço aula 9° ano I Unidade
 
Unidade 1 6º ano
Unidade 1 6º anoUnidade 1 6º ano
Unidade 1 6º ano
 
Formação dos continentes
Formação dos continentesFormação dos continentes
Formação dos continentes
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
O Planeta Terra formas de representação
O Planeta Terra   formas de representaçãoO Planeta Terra   formas de representação
O Planeta Terra formas de representação
 
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestre
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestreIECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestre
IECJ - Cap. 7 – Interior da terra e crosta terrestre
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
 
Geografia 6º ano
Geografia 6º anoGeografia 6º ano
Geografia 6º ano
 

Destaque

Demografia
DemografiaDemografia
Demografiaaroudus
 
Estudos demográficos e sociais
Estudos demográficos e sociaisEstudos demográficos e sociais
Estudos demográficos e sociaisflaviocosac
 
Aspectos DemográFicos Envelhecimento
Aspectos DemográFicos EnvelhecimentoAspectos DemográFicos Envelhecimento
Aspectos DemográFicos Envelhecimentotonetto2010
 
Aspectos demográficos e migratórios
Aspectos demográficos e migratóriosAspectos demográficos e migratórios
Aspectos demográficos e migratóriosflaviocosac
 
Nordeste: evolução recente e perspectivas
Nordeste: evolução recente e perspectivasNordeste: evolução recente e perspectivas
Nordeste: evolução recente e perspectivasMacroplan
 
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"Tainá Martins
 
Aula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e EnvelhecimentoAula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e Envelhecimentogerontopedia
 
Crescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoCrescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoDébora Sales
 
Geo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundialGeo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundialAdriana Gomes Messias
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundialolatdbm
 
Power Point Geografia
Power Point GeografiaPower Point Geografia
Power Point Geografia8ºC
 
Slides população (1)
Slides população (1)Slides população (1)
Slides população (1)terceirob
 
What Makes Great Infographics
What Makes Great InfographicsWhat Makes Great Infographics
What Makes Great InfographicsSlideShare
 
Masters of SlideShare
Masters of SlideShareMasters of SlideShare
Masters of SlideShareKapost
 

Destaque (20)

Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Estudos demográficos e sociais
Estudos demográficos e sociaisEstudos demográficos e sociais
Estudos demográficos e sociais
 
Aspectos DemográFicos Envelhecimento
Aspectos DemográFicos EnvelhecimentoAspectos DemográFicos Envelhecimento
Aspectos DemográFicos Envelhecimento
 
Aspectos demográficos e migratórios
Aspectos demográficos e migratóriosAspectos demográficos e migratórios
Aspectos demográficos e migratórios
 
Nordeste: evolução recente e perspectivas
Nordeste: evolução recente e perspectivasNordeste: evolução recente e perspectivas
Nordeste: evolução recente e perspectivas
 
A economia do rn em perspectiva
A economia do rn em perspectivaA economia do rn em perspectiva
A economia do rn em perspectiva
 
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
 
Aula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e EnvelhecimentoAula 1 Ps e Envelhecimento
Aula 1 Ps e Envelhecimento
 
Crescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No MundoCrescimento Populacional No Mundo
Crescimento Populacional No Mundo
 
Geo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundialGeo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundial
 
PopulaçãO Mundial
PopulaçãO MundialPopulaçãO Mundial
PopulaçãO Mundial
 
Geografia brasil população
Geografia   brasil populaçãoGeografia   brasil população
Geografia brasil população
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundial
 
Populaçao mundial
Populaçao mundialPopulaçao mundial
Populaçao mundial
 
Power Point Geografia
Power Point GeografiaPower Point Geografia
Power Point Geografia
 
Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
 
Slides população (1)
Slides população (1)Slides população (1)
Slides população (1)
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
What Makes Great Infographics
What Makes Great InfographicsWhat Makes Great Infographics
What Makes Great Infographics
 
