O tempo por O.Jr Bentes“O tempo é uma mola comprimida, pronta a propulsar o homem,     quem o vê superficialmente, sem mui...
AS CURVAS DO TEMPO
TEORIA DA ESTRUTURA MOLAR DO TEMPO.Se a realidade é curva então o seu referencial, o   tempo, também o é, hehehe.A perspec...
AS PERSPECTIVAS
Para os indivíduos que não possuem formação educacional nenhuma, que vivem a mercê dasestações do ano é fácil perceber as ...
Outro aspecto importante desta teoria é que cada ciclo começa exatamente no meio do ciclo anterior, é otempo que demoramos...
Então, quando o verbo se tornou substantivo!? Óbvio; com nosso senhor Jesus Cristo, a   energia pura se tornou matéria, su...
Por que quando estamos em um dia entediado parece que o tempo não passa!?Este é outro aspecto da realidade explicado pela ...
Passemos                  agora                para                 outra              compreensão.(S = espaço; V = veloci...
Por isso dizemos que:   No princípio era o verbo e Deus estava   com o verbo e Deus era o próprio.   Por que Deus era a en...
Outros conceitos que são subjacentes a esta teoria:“O espírito aquece o corpo e a alma dá sentido à vida”“O prazer é um es...
MENTE, CORPO, ALMA E ESPÍRITOMente     Espírito           Alma                              Deus                     Mundo...
A alma é a relação, uma função do corpo, a   energia vital, o espírito, a mente e Deus.È por isso que dizemos que um ser  ...
A ALMA
O amor a Deus nos liberta da carne e do   sofrimento, pois o amor é liberdade, a paixão é   a escravidão.O contrário do am...
A consciência de Deus e a              "Assim diz o Senhor: O céu é o meu                                        trono, e...
A QUARTA DIMENSÃO
Teoria da estrutura molar do tempo
Teoria da estrutura molar do tempo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Teoria da estrutura molar do tempo

517 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Teoria da estrutura molar do tempo

  1. 1. O tempo por O.Jr Bentes“O tempo é uma mola comprimida, pronta a propulsar o homem, quem o vê superficialmente, sem muita atenção, o percebe como linha, uma reta ou mesmo uma corda, mas quem o vislumbra mais aguçadamente, percebe algo de estranho, ele dá voltas que só a vida dá. Por vezes ele se encolhe e passamos a ter a impressão que tudo passa muito lentamente, nesse período tudo fica monótono, tudo permanece, tudo fica muito lento, é cotidiano demais para nós seres humanos. Por vezes ele se distende e tudo passa muito rapidamente, numa quinta, numa sexta,ou num sábado a noite, tudo tem que ser decidido no aqui e no agora. Por vezes sinto a sensação de estar vendo tudo de novo, e por um instante nos angustiamos, num deja-vu, mas percebemos que tudo é reflexo, que há sempre um aspecto novo a ser vislumbrado, diferenciando-se de tudo que havia sido visto antes. O tempo nos causa, então, uma nova sensação que, ele mesmo, é muito mais amplo, e a vida é muito mais ampla. O homem é muito mais amplo, muito mais multisocioeconomicocultural, muito mais coletivo do que alguns querem fazer crer. E o tempo? Como antes ele sofre uma espécie de refluxo para então se distender muito mais ainda, voltando a parecer uma reta e nela todos vamos numa média escalar. Então, ele se acelera parecendo que vamos quebrar a barreira do som, da luz, parece que vamos dar um salto. E demos ou não demos um salto? Que nada, é tudo continuidade. Ele volta a dobrar-se em um ciclo de uma mola ainda maior, tão grande que, só estando na Lua, para perceber o tamanho dos ciclos e entendermos que ele deve ser infinito enquanto dure.”
