PoluiçãO Do Ar

15.418 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
2 comentários
19 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.418
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
641
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
2
Gostaram
19
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PoluiçãO Do Ar

  1. 1. Nuno Correia BIOLOGIA E OS DESAFIOS DA ACTUALIDADE Poluição atmosférica
  2. 2. Atmosfera  Origem  Constituição  Poluição Nuno Correia
  3. 3. A atmosfera de Vénus, Terra e Marte tem origem secundária, ou seja, não se formaram da nebulosa primitiva que deu origem ao sistema solar Nuno Correia
  4. 4. Atmosfera Primordial Os constituintes da atmosfera primordial : Hidrogénio e Hélio Nuno Correia
  5. 5. Origem da atmosfera A atmosfera secundária formou-se a partir das contribuições de partículas interplanetárias e , talvez dos cometas. Nuno Correia
  6. 6. Nuno Correia
  7. 7. Camadas da Atmosfera A atmosfera divide-se em camadas, cada uma das quais caracterizada por mudanças abruptas de temperatura, que resulta de diferenças na absorção de energia solar que incide na Terra. Nuno Correia
  8. 8. Estratosfera Camada rica em ozono. Este gás origina-se a partir de moléculas de oxigénio que interagem com a radiação ultravioleta emitida pelo sol. Nuno Correia
  9. 9. Poluição Atmosférica  Segundo a OMS, mais de mil milhões de pessoas vivem em locais onde o ar é insalubre. Nuno Correia
  10. 10. Principais Poluentes da Atmosfera  Óxidos de carbono  Óxidos enxofre  Óxidos de azoto  Compostos orgânicos voláteis  Partículas em suspensão  Oxidantes fotoquímicos  Substâncias radioactivas  Outros poluentes cancerígenos. Nuno Correia
  11. 11. Óxidos de Carbono  Monóxido de Carbono  Dióxido de carbono Nuno Correia
  12. 12. Óxidos de Enxofre  Dióxido de enxofre  Trióxido de enxofre Nuno Correia
  13. 13. Óxidos de Azoto  Monóxido de azoto  Dióxido de azoto  Óxido Nitroso Nuno Correia
  14. 14. Compostos orgânicos voláteis  Metano  Propano  Clorofluorcarbonetos Nuno Correia
  15. 15. Partículas em Suspensão  Sólidas  Aerossóis Nuno Correia
  16. 16. Oxidantes Fotoquímicos  Ozono  Peróxido de hidrogénio  Aldeídos Nuno Correia
  17. 17. Substâncias Radioactivas  Radão - 222  Iodo – 131  Estrôncio – 90  Plutónio - 239 Nuno Correia
  18. 18. Radão - 222  Radão é um gás de origem natural, radioactivo, cujos átomos se desintegram originando outros elementos também radioactivos, causando todos eles exposição do Homem às radiações ionizantes.  Este gás é inodoro, incolor e insípido e, por isso, não detectável pelos nossos sentidos. Nuno Correia
  19. 19. Um estudo divulgado em França, revela que 5% a 12 % dos casos de cancro do pulmão, registados naquele país, terão sido originados pela exposição doméstica ao radão. Nuno Correia
  20. 20. Sr - Estrôncio Original em Br O estrôncio-90 radioativo liberado por vazamentos ou explosões nucleares pode causar sérios problemas quando assimilado. Uma vez na corrente sangüínea, ele é confundido com o cálcio (ver a distribuição ambos na tabela periódica) e absorvido pelo tecido ósseo, onde será fixado. Agora fazendo parte dos ossos, ele emite sua radiação e acabará por provocar sérias mutações cancerígenas nos tecidos formadores de sangue encontrados na medula óssea. http://www.colegiosaofrancisco.com.br/alfa/poluicao-ambiental/poluicao-ambiental.php Nuno Correia
  21. 21. Outros poluentes cancerígenos  Tetracloreto de carbono  Cloreto de metilo  Benzeno  Dibrometo de etileno Nuno Correia