Masters of SlideShare
Masters of SlideShareMasters of SlideShare
Masters of SlideShare
 

Semelhante a População Mundial: Crescimento e Distribuição

5 aula população - 2ª ano
5 aula   população - 2ª ano5 aula   população - 2ª ano
5 aula população - 2ª anoEponina Alencar
 
Populacao mundial e migracoes
Populacao mundial e migracoesPopulacao mundial e migracoes
Populacao mundial e migracoesUFMS
 
#mundialmente a população da População Mundial.ppt
#mundialmente a população da População Mundial.ppt#mundialmente a população da População Mundial.ppt
#mundialmente a população da População Mundial.pptanacardoso258774
 
Revolução demográfica
Revolução demográficaRevolução demográfica
Revolução demográficamaria40
 
Revolução demográfica
Revolução demográficaRevolução demográfica
Revolução demográficamaria40
 
Revolução demográfica
Revolução demográficaRevolução demográfica
Revolução demográficamaria40
 
A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1cattonia
 
Cópia de população
Cópia de populaçãoCópia de população
Cópia de populaçãoCOSMO ALVES
 
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviiiVítor Santos
 
Europa - Localização geográfica e divisão política
Europa - Localização geográfica e divisão políticaEuropa - Localização geográfica e divisão política
Europa - Localização geográfica e divisão políticaKolliexD
 
Consequências da revolução industrial
Consequências da revolução industrialConsequências da revolução industrial
Consequências da revolução industrialhillary2011
 
Geografia a dinamica da populacao mundial de acordo com as teorias populaci...
Geografia   a dinamica da populacao mundial de acordo com as teorias populaci...Geografia   a dinamica da populacao mundial de acordo com as teorias populaci...
Geografia a dinamica da populacao mundial de acordo com as teorias populaci...Gustavo Soares
 
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem fig
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem figAula dia 11 02-11 demografia.....sem fig
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem figSILVIO Candido da Mata
 
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003SILVIO Candido da Mata
 

Semelhante a População Mundial: Crescimento e Distribuição (20)

5 aula população - 2ª ano
5 aula   população - 2ª ano5 aula   população - 2ª ano
5 aula população - 2ª ano
 
Populacao mundial e migracoes
Populacao mundial e migracoesPopulacao mundial e migracoes
Populacao mundial e migracoes
 
Slides Aula Extra
Slides Aula ExtraSlides Aula Extra
Slides Aula Extra
 
#mundialmente a população da População Mundial.ppt
#mundialmente a população da População Mundial.ppt#mundialmente a população da População Mundial.ppt
#mundialmente a população da População Mundial.ppt
 
GEOGRAFIA POPULAÇÃO.pptx
GEOGRAFIA POPULAÇÃO.pptxGEOGRAFIA POPULAÇÃO.pptx
GEOGRAFIA POPULAÇÃO.pptx
 
Revolução demográfica
Revolução demográficaRevolução demográfica
Revolução demográfica
 
Revolução demográfica
Revolução demográficaRevolução demográfica
Revolução demográfica
 
Revolução demográfica
Revolução demográficaRevolução demográfica
Revolução demográfica
 
A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1
 
Portugal no sec xix
Portugal no sec xixPortugal no sec xix
Portugal no sec xix
 
Portugal no sec xix
Portugal no sec xixPortugal no sec xix
Portugal no sec xix
 
Portugal no sec xix
Portugal no sec xixPortugal no sec xix
Portugal no sec xix
 
Cópia de população
Cópia de populaçãoCópia de população
Cópia de população
 
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii
 
Geo1.pdf
Geo1.pdfGeo1.pdf
Geo1.pdf
 
Europa - Localização geográfica e divisão política
Europa - Localização geográfica e divisão políticaEuropa - Localização geográfica e divisão política
Europa - Localização geográfica e divisão política
 
Consequências da revolução industrial
Consequências da revolução industrialConsequências da revolução industrial
Consequências da revolução industrial
 
Geografia a dinamica da populacao mundial de acordo com as teorias populaci...
Geografia   a dinamica da populacao mundial de acordo com as teorias populaci...Geografia   a dinamica da populacao mundial de acordo com as teorias populaci...
Geografia a dinamica da populacao mundial de acordo com as teorias populaci...
 
