Coletânea HADITHI NJOO 7

113 visualizações

Publicada em

Sétima coletânea de afrohistórias e outros escritos organizada pelo Festival Internacional de AfroContação de Histórias HADITHI NJOO. Mais informações em www.festivalhadithinjoo.blogspot.com.br.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
113
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coletânea HADITHI NJOO 7

  1. 1. HaDITHI organização: Odé Amorim Projeto OFICINATIVA março 2016 sétima coletânea de afrohistórias (e outros escritos) NJOO especial ETIÓPIA
  2. 2. AfroEscola Laboratório Urbano Avenida Atlântica, 904 Valparaíso, Santo André, SP CEP 09060 001 projetooficinativa@hotmail.com www.oficinativa.org Imagens dessa edição: Livro Sentir Etiopía; ENLACES SOLIDÁRIOS “Europas Africanizadas“, jan – mar 2016. O filho sábio......................................................3 Velha como o tempo.........................................4 A lenda do café..................................................5 Calças ao vento..................................................6 Ave Fênix............................................................7 O rabo do burro.................................................8 Os visitantes.......................................................9 A mulher e o leão............................................10 Provérbios........................................................11 Sentindo Etiópia (fotos).................................12 materiais consultados: - livro Sentir Etiopía + www.talleresdenarracionoral.wordpress.com Neste sétimo número da coletânea de afrohistórias e outros escritos – um pouco fora dos prazos mas pleno em energias! – registramos a emoção de nossa experiência recente em solo africano. Algo difícil de explicar, algo fácil de SENTIR. E de SER... Boa viagem com as narrativas aqui estampadas. AfroAbraços Odé Amorim
  3. 3. Coletânea de AfroHistórias HADITHI NJOO # 3 # O filho sábio Há muito tempo vivia em Gondar um ancião que tinha 3 filhos. Um dia este senhor adoeceu e, sentindo próxima a sua morte, convocou sua prole. Queria saber qual deles era o mais sábio. Quando chegaram, o pai começou a falar: - “Quero saber quem é o mais sábio de vocês. Sobre a mesa há dinheiro. Cada um deve pegar 25 centavos e comprar algo que possa encher esse quarto”. O filho mais velho pegou sua parte e saiu da casa pensativo: “Isso é bem fácil; tem muitas coisas que eu posso comprar”. Foi ao mercado, deu uma olhada nos postos e, instantes depois, adquiriu uma quantidade de palha. O filho do meio refletiu consigo mesmo: “O que pode encher esse quarto?”. Seguiu para o mercado e, após muitas voltas e buscas, gastou sua parte em penas. O filho mais novo parou e ficou muito, muito tempo considerando a situação. “O que tem no mercado que custe 25 centavos e possa encher um quarto todo?”. Horas e horas se passaram e finalmente foi até um pequeno comércio e comprou uma vela e um palito de fósforo. No dia seguinte, os 3 voltaram ao quarto de seu pai. Cada um levava os itens comprados para tentar encher o espaço. O filho mais velho tinha palha. O filho do meio tinha penas. O filho mais jovem tinha vela e fósforo. O filho maior mostrou a palha a seu pai, mas ela só tomou um canto do quarto. O segundo mostrou as penas e essas ocuparam um pouco mais de espaço que o material anterior. - “Será que não há nada que possa encher esse quarto?”, perguntou o pai. Então o mais jovem dos filhos acendeu a vela e a luz preencheu todo o quarto escuro. O ancião ficou muito contente e celebrou seu filho menor dando a ele todas as suas terras e seu dinheiro.
