Manual de Sugestões
ÍNDICE
Introdução ................................................................. 1
1C | CURRICULUM VITAE .................
1
3C
Curriculum Vitae | Carta de Apresentação | Cartão de Visita
INTRODUÇÃO
O CLDS+ Acreditar é Fundamental, tem como Enti...
2
1C | CURRICULUM VITAE
O Curriculum Vitae (CV) é o documento que retrata as nossas competências, a
formação académica e e...
3
seja elaborado uma única vez e se encerre a sua edição. O CV tem que ser
adaptado à função e à empresa à qual se está a ...
4
1.4. | CONCELHOS BÁSICOS
Escrever muito não significa muitas qualidades ou competências, o CV deve
permitir que o recrut...
5
1.5 | SUGESTÕES PARA CURRICULUM VITAE
Embora, no presente documento, se defenda a originalidade na elaboração do
CV, apr...
6
ILUSTRAÇÃO 4- CV SUGESTÃO 2
7
ILUSTRAÇÃO 5- CV SUGESTÃO 3
8
ILUSTRAÇÃO 6- CV SUGESTÃO 4
9
2C | CARTA DE APRESENTAÇÃO
A Carta de Apresentação (CA) cumpre duas funções, por um lado, responder a
uma oferta de empr...
10
2.2 | ESTRUTURA DA CARTA DE APRESENTAÇÃO
A CA pode-se dividir em dois tipos, tal como foi referido anteriormente, a
car...
11
A Carta de Apresentação para uma CANDIDATURA ESPONTÂNEA é enviada quando a
iniciativa parte do candidato, ou seja, quan...
12
ILUSTRAÇÃO 8- EXEMPLO DE CARTA DE APRESENTAÇÃO PARA CANDIDATURA ESPONTÂNEA
13
3C | CARTÃO DE VISITA
A primeira impressão é a que fica. O cartão de visita é um material
promocional que identifica um...
14
ILUSTRAÇÃO 10- VERSO DO CARTÃO DE VISITA
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

3C - Curriculum Vitae, Carta de Apresentação, Cartão de Visita

7.298 visualizações

Publicada em

Documento com sugestões para elaboração do curriculum vitae, da carta de apresentação e do cartão de visita.

Publicada em: Carreiras
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.298
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
132
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3C - Curriculum Vitae, Carta de Apresentação, Cartão de Visita