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem fig
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem figAula dia 11 02-11 demografia.....sem fig
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem fig
 
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
 

Mais de Omar Fürst

Aula introdução cartografia
Aula   introdução cartografiaAula   introdução cartografia
Aula introdução cartografiaOmar Fürst
 
Aula introdução a hidrologia
Aula   introdução a hidrologiaAula   introdução a hidrologia
Aula introdução a hidrologiaOmar Fürst
 
Aula Introdução a Geomorfologia
Aula   Introdução a GeomorfologiaAula   Introdução a Geomorfologia
Aula Introdução a GeomorfologiaOmar Fürst
 
Aula introdução a climatologia 2
Aula   introdução a climatologia 2Aula   introdução a climatologia 2
Aula introdução a climatologia 2Omar Fürst
 
Aula introdução a climatologia 1
Aula   introdução a climatologia 1Aula   introdução a climatologia 1
Aula introdução a climatologia 1Omar Fürst
 
Aula industrialização
Aula   industrializaçãoAula   industrialização
Aula industrializaçãoOmar Fürst
 
Aula impacto ambiental em biomas brasileiros
Aula   impacto ambiental em biomas brasileiros Aula   impacto ambiental em biomas brasileiros
Aula impacto ambiental em biomas brasileiros Omar Fürst
 
Aula globalização e blocos econômicos
Aula   globalização e blocos econômicosAula   globalização e blocos econômicos
Aula globalização e blocos econômicosOmar Fürst
 
Aula Geografia agrária
Aula   Geografia agráriaAula   Geografia agrária
Aula Geografia agráriaOmar Fürst
 
Aula Fontes de energia
Aula   Fontes de energiaAula   Fontes de energia
Aula Fontes de energiaOmar Fürst
 
Aula Globalização
Aula   GlobalizaçãoAula   Globalização
Aula GlobalizaçãoOmar Fürst
 
Aspectos gerais do Brasil
 Aspectos gerais do Brasil Aspectos gerais do Brasil
Aspectos gerais do BrasilOmar Fürst
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOOmar Fürst
 
AGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVOAGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVOOmar Fürst
 
A história da água
A história da águaA história da água
A história da águaOmar Fürst
 
Aula Fontes de energia
Aula   Fontes de energiaAula   Fontes de energia
Aula Fontes de energiaOmar Fürst
 
Atvidadeejogodecartografiaa astronomia
Atvidadeejogodecartografiaa astronomiaAtvidadeejogodecartografiaa astronomia
Atvidadeejogodecartografiaa astronomiaOmar Fürst
 

Mais de Omar Fürst (17)

Aula introdução cartografia
Aula   introdução cartografiaAula   introdução cartografia
Aula introdução cartografia
 
Aula introdução a hidrologia
Aula   introdução a hidrologiaAula   introdução a hidrologia
Aula introdução a hidrologia
 
Aula Introdução a Geomorfologia
Aula   Introdução a GeomorfologiaAula   Introdução a Geomorfologia
Aula Introdução a Geomorfologia
 
Aula introdução a climatologia 2
Aula   introdução a climatologia 2Aula   introdução a climatologia 2
Aula introdução a climatologia 2
 
Aula introdução a climatologia 1
Aula   introdução a climatologia 1Aula   introdução a climatologia 1
Aula introdução a climatologia 1
 
Aula industrialização
Aula   industrializaçãoAula   industrialização
Aula industrialização
 
Aula impacto ambiental em biomas brasileiros
Aula   impacto ambiental em biomas brasileiros Aula   impacto ambiental em biomas brasileiros
Aula impacto ambiental em biomas brasileiros
 