  4. 4. Coletânea de AfroHistórias HADITHI NJOO # 4 # Velha como o tempo Velha como o tempo, sozinha, nobre, fazendo sombra no deserto, purificando o céu. Anciã... seus filhos valentes, afiando suas espadas, desde tempo imemorial. Seus sacerdotes cantando orações e maldições desde tempo imemorial, alta terra de terras altas. Tsegaye Gabre-Medhin
  5. 5. Coletânea de AfroHistórias HADITHI NJOO # 5 # A lenda do café Por volta do ano 600 viveu na Etiópia um pastor chamado Kaldi. Certo dia cuidando de seu rebanho de cabras, percebeu que os animais tinham um comportamento estranho. Nervosas, elas iam e vinham, para cima e para baixo, num tumulto que permaneceu todo o caminho de volta e seguiu durante toda a noite, que parecia sem fim. Apenas na manhã seguinte o rebanho se acalmou e seguiu mansamente o pastor até as áreas de pastagem. Então umas cerejas tentadoras chamaram a atenção do rebanho na estrada. As cabras as morderam e, num passe de mágicas, reviveram seu comportamento nervoso no dia anterior. Kaldi observou as plantas que, aparentemente, tinham causado a mudança no seu rebanho e cuidadosamente provou uma folha e uma fruta. A primeira coisa que notou foi que não se tratava de um arbusto de cerejas, e que o sabor não era tão bom quanto o esperado. Mas também ele sentiu que a fadiga causada pela longa noite insone tinha desaparecido e sido substituída por uma energia que o deixava bastante ativo. Kaldi levou consigo alguns ramos floridos e liderou a marcha em direção a um mosteiro que ficava a poucos quilômetros. Em ritmo acelerado o seguia seu rebanho. Ao chegar à casa religiosa, o pastor foi recebido pelo abade, enquanto os animais estavam sob os cuidados de monges desorientados. Relatada a descoberta, o abade conduziu Kaldi à cozinha e, prudentemente, ferveu aquelas frutas vermelhas. Mas quando ele experimentou o gosto, era tão ruim que, por impulso, cuspiu tudo para fora. Parte do rejeito caiu sobre o fogo. Nesse instante, a cozinha foi tomada por um delicioso aroma, o que levou o abade a fazer um novo teste. Ele pegou o fruto, que agora estava torrado, e preparou uma infusão que, com a sua fragrância quente, atraiu o grupo de monges até o local. Assim nasceu o café, da Etiópia para o mundo: testado por algumas cabras, descoberto por um pastor, torrado por um abade, degustado por monges, que nunca imaginariam que aquele sabor energético se prolongaria por séculos e séculos.
  6. 6. Coletânea de AfroHistórias HADITHI NJOO # 6 # Calças ao vento Calças ao vento e botões de granizo, nenhum grão da terra de Shoa, em Gondar nada restou. Uma hiena amarrada a um cinto, com um pedaço de carne na boca. Um pouco de água num copo colocado perto do fogo. Uma porção de água jogada em casa. Um cavalo de fumaça e um passo crescido, inútil para todos, útil para ninguém. Por que estou amando um homem como ele? obs.: Canção em amárico (idioma mais importante de Etiópia realizada por mulheres enquanto trabalham. Fala sobre o amor inútil e nela se menciona Gondar, capital dos reis etíopes e a província de Shoa.
  7. 7. Coletânea de AfroHistórias HADITHI NJOO # 7 # Ave Fênix Ave fabulosa de tamanho enorme, a conhecida Fênix é originária de Etiópia e está relacionada ao culto do Sol no Egito. Tinha forma de águia e plumagem colorida que brilhava tanto que as do pavão real ficavam ofuscadas... As histórias diferem em relação à duração de sua vida. Segundo alguns seria de 500 anos e outros dizem que alcançaria os formidáveis 12.950 anos. Era um animal único em seu gênero, assim não podia se reproduzir na união com outro semelhante. Vivia no Egito até o momento de sua morte. Quando sentia chegar o fim de sua vida, contam que formava uma urna funerária com plantas aromáticas, de incenso e cardamomo. A partir desse ponto, existem 2 versões: A mais popular relata que a Fênix entrava nessa urna, se ateava fogo e das cinzas surgia a nova Fênix. A outra descreve sua morte, adormecida e afogada em seu próprio sêmen, de onde nascia a seguinte. Esta depositava o corpo de sua mãe num tronco oco de mirra. O tronco era transportado então até a cidade de Heliópolis e era acompanhado nesse trajeto por um cortejo de diferentes pássaros. Quando chegava ao Altar do Sol, o Templo de Heliópolis, a ave colocava seu antepassado morto no lugar sagrado. Um sacerdote do Templo do Sol comprovava, utilizando um antigo desenho da Fênix, que ela era autêntica. Feito isso, incinerava o cadáver. Concluída a cerimônia, a nova Fênix regressava a Etiópia, onde vivia se alimentando de gotas de incenso até o fim de seus dias.
