Ppt 5 Trocas Gasosas Em Seres Multicelulares

4.095 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.095
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
707
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
385
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ppt 5 Trocas Gasosas Em Seres Multicelulares

  1. 1. TROCAS GASOSAS EM SERES MULTICELULARES Trocas Gasosas nas Plantas
  2. 2. O mergulho dos elefantes marinhos 2 As fêmeas adultas dos elefantes-marinhos podem mergulhar até 1255 metros de profundidade em busca de alimento. A duração dos mergulhos varia de 20 a 27 minutos, embora uma fêmea tenha sido já monitorizada num mergulho que durou 120 minutos, ou seja, duas horas. O tempo de permanência na superfície entre os mergulhos é de apenas 2 a 3 minutos. Como é que estes animais conseguem este espectacular mergulho? Os elefantes-marinhos utilizam o oxigénio que se encontra armazenado no seu sangue e não nos seus pulmões, pois o animal expira antes de mergulhar e sustém a respiração. Os pulmões colapsam a cerca de 40 metros de profundidade e deixam de acumular ar. A quantidade de sangue que estes animais possuem é cerca de duas vezes e meia mais do que teria um homem do mesmo tamanho. Durante o mergulho, o coração baixa a sua frequência (três batimentos por minuto) e o sangue circula apenas nos órgãos vitais e nos músculos necessários à movimentação na água. Estes animais Mirounga leonina apresentam ainda uma outra vantagem: os músculos têm uma elevada percentagem de mioglobina, proteína com função de armazenamento de oxigénio. Nuno Correia 08-09
  3. 3. A respiração é sinónimo de vida 3 os seres vivos necessitam  de um fluxo de oxigénio para as células e da remoção do dióxido de carbono, que se forma como consequência das reacções metabólicas que lá ocorrem. Nuno Correia 08-09
  4. 4. 4 Nos seres unicelulares e nos  seres multicelulares de dimensões reduzidas, as trocas gasosas indispensáveis à respiração celular ocorrem directamente com o meio. Esponjas Nuno Correia 08-09
  5. 5. Seres Multicelulares 5 As trocas gasosas  ocorrem através de estruturas especializadas. Nuno Correia 08-09
  6. 6. Trocas Gasosas nas Plantas 6 Nuno Correia 08-09
  7. 7. 7 As plantas realizam uma  série de funções metabólicas, como a respiração, a fotossíntese e a transpiração, indispensáveis à sua sobrevivência. Nuno Correia 08-09
  8. 8. Estoma 8 As plantas possuem  algumas estruturas, que permitem que estas trocas gasosas se processem com eficiência e que controlam a quantidade de gases absorvidos e libertados. Nuno Correia 08-09
  9. 9. 9 Nuno Correia 08-09
  10. 10. Abertura e Fecho dos Estomas 10 Nuno Correia 08-09
  11. 11. 11 Nuno Correia 08-09
  12. 12. 12 O estado de  turgescência das células estomáticas determina o grau de abertura do estoma. Nuno Correia 08-09
  13. 13. 13 O transporte activo de  iões, sobretudo do ião potássio (K+), para o interior das células estomáticas, constitui um dos mecanismos actualmente mais aceite para explicar as variações na pressão de turgescência dessas células. Nuno Correia 08-09
  14. 14. 14 Apesar de ser muito  importante na regulação da abertura e do fecho dos estomas, a concentração de iões é apenas um dos factores que intervêm neste fenómeno. Nuno Correia 08-09
  15. 15. 15 A diminuição da concentração  em CO2 nos espaços intercelulares das células das folhas causa a abertura dos estomas.. Nuno Correia 08-09
  16. 16. 16 Nuno Correia 08-09

×