Aula globalização e blocos econômicos
Aula   globalização e blocos econômicosAula   globalização e blocos econômicos
Aula globalização e blocos econômicos
 
Aula Geografia agrária
Aula   Geografia agráriaAula   Geografia agrária
Aula Geografia agrária
 
Aula Fontes de energia
Aula   Fontes de energiaAula   Fontes de energia
Aula Fontes de energia
 
Aula Globalização
Aula   GlobalizaçãoAula   Globalização
Aula Globalização
 
Aspectos gerais do Brasil
 Aspectos gerais do Brasil Aspectos gerais do Brasil
Aspectos gerais do Brasil
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
 
AGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVOAGENTES EXTERNOS DO RELEVO
AGENTES EXTERNOS DO RELEVO
 
A história da água
A história da águaA história da água
A história da água
 
Aula Fontes de energia
Aula   Fontes de energiaAula   Fontes de energia
Aula Fontes de energia
 
Atvidadeejogodecartografiaa astronomia
Atvidadeejogodecartografiaa astronomiaAtvidadeejogodecartografiaa astronomia
Atvidadeejogodecartografiaa astronomia
 

Último

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 

Último (20)

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 

População Mundial: Crescimento e Distribuição

  • 2. “O crescimento natural da população remete continuamente a problemas relativos à preservação do meio e os povos devem adotarnormas e medidas apropriadas para fazerfrente a esses problemas [...] De tudo quanto existe no mundo, o serhumano é o bemmais valioso, pois é ele que promove o progresso social, cria riquezas, desenvolve a ciência e a tecnologia e, com seu árduo trabalho, transforma continuamente o meio humano”. Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente. Estocolmo, 1972.
  • 3. A população corresponde ao contingente de pessoas, que ocupam um determinado espaço geográfico. Estando relacionado diretamente, ao grupo de pessoas da região rural ou urbana. O número de habitantes de um determinado espaço geográfico, recebe o nome de população absoluta. O número de habitantes porquilômetro quadrado, recebe o nome de população relativa. O crescimento populacional (crescimento vegetativo) ocorre em função de duas variáveis: PopulaçãoPopulação saldo entre as taxas de natalidade (%0) e mortalidade (%0), saldo entre o número de imigrantes e emigrantes.
  • 4.
  • 5.  Em 1994, o planeta contava com 5.600.000.000 de habitantes.  Do início dos anos 1970, até hoje, o crescimento da população mundial caiu de 2,1% para 1,6% ao ano.  O número de mulheres que utilizam algum método anticoncepcional aumentou de 10% para 50%, no mundo.  Ocrescimento acelerado da população mundial, passou a ser denominado no século XXde “explosãodemográfica”, e até “babyboom”.     O Crescimento da População MundialO Crescimento da População Mundial
  • 6.  Na Europa, a transição demográfica praticamente já se completou.  Isso significa que, na maior parte dos países do continente europeu, o crescimento vegetativo ou natural da população é praticamente nulo e, em alguns casos negativos.  Em alguns países do continente europeu, a população só está crescendo graças à entrada de imigrantes.  Na Itália porexemplo, a taxa de fecundidade é de 1,1. (a menordo mundo).  Até o final do século XVIII, e início do XIX, o crescimento vegetativo ou natural da população mundial era lento, devido: as altas taxas de Natalidade (%0) as altas taxas de Mortalidade (%0 )     Crescimento Vegetativo ou Natural         NN++ ((‰) - M) - M++ ((‰) = CV ou N= CV ou N-- ((‰))
  • 7.
  • 8. Fase I : • Dos primórdios da humanidade até o final do século XVIII, o crescimento populacional mundial era lento devido as altas taxas de natalidade (‰) e mortalidade ( ‰). • Apresentando uma baixa expectativa ou esperança de vida. Fases do Crescimento Populacional MundialFases do Crescimento Populacional Mundial NN++ ((‰) - M- M++ ((‰) = CV= CV (‰)
