SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Uma abordagem didático-teológica
Pr Jônatas Leal
SALT,BA
A grande guerra
Uma nova resposta à oração (Dn 10)
Dias de oração e jejum
O sacerdote vestido de linho
O poderoso guerreiro Miguel (v.13)
A guerra em detalhe
 A visão parte do início das setenta semana
 Pérsia (v.2)
 O quarto rei: Artarxerxes
 Grécia v.3
 Roma pagã (militar) v.4
O norte contra o sul (v.5-39)
 O reino do norte e o chifre pequeno
 Desafia a Deus e procura usurpá-lo (v.36,37)
 Profana o santuário e retira o sacrifício contínuo
(v.31)
 Se estabelece na terra gloriosa (v.16,41,45) e ataca o
povo santo (v.28,29)
 Ele sai do norte (v.9)
 Ambos morrem da mesma forma (v.45)
Assim...
Capítulo 8 Capítulo 11
Pérsia (v.3,4) Pérsia (v.2)
Grécia (v.5-8) Grécia (v.3,4)
Roma (v.8,9) Roma (v.4)
Chifre pequeno (v.9-12) Chifre pequeno (v.5-39)
Tempo do fim
(v.13,14,17,25)
Tempo do fim (v.40-45)
O simbolismo norte-sul
 A simetria e estrutura dessas passagens nos
advertem contra uma interpretação
estritamente literal e histórica.
 As referências tornam-se abstratas e
metafóricas.
 A unidade norte-sul como totalidade e
espaço terreno
 Norte
 O norte é o representante bíblico do mal,
que usurpa a Deus (Ez 21:3,4; Is 14:31; Jr
1:14)
 Babilônia e o norte
 O Sul
 Na tradição bíblica representa o poder
humano sem Deus
 O sul e o Egito (11:43 cf.5:2)
 Na tradição profética confiar no Egito é
confiar no “braço” humano (Is 31:1,3)
Entre o Egito e Babilônia, Israel
chegou a entender e a imaginar seu
destino estritamente em relação
com essas duas forças dominantes.
O significado histórico
 A princípio é impossível e até certo ponto
desnecessário determinar os detalhes
históricos da batalha entre o Sul e o Norte.
 Mas é possível discernir três temas
principais.
O conflito entre o norte e o sul
 Norte: o poder eclesiástico religioso que
desempenha o papel de Deus na terra, atua como o
único intercessor entre a humanidade e Deus.
 Sul: os movimentos filosóficos e políticos que
lutam contra a religião com a arma da razão. Eles
se evidenciam nas ideologias atuais e formas de
governo seculares e materialistas.
A aliança entre o norte e sul
A aliança (v.6,17,22,23)
As intenções de acordo entre a Igreja e
o Estado
O conflito entre o norte e o povo
de Deus
O conflito (v.16,28,30,31,35)
A perseguição e a intolerância tem
marcado a história da igreja ao longo da
história
A última batalha: duas ofensivas
A derrota do sul (v.40-42)
Historicamente, significa que o poder
político-religioso triunfará sobre os
movimentos ateus e políticos.
 A última aliança entre o sul e o norte (v.43,44)
 O ataque contra o monte santo
 Monte santo como morada de Deus (Sl48:1,2;
Is 14:13)
 Aqui encontramos os mesmos elementos
encontrados na batalha do Armagedom em
Ap 16
Um batalha espiritual
 A batalha do Armagedom é o auge e o desfecho
final de uma guerra que está acontecendo hoje.
 O campo de batalha é a nossa mente.
Quando os homens estão contentes de viver
meramente para este mundo, a inclinação natural
une-se às sugestões do inimigo, e fazem-lhe a
vontade. Quando, porém, procuram deixar a
bandeira negra do poder das trevas, e se enfileiram
sob o ensangüentado estandarte do Príncipe
Emanuel, começa a luta, e a guerra é levada avante
aos olhos do Universo celeste.
Todo aquele que combate ao lado do direito, deve
combater corpo a corpo com o inimigo. Precisa pôr
toda a armadura de Deus, a fim de poder enfrentar
os ardis do diabo.
O livro da guerra
 Capítulo 1: Babilônia x Jerusalém
 Capítulo 2: os metais x a rocha
 Capítulo 3: os jovens hebreus x a estátua
 Capítulo 4: Nabucodonosor x Deus
 Capítulo 5: Medo-Pérsia x Babilônia
 Capítulo 6: os magos x Daniel
 Capítulo 7: os animais x o Filho do Homem
 Capítulo 8: carneiro x bode x chifre pequeno
 Capítulo 10: príncipe Miguel x príncipe da Pérsia
 Capítulo 11: reino do sul x reino do norte
 Capítulo 12: Miguel (Jerusalém) x sul-norte
(Babilônia/Egito)
O desfecho da guerra
 Daniel 12: 1-2
 Historicamente, aponta para a volta de Cristo.
 O momento em que Miguel se levantará
(‘amad) de uma vez por todas.
As hostes de Satanás e homens ímpios os rodearão, e
exultarão sobre eles, pois parecerá não haver escape para
eles. Em meio, porém, de sua orgia e triunfo, ouve-se
ribombo após ribombo dos mais estrondosos trovões. Os
céus se enegreceram, sendo iluminados apenas pela
brilhante luz e a terrível glória do céu ao fazer Deus soar
Sua voz desde Sua santa habitação.
Abalam-se os fundamentos da Terra; os edifícios vacilam e
caem com terrível fragor. O mar ferve como uma caldeira, e
a Terra toda se acha em horrível comoção. Vira-se o
cativeiro dos justos e, em suaves e solenes murmúrios,
dizem uns aos outros: "Somos libertados. É a voz de Deus."
Quando a proteção das leis humanas for retirada dos que
honram a lei de Deus, haverá, nos diferentes países, um
movimento simultâneo com o fim de destruí-los.
Aproximando-se o tempo indicado no decreto, o povo
conspirará para desarraigar a odiada seita. Resolver-se-á dar em
uma noite um golpe decisivo, que faça silenciar por completo a
voz de dissentimento e reprovação.
O povo de Deus - alguns nas celas das prisões, outros
escondidos nos retiros solitários das florestas e montanhas -
pleiteia ainda a proteção divina, enquanto por toda parte
grupos de homens armados, instigados pelas hostes de anjos
maus, se estão preparando para a obra de morte. ... Com brados
de triunfo, zombaria e imprecação, multidões de homens maus
estão prestes a cair sobre a presa, quando, eis, um denso negror,
mais intenso do que as trevas da noite, cai sobre a Terra. ...
É à meia-noite que Deus manifesta o Seu poder para o
livramento de Seu povo. ... Em meio dos céus agitados,
acha-se um espaço claro de glória indescritível, donde vem
a voz de Deus como o som de muitas águas, dizendo: "Está
feito." Apoc. 16:17. Essa voz abala os céus e a Terra. ...
As mais orgulhosas cidades da Terra são derribadas. Os
suntuosos palácios em que os grandes homens do mundo
dissiparam suas riquezas com a glorificação própria,
desmoronam-se diante de seus olhos. As paredes das
prisões fendem-se, e o povo de Deus, que estivera retido
em cativeiro por causa de sua fé, é libertado. (EF, 269,270)
O seu envolvimento nesta guerra
 A realidade da guerra
 O preparo adequado
 A tomada de posição