  1. 1. Manual de Sugestões
  2. 2. ÍNDICE Introdução ................................................................. 1 1C | CURRICULUM VITAE ........................................................ 2 1.1 | INFORMAÇÕES BÁSICAS ................................................... 2 1.2 | MODELO GERAL DE CURRICULUM VITAE........................................ 2 1.3 | TIPOS DE CV.......................................................... 3 1.4. | CONCELHOS BÁSICOS.................................................... 4 1.5 | SUGESTÕES PARA CURRICULUM VITAE ......................................... 5 2C | CARTA DE APRESENTAÇÃO .................................................... 9 2.1 | REGRAS PARA A REDACÇÃO DO TEXTO ......................................... 9 2.2 | ESTRUTURA DA CARTA DE APRESENTAÇÃO ..................................... 10 3C | CARTÃO DE VISITA ....................................................... 13 3.1 | ESTRUTURA DO CARTÃO DE VISITA ......................................... 13 3.2 | EXEMPLO DE UM CARTÃO DE VISITA......................................... 13
  3. 3. 1 3C Curriculum Vitae | Carta de Apresentação | Cartão de Visita INTRODUÇÃO O CLDS+ Acreditar é Fundamental, tem como Entidade Coordenadora de Parcerias Locais a CERCIG – Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados da Guarda, actua em três eixos essenciais: emprego, apoio familiar e associativismo. No eixo 1 – Emprego, Formação e Qualificação, um dos objectivos é colaborar/apoiar pessoas desempregadas na procura de emprego, proporcionando actividades de promoção da procura activa de emprego, abordando assuntos relacionados com técnicas de procura. No âmbito da promoção de técnicas de procura de emprego, surge este manual de sugestões para pessoas desempregadas, abordando de forma simples, sem complicações, 3 documentos, que em nossa opinião, são essenciais na procura de emprego: o curriculum vitae, a carta de apresentação e o cartão de visita.
  4. 4. 2 1C | CURRICULUM VITAE O Curriculum Vitae (CV) é o documento que retrata as nossas competências, a formação académica e experiências profissionais, reflectindo o nosso perfil e interesses. A finalidade do documento é chamar à atenção o recrutador e conseguir uma entrevista. É uma forma simples e mais rápida de um recrutador conhecer o candidato. 1.1 | INFORMAÇÕES BÁSICAS Há informações que são essenciais constar no CV, seja qual for o modelo adoptado. Portanto, é necessário considerar 4 itens de informação: a identificação; formação e/ou habilitações escolares; a experiência profissional; outras informações. Além dos itens acima referidos, o candidato pode considerar englobar no CV um sumário executivo. Este item pode ser uma forma de “marcar pontos” perante o recrutador, dando enfoque a informação que consta na parte central e final deste documento. 1.2 | MODELO GERAL DE CURRICULUM VITAE ILUSTRAÇÃO 1- QUADRO SINTESE DO MODELO GERAL DE CV Contudo, utilizar modelos de CV já instituídos e de uso comum corre-se o risco de ser mais um no meio de outros tantos, é necessário criar um documento que seja capaz de mostrar o melhor do candidato e, ao mesmo tempo, que seja suficientemente apelativo para chamar a atenção do recrutador e atingir o objectivo pretendido, a entrevista. O CV transformou-se num repositório da história de vida do candidato, contendo, por vezes, informação inútil para o lugar a que o mesmo se candidata, deve ser conciso, claro e breve. Não é um documento estanque, que Identificação •Este item deve englobar a seguinte informação: nome completo; residência; contactos (telefone, telemóvel, email, etc.) Habilitações Escolares •Englobar informação sobre o nível de habilitações escolares e formações; •Importa distinguir entre formação de curta duração e formações que conferem uam qualificação profissional, destacando esta última; •Referir as competências técnicas e pessoais adquiridas em formação ou frequência escolar/universitária. Experiência Profissional •Neste item, o candidato deve englobar as empresas/entidades e funções enquanto profissional; •Deve constar da informação a data de início e fim, a função e responsabilidades associadas, bem como a empresa/entidade. Outras Informações • Este campo é útil para retratar as competências comportamentais e comunicacionais adquiridas, quer sejam em ambiente académico, formação ou profissional, etc.