  • 9. Fase II: Do início do século XIX, até a Segunda Guerra Mundial.  Desenvolvimento científico e tecnológico, relacionado diretamente coma primeira revolução técnico-científica ou primeira revolução industrial.  Melhoria das condições de vida, principalmente no continente europeu.  Redução nas taxas de mortalidade (‰) primeiramente da população européia, originando um maiorcrescimento populacional no continente.  Nos outros continentes, a população continuava crescendo lentamente, devido as altas taxas de mortalidade (‰), principalmente infantil. NN++ ((‰) - M) - M -- ((‰) = CV/N) = CV/N ++ ((‰))
  • 10. Fase III: Após a Segunda Guerra Mundial. •  Ocorre a chamada “ Explosão Demográfica Mundial “. as elevadas taxas de natalidade (‰) as baixas taxas de mortalidade (‰)     NN++  ( (‰) -  M ) -  M --  ( (‰) = CV/N ) = CV/N ++ ((‰) • Ummaiorcrescimento demográfico, principalmente nos países periféricos de industrialização tardia ou retardatária que vão se beneficiardiretamente das novas tecnologias desenvolvidas pelos países centrais. • Ogrande avanço médico – científico – sanitário do mundo pós-guerra, com redução das taxas de mortalidade (‰), principalmente infantil nos países periféricos. •  Difusão de novos medicamentos, a vacinação emmassa, o controle crescente sobre as epidemias e endemias. • Operíodo da chamada “Guerra Fria” e a bipolarização da economia mundial. • O envelhecimento da população européia ao entrarem umestágio de transição demográfica.
  • 11.
  • 12. • A Inglaterra desempenhou um papel pioneiro no processo produtivo de transformações técnicas - científicas e econômicas que ficou conhecida, como Revolução Industrial. • Ao longo da Idade Moderna, do século XV ao XVIII, criou-se as pré- condições para o desencadeamento da chamada Revolução Industrial. •A Revolução Industrial começou na Inglaterra em fins do século XVIII e, durante algum tempo, foi um fenômeno exclusivamente inglês.
  • 13. • Em 1750, a população do continente europeu era de aproximadamente 140 milhões de habitantes. • Em 1840, a população européia já alcançava 270 milhões de habitantes. • Entre 1801 e 1851, a população européia passou de 8,9 para 17,9 milhões de pessoas. • Esse rápido crescimento populacional europeu, ajuda a entender a Teoria de Thomas Robert Malthus. • A propagação dessa revolução industrial para outros países, além da Europa, como os Estados Unidos e Japão provocou uma política de expansão imperialista, que conduziu o mundo à Primeira Guerra Mundial. • Os setores empresariais dispunham de mão-de-obra numerosa e dependente, proveniente principalmente do campo. • Essa mão-de-obra crescia em função do aumento demográfico causado pela diminuição das taxas de mortalidade (‰), principalmente infantil e manutenção das altas taxas de natalidade (‰). • A migração do campo para as cidades, provocada pelos “enclosures”, conhecido como “cercamento dos campos”, criava umcontingente de indivíduos sem emprego.
  • 14. A produtividade da agricultura aumentava cada vez mais, ampliando a disponibilidade de alimentos e liberando mão-de-obra para as atividades urbanas.  A jornada de trabalho nas cidades tinha à duração em média de 14 à 16 horas diárias, combaixos salários.  O desemprego levou à formação do chamado “exército industrial de reserva”.  O desenvolvimento da infra-estrutura e do saneamento básico nas cidades provocou uma redução nas taxas de mortalidade (‰), conseqüentemente um aumento populacional na Europa.  Os novos hábitos de higiene individual e pública que passaram a fazer parte do cotidiano das cidades contribuíram decisivamente para a melhoria das condições sanitárias, limitando a proliferação de epidemias.  Nos outros continentes, exceto o europeu, o crescimento populacional manteve-se lento, devido: as elevadas taxas de natalidade (‰) as altas taxas de mortalidade (‰)