  22. 22. Tetracloreto de Carbono No passado, o tetracloreto do carbono foi usado extensamente como um líquido de limpeza (na indústria e em estabelecimentos limpeza a seco como agente desengordurante e nas casas como um tira-nódoas para roupa, mobília e tapeçaria). Este produto foi usado também em extintores de fogo e como insecticida para matar insectos em cereais. A maioria destes usos foram interrompidos a meio dos anos 60. Apesar disso até à bem pouco tempo, ele foi usado como pesticida, mas o seu uso interrompeu-se em 1986. Nuno Correia
  23. 23. Os poluentes atmosféricos podem ser classificados em:  poluentes primários  poluentes secundários. Nuno Correia
  24. 24. Poluentes primários  Substâncias emitidas para a troposfera numa forma potencialmente prejudicial.  Podem reagir entre si para formar novos poluentes – poluentes secundários. Nuno Correia
  25. 25. Poluentes Secundários  Resultam da reacção de poluentes primários.  Expl: Dióxido de enxofre Nuno Correia
  26. 26. Nevoeiro Fotoquímico O nevoeiro fotoquímico, também conhecido por Smog, consiste numa mistura de poluentes primários (Monóxido de Carbono, Dióxidos de Enxofre e Azoto) e poluentes secundários como por exemplo o ozono, formados sob a influência da luz solar. Uma vez que o Smog está dependente do Sol, este tipo de poluição torna-se mais evidente nos dias de seca e de maior calor. Nuno Correia
  27. 27. Causas do Smog Nuno Correia
  28. 28. Evolução do nevoeiro ao longo do dia Nuno Correia
  29. 29. Nuno Correia
  30. 30. Nuno Correia
  31. 31. Chuvas ácidas  A chuva ácida é caracterizada por ter um pH ácido (abaixo de 4,5) e produz-se quando o Enxofre (S), proveniente da queima dos combustíveis fósseis e o Azoto (N) presente no ar se combinam com o Oxigénio (O2), formando assim o Dióxido de Enxofre (SO2) e Dióxido de Azoto (NO2). Nuno Correia
  32. 32. Estes compostos vão-se espalhar pela atmosfera e fundem-se com as partículas de água que estão em suspensão, formando assim o Ácido Sulfúrico (H2SO4), Ácido Nítrico (HNO3) e também Ácido Clorídrico (HCl) em pequenas quantidades. Nuno Correia
  33. 33. Nuno Correia
  34. 34. Nuno Correia
  35. 35. Aquecimento Global Nuno Correia
  36. 36. Al Gore Claude Allègre Nuno Correia
  37. 37. Nuno Correia
  38. 38. Claude Allègre  O aquecimento climatérico, bem como o impacto da acção humana sobre o planeta, reúnem um consenso cada vez mais alargado no seio da comunidade científica, desde há dez anos.  No entanto, observações recentes (baixa significativa da temperatura média da terra em 2007, episódios de grandes frios em locais pouco habituais) levam certos investigadores, entre os quais Claude Allègre, a afirmarem que não se trata de um aquecimento mas sim de uma mudança de clima.  A organização deste evento resulta de uma parceria entre a Embaixada de França, a Academia das Ciências, o Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa e a Sociedade Portuguesa de Geologia. Nuno Correia
  39. 39. “A atmosfera é tão pouco espessa que nós podemos modificar a sua composição… Em particular, temos aumentado imenso a quantidade de dióxido de carbono – o mais importante dos denominados gases com efeito de estufa.” Al Gore Nuno Correia
  40. 40. Nuno Correia
  41. 41. Nuno Correia
  42. 42. Aquecimento global? Nevou em Bagdad pela primeira vez em 5 mil anos Assim, Claude Allègre - que foi convidado pela Academia das Ciências no âmbito do Dia da Terra, que se celebra esta terça-feira - defende que «essa história do aquecimento global é algo que não tem grande significado». «Nem sabemos se se trata de aquecimento, pois este ano foi excepcionalmente frio, tendo nevado em Bagdad pela primeira vez em 5 mil anos». Para Allègre, que foi ministro da Educação, da Investigação e da Tecnologia em França entre 1997 e 2000, «é necessário parar de assustar as pessoas», pois «ninguém sabe nada de concreto» sobre o que se está a passar, nomeadamente se as mudanças integram um ciclo natural ou resultam das acções humanas. Nuno Correia
