ENLACES SOLIDÁRIOS Cuba 2011

222 visualizações

Publicada em

Fotolivro da primeira viagem a ilha de Cuba, em julho de 2011, para as participações no Congresso Internacional de Meio Ambiente, no Festival do Caribe e outras ações autônomas.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
222
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ENLACES SOLIDÁRIOS Cuba 2011

  1. 1. BRASIL-CUBA intercâmbio intercultural, julho 2011 Carlos Rogerio OFICINATIVA FOTO LIVRO ENLACES SOLIDÁRIOS
  2. 2. “O que seria de mim sem esses seres místicos que acompanham minha vida“ Salvador Gonzáles Escalona, 2008 Queima do Diabo Festival do Caribe / Festa do Fogo Santiago de Cuba Aproveitando o pensamento do artista plástico Salvador – tirado de um dos inúmeros murais espalhados pela cidade de Havana – apresentamos esta memória visual e poética de nossa recente passagem pela ilha de Cuba. Entre as várias sensações e sentimentos que habitaram nossos corpos e mentes durante os intensos dias desta profunda experiência, a única certeza é que parte do que somos está por lá e que precisamos mais tempo para conhecê-los, e assim melhor reconhecer-nos. Que tod@s possam viajar um pouco nas páginas a seguir. Carlos Rogerio OFICINATIVA
  3. 3. pintura mural Universidade Hermanos Saíz Montes de Oca Pinar del Río Os desenhos, as formas, as cores, parecem acompanhar a trajetória do povo cubano. Claro que estávamos atentos aos registros urbanos feitos nos muros – por conta de nosso momento visual-investigativo atual – mas nos impressionou o uso ideológico que os artistas / ativistas deram a essa linguagem artística. É nítida a influência do muralismo mexicano e a interferência do governo revolucionário nas temáticas das obras. O teor educativo também é uma constante, mesmo quando tal manifestação é feita em lugares não institucionalizados.
  4. 4. Escola de Rua Big Bang Callejero e TECMA – Teatro Callejero Medioambiental, Pinar del Río Antes de sair do Brasil, pouco sabíamos de fato sobre Cuba. Logicamente algo da História foi estudado, muitas das ideias de liberdade em relação ao capital nos chegaram – e inclusive nos inspiram – mas, com base nas vivências orgânicas anteriores, já temos assumido que as teorias e as bibliografias não contemplam a totalidade dos fatos, principalmente quando estamos falando de pessoas e de suas culturas. Verdade chegamos sem saber muito como interagir com os ambientes e, num primeiro momento, só observamos. Apenas quando desembarcamos em Pinar del Río, cidade pequena, interiorana e distante dos moldes turísticos que assolam a ilha, literalmente “armamos a tenda e ocupamos a rua“. Um gesto simbólico e simples mas que hoje em dia faz toda a diferença, nesta sociedade na qual o público (o para tod@s) perde força e o privado (o para pouc@s) é aceito como o normal.
  5. 5. vista aérea do Capitólio Capitólio Nacional de Cuba Havana Havana, a capital do país ilha, é a contradição maluca que descreve as possibilidades que se estão criando a partir da atual situação política e econômica e dos vestígios das propostas sociais do século passado. Um instante-imagem nos ficou bem marcado na lembrança: bem perto do Capitólio chega a avenida Simon Bolívar que é continuação da Carlos III (também chamada Salvador Allende) e um dia, caminhando por ela, nos deparamos a frente com um shopping, do outro lado da via uma festa de grupos de rock ao estilo grunge (Seattle anos 90) e pouco atrás uma roda de Capoeira. O “onde estaremos nós agora?“ foi imediato e inevitável... O próprio Capitólio é o signo dos desejos de transformação daquele povo. Está localizado no limite entre Centro Havana e Havana Velha. Foi concluído em 1929, serviu como prédio do governo após a revolução de 59 e depois para a Academia Cubana de Ciências. Atualmente está fechado para reforma. É muito semelhante ao de Washington – a cúpula foi construída nos Estados Unidos – e também traz traços inspirados no Panteão de Paris.