  • 15. Explique, resumidamente, por que, com o advento da Revolução Industrial, em meados do século XVIII na Inglaterra, a redução das taxas de mortalidade foram mais rápidas nas cidades do que no campo.
  • 16.
  • 17. • Até a Segunda Guerra Mundial, a população européia continua crescendo. • Nas décadas de 1960, 70, 80, a população européia entra em um estágio de equilíbrio demográfico, conseqüentemente em um processo de envelhecimento. • Nesse período, tem início um crescimento populacional nos países periféricos ou menos desenvolvidos. • A aceleração do processo retardatário ou tardio de industrialização e urbanização emalguns desses países, como porexemplo:   1. uma redução nas taxas de mortalidade (‰), principalmente infantil. 2. as taxas de natalidade (‰), continuavamelevadas, principalmente no meio rural. 1. Brasil, Argentina e México, 2. parte da América Latina, 3. posteriormente parte do continente asiático. Omodelo de substituição das importações provocou nesses países periféricos, como o Brasil:
  • 18.
  • 19. • Esses países deixam rapidamente o modelo agrário, passando a urbano industrial. • Surgempolíticas oficiais de natalidade. • São criadas legislações sociais e trabalhistas e paternalismo populista. • Principalmente nas décadas de 1960-70, no Brasil, as relações capitalistas no campo, provocam o êxodo rural. É o período chamado “Milagre Econômico Brasileiro”. • Nesse período, durante o regime militar no Brasil, foi criado o Estatuto do TrabalhadorRural. • Há necessidade de mão-de-obra nos centros urbanos para a implantação da industria, principalmente de bens de consumo e o crescimento da construção civil. • É a época da grande difusão dos meios de comunicação e criação do mito das “oportunidades de empregos nas grandes cidades”. • Permanecem as injustas estruturas sociais e a concentração fundiária.
  • 20.
  • 21. •Crescimento desordenado das cidades, principalmente após as modernizações do chamado “Milagre Econômico” brasileiro. •Inchaço dos grandes centros urbanos commão-de-obra desqualificada. •Parte dessa mão-de-obra foi utilizada nos grandes centros urbanos, pela indústria da construção civil e bens de consumo não duráveis. •Empregos emgeral comuma baixa remuneração. • A perda da qualidade de vida nos centros urbanos como os do Brasil, contribui para a favelização, periferização, urbanização e crescimento urbano desordenado. •A humanidade, além de conhecer um crescimento populacional acelerado, apresenta nos dias de hoje, duas importantes características de ordem demográfica: crescimento populacional bastante desordenada e distribuição bastante irregularpela superfície terrestre. Conseqüências desse novo processo produtivo
  • 22. A população mundial se encontra muito mal distribuída na superfície terrestre. Próximo às regiões densamente povoadas aparecemvazios demográficos. Distribuição da População porContinentes (emmilhões) DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO MUNDIAL
  • 23. Causas das desigualdades na distribuição populacional:  condições naturais que favorecemou dificultama ocupação humana,  fatores históricos, econômicos e tecnológicos,  o nível de investimento ememprego na capacidade técnico,científico e mecânico.
  • 24. Exemplos de Vazios Demográficos: • regiões Polares, • regiões desérticas, • altas montanhas, • florestas Equatoriais. Exemplos de adensamento populacional:  nordeste dos Estados Unidos,  sudeste Asiático,  litoral do Brasil,  arquipélago Japonês.
  • 25.
  • 26. Teorias DemográficasTeorias Demográficas 1. Teoria Malthusiana Conforme seu estudo, Ensaio sobre o princípio da população, Malthus afirmou que a população mundial cresceria em um ritmo rápido, comparado por ele a uma progressão geométrica (1,2,4,8,16,32,...) e a produção de alimentos cresceria em um ritmo lento, comparado a uma progressão aritmética (1,2,3,4,5...) Concluiu que, sendo assim, faltaria alimentos para todos os habitantes da Terra.