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

14 compreendendo os sete selos. apoc. 6
14   compreendendo os sete selos. apoc. 614   compreendendo os sete selos. apoc. 6
14 compreendendo os sete selos. apoc. 6Diego Fortunatto
 
Estudo Breve de Escatologia, parte 3
Estudo Breve de Escatologia, parte 3Estudo Breve de Escatologia, parte 3
Estudo Breve de Escatologia, parte 3Welem C Lourenço
 
4) Escatologia Princípio do Fim - A Volta de Jesus
4) Escatologia Princípio do Fim - A Volta de Jesus4) Escatologia Princípio do Fim - A Volta de Jesus
4) Escatologia Princípio do Fim - A Volta de JesusJean Jorge Silva
 
Armagedom parte 1 o vale de josafá
Armagedom  parte 1 o vale de josafáArmagedom  parte 1 o vale de josafá
Armagedom parte 1 o vale de josafáFernando Francisco
 
Escatologia aula 5
Escatologia   aula 5Escatologia   aula 5
Escatologia aula 5Jose Ventura
 
Livro de Daniel - Cap. 12
Livro de Daniel - Cap. 12Livro de Daniel - Cap. 12
Livro de Daniel - Cap. 12Daniel M Junior
 
O arrebatemento e a grande tribulação
O arrebatemento e a grande tribulaçãoO arrebatemento e a grande tribulação
O arrebatemento e a grande tribulaçãoEdu silva
 
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do SenhorU.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do SenhorRamón Zazatt
 
Interpretação Bíblica da História - Cap 6 Daniel 8
Interpretação Bíblica da História - Cap 6   Daniel 8Interpretação Bíblica da História - Cap 6   Daniel 8
Interpretação Bíblica da História - Cap 6 Daniel 8E. M. Silva
 