  6. 6. Desfile da Serpente Festival do Caribe / Festa do Fogo Santiago de Cuba O Festival do Caribe, também conhecido com Festa do Fogo, é um tradicional encontro organizado pela Casa do Caribe, instituição localizada em Santiago de Cuba, a segunda maior cidade da ilha. Ele celebra a ancestralidade e a cultura africana através do intercâmbio de seus descendentes caribenhos, latinoamericanos e de todo o mundo. É composto por inúmeras ações (rituais religiosos, apresentações artísticas, oficinas, desfiles, conferências, etc) durante uma longa semana. Lá apresentamos o trabalho “Cosmovisões educativas das manifestações religiosas afrobrasileiras“, além de participar de outras atividades como o Desfile da Serpente (fotos) e a Queima do Diabo (contra capa).
  7. 7. poster do QUINTAL ORGÂNICO VIII Convenção Internacional sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, Havana interação com iniciativas locais VIII Convenção Internacional sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, Havana Começamos a pensar numa viagem a Cuba – o OFICINATIVA e o QUINTAL ORGÂNICO de Ana Luiza Frari – em 2010 para participar do tradicional Congresso de Pedagogia, que é bienal. Não fomos mas enviamos um projeto que foi publicado (buscar na página do OFICINATIVA). Logo soubemos da Convenção de Meio Ambiente e então nos organizamos melhor...
  8. 8. QUINTAL na rua esquina das avenidas 23 e G (de los Presidentes), Havana Enviamos alguns projetos e fomos aprovados para as apresentações. Sabíamos que o evento em si podia ser um pouco tedioso (pois nesses espaços o que vale mais é o discurso). Mas consideramos que seria um bom motivo para uma aventura durante nosso período de férias. Começamos então a organizar malas, agendas e a fazer pesquisas virtuais e com nossas conexões pessoais para saber com o que mais poderíamos interagir em Cuba. Bom, o congresso em si sem muitos comentários - “mais um evento“, como diria um grande amigo. O mais bacana foi a aproximação com algumas pessoas e organizações interessantes da cidade e, na semana seguinte, poder ir até suas ações in locu. E também poder reinventar, de maneira orgânica e cidadã, o formalismo e o elitismo acadêmico numa simples calçada, com e para pessoas comuns que estavam abertas e atentas ao projeto desenvolvido no QUINTAL.
  9. 9. uma rua típica calle Cardenas, Havana Muita gente fora das casas, sempre. Esse é o registro quase foto que todas as vezes toma nossas cabeças quando falamos de Cuba, principalmente sua capital. O calor do mês de julho certamente colabora com isso. Fora das avenidas principais, as vias são das pessoas e nelas ocorrem os mais diversos, possíveis e imagináveis tipos de relações sociais característicos de um povo aberto e transparente. Mas se por um lado transborda a vitalidade e a generosidade do cubano, por outro as estruturas físicas da cidade estão ruindo. A crise do início dos anos 90 fez que todo e qualquer investimento na conservação da cidade parasse e com isso são visíveis incontáveis problemas com as casas, os edifícios e também outros serviços locais.
  10. 10. personagens da revolução Havana (acima e ao lado) e Santiago de Cuba (abaixo) Por todo o país, sem exceção, são exaltadas as personagens da revolução e do regime socialista. Em frases, pensamentos, desenhos, fotos, propagandas, comunicação, não há como ficar alheio a essa história. Fidel Castro e Che Guevara são os mais populares, sem qualquer dúvida. Mas caminhando com atenção, logo se pode conhecer José Martí, Camilo Cienfuegos, Carlos Manuel de Céspedes, Antonio Mella e outros.
  11. 11. afromística presente Associação Cultural Yorubá (acima), casa particular (abaixo), Havana Cuba é uma grande África na América Central. Isso se vê e se sente a todo instante, especialmente nas conexões humanas e espirituais. As tradições religiosas arrancadas do continente mãe também ali chegaram e se recriaram de maneira fenomenal. Santeria, Palo Monte, Abacuás, Regla de Ocha, aparente convivem com melhor difusão, aceitação e respeito social que aqui no Brasil.
  12. 12. la guagua Havana Para conhecer de fato Cuba nada melhor que utilizar seu sistema de transporte público. A maioria dos turistas evita essa experiência por achar que é perigoso, por considerar pouco interessante. O próprio governo limita a circulação de estrangeiros em alguns meios e trajetos, estabelecendo tarifas e veículos distintos. Num ônibus e encarando tais condições, descobrimos de fato a essência desse povo, em seus aspectos mais positivos e também os mais negativos.