  • 27. “Controles Preventivos” Reduzir a taxa de natalidade • Restrições morais  homens na condição superior • Vícios e controle da natalidade  homens na condição inferior •Casamentos tardios Controles Positivos Diminuir a população • Fome • Guerras de extermínio • Pragas • Miséria • Epidemias Condenou as iniciativas paternalistas por parte do Estado e também a caridade. Ainda hoje, muitos defendemas idéias de Malthus, insistindo que a pobreza é culpa dos pobres porteremmuitos filhos e nada se pode fazerporeles. IDÉIA CENTRAL DA TEORIA DE MALTHUS
  • 28. Críticas a tese central de Malthus •não considerou os avanços técnico, científico-mecânico aplicados à agricultura e conseqüentemente o aumento da produção de alimentos. •não considerou as reservas de alimentos dos mares e oceanos. •não levou em conta outras regiões do planeta, com áreas de solos férteis.
  • 29. 2. Neomalthusianismo a) O acelerado crescimento da população mundial após a Segunda Guerra Mundial é: • menor nos países mais desenvolvidos economicamente. • maior nos países menos desenvolvidos economicamente, com a redução da taxa de mortalidade (‰) uso de antibióticos e vacinas, saneamento básico e desenvolvimento de infra-estrutura. b) Um grande percentual de jovens nos países periféricos ou menos desenvolvidos, trará sérios encargos econômicos, comessa mão-de-obra. c) A formação nos países periféricos de áreas de grande concentração de miséria ou “bolsões”, gerou situações de risco para o sistema capitalista internacional e favoreceu a expansão do socialismo sob influência soviética ou chinesa, nas áreas do chamado “Terceiro Mundo”.
  • 30. Preocupação Neomalthusiana • Excesso de gente, • Explosão demográfica, • Encargos econômicos, • Países capitalistas se preocupam com a miséria dos países periféricos, que poderiam atrair movimentos socialistas. . • América Latina, • Ásia, • África. Solução imposta pelos neomalthusianos • Controle da natalidade, • Não reprimir abortos ilegais, • Esterilização em massa de mulheres, • Laqueaduras e ligaduras de trompas. Tese central: um rápido crescimento populacional seria um obstáculo ao desenvolvimento econômico de um país, acarretando sérios problemas de pobreza, fome e miséria, ligadas à elevadas taxas de natalidade (‰). IDÉIA CENTRAL DA TEORIA NEOMALTHUSIANA
  • 31.  A fome, miséria e pobreza resultamda má distribuição das riquezas, como renda e terra.  O crescimento populacional de um determinado país não é a causa, mas a consequência do subdesenvolvimento.  O discurso neomalthusiano alarmista é utilizado ideologicamente como estratégia para a manutenção do modelo de desenvolvimento sócio-econômico dominante no mundo atual. Críticas ao Neomalthusianismo
  • 32.  As elevadas taxas de natalidade (‰), não são causa do atraso e da pobreza dos países periféricos, mas simuma conseqüência.  Os miseráveis não são responsáveis por sua miséria por terem muitos filhos.  Nos países mais desenvolvidos economicamente onde o padrão e a qualidade de vida da população são bastante elevados, a redução das taxas de natalidade (‰) ocorreu naturalmente e paralelamente à qualidade de vida dessa população.  Oatraso e a pobreza tambémtemorigens nos processos históricos desses países tradicionalmente periféricos e nas suas relações com as áreas centrais do capitalismo, ou seja, a divisão internacional do trabalho ou da produção, emseus diferentes momentos.  O maior contraceptivo está relacionado aos investimentos públicos nas áreas sociais, especialmentenasaúde,infra-estruturaeeducação. Teoria Reformista