As sete trombetas do apocalipse
As sete trombetas do apocalipseAs sete trombetas do apocalipse
As sete trombetas do apocalipseDaniel Mateus
 

Mais procurados (20)

Capítulo 11 de daniel
Capítulo 11 de danielCapítulo 11 de daniel
Capítulo 11 de daniel
 
Apocalipse 8 a 10
Apocalipse 8 a 10Apocalipse 8 a 10
Apocalipse 8 a 10
 
Apocalipse 10 e 11
Apocalipse 10 e 11Apocalipse 10 e 11
Apocalipse 10 e 11
 
14 compreendendo os sete selos. apoc. 6
14   compreendendo os sete selos. apoc. 614   compreendendo os sete selos. apoc. 6
14 compreendendo os sete selos. apoc. 6
 
Estudo Breve de Escatologia, parte 3
Estudo Breve de Escatologia, parte 3Estudo Breve de Escatologia, parte 3
Estudo Breve de Escatologia, parte 3
 
4) Escatologia Princípio do Fim - A Volta de Jesus
4) Escatologia Princípio do Fim - A Volta de Jesus4) Escatologia Princípio do Fim - A Volta de Jesus
4) Escatologia Princípio do Fim - A Volta de Jesus
 
Armagedom parte 1 o vale de josafá
Armagedom  parte 1 o vale de josafáArmagedom  parte 1 o vale de josafá
Armagedom parte 1 o vale de josafá
 
Escatologia aula 5
Escatologia   aula 5Escatologia   aula 5
Escatologia aula 5
 
Livro de Daniel - Cap. 12
Livro de Daniel - Cap. 12Livro de Daniel - Cap. 12
Livro de Daniel - Cap. 12
 
O arrebatemento e a grande tribulação
O arrebatemento e a grande tribulaçãoO arrebatemento e a grande tribulação
O arrebatemento e a grande tribulação
 
O vale de megido
O vale de megidoO vale de megido
O vale de megido
 
Apocalipse 12 e 13
Apocalipse 12 e 13Apocalipse 12 e 13
Apocalipse 12 e 13
 
Lição 8slid
Lição 8slidLição 8slid
Lição 8slid
 
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do SenhorU.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
U.XIV - O Grande e Terrivel Dia do Senhor
 
Interpretação Bíblica da História - Cap 6 Daniel 8
Interpretação Bíblica da História - Cap 6   Daniel 8Interpretação Bíblica da História - Cap 6   Daniel 8
Interpretação Bíblica da História - Cap 6 Daniel 8
 
Daniel 9
Daniel 9Daniel 9
Daniel 9
 
Capítulo 8 de daniel
Capítulo 8 de danielCapítulo 8 de daniel
Capítulo 8 de daniel
 
A grande tribulação
A grande tribulaçãoA grande tribulação
A grande tribulação
 
As sete trombetas do apocalipse
As sete trombetas do apocalipseAs sete trombetas do apocalipse
As sete trombetas do apocalipse
 
Apocalipse 11 e 12
Apocalipse 11 e 12Apocalipse 11 e 12
Apocalipse 11 e 12
 

Destaque

Secretos de daniel, cap. 11
Secretos de daniel, cap. 11Secretos de daniel, cap. 11
Secretos de daniel, cap. 11Haiver Jimenez
 
Profecias de daniel ibe callao respuesta de daniel cap. 1
Profecias de daniel ibe callao respuesta de daniel cap. 1Profecias de daniel ibe callao respuesta de daniel cap. 1
Profecias de daniel ibe callao respuesta de daniel cap. 1Luis Melendez
 
El mensaje a las 7 iglesias 04.01.2015
El mensaje a las 7 iglesias   04.01.2015El mensaje a las 7 iglesias   04.01.2015
El mensaje a las 7 iglesias 04.01.2015iacymcallao
 
Profecias Leccion 1 Parte 2 Anexo Iv Daniel 11
Profecias   Leccion 1 Parte 2   Anexo Iv   Daniel 11Profecias   Leccion 1 Parte 2   Anexo Iv   Daniel 11
Profecias Leccion 1 Parte 2 Anexo Iv Daniel 11Graciela Rung
 
Profecias de daniel ibe callao cap. 6
Profecias de daniel ibe callao cap. 6Profecias de daniel ibe callao cap. 6
Profecias de daniel ibe callao cap. 6IBE Callao
 
Secretos de daniel, cap. 12
Secretos de daniel, cap. 12Secretos de daniel, cap. 12
Secretos de daniel, cap. 12Haiver Jimenez
 