  13. 13. mil e uma coisas livraria / sebo, Santiago de Cuba Castillo de San Pedro de la Roca Santiago de Cuba Fazemos constantemente uma opção por não valorizar os circuitos turísticos ou comerciais e privilegiar, investigar as andanças mais “alternativas“. Em Cuba, porém, acabamos passando pelo “convencional“ - por ser nossa primeira vez.
  14. 14. entrada da sede da Fundación Antonio Núñez Jiménez de la Naturaleza y el Hombre Havana vista do Gran Parque Metropolitano Havana Após a semana de atividades acadêmicas dentro do Congreso del Medio Ambiente e de posse de muitos e variados contatos interessantes conseguidos nas conversas, saímos para conhecer as iniciativas instaladas na cidade. É nesses momentos que se materializam nossos princípios de ENLACES SOLIDÁRIOS: encontramos parceiros e suas práticas mais cotidianas, trocamos informações sobre nossas realidades e projeções e, muitas vezes, criamos agendas ou pelo menos intenções de atuações conjuntas num futuro próximo, independente de nossas distâncias geográficas...
  15. 15. artes e ofícios tradicionais Marcelino Blanco (acima), grupo Resurrectio (ao lado), grupo TECMA (abaixo), Pinar del Río Toda cidade, acreditamos, tem seus encantos. Quando é pequena, é possível que possamos acessá-los com mais facilidade. E se temos um anfitrião que nos recebe fraternalmente em seu lar, conhece todo mundo e está disposto a apresentar cada agente promotor e cada ação de cultura da localidade – porque lhe dá orgulho – os poucos dias de estadia podem se multiplicar em infinitas surpresas e descobertas. Assim foi em Pinar del Río...
  16. 16. Escola de Rua Big Bang Callejero e TECMA – Teatro Callejero Medioambiental, Pinar del Río Pinar foi realmente a parte mais fluída do intercâmbio cubano. Já tínhamos boas conexões anteriores, já nos sentíamos hermanos e estávamos prontos – e ansiosos - para atuar. Encontramos as pessoas certas, com ânimos e sonhos em alta. E nossa Escola de Rua ocupou o espaço público sem constrangimentos. E depois ficou por lá com eles, como sinal de gratidão à magnífica acolhida humana. E também num sinal escancarado que desejamos retornar em breve para seguir fazendo ARTE e CULTURA...
  17. 17. vista aérea de Havana Velha Havana caminhos de Havana Velha Havana Mesmo com toda a situação atual da ilha, que acaricia com sinceridade e logo espanca severamente seus filhos e parentes próximos, Cuba se revelou uma atraente necessidade para nós. Quem sabe pelos mistérios que ainda guarda. Talvez pelo clima de incertezas que ainda cause. Ou pelas lições que pode compartilhar / ensinar. Certamente voltaremos muitas vezes a esse lugar fascinante. E a admiração aumentará.
  18. 18. Enlaces pinareños 1 Yadira (grupo Resurrectio), Luís Manuel (grupo TECMA), Pinar del Río Enlaces santiagueros Iliana (hospedagem), Ana Luiza (companheira de viagem) Santiago de Cuba Enlaces pinareños 2 Marchí (babalaô de Palo Monte), Jesús (Red de Formación Ambiental) Pínar del Río Enlaces habaneros Yaneisis Infante (da rede CouchSurfing), Havana
  19. 19. Atividades desenvolvidas, participações: - VIII Convenção Internacional sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, Havana - XXXI Festival do Caribe / Festa do Fogo, Santiago de Cuba - ENLACES SOLIDÁRIOS, Pinar del Río Agradecimentos especiais em Havana: - Demis (el cubano brasileño), D. Eva, Sr. José e família - Ivan e Yaniela - Yaneisis Infante (CouchSurfing) e família - Yolo Bonilla - Daiyan Agradecimentos especiais em Santiago de Cuba: - Yoandro Gonzales (CouchSurfing) - Iliana e Santiago (hospedagem) - Abelardo Larduet (Festival do Caribe) - Mylens (bailarina) Agradecimentos especiais em Pinar del Río: - Pablo Jordá (CIC Batá) - Felix Manuel e família (hospedagem solidária) - Luís Manuel + grupo TECMA - Mariita (CEPRODESO) - Yadira + grupo Resurrectio - Luiz Carlos (bolsista Educafro) - José Jorge Perez (Red Formación Ambiental) Entidades e grupos contatados: - Asociación Cultura Yorubá de Cuba - UBPC Organopónico Vivero Alamar - CEPRODESO - TECMA - Fundación Antonio Nuñez Jimenez - Asociación Hermano Saíz - Gran Parque Metropolitano - Festival LOVE IN - Casa del Caribe - Centro Cultural Africano Fernando Ortiz - CIC Batá Ana Luiza Frari (QUINTAL ORGÂNICO), companheira em Havana e Santiago + Mônica e Eliana D. Eva
  20. 20. Projeto OFICINATIVA Caixa Postal 73 Ribeirão Pires, SP, CEP 09400 970, Brasil projetooficinativa@hotmail.com / www.oficinativa.blogspot.com.br

×