  8. 8. Coletânea de AfroHistórias HADITHI NJOO # 8 # O rabo do burro Era uma vez um rico mercador de nome Ato Alemu. Era um homem bom que recebia cordialmente os viajantes que chegavam a sua casa e costumava ajudar os pobres de seu povoado sempre que podia. Ato Alemu era muito rico mas nunca colocava seu ouro no banco: preferia guardar tudo numa caixa de madeira que escondia debaixo da cama. Um dia saiu de viagem e um homem de seu povoado, observando sua partida no lombo de um burro, foi a casa de Ato. Forçando a porta, invadiu a residência e foi roubar todo o ouro que estava na caixa de madeira. Quando regressou de viagem, 2 dias depois, Ato Alemu viu sua porta arrombada e disse: - “Alguém entrou em minha casa”. E quando ao entrar viu sua caixa de madeira vazia gritou: - “Quem roubou meu ouro?”. Imediatamente foi ao juiz local e exclamou: - “Alguém subtraiu meu ouro e creio que foi alguém de nosso vilarejo”. O juiz escutou e logo pronunciou: - “Traga-me seu burro e eu prenderei o ladrão sem demora”. Ato Alemu brevemente retornou com seu burro, o juiz derramou perfume no rabo do animal, levou-o até uma loja e convocou todos os homens do povoado. - “Alguém roubou o ouro de Ato Alemu e eu suspeito de um de vocês. Todos devem tocar o rabo do burro e o animal se manifestará quando o ladrão o fizer”. Todos os homens entraram sozinhos na loja e tocaram o rabo do burro, mas quando foi a vez do ladrão este não o fez com medo que o animal reagisse e assim o delatasse. Depois que todos passaram pela prova, o juiz os colocou em fila e cheirou as mãos de cada um. Ao chegar nas que não tinham o odor do perfume exclamou: - “Você é o culpado!”. - “Eu não sou culpado, o burro não se manifestou”, respondeu nervoso o homem. - “Eu derramei perfume no rabo do burro. Se você o tivesse tocado, teria o cheiro em suas mãos. Mas não o fez com medo que o animal o entregasse. Você é o ladrão!”, disse o juiz. O ladrão então foi desmascarado, confessou seu crime e devolveu a Ato Alemu todo seu ouro.
  9. 9. Coletânea de AfroHistórias HADITHI NJOO # 9 # Os visitantes Durante o reinado do imperador Theodoro, vários visitantes chegaram a Etiópia. Chegaram de Europa e exploraram a Etiópia de norte a sul, de leste a oeste. Cruzaram rios e córregos, passaram por vales profundos, escalaram as mais altas montanhas e peregrinaram por desertos escaldantes. Fizeram mapas daquele país, mapas que mostravam todos os rios, as montanhas, os desertos e muitos outros caminhos. Depois de vários anos, os visitantes acabaram seu trabalho e mostraram os mapas ao imperador. O imperador os analisou e disse: - “Esses mapas são muito bons. Aqui podemos ver as fontes do Nilo, perto do lago Tana, e podemos ver as montanhas e também os rios. Me sinto extremamente agradecido por seu trabalho”. Os europeus se prepararam então para partir. O imperador reservou um de seus serviçais para lhes ajudar a carregar suas bagagens e presentes até o barco. Quando os europeus estavam subindo no barco para retornar a seu continente com seus pertences, o serviçal fez todos pararem e tirarem seus sapatos. Limpou um a um cuidadosamente. Depois os devolveu. Os europeus ficaram surpresos e perguntaram: - “Por que limpou nossos sapatos assim?”. O homem respondeu: - “Vocês visitaram Etiópia. Viram que é muito bela. E agora entendem o quanto amamos nossa terra. Nós plantamos nossas sementes e nossa comida cresce deste chão. Os caminhos que vocês percorreram foram preparados por nossas famílias, por nossos ancestrais. O solo é nossa mãe e nosso pai. Nós podemos até dar a vocês nosso ouro e nossa prata, mas não damos a ninguém nossa terra. Por essa razão o imperador me ordenou limpar seus sapatos antes que deixassem nossa querida Etiópia”.