Aula 11 as crises da iasd 2
Aula 11   as crises da iasd 2Aula 11   as crises da iasd 2
Aula 11 as crises da iasd 2José Santos
 
Subordinacao entre os membros da Trindade
Subordinacao entre os membros da TrindadeSubordinacao entre os membros da Trindade
Subordinacao entre os membros da TrindadeJosé Santos
 
Aula 10 as crises da iasd 1
Aula 10   as crises da iasd 1Aula 10   as crises da iasd 1
Aula 10 as crises da iasd 1José Santos
 
Los 144 000 y la gran multitud en el contexto de apocalipsis 7 y 14
Los 144 000 y la gran multitud en el contexto de apocalipsis 7 y 14Los 144 000 y la gran multitud en el contexto de apocalipsis 7 y 14
Los 144 000 y la gran multitud en el contexto de apocalipsis 7 y 14Oscar Mendoza Orbegoso
 
Requisitos hermeneutica
Requisitos hermeneuticaRequisitos hermeneutica
Requisitos hermeneuticaJosé Santos
 
Apocalipsis - 3 Parte
Apocalipsis - 3 ParteApocalipsis - 3 Parte
Apocalipsis - 3 ParteGraciela Rung
 
Proefecias Leccion 1 Parte 2 Anexo Iii 70 Semanas
Proefecias Leccion 1 Parte 2  Anexo Iii   70 SemanasProefecias Leccion 1 Parte 2  Anexo Iii   70 Semanas
Proefecias Leccion 1 Parte 2 Anexo Iii 70 SemanasGraciela Rung
 

Destaque (20)

Livro de daniel cap 11
Livro de daniel cap 11Livro de daniel cap 11
Livro de daniel cap 11
 
Daniel#11
Daniel#11Daniel#11
Daniel#11
 
Secretos de daniel, cap. 11
Secretos de daniel, cap. 11Secretos de daniel, cap. 11
Secretos de daniel, cap. 11
 
Profecias de daniel ibe callao respuesta de daniel cap. 1
Profecias de daniel ibe callao respuesta de daniel cap. 1Profecias de daniel ibe callao respuesta de daniel cap. 1
Profecias de daniel ibe callao respuesta de daniel cap. 1
 
El mensaje a las 7 iglesias 04.01.2015
El mensaje a las 7 iglesias   04.01.2015El mensaje a las 7 iglesias   04.01.2015
El mensaje a las 7 iglesias 04.01.2015
 
Daniel 11
Daniel 11Daniel 11
Daniel 11
 
Profecias Leccion 1 Parte 2 Anexo Iv Daniel 11
Profecias   Leccion 1 Parte 2   Anexo Iv   Daniel 11Profecias   Leccion 1 Parte 2   Anexo Iv   Daniel 11
Profecias Leccion 1 Parte 2 Anexo Iv Daniel 11
 
Daniel:Seccion historica
Daniel:Seccion historicaDaniel:Seccion historica
Daniel:Seccion historica
 
Profecias de daniel ibe callao cap. 6
Profecias de daniel ibe callao cap. 6Profecias de daniel ibe callao cap. 6
Profecias de daniel ibe callao cap. 6
 
Futuro del pueblo de Israel
Futuro del pueblo de IsraelFuturo del pueblo de Israel
Futuro del pueblo de Israel
 
Secretos de daniel, cap. 12
Secretos de daniel, cap. 12Secretos de daniel, cap. 12
Secretos de daniel, cap. 12
 
Aula 11 as crises da iasd 2
Aula 11   as crises da iasd 2Aula 11   as crises da iasd 2
Aula 11 as crises da iasd 2
 
Subordinacao entre os membros da Trindade
Subordinacao entre os membros da TrindadeSubordinacao entre os membros da Trindade
Subordinacao entre os membros da Trindade
 
Aula 10 as crises da iasd 1
Aula 10   as crises da iasd 1Aula 10   as crises da iasd 1
Aula 10 as crises da iasd 1
 
Los 144 000 y la gran multitud en el contexto de apocalipsis 7 y 14
Los 144 000 y la gran multitud en el contexto de apocalipsis 7 y 14Los 144 000 y la gran multitud en el contexto de apocalipsis 7 y 14
Los 144 000 y la gran multitud en el contexto de apocalipsis 7 y 14
 
Requisitos Daniel
Requisitos DanielRequisitos Daniel
Requisitos Daniel
 
Daniel 9
Daniel 9Daniel 9
Daniel 9
 
Requisitos hermeneutica
Requisitos hermeneuticaRequisitos hermeneutica
Requisitos hermeneutica
 