  43. 43.  Claude Allègre, que conquistou a Medalha de Ouro do Centro Nacional de Investigação Científica, em França, em 1994, considera também assuntos prioritários «a poluição dos oceanos e a destruição da fauna e flora marinhas, os resíduos urbanos, aos quais não se sabe o que fazer» e «a desnutrição e as epidemias nos países pobres».  «Há 30 mil pessoas a morrer diariamente no mundo por falta de água potável. A crise alimentar e o preço das matérias-primas são problemas que é necessário resolver agora, pois a fome é um problema actual, não dentro de um século».  «Creio que vamos entrar num período de fomes, pelo que, em vez de se financiar as pessoas que criam pânico sem razão, devia-se procurar soluções na agricultura, na hidrogeologia, na biologia, na medicina e nas campanhas de luta contra as epidemias de malária e tuberculose». Nuno Correia
  44. 44.  Abundância de CO2 na Terra – 380 ppm (0.038%)  CH4 – 1.7 ppm Abundância de CO2 em Vénus e Marte – 95% Nuno Correia
  45. 45. Nuno Correia
  46. 46. Efeito de Estufa Temperatura em Vénus 462 ºC Temperatura em Marte – 46º C Temperatura na Terra + 15ºC (sem efeito de estufa – 18º C) Nuno Correia
  47. 47.  Os gases de estufa (dióxido de carbono (CO2), metano (CH4), Óxido nitroso (N2O), CFC´s (CFxClx)) absorvem alguma da radiação infravermelha emitida pela superfície da Terra e radiam por sua vez alguma da energia absorvida de volta para a superfície. Como resultado, a superfície recebe quase o dobro de energia da atmosfera do que a que recebe do Sol e a superfície fica cerca de 30ºC mais quente do que estaria sem a presença dos gases «de estufa». Nuno Correia
  48. 48. Um dos piores gases é o metano, cerca de 20 vezes mais potente que o dióxido de carbono, é produzido pela flatulência dos ovinos e bovinos, sendo que a pecuária representa 16% da poluição mundial. Cientistas procuram a solução para esse problema e estão desenvolvendo um remédio para tentar resolver o caso. Na Nova Zelândia pensou-se em cobrar-se taxas por vaca, para compensar o efeito dos gases emitidos. http://pt.wikipedia.org/wiki/Efeito_estufa Nuno Correia
  49. 49. Nuno Correia
  50. 50. Subida do mar ? Nuno Correia
  51. 51. Subsidência Tectónica ? Nuno Correia
  52. 52. Isostasia Nuno Correia
  53. 53. Sobe ou desce? IBGE: Nível do mar já subiu em Santa Catarina e no Rio de Janeiro domingo, 1 de Julho de 2007, 21:33:56 Data: 29/6/2007 O nível da água do mar subiu um centímetro nos últimos cinco anos em Santa Catarina, segundo medição feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O instituto está estudando os efeitos do aquecimento global no nível dos mares. A medição foi realizada em dois pontos da costa brasileira. Em Imbituba (SC), o aumento é da ordem média de 2,5 mm ao ano. Em Macaé, no Rio de Janeiro, o aumento foi muito alto, de 37 mm por ano. O dado fluminense, no entanto, é impreciso segundo próprio IBGE. Luis Paulo Souto, diretor de Geociências do instituto, explica que os marégrafos - instrumentos usados para a medição - estão presos à crosta terrestre. Assim, qualquer movimento de afundamento da crosta no local pode ser erroneamente medido como aumento do nível do mar. quot;O dado de Imbituba é consolidado. Por outro lado, o resultado que nós encontramos para Macaé é bem superior, é de 37 mm por ano. Não reflete os efeitos do aquecimento. É um efeito local que nós ainda estamos investigandoquot;, diz Souto. Em Imbituba, o instituto já instalou um mapeador via satélite (GPS) para identificar esse movimento da crosta e descontá-lo dos resultados. Em Macaé, o GPS deve ser instalado ainda neste ano. Nuno Correia
  54. 54. Deplecção do ozono estratosférico Nuno Correia
  55. 55. Deplecção do ozono estratosférico Nuno Correia
  56. 56. Nuno Correia

×