  • 33. Teoria Ecomalthusiana  A tese central dessa teoria relaciona diretamente o crescimento populacional com a degradação do meio ambiente.  De acordo com esses ambientalistas um rápido crescimento populacional, em especial nos países periféricos, se traduziria numa maior exploração sobre os recursos naturais, principalmente os não renováveis.  Um rápido crescimento populacional, principalmente nos países periféricos, provocará sérios desmatamentos nos ecossistemas equatoriais e tropicais, além dos vários tipos de degradação ao meio ambiente. O controle do natalidade seria uma forma de preservar o patrimônio ambiental para as gerações futuras.
  • 34. Meio ambiente X Explosão demográfica Preservação do ecossistema Desenvolvimento sustentável Reservas extrativas Ocupação racional Desmatamento Poluição Desperdício de água Caça e pesca predatória Comercialização e extinção de espécies da flora e da fauna Nos países periféricos as carências sociais são tãoNos países periféricos as carências sociais são tão grandes que as preocupações ecológicas estãograndes que as preocupações ecológicas estão quase restritas as camadas sociais médias.quase restritas as camadas sociais médias. Os países centrais do capitalismo usam as questões ecológicas para conseguir concessões políticas e comerciais dos países periféricos.
  • 35.  A estrutura etária e sexual é uma representação gráfica quantitativa, que expressa o número de habitantes de uma determinada região, cidade, município, estado, país ou mundial.  Expressa a fase de transição demográfica ou não, em que se encontra uma determinada população. Identifica a taxa de natalidade e mortalidade, além da expectativa ou esperança de vida.  A estrutura etária e sexual revela também certos eventos sofridos por uma determinada população, que podemmodificaro seu perfil demográfico: • guerras ou grandes conflitos • epidemias • crises econômicas ESTRUTURA ETÁRIA E SEXUAL MUNDIAL
  • 36. A forma da estrutura etária e sexual, de umdeterminado país está associada ao grau de desenvolvimento ou subdesenvolvimento.  As modificações que ocorremcomo passardos anos de uma estrutura etária e sexual, revelama sua tendência demográfica.  A estrutura etária e sexual temreflexos importantes na economia de umpaís.  A estrutura etária e sexual indica características de desenvolvimento econômico e social.
  • 37.
  • 38.
  • 39.  Os movimentos migratórios, referem-se aos deslocamentos de populações dentro de um determinado espaço geográfico de um mesmo país ou entre países.  Trata-se de um importante componente da dinâmica demográfica mundial.  As migrações estão se constituindo no elemento mais importante da vida de grandes contingentes populacionais, podendo ocorrer de uma forma espontânea ou forçada. OS MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS MUNDIAIS
  • 40. * as migrações espontâneas dizem respeito aos deslocamentos realizados voluntariamente pelos habitantes de uma determinada região que desejam viver em outras regiões, como o que aconteceu durante o século XIX e parte do XX, quando mais de 60 milhões de habitantes do continente europeu migrarampara o continente americano.   * as migrações forçadas correspondem aos deslocamentos que são realizados involuntariamente pelos habitantes de uma região, como as que ocorreramentre os séculos XVI e XIXdevido ao tráfico negreiro, que transferiu, pormeio da força, mais de 40 milhões de habitantes do continente africano, principalmente para a América Colonial.
  • 41.
  • 42. As migrações estão relacionadas diretamente com vários fatores, causas ou origens, como porexemplo: * Políticas * Religiosas * Fenômenos da Natureza * Econômicas * Sociais * Étnicas * Culturais * Psicológicas
  • 43. As migrações podemser Migrações externas ou internacionais: Correspondem às que ocorrem de um determinado país para outro, sem retorno.  Migrações internas ou regionais: Correspondem aos deslocamentos humanos dentro de um mesmo país. Qualquerdeslocamento populacional traz conseqüências demográficas, nas regiões de atração, como aumento do contingente populacional, enquanto nas regiões de repulsão, ocorre uma redução do contingente populacional.