Apocalipsis - 3 Parte
Apocalipsis - 3 ParteApocalipsis - 3 Parte
Apocalipsis - 3 Parte
 
Proefecias Leccion 1 Parte 2 Anexo Iii 70 Semanas
Proefecias Leccion 1 Parte 2  Anexo Iii   70 SemanasProefecias Leccion 1 Parte 2  Anexo Iii   70 Semanas
Proefecias Leccion 1 Parte 2 Anexo Iii 70 Semanas
 

Semelhante a Daniel 11

Curso de batalha espiritual
Curso de batalha  espiritualCurso de batalha  espiritual
Curso de batalha espiritualManoelMacerate
 
A Grande Tribulação.pptx
A Grande Tribulação.pptxA Grande Tribulação.pptx
A Grande Tribulação.pptxLázaro Marks
 
Compreendendo o grande conflito
Compreendendo o grande conflitoCompreendendo o grande conflito
Compreendendo o grande conflitoDiego Fortunatto
 
Historia de israel aula 51 israel e as profecias bíblicas [modo de compatibil...
Historia de israel aula 51 israel e as profecias bíblicas [modo de compatibil...Historia de israel aula 51 israel e as profecias bíblicas [modo de compatibil...
Historia de israel aula 51 israel e as profecias bíblicas [modo de compatibil...RICARDO CARDOSO
 
A grande batalha espiritual (adriano conceição da silva – luiz fernando marti...
A grande batalha espiritual (adriano conceição da silva – luiz fernando marti...A grande batalha espiritual (adriano conceição da silva – luiz fernando marti...
A grande batalha espiritual (adriano conceição da silva – luiz fernando marti...Deusdete Soares
 
02 profecia clássica e profecia apocalíptica
02   profecia clássica e profecia apocalíptica02   profecia clássica e profecia apocalíptica
02 profecia clássica e profecia apocalípticaDiego Fortunatto
 
45 apocalipse
45 apocalipse45 apocalipse
45 apocalipsePIB Penha
 
A tribulação
A tribulaçãoA tribulação
A tribulaçãoismarbp
 
Lição 6 DO LIVRO DE APOCALIPSE
Lição 6 DO LIVRO DE APOCALIPSELição 6 DO LIVRO DE APOCALIPSE
Lição 6 DO LIVRO DE APOCALIPSELuciana Viana
 
Teologia de números
Teologia de númerosTeologia de números
Teologia de númerosJosé Santos
 
Lição 1 o grande conflito
Lição 1 o grande conflitoLição 1 o grande conflito
Lição 1 o grande conflitoclaudia13011974
 
Profecia De Daniel (4)
Profecia De Daniel (4)Profecia De Daniel (4)
Profecia De Daniel (4)Criataobr
 

Semelhante a Daniel 11 (20)

Curso de batalha espiritual
Curso de batalha  espiritualCurso de batalha  espiritual
Curso de batalha espiritual
 
A Grande Tribulação.pptx
A Grande Tribulação.pptxA Grande Tribulação.pptx
A Grande Tribulação.pptx
 
Lição 8slid
Lição 8slidLição 8slid
Lição 8slid
 
Compreendendo o grande conflito
Compreendendo o grande conflitoCompreendendo o grande conflito
Compreendendo o grande conflito
 
Resumo apocalipse
Resumo   apocalipseResumo   apocalipse
Resumo apocalipse
 
Historia de israel aula 51 israel e as profecias bíblicas [modo de compatibil...
Historia de israel aula 51 israel e as profecias bíblicas [modo de compatibil...Historia de israel aula 51 israel e as profecias bíblicas [modo de compatibil...
Historia de israel aula 51 israel e as profecias bíblicas [modo de compatibil...
 
Escatologia cap 6
Escatologia cap 6Escatologia cap 6
Escatologia cap 6
 
A grande batalha espiritual (adriano conceição da silva – luiz fernando marti...
A grande batalha espiritual (adriano conceição da silva – luiz fernando marti...A grande batalha espiritual (adriano conceição da silva – luiz fernando marti...
A grande batalha espiritual (adriano conceição da silva – luiz fernando marti...
 