  10. 10. Coletânea de AfroHistórias HADITHI NJOO # 10 # A mulher e o leão Há muito tempo atrás, uma mulher chamada Fanaye vivia em Debre Markos. Ela estava muito triste porque seu marido já não lhe dava atenção. Eles já não conversavam, nem mesmo se desejavam “bom dia”. A noite, o homem jantava e ia dormir sem mesmo dedicar a ela um olhar. Um dia Fanaye foi visitar o feiticeiro em busca de um conselho. Contou o que estava acontecendo entre ela e o companheiro. Depois de escutá-la, o feiticeiro respondeu: - “Eu direi a você o que deve fazer. Mas primeiro quero me traga alguns fios do rabo de um leão”. Fanaye foi embora muito triste porque considerava muito difícil conseguir fios do rabo de um leão. Porém internamente decidiu tentar realizar a tarefa. Próximo a Debre Markos havia um esconderijo de um leão. Fanaye comprou um pouco de carne e a deixou ao lado de sua caverna. Mas quando viu a fera, saiu correndo de medo. No dia seguinte, levou novamente mais carne e esperou atrás de uma árvore enquanto o leão comia. No terceiro dia, o presenteou com uma ovelha e ficou mais perto até que o animal a devorasse. No quarto dia, apoiou a comida em suas próprias mãos e assim, pouco a pouco, Fanaye e o leão foram se transformando em amigos. Ela levava carne todos os dias e permanecia ali até que o animal a desfrutasse. Até o momento que ele se amansou e a mulher arrancou alguns fios de seu rabo. Fanaye ficou muito feliz e correu para levar a conquista até o feiticeiro. Entregou ao homem e disse: - “Aqui está o que me pediu. Agora me diga o que devo fazer para melhorar a relação com meu marido”. O feiticeiro sorriu e respondeu: - “Você sabiamente ganhou pouco a pouco a confiança e a estima do leão porque cuidou dele. Já sabe o que pode fazer então em relação a seu companheiro. É só utilizar a mesma estratégia”.
  11. 11. Coletânea de AfroHistórias HADITHI NJOO # 11 # Provérbios “Quando o grande senhor passa, o camponês faz uma reverência e solta peido silenciosamente” “Algumas pessoas morrem e parece que nunca viveram, outras estão vivas e se comportam como se nunca fossem morrer” “O sol queima as costas, a fome queima a barriga” “O mal penetra como uma agulha e logo é como o carvalho” “Quando alguém está apaixonado, um precipício se torna um prado” “Quando as aranhas unem suas teias podem matar um leão”
  12. 12. Coletânea de AfroHistórias HADITHI NJOO # 12 # sentindo EtióPia... Fotos dos ENLACES SOLIDÁRIOS “Europas Africanizadas“ janeiro a março 2016 (visita a Adis Abeba, Etiópia, de 15 a 20 de março)
  13. 13. Coletânea de AfroHistórias HADITHI NJOO # 13 # sentindo EtióPia... Fotos dos ENLACES SOLIDÁRIOS “Europas Africanizadas“ janeiro a março 2016 (visita a Adis Abeba, Etiópia, de 15 a 20 de março)
  14. 14. _____________________________ www.festivalhadithinjoo. blogspot.com.br ____________________________ "Hadithi Njoo" significa "história vem" ou "que venha a história". É uma expressão em suaíle (swahili / kiswahili) utilizada no leste africano - Quênia, Uganda, Tanzânia, Congo - por contadores tradicionais quando iniciam suas intervenções: hadithi, hadithi, hadithi njoo! (história, história, eles dizem, que venha a história, responde o público). “Os pais que não contam contos a seus filhos vão ficar carecas...“

×