Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA

4.665 visualizações

Publicada em

1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Veja também: http://www.voce-deve-saber.blogspot.com.br/2013/04/agua-em-marte.html
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.665
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
125
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
321
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ppt 7 A Terra, Um Planeta Em MudançA

  1. 1. 10º ANO - GEOLOGIA Terra, um planeta em mudança
  2. 2.  A Terra é um planeta dinâmico. Por mais imperceptíveis e lentas que sejam as suas transformações, elas estão registadas ao longo dos tempos geológicos. Nuno Correia - 09/10
  3. 3.  No século XVIII, o Homem começou a preocupar-se com a determinação da idade da Terra e dos fenómenos que nela ocorrem. Georges Cuvier Nuno Correia - 09/10
  4. 4. Catastrofismo  Georges Cuvier foi um dos principais defensores do Catastrofismo geológico, considerando que a Terra esteve sujeita, com uma certa regularidade, a rápidas e violentas alterações que teriam provocado a extinção da fauna e da flora existentes. Nuno Correia - 09/10
  5. 5.  A estes períodos de extinção seguiam-se períodos estáveis em que uma nova fauna e flora voltariam a ocupar a superfície da Terra.  O Catastrofismo reuniu o consenso da comunidade científica é religiosa da época. Nuno Correia - 09/10
  6. 6.  No final do século XVIII, a hipótese do Catastrofismo foi reexaminada e comparada com as evidências geológicas. Nuno Correia - 09/10
  7. 7. Siccar point – Escócia O cientista que mais contestou o Catastrofismo e propôs uma hipótese oposta foi James Hutton. Nuno Correia - 09/10
  8. 8.  James Hutton considerava que a espessura das rochas sedimentares e a elevada riqueza em fósseis de organismos extintos indicavam uma deposição lenta. Nuno Correia - 09/10
  9. 9. Princípio orientador 9 Este princípio pressupõe a uniformidade temporal dos processos geológicos assim como das suas causas. Nuno Correia 08/09
  10. 10. Pressupostos em que assenta este princípio 10  as leis físicas e químicas têm uma validade temporalmente ilimitada;  as forças geológicas mantêm-se qualitativamente iguais no presente, no passado e futuro; (actualismo)  as forças geológicas mantêm-se, não só qualitativamente, mas também quantitativamente iguais no presente, no passado e no futuro. (Gradualismo) Nuno Correia 08/09
  11. 11. Charles Lyell (1797 – 1975) 11 Nuno Correia 08/09
  12. 12. 12  A coexistência entre o catastrofismo e o Uniformitarismo não foi pacífica.  Seria Charles Lyell, um discípulo de Hutton, na sua obra Princípios de Geologia, quem verdadeiramente lutou contra as ideias catastrofistas baseadas em acontecimentos excepcionais, tais como o dilúvio bíblico. Nuno Correia 08/09
  13. 13. 13 O estudo de determinados fenómenos geológicos (e.g. sismos) demonstraram que a Terra comporta acontecimentos graduais e catastróficos e que, para o mesmo fenómeno, podem coexistir aspectos graduais (como a acumulação lenta de energia – antes do sismo – e a ruptura superficial quasi-instantânea, originando a libertação de energia responsável pelos efeitos provocados). Nuno Correia 08/09
  14. 14. 14  No sec. XX ressurgem as teorias catastrofistas – neocatastrofismo.  Aceita os princípios do Uniformitarismo, mas admite a existência de catástrofes, como principais agentes modeladores da vida e da geodinâmica terrestre. Nuno Correia 08/09
  15. 15. 15  Se o catastrofismo não se impõe ao uniformismo no século XVIII mas renasce, como neocatastrofismo, no fim do século XX é porque a nossa visão cientifica do mundo se alterou radicalmente entretanto. Meteor Crater, Arizona, EUA Nuno Correia 08/09
  16. 16. 16  descobriram-se grandezas que não têm tamanho característico mas podem variar entre longos limites, por vezes dezenas ou centenas de ordens de grandeza. Nuno Correia 08/09
  17. 17. 17  Alguns exemplos em Ciências da Terra são a energia dos impactos de meteoritos, dos sismos, o tamanho das cheias. Rinjani, Indonésia Nuno Correia 08/09
  18. 18. 18  Estima-se por exemplo que um impacto de asteróide com 100m de diâmetro ocorrerá de 1000 em 1000 anos;  o de um asteróide com 10 Km será da ordem de 100 M.a., mas todos os dias caem poeiras meteoríticas com dimensões milimétricas sobre a Terra. Nuno Correia 08/09
  19. 19. 19  durante uma vida humana pode ocorrer um sismo tectónico da máxima magnitude medida; mas teríamos que esperar cerca de 100 M.a. para poder observar o megaimpacto com máxima energia expectável Nuno Correia 08/09
  20. 20. 20  Há causas que podemos observar todos os dias e outras que só estão preservadas no registo geológico. Nuno Correia 08/09
  21. 21. 21  O catastrofismo e o uniformismo são aplicáveis aos extremos de uma distribuição contínua entre esses extremos e não se excluem mutuamente. Nuno Correia 08/09
  22. 22. Ao vermos a História da Terra como uma série de fenómenos graduais intercalados com eventos catastróficos, torna-se evidente que esses fenómenos poderão voltar a acontecer. Nuno Correia - 09/10

×