02 profecia clássica e profecia apocalíptica
02   profecia clássica e profecia apocalíptica02   profecia clássica e profecia apocalíptica
02 profecia clássica e profecia apocalíptica
 
Futuro sem visão
Futuro sem visãoFuturo sem visão
Futuro sem visão
 
TRONO BRANCO
TRONO BRANCOTRONO BRANCO
TRONO BRANCO
 
12 armagedom
12   armagedom12   armagedom
12 armagedom
 
45 apocalipse
45 apocalipse45 apocalipse
45 apocalipse
 
Apocalipse - Capítulo 12
Apocalipse - Capítulo 12 Apocalipse - Capítulo 12
Apocalipse - Capítulo 12
 
A tribulação
A tribulaçãoA tribulação
A tribulação
 
Lição 8 ebd 2014
Lição 8 ebd   2014Lição 8 ebd   2014
Lição 8 ebd 2014
 
Lição 6 DO LIVRO DE APOCALIPSE
Lição 6 DO LIVRO DE APOCALIPSELição 6 DO LIVRO DE APOCALIPSE
Lição 6 DO LIVRO DE APOCALIPSE
 
Teologia de números
Teologia de númerosTeologia de números
Teologia de números
 
Lição 1 o grande conflito
Lição 1 o grande conflitoLição 1 o grande conflito
Lição 1 o grande conflito
 
Profecia De Daniel (4)
Profecia De Daniel (4)Profecia De Daniel (4)
Profecia De Daniel (4)
 

Mais de José Santos

A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕESA doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕESJosé Santos
 
A data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de JesusA data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de JesusJosé Santos
 
Juízo investigativo
Juízo investigativoJuízo investigativo
Juízo investigativoJosé Santos
 
Estrutura do santuário
Estrutura do santuárioEstrutura do santuário
Estrutura do santuárioJosé Santos
 
Doutrina do santuário
Doutrina do santuárioDoutrina do santuário
Doutrina do santuárioJosé Santos
 
A doutrina do santuário
A doutrina do santuárioA doutrina do santuário
A doutrina do santuárioJosé Santos
 
3 o espirito santo e o crescimento
3   o espirito santo e o crescimento3   o espirito santo e o crescimento
3 o espirito santo e o crescimentoJosé Santos
 
6 a congregação equipada e o crescimento
6   a congregação equipada e o crescimento6   a congregação equipada e o crescimento
6 a congregação equipada e o crescimentoJosé Santos
 
1 porque algumas igrejas crescem
1    porque algumas igrejas crescem1    porque algumas igrejas crescem
1 porque algumas igrejas crescemJosé Santos
 
7 os dirigentes capacitados e o crescimento
7   os dirigentes capacitados e o crescimento7   os dirigentes capacitados e o crescimento
7 os dirigentes capacitados e o crescimentoJosé Santos
 
1 números representam pessoas
1   números representam pessoas1   números representam pessoas
1 números representam pessoasJosé Santos
 
2 as enfermidades eclesiasticas
2   as enfermidades eclesiasticas2   as enfermidades eclesiasticas
2 as enfermidades eclesiasticasJosé Santos
 
4 o evangelismo e o crescimento
4   o evangelismo e o crescimento4   o evangelismo e o crescimento
4 o evangelismo e o crescimentoJosé Santos
 
Projeto comunitário parte 2
Projeto comunitário   parte 2Projeto comunitário   parte 2
Projeto comunitário parte 2José Santos
 
5 a liderança pastoral e o crescimento
5    a liderança pastoral e o crescimento5    a liderança pastoral e o crescimento
5 a liderança pastoral e o crescimentoJosé Santos
 
Projeto comunitário parte 1
Projeto comunitário   parte 1Projeto comunitário   parte 1
Projeto comunitário parte 1José Santos
 
Teologia de levíticos
Teologia de levíticosTeologia de levíticos
Teologia de levíticosJosé Santos
 
Teologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômioTeologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômioJosé Santos
 
Teologia de gênesis
Teologia de gênesisTeologia de gênesis
Teologia de gênesisJosé Santos
 

Mais de José Santos (20)

A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕESA doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
A doutrina do santuário - MAIS INFORMAÇÕES
 
A data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de JesusA data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de Jesus
 
Juízo investigativo
Juízo investigativoJuízo investigativo
Juízo investigativo
 
Estrutura do santuário
Estrutura do santuárioEstrutura do santuário
Estrutura do santuário
 
Doutrina do santuário
Doutrina do santuárioDoutrina do santuário
Doutrina do santuário
 
A doutrina do santuário
A doutrina do santuárioA doutrina do santuário
A doutrina do santuário
 
Dia da expiação
Dia da expiaçãoDia da expiação
Dia da expiação
 
3 o espirito santo e o crescimento
3   o espirito santo e o crescimento3   o espirito santo e o crescimento
3 o espirito santo e o crescimento
 