  5. 5. 3 seja elaborado uma única vez e se encerre a sua edição. O CV tem que ser adaptado à função e à empresa à qual se está a realizar a candidatura. Deve ilustrar aquilo que a empresa vai ganhar com as competências e experiências apresentadas. Nesta fase, é necessário fazer uma pesquisa sobre as empresas, pois elas são diferentes no que se refere à visão, missão, valores e cultura empresarial. Ao realizar-se esta pesquisa, o candidato consegue perceber qual será o seu valor para determinada empresa/organização e conseguir/saber como transmitir essa ideia. Lembre-se, é importante que o CV capte a atenção do recrutador. 1.3 | TIPOS DE CV Existem vários tipos de CV que são usualmente utilizados por candidatos a postos de trabalho, tidos como sendo a prática comum de elaborar um CV. Cronológico É utilizado quando o objectivo é destacar a evolução da carreira profissional. Funcional/Temático Quando a experiência profissional é muito diversificada, este modelo permite destacar determinadas funções e dissimular períodos de inactividade. Portfólio Conjunto organizado de trabalhos desenvolvidos, permitindo demonstrar as competências técnicas e artísticas do candidato. Europass Documento largamente dessiminado, de uso muito corrente. De fácil elaboração. Permite detalhar as aptidões e competências profissionais. TABELA 1- TIPOS DE CV ILUSTRAÇÃO 2- MODELO DE CV EUROPASS
  6. 6. 4 1.4. | CONCELHOS BÁSICOS Escrever muito não significa muitas qualidades ou competências, o CV deve permitir que o recrutador encontre, facilmente, a informação que pretende, as competências relevantes para a função a desempenhar. A informação tem que ser organizada de uma forma clara e sucinta, é necessário demonstrar que o candidato sabe distinguir o essencial do acessório. Uma boa regra é restringir o CV ao máximo de duas páginas. Na linguagem, deve-se ter uma especial atenção e evitar o uso de expressões demasiadamente rebuscadas e frases complexas. Para continuar a manter a originalidade do documento, o candidato deve evitar o uso de clichés, isto é, palavras ou frases muito comuns, pois não irão despertar o interesse do recrutador. O candidato deve ter em atenção a correcção ortográfica e de sintaxe, pode demonstrar desleixo ao recrutador e afastar o candidato do objectivo primordial, a entrevista. É uma boa estratégia dar a ler o CV a amigos e/ou familiares. É verdade e reforça-se que o CV de um candidato se deve destacar dos demais, mas não deve ser folclórico, ou seja, não deve distrair o recrutador, mas pelo contrário, deve facilitar a leitura e atrair a sua atenção. A utilização de muitos pormenores de design ou muita cor pode surtir o efeito contrário ao desejado.
  7. 7. 5 1.5 | SUGESTÕES PARA CURRICULUM VITAE Embora, no presente documento, se defenda a originalidade na elaboração do CV, apresenta-se, de seguida, 4 sugestões para o mesmo, alertando que a elaboração do documento e a escolha do modelo são da responsabilidade do candidato. ILUSTRAÇÃO 3- CV SUGESTÃO 1
  8. 8. 6 ILUSTRAÇÃO 4- CV SUGESTÃO 2
  9. 9. 7 ILUSTRAÇÃO 5- CV SUGESTÃO 3
  10. 10. 8 ILUSTRAÇÃO 6- CV SUGESTÃO 4
  11. 11. 9 2C | CARTA DE APRESENTAÇÃO A Carta de Apresentação (CA) cumpre duas funções, por um lado, responder a uma oferta de emprego, por outro, apresentar uma candidatura espontânea, tendo por objectivo levar o recrutador a querer conhecer o CV do candidato. É o primeiro contacto que se tem com a empresa/organização, sendo muito importante que transmita uma imagem positiva. Reportando a este documento e à CA, pode-se, seguramente, afirmar que “não anda o pião sem a baraça”, isto é, são dois documentos essenciais na candidatura a um emprego que devem andar sempre associados. À semelhança do CV, a CA deve ser única, original, despertar o interesse do recrutador. Uma CA igual a outras tantas não marca pela diferença. Convém realizar uma pesquisa sobre a empresa/organização para onde se vai enviar a candidatura, adaptando a CA, ou seja, não basta redigir uma só carta para ser enviada para qualquer empresa/organização mudando, somente, o seu nome. Assim, antes de iniciar a redacção da CA, o candidato deve ser capaz de responder às seguintes questões: 1. Quais as necessidades do empregador? 2. Que conhecimentos e experiência são necessários para o desempenho da função a que se está a candidatar? 3. Quais os objectivos do candidato? 4. Saber se há alguma vaga em aberto ou alguma necessidade em um sector. 5. O candidato deve pensar em, pelo menos, duas características/competências que possui e sejam úteis para a empresa/organização em questão. 6. Qual a razão que leva o candidato querer trabalhar para determinada empresa/organização e não para outra? 