  2. 2. AS CURVAS DO TEMPO
  3. 3. TEORIA DA ESTRUTURA MOLAR DO TEMPO.Se a realidade é curva então o seu referencial, o tempo, também o é, hehehe.A perspectiva desta estrutura para o tempo é resultado da união das estruturas retilinear e circular; do homem e da mulher; o tempo das sociedades e o da natureza; o moderno e pré- moderno (medieval); do trabalho e do lazer, o ocidente e o oriente.Esta estrutura possui quatro temporalidades, o que analogamente podemos equivaler à curta, a média, a longa duração. O o primeiro dos ciclos, dos anos, das estações do ano, não diz respeito ao seres humanos, à eles não estamos muito atrelados. Mesmo que na adolescência nos desvinculamos destes ciclos, eles não nos determinam tanto. A curta duração, aqui, equivale, a década, do ser humano comum; a média equivale ao tempo das sociedades humanas e dura cem anos, o “século”; a longa é a temporalidade da Ciência e dura mil anos.
  4. 4. AS PERSPECTIVAS
  5. 5. Para os indivíduos que não possuem formação educacional nenhuma, que vivem a mercê dasestações do ano é fácil perceber as repetições de sua vida, é o que chamamos normalmente devidazinha monótona, em que tudo se repete, parece não haver nenhum entusiasmo em si viver.Para um humano comum que, possui o mínimo de formação educacional, é fácil perceber asrepetições da década, e mesmo que se ele for mais atento, por exemplo, poderá perceber aprogramação da televisão. Perceber que cada ano da década tem um significado. Por exemplo, osanos terminados em zero, ou em dez, como o ano do atacante, do lobisomem, da agressividade, dotigre, do psicopata, da caça a eles, do naipe de espada. É o primeiro plano da realidade e daestrutura temporal, das relações humanas intersubjetivas.Para o homem de uma formação superior, e de famílias mais centradas, fica fácil de perceber asrepetições da sociedade. É muito comum em famílias que preservam a sua memória, fazer secomparações de um individuo com algum dos seus ancestrais da terceira ou até mesmo da quartageração anterior. É o segundo plano da realidade e da estrutura temporal, das relações humanascom as sociedades em que eles vivem.Para um humano que produz, ou mesmo vivência, a Ciência em seu cotidiano, as permanências eas mudanças deixam de ser coisas abstratas e passam a coisas materiais. É o terceiro plano darealidade e da estrutura temporal, das relações humanas com o planeta.Esta estrutura tenta tornar mais observável e substituir a proposta de tempos paralelos, da pós-modernidade, ao meu ver, ela esta mais para o neopositivismo. Ela propõe que o tempo permanecenum continuo eterno, mas que há “repetições”, porém, o que compreendemos, falsamente comorepetições, são apenas reflexos de uma realidade anterior já vivenciada por nós mesmo ou que nosfui transmitida e introjetada. Portanto aqui o que entendemos por “dejavu”, em psicanálise, é apenasa impressão que temos de momentos em nossas vidas que se repetem, e que possuem umaestrutura narrativa idêntica a de um fato por nós vivenciado anteriormente. Mas que se não nosdesesperarmos, no fim, sempre há algo que não tínhamos visto e percebido. É quando a angustiamorre.
  6. 6. Outro aspecto importante desta teoria é que cada ciclo começa exatamente no meio do ciclo anterior, é otempo que demoramos a nos adaptarmos a realidade imposta por cada ciclo, portanto trabalhamos comquatro dimensões, que em matemática poderíamos representar pela reta(1ª dimensão – década– 10 =10¹), e nessa o ponto equivale ao ano, que nesse caso não é uma dimensão (dimensão; di = 2, duasreferências para localizarmos algo), o plano(2ª dimensão – século– 100 = 10²), o espaço(3ª dimensão –milênio - 1000 – 10³). Nesta nossa analogia, há ainda uma quarta dimensão que subjaz a todas as outras,que seria a longíssima, a esfera(4ª dimensão), mas ai não seria mais da matéria e sim do espírito em si, enão do espírito sobre a realidade circundante. Ainda analogamente, poderíamos pensar nas dimensõesda realidade: o social, nela inerente o individual, o econômico, o cultural,e o espiritual. quinta sereferiria a essência do espírito, e até aqui, pensamos a cerca da essência da matéria, da realidade. Mesmopor que não há tempo sem a matéria: se F = m.a (força = massa vezes a aceleração) e A = V/t (aceleração= velocidade sobre o tempo), logo tempo é uma “propriedade” da matéria, se V = S/t, então o tempo éuma função da velocidade e do espaço, logo o tempo é uma função do espaço, da velocidade e da massa,matéria. É por isso que pensamos na força do tempo sobre a matéria, e quando não havia a matéria, sóhavia a energia pura, não havia o tempo: “No início era o verbo, e Deus estava com o verbo, e Deus era opróprio verbo”, portanto: Deus = verbo = força criadora = energia.
  7. 7. Então, quando o verbo se tornou substantivo!? Óbvio; com nosso senhor Jesus Cristo, a energia pura se tornou matéria, substância, carne.Logo se Deus é energia pura, e se a energia esta em tudo, que é matéria, ele é onipresente, como eles esta em todos os lugares, tudo ele vê, então, de tudo ele sabe, como desde que o humano é humano, saber é poder, portanto, Deus pode tudo.Por que quando queremos saber se vai chover!? Mandamos alguém lá fora, de casa, e dizemos: olha o tempo como esta lá fora.Porque a observação da passagem das nuvens, da matéria, e suas propriedades, se as nuvens estão carregadas ou não, se deslocando no espaço, nos indica se vai chover ou não. Mais que isso, o tempo é essa sensação que temos de que as coisas estão passando, e que no outro dia começa tudo de novo, que o sol vai voltar de novo, que a lua vai estar no céu estrelado de novo. Então podemos dizer se o tempo esta mau ou esta bom.
  8. 8. Por que quando estamos em um dia entediado parece que o tempo não passa!?Este é outro aspecto da realidade explicado pela mola. Quando a mola esta comprimida os ciclos ficam muito próximos, tudo parece se repetir frequentemente. A velocidade da mudança é mais lenta. O aspecto psicológico é assim, nestes momentos nos angustiamos, e a ansiedade corrói a nossa alma. A atividade mental e física torna-se lenta.Quando a mola se distende tudo passa mais rápido. A percepção que tínhamos, quando crianças, das coisas mudando, dava a sensação de que o Sol esta girando mais rápido. Mas isso era uma sensação meio falsa. Pois o que girava era a Terra ao redor do Sol, mas que em determinada estação do ano o dia passa mais rápido mesmo. Nesses dias tudo se acelera incluindo a atividade mental.Durante o Verão nos humanos aumentamos a nossa atividade metabólica, e nós no inverno ficamos mais quietinhos. Quanto mais próximos da massa do Sol, mais rápido nos movemos.Passemos agora para outra compreensão.
  9. 9. Passemos agora para outra compreensão.(S = espaço; V = velocidade; t = tempo; F = força; a = aceleração)Se V = S/t => t = S/V, logo se subtrai que o tempo é diretamente proporcional ao espaço einversamente proporcional à velocidade. Quanto maior o espaço, maior será o tempo gastopara percorrer este espaço, se a velocidade for maior, menor será o tempo gasto.Se t = S/V e a = V/t => V = a x t, logo t = S/(a x t) e portanto t2 = S/a. O tempo é uma função daaceleração, quanto mais acelerarmos menor será o tempo, e mais tempo teremos para gastar. É fácil, é sódistender a mola. 2 2Se t = S/a e F = m.a e a = F/m, logo t = (S x m)/ F , logo tempo é uma função da matéria, quanto maiora massa maior será o tempo, e quanto maior for a força menor será o tempo.Se o tempo é uma função da matéria, logo posso dizer com propriedade que o tempo é umapropriedade da matéria. Que quando não havia a matéria e sua propriedade não havia otempo.No princípio só existia a energia e a matéria super-concentrada.
  10. 10. Por isso dizemos que: No princípio era o verbo e Deus estava com o verbo e Deus era o próprio. Por que Deus era a energia pura. E energia não precisa ter adjetivação, nem muito menos predicado, pois quem precisa de propriedades e qualidades é o substantivo, melhor dizendo, a matéria. Como Deus não é substantivo para precisar de um adjetivo para qualificá-lo, Deus então era o verbo.Então no proto-tempo a energia arremessou- se contra a matéria, e iniciou-se o tempo. E a matéria passou a possuir características da energia, melhor dizendo o verbo arremeteu sobre o substantivo. Então Deus, a energia, o sujeito, criou o seu predicado o substantivo.E fez-se a luz, e surgiu, então a primeira oração.Quando, então, o verbo se fez substantivo!? Com nosso senhor Jesus Cristo.
  11. 11. Outros conceitos que são subjacentes a esta teoria:“O espírito aquece o corpo e a alma dá sentido à vida”“O prazer é um estado do corpo, a alegria é um estado da alma e a felicidade é um estado do espírito”Espírito = aquilo que gera o calor, a força, ou o próprio calor a própria energia.Na idade da pedra o homem primitivo observava que quando um humano morria, ao tocá-lo, ele percebia que o corpo estava frio, tinha perdido algo que gerava o calor, os gregos, então, o designaram de espiritus. E óbvio, o sangue e sua fricção com a parede dos vasos sanguíneos era que gerava o calor, e como o coração bombeava o sangue, ele era o órgão vital de toda a sensibilidade humana.Quando dizemos: a pira olímpica, estamos nos referindo ao fogo da tocha olímpica, e não a tocha como um todo.Quando um indivíduo esta pirado, é porque ele esta com a cabeça quente pois não consegue resolver seus problemas, e como ele precisa resolver seus problemas o coração manda mais sangue para o cérebro e então ficamos com a cabeça quente.É por isso que uma pessoa apaixonada, age, quase que por instinto, pois o coração manda uma quantidade muito grande de sangue, e muito rapidamente para o cérebro, e nós humanos agimos quase que irracionalmente.É por isso que paixão é diferente de amor. A paixão é um veneno para a mente humana, nós humanos enlouquecemos, por causa de nossas paixões.Então o que é a alma!?
  12. 12. MENTE, CORPO, ALMA E ESPÍRITOMente Espírito Alma Deus Mundo Mundo Mundo
  13. 13. A alma é a relação, uma função do corpo, a energia vital, o espírito, a mente e Deus.È por isso que dizemos que um ser anencefálico não é humano. Por tanto para se ter alma é necessário ter mente e portanto cérebro. Por exemplo, um feto de dois meses, que não possui nem coluna vertebral, e nem cérebro, possui vida, mais não vida humana. O feto interage com o meio externo, mas não de forma consciente, e portanto é praticamente parte integrante da mãe.O que significa a palavra animal!? Que possui anima, em latim, alma, portanto um animal é um ser animado, que se move, por si, por livre consciência. É por isso que para a maioria das religiões os animais possuem alma. Logo todo animal possui alma mesmo que não seja alma humana.É uma relação entre o espírito profano e o espírito divino, e todas as suas mediações.É a nossa alma que através do espírito nos mantêm em contato com o Eterno Deus.
  14. 14. A ALMA
  15. 15. O amor a Deus nos liberta da carne e do sofrimento, pois o amor é liberdade, a paixão é a escravidão.O contrário do amor é a escravidão. AMOR < = > ROMA COMPAIXÃO < = > ÓDIO LIBERDADE < = > ESCRAVIDÃO DEMOCRACIA < = > IMPÉRIO DESEJAR O BEM < = > DESEJAR PARA SIO id é o idiota, o ego é o egoísta e o super ego é o super star, o Michael Jackson.A mentira é amiga da loucura, e a loucura a serva do mal.A mentira abre a janela da alma para a loucura e esta abre a porta da casa para satanás.A mentira convida os demônios para a festa e o diabo entra de penetra.O mundo é dos humanos e o tempo é de Deus.
  16. 16. A consciência de Deus e a  "Assim diz o Senhor: O céu é o meu trono, e a terra o escabelo dos meus pés. vontade da maioria Que casa me edificaríeis vós? e que A vontade da maioria, não passa lugar seria o do meu descanso?"Isaías 66:1 da vontade da maioria e pode no muito ser uma fração da metade da vontade de Deus, pois a vontade de Deus é a vontade do todo. Logo, a consciência de Deus é no mínimo constituída de duas metades uma que esta no céu, e outra que esta aqui embaixo, entre nós humanos, logo o somatório da maioria das consciência dos humanos não passa, de vontade humana. A vontade de Adonai, que esta no céu, é linda limpa e pura, e desconecta da matéria.
  17. 17. A QUARTA DIMENSÃO

×