6 a congregação equipada e o crescimento
6   a congregação equipada e o crescimento6   a congregação equipada e o crescimento
6 a congregação equipada e o crescimento
 
1 porque algumas igrejas crescem
1    porque algumas igrejas crescem1    porque algumas igrejas crescem
1 porque algumas igrejas crescem
 
7 os dirigentes capacitados e o crescimento
7   os dirigentes capacitados e o crescimento7   os dirigentes capacitados e o crescimento
7 os dirigentes capacitados e o crescimento
 
1 números representam pessoas
1   números representam pessoas1   números representam pessoas
1 números representam pessoas
 
2 as enfermidades eclesiasticas
2   as enfermidades eclesiasticas2   as enfermidades eclesiasticas
2 as enfermidades eclesiasticas
 
4 o evangelismo e o crescimento
4   o evangelismo e o crescimento4   o evangelismo e o crescimento
4 o evangelismo e o crescimento
 
Projeto comunitário parte 2
Projeto comunitário   parte 2Projeto comunitário   parte 2
Projeto comunitário parte 2
 
5 a liderança pastoral e o crescimento
5    a liderança pastoral e o crescimento5    a liderança pastoral e o crescimento
5 a liderança pastoral e o crescimento
 
Projeto comunitário parte 1
Projeto comunitário   parte 1Projeto comunitário   parte 1
Projeto comunitário parte 1
 
Teologia de levíticos
Teologia de levíticosTeologia de levíticos
Teologia de levíticos
 
Teologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômioTeologia de deuteronômio
Teologia de deuteronômio
 
Teologia de gênesis
Teologia de gênesisTeologia de gênesis
Teologia de gênesis
 

Último

Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfLehonanSouza
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresAntonino Silva
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 

Último (9)

Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdfRoteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
Roteiro-para-Preparação-das-Visitas-Missionárias-3.pdf
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 