7. O que é que o candidato sabe sobre a empresa/organização, a cultura e os seus objectivos? Quanto à dimensão deste documento, se no CV a margem para o número de páginas é baixa, não ultrapassando 2 a 3 páginas, para a CA é preciso encurtar mais ainda essa margem, limitando-a a uma única página. 2.1 | REGRAS PARA A REDACÇÃO DO TEXTO Na redacção da CA o candidato deve ter em atenção algumas regras básicas, que se podem resumir nas seguintes: Deve estar de acordo com as formalidades da função e da cultura da empresa/organização à qual se está a efectuar a candidatura. Deve ser directa e suscinta. Deve apresentar uma linguagem simples, mas cuidada. Deve ser personalizada: adapatada a cada função e a cada empresa. Texto disposto de forma homogénea e numa estrutura quilibrada, evitando ser um grande bloco de texto. TABELA 2- REGRAS PARA A REDACÇÃO DO TEXTO
  12. 12. 10 2.2 | ESTRUTURA DA CARTA DE APRESENTAÇÃO A CA pode-se dividir em dois tipos, tal como foi referido anteriormente, a carta de resposta a um anúncio e a de candidatura espontânea, tendo cada uma a sua organização. Na CA de RESPOSTA A UM ANÚNCIO, a estrutura é simples e, eventualmente, comum. Nesta situação a empresa/organização que está em processo de recrutamento, à partida define, em anúncio da oferta de emprego, quais as condições para a candidatura e para onde a mesma deve ser enviada, sendo que esta carta será, essencialmente, uma resposta a “questões” colocadas no referido anúncio. A diferenciação do candidato está no paragrafo em que se descreve as suas competências e como será uma mais-valia para a função a concurso. ILUSTRAÇÃO 7- EXEMPLO DE CA PARA RESPOSTA A ANÚNCIO
  13. 13. 11 A Carta de Apresentação para uma CANDIDATURA ESPONTÂNEA é enviada quando a iniciativa parte do candidato, ou seja, quando se pretende dar a conhecer a uma empresa/organização mesmo que ela não esteja em processo de recrutamento. Nesta situação, a CA não deve ser mais uma que o recrutador recebe, deve distinguir o indivíduo dos demais candidatos, despertando, como já foi referido, o interesse de quem a lê para ficar a conhecer melhor o candidato. Estruturalmente, a CA para uma candidatura espontânea deve estar dividida da seguinte forma: Introdução Início do texto, usado para uma breve identificação. Corpo do Texto É o mais importante. Serve para justificar o porquê da candidatura e porque para aquela empresa. Deve-se, sem exagero, mostrar o interesse e o que é positivo na empresa. Conclusão do Texto Além de se agradecer ao empregador o tempo despendido, deve-se mostrar disponibilidade para um futuro contacto, sugerindo, por exemplo, a marcação de uma reunião, informando a data e o contacto. TABELA 3- ESTRUTURA DE UMA CA PARA CANDIDATURA ESPONTÂNEA De seguida apresenta-se um exemplo de carta de apresentação para candidatura espontânea.
  14. 14. 12 ILUSTRAÇÃO 8- EXEMPLO DE CARTA DE APRESENTAÇÃO PARA CANDIDATURA ESPONTÂNEA
  15. 15. 13 3C | CARTÃO DE VISITA A primeira impressão é a que fica. O cartão de visita é um material promocional que identifica uma pessoa. Ele reflecte a identidade e a imagem da pessoa, razão pela qual pode ser considerado uma ferramenta de grande valia na promoção pessoal. Investir no cartão de visita, além de transmitir uma boa impressão, é uma forma eficaz de construir contactos profissionais, ou seja, aumentar a rede social, a rede de contactos. Num processo de procura activa de emprego, convém ter um documento que identifique o candidato e permita ao potencial recrutador contactá-lo. O cartão de visita preenche esses requisitos, ele deve ser levado para todo o lado que o candidato for, seja a feiras de emprego, numa candidatura espontânea (quando o CV é entregue em mão), eventos sociais, formações profissionais, festas, etc. O cartão de visita não substitui o CV, contudo, em situações em que não é praticável entregar o curriculum, o cartão de visita substitui o referido documento. 3.1 | ESTRUTURA DO CARTÃO DE VISITA O visual do cartão deve ser o mais limpo possível, contendo informações objectivas, na exacta medida do que precisa de ser comunicado. Assim, o cartão deve: 1. Ser feito em papel de cor clara; 2. Usar poucas imagens; 3. Ter o nome completo; 4. Ter contactos (email, telefone, telemóvel). No caso da indústria criativa indicar um URL onde estejam alocados os trabalhos realizados; 5. Focar competências. 3.2 | EXEMPLO DE UM CARTÃO DE VISITA ILUSTRAÇÃO 9- FRENTE DO CARTÃO DE VISITA
  16. 16. 14 ILUSTRAÇÃO 10- VERSO DO CARTÃO DE VISITA

×