Daniel 11

  • 3. Uma nova resposta à oração (Dn 10) Dias de oração e jejum O sacerdote vestido de linho O poderoso guerreiro Miguel (v.13)
  • 4. A guerra em detalhe  A visão parte do início das setenta semana  Pérsia (v.2)  O quarto rei: Artarxerxes  Grécia v.3  Roma pagã (militar) v.4
  • 5. O norte contra o sul (v.5-39)  O reino do norte e o chifre pequeno  Desafia a Deus e procura usurpá-lo (v.36,37)  Profana o santuário e retira o sacrifício contínuo (v.31)  Se estabelece na terra gloriosa (v.16,41,45) e ataca o povo santo (v.28,29)  Ele sai do norte (v.9)  Ambos morrem da mesma forma (v.45)
  • 6. Assim... Capítulo 8 Capítulo 11 Pérsia (v.3,4) Pérsia (v.2) Grécia (v.5-8) Grécia (v.3,4) Roma (v.8,9) Roma (v.4) Chifre pequeno (v.9-12) Chifre pequeno (v.5-39) Tempo do fim (v.13,14,17,25) Tempo do fim (v.40-45)
  • 7. O simbolismo norte-sul  A simetria e estrutura dessas passagens nos advertem contra uma interpretação estritamente literal e histórica.  As referências tornam-se abstratas e metafóricas.
  • 8.  A unidade norte-sul como totalidade e espaço terreno  Norte  O norte é o representante bíblico do mal, que usurpa a Deus (Ez 21:3,4; Is 14:31; Jr 1:14)  Babilônia e o norte
  • 9.  O Sul  Na tradição bíblica representa o poder humano sem Deus  O sul e o Egito (11:43 cf.5:2)  Na tradição profética confiar no Egito é confiar no “braço” humano (Is 31:1,3)
  • 10. Entre o Egito e Babilônia, Israel chegou a entender e a imaginar seu destino estritamente em relação com essas duas forças dominantes.
  • 11.
  • 12. O significado histórico  A princípio é impossível e até certo ponto desnecessário determinar os detalhes históricos da batalha entre o Sul e o Norte.  Mas é possível discernir três temas principais.
  • 13. O conflito entre o norte e o sul  Norte: o poder eclesiástico religioso que desempenha o papel de Deus na terra, atua como o único intercessor entre a humanidade e Deus.  Sul: os movimentos filosóficos e políticos que lutam contra a religião com a arma da razão. Eles se evidenciam nas ideologias atuais e formas de governo seculares e materialistas.
  • 14. A aliança entre o norte e sul A aliança (v.6,17,22,23) As intenções de acordo entre a Igreja e o Estado
  • 15. O conflito entre o norte e o povo de Deus O conflito (v.16,28,30,31,35) A perseguição e a intolerância tem marcado a história da igreja ao longo da história
  • 16. A última batalha: duas ofensivas A derrota do sul (v.40-42) Historicamente, significa que o poder político-religioso triunfará sobre os movimentos ateus e políticos.
  • 17.  A última aliança entre o sul e o norte (v.43,44)  O ataque contra o monte santo  Monte santo como morada de Deus (Sl48:1,2; Is 14:13)  Aqui encontramos os mesmos elementos encontrados na batalha do Armagedom em Ap 16
  • 18. Um batalha espiritual  A batalha do Armagedom é o auge e o desfecho final de uma guerra que está acontecendo hoje.  O campo de batalha é a nossa mente.
  • 19. Quando os homens estão contentes de viver meramente para este mundo, a inclinação natural une-se às sugestões do inimigo, e fazem-lhe a vontade. Quando, porém, procuram deixar a bandeira negra do poder das trevas, e se enfileiram sob o ensangüentado estandarte do Príncipe Emanuel, começa a luta, e a guerra é levada avante aos olhos do Universo celeste. Todo aquele que combate ao lado do direito, deve combater corpo a corpo com o inimigo. Precisa pôr toda a armadura de Deus, a fim de poder enfrentar os ardis do diabo.
  • 20. O livro da guerra  Capítulo 1: Babilônia x Jerusalém  Capítulo 2: os metais x a rocha  Capítulo 3: os jovens hebreus x a estátua  Capítulo 4: Nabucodonosor x Deus  Capítulo 5: Medo-Pérsia x Babilônia  Capítulo 6: os magos x Daniel  Capítulo 7: os animais x o Filho do Homem  Capítulo 8: carneiro x bode x chifre pequeno
  • 21.  Capítulo 10: príncipe Miguel x príncipe da Pérsia  Capítulo 11: reino do sul x reino do norte  Capítulo 12: Miguel (Jerusalém) x sul-norte (Babilônia/Egito)
  • 22. O desfecho da guerra  Daniel 12: 1-2  Historicamente, aponta para a volta de Cristo.  O momento em que Miguel se levantará (‘amad) de uma vez por todas.
  • 23. As hostes de Satanás e homens ímpios os rodearão, e exultarão sobre eles, pois parecerá não haver escape para eles. Em meio, porém, de sua orgia e triunfo, ouve-se ribombo após ribombo dos mais estrondosos trovões. Os céus se enegreceram, sendo iluminados apenas pela brilhante luz e a terrível glória do céu ao fazer Deus soar Sua voz desde Sua santa habitação. Abalam-se os fundamentos da Terra; os edifícios vacilam e caem com terrível fragor. O mar ferve como uma caldeira, e a Terra toda se acha em horrível comoção. Vira-se o cativeiro dos justos e, em suaves e solenes murmúrios, dizem uns aos outros: "Somos libertados. É a voz de Deus."
  • 24. Quando a proteção das leis humanas for retirada dos que honram a lei de Deus, haverá, nos diferentes países, um movimento simultâneo com o fim de destruí-los. Aproximando-se o tempo indicado no decreto, o povo conspirará para desarraigar a odiada seita. Resolver-se-á dar em uma noite um golpe decisivo, que faça silenciar por completo a voz de dissentimento e reprovação. O povo de Deus - alguns nas celas das prisões, outros escondidos nos retiros solitários das florestas e montanhas - pleiteia ainda a proteção divina, enquanto por toda parte grupos de homens armados, instigados pelas hostes de anjos maus, se estão preparando para a obra de morte. ... Com brados de triunfo, zombaria e imprecação, multidões de homens maus estão prestes a cair sobre a presa, quando, eis, um denso negror, mais intenso do que as trevas da noite, cai sobre a Terra. ...
  • 25. É à meia-noite que Deus manifesta o Seu poder para o livramento de Seu povo. ... Em meio dos céus agitados, acha-se um espaço claro de glória indescritível, donde vem a voz de Deus como o som de muitas águas, dizendo: "Está feito." Apoc. 16:17. Essa voz abala os céus e a Terra. ... As mais orgulhosas cidades da Terra são derribadas. Os suntuosos palácios em que os grandes homens do mundo dissiparam suas riquezas com a glorificação própria, desmoronam-se diante de seus olhos. As paredes das prisões fendem-se, e o povo de Deus, que estivera retido em cativeiro por causa de sua fé, é libertado. (EF, 269,270)
  • 26. O seu envolvimento nesta guerra  A realidade da guerra  O preparo adequado